A cidade que temos! a cidade que queremos!

660 visualizações

Publicada em

A cidade que temos! A cidade que queremos! 16 DE MARÇO 2015, BIBLIOTECA DA ESCOLA SECUNDÁRIA HOMEM CRISTO - AVEIRO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
660
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cidade que temos! a cidade que queremos!

  1. 1. A cidade que temos! A cidade que queremos! O QUE PODEMOS FAZER POR AMBAS? JOSÉ CARLOS MOTA- DCSPT Univ. Aveiro (jcmota@ua.pt) 16 DE MARÇO 2015, BIBLIOTECA DA ESCOLA SECUNDÁRIA HOMEM CRISTO - AVEIRO
  2. 2. A cidade que temos! 75% das deslocações são feitas de carro. 37% duram menos de 5 minutos. A distância média diária/indivíduo é 22 Km. Casa-trabalho corresponde a 60% das viagens!
  3. 3. Aveiro é o 2.º concelho com maior número de utilizadores regulares de bicicleta (1.351; ainda assim só 2,8%). 50% população da região tem uma bicicleta em casa! A cidade que temos!
  4. 4. A cidade que temos! «Em Portugal, o excesso de peso afecta 28,7% dos rapazes, 27,1% das raparigas, 63,8% dos homens e 54,6% das mulheres, enquanto a obesidade atinge 8,9% dos rapazes, 10,6% das raparigas, 20,9% dos homens e 23,4% das mulheres» (Público, 30/05/2014)
  5. 5. As partículas de PM10 provêm das emissões da indústria, do TRÁFEGO e do aquecimento doméstico e podem causar asma, problemas cardiovasculares, cancro do pulmão e morte prematura» MEMORANDO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25/09/2014 A cidade que temos!
  6. 6. A cidade que temos! Edifícios devolutos! Cidade dispersa!
  7. 7. «Cerca de 400 mil idosos vivem sós e outros 804 mil vivem em companhia exclusiva de outros idosos - um fenómeno que aumentou 28% ao longo da última década». Na maioria, mulheres. (DN, 3/02/2012) A cidade que temos!
  8. 8. A cidade que temos! Aveiro, uma referência no domínio do património natural e cultural
  9. 9. A cidade que temos! Aveiro, uma hiperconnected city?
  10. 10. «Citando Aristóteles, Montgomery define felicidade [dos cidadãos urbanos] como o prazer de viver em cidades, mas também como o privilégio de ser membro activo da comunidade». A cidade que queremos!
  11. 11. A cidade que queremos! É preciso uma VISÃO (o que queremos ser) e PLANEAMENTO (um conjunto de acções territoriais, sociais e económicas coerentes e articuladas para a concretizar)
  12. 12. A cidade que queremos! O poder das micro-iniciativas de baixo custo e alto impacto (micro-intervenções no espaço público - bancos, flores e umas pinturas - que mudam a imagem de uma cidade). Mas não chegam!
  13. 13. A cidade que queremos! O poder das micro-intervenções: o caso do Largo da Rua S. Sebastião!
  14. 14. A cidade que queremos! O poder das dinâmicas cívicas – a Associação CORDA – e da construção colectiva de ideias - L!
  15. 15. A cidade que queremos! O poder das dinâmicas cívicas e da capacidade de discutir a cidade querida (e de lutar por ela)
  16. 16. A cidade que queremos! sugestões 1. Juntem um grupo de pessoas (2 ou 3) de diferentes idades, gostos e actividades com vontade de fazer algo pela rua, bairro ou freguesia onde vivem; arranjem um nome para o grupo! 2. Numa manhã ou numa tarde marquem um passeio pela rua, bairro ou freguesia, a pé ou de bicicleta, e fotografem a vida urbana, procurando identificar o que mais gostam e o que menos gostam (ex: espaços públicos, edifícios; 3. Criem um blogue ou página do Facebook e partilhem o que estão a fazer (o aumento da visibilidade vai trazer mais pessoas para o projecto); 4. Arranjem um espaço (café, casa de alguém, sede associação ou sede da junta de freguesia) e convidem os moradores para uma conversa sobre o que encontraram e sobre o que podem fazer para melhorar (sobretudo acções de baixo-custo e elevado impacto); tragam comida e bebidas (as pessoas falam melhor quando comem ☺) 5. Seleccionem uma acção e mobilizem os esforços (da autarquia, junta de freguesia mas também das associações, comerciantes ou empresas localizadas na área onde estão a trabalhar) para a concretizar; façam uma festa no fim e partam para a segunda acção!

×