O Filho_232014_GGR

208 visualizações

Publicada em

O Objetivo deste material e colocar os textos bíblicos diretos em negrito e sublinhado, somados aos escritos de Ellen White que trazem mais luz sobre o assunto, para facilitar o entendimento, e capacitar a responder as questões da lição.

“Sempre darei a fonte, para que o conteúdo não seja anônimo, e todos tenham a oportunidade de achar, pesquisar e questionar”.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
208
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Filho_232014_GGR

  1. 1. Lições Adultos Ensinos de Cristo Lição 2 - O Filho 5 a 12 de julho Sábado - "O próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos." Mc 10:45. Quando o amor de Cristo é abrigado no coração, ele, como o suave perfume, não pode ocultar-se. Sua santa influência será sentida por todos aqueles com quem entramos em contato. O espírito de Cristo no coração é qual fonte no deserto, que ali corre para refrigerar a todos, despertando nas almas moribundas o anseio de sorver da água da vida. O amor que tivermos a Jesus se manifestará no desejo de trabalhar como Ele trabalhou, para bênção e reerguimento da humanidade. Levará o amor, ternura e simpatia para com todas as criaturas de nosso Pai celeste. A vida do Salvador no mundo não foi uma vida de comodidade e dedicação ao próprio eu; ao contrário, labutava com esforço persistente, fervoroso e incansável pela salvação da humanidade perdida. Desde a manjedoura até o Calvário trilhou a senda da abnegação, não procurando eximir-Se a tarefas árduas, penosas viagens e exaustivos cuidados e labores. Disse Ele: "O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a Sua vida em resgate de muitos." Mat. 20:28. Era este o único e grande objetivo de Sua vida. Tudo mais era secundário e subalterno. Sua comida e bebida consistia em fazer a vontade de Deus e consumar a Sua obra. O próprio eu e o interesse próprio não tinham parte alguma em Seu trabalho. Assim os que são participantes da graça de Cristo estarão prontos para fazer qualquer sacrifício a fim de que outros pelos quais Ele morreu participem do dom celestial. Farão tudo que está em seu poder para tornar o mundo melhor por sua estada nele. Tal espírito é o legítimo produto de uma alma verdadeiramente convertida. Caminho a Cristo, 77-78. No Céu ninguém pensará em si, nem buscará o seu próprio prazer; mas todos, motivados por um amor puro e genuíno, buscarão a felicidade dos seres celestiais em volta. Se desejamos fruir a sociedade dos seres do Céu na Terra renovada, temos de ser governados, aqui, por princípios celestiais. Testimonies, vol. 2, p. 133. Não devemos viver para nós mesmos. Cristo veio a este mundo para viver para outros - não para ser servido, mas para servir. Se vos esforçardes por viver como Ele viveu, estareis dizendo ao mundo: "Eis o Homem do Calvário." Por preceito e pelo exemplo estareis guiando outros no caminho da justiça. Manuscrito 11, 1885. Domingo - O Filho do Homem Ano Bíblico: Sl 120–134 1. Leia Mateus 24:30; 25:31; 26:64. Que elementos nas palavras de Jesus registradas nesses versos lembram Daniel 7:13-14? Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. Mt 24:30, ACF Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória. Mt 25:31, ARA Repondeu-lhe Jesus: É como disseste; contudo vos digo que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu. Mt 26:64, ARA Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. 14 E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino, o único que não será destruído. Dn 7:13-14, ARC ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo; o cetro do teu reino é um cetro de equidade. 7 Tu amas a justiça e odeias a impiedade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. Sl 45:6-7, ACF "Assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra até ao Ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem." Mat. 24:30 e 27. Ele deverá ser acompanhado de todas as hostes celestiais. ... "Ele enviará os Seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os Seus escolhidos." Mat. 24:31. … Não poderá o Seu povo receber o reino antes do advento pessoal de Cristo. Disse o Salvador: "E quando o Filho do homem vier em Sua glória, e todos os santos anjos com Ele, então Se assentará no trono da Sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dEle ... Então dirá o Rei aos que estiverem à Sua direita: Vinde, benditos de Meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo." Mat. 25:31-34. ... Quando o Filho do homem vier, os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e os vivos serão transformados. Por esta grande mudança ficam preparados para receberem o reino. ... O homem, em seu estado presente, é mortal, corruptível; o reino de Deus, porém, será incorruptível, permanecendo para sempre. Portanto, o homem, em sua condição atual, não pode entrar no reino de Deus. Mas, em vindo Jesus, confere a imortalidade a Seu povo; e então os chama para possuírem o reino de que até ali têm sido apenas herdeiros. O Grande Conflito, págs. 322 e 323. Segunda - O Filho de Deus Ano Bíblico: Sl 135–139 2. O que os seguintes textos revelam sobre a perfeita unidade do Pai e do Filho? Mt 11:27; Jo 3:35; 5:17; 10:30 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Mt 11:27, ARC O Pai ama o Filho e todas as coisas entregou nas suas mãos. Jo 3:35, ARC Mas Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Jo 5:17, ARA Eu e o Pai somos um. Jo 10:30, ACF O Testemunho do Pai a respeito de Seu filho. Mas, do Filho, diz: O Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de equidade é o cetro do teu reino. 9 Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. 10 E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. Hb 1:8-10, ACF Novamente é apresentada a personalidade do Pai e do Filho, mostrando a unidade existente entre Eles. Essa unidade é expressa também na oração de Cristo pelos discípulos, no décimo sétimo capítulo de João: "E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela Sua palavra hão de crer em Mim; para que todos sejam um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste. E Eu dei-lhes a glória que a Mim Me deste, para que sejam um, como Nós somos um. Eu neles, e Tu em Mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que Tu Me enviaste a Mim, e que os tens amado a eles como Me tens amado a Mim." João 17:20-23. Declaração admirável! A unidade existente entre Cristo e Seus discípulos não destrói a personalidade de nenhum deles, são um no propósito, no pensamento, no caráter, mas não em pessoa. Assim é que Deus e Cristo são um. Testemunhos Seletos, Vol. 3 p. 267. A fim de levarem avante, com êxito, a obra a que foram chamados, estes discípulos, diferindo tão grandemente em suas características naturais, em preparo e hábitos de vida, necessitavam chegar à unidade de sentimento, pensamento e ação. Era o objetivo de Cristo conseguir esta unidade. Para tal fim, procurou Ele trazê-los à unidade consigo. A grave preocupação em Seu trabalho por eles exprime-se em Sua oração ao Pai - "para que todos sejam um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu, em Ti; que também eles ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. sejam um em Nós. ... Para que o mundo conheça que Tu Me enviaste a Mim e que tens amado a eles como Me tens amado a Mim". João 17:21 e 23. Educação, 86. Deus é um com o Pai, mas Deus e Cristo são dois Personagens distintos. Lede a oração de Cristo no décimo sétimo capítulo de João e encontrareis este ponto claramente delineado. Quão ardentemente o Salvador orou para que Seus discípulos pudessem ser um com Ele, como Ele foi um com o Pai. Mas a unidade que deve existir entre Cristo e Seus seguidores não destrói a personalidade de nenhum deles. Devem ser um com Ele, como Ele é um com o Pai. Por esta unidade devem tornar claro ao mundo que Deus enviou o Seu Filho para salvar pecadores. A unidade dos seguidores de Cristo com Ele deve ser a grande e inegável prova de que Deus realmente enviou o Seu Filho... para salvar pecadores. Mas uma religião relapsa... deixa o mundo confuso e desorientado. Meus irmãos, tomai posição sobre uma elevada plataforma, e trabalhai ao ponto de serdes um com Cristo. O coração do Salvador está em que Seus seguidores cumpram o propósito de Deus em toda sua profundidade e altura. Devem ser um com Ele, mesmo que estejam dispersos por todo o mundo. Mas Deus não pode fazê-los um em Cristo a menos que estejam dispostos a renunciar a seus próprios caminhos. Manuscrito 58, 1905. Terça - Natureza divina de Cristo - Parte 1 Ano Bíblico: Sl 140–144 3. Leia Lucas 5:17-26. De que maneira muito poderosa Jesus revelou Sua divindade, sem dizer isso abertamente? 17 E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galileia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar. 18 E eis que uns homens transportaram numa cama um homem que estava paralítico, e procuravam fazê-lo entrar e pô-lo diante dele. 19 E, não achando por onde o pudessem levar, por causa da multidão, subiram ao telhado, e por entre as telhas o baixaram com a cama, até ao meio, diante de Jesus. 20 E, vendo ele a fé deles, disse-lhe: Homem, os teus pecados te são perdoados. 21 E os escribas e os fariseus começaram a arrazoar, dizendo: Quem é este que diz blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão só Deus? 22 Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, respondeu, e disse-lhes: Que arrazoais em vossos corações? 23 Qual é mais fácil? dizer: Os teus pecados te são perdoados; ou dizer: Levanta-te, e anda? 24 Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra poder de perdoar pecados (disse ao paralítico), a ti te digo: Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa. 25 E, levantando-se logo diante deles, e tomando a cama em que estava deitado, foi para sua casa, glorificando a Deus. 26 E todos ficaram maravilhados, e glorificaram a Deus; e ficaram cheios de temor, dizendo: Hoje vimos prodígios. Lc 5:17-26, ACF Oh! maravilhoso amor de Cristo, inclinando-se para curar o culpado e o aflito! A Divindade compadecendo- Se dos males da sofredora humanidade, e suavizando-os! Oh! maravilhoso poder assim manifestado aos olhos dos filhos dos homens! Quem pode duvidar da mensagem de salvação? Quem pode menosprezar as misericórdias de tão compassivo Redentor? Nada menos que poder criador era necessário para restituir a saúde àquele decadente corpo. A mesma voz que comunicou vida ao homem criado do pó da terra, transmitiu-a ao moribundo paralítico. E o mesmo poder que dera vida ao corpo, renovara-lhe o coração. Aquele que, na criação, "falou, e tudo se fez", "mandou, e logo tudo apareceu" (Sal. 33:9) comunicara vida à alma morta em ofensas e pecados. A cura do corpo era um testemunho do poder que renovara o coração. Cristo pediu ao paralítico que se erguesse e andasse, "para que saibais", disse Ele, "que o Filho do homem tem na Terra poder para perdoar pecados". Mar. 2:10. O paralítico encontrou em Cristo cura tanto para o corpo como para a alma. A cura espiritual foi seguida da restauração física. Essa lição não devia ser desatendida. Existem hoje milhares de vítimas de sofrimentos físicos, os quais, como o paralítico, estão anelando a mensagem: "Perdoados estão os teus pecados." O fardo do pecado, com seu desassossego e insatisfeitos desejos, é o fundamento de suas doenças. Não podem encontrar alívio, enquanto não forem ter com o Médico da alma. A paz que unicamente Ele pode dar, comunicar vigor à mente e saúde ao corpo. Jesus veio para "desfazer as obras do diabo" I João 3:8. "NEle estava a vida" (João 1:4) e Ele diz: "Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância". João 10:10. Jesus é "espírito vivificante". I Cor. 15:45. E possui ainda o mesmo poder vitalizante que tinha quando na Terra curava o doente, e assegurava o perdão ao pecador. "Perdoa todas as tuas iniquidades", "sara todas as tuas enfermidades." Sal. 103:3. O Desejado de Todas as Nações, p. 269, 270. ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. A humanidade de Cristo alcançou a mais profunda mesquinhez humana e identificou-se com as fragilidades e necessidades do homem caído, enquanto Sua natureza divina se apegava ao Eterno. Sua obra em levar a culpa do homem transgressor não Lhe deu licença para continuar violando a lei de Deus, porque a transgressão fez do homem um devedor para com a lei, e Cristo mesmo estava pagando este débito com os Seus próprios sofrimentos. As provas e sofrimentos de Cristo visavam impressionar o homem com o senso do seu grande pecado em quebrar a lei de Deus, e levá-lo ao arrependimento e obediência à lei, e através da obediência torná-lo aceitável a Deus. Ele imputaria Sua justiça ao homem e assim aumentaria seu valor moral perante Deus, para que os seus esforços a fim de guardar a lei divina pudessem ser aceitos. O trabalho de Cristo consistia em reconciliar o homem com Deus, através de Sua natureza humana, e Deus com o homem através de Sua natureza divina. No Deserto da Tentação, 46. "Nada menos que o poder criador era necessário para restituir a saúde àquele corpo decadente. A mesma voz que comunicou vida ao homem criado do pó da terra, transmitiu-a ao moribundo paralítico." O Desejado de Todas as Nações, p. 269, 270. Quarta - Natureza divina de Cristo - Parte 2 Ano Bíblico: Sl 145–150 4. Por que João 8:58 é uma das declarações mais diretas e profundas de Jesus sobre Sua divindade? Leia também Ex 3:13-14. Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU. Jo 8:58, ACF Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? 14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. Ex 3:13-14, ACF EU SOU quer dizer uma presença eterna; o passado, o presente e o futuro são a mesma coisa para Deus. Ele vê os mais remotos acontecimentos da História passada, e o longínquo futuro com tão clara visão como vemos nós as coisas que ocorrem diariamente. Não sabemos o que se acha adiante de nós, e se o soubéssemos, isso não contribuiria para nosso bem eterno. Deus nos dá uma oportunidade de exercer fé e confiança no grande EU SOU. ... Diz nosso Salvador: "Abraão, vosso Pai, exultou ["suspirou", diz a versão Trinitariana] por ver o Meu dia, e viu, e alegrou-se". João 8:56. Mil e quinhentos anos antes de Cristo deixar Sua veste real, Sua régia coroa, e abandonar Sua posição de honra nas cortes celestes, revestir-Se da humanidade e andar como homem entre os filhos dos homens, Abraão viu o Seu dia, e alegrou-se. "Disseram-Lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos e viste Abraão? Disse-lhes Jesus: Em verdade, em, verdade vos digo que, antes que Abraão existisse, Eu sou." João 8:57 e 58. Cristo usou aí o grande nome de Deus, dado a Moisés para exprimir a ideia da presença eterna. [Êxo. 3:14.] Isaías também viu Cristo, e suas palavras proféticas são cheias de significação. Diz ele: "Porque um Menino nos nasceu, um Filho se nos deu; e o principado está sobre os Seus ombros; e o Seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz." Isa. 9:6. Falando por intermédio dele, o Senhor diz: "Eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador. ... Não temas, pois, porque estou contigo. ... Eu, Eu sou o Senhor, e fora de Mim não há Salvador. ... Vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor; Eu sou Deus. Ainda antes que houvesse dia, Eu sou; ... Eu sou o Senhor, vosso Santo, o Criador de Israel, vosso Rei." Isa. 43:3-15. Ao vir Jesus ao nosso mundo, proclamou-Se "Eu sou o caminho, e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por Mim." João 14:6. O Senhor precisa ser crido e servido como o grande "EU SOU", e nós precisamos confiar nEle implicitamente. Carta 119, 1895. Para Conhecê-lo, p. 12. "Ao mesmo tempo em que a Palavra de Deus fala da humanidade de Cristo quando esteve na Terra, também fala positivamente em Sua preexistência. A Palavra existia como ser divino, a saber, o eterno Filho de Deus, em união e unidade com Seu Pai. [...] O mundo foi feito por Ele "e, sem Ele, nada do que foi feito se fez' (Jo 1:3). Se Cristo fez todas as coisas, Ele existiu antes de todas as coisas. As palavras faladas com respeito a isso são tão positivas que ninguém precisa ficar em dúvida. Essencialmente, e no mais alto sentido, Cristo era Deus. Ele estava com Deus desde toda a eternidade, Deus sobre todos, bendito para todo o sempre. O Senhor Jesus Cristo, o divino Filho de Deus, existiu desde a eternidade, como pessoa distinta, mas um com o Pai". Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 247. ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. Cristo lhes mostra que, embora eles considerassem que Sua vida era de menos de cinquenta anos, todavia Sua existência divina não podia ser contada pelo cômputo humano. A vida de Cristo antes de Sua encarnação não se calcula por algarismos. Signs of the Times, 3 de maio de 1899. Como alguém que compreende o seu assunto, João atribui todo o poder a Cristo, e fala de Sua grandeza e majestade. Emite raios divinos de preciosa verdade, como a luz do Sol. Apresenta a Cristo como o único Mediador entre Deus e a humanidade. A doutrina da encarnação de Cristo em carne humana é um mistério - "o mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações". Col. 1:26. É o grande e profundo mistério da piedade. "O Verbo Se fez carne e habitou entre nós." João 1:14. Cristo tomou sobre Si a natureza humana, uma natureza inferior a Sua natureza celestial. Nada revela tanto a maravilhosa condescendência de Deus como isso. Ele "amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito". João 3:16. João apresenta esse admirável assunto com tal simplicidade que todos podem entender as ideias expostas, e ser esclarecidos. Cristo não simulou que assumiu a natureza humana; Ele verdadeiramente a tomou sobre Si. Realmente possuía natureza humana. "E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas." Heb. 2:14. Era o filho de Maria; era da descendência de Davi, segundo a linhagem humana. É declarado ser um homem - o Homem Cristo Jesus. "Jesus", escreve Paulo, "tem sido considerado digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a estabeleceu." Heb. 3:3. Mas, embora a Palavra de Deus fale da humanidade de Cristo quando esteve na Terra, ela também fala claramente a respeito de Sua preexistência. O Verbo existia como Ser divino, como o eterno Filho de Deus, em união e unidade com Seu Pai. Desde a eternidade, Ele era o Mediador do concerto, Aquele no qual todos os povos da Terra, tanto judeus como gentios, se O aceitassem, seriam abençoados. "O Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." João 1:1. Antes que fossem criados os homens ou os anjos, o Verbo estava com Deus, e era Deus. Review and Herald, 5 de abril de 1906. Quinta - Missão de Cristo Ano Bíblico: Pv 1–3 5. Como Jesus definiu a essência de Sua missão? Jo 10:11; Mt 20:28 Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Jo 10:11, ARA como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos". Mt 20:28, NVI Cristo... compara-Se a um pastor. "Eu sou o bom Pastor", declara Ele; "o bom Pastor dá a Sua vida pelas ovelhas." "Eu sou o bom Pastor, e conheço as Minhas ovelhas, e das Minhas sou conhecido. Assim como o Pai Me conhece a Mim, também Eu conheço o Pai e dou a Minha vida pelas ovelhas." João 10:11, 14 e 15. Assim como um pastor terrestre conhece as suas ovelhas, também o divino Pastor conhece o Seu rebanho espalhado por todo o mundo. "Vós, pois, ó ovelhas Minhas, ovelhas do Meu pasto; homens sois, mas Eu sou o vosso Deus, diz o Senhor Jeová." Ezeq. 34:31. Obreiros Evangélicos, p. 181. Este mundo foi visitado pela majestade do Céu, o Filho de Deus. "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna." João 3:16. Cristo veio a este mundo como a expressão do próprio coração, e mente, e natureza e caráter de Deus. Ele era o resplendor da glória do Pai, a expressa imagem de Sua pessoa. Todavia, pôs de lado as vestes reais e a régia coroa, e desceu de Sua elevada posição para tomar o lugar de servo. Era rico, mas por amor de nós, para que pudéssemos ter riquezas eternas, Se fez pobre. Ele fez o mundo, mas Se esvaziou tão completamente a Si mesmo que durante o Seu ministério declarou: "As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça." Mat. 8:20. Ele veio a este mundo e esteve entre os seres que criou, como Homem de dores e que sabe o que é padecer. "Ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e, pelas Suas pisaduras, fomos sarados." Isa. 53:5. Foi tentado em todos os pontos como nós o somos, mas sem pecado. Medicina e Salvação, 19. "A lei de Deus, quebrantada, exigia a vida do pecador. Em todo o Universo havia apenas um Ser que, em favor do homem, poderia satisfazer suas reivindicações. Visto que a lei divina é tão sagrada como o próprio Deus, unicamente um Ser igual a Deus poderia fazer expiação por sua transgressão. Ninguém, a não ser Cristo, poderia redimir da maldição da lei o homem decaído, e levá-lo novamente à harmonia com o Céu". Patriarcas e Profetas, p. 63. ramos@advir.comramos@advir.com

×