SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY 
JOSÉ CARLOS MOTA 
PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA E MOBILIDADE SUAVE 
CONFERÊNCIA «PROJECTO SITES» - 29 OUTUBRO 2014, AVEIRO
75% das deslocações em Aveiro são 
feitas em transporte individual. 37% 
realizam-se em menos de cinco 
minutos!
distância média diária/indivíduo na área 
territorial Aveiro/Ílhavo é de cerca de 22 Km (o que 
espelha bem o modelo de urbanização extensiva 
do território em causa) 
o movimento pendular casa-trabalho só 
representa 60% das viagens (mostrando a 
multiplicidade de motivos de deslocação) 
Estudo de ocupação dispersa, UA
razões da não utilização de bicicleta as 
respostas foram a distância longa 
(16%), as condições climáticas (15%), 
coisas a transportar (12%) e a não 
existência de ciclovias (10%) e de lugar 
seguro para estacionar a bicicleta (9%) 
(inquérito a 400 membros da 
universidade - estudantes, funcionários 
e docentes; UA e CMA, 2010)
60% dos dias do ano não chove em Aveiro 
(Porto tem 220 dias/ano sem chuva; chove só 
em 140 dias ) 
Copenhague só tem 115 dias sem chuva (251 
dias/ano de precipitação). Amesterdão tem 
155 dias sem chuva(215 dias com chuva)
Aveiro é o terceiro concelho 
a nível nacional com maior 
número de utilizadores 
regulares de bicicleta (1.351)
mais de metade da população da 
região tem uma bicicleta em casa 
(535 bicicletas/1.000 hab), valor 
superior à taxa de motorização 
média (502 veículos/1.000 hab.)
1/3 das pessoas admite poder utilizar a bicicleta nas 
suas deslocações quotidianas (Inquérito CMA/UA) 
dependente da melhoria e expansão da 
rede ciclável (57%), melhoria das 
condições dos pavimentos (17%) e 
aumento da segurança rodoviária (6%) 
e redução do tráfego rodoviário (2%)
PROJECTO PRIORITÁRIO
BIKE-FRIENDLY CITY 
ENGINEERING 
EDUCATION 
ENCOURAGEMENT 
ENFORCEMENT 
EVALUATION/PLANNING 
http://bikeleague.org/community
INSPIRADO NO 
CONCEITO BIKE-FRIENDLY DE 2.ª GERAÇÃO 
CIDADE 
COMO CAUSA 
COLECTIVA 
2.º GERAÇÃO 
CIDADES E REGIÕES BIKE-FRIENDLY 
PRODUÇÃO, VENDA E 
ALUGUER DE BICICLETAS 
(INDUST. & ARTESANAL) 
SISTEMAS COLECTIVOS 
BICICLETAS – TICE E 
ENERGIA 
MICRO-LOGÍSTICA 
CICLÁVEL (CARGO-BIKES) 
TERRITÓRIO COMO ESPAÇO DE CRIAÇÃO DE 
NOVOS PRODUTOS E SERVIÇOS BASEADOS 
EM CONHECIMENTO (ECONOMIA VERDE) 
ESPAÇO PÚBLICO 
(URBANO/RURAL) AMIGO 
DOS MODOS SUAVES 
PRODUÇÃO DE 
COMPONENTES (IND.) E 
ACESSÓRIOS (MODA) 
TURISMO E LAZER 
CICLÁVEL 
TICE 
(MOBILIDADE, SAÚDE, 
TURISMO) 
EQUIPAMENTOS E 
MOBILIÁRIO URBANO P/ 
BICICLETA 
BICICLETAS ELÉCTRICAS, 
MOTORES, 
CARREGAMENTOS 
ACTIVIDADE FÍSICA E 
DESPORTO EM BICICLETA 
(BTT, PISTA, ESTRADA,…) 
NEGÓCIOS URBANOS 
BIKE-FRIENDLY 
VIDA URBANA (EVENTOS 
E QUOTIDIANA) 
ESTÍMULO À 
INVESTIGAÇÃO 
(EXPLORATÓRIA) – 
BICICLETA, MOBILIDADE, 
CIDADES, ECONOMIA 
(VERDE) 
ESTÍMULO À GERAÇÃO 
DE IDEIAS COLECTIVAS 
(NEGÓCIOS & UTILIDADES 
COMUNS) E AO 
ENVOLVIMENTO CÍVICO 
ESTÍMULO À PROMOÇÃO 
DO 
EMPREENDEDORISMO – 
DESIGN, MATERIAIS, 
ENERGIA, SAÚDE, 
TURISMO, 
CONSTRUÇÃO COLECTIVA 
– ACTORES PÚBLICOS, 
EMPRESÁRIOS, 
INVESTIGADORES E 
ORGANIZAÇÕES 
SOCIEDADE CIVIL 
1.º GERAÇÃO 
CIDADES E REGIÕES 
BIKE-FRIENDLY 
INFRA-ESTRUTURAÇÃO 
SINALÉTICA 
VENDA DE BICICLETAS 
SENSIBILIZAÇÃO E 
EDUCAÇÃO 
SISTEMAS 
COLECTIVOS DE 
BICICLETAS 
CIDADE 
COMO ‘INFRA-ESTRUTURA’
CONCEITO BIKE-FRIENDLY 
PROMOÇÃO DO PPPRRROOOMMMOOOÇÇÇÃÃÃOOO DDDOOO UUUUSSSSOOOO DDDDAAAA BBBBIIIICCCCIIIICCCCLLLLEEEETTTTAAAA (de infra-estruturação e sensibilização) 
criação de condições para o surgimento de NNNNOOOOVVVVOOOOSSSS PPPPRRRROOOODDDDUUUUTTTTOOOOSSSS EEEE SSSSEEEERRRRVVVVIIIIÇÇÇÇOOOOSSSS 
LLLLIIIIGGGGAAAADDDDOOOOSSSS ÀÀÀÀ BBBBIIIICCCCIIIICCCCLLLLEEEETTTTAAAA EEEE ÀÀÀÀ MMMMOOOOBBBBIIIILLLLIIIIDDDDAAAADDDDEEEE CCCCIIIICCCCLLLLÁÁÁÁVVVVEEEELLLL (do design aos materiais, 
da saúde ao turismo, das TICE à energia, da educação ao território) 
e que usem a cidade CCCCOOOOMMMMOOOO EEEESSSSPPPPAAAAÇÇÇÇOOOO DDDDEEEE EEEEXXXXPPPPEEEERRRRIIIIMMMMEEEENNNNTTTTAAAAÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO 
PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA E MOBILIDADE SUAVE
UA CAMPUS CIDADE BIKE-FRIENDLY 
LINHAS DE ACÇÃO 
INFRAESTRUTURAS CICLOVIAS, ESTACIONAMENTO, SINALIZAÇÃO 
MOBILIDADE TRANSFERÊNCIA MODAL, TRANSPORTE COLECTIVO 
INOVAÇÃO DESIGN/MATERIAIS BICICLETA, PAVIMENTOS, TICE, ENERGIA 
SENSIBILIZAÇÃO COMUNICAÇÃO, EVENTOS, PEDAGOGIA, MERCHANDISING 
e eventualmente (no futuro) 
BICICLETA UBIKE, APOIO À AQUISIÇÃO, COSTUMIZAÇÃO
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE FORMAÇÃO 
BIKE-FRIENDLY 
16.500 PESSOAS UA 
200 UTILIZADORES (1,2%) 
27.829 PESSOAS AVEIRO (ESCOLA/TRABALHO) 
573 UTILIZADORES BICICLETA (2,1%) 
UA 2.000 NOVOS ALUNOS/ANO 
SEM HÁBITOS DE DESLOCAÇÃO!
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE CRIAÇÃO 
BIKE-FRIENDLY
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE EXPERIMENTAÇÃO 
BIKE-FRIENDLY
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE NOVAS CONEXÕES 
BIKE-FRIENDLY
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE INTERAÇÃO SOCIAL 
BIKE-FRIENDLY 
Cycling Without Age 
http://cyclingwithoutage.org/
CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE NOVOS SERVIÇOS 
BIKE-FRIENDLY
PODE UMA CIDADE BIKE-FRIENDLY (AMIGA DOS 
CIDADÃOS, DO ESPAÇO PÚBLICO, DO AMBIENTE, 
DA SAÚDE E DA ECONOMIA) TRANSFORMAR-SE 
NUM DESÍGNIO COLECTIVO?
ENVOLVENDO A COMUNIDADE 
HOSPITAL E 
UNIDADES DE 
SAÚDE 
Associação de Pais e 
encarregados de 
educação 
associações e 
organizações cívicas 
GNR 
PSP
ALARGADO AO TERRITÓRIO ENVOLVENTE 
REGIÃO BIKE-FRIENDLY 
E A OUTROS TERRITÓRIOS E ACTORES
OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO! 
JOSÉ CARLOS MOTA 
29 OUTUBRO 2014 
CIDADE AMIGA DA BICICLETA 
PRECISA DE AMIGOS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Campanha Life Cycle 21 Setembro Aveiro
Campanha Life Cycle 21 Setembro AveiroCampanha Life Cycle 21 Setembro Aveiro
Campanha Life Cycle 21 Setembro AveiroJose Carlos Mota
 
Como encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de BicicletasComo encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de Bicicletasguest29aa2b
 
Unidade 2 atividade 5 - painel das propostas do projeto
Unidade 2   atividade 5 - painel das propostas do projetoUnidade 2   atividade 5 - painel das propostas do projeto
Unidade 2 atividade 5 - painel das propostas do projetoDanimat
 
20150918 sem seixal ecc2015 - algarve
20150918 sem seixal   ecc2015 - algarve20150918 sem seixal   ecc2015 - algarve
20150918 sem seixal ecc2015 - algarveJorge G Coelho
 
2012 02-23 one talk mario alves
2012 02-23 one talk mario alves2012 02-23 one talk mario alves
2012 02-23 one talk mario alvesONE Talks
 
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta Rogério Viduedo
 
Bike sharing grupo serttel
Bike sharing   grupo serttelBike sharing   grupo serttel
Bike sharing grupo serttelSerttel
 
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicleta
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicletaA importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicleta
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicletaongciclourbano
 

Mais procurados (13)

Carlos Relvas
Carlos RelvasCarlos Relvas
Carlos Relvas
 
Campanha Life Cycle 21 Setembro Aveiro
Campanha Life Cycle 21 Setembro AveiroCampanha Life Cycle 21 Setembro Aveiro
Campanha Life Cycle 21 Setembro Aveiro
 
Como encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de BicicletasComo encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de Bicicletas
 
Unidade 2 atividade 5 - painel das propostas do projeto
Unidade 2   atividade 5 - painel das propostas do projetoUnidade 2   atividade 5 - painel das propostas do projeto
Unidade 2 atividade 5 - painel das propostas do projeto
 
20150918 sem seixal ecc2015 - algarve
20150918 sem seixal   ecc2015 - algarve20150918 sem seixal   ecc2015 - algarve
20150918 sem seixal ecc2015 - algarve
 
2012 02-23 one talk mario alves
2012 02-23 one talk mario alves2012 02-23 one talk mario alves
2012 02-23 one talk mario alves
 
Ciclo
CicloCiclo
Ciclo
 
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta
Plano Cicloviário de São Paulo - Cobertura do Jornal Bicicleta
 
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
 
Bike sharing grupo serttel
Bike sharing   grupo serttelBike sharing   grupo serttel
Bike sharing grupo serttel
 
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicleta
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicletaA importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicleta
A importância de pesquisas para investimento em mobilidade por bicicleta
 
Bike sp
Bike spBike sp
Bike sp
 
12.3.13 #2 januário cunha
12.3.13 #2 januário cunha12.3.13 #2 januário cunha
12.3.13 #2 januário cunha
 

Destaque

Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoJosé Carlos Mota
 
A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!José Carlos Mota
 
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIESIMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIESJosé Carlos Mota
 
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...José Carlos Mota
 
Sete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoSete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoJosé Carlos Mota
 
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidadesAs redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidadesJosé Carlos Mota
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?José Carlos Mota
 
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vfCidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vfJosé Carlos Mota
 

Destaque (16)

Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo taticoVivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
Vivó bairro 21 novembro 2016 conferência internacional urbanismo tatico
 
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective actionPaula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
 
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
 
A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!A cidade que temos! a cidade que queremos!
A cidade que temos! a cidade que queremos!
 
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
 
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIESIMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
IMPROVING COLLECTIVE INTELLIGENCE TO PROMOTE BETTER CITIES
 
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
THE RELATIONSHIP BETWEEN UNIVERSITY, LOCAL AUTHORITIES, ADVOCAY AND BICYCLE I...
 
Sete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participaçãoSete mitos mais um sobre a participação
Sete mitos mais um sobre a participação
 
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidadesAs redes sociais e a participação no planeamento das cidades
As redes sociais e a participação no planeamento das cidades
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBAN...
 
Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?Do we really need participation in planning?
Do we really need participation in planning?
 
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vfCidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
Cidades participação e futuro noites na pólis mangualde 20 setembro_vf
 
12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão12.2.8. #1 maria piedade brandão
12.2.8. #1 maria piedade brandão
 
O poder do poder local
O poder do poder local O poder do poder local
O poder do poder local
 
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al LambroGrazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
 
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading ZoneAlessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
 

Semelhante a A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY

Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfJosé Carlos Mota
 
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVelmobiciclavel
 
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugalmobiciclavel
 
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em PortugalConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em PortugalJose Carlos Mota
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vfguestd478da
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaJosé Carlos Mota
 
Ciclomobilidade e o PDDU de Salvador
Ciclomobilidade e o PDDU de SalvadorCiclomobilidade e o PDDU de Salvador
Ciclomobilidade e o PDDU de SalvadorPablo Florentino
 
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Riamobiciclavel
 
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Socialmobiciclavel
 

Semelhante a A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY (20)

PT BICICLETA
PT BICICLETAPT BICICLETA
PT BICICLETA
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
 
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendlyPOSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
 
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel
1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel
 
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCMFrederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
 
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
 
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em PortugalConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicletaNovas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
Novas ideas e negócios ligados à mobilidade em bicicleta
 
#2 Click Cicloria V1
#2 Click Cicloria V1#2 Click Cicloria V1
#2 Click Cicloria V1
 
Ciclomobilidade e o PDDU de Salvador
Ciclomobilidade e o PDDU de SalvadorCiclomobilidade e o PDDU de Salvador
Ciclomobilidade e o PDDU de Salvador
 
2. Cicloria Arp Jc J Mota
2. Cicloria Arp Jc J Mota2. Cicloria Arp Jc J Mota
2. Cicloria Arp Jc J Mota
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
 
Síntese Projecto Ciclo Ria
Síntese Projecto Ciclo RiaSíntese Projecto Ciclo Ria
Síntese Projecto Ciclo Ria
 
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
 
Dossier de Visita
Dossier de VisitaDossier de Visita
Dossier de Visita
 
Margarida Coelho
Margarida CoelhoMargarida Coelho
Margarida Coelho
 

Mais de José Carlos Mota

E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?José Carlos Mota
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexãoJosé Carlos Mota
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO José Carlos Mota
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoJosé Carlos Mota
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!José Carlos Mota
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsJosé Carlos Mota
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...José Carlos Mota
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...José Carlos Mota
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaJosé Carlos Mota
 
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...José Carlos Mota
 
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...José Carlos Mota
 
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013José Carlos Mota
 
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...José Carlos Mota
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013José Carlos Mota
 

Mais de José Carlos Mota (18)

E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?E se o futuro for um regresso ao passado?
E se o futuro for um regresso ao passado?
 
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexãoEm busca de uma solução para o Rossio –  5 temas de reflexão
Em busca de uma solução para o Rossio – 5 temas de reflexão
 
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
MENOR EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!Em Aveiro (tudo) é possível!
Em Aveiro (tudo) é possível!
 
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessionsTURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
TURISMO E MOBILIDADE SUAVE Invtur call-for-sessions
 
Os novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanosOs novos líderes urbanos
Os novos líderes urbanos
 
Dia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do UrbanismoDia Mundial do Urbanismo
Dia Mundial do Urbanismo
 
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEISPLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
PLANEAR CIDADES SAUDÁVEIS
 
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
Planeamento do território: metodologias actores e participação - resumo de di...
 
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA... A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
A PARTICIPAÇÃO DOS ACTORES NO INSTRUMENTO 'PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBA...
 
Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster Aveiro Salt Cluster
Aveiro Salt Cluster
 
Tr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicletaTr 130 valorização da bicicleta
Tr 130 valorização da bicicleta
 
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
CITY CIVIC MOVEMENTS IN AVEIRO – PROMOTE SMARTER DECISIONS FOR THE FUTURE OF ...
 
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...A new relevant relationship between communities and local authorities through...
A new relevant relationship between communities and local authorities through...
 
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
'OS CIDADÃOS PARTICIPAM QUANDO SÃO ENVOLVIDOS' DA 24MAI2013
 
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
The added value of city civic movements in local spatial planning policies di...
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 

A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY

  • 1. A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY JOSÉ CARLOS MOTA PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA E MOBILIDADE SUAVE CONFERÊNCIA «PROJECTO SITES» - 29 OUTUBRO 2014, AVEIRO
  • 2. 75% das deslocações em Aveiro são feitas em transporte individual. 37% realizam-se em menos de cinco minutos!
  • 3. distância média diária/indivíduo na área territorial Aveiro/Ílhavo é de cerca de 22 Km (o que espelha bem o modelo de urbanização extensiva do território em causa) o movimento pendular casa-trabalho só representa 60% das viagens (mostrando a multiplicidade de motivos de deslocação) Estudo de ocupação dispersa, UA
  • 4. razões da não utilização de bicicleta as respostas foram a distância longa (16%), as condições climáticas (15%), coisas a transportar (12%) e a não existência de ciclovias (10%) e de lugar seguro para estacionar a bicicleta (9%) (inquérito a 400 membros da universidade - estudantes, funcionários e docentes; UA e CMA, 2010)
  • 5. 60% dos dias do ano não chove em Aveiro (Porto tem 220 dias/ano sem chuva; chove só em 140 dias ) Copenhague só tem 115 dias sem chuva (251 dias/ano de precipitação). Amesterdão tem 155 dias sem chuva(215 dias com chuva)
  • 6. Aveiro é o terceiro concelho a nível nacional com maior número de utilizadores regulares de bicicleta (1.351)
  • 7. mais de metade da população da região tem uma bicicleta em casa (535 bicicletas/1.000 hab), valor superior à taxa de motorização média (502 veículos/1.000 hab.)
  • 8. 1/3 das pessoas admite poder utilizar a bicicleta nas suas deslocações quotidianas (Inquérito CMA/UA) dependente da melhoria e expansão da rede ciclável (57%), melhoria das condições dos pavimentos (17%) e aumento da segurança rodoviária (6%) e redução do tráfego rodoviário (2%)
  • 10. BIKE-FRIENDLY CITY ENGINEERING EDUCATION ENCOURAGEMENT ENFORCEMENT EVALUATION/PLANNING http://bikeleague.org/community
  • 11. INSPIRADO NO CONCEITO BIKE-FRIENDLY DE 2.ª GERAÇÃO CIDADE COMO CAUSA COLECTIVA 2.º GERAÇÃO CIDADES E REGIÕES BIKE-FRIENDLY PRODUÇÃO, VENDA E ALUGUER DE BICICLETAS (INDUST. & ARTESANAL) SISTEMAS COLECTIVOS BICICLETAS – TICE E ENERGIA MICRO-LOGÍSTICA CICLÁVEL (CARGO-BIKES) TERRITÓRIO COMO ESPAÇO DE CRIAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS E SERVIÇOS BASEADOS EM CONHECIMENTO (ECONOMIA VERDE) ESPAÇO PÚBLICO (URBANO/RURAL) AMIGO DOS MODOS SUAVES PRODUÇÃO DE COMPONENTES (IND.) E ACESSÓRIOS (MODA) TURISMO E LAZER CICLÁVEL TICE (MOBILIDADE, SAÚDE, TURISMO) EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO URBANO P/ BICICLETA BICICLETAS ELÉCTRICAS, MOTORES, CARREGAMENTOS ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTO EM BICICLETA (BTT, PISTA, ESTRADA,…) NEGÓCIOS URBANOS BIKE-FRIENDLY VIDA URBANA (EVENTOS E QUOTIDIANA) ESTÍMULO À INVESTIGAÇÃO (EXPLORATÓRIA) – BICICLETA, MOBILIDADE, CIDADES, ECONOMIA (VERDE) ESTÍMULO À GERAÇÃO DE IDEIAS COLECTIVAS (NEGÓCIOS & UTILIDADES COMUNS) E AO ENVOLVIMENTO CÍVICO ESTÍMULO À PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO – DESIGN, MATERIAIS, ENERGIA, SAÚDE, TURISMO, CONSTRUÇÃO COLECTIVA – ACTORES PÚBLICOS, EMPRESÁRIOS, INVESTIGADORES E ORGANIZAÇÕES SOCIEDADE CIVIL 1.º GERAÇÃO CIDADES E REGIÕES BIKE-FRIENDLY INFRA-ESTRUTURAÇÃO SINALÉTICA VENDA DE BICICLETAS SENSIBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO SISTEMAS COLECTIVOS DE BICICLETAS CIDADE COMO ‘INFRA-ESTRUTURA’
  • 12. CONCEITO BIKE-FRIENDLY PROMOÇÃO DO PPPRRROOOMMMOOOÇÇÇÃÃÃOOO DDDOOO UUUUSSSSOOOO DDDDAAAA BBBBIIIICCCCIIIICCCCLLLLEEEETTTTAAAA (de infra-estruturação e sensibilização) criação de condições para o surgimento de NNNNOOOOVVVVOOOOSSSS PPPPRRRROOOODDDDUUUUTTTTOOOOSSSS EEEE SSSSEEEERRRRVVVVIIIIÇÇÇÇOOOOSSSS LLLLIIIIGGGGAAAADDDDOOOOSSSS ÀÀÀÀ BBBBIIIICCCCIIIICCCCLLLLEEEETTTTAAAA EEEE ÀÀÀÀ MMMMOOOOBBBBIIIILLLLIIIIDDDDAAAADDDDEEEE CCCCIIIICCCCLLLLÁÁÁÁVVVVEEEELLLL (do design aos materiais, da saúde ao turismo, das TICE à energia, da educação ao território) e que usem a cidade CCCCOOOOMMMMOOOO EEEESSSSPPPPAAAAÇÇÇÇOOOO DDDDEEEE EEEEXXXXPPPPEEEERRRRIIIIMMMMEEEENNNNTTTTAAAAÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA E MOBILIDADE SUAVE
  • 13. UA CAMPUS CIDADE BIKE-FRIENDLY LINHAS DE ACÇÃO INFRAESTRUTURAS CICLOVIAS, ESTACIONAMENTO, SINALIZAÇÃO MOBILIDADE TRANSFERÊNCIA MODAL, TRANSPORTE COLECTIVO INOVAÇÃO DESIGN/MATERIAIS BICICLETA, PAVIMENTOS, TICE, ENERGIA SENSIBILIZAÇÃO COMUNICAÇÃO, EVENTOS, PEDAGOGIA, MERCHANDISING e eventualmente (no futuro) BICICLETA UBIKE, APOIO À AQUISIÇÃO, COSTUMIZAÇÃO
  • 14. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE FORMAÇÃO BIKE-FRIENDLY 16.500 PESSOAS UA 200 UTILIZADORES (1,2%) 27.829 PESSOAS AVEIRO (ESCOLA/TRABALHO) 573 UTILIZADORES BICICLETA (2,1%) UA 2.000 NOVOS ALUNOS/ANO SEM HÁBITOS DE DESLOCAÇÃO!
  • 15. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE CRIAÇÃO BIKE-FRIENDLY
  • 16. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE EXPERIMENTAÇÃO BIKE-FRIENDLY
  • 17. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE NOVAS CONEXÕES BIKE-FRIENDLY
  • 18. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE INTERAÇÃO SOCIAL BIKE-FRIENDLY Cycling Without Age http://cyclingwithoutage.org/
  • 19. CAMPUS CIDADE ESPAÇO DE NOVOS SERVIÇOS BIKE-FRIENDLY
  • 20. PODE UMA CIDADE BIKE-FRIENDLY (AMIGA DOS CIDADÃOS, DO ESPAÇO PÚBLICO, DO AMBIENTE, DA SAÚDE E DA ECONOMIA) TRANSFORMAR-SE NUM DESÍGNIO COLECTIVO?
  • 21. ENVOLVENDO A COMUNIDADE HOSPITAL E UNIDADES DE SAÚDE Associação de Pais e encarregados de educação associações e organizações cívicas GNR PSP
  • 22. ALARGADO AO TERRITÓRIO ENVOLVENTE REGIÃO BIKE-FRIENDLY E A OUTROS TERRITÓRIOS E ACTORES
  • 23. OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO! JOSÉ CARLOS MOTA 29 OUTUBRO 2014 CIDADE AMIGA DA BICICLETA PRECISA DE AMIGOS!