SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Adérito Esteves 
Urbanismo: conjunto das 
ques tões relativas à organiza-ção 
e ao planeamento das ci-dades 
e à sua evolução, incluin - 
do a adaptação destas às ne-cessidades 
dos seus habitantes. 
Esta é a definição dada pelo di-cionário 
da língua portuguesa 
para uma palavra inventada 
no final do século XIX. 
Mais tarde, em 1949, foi insti-tuído 
o Dia Mundial do Urba-nismo. 
De forma a assinalar a pas-sagem 
dos 65 anos da criação 
deste dia – que se celebra ama-nhã 
-, o Diário de Aveiro foi ten-tar 
perceber a importância que 
SEXTA-FEIRA | 7 NOV 2014 | 13 
o urbanismo assume na socie-dade. 
A iniciativa de se começar a 
assinalar esta data partiu da 
Organização Internacional do 
Dia Mundial do Urbanismo, se-diada 
em Buenos Aires (Argen-tina), 
com o objectivo de alertar 
a população para a importân-cia 
de atingir um equilíbrio en-tre 
a “trilogia de elementos na-turais 
essenciais à vida huma - 
na: o sol, a vegetação e o ar – 
patentes no símbolo criado 
para o efeito. 
José Carlos Mota, docente da 
Universidade de Aveiro muito 
Destaque 
ligado a questões de planea-mento 
do território, não tem 
dúvidas: “cada vez mais im-portante” 
discutir questões re-lacionadas 
com o urbanismo 
(ver entrevista). 
O mesmo docente acredita 
que” faz falta discutir o que 
queremos das cidades”, defen-dendo 
a necessidade de a po-pulação 
deixar de ser “reactiva” 
e “tentar perceber de que for - 
ma conseguimos criar condi-ções 
para poder sonhar com a 
cidade que queremos e quais 
os valores e princípios que 
queremos que ela tenha”. | 
“A regeneração do centro da cidade 
devia ser uma das prioridades” 
Diário de Aveiro: A palavra 
urbanismo remonta ao final 
do século XIX. Que mudan-ças 
surgiram entretanto? 
José Carlos Mota: A palavra 
“urbanismo” tem dois sentidos 
distintos: surge como a ciência 
que planeia e ordena as cida-des; 
e também surge associada 
à actividade de transformação 
física das cidades. Centran do-me 
no conceito de urbanismo 
enquanto a ciência que pensa 
as cidades, houve uma inter-venção 
muito ligada à edifica-ção 
e ao espaço público. Nas 
últimas décadas houve gran de 
investimento na infra-estrutu-ração 
física da cidade – na 
construção de equipamentos 
culturais, desportivos, etc. – e, 
sobretudo, uma grande expan-são 
da cidade. A forma como a 
cidade foi crescendo marcou 
muito o urba nismo dos últimos 
anos. Hoje, temos um dilema: 
o que fazer com esta expansão 
urbana. O facto de a cidade ter 
crescido, fez-nos desvalorizar 
os centros mais antigos, e as 
pré-existências. E, do ponto de 
vista económico e social, a frag-mentação 
tornou estes centros 
mais debilitados e frágeis. Mui-tas 
vezes, ficaram ali as funções 
menos nobres, as pessoas com 
mais dificuldades económicas 
e os grupos sociais mais des-favorecidos. 
E há a necessidade 
de repensar o que queremos 
da cidade co mo um todo. Hoje, 
discute-se como nos podemos 
organizar colectivamente para 
dar vida social e económica às 
cidades. E isto implica outras 
mudanças. 
A que tipo de mudanças se 
refere? 
Uma mudança na forma como 
se faz o planeamento das cida-des. 
Mais do que investir e 
construir infra-estruturas físi-cas, 
deve investir-se na organi-zação 
das instituições e das co-munidades 
para tirar partido 
daquelas que criámos. Vamos 
ter de nos organizar para valo-rizar 
os recursos de que dispo-mos 
nos centros das cidades e 
para os tornar mais saudáveis, 
ricos e vividos. Ou seja, fazer 
um reencontro com aquilo que 
era a importância destes pon-tos 
no passado, para lhes dar-mos 
vida outra vez. 
Qual a importância de se as-sinalar 
este dia? 
A data serve, sobretudo, para 
chamar a atenção para a im-portância 
de cuidar bem das 
cidades e daquilo que é a con-vivência 
em comunidade. A 
forma como usamos as cida-des 
tem mostrado que elas não 
têm sido bem tratadas. E isso 
vê-se também no facto de cada 
vez usarmos menos o espaço 
público e mais o espaço pri-vado. 
Este dia serve para lem-brar 
a importância de questio-narmos 
o que queremos das 
nossas cidades e discutir o que 
podemos fazer para ir ao en-contro 
dos nossos desejos. 
Actualmente, as autarquias 
têm departamentos de urba - 
nismo e há cada vez mais cur-sos 
superiores nessa área. 
Continua a ser importante? 
É cada vez mais importante. 
Em termos profissionais, ela é 
muito importante, porque pre-cisamos 
destas competências 
e de qualificar as respostas e a 
forma como planeamos as ci-dades. 
Olhan do para o passa - 
do, vemos que cometemos al-guns 
erros. E temos de investi-gar 
e criar novas metodologias 
para responder aos problemas 
que fomos criando, e para re-conhecer 
que algumas meto-dologias 
do passado não foram 
as mais eficazes. Nós precisa-mos 
de formar pessoas com 
qualidade. 
Qual é a situação actual do 
urbanismo de Aveiro? 
O planeamento do urbanismo 
da cidade de Aveiro padece de 
dois problemas: a inexistência 
de recursos financeiros para 
poder concretizar muitos dos 
projectos que existem; e a ne-cessidade 
de os agentes eco-nómicos, 
sociais e os do co-nhecimento 
se mobilizarem, 
em torno da necessidade de se 
dar vida, animar e dar quali-dade 
aos espaços da nossa ci-dade. 
Mais do que intervir no 
espaço público e nas infra-es-truturas 
é preciso intervir na 
forma como podemos, melho-rando 
o espaço público, torná-lo 
fruído e fazer com que ele 
tenha actividades. Por exemplo, 
a Rua Direita foi requalificada, 
mas hoje precisa de uma vida 
– económica, social, de habita-ção. 
Isto significa que os ins-trumentos 
que tivemos no pas-sado 
para transformar a cidade 
precisam de ter outro tipo de 
preocupações. Essa tarefa vai 
exigir tem po e atenção, mas 
pode ser mui to rica porque, em 
Aveiro, há actores com uma 
enorme capacidade – na área 
económica, na tecnológica, na 
artística, na cívica. Neste mo-mento, 
o desafio é sentar os ac-tores 
à mesa, dialogar e mobi-lizá- 
los para a revitalização da 
cidade. 
Quais são as mudanças mais 
urgentes em Aveiro? 
A urgência maior é perceber o 
que é que Aveiro pode oferecer 
de diferente, relativamente a 
outras cidades. Aveiro tem po-tencial 
em vários domínios que 
a tornam única, e precisamos 
de reconhecer quais são esses 
domínios. Em Aveiro, temos 
um conjunto de recursos na 
área das TICE [Tecnologias de 
Informação, Comunicação e 
Ele ctrónica] que são únicos no 
país – a PT Inovação, tudo que 
a Universidade oferece relacio-nado 
com a investigação e en-sino 
na área das telecomuni-cações, 
empresas de renome 
na área das tecnologias, asso-ciações 
empresariais ligadas às 
TICE. Dificilmente encontra-mos 
em Portugal outra cidade 
que tenha estes recursos na 
área tecnológica. A cidade po-dia 
constituir-se como um es-paço 
de valorização do seu po-tencial 
de conhecimento e ino-vação 
ligada a esta área. E exis-tem 
outros potenciais no do-mínio 
artístico (ligados ao de-sign) 
que começam a ganhar 
actividade relevante. E, claro, 
no domínio dos projectos em-presariais 
ligados à mobilidade 
suave. À bicicleta. Este é um do-mínio 
que a região e a cidade 
podiam explorar, quer pelas 
condições que ela tem, quer pe-los 
empreendedores que ela 
gerou neste domínio. 
Como é que esses recursos 
podem ajudar a regenerar a 
cidade? 
O projecto de regeneração do 
centro da cidade devia ser uma 
das prioridades. Saber o que 
queremos fazer com o centro 
da cidade. Precisamos de per-ceber 
como é que podemos 
dotar os espaços físicos de 
uma nova vida social e econó-mica, 
e fazer com que eles vol-tem 
a ser espaços centrais da 
cidade. E, depois, temos de per-ceber 
co mo podemos mobili-zar 
os recursos que são únicos 
para valorizar a cidade. Estes 
pequenos passos não são mui - 
to exigentes do ponto de vista 
do investimento público. São 
actividades de reflexão, de pla-neamento. 
E, em terceiro nível, 
tem de se passar para a utili-zação 
dos fundos estruturais 
que permitam juntar estes dois 
exercícios. | 
Ainda faz sentido lembrar 
o urbanismo no século XXI? 
Efeméride 8 de Novembro é o Dia Mundial do Urbanismo. Fomos em busca 
das razões para a existência da data 
PAULO RAMOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Isa Guerreiro
 
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leiteSeminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
FecomercioSP
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
UNICAMP/SP
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbano
Ana Cunha
 

Mais procurados (20)

12.2.12. #2 adriana abreu
12.2.12. #2 adriana abreu12.2.12. #2 adriana abreu
12.2.12. #2 adriana abreu
 
Síntese setores e etapas do planejamento urbano
Síntese setores e etapas do planejamento urbanoSíntese setores e etapas do planejamento urbano
Síntese setores e etapas do planejamento urbano
 
T4 g5 - mudar a cidade
T4   g5 - mudar a cidadeT4   g5 - mudar a cidade
T4 g5 - mudar a cidade
 
Planejamento Urbano
Planejamento Urbano Planejamento Urbano
Planejamento Urbano
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
 
Resenha Lente cultural
Resenha Lente culturalResenha Lente cultural
Resenha Lente cultural
 
O urbano contemporâneo e as condições da produção de moradia no Brasil
O urbano contemporâneo e as condições da produção de moradia no BrasilO urbano contemporâneo e as condições da produção de moradia no Brasil
O urbano contemporâneo e as condições da produção de moradia no Brasil
 
Mudar a cidade
Mudar a cidadeMudar a cidade
Mudar a cidade
 
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leiteSeminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
Seminário construções sustentáveis – 19 11-2010 – apresentação de carlos leite
 
Global city 2 0
Global city 2 0Global city 2 0
Global city 2 0
 
Design para Inovação Social: A cidade feita pelas pessoas.
Design para Inovação Social: A cidade feita pelas pessoas.Design para Inovação Social: A cidade feita pelas pessoas.
Design para Inovação Social: A cidade feita pelas pessoas.
 
T4 g6 - mudar a cidade
T4   g6 - mudar a cidadeT4   g6 - mudar a cidade
T4 g6 - mudar a cidade
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
 
Nossa BH no Izabela Hendrix
Nossa BH no Izabela HendrixNossa BH no Izabela Hendrix
Nossa BH no Izabela Hendrix
 
Temos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que MerecemosTemos As Cidades Que Merecemos
Temos As Cidades Que Merecemos
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbano
 
Brasil x China
Brasil x China Brasil x China
Brasil x China
 
T4 g1 - mudar a cidade
T4   g1 - mudar a cidadeT4   g1 - mudar a cidade
T4 g1 - mudar a cidade
 
Global city 2 expresso final __
Global city 2  expresso final __Global city 2  expresso final __
Global city 2 expresso final __
 
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e LimitesPlanejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
 

Semelhante a Dia Mundial do Urbanismo

Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
Jose Carlos Mota
 
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
Dário Vieira
 

Semelhante a Dia Mundial do Urbanismo (20)

Cidades pela Retoma
Cidades pela RetomaCidades pela Retoma
Cidades pela Retoma
 
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuroEnquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
 
Planejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível FederalPlanejamento Urbano - Nível Federal
Planejamento Urbano - Nível Federal
 
METRÔ: AGENTE DE TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA FREGUESIA DA AMEIXOEIRA, EM LISBOA
METRÔ: AGENTE DE TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA FREGUESIA DA AMEIXOEIRA, EM LISBOAMETRÔ: AGENTE DE TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA FREGUESIA DA AMEIXOEIRA, EM LISBOA
METRÔ: AGENTE DE TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA FREGUESIA DA AMEIXOEIRA, EM LISBOA
 
Global city 2 apresentação finalíssima
Global city 2  apresentação finalíssimaGlobal city 2  apresentação finalíssima
Global city 2 apresentação finalíssima
 
Urbanismo II - Cidade para Pessoas
Urbanismo II - Cidade para PessoasUrbanismo II - Cidade para Pessoas
Urbanismo II - Cidade para Pessoas
 
Apresentação final cidades pela retoma conf appla
Apresentação final cidades pela retoma   conf applaApresentação final cidades pela retoma   conf appla
Apresentação final cidades pela retoma conf appla
 
Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
Pensar Aveiro (Amigosd'Avenida) 1
 
Planejamento urbano - Relatório sobre a Lagoa do Sambico, em Timon-MA
Planejamento urbano - Relatório sobre a Lagoa do Sambico, em Timon-MAPlanejamento urbano - Relatório sobre a Lagoa do Sambico, em Timon-MA
Planejamento urbano - Relatório sobre a Lagoa do Sambico, em Timon-MA
 
O desenvolvimento e Planejamento das Pequenas Cidades
O desenvolvimento e Planejamento das Pequenas CidadesO desenvolvimento e Planejamento das Pequenas Cidades
O desenvolvimento e Planejamento das Pequenas Cidades
 
Global city 2 expresso final
Global city 2  expresso finalGlobal city 2  expresso final
Global city 2 expresso final
 
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
Mestrado regeneração maio_2008_dcv_
 
Aca270313 ps pptversaomaiscurta [modo de compatibilidade]
Aca270313 ps pptversaomaiscurta [modo de compatibilidade]Aca270313 ps pptversaomaiscurta [modo de compatibilidade]
Aca270313 ps pptversaomaiscurta [modo de compatibilidade]
 
Cidades pela retoma público
Cidades pela retoma públicoCidades pela retoma público
Cidades pela retoma público
 
Contributo para o Plano Estratégico de Aveiro
Contributo para o Plano Estratégico de AveiroContributo para o Plano Estratégico de Aveiro
Contributo para o Plano Estratégico de Aveiro
 
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamentoProjectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
 
Caminhos para a sustentabilidade
Caminhos para a sustentabilidadeCaminhos para a sustentabilidade
Caminhos para a sustentabilidade
 
Conversasnotanque 28abr
Conversasnotanque 28abrConversasnotanque 28abr
Conversasnotanque 28abr
 
Qren Jornadas Aut Bloco
Qren Jornadas Aut BlocoQren Jornadas Aut Bloco
Qren Jornadas Aut Bloco
 
Boletim fnru 3
Boletim fnru   3Boletim fnru   3
Boletim fnru 3
 

Mais de José Carlos Mota

Mais de José Carlos Mota (20)

UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
UAUBIKE Smart Cities Tour 2019
 
E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!
 
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
 
Os novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanosOs novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanos
 
Sete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoSete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participação
 
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?
 
A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 
Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicleta
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

Dia Mundial do Urbanismo

  • 1. Adérito Esteves Urbanismo: conjunto das ques tões relativas à organiza-ção e ao planeamento das ci-dades e à sua evolução, incluin - do a adaptação destas às ne-cessidades dos seus habitantes. Esta é a definição dada pelo di-cionário da língua portuguesa para uma palavra inventada no final do século XIX. Mais tarde, em 1949, foi insti-tuído o Dia Mundial do Urba-nismo. De forma a assinalar a pas-sagem dos 65 anos da criação deste dia – que se celebra ama-nhã -, o Diário de Aveiro foi ten-tar perceber a importância que SEXTA-FEIRA | 7 NOV 2014 | 13 o urbanismo assume na socie-dade. A iniciativa de se começar a assinalar esta data partiu da Organização Internacional do Dia Mundial do Urbanismo, se-diada em Buenos Aires (Argen-tina), com o objectivo de alertar a população para a importân-cia de atingir um equilíbrio en-tre a “trilogia de elementos na-turais essenciais à vida huma - na: o sol, a vegetação e o ar – patentes no símbolo criado para o efeito. José Carlos Mota, docente da Universidade de Aveiro muito Destaque ligado a questões de planea-mento do território, não tem dúvidas: “cada vez mais im-portante” discutir questões re-lacionadas com o urbanismo (ver entrevista). O mesmo docente acredita que” faz falta discutir o que queremos das cidades”, defen-dendo a necessidade de a po-pulação deixar de ser “reactiva” e “tentar perceber de que for - ma conseguimos criar condi-ções para poder sonhar com a cidade que queremos e quais os valores e princípios que queremos que ela tenha”. | “A regeneração do centro da cidade devia ser uma das prioridades” Diário de Aveiro: A palavra urbanismo remonta ao final do século XIX. Que mudan-ças surgiram entretanto? José Carlos Mota: A palavra “urbanismo” tem dois sentidos distintos: surge como a ciência que planeia e ordena as cida-des; e também surge associada à actividade de transformação física das cidades. Centran do-me no conceito de urbanismo enquanto a ciência que pensa as cidades, houve uma inter-venção muito ligada à edifica-ção e ao espaço público. Nas últimas décadas houve gran de investimento na infra-estrutu-ração física da cidade – na construção de equipamentos culturais, desportivos, etc. – e, sobretudo, uma grande expan-são da cidade. A forma como a cidade foi crescendo marcou muito o urba nismo dos últimos anos. Hoje, temos um dilema: o que fazer com esta expansão urbana. O facto de a cidade ter crescido, fez-nos desvalorizar os centros mais antigos, e as pré-existências. E, do ponto de vista económico e social, a frag-mentação tornou estes centros mais debilitados e frágeis. Mui-tas vezes, ficaram ali as funções menos nobres, as pessoas com mais dificuldades económicas e os grupos sociais mais des-favorecidos. E há a necessidade de repensar o que queremos da cidade co mo um todo. Hoje, discute-se como nos podemos organizar colectivamente para dar vida social e económica às cidades. E isto implica outras mudanças. A que tipo de mudanças se refere? Uma mudança na forma como se faz o planeamento das cida-des. Mais do que investir e construir infra-estruturas físi-cas, deve investir-se na organi-zação das instituições e das co-munidades para tirar partido daquelas que criámos. Vamos ter de nos organizar para valo-rizar os recursos de que dispo-mos nos centros das cidades e para os tornar mais saudáveis, ricos e vividos. Ou seja, fazer um reencontro com aquilo que era a importância destes pon-tos no passado, para lhes dar-mos vida outra vez. Qual a importância de se as-sinalar este dia? A data serve, sobretudo, para chamar a atenção para a im-portância de cuidar bem das cidades e daquilo que é a con-vivência em comunidade. A forma como usamos as cida-des tem mostrado que elas não têm sido bem tratadas. E isso vê-se também no facto de cada vez usarmos menos o espaço público e mais o espaço pri-vado. Este dia serve para lem-brar a importância de questio-narmos o que queremos das nossas cidades e discutir o que podemos fazer para ir ao en-contro dos nossos desejos. Actualmente, as autarquias têm departamentos de urba - nismo e há cada vez mais cur-sos superiores nessa área. Continua a ser importante? É cada vez mais importante. Em termos profissionais, ela é muito importante, porque pre-cisamos destas competências e de qualificar as respostas e a forma como planeamos as ci-dades. Olhan do para o passa - do, vemos que cometemos al-guns erros. E temos de investi-gar e criar novas metodologias para responder aos problemas que fomos criando, e para re-conhecer que algumas meto-dologias do passado não foram as mais eficazes. Nós precisa-mos de formar pessoas com qualidade. Qual é a situação actual do urbanismo de Aveiro? O planeamento do urbanismo da cidade de Aveiro padece de dois problemas: a inexistência de recursos financeiros para poder concretizar muitos dos projectos que existem; e a ne-cessidade de os agentes eco-nómicos, sociais e os do co-nhecimento se mobilizarem, em torno da necessidade de se dar vida, animar e dar quali-dade aos espaços da nossa ci-dade. Mais do que intervir no espaço público e nas infra-es-truturas é preciso intervir na forma como podemos, melho-rando o espaço público, torná-lo fruído e fazer com que ele tenha actividades. Por exemplo, a Rua Direita foi requalificada, mas hoje precisa de uma vida – económica, social, de habita-ção. Isto significa que os ins-trumentos que tivemos no pas-sado para transformar a cidade precisam de ter outro tipo de preocupações. Essa tarefa vai exigir tem po e atenção, mas pode ser mui to rica porque, em Aveiro, há actores com uma enorme capacidade – na área económica, na tecnológica, na artística, na cívica. Neste mo-mento, o desafio é sentar os ac-tores à mesa, dialogar e mobi-lizá- los para a revitalização da cidade. Quais são as mudanças mais urgentes em Aveiro? A urgência maior é perceber o que é que Aveiro pode oferecer de diferente, relativamente a outras cidades. Aveiro tem po-tencial em vários domínios que a tornam única, e precisamos de reconhecer quais são esses domínios. Em Aveiro, temos um conjunto de recursos na área das TICE [Tecnologias de Informação, Comunicação e Ele ctrónica] que são únicos no país – a PT Inovação, tudo que a Universidade oferece relacio-nado com a investigação e en-sino na área das telecomuni-cações, empresas de renome na área das tecnologias, asso-ciações empresariais ligadas às TICE. Dificilmente encontra-mos em Portugal outra cidade que tenha estes recursos na área tecnológica. A cidade po-dia constituir-se como um es-paço de valorização do seu po-tencial de conhecimento e ino-vação ligada a esta área. E exis-tem outros potenciais no do-mínio artístico (ligados ao de-sign) que começam a ganhar actividade relevante. E, claro, no domínio dos projectos em-presariais ligados à mobilidade suave. À bicicleta. Este é um do-mínio que a região e a cidade podiam explorar, quer pelas condições que ela tem, quer pe-los empreendedores que ela gerou neste domínio. Como é que esses recursos podem ajudar a regenerar a cidade? O projecto de regeneração do centro da cidade devia ser uma das prioridades. Saber o que queremos fazer com o centro da cidade. Precisamos de per-ceber como é que podemos dotar os espaços físicos de uma nova vida social e econó-mica, e fazer com que eles vol-tem a ser espaços centrais da cidade. E, depois, temos de per-ceber co mo podemos mobili-zar os recursos que são únicos para valorizar a cidade. Estes pequenos passos não são mui - to exigentes do ponto de vista do investimento público. São actividades de reflexão, de pla-neamento. E, em terceiro nível, tem de se passar para a utili-zação dos fundos estruturais que permitam juntar estes dois exercícios. | Ainda faz sentido lembrar o urbanismo no século XXI? Efeméride 8 de Novembro é o Dia Mundial do Urbanismo. Fomos em busca das razões para a existência da data PAULO RAMOS