Cooperativismo

395 visualizações

Publicada em

DADOS E CONTEÚDOS SEI-BA

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cooperativismo

  1. 1. COOPERATIVISMO SEI - BAHIACOOPERATIVISMO
  2. 2. • O cooperativismo é um movimento que nasceu em meados do século XIX, na Inglaterra, por volta de 1844, quando do surgimento da Sociedade dos Probos de Rochdale. 1• Tal sociedade inspirou a criação de diversas outras cooperativas e elaborou os valores e princípios seguidos até a contemporaneidade: adesão livre e voluntária; gestão democrática; participação econômica; autonomia e independência; educação, formação e informação; intercooperação e interesse pela comunidade.
  3. 3. • Entende-se por cooperativas: associações autônomas de pessoas que se unem voluntariamente em empreendimento de propriedade comum, com o intuito de satisfazer aspirações econômicas, sociais e culturais. São norteadas por valores como a ajuda mútua, solidariedade, democracia, participação e autonomia (SCHIMIDT; PREIUS, 2003)2.
  4. 4. • No Brasil, atividades de cunho cooperativista foram identificadas já na época da colônia, sobretudo na Região Sul, decorrentes da influência dos imigrantes europeus. Ao longo das décadas que se seguiram, o segmento passou a avançar em termos de organização.
  5. 5. • 1971, foi promulgada a Lei federal 5.764, que regulamenta a atividade cooperativista no país e reconhece a Organização de Cooperativas do Brasil (OCB) e suas análogas estaduais (na Bahia, o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (Oceb)) como entidades representativas oficiais.
  6. 6. • Ao longo do tempo, diversas organizações autônomas se constituíram e ganharam legitimidade na representação de setores econômicos e movimentos sociais nos diversos ramos do cooperativismo, tais como agricultura familiar e economia solidária, representada, dentre outras, pela União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes).
  7. 7. • Na Bahia, a política estadual de apoio ao cooperativismo foi instituída através da Lei estadual 11.362/09, que criou o Conselho Estadual de Cooperativismo (Cecoop), com a finalidade de planejar e avaliar as ações desenvolvidas para o segmento. Desde a sua instalação, o referido conselho empenha-se na discussão e na proposição de políticas com vistas a garantir incentivos à consolidação e constituição de cooperativas no estado.
  8. 8. • Estudos e dados estatísticos mostram que o cooperativismo, nas suas diversas formas, tem tido um papel relevante na geração de postos de trabalho, no combate à pobreza e na integração social. Além disso, oferece um modelo de negócio que contribui para o desenvolvimento socioeconômico tanto de seus cooperados quanto das localidades onde eles residem. Com base em tais constatações, a Assembleia Geral da ONU declarou 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas, com o objetivo de aumentar a consciência pública sobre esse tipo de organização e promover seu crescimento, fortalecimento e sustentabilidade.
  9. 9. • O reconhecimento da importância desse tema e a necessidade de compreendê-lo em suas múltiplas dimensões estimularam a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia a produzir um número da revista Bahia Análise & Dados dedicado ao cooperativismo. Esta publicação é também parte das ações programadas pelo governo do estado e pelo Cecoop em comemoração ao Ano Internacional das Cooperativas e tem o propósito de contribuir para a produção e disseminação de conhecimento sobre o tema.
  10. 10. EIXOS TEMÁTICOS• a) Bases teóricas e conceituais do cooperativismo• b) Legislação e políticas públicas para o cooperativismo• c) Impactos da atividade cooperativista• d) Gestão em cooperativas• e) Ensino, pesquisa e extensão em cooperativismo
  11. 11. REFERÊNCIAS• 1 Com base no relatório Global Business Ownership 2012, encomendado pela Organização das Cooperativas do Reino Unido (Cooperatives UK).• 2 SCHMIDT, Derli; PERIUS, Vergílio. Cooperativismo e cooperativa. In: CATTANI, Antonio David (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz, 2003. p. 63-71.

×