SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
FACULDADE SANTA RITA – FASAR
ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA : O ENFERMEIRO NO
ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E
DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)
Conselheiro Lafaiete –MG
2016
2
INGRID NAYARA DIAS FARIA
SAÚDE DA CRIANÇA : O ENFERMEIRO NO
ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E
DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)
Pré-projeto de Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado a disciplina trabalho de conclusão I.
Orientado pela professora Daniele Baldino
Conselheiro Lafaiete –MG
2016
3
1. INTRODUÇÃO
São Paulo (2003 ) aponta a atuação do profissional enfermeiro na atenção
básica em todas as fases do ciclo de vida dos indivíduos de sua área de
responsabilidade, visando à proteção, promoção e recuperação da saúde. O
atendimento à criança engloba a sequência de ações ou medidas preventivas
direcionadas desde antes do nascimento até os 5 anos de idade, como objetivo
de evitar que ela adoeça e promover um crescimento e desenvolvimento
adequados .
Segundo Novaczy et al (2008) as políticas de saúde e os programas de
assistência á saúde da criança,preconizados pelo ministério da saúde ,inserem
o enfermeiro como importante profissional no processo de acompanhamento
do crescimento e desenvolvimento infantil .Desta maneira,o enfermeiro deve
assistir a criança enfocando o cuidado não somente na doença, mas
percebendo que a criança é um ser em desenvolvimento ,que necessita ser
atendida não só fisicamente,mas também mentalmente e socialmente
percebendo detalhes que acarretam no futuro da criança .
Para cuidar da criança, o enfermeiro precisa ter o conhecimento da família. E
conhecendo a família ele se torna capaz de compreender seu funcionamento e
os fatores que influenciam as suas experiências na saúde e na doença.
Entender a ESF como estratégia de mudança significa repensar
praticas,valores e conhecimento de todos os grupos envolvidos no processo de
produção social da saúde ,respeitando suas culturas e dificuldades . (WEIRICH
et al .;2004) .
Alves e Moulin (2008),relatam que existem varias modalidades de atendimento
á criança e destacam a consulta individual realizada pelo enfermeiro como uma
excelente estratégia de abordagem integral na saúde infantil,pois é o momento
de avaliar o crescimento e desenvolvimento ,alimentação e vacinas,alem de
oferecer orientações sobre alimentação,vacinação , higiene ,prevenção de
acidentes e doenças e uso correto de medicamentos prescritos.Enfatizam
também o preenchimento de caderneta de saúde da criança .
Portanto a pesquisa visa responder como deve ser a atuação do enfermeiro e a
sua importância no processo de acompanhamento do desenvolvimento da
criança, caracterizado como puericultura.
4
2-JUSTIFICATIVA
O enfermeiro diante de suas diversas atribuições, tem a
responsabilidade de realizá-las de forma efetiva e com auxilio de sua
equipe . Segundo Silva et al (2013) durante a consulta de enfermagem é
necessário realizar o ato do cuidar durante toda sua assistência ,
devendo assim ser oferecido de forma humana e holística ,utilizando de
todos os fatores encontrados para promover um assistência segura e de
qualidade .
Diante da importância da sua atuação justifica-se o estudo diante das
diretrizes aplicadas .Segundo, Brasil (1984) o Ministério da Saúde (MS)
instituiu estratégias básicas de atenção à Saúde da Criança, por meio do
PAISC – Programa Nacional de Atenção à Saúde da Criança. O qual
estabelecia diretrizes e objetivos para a execução de ações que
favoreciam o crescimento, o desenvolvimento, a qualidade de vida da
criança; a 5 redução da mortalidade infantil; o atendimento periódico e
contínuo; o acompanhamento do processo de crescimento e
desenvolvimento (CD) da criança; o incentivo ao aleitamento materno
exclusivo até os seis meses de idade; orientação alimentar no primeiro
ano de vida; a imunização efetiva; a identificação dos processos
patológicos, favorecendo o diagnóstico e o tratamento precoce.
Suto et al (2014) aponta que o Ministério da Saúde preconizou como
meta ideal de eficiencia para as consultas de puericultura o número
mínimo de nove consultas no primeiro ano de vida da criança a fim de
garantir a qualidade desse atendimento à criança”.Desta forma é
realizado a promoção da saúde da criança e desenvolve ações de
prevenção de possíveis agravos ,realizando assim um compromisso de
prover qualidade de vida para a criança .
5
3. OBJETIVOS
3.1GERAL
Descrever a atuação do enfermeiro no processo de acompanhamento do
desenvolvimento da criança ,caracterizado como puericultura .
1.1 ESPECIFICOS
- Identificar as etapas do processo de puericultura conforme as diretrizes do
Sistema Único de Saúde.
- Caracterizar o controle do crescimento e desenvolvimento na atribuição do
enfermeiro.
- Analisar a vantagem do acompanhamento da criança para a definição
conduta do enfermeiro.
6
4.REFERENCIAL TEÓRICO
PUERICULTURA
A atenção básica, após a Conferência de Alma -Ata, em 1978, foi reconhecida
como uma ação integral e permanente devendo compor os sistemas de saúde
bem estruturados e comprometidos com a qualidade de vida dos cidadãos,
tratando o indivíduo e a sua comunidade de forma simultanea. (DEL CIAMPO
et. al., 2006).
De acordo com Houaiss (2011) uma das definições de puericultura seria “a
ciência que reúne todas as noções (Fisiológica,higiene,sociologia) suscetíveis
de favorecer o desenvolvimento físico e psíquico das crianças,desde o período
da gestação até a puberdade” sendo assim a fase adulta tende-se a ser um
acompanhamento continuo de possíveis causas da infância .
Segundo Ricco & cols. (2005), as ações desenvolvidas numa consulta de
puericultura na atenção básica, além de serem direcionadas às crianças,
refletem sobre o seu meio sócio-cultural, principalmente considerando o papel
da família neste contexto, pois sem o apoio da mesma, tais ações não obtêm o
devido sucesso.
A assistência às famílias e às crianças, nos domicílios e nas unidades básicas
de saúde, podem modificar positivamente o padrão epidemiológico atual da
saúde da criança. O diagnóstico precoce e decisões apropriadas, quer seja
através da assistência no nível local do sistema de saúde, ou nos serviços de
maior complexidade tecnológica ,podem ser facilitados a partir do uso de
protocolos clínicos e normas de atendimento. (CEARÁ, 2002)
7
2. REFERÊNCIAS
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil /
Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
FUJIMORI, E.; BORGES, A. L. V. Avaliação do crescimento. In: FUJIMORI, E.;
OHARA, C. V. S. (Org.). Enfermagem e a saúde da criança na atenção básica.
Manole: Barueri-SP, 2009, p.121-151.
http://www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/protocolos/puericultura.pdf
Artigo :CONSULTA DE ENFERMAGEMEMPUERICULTURA: UMA REALIDADE DE ATENDIMENTO
CEARÁ. SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO. Manual de Normas para Saúde da Criança na
Atenção Primária. Fortaleza: SESA, 2002.
DEL CIAMPO, L. A.; RICCO, R. G.; DANELUZZI, J. C.; DEL CIAMPO, I. R. L; FERRAZ, I. S., ALMEIDA,
C. A.N.; O Programade Saúde da Famíliae a Puericultura.Rev.Ciência & Saúde Coletiva, v.11,
n. 3, novembro, 2006.
RICCO,R. G.; ALMEIDA, C. A. N.; DEL CIAMPO, L. A. Puericultura. Série Temas de Pediatria. 80.
Ed. São Paulo: Nestlé Nutrition, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012elisabuzzo
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoProqualis
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasCaroline Reis Gonçalves
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilStudent
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 

Mais procurados (20)

Caderneta de Saúde da Criança: Avaliação dos Marcos do Desenvolvimento
Caderneta de Saúde da Criança: Avaliação dos Marcos do DesenvolvimentoCaderneta de Saúde da Criança: Avaliação dos Marcos do Desenvolvimento
Caderneta de Saúde da Criança: Avaliação dos Marcos do Desenvolvimento
 
A Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejoA Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejo
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
 
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012
Trabalho Conclusão de Curso Enfermagem UNIP/Assis 2012
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
 
Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Testedopezinho
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
 
Exame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagemExame fisico enfermagem
Exame fisico enfermagem
 

Semelhante a A atuação do enfermeiro na puericultura

Caderno saúde da criança 2002
Caderno saúde da criança 2002Caderno saúde da criança 2002
Caderno saúde da criança 2002gisa_legal
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Mabi Almeida
 
Crescimento desenvolvimento
Crescimento desenvolvimentoCrescimento desenvolvimento
Crescimento desenvolvimentoJúlia Silva
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. IIIbibliotecasaude
 
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...Biblioteca Virtual
 
Projeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteProjeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteCal Fernandes
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxMárcio Cristiano de Melo
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Atencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantilAtencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantil4444444444ada
 
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdf
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdfBOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdf
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdfLLaissSSantoss
 
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...benricio
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilLeandro Silva
 
Aconselhamento em amamentacao e sua pratica
Aconselhamento em amamentacao e sua praticaAconselhamento em amamentacao e sua pratica
Aconselhamento em amamentacao e sua praticabancodeleite
 
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]Tatiane Silva
 

Semelhante a A atuação do enfermeiro na puericultura (20)

INTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docxINTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docx
 
Caderno saúde da criança 2002
Caderno saúde da criança 2002Caderno saúde da criança 2002
Caderno saúde da criança 2002
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
Continuação
ContinuaçãoContinuação
Continuação
 
Aenf02.10
Aenf02.10Aenf02.10
Aenf02.10
 
Crescimento desenvolvimento
Crescimento desenvolvimentoCrescimento desenvolvimento
Crescimento desenvolvimento
 
Revista ApiceON
Revista ApiceONRevista ApiceON
Revista ApiceON
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
 
Projeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteProjeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parte
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
 
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
APICE On - Aprimoramento e Inovação no Cuidado/Ensino em Obstetrícia e Neonat...
 
Atencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantilAtencao a saude_infantil
Atencao a saude_infantil
 
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdf
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdfBOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdf
BOOK_Curso1_amamenta_18agosto2022.pdf
 
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...
A relevância do enfermeiro na pratica da atenção integral das doenças prevale...
 
Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
Especialização em Aleitamento Materno 2019/20Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
 
Programa de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasilPrograma de saúde da criança no brasil
Programa de saúde da criança no brasil
 
Aconselhamento em amamentacao e sua pratica
Aconselhamento em amamentacao e sua praticaAconselhamento em amamentacao e sua pratica
Aconselhamento em amamentacao e sua pratica
 
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]
Tcc ii escrito 1 dani e heilane[1]
 

Último

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 

Último (8)

O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 

A atuação do enfermeiro na puericultura

  • 1. 1 FACULDADE SANTA RITA – FASAR ENFERMAGEM SAÚDE DA CRIANÇA : O ENFERMEIRO NO ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) Conselheiro Lafaiete –MG 2016
  • 2. 2 INGRID NAYARA DIAS FARIA SAÚDE DA CRIANÇA : O ENFERMEIRO NO ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) Pré-projeto de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a disciplina trabalho de conclusão I. Orientado pela professora Daniele Baldino Conselheiro Lafaiete –MG 2016
  • 3. 3 1. INTRODUÇÃO São Paulo (2003 ) aponta a atuação do profissional enfermeiro na atenção básica em todas as fases do ciclo de vida dos indivíduos de sua área de responsabilidade, visando à proteção, promoção e recuperação da saúde. O atendimento à criança engloba a sequência de ações ou medidas preventivas direcionadas desde antes do nascimento até os 5 anos de idade, como objetivo de evitar que ela adoeça e promover um crescimento e desenvolvimento adequados . Segundo Novaczy et al (2008) as políticas de saúde e os programas de assistência á saúde da criança,preconizados pelo ministério da saúde ,inserem o enfermeiro como importante profissional no processo de acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil .Desta maneira,o enfermeiro deve assistir a criança enfocando o cuidado não somente na doença, mas percebendo que a criança é um ser em desenvolvimento ,que necessita ser atendida não só fisicamente,mas também mentalmente e socialmente percebendo detalhes que acarretam no futuro da criança . Para cuidar da criança, o enfermeiro precisa ter o conhecimento da família. E conhecendo a família ele se torna capaz de compreender seu funcionamento e os fatores que influenciam as suas experiências na saúde e na doença. Entender a ESF como estratégia de mudança significa repensar praticas,valores e conhecimento de todos os grupos envolvidos no processo de produção social da saúde ,respeitando suas culturas e dificuldades . (WEIRICH et al .;2004) . Alves e Moulin (2008),relatam que existem varias modalidades de atendimento á criança e destacam a consulta individual realizada pelo enfermeiro como uma excelente estratégia de abordagem integral na saúde infantil,pois é o momento de avaliar o crescimento e desenvolvimento ,alimentação e vacinas,alem de oferecer orientações sobre alimentação,vacinação , higiene ,prevenção de acidentes e doenças e uso correto de medicamentos prescritos.Enfatizam também o preenchimento de caderneta de saúde da criança . Portanto a pesquisa visa responder como deve ser a atuação do enfermeiro e a sua importância no processo de acompanhamento do desenvolvimento da criança, caracterizado como puericultura.
  • 4. 4 2-JUSTIFICATIVA O enfermeiro diante de suas diversas atribuições, tem a responsabilidade de realizá-las de forma efetiva e com auxilio de sua equipe . Segundo Silva et al (2013) durante a consulta de enfermagem é necessário realizar o ato do cuidar durante toda sua assistência , devendo assim ser oferecido de forma humana e holística ,utilizando de todos os fatores encontrados para promover um assistência segura e de qualidade . Diante da importância da sua atuação justifica-se o estudo diante das diretrizes aplicadas .Segundo, Brasil (1984) o Ministério da Saúde (MS) instituiu estratégias básicas de atenção à Saúde da Criança, por meio do PAISC – Programa Nacional de Atenção à Saúde da Criança. O qual estabelecia diretrizes e objetivos para a execução de ações que favoreciam o crescimento, o desenvolvimento, a qualidade de vida da criança; a 5 redução da mortalidade infantil; o atendimento periódico e contínuo; o acompanhamento do processo de crescimento e desenvolvimento (CD) da criança; o incentivo ao aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade; orientação alimentar no primeiro ano de vida; a imunização efetiva; a identificação dos processos patológicos, favorecendo o diagnóstico e o tratamento precoce. Suto et al (2014) aponta que o Ministério da Saúde preconizou como meta ideal de eficiencia para as consultas de puericultura o número mínimo de nove consultas no primeiro ano de vida da criança a fim de garantir a qualidade desse atendimento à criança”.Desta forma é realizado a promoção da saúde da criança e desenvolve ações de prevenção de possíveis agravos ,realizando assim um compromisso de prover qualidade de vida para a criança .
  • 5. 5 3. OBJETIVOS 3.1GERAL Descrever a atuação do enfermeiro no processo de acompanhamento do desenvolvimento da criança ,caracterizado como puericultura . 1.1 ESPECIFICOS - Identificar as etapas do processo de puericultura conforme as diretrizes do Sistema Único de Saúde. - Caracterizar o controle do crescimento e desenvolvimento na atribuição do enfermeiro. - Analisar a vantagem do acompanhamento da criança para a definição conduta do enfermeiro.
  • 6. 6 4.REFERENCIAL TEÓRICO PUERICULTURA A atenção básica, após a Conferência de Alma -Ata, em 1978, foi reconhecida como uma ação integral e permanente devendo compor os sistemas de saúde bem estruturados e comprometidos com a qualidade de vida dos cidadãos, tratando o indivíduo e a sua comunidade de forma simultanea. (DEL CIAMPO et. al., 2006). De acordo com Houaiss (2011) uma das definições de puericultura seria “a ciência que reúne todas as noções (Fisiológica,higiene,sociologia) suscetíveis de favorecer o desenvolvimento físico e psíquico das crianças,desde o período da gestação até a puberdade” sendo assim a fase adulta tende-se a ser um acompanhamento continuo de possíveis causas da infância . Segundo Ricco & cols. (2005), as ações desenvolvidas numa consulta de puericultura na atenção básica, além de serem direcionadas às crianças, refletem sobre o seu meio sócio-cultural, principalmente considerando o papel da família neste contexto, pois sem o apoio da mesma, tais ações não obtêm o devido sucesso. A assistência às famílias e às crianças, nos domicílios e nas unidades básicas de saúde, podem modificar positivamente o padrão epidemiológico atual da saúde da criança. O diagnóstico precoce e decisões apropriadas, quer seja através da assistência no nível local do sistema de saúde, ou nos serviços de maior complexidade tecnológica ,podem ser facilitados a partir do uso de protocolos clínicos e normas de atendimento. (CEARÁ, 2002)
  • 7. 7 2. REFERÊNCIAS BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Brasília: Ministério da Saúde, 2002. FUJIMORI, E.; BORGES, A. L. V. Avaliação do crescimento. In: FUJIMORI, E.; OHARA, C. V. S. (Org.). Enfermagem e a saúde da criança na atenção básica. Manole: Barueri-SP, 2009, p.121-151. http://www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/protocolos/puericultura.pdf Artigo :CONSULTA DE ENFERMAGEMEMPUERICULTURA: UMA REALIDADE DE ATENDIMENTO CEARÁ. SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO. Manual de Normas para Saúde da Criança na Atenção Primária. Fortaleza: SESA, 2002. DEL CIAMPO, L. A.; RICCO, R. G.; DANELUZZI, J. C.; DEL CIAMPO, I. R. L; FERRAZ, I. S., ALMEIDA, C. A.N.; O Programade Saúde da Famíliae a Puericultura.Rev.Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n. 3, novembro, 2006. RICCO,R. G.; ALMEIDA, C. A. N.; DEL CIAMPO, L. A. Puericultura. Série Temas de Pediatria. 80. Ed. São Paulo: Nestlé Nutrition, 2005.