Hanseníase

5.187 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
188
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseníase

  1. 1. HanseníaseProfª Karen Borges de Andrade Costa
  2. 2. Definição: “ É uma doença infecto-contagiosa, sistêmica, provocada por um bacilo (bacilo de Hansen).É de evolução lenta e se manifesta por sinais e sintomas dermatoneurológicos”
  3. 3. Agente Etiológico A Hanseníase é causada pelo Mycobacterium leprae, que é um parasita intracelular com afinidade por células cutâneas e por células dos nervos periféricos, onde se multiplica (11 – 16 dias). O M. leprae tem alta infectividade e baixa patogenicidade
  4. 4. Transmissão Vias aéreas Contato com feridas abertas de doentes não tratadosApenas 10% das pessoas não são resistentes. Após a inalação: Destruição Defesa DisseminaçãoIncubação : 2 a 7 anos
  5. 5. Manifestações neurológicas Diminuição da sensibilidade local Sensação de anestesia (dolorosa e térmica)O comprometimento dos ns provoca: Diminuição da força muscular Atrofia e contratura dos pés e mãos (inclusive dedos) Ressecamento dos olhos Lesões de mucosas
  6. 6. Diagnóstico Exames laboratoriais1. Baciloscopia2. Teste de Mitsuda
  7. 7. Sinais e Sintomas Dermatológicos Máculas pigmentadas ou discrômicas Infiltração Tubérculo Nódulo* As lesões SEMPRE apresentarão alteração de sensibilidade (hipoestesia ou anestesia).
  8. 8. Sinais e Sintomas NeurológicosLesões no nervos periféricos. Dor e espessamento dos nervos periféricos Perda de sensibilidade (principalmente olhos, mãos e pés) Perda de força muscular (principalmente pálpebras, MMSS e MMII)
  9. 9. Diagnóstico – Exame ClínicoUma pessoa com Hanseníase apresenta uma ou mais das características: Lesão(ões) de pele com alteração de sensibilidade Acometimento de nervo(s) com espessamento neural Baciloscopia positiva
  10. 10. Roteiro de diagnóstico clínico Anamnese- história clínica e epidemiológica Avaliação dermatológica (face, orelhas, nádegas, braços, pernas e costas) Avaliação neurológica: identificação de neurites, incapacidades e deformidades. Classificação do grau de incapacidade física Testes de sensibilidade (tátil, térmica e dolorosa)
  11. 11. Principais ns.periféricos acometidos FACE: Trigêmio e facial BRAÇOS: Radial, Ulnar e Mediano PERNAS: Fibular comum e tibial posteriorPalpação dos troncos dos nervos periféricos
  12. 12. Formas Clínicas Formas Paucibacilares (não contagiosa)1. Hanseníase Indeterminada2. Hanseníase Tuberculóide Formas Multibacilares (contagiosas)1. Hanseníase Virchowiana2. Hanseníase Dimorfa
  13. 13. Hanseníase Indeterminada  Máculas circunscritas hipocrômicas (braços, nádegas, coxa e tronco)  Perda dos anexos  Anestesia  Aumento da sudorese  Curável
  14. 14. Hanseníase Tuberculóide Lesões avermelhadas, assimétricas e circunscritas. Sensibilidade abolida Alopécia É estável, benigna com bom prognóstico
  15. 15. Hanseníase Dimorfa É instável Acometimento dos nervos periféricos Lesões em placas delimitadas e avermelhadas por todo o corpo Nódulos pardacentos Orelha lepromatosa
  16. 16. Hanseníase Virchowiana Extremamente contagiosa O bacilo vai se localizar em regiões mais frias Máculas e nódulos Lesões assimétricas no tronco e na face (facies leonina)
  17. 17. Hanseníase Virchowiana (continuação)  Comprometimento dos ns. Periféricos  Ulcerações  Mãos em garras  Auto-amputação  Olhos: Logoftalmo, Ectrópio e Entrópio
  18. 18. Deformidades nas mãos
  19. 19. Tratamentos Medicamentoso (poliquimioterapia: Dapsona, Clofazimina, Rifampicina, Etionamida) Fisioterapia (prevenção e tratamento de incapacidades físicas) Cirurgia reparadora e de transferência
  20. 20. FIM

×