Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012

1.616 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012

  1. 1. SITUAÇÕES DESAFIADORAS FERIDAS COMPLEXAS LESÕES CUTÂNEAS NA HANSENÍASE MÔNICA ANTAR GAMBA Profª adjunta EPE-UNIFESP
  2. 2. • Hanseníase é uma das maiores preocupações da Saúde Pública;• Doença dermato neurológica, infecto contagiosa de baixa virulência e alta patogenicidade;• Formas clínicas: Paucibacilar Indeterminada e Tuberculóide• Multibacilar: Dimorfa e Virchowiana• Condições sócio-econômicas X hábitos pessoais
  3. 3. Magnitude• Aumento da proporção entre menores de 14 anos (75 casos novos em SP) e 2063 casos em indivíduos com 15 anos ou mais; coeficiente de detecção geral de 5,21 e 2855• Presença de incapacidades físicas moderadas/graves em 9% dos casos no momento do diagnóstico;• Altas taxas de recidivas (Ferreira e cols 2010)
  4. 4. Estigma Exclusão Hanseníase SocialComplicações Neuro- Deformidadesdermatológicas Incapacidades Físicas
  5. 5. INDETERMINADA TUBERCULÓIDE Placas eritematosas, bem delineadas; hipo ou anestésica; com comprometimento de nervos. Áreas hipo ou anestésica; hipocrônicas ou avermelhadas
  6. 6. DIMORFA Eritema infiltrado e de bordas mal definidas; tubérculos VIRCHOWIANA e nódulos; madarose; lesões de Lesões mucosas; com alteração de eritematosas sensibilidade planas com o centro claro, de tonalidadeferruginosa ou pardacenta;com alteração desensibilidade. É transmissível.
  7. 7. RISCO DE ULCERAÇÃO OCULAR
  8. 8. Lesão do nervo ulnar hiperflexão dos 4‫ ﻆ‬e 5 pododáctilosNervo mediano dificuldade na oponência do polegar
  9. 9. Skin ulcers in leprosy: clinical and epidemiological characteristics ofpatients* Fernanda Guzzo Gomes 1 Marco Andrey Cipriani Frade2;Norma Tiraboshi Foss 3A hanseníase é uma doença de evolução crônica cuja lesão nervosa determina alteraçõessensitivas e motoras, levando à instalação de deformidades assim como as úlcerascutâneas.OBJETIVO: Perfil epidemiológico dos hansenianos ulcerados e não ulcerados atendidos noHospital das Clínicas de Ribeirão.MÉTODO- Estudo transversal de 79 hansenianos atendidos em 2003 e 2004 junto aoArquivo Médico, separando-os em Grupo 1 (ulcerados) e Grupo 2 (não ulcerados),caracterizando-os clínico-epidemiologicamente.RESULTADOS: 69,6% eram do sexo masculino, 91,1% brancos e baciloscopiapositiva em 62%. Destes, 25 (32%) pacientes apresentaram ulcerações (Grupo 1)localizadas nos membros inferiores em 68% dos casos, classificados como grau II deincapacidade (72%), diferente em relação ao grupo 2 (p<0,01). Na classificação espectral dahanseníase, comparando os pares de grupos observaram-se diferenças entre tuberculóide evirchowiano (p<0,01), dimorfo e dimorfo-virchowiano (p<0,05), e este com virchowiano(p<0,01). Na operacional, 80% dos ulcerados eram multibacilares enquanto 12%paucibacilares (p<0,05).As ulcerações dos hansenianos parecem estar relacionadas ao grau II de incapacidade e àpositividade da baciloscopia, características detectadas por ambas as classificações(espectral e operacional).
  10. 10. ÚLCERAS EM HANSENÍASEDois ou mais mecanismos associados
  11. 11. Manifestação externa da doença,lesões bolhosa, úlceras ou cicatrizes,polineuropatia em luva e bota,calosidades, ulcerações plantares ,queimaduras, ou seja toda a gênese deferidas.
  12. 12. FISIOPATOLOGIA DA ÚLCERA POR HANSEN ÚLCERAS ESPECÍFICAS: ÚLCERAS NEUROTRÓFICAS Tróficas• De natureza e evolução • Mais comum na Forma crônica Virchoviana, ena• Necrose de epiderme, presenças das com exsudato neuropatias na forma transepitelial tuberculóide;• Necrose de epiderme por • Parasitazação do derma, injúria física, química ou vasos e nervos biológica( temperatura, álcalis, ácidos, toxinas endógenas e isquemia; GALAN 2009)
  13. 13. TIPOS DE ÚLCERAS AGUDAS CRÔNICAS. Com predomínio de • Com predomínio de fibrose exsudato e proliferação vascular
  14. 14. … um pouco mais de fisiopatologia• Intenso parasitismo do endotélio leva a alteração sanguínea e linfática ( Fenômeno de Lúcio) Denervaçao autômica Alteração Estase vasomotora Destruição células de Schaw Isquemia Hipoxemia Pele seca, insensível, sem pêlos
  15. 15. Como atuar?Prevenção de Incapacidades• Incapacidade é um termo que abrange deficiência, limitação e restrição.• Pode indicar que o diagnóstico ou tratamento foi tardio e/ou inadequado;• Prevenção: *hidratação e lubrificação da pele; *exercícios fisioterápicos; *uso de férulas; *adaptação de instrumentos da vida diária;
  16. 16. AVALIAR
  17. 17. ORTETIZAR
  18. 18. PREVENINDO DEFORMIDADESFÉRULAS: :
  19. 19. Removendo atritoDesbridamento de Calosidades: podiatria
  20. 20. CICATRIZAÇÃO Manual de Condutas para Úlceras Neurotróficas e Traumáticas*• PQT• Lesões trombóticas e ulceradas ( observadas no fenômeno de Lúcio) melhoram com PQT• Reações de hipersensibilidade humoral ou celular, pioram as lesões; surto reacional e geram geradas pela morte dos bacilos e defesa do organismo (Brasil 2007; Gallan 2009) » * Brasil, DND, 2002, 2007
  21. 21. TRATAMENTO• NECROSE CASEOSA• VASCULITE• OSTEOMIELITE• CLÍNICO: CORTICOESTERÓIDE, ANTIBIÓTICO TERAPIA• CIRÚRGICO: DESBRIDAMENTO
  22. 22. Tratamento• Gesso de contato • Avaliação total transdisciplinar• Desbridamento da • Integração social hiperqueratose • Adaptação de objetos• Hidrogéis, AGE para da vida diária hidratação ou preparo • Higiene, identidade, de enxerto; autoestima
  23. 23. RESULTADOS Sr. P. de S.
  24. 24. RESULTADOS Sra. Neusa
  25. 25. RESULTADOSSra. N.
  26. 26. RESULTADOS Sra. N.
  27. 27. HOMENAGEANDO SILVANA MARGARIDA BENEVIDES FERREIRAAs medidas adicionais de vigilância epidemiológica para este grupo de indivíduos com maior chance de reincidência da doença deve incluir:• melhoria das condições de vida, por meio da implementação de políticas públicas e maior responsabilidade do Estado e sociedade na organização de serviços, para alcance de melhores resultados do controle da hanseníase no Estado de Mato Grosso.
  28. 28. A sociedade impõe a rejeição, leva à perda da confiança em si e reforça o caráter simbólico darepresentação social segundo a qual os sujeitos sãoconsiderados incapazes e prejudiciais à interação na comunidade. Fortalece-se o imaginário social dadoença e do "irrecuperável", no intuito de manter a eficácia do simbólico Bacurau (Morhan): o amor é a maior drágea Grata à Deus e á vcs por sta oportunidade… antar.gamba@unifesp.br .

×