Anadenanthera Colubrina - Angico

3.019 visualizações

Publicada em

Seminário sobre a árvore Anadenanthera Colubrina - Angico

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.019
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anadenanthera Colubrina - Angico

  1. 1. CURSO: BIOLOGIADISC.: ECOLOGIA REGIONAL José Carlos Rodrigues de MATOS
  2. 2. Sinônimos popularesangico-amarelo, angico-brabo, angico-branco,angico-bravo, angico-castanho, angico-cedro,angico-de-caroço, angico-decasca, angico-de-cortume, angico-do-banhado, angico-do-campo,angicodo-mato, angico-dos-montes, angico-fava,angico-jacaré, angico-mama-deporco, angico-manso, angico-preto, angico-preto-rajado, angico-rajado, angico-rosa, angico-verdadeiro, angico-vermelho, brincos-de-sagüí, brincos-de-sauí, cambuí-ferro, curupaí, guarapiraca, guarucaia, paricá.
  3. 3. Nome botânicoAnadenanthera colubrina (Vell.) Brenanvaro cebil (Griseb.) Altshul
  4. 4. Sinônimos botânicosAcacia cebil Griseb.;Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan;Piptadenia macrocarpa Benth.;Piptadenia macrocarpa Benth. varo cebil (Griseb.)Chod. & Hass.
  5. 5. Família: LeguminosaeSubfamília: Mimosoideae
  6. 6. DescriçãoÁrvore com copa espalhada com galhos arqueadosdeixando passar bastante luz, ocupando no geral apenasum quarto do total da altura da árvore. Nos solos férteis eprofundos, tem caule ereto, porém nos solos de tabuleiro,nas ladeiras, tem caule tortuoso. Na caatinga, tem alturaentre 3 a 15 m, em outros ecossistemas atinge 20 ou até 30m com diâmetro de até mais de um metro. A casca temmuitas variações, tanto na cor (clara, acinzentada,castanho avermelhada, escura) como na textura(completamente coberta de acúleos, escura,profundamente gretada, áspera, apresentando arestassalientes; ou com poucos acúleos; ou lisa, totalmentedesprovida de acúleos e com fissuras longitudinais poucoprofundas.).Ao ser ferida, ela exsuda uma goma-resinaamarelada a avermelhada. Os ramos novos podemapresentar acúleos.
  7. 7. FolhasFolhas compostas bipinadas, com até 30 pares de pinasopostas, estas medindo 4-8 cm; folíolos 50-60 pares,opostos, sésseis, em geral medindo 3-6 x 1-2 mm; pecíolocom glândula preta eliposóide, localizada junto à inserçãoe mais algumas menores entre os últimos pares de folíolos.Folha composta: (l.compositus= colocado conjuntamente):Folha cujo limbo encontra-se dividido em folíolostotalmente independentes. Difere da folha seccionadapela presença de um pulvino na base de cada folíolo etambém pela raque sem vestígio algum da lâmina.Folha bipinada ou bipenada: (l. bi ou bis=duplo; l.pennatus, em alusão a l. penna ou pinna=pena): Diz-seda
  8. 8. folha composta pinada onde cada um dos folíolos também são compostos pinados, gerando um padrão recorrente
  9. 9. FlorFlores brancas ou amareloesverdeadas, pequeninas,dispostas em capítulos globosos axilares ou terminais,de 3-5 cm, com cheiro característico e suave.Capítulo (l. capitulum, diminutivo de l.caput=pequena cabeça) – Inflorescênciadensamente condensada, discoide ou arredondada,com flores sesseis.
  10. 10. FrutoO fruto é uma vagem castanho-avermelhada,achatada, grande, de até 32 cm de comprimento,com superfície rugosa e dotada de pequenasexcrescências e com bordos espessados e levementeconstritos entre as sementes. Contém 8 a 15 sementese se abre, de início, apenas por um dos lados.
  11. 11. SementesSementes marrom-avermelhadas até escuras,brilhantes, com diâmetro entre 1 a 2 cm, achatadas.
  12. 12. RaizA planta jovem forma tubérculos lenhosos pequenos naraiz principal, que é pivotante e acentuada em relação àslaterais. Na planta adulta não se encontram maistubérculos e as raízes superficiais são mais desenvolvidas.Madeira castanho-amarelada quando recém-cortada,passando a castanhoavermelhada e escurecendo paravermelho-queimado; apresenta abundantes veios oumanchas arroxeadas, que são mais destacadas quandorecém-cortada e produzem um belo desenho na madeira.A superfície é pouco lustrosa e irregularmente áspera. Amadeira é pesada (até mais de 1 g/cmj), compacta e rija,tem elasticidade baixa, grande durabilidade natural e altaresistência ao apodrecimento. Cheiro imperceptível egosto ligeiramente adstringente.
  13. 13. Como reconhecer a planta Pela casca característica, o porte ereto e a floraçãocaracterística durante a estação seca. Não confundircom: Piptadenia peregrina - o "angico" da Amazônia,nem com Piptadenia colubrina - o "angico-branco"de Minas Gerais e Rio de Janeiro.
  14. 14. Ocorrência e amplitude ecológicaRegional: Ocorre em todas as regiões do Estado doCeará, exceto nos tabuleiros da costa e na mataúmida das serras. É uma das espécies de mais ampladistribuição no espaço das caatingas. Habita também as florestas decíduas altas, a Mata Atlântica, o cerrado, o Pantanal Mato-Grossense (nas partes secas calcárias) e campos rupestres ou de altitude, ocorrendo desde o Maranhão até o norte da Argentina, Peru, Bolívia, Paraguai e de Minas Gerais até Mato Grosso.Entre os angicos brasileiros é o que tem a maiorabrangência geográfica e o que prefere as matasmais secas.
  15. 15. Informações ecológicasPlanta decídua, heliófila, que tolera sombreamento leve na fasejuvenil, pioneira ou secundária inicial, de rápido crescimento,que vegeta indiferentemente à sombra ou ao sol, em solossecos e úmidos, preferindo solos férteis e profundos, mas comgrande adaptabilidade a diferentes tipos de solos; tolera solosrasos e compactados mas não gosta de solos inundados. Naregião Nordeste, ocorre nos solos de origem sedimentar,principalmente areníticos, calcários e aluviais. A regeneraçãonatural ocorre por sementes, apresentando também rebrotaçãode tocos. Tem produção anual de grande quantidade desementes viáveis, que são dispersadas pela ação do peso oupor formigas. Apresenta reprodução vigorosa, rapidez nagerminação, ausência de dormência nas sementes, altagerminabilidade em uma ampla faixa de temperatura,resistência das plântulas ao dessecamento pela presença deórgão de reserva de água e amido nas plantas estabelecidas.Tem crescimento rápido, mas não atinge grandenúmero de anos. A formiga da roça (saúva) sobe nos seus ramosmais altos para colher as flores.
  16. 16. FenologiaInicia a queda das folhas nos primeiros dias do períodoseco e reveste-se de folhas no final da estação seca/inícioda estação chuvosa. A floração ocorre na estação seca“(setembro-novembro)” com a árvore quase totalmentedespida da folhagem. O início de floração e outrosfenômenos do ciclo vital variam de planta para planta.Por isso, a época em que se pode achar indivíduos deangico em floração estende-se por vários meses. Afrutificação tem lugar a partir do fim da floração, seguidada maturação e dispersão gradativa das sementes. Asvagens deiscentes permanecem presas à planta-mãeapós a dispersão das sementes até o outro período defrutificação. O angico pode começar a florir e frutificar apartir de 3 anos de idade.
  17. 17. Propagação• Por sementes, estaquia e rebrotação do toco.
  18. 18. Obtenção de sementesColher os frutos diretamente da árvore quandoiniciarem a abertura espontânea. Em seguida levá-losao sol para completar a abertura e liberação dassementes. Um quilo contém entre 6.400 e 23.000sementes. Devem ser usadas sementes frescas, pois opoder germinativo decresce rapidamente emcondições naturais enquanto se armazenadas emcâmara fria é mantido por mais de um ano. Assementes não apresentam dormência e germinamlogo com as primeiras chuvas
  19. 19. Cultivo de mudasColocar as sementes para germinar logo que colhidas esem nenhum tratamento em canteiros semi-sombreadoscontendo substrato organo-arenoso, ou diretamente emrecipientes individuais. Cobri-las com uma leve camadade substrato peneirado e irrigar duas vezes ao dia. Aemergência ocorre em 5-10 dias e a taxa de germinaçãogeralmente é alta (mais de 80%) para sementes frescas.Transplantar as mudas para canteiros individuais quandoatingirem 4-5 cm (3 a 4 semanas após semeadura). Odesenvolvimento das plantas no viveiro é bom, sendorelativamente fácil a formação das mudas, e, no campo,o crescimento também é bastante rápido. Também podeser efetuada a semeadura direta em recipiente ou nacova defInitiva.
  20. 20. Por causa da Plantio sua rápida germinação e rusticidade,demonstra boas possibilidades de utilização emsemeadura direta no campo, mesmo em locais de solospobres e erodidos de encostas desnudas. Mudas maioresque 1,50 m são dificeis de transplantar. O angico pode serplantado em plantio puro a pleno sol, embora seja maisaconselhável em plantio misto com espécies nativas daregião. A associação com espécies pioneiras decrescimento rápido ajuda a melhorar sua forma e elepode ser utilizado no tutoramento de espécies nativassecundárias-clímaxes. Outra forma de plantio é em faixasabertas na vegetação existente, para enriquecercapoeiras ou outras formas de vegetação degradada. Porapresentar brotação após corte, o angico pode ser usadoem sistemas agroflorestais.
  21. 21. Constituintes químicos e psicodélicosJá foram identificados: tanino (até 32%),bufotemina,ácido cianídrico,DMT e 5-MeO-DMT .Índios da Selva de Orinoco, na Colombia eVenezuela deram o nome de Yopo. Possivelmente,este era o mesmo nome dado a esta misturapsicodélica pelos Indios que habitavam a parte sul doAmazonas. O Yopo é inalado, utilizando longosbambus ou tubos, feitos a partir de ossos de pássaros.
  22. 22. [...]Podendo ser pequena, delicada, muito leveOu grande, rústica e muito pesadaA semente guarda inúmeros segredosRevelados um pouco quando pesquisada.A semente; Ismar S. Moscheta
  23. 23. BIBLIOGRAFIA• Caracterização citogenética em Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan (Mimosoideae) eGuazuma ulmifolia Lam. (Sterculiaceae); Flavia Aparecida Ortolani; extraído de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 33062010000200001&script=sci_arttext&tlng=esEm: 06/09/2012• MORFOLOGIA VEGETAL, Organografia e Dicionário Ilustrado de Morfologia das Plantas Vasculares; Eduardo Gomes, Harri Lorenzi; 2ª ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2011.• avisospsicodelicos.blogspot.com.br; acessado em: 06/09/2012

×