Hanseníase do conceito ao
tratamento
Aluna: Sara Moura Rodrigues
Orientadora: Yara Bandeira Azevedo
Curso: Farmácia
INTRODUÇÃO








A hanseníase (Lepra ) é uma doença histórica , com
evolução lenta e periodo de incubação demorad...
OBJETIVO
Direcionar a população para maiores
informações a respeito da hanseníase.
 Agente etiológico
 Formas clinicas
...
Método
Pesquisas bibliográficas
 Pesquisa qualitativa
 Coleta de dados :
 Faculdade Alfredo Nasser , Universidade
Feder...
CONCEITO
“Doença infectocontagiosa, sistêmica, provocada por um
bacilo . É de evolução lenta período de
incubação demorado...
Agente etiológico
Mycobacterium leprae, ou bacilo de
hansen
 parasita intracelular com afinidade por
células cutâneas e p...
Agente etiológico
http://www.passeiweb.com/saiba_mais/voce_sabia/bacterioses

- Não possui cílios
-Não forma esporos
-Imóv...
Agente etiológico
-Taxonomia:
Classe: Shizomycetes
Ordem: Actinomycetalis
Família: Mycobacterioaceae
Gênero : Mycobacteri...
Epidemiologia
regiões quentes e úmidas
 Afeta ambos os sexos
 O Brasil : 2 país em prevalência de casos
 Países mais po...
Formas Clínicas
Formas paucibacilares (não
contagiosa)
-hanseníase indeterminada e tuberculóide


Formas Multibacilares
(...
Hanseníase Indeterminada
São manchas de cor parda
 Ás vezes pouco visíveis
 Perda da sensibilidade térmica.
 Alopecia
...
Hanseníase Indeterminada
Alterações da sensibilidade e da sudorese.
http://drauziovarella.com.br/letras/h/hanseniase-2/
Hanseníase Tuberculóide
Resistência grande ao bacilo
 Lesões com placa de rubor ou de cor
cobre
 Lesões solidas
 Nervos...
Hanseníase Tuberculóide
Lesões delimitadas- placa de rubor de cor
acobreada

http://hansen.bvs.ilsl.br/textoc/livros/OPROM...
Hanseníase Dimorfa (bordeline)
Lesões com limites nítidos na área central
e pouco nítido na periferia
 Lesões com aparênc...
Hanseníase Dimorfa
Lesões de aspecto elevado e rosado com aspecto
de anel
http://informacoesbiomedicas.blogspot.com.br/201...
Hanseníase Vichorwiana








Cargas altas de bacilos com passagem livre para
todos os tecidos
Lesoes multiplas de...
Hanseníase Vichorwiana
Nódulo nas articulações e face leonina.
http://www.docstoc.com/docs/124715546/Hansen%EF%BF%BDase---...
Diagnóstico
Clinico e epidemiológico
 Anamnese
 Exame dermatoneurologico ( nervos)
 Baciloscopia
 Teste de sensibilida...
Diagnóstico Diferencial
Algumas dermatoses se assemelham com
algumas formas clinicas da hanseniase
como : Eczematides, Nev...
Reações Hansênicas
Pode ocorrer em qualquer estagio da
doença
 Mais frequente na forma multibacilar
 Alterações do siste...
Tratamento
Inicio imediato após o diagnóstico
 Associação Medicamentosa:
Poliquimioterapia:
dapsona, clofazimina, rifampi...
Tratamento
http://www.ilep.org.uk/library-resources/ilep-publications/portuguese/
Tratamento com talidomida
Dispensação controlada com termo de
responsabilidade
 Casos de Reações hansênicas do tipo 2
 T...
Vacina
Vacina bacilo Calmette-Guerin
 Estimula a defesa do organismo
 Aplicada nos contatos domiciliares
 Depende do hi...
Considerações Finais
A hanseníase durante muito tempo foi
considerada uma doença estigmatizante. A
terminologia foi altera...
Referências


ARAÚJO,M.G.Hanseniase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina
Tropical,v.36,n.3,p.373-382,20...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS

8.498 visualizações

Publicada em

Slies do Trabalho de Conclusão do Curso de Farmácia pela Faculdade Alfredo Nasser UNIFAN. HANSENÍASE: DO CONCEITO AO TRATAMENTO Sob Orientação da Professora Ma.Yara Bandeira.

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.498
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
339
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS

  1. 1. Hanseníase do conceito ao tratamento Aluna: Sara Moura Rodrigues Orientadora: Yara Bandeira Azevedo Curso: Farmácia
  2. 2. INTRODUÇÃO        A hanseníase (Lepra ) é uma doença histórica , com evolução lenta e periodo de incubação demorado. Em 1976 a terminologia “ Lepra” mudou para Hanseníase. A descoberta do bacilo : 1873, pelo médico norueguês Amauer Hansen. Formas: Indeterminada , tuberculoide, dimorfa e Vichorwiana. Contraída por via respiratória. Diagnostico clinico Tratamento poliquimioterapico .
  3. 3. OBJETIVO Direcionar a população para maiores informações a respeito da hanseníase.  Agente etiológico  Formas clinicas  Diagnóstico  Sintomas  Tratamento 
  4. 4. Método Pesquisas bibliográficas  Pesquisa qualitativa  Coleta de dados :  Faculdade Alfredo Nasser , Universidade Federal de Goiás  Revistas Científicas , dissertações e busca em dados virtuais como: BIREME,MEDLINE , SCIELO.  Palavras chave : hanseníase, bacilo de hansen, Mycobacterium leprae 
  5. 5. CONCEITO “Doença infectocontagiosa, sistêmica, provocada por um bacilo . É de evolução lenta período de incubação demorado.”
  6. 6. Agente etiológico Mycobacterium leprae, ou bacilo de hansen  parasita intracelular com afinidade por células cutâneas e por células do nervo periférico.  Formas de bastonetes: Alcool-ácido resistente  Reprodução lenta: 12 a 14 dias  Diponível em até : 36 h em temperatura de 36,7ºC 
  7. 7. Agente etiológico http://www.passeiweb.com/saiba_mais/voce_sabia/bacterioses - Não possui cílios -Não forma esporos -Imóvel -Não contem capsula -Dimensões: 0,2 a 0,4µm de largura e 1 a 7µm de comprimento
  8. 8. Agente etiológico -Taxonomia: Classe: Shizomycetes Ordem: Actinomycetalis Família: Mycobacterioaceae Gênero : Mycobacterium
  9. 9. Epidemiologia regiões quentes e úmidas  Afeta ambos os sexos  O Brasil : 2 país em prevalência de casos  Países mais pobres  Difícil acesso a unidades de saúde  Falta de informações  Contagio fácil entre o grupo familiar 
  10. 10. Formas Clínicas Formas paucibacilares (não contagiosa) -hanseníase indeterminada e tuberculóide  Formas Multibacilares (contagiosas) -hanseníase dimorfa e vichorwiana 
  11. 11. Hanseníase Indeterminada São manchas de cor parda  Ás vezes pouco visíveis  Perda da sensibilidade térmica.  Alopecia  Ausência de transpiração  O nervo não é lesado  Algumas vezes : Autocurável 
  12. 12. Hanseníase Indeterminada Alterações da sensibilidade e da sudorese. http://drauziovarella.com.br/letras/h/hanseniase-2/
  13. 13. Hanseníase Tuberculóide Resistência grande ao bacilo  Lesões com placa de rubor ou de cor cobre  Lesões solidas  Nervos afetados mais intensamente ou em troncos maiores  Alteração da musculatura esquelética  Dano neural 
  14. 14. Hanseníase Tuberculóide Lesões delimitadas- placa de rubor de cor acobreada http://hansen.bvs.ilsl.br/textoc/livros/OPROMOLLA_DILTOR_atlas/PDF/parte_1.pdf
  15. 15. Hanseníase Dimorfa (bordeline) Lesões com limites nítidos na área central e pouco nítido na periferia  Lesões com aparência de um queijo cheio de furos  Lesões de aspecto elevado e rosado com aspecto de anel  Lesões neurais expressivas 
  16. 16. Hanseníase Dimorfa Lesões de aspecto elevado e rosado com aspecto de anel http://informacoesbiomedicas.blogspot.com.br/2012/06/hanseniase.html
  17. 17. Hanseníase Vichorwiana        Cargas altas de bacilos com passagem livre para todos os tecidos Lesoes multiplas de aspecto variado Face leonina obstrução nasal lesões cutâneas são aproximadamente simétricas os grandes troncos nervosos são afetados Manchas ferruginosas
  18. 18. Hanseníase Vichorwiana Nódulo nas articulações e face leonina. http://www.docstoc.com/docs/124715546/Hansen%EF%BF%BDase---PowerPoint
  19. 19. Diagnóstico Clinico e epidemiológico  Anamnese  Exame dermatoneurologico ( nervos)  Baciloscopia  Teste de sensibilidade nas lesões cutâneas  Reação de Mitsuda (penas avalia a resistência do indivíduo ao bacilo) 
  20. 20. Diagnóstico Diferencial Algumas dermatoses se assemelham com algumas formas clinicas da hanseniase como : Eczematides, Nevo acrômico, Ptiríase Versicolor , vitiligo ,Eritrema solar, escrerodermias.
  21. 21. Reações Hansênicas Pode ocorrer em qualquer estagio da doença  Mais frequente na forma multibacilar  Alterações do sistema imunológico  Manifestam-se exteriormente inflamações agudas e subagudas.  Reação tipo 1 e tipo 2  com
  22. 22. Tratamento Inicio imediato após o diagnóstico  Associação Medicamentosa: Poliquimioterapia: dapsona, clofazimina, rifampicina).  Reações hansênicas moderado:  Aspirina 500mg  Paracetamol 1g 
  23. 23. Tratamento http://www.ilep.org.uk/library-resources/ilep-publications/portuguese/
  24. 24. Tratamento com talidomida Dispensação controlada com termo de responsabilidade  Casos de Reações hansênicas do tipo 2  Teratogênicidade do fármaco   http://representanteprev.blogspot.com.br/2012/09/portadores-da-sindrome-da-talidomida.html
  25. 25. Vacina Vacina bacilo Calmette-Guerin  Estimula a defesa do organismo  Aplicada nos contatos domiciliares  Depende do histórico de vacina do individuo   http://pt.wikipedia.org/wiki/Bacillus_Calmette-Gu%C3%A9rin
  26. 26. Considerações Finais A hanseníase durante muito tempo foi considerada uma doença estigmatizante. A terminologia foi alterada de lepra para hanseníase , após a descoberta do bacilo pelo medico alemão A. Hansen. Com o avanço da ciência hoje a hanseníase tem cura , sem deixar vestígios quando diagnosticada precocemente. O tratamento dura em media seis meses a um ano. As questões abordadas neste estudo possibilitam compreender o quadro geral da patologia com mais clareza apartir de informações pesquisadas.
  27. 27. Referências  ARAÚJO,M.G.Hanseniase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical,v.36,n.3,p.373-382,2003ª. Disponivel em : http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037868220003000300010&script=sci_arttext Acesso em : 12 de maio de 2013.  BRASIL, Ministerio da saúde. Serviço Nacional de Lepra. Manual de Leprologia. Rio de Janeiro, 1960.  CALUX, Marli de Jesus Ferreira. Hanseniase. Segunda Ed. São Paulo: ROCA LTDA,2009.  FOSS, Norma Tiraboschi. Episodios reacionais na hanseniase. Disponivel em: < http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&scr=google&base=LILACS&lang=p&nextA ction=lnk&xprSearch=400404&indexSearch=ID>. Acesso em : 15 de março de 2013.  FOSS, Norma Tirabochi. Hanseniase : aspectos clinicos e imunologicos

×