Aula acs

671 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
671
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula acs

  1. 1. Curso Introdutório para Agentes Comunitários de Saúde * Acolhimento e humanização; * Genograma; * Ciclo de vida individual e familiar * Fichas B e C; Enfª: Marília Martins C. Maia Data: 22/11/10
  2. 2. Humanização Humanização é o nome que se atribui a vários movimentos político-ocupacionais e de contra-cultura que têm em comum a crítica ao tecnicismo e a proposta de desenvolvimento de intersubjetividade nas práticas de saúde.
  3. 3. Humanização Processo de transformação da cultura institucional dentro de valores humanísticos que muda a forma de fazer a atenção e a gestão das práticas de saúde, pelo desenvolvimento de relações mais éticas, justas e solidárias, que aumentam a qualidade e a satisfação com o trabalho na área da saúde.
  4. 4. Humanização – valores e princípios  Compromisso com a qualidade e valorização da vida;  e do trabalho;  Valorização dos profissionais, e educação permanente;  Valorização da subjetividade das pessoas;  Fortalecimento do trabalho em equipe;  Estímulo à participação, autonomia e responsabilidade;  Promoção de ambiência acolhedora ;
  5. 5. • O que significa humanizar a saúde? • Melhoria da qualidade das relações humanas no atendimento em saúde; . Competência técnica E • Competência interativa • Lidar com a dimensão subjetiva; • Trabalho em equipe interdisciplinar; • Trabalho com compromisso e vínculo; • Reorganização do processo de trabalho; • Ética no trato com a vida humana;
  6. 6. Modo de operar os processos de trabalho em saúde de forma a atender a todos que procuram os serviços. Acolher Ouvir pedidos Escutar Analisar Demanda Dar as respostas mais adequadas aos usuários e sua rede social. Acolhimento
  7. 7. Quem acolhe? Qual o horário? Em qual lugar? Perguntas frequentes
  8. 8.  Acolhimento não é triagem, implica prestar um atendimento com resolutividade e responsabilização, orientando, quando for o caso, o paciente e a família em relação a outros serviços de saúde para continuidade da assistência estabelecendo articulações com estes serviços para garantir a eficácia desses encaminhamentos;  Rompimento com a lógica da exclusão; Acolhimento
  9. 9.  Não pressupõe hora, local ou profissional específico para atendê-lo.; Abertura à diversidade cultural, racial e étnica.  Identificação de riscos e vulnerabilidades conjugando necessidades dos usuários cardápio de ofertas do serviço encaminhamento responsável e resolutivo
  10. 10.  Problematização do processo de trabalho em saúde com foco nas relações;  Percepção do usuário como sujeito e participante ativo na produção de saúde;  Mudança na relação profissional/usuário, profisional/profissional, através de parâmetros éticos, técnicos, de solidariedade e defesa da vida;
  11. 11.  Uma postura de escuta e compromisso em dar respostas às necessidades de saúde trazidas pelo usuário que inclua sua cultura, saberes e capacidade de avaliar riscos;
  12. 12.  Acolher significa apreender, compreender e atender as demandas do usuário, dispensando-lhes a devida atenção,com o encaminhamento de ações direcionadas para sua resolutividade.;  Assim, acolher é um processo de inclusão do usuário do serviço de saúde na rede integrada de atendimento médico e psicossocial,conforme as expectativas e necessidades- percebidas ou não- do paciente;
  13. 13. Comportamentos que propiciam a comunicação do paciente:  Comportamento receptivo e calor humano;  Escuta ativa;  Linguagem clara e acessível, compatível com o nível educacional do paciente;  Disponibilizar informações de modo geral;
  14. 14. Reflexões
  15. 15. 1. Profissionais de Saúde: donos da verdade/certo; 1. Vaidade: o que fazemos é o melhor/excepcional; 2. Visão a respeito das doenças: variáveis culturais, religiosas, etc. 3. Negar os conhecimentos e valores dos clientes: aprender com eles 4. Diretos e deveres dos clientes do serviço de saúde: fazê-los pensar que é favor !! 5. Aceitação positiva incondicional.
  16. 16.  A abordagem familiar é um dos princípios propostos para a APS conhecer os membros da família e seus problemas de saúde;  De acordo com Ministério da Saúde: “a família é o conjunto de pessoas ligadas por laço de parentesco, dependência doméstica ou normas de convivência, que residem na mesma unidade domiciliar. Inclui empregado doméstico que reside no domicílio, pensionista e agregados”
  17. 17. A abordagem familiar deve ser empregada em vários momentos, como na realização do cadastro familiar, nas mudanças da fase do ciclo de vida das familiar, no surgimento de doenças crônicas ou agudas de menor impacto, Permitindo um vínculo com o usuário de forma natural.  Instrumentos de abordagem familiar: . Genograma; . Ciclo de vida;
  18. 18. Genograma ou Heredograma Familiar Diagrama que detalha a estrutura e o histórico familiar, fornece informações sobre os vários papéis de seus membros e das diferentes gerações; fornece as bases para a discussão e análise das interações familiares;  Permite identificar a estrutura familiar e suas relações, mostrando as doenças que costumam ocorrer, a repetição de padrões de relacionamento e conflitos que desembocam no processo de adoecer – CARÁTER EDUCATIVO
  19. 19. Utilidade do Genograma  Avaliação rápida e global da família.;  Ajuda no fortalecimento do vínculo;  Propicia avaliação do vínculo familiar;  Viabiliza identificação rápida dos fatores de risco;  Identifica a necessidade de promover alterações no estilo de vida;  Demonstra que as relações familiares podem influir na saúde de cada um de seus membros;
  20. 20. Quando realizar o Genograma??  Famílias com risco elevado;  Patologias ou condições em que a abordagem familiar é importante;  Patologias com risco hereditário;  Problemas de saúde influenciados pela estrutura familiar;  Problemas conjugais e sexuais;  Usuários de substâncias lícitas ou ilícitas;
  21. 21. Componentes do Genograma  Deve conter minimamente as seguintes informações: . Três ou mais gerações; . Nome de todos os membros; . Idade ou ano de nascimento; . Mortes, incluindo idade ou data que ocorreu e a causa; . Doenças ou problemas significativos; . Indicação de membros que vivem juntos na mesma casa; . Datas de casamentos e divórcios;
  22. 22. . Datas de casamentos e divórcios; . Lista de primeiros nascimentos de cada família à esquerda; . Legenda; . Relações familiares; . Fase do ciclo vital; . Fazer primeiramente o casal com seus filhos;
  23. 23. Ciclo de Vida Familiar  O Ciclo de Vida das famílias é uma série de eventos previsíveis que ocorrem dentro da família como resultado das mudanças em sua organização. Toda mudança requer de cada membro uma acomodação no novo arranjo, transformando o papel.  A interpretação desses ciclos e da maneira que eles interferem no processo saúde-doença possibilita a equipe prever quando e como as doenças podem ocorrer.
  24. 24. . Estágios de desenvolvimento  crises evolutivas  tarefas a serem cumpridas e tópicos de promoção.  Permite uma visão antecipada de possíveis desafios a serem enfrentados, possibilitando uma atividade preventiva;  Problemas bem solucionados  bem estar e desenvolvimento biopsicossocial;
  25. 25. Estágio do Ciclo de Vida da Família Tarefas a Serem Cumpridas Tópicos de Prevenção Iniciando a vida a dois Estabelecer um relacionamento mutuamente satisfatório. Aumentar a autonomia em relação à família de origem e desenvolver novas relações familiares. Tomar decisões sobre filhos, educação e gravidez Desenvolver novas amizades. Discutir a importância da comunicação. Fornecer informação sobre planejamento familiar. Famílias com filhos pequenos Ajustar-se e encorajar o desenvolvimento da criança. Estabelecer uma vida satisfatória a todos os membros Reorganizar a unidade familiar de dois para três ou mais membros. Fornecer informações Envolver o pai na gestação e parto. Discutir desenvolvimento infantil, papel de pais e relacionamento pais e filhos. Encorajar um tempo para o casal. Discutir rivalidade entre irmãos. Discutir o sentimento de “afastamento” dos pais perante o surgimento dos filhos.
  26. 26. Estágio do Ciclo de Vida da Família Tarefas a Serem Cumpridas Tópicos de Prevenção Famílias com crianças pré escolares Prover espaço adequado para a família que cresce Enfrentar os custos financeiros da vida familiar Assumir o papel maduro apropriado à família que cresce Manter uma satisfação mutua no papel de parceiros, parentes, comunidade. Encorajar um tempo para o casal Estimular o diálogo sobre educação dos filhos Fornecer informações sobre o desenvolvimento das crianças Famílias com crianças em idade escolar Facilitar a transição da casa para a escola. Fazer face as crescentes demandas de tempo e dinheiro. Manter uma relação de casal. Fornecer informação sobre o desenvolvimento de crianças em idade escolar Monitorar o desempenho escolar e reforçar posições realísticas sobre expectativas de desempenho. Sugerir estratégias de manejo de tempo. Encorajar discussões sobre sexualidade com as crianças.
  27. 27. Estágio do Ciclo de Vida da Família Tarefas a Serem Cumpridas Tópicos de Prevenção Famílias com adolescentes Equilibrar liberdade com responsabilidade a medida que os adolescentes vão adquirindo individualidade Estabelecer fundamentos para atividades dos pais após a saída dos filhos. Estabelecer relação com o adolescente que reflita aumento de autonomia Fornecer informação aos pais sobre desenvolvimento de adolescentes. Conversar com adolescentes sobre drogas e sexo Discutir com o adolescente o estabelecimento de relações ao longo da vida Casais de meia idade Prover conforto, saúde e bem estar enquanto casal. Planejar futuro financeiro Crescimento e significado do individuo e do casal. Ser avós. Encorajar o casal a fazer planos para aposentadoria: atividades de lazer, finanças, moradia. Independência dos filhos. Eleição vocacional e do companheiro pelos mesmos. Tolerância à partida dos filhos Explorar o papel de avós. Discutir sexualidade e os processos ligados ao envelhecimento.
  28. 28. Estágio do Ciclo de Vida da Família Tarefas a Serem Cumpridas Tópicos de Prevenção Famílias envelhecendo Tópicos de moradia e finanças. Integridade do ego Saúde Ficar mais tempo juntos. Enfrentando a vida sozinho. Discutir tópicos de saúde, planejamento de longo prazo. Revisar a vida como ferramenta para a saúde mental. Encorajar interesses individuais e compartilhados. Preparar para lidar com a perda do companheiro (a).
  29. 29. A Família de Classe Popular: A família de classe popular é descrita como uma família extensa, que vive em um espaço pequeno, compartilhado por vários membros, que estabelecem relações fluidas, não bem-delimitadas e com uma relação de tempo segmentada ao longo da vida.
  30. 30. Ficha B Ficha B – GES; . Ficha B – HÁ; Ficha B – DIA . Ficha B – TB;  Ficha B - HAN
  31. 31. Ficha B – GES Na Ficha B - GES o ACS cadastra e acompanha mensalmente o estado de saúde das gestantes. A cada visita, os dados da gestante devem ser atualizados nesta ficha, que deve ficar de posse do ACS, sendo discutida mensalmente com o instrutor/supervisor;  Deve-se preencher: . Nome; . Endereço; . Data da última menstruação;
  32. 32. . Data provável do parto; . Data da vacina; . Estado nutricional; . Data da consulta do pré-natal; . Data da visita do ACS; . Fatores de risco (6 ou mais gestações, natimorto ou aborto, 36 anos ou mais, menor de 20 anos, sangramento, edema, diabetes e pressão alta); . Resultado da gestação atual (NV – nascido vivo, NM – natimorto, AB - aborto); . Data da consulta de puerpério;
  33. 33. Ficha B - HA  A Ficha B-HA serve para o cadastramento e acompanhamento mensal dos hipertensos. Atenção: só devem ser cadastradas as pessoas com diagnóstico médico estabelecido. A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve ser revisada periodicamente pelo instrutor/supervisor.
  34. 34. Deve-se preencher: . Nome; . Endereço; . Sexo; . Idade; . Fumante; . Data da visita do ACS; . Faz dieta; . Toma remédio; . Faz exercícios físicos; . Pressão arterial; . Data da última consulta; . Observação;
  35. 35. Ficha B – DIA  A Ficha B-DIA serve para o cadastramento e acompanhamento mensal dos diabéticos; Atenção: só devem ser cadastradas as pessoas com diagnóstico médico estabelecido.  A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve ser revisada periodicamente pelo instrutor/supervisor.
  36. 36. Deve-se preencher: . Nome; . Idade; . Endereço; . Sexo; . Data da visita do ACS; . Faz dieta (S; N; X); . Faz exercícios físicos; . Usa insulina; . Toma hipoglicemiante oral; . Data da última consulta; . Observação;
  37. 37. Ficha B – TB Ficha B-TB serve para o cadastramento e acompanhamento mensal de pessoas com tuberculose; A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados;  Deve-se preencher: . Nome; . Endereço; . Sexo; . Idade;
  38. 38. . Data da visita do ACS; . Toma medicação diária (S, N, X); . Reações indesejáveis (X – desconforto gástrico, náuseas, vômitos, icterícia, alterações visuais e auditivas, asma, urticárias, sangramentos, dores articulares, perda do equilíbrio, entre outros); . Data da última consulta; . Exame de escarro; . Comunicantes examinados; . <5 anos com BCG; . Outras informações: número de comunicantes e número de comunicantes < 5 anos;
  39. 39. Ficha B – HAN  A Ficha B-HAN serve para o cadastramento e acompanhamento mensal de pessoas com hanseníase; A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados;  Deve-ser preencher: . Nome; . Endereço; . Sexo; . Idade; . Data da visita do ACS;
  40. 40.  Toma medicação diária (S, N, X);  Data da última dose supervisionada;  Faz auto-cuidado (prevenção de incapacidades – S, N, X);  Data da última consulta;  Comunicantes examinados;  Comunicantes que receberam BCG;  Outras informações (número de comunicantes no domicílio);
  41. 41. Ficha C Instrumento utilizado para o acompanhamento da criança ; É uma cópia do cartão padronizado pelo Ministério da Saúde, utilizado pelos diversos serviços de saúde nos municípios.  2 modelos: sexo masculino e feminino;  Toda família que tenha uma criança menor de cinco anos, acompanhada por uma unidade de saúde deve possuir este Cartão;
  42. 42. Sexo Masculino Sexo Feminino
  43. 43.  O ACS deve utilizar, como base para a coleta dos dados, o Cartão da Criança que está de posse da família, transcrevendo para o seu Cartão Sombra os dados registrados no Cartão da Criança; Cartão-sombra é a cópia do cartão da criança que fica com o ACS
  44. 44. Deve-se preencher:  Nome;  Nome da mãe;  Nome do pai;  Endereço;  Local de referência;  Data de nascimento;  Comprimento;  Peso em gramas;  Perímetro cefálico;
  45. 45.  Apgar 5´  Tipo de parto;  Observações; No verso do cartão encontra-se impresso um quadro para registro de informações sobre vacinação. O agente deve transcrever para o seu instrumento (cartão-sombra), as datas em que a criança tomou as doses da respectiva vacina.
  46. 46. ATENÇÃO: Não transcrever para o cartão sombra os dados registrados a lápis, pois esses indicam as datas que são aprazadas pelo serviço de saúde para o comparecimento da criança para vacinação.
  47. 47.  Gráfico Peso-Idade:  Na linha horizontal desse gráfico observa-se uma numeração de 0 (zero) a 60 (sessenta) que corresponde à idade da criança em meses.  Marco zero  à data de nascimento da criança.  Números ao lado e dentro do gráfico o peso em quilos.  As duas linhas vermelhas mostram a faixa dentro da qual a maioria das crianças sadia está situada.
  48. 48.  O peso da criança ao nascer deve ser registrado com uma bolinha no marco zero, na ordenada do gráfico (primeira linha vertical). Todos os meses a criança deverá ser pesada e o seu peso, registrado com uma bolinha no ponto correspondente do gráfico, de modo que seja construída, no decorrer dos meses, uma curva peso-idade.
  49. 49. Para a construção da curva de crescimento, o ACS deverá unir as bolinhas relativas ao registro de peso de dois meses subseqüentes, procedendo dessa forma para todos os meses. O desenho dessa curva é um indicativo do processo de crescimento da criança, devendo o ACS estar atento para a ocorrência de qualquer das seguintes situações:
  50. 50.  o peso da criança está abaixo da curva inferior do gráfico;  a criança mantém o mesmo peso do mês anterior;  a criança apresenta peso inferior ao do mês anterior.
  51. 51. Uma das ações do ACS é estimular o aleitamento materno, enfatizando a importância do aleitamento exclusivo até os seis meses de idade. O ACS deve registrar mensalmente se a criança está amamentando, durante todo o período em que a criança fizer uso de aleitamento materno. Este registro será feito na parte inferior do gráfico peso-idade, logo abaixo do número do mês correspondente
  52. 52. Aleitamento Exclusivo (AE) Aleitamento Misto (AM)  Algumas intercorrências observadas durante o acompanhamento mensal das crianças devem ser anotadas no mês correspondente:  D - diarréia  P – pneumonia  O - outra doença  H - hospitalização
  53. 53. “Nunca temas a adversidade, lembra das pipas que sobem contra ao vento, e não a favor dele” (Autor desconhecido) OBRIGADA!

×