SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
MARCUS CORRADINI
        Biólogo


CULTIVO E PROPAGAÇÃO
 DE CACTOS E OUTRAS
 PLANTAS SUCULENTAS


       SANTO ANDRÉ
           2009
CARACTERÍSTICAS


    Superfície foliar reduzida


    Acúmulo de água dentro do corpo da planta



    Epiderme com apêndices (pêlos, ceras, espinhos)
para evitar perda de água por evaporação
Saguaro




Carnegiea
gigantea
Lithops
OCORRÊNCIA
CACTÁCEAS

    Suculentas     pertencentes   à    família
Cactaceae


    Ocorrem do sul do Canadá até a Patagônia

 São encontradas em locais como pradarias,
desertos e florestas tropicais

  Atualmente são conhecidos cerca de 100
gêneros com, aproximadamente, 2.000
espécies

    Possuem aréolas
Aréolas em Opuntia microdasys
MORFOLOGIA
                 CAULES

  Local de armazenamento de água

  Realização de fotossíntese

  Diversos formatosdiminuição da
evaporação
    
      Globoso
    
      Arbóreo
    
      Achatado
    
      Colunar
    
      rasteiro
MORFOLOGIA
 FORMATOS
MORFOLOGIA
                         CAULES


                                             Caule
                                        colunar em
                                            Cereus
                                        peruvianus




                  Caule globular em
    Caule       Echinocereus grusonii
achatado em
 Rhipsalis sp
                               Caule arbustivo em
                              Opuntia leuchotricha
MORFOLOGIA
                    RAÍZES

    Funções: sustentação e absorção de
         água e de sais minerais




Raízes adventícias em    Raízes suculentas em
 Hilocereus undatus          Mammillaria
MORFOLOGIA
                       FOLHAS

    Folhas inteiras em alguns gêneros

 Espécies da subfamília Opuntioidea -
caducas e subuladas




       Folhas inteiras em       Folhas subuladas em
          Pereskiopsis                Nopalea
MORFOLOGIA
                   ESPINHOS

    Folhas modificadas

    Dois tipos:
    
      Radiais: mais numerosos
    
      Centrais: mais grossos e escassos

    Diferentes formatos e tamanhos

    Rígidos ou flexíveis

    Coloração - desde o branco até o negro
MORFOLOGIA
TIPOS DE ESPINHOS
MORFOLOGIA
               FLORES



    Pouca durabilidade

    Diversas cores, tamanhos e formatos

 Polinização principalmente por
animais
MORFOLOGIA
                    FLORES




Flor no ápice em
                             Flor de Cereus
Opuntia litoralis
MORFOLOGIA
                           FLORES
                         Lã axilar em Mammillaria




Flor de Nopalea cocholinifera       Cefálio em Melocactus
MORFOLOGIA
                 FRUTOS

 Têm origem na transformação do ovário
após a polinização


    Diferentes formatos


    Tomentosos, espinhosos ou escamosos


    Maioria - carnosos e adocicados


    Podem conter de 3 a 3.000 sementes
MORFOLOGIA
                       FRUTOS
                                    Fruto de
                                    Pereskia
                                    aculeata




Fruto de Cereus jamacaru
(Mandacaru)



           Fruto de Mamillaria sp
SUCULENTAS


 Cerca de 50 famílias botânicas, com mais
de 600 gêneros e milhares de espécies


  Muitas destas espécies habitam as áreas
ensolaradas do globo (principalmente África)


  Nas Américas ocorrem principalmente as
famílias  Crassulaceae,   Agavaceae    e
Cactaceae
USO DAS PLANTAS
         SUCULENTAS
             1. PAISAGISMO


 Grande porte (Agavaceae, Euforbiaceae
e Asphodelaceae)  jardins rochosos


 Pequeno porte (Crassulaceaa)  podem
ser utilizadas como plantas de forração na
cobertura do solo em jardins
Exemplos




                              Agave americana




Euphorbia ingens
                   Crassula ovata
2. COLEÇÕES


  Espécies de menor porte  simetria, colorido
variado e delicadeza das formas, excelentes para
formar coleções em vasos


  Suculentas  Echeveria (rosa-de-pedra), Sedum
(dedo-de-moça) e Kalanchoe


    Cactáceas  Notocactus, Echinocactus e Rebutia
Exemplos




Echeveria "Perle von Nurnberg"




                                 Kalanchoe thyrsiflora



   Sedum nussbaumeranum
3. PÁTIOS E TERRAÇOS


 Espécies menos agressivas podem ser
cultivadas em vasos ou recipientes
maiores, exercendo função decorativa


 As espécies mais recomendadas são:
Agave attenuata, Kalanchoe sp. e
Crassula sp.
Exemplos




Agave atenuata


                   Kalanchoe tomentosa
4. COBERTURA DO SOLO
Aizoaceae - produzem flores bonitas e em
grande quantidade, além de formarem
raízes e fixarem a terra




                           Lampranthus productus
5. CERCAS AGRESSIVAS

Podem-se usar os gêneros Agave,
Opuntia, Euphorbia, Pereskia e Cereus




    Opuntia microdasys
                          Cereus hildmannianus
6. REVESTIMENTO DE
             MUROS DE PEDRAS
 Falhas entre as pedras podem ser preenchidas com
suculentas de pequeno porte - Echeveria, Sedum e
Sempervivum




                               Sedum rubrotinctum
7. REVESTIMENTO DE PEDRAS E ROCHAS

 Em pedras de
grande porte e
rochas, os orifícios
podem ser
preenchidos com
espécies de
pequeno porte -
Crassuláceas



           Crassula falcata
CULTIVO
LUZ  luz solar intensa e direta o maior
número de horas possível, tanto para o
cultivo em jardim como em recipientes

RECIPIENTES  vasos de barro, fibra de
vidro, cerâmica, plástico ou metal, cobertos
por uma camada de 1 a 2 cm de espessura
de cascalho

SOLO  arenoso, por ser bem arejado e de
fácil drenagem
CULTIVO

ÁGUA  é preferível faltar água do que
tê-la em excesso

 No solo, regar pouco no período de
chuvas; na seca, regar uma vez por
semana

 Em vasos, esperar que a terra seque e
procurar regar apenas o solo
CULTIVO

    Adubação mineral

 Fórmula 10-10-10 ou similar, na quantidade
indicada na embalagem

    Adubo orgânico

 O adubo deve ser bem misturado à terra e
não deve ser aplicado nos meses de inverno
CULTIVO
                  CUIDADOS!

  Checar as plantas duas vezes por mês para
tirar a poeira e folhas mortas

    Podas ocasionais beneficiam as plantas

    É recomendável trocar a terra a cada ano

    Algumas plantas não devem ser regadas
sobre os espinhos, pois podem “melar”

    O pH do solo deve estar entre 5.5 e 8.5
PRAGAS E DOENÇAS

 Pulgões  Pequenos insetos de cor
escura, que surgem nas brotações novas.
Combatidos com inseticidas fosforados


  Apodrecimento  Causado por
bactérias. É evitado com a moderação das
regas, pois o excesso de umidade no solo
favorece o crescimento das bactérias
PRAGAS E DOENÇAS
Cochonilhas –
Pequenos insetos
de coloração
branca,
esverdeada ou
acinzentada.
Combatidas com
inseticidas.
PROPAGAÇÃO
              SEMENTES
 Crescimento lento, mas que permite a
obtenção de um grande número de
plantas em uma área pequena

   Semeadura em caixas contendo areia

 Mudas com 1 a 2 cm de altura devem
ser retiradas da caixa e transplantadas
para vasos
PROPAGAÇÃO

 SEMENTES
PROPAGAÇÃO
        DIVISÃO DE TOUCEIRAS


    Método muito utilizado para as
    crassuláceas


    A touceira é arrancada e as plantas são
    separadas individualmente, mantendo-
    se terra junto às raízes


    As mudas são plantadas em solo
    apropriado
PROPAGAÇÃO
                 ESTAQUIA

     Ramos cortados em pedaços de 5 a
    10cm de comprimento e enterrados
    até 1/3 de seu tamanho em terra
    arenosa, após cicatrização


     Irrigação por cerca de 30 dias,
    evitando encharcar


     Transplante das mudas quando
    estiverem enraizadas
PROPAGAÇÃO
ESTACA CAULINAR
PROPAGAÇÃO
                FOLHAS


   Método indicado para crassuláceas e
liliáceas


 Retirar uma folha inteira e enterrar
parcialmente na areia ou na terra arenosa


  Quando uma nova planta surgir,
transplantar para outro recipiente
PROPAGAÇÃO
  FOLHAS
PROPAGAÇÃO

    HASTES DE INFLORESCÊNCIAS

  Cortar a haste pela base, antes do
término do florescimento


 Dividir em pedaços com 10 cm de
comprimento e enterrar em caixas com
areia ou terra até a metade da altura


 Transplantar para outros recipientes
quando surgirem novas plantas
PROPAGAÇÃO
              BROTAÇÕES


 Cactos de formato cilíndrico ou esférico
produzem brotos


 Os brotos podem ser retirados e
colocados em areia para enraizar


 Os brotos com 5 a 10 cm de diâmetro
são os mais indicados
PROPAGAÇÃO
              ENXERTIA


 Plantar brotos de uma espécie com 15 a
20 cm de altura e, após o enraizamento,
cortar o ápice na altura de 3 cm


  Fazer um corte horizontal na base do
broto da espécie que se deseja propagar e
justapor na parte superior da planta
enraizada
CURIOSIDADES

  Risco de extinção (coleta e destruição de
habitats)

  Espinhos usados como palitos, agulhas ou
pentes

  Alimento para gado (Opuntia)

  Opuntia - produção de álcool

  Produção de corante de cochonilha

  Sabão
CURIOSIDADES


  Fabricação de fibras

  Construção de casas

  Toxinas

  Alimentação (frutos, geléias)

  Bebidas (tequila)

  Aloe sp. - hidratante para cabelo e
cicatrizante
CONTATO



marcus.corradini@gmail.com
REFERÊNCIAS


 BENEDITO, André Luiz Dadona; CORRADINI, Marcus Silva.
  Cultivo de cactos e suculentas. Santo André, 2006.


BENEDITO, André Luiz Dadona; CORRADINI, Marcus Silva. O
   jardim de plantas suculentas do Parque Escola.
 Disponível em: http://www.jardimdesuculentas.net76.net


GONÇALVES, Antonio Luiz. Plantas suculentas. São Paulo:
        Instituto de Botânica, 1997. 2 ed. rev.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
Maria Betânia
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
Carlaensino
 

Mais procurados (20)

Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Aula respiração
Aula respiraçãoAula respiração
Aula respiração
 
Família botânica - Malvaceae
Família botânica - MalvaceaeFamília botânica - Malvaceae
Família botânica - Malvaceae
 
Aula brachiaria
Aula brachiariaAula brachiaria
Aula brachiaria
 
Aula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânicaAula nomenclatura botânica
Aula nomenclatura botânica
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
Substrato
SubstratoSubstrato
Substrato
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Relatorio final experimento germinação
Relatorio final  experimento germinaçãoRelatorio final  experimento germinação
Relatorio final experimento germinação
 
Cultura da Cebolinha
Cultura da CebolinhaCultura da Cebolinha
Cultura da Cebolinha
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
 
Aula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetalAula sistematica vegetal
Aula sistematica vegetal
 
Introdução a sistemática vegetal
Introdução a sistemática vegetalIntrodução a sistemática vegetal
Introdução a sistemática vegetal
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
 

Semelhante a Cactos e Suculentas

E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
ALTAIR SOUZA
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
Cristóvão Lopes
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
7º ano reino plantae 1
7º ano    reino plantae 17º ano    reino plantae 1
7º ano reino plantae 1
Simone Maia
 

Semelhante a Cactos e Suculentas (20)

Cactus e suculentas
Cactus e suculentasCactus e suculentas
Cactus e suculentas
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 
Herbario =Dddd
Herbario  =DdddHerbario  =Dddd
Herbario =Dddd
 
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
Cartilha Árvores do campus Planaltina 2
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
cana-de-açucar-botanica e anatomia-antonio inacio ferraz, técnico em eletroni...
 
Doc5
Doc5Doc5
Doc5
 
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de OrquídeasPantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
 
Paisagismo Ii
Paisagismo IiPaisagismo Ii
Paisagismo Ii
 
Apostila Orquídeas
Apostila OrquídeasApostila Orquídeas
Apostila Orquídeas
 
curso-de-paisagismo
curso-de-paisagismocurso-de-paisagismo
curso-de-paisagismo
 
7º ano reino plantae 1
7º ano    reino plantae 17º ano    reino plantae 1
7º ano reino plantae 1
 
Árvores.pdf
Árvores.pdfÁrvores.pdf
Árvores.pdf
 
Anadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - AngicoAnadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - Angico
 
Espécies Arbóreas
Espécies ArbóreasEspécies Arbóreas
Espécies Arbóreas
 

Mais de Marcus Corradini (11)

Tráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentaçãoTráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentação
 
Tráfico de animais - texto
Tráfico de animais - textoTráfico de animais - texto
Tráfico de animais - texto
 
Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
 
Origem do universo
Origem do universoOrigem do universo
Origem do universo
 
Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011
 
Simulador fúria da natureza
Simulador fúria da naturezaSimulador fúria da natureza
Simulador fúria da natureza
 
Gripe h1 n1
Gripe h1 n1Gripe h1 n1
Gripe h1 n1
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Formação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário SabinaFormação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário Sabina
 
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para MonitoresEcossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
 

Cactos e Suculentas

  • 1. MARCUS CORRADINI Biólogo CULTIVO E PROPAGAÇÃO DE CACTOS E OUTRAS PLANTAS SUCULENTAS SANTO ANDRÉ 2009
  • 2. CARACTERÍSTICAS  Superfície foliar reduzida  Acúmulo de água dentro do corpo da planta  Epiderme com apêndices (pêlos, ceras, espinhos) para evitar perda de água por evaporação
  • 6. CACTÁCEAS  Suculentas pertencentes à família Cactaceae  Ocorrem do sul do Canadá até a Patagônia  São encontradas em locais como pradarias, desertos e florestas tropicais  Atualmente são conhecidos cerca de 100 gêneros com, aproximadamente, 2.000 espécies  Possuem aréolas
  • 7. Aréolas em Opuntia microdasys
  • 8. MORFOLOGIA CAULES  Local de armazenamento de água  Realização de fotossíntese  Diversos formatosdiminuição da evaporação  Globoso  Arbóreo  Achatado  Colunar  rasteiro
  • 10. MORFOLOGIA CAULES Caule colunar em Cereus peruvianus Caule globular em Caule Echinocereus grusonii achatado em Rhipsalis sp Caule arbustivo em Opuntia leuchotricha
  • 11. MORFOLOGIA RAÍZES  Funções: sustentação e absorção de água e de sais minerais Raízes adventícias em Raízes suculentas em Hilocereus undatus Mammillaria
  • 12. MORFOLOGIA FOLHAS  Folhas inteiras em alguns gêneros  Espécies da subfamília Opuntioidea - caducas e subuladas Folhas inteiras em Folhas subuladas em Pereskiopsis Nopalea
  • 13. MORFOLOGIA ESPINHOS  Folhas modificadas  Dois tipos:  Radiais: mais numerosos  Centrais: mais grossos e escassos  Diferentes formatos e tamanhos  Rígidos ou flexíveis  Coloração - desde o branco até o negro
  • 15. MORFOLOGIA FLORES  Pouca durabilidade  Diversas cores, tamanhos e formatos  Polinização principalmente por animais
  • 16. MORFOLOGIA FLORES Flor no ápice em Flor de Cereus Opuntia litoralis
  • 17. MORFOLOGIA FLORES Lã axilar em Mammillaria Flor de Nopalea cocholinifera Cefálio em Melocactus
  • 18. MORFOLOGIA FRUTOS  Têm origem na transformação do ovário após a polinização  Diferentes formatos  Tomentosos, espinhosos ou escamosos  Maioria - carnosos e adocicados  Podem conter de 3 a 3.000 sementes
  • 19. MORFOLOGIA FRUTOS Fruto de Pereskia aculeata Fruto de Cereus jamacaru (Mandacaru) Fruto de Mamillaria sp
  • 20. SUCULENTAS  Cerca de 50 famílias botânicas, com mais de 600 gêneros e milhares de espécies  Muitas destas espécies habitam as áreas ensolaradas do globo (principalmente África)  Nas Américas ocorrem principalmente as famílias Crassulaceae, Agavaceae e Cactaceae
  • 21. USO DAS PLANTAS SUCULENTAS 1. PAISAGISMO  Grande porte (Agavaceae, Euforbiaceae e Asphodelaceae)  jardins rochosos  Pequeno porte (Crassulaceaa)  podem ser utilizadas como plantas de forração na cobertura do solo em jardins
  • 22. Exemplos Agave americana Euphorbia ingens Crassula ovata
  • 23. 2. COLEÇÕES  Espécies de menor porte  simetria, colorido variado e delicadeza das formas, excelentes para formar coleções em vasos  Suculentas  Echeveria (rosa-de-pedra), Sedum (dedo-de-moça) e Kalanchoe  Cactáceas  Notocactus, Echinocactus e Rebutia
  • 24. Exemplos Echeveria "Perle von Nurnberg" Kalanchoe thyrsiflora Sedum nussbaumeranum
  • 25. 3. PÁTIOS E TERRAÇOS  Espécies menos agressivas podem ser cultivadas em vasos ou recipientes maiores, exercendo função decorativa  As espécies mais recomendadas são: Agave attenuata, Kalanchoe sp. e Crassula sp.
  • 26. Exemplos Agave atenuata Kalanchoe tomentosa
  • 27. 4. COBERTURA DO SOLO Aizoaceae - produzem flores bonitas e em grande quantidade, além de formarem raízes e fixarem a terra Lampranthus productus
  • 28. 5. CERCAS AGRESSIVAS Podem-se usar os gêneros Agave, Opuntia, Euphorbia, Pereskia e Cereus Opuntia microdasys Cereus hildmannianus
  • 29. 6. REVESTIMENTO DE MUROS DE PEDRAS Falhas entre as pedras podem ser preenchidas com suculentas de pequeno porte - Echeveria, Sedum e Sempervivum Sedum rubrotinctum
  • 30. 7. REVESTIMENTO DE PEDRAS E ROCHAS Em pedras de grande porte e rochas, os orifícios podem ser preenchidos com espécies de pequeno porte - Crassuláceas Crassula falcata
  • 31. CULTIVO LUZ  luz solar intensa e direta o maior número de horas possível, tanto para o cultivo em jardim como em recipientes RECIPIENTES  vasos de barro, fibra de vidro, cerâmica, plástico ou metal, cobertos por uma camada de 1 a 2 cm de espessura de cascalho SOLO  arenoso, por ser bem arejado e de fácil drenagem
  • 32. CULTIVO ÁGUA  é preferível faltar água do que tê-la em excesso  No solo, regar pouco no período de chuvas; na seca, regar uma vez por semana  Em vasos, esperar que a terra seque e procurar regar apenas o solo
  • 33. CULTIVO  Adubação mineral  Fórmula 10-10-10 ou similar, na quantidade indicada na embalagem  Adubo orgânico  O adubo deve ser bem misturado à terra e não deve ser aplicado nos meses de inverno
  • 34. CULTIVO CUIDADOS!  Checar as plantas duas vezes por mês para tirar a poeira e folhas mortas  Podas ocasionais beneficiam as plantas  É recomendável trocar a terra a cada ano  Algumas plantas não devem ser regadas sobre os espinhos, pois podem “melar”  O pH do solo deve estar entre 5.5 e 8.5
  • 35. PRAGAS E DOENÇAS  Pulgões  Pequenos insetos de cor escura, que surgem nas brotações novas. Combatidos com inseticidas fosforados  Apodrecimento  Causado por bactérias. É evitado com a moderação das regas, pois o excesso de umidade no solo favorece o crescimento das bactérias
  • 36. PRAGAS E DOENÇAS Cochonilhas – Pequenos insetos de coloração branca, esverdeada ou acinzentada. Combatidas com inseticidas.
  • 37. PROPAGAÇÃO SEMENTES Crescimento lento, mas que permite a obtenção de um grande número de plantas em uma área pequena  Semeadura em caixas contendo areia  Mudas com 1 a 2 cm de altura devem ser retiradas da caixa e transplantadas para vasos
  • 39. PROPAGAÇÃO DIVISÃO DE TOUCEIRAS  Método muito utilizado para as crassuláceas  A touceira é arrancada e as plantas são separadas individualmente, mantendo- se terra junto às raízes  As mudas são plantadas em solo apropriado
  • 40. PROPAGAÇÃO ESTAQUIA  Ramos cortados em pedaços de 5 a 10cm de comprimento e enterrados até 1/3 de seu tamanho em terra arenosa, após cicatrização  Irrigação por cerca de 30 dias, evitando encharcar  Transplante das mudas quando estiverem enraizadas
  • 42. PROPAGAÇÃO FOLHAS  Método indicado para crassuláceas e liliáceas  Retirar uma folha inteira e enterrar parcialmente na areia ou na terra arenosa  Quando uma nova planta surgir, transplantar para outro recipiente
  • 44. PROPAGAÇÃO HASTES DE INFLORESCÊNCIAS  Cortar a haste pela base, antes do término do florescimento  Dividir em pedaços com 10 cm de comprimento e enterrar em caixas com areia ou terra até a metade da altura  Transplantar para outros recipientes quando surgirem novas plantas
  • 45. PROPAGAÇÃO BROTAÇÕES  Cactos de formato cilíndrico ou esférico produzem brotos  Os brotos podem ser retirados e colocados em areia para enraizar  Os brotos com 5 a 10 cm de diâmetro são os mais indicados
  • 46. PROPAGAÇÃO ENXERTIA  Plantar brotos de uma espécie com 15 a 20 cm de altura e, após o enraizamento, cortar o ápice na altura de 3 cm  Fazer um corte horizontal na base do broto da espécie que se deseja propagar e justapor na parte superior da planta enraizada
  • 47. CURIOSIDADES  Risco de extinção (coleta e destruição de habitats)  Espinhos usados como palitos, agulhas ou pentes  Alimento para gado (Opuntia)  Opuntia - produção de álcool  Produção de corante de cochonilha  Sabão
  • 48. CURIOSIDADES  Fabricação de fibras  Construção de casas  Toxinas  Alimentação (frutos, geléias)  Bebidas (tequila)  Aloe sp. - hidratante para cabelo e cicatrizante
  • 50. REFERÊNCIAS BENEDITO, André Luiz Dadona; CORRADINI, Marcus Silva. Cultivo de cactos e suculentas. Santo André, 2006. BENEDITO, André Luiz Dadona; CORRADINI, Marcus Silva. O jardim de plantas suculentas do Parque Escola. Disponível em: http://www.jardimdesuculentas.net76.net GONÇALVES, Antonio Luiz. Plantas suculentas. São Paulo: Instituto de Botânica, 1997. 2 ed. rev.