SlideShare uma empresa Scribd logo

cactáceas da caatinga

A vegetação do bioma é extremamente diversificada, incluindo, além das caatingas, vários outros ambiente associados. São reconhecidos 12 tipos diferentes de Caatingas, que chamam atenção especial pelos exemplos fascinantes de adaptações aos hábitats semi-áridos. Tal situação pode explicar, parcialmente, a grande diversidade de espécies vegetais, muitas das quais endêmicas ao bioma. Estima-se que pelo menos 932 espécies já foram registradas para a região, sendo 380 endêmicas. A caatinga é um tipo de formação vegetal com características bem definidas: árvores baixas e arbustos que, em geral, perdem as folhas na estação das secas (espécies caducifólias), além de muitas cactáceas. A caatinga apresenta três estratos: arbóreo (8 a 12 metros), arbustivo (2 a 5 metros) e o herbáceo (abaixo de 2 metros). Contraditoriamente, a flora dos sertões é constituída por espécies com longa história de adaptação ao calor e à seca, é incapaz de reestruturar-se naturalmente se máquinas forem usadas para alterar o solo. A degradação é, portanto, irreversível na caatinga. O aspecto geral da vegetação, na seca, é de uma mata espinhosa e agreste. Algumas poucas espécies da caatinga não perdem as folhas na época da seca. Entre essas destaca-se o juazeiro, uma das plantas mais típicas desse ecossistema.

1 de 31
Baixar para ler offline
cactáceas da caatinga
“Mandacaru, quando flora lá na seca
É o sinal que a chuva chega no sertão
Toda menina que enjoa da boneca
É sinal que o amor já chegou no coração
Meia comprida, não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado não quer mais vestir jibão”.
Luiz Gonzaga e Zé Dantas
Cactaceae
Bruno Djvan
Benjamim Neto
Daniella Silva
Thalita Freitas
Cactaceae
• É uma das mais importantes famílias da
divisão Magnoliophyta, apresentando uma
nítida vocação para ambientes secos
(xerófitos), com exceção das espécies
epífitas, originárias das florestas tropicais.
• São plantas frequentemente espinhentas
e suculentas que crescem tanto quanto
árvores, arbustos ou forrações.
Bruno
Caule
• Apresenta formatos, como colunares,
esféricos, segmentados (cladódios),
sempre recobertos ou pontuados de
espinhos rígidos ou flexíveis (gloquídios);
as espécies epífitas ostentam caules
flexíveis segmentados ou não.
Benjamim
Folhas
• Em muitas espécies, excetuadas as
pertencentes da subfamília Pereskioideae,
as folhas são grandemente ou
inteiramente reduzidas, modificadas em
espinhos, reunidos em um ponto saliente
ou deprimido, que constitui a aréola, de
onde se originam ramos, folhas, flores...
Benjamim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 
Família botânica - Malvaceae
Família botânica - MalvaceaeFamília botânica - Malvaceae
Família botânica - Malvaceae
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
 
Cactos
CactosCactos
Cactos
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Aula de botânica
Aula de botânicaAula de botânica
Aula de botânica
 
Livro guia de-plantas-visitadas-por-abelhas-na-caatinga-mma
Livro guia de-plantas-visitadas-por-abelhas-na-caatinga-mmaLivro guia de-plantas-visitadas-por-abelhas-na-caatinga-mma
Livro guia de-plantas-visitadas-por-abelhas-na-caatinga-mma
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Rubiaceae
RubiaceaeRubiaceae
Rubiaceae
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
 
Rubiaceae 2018
Rubiaceae 2018Rubiaceae 2018
Rubiaceae 2018
 
Filo annelida
Filo annelidaFilo annelida
Filo annelida
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 

Destaque (20)

Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
 
Bioma da Caatinga - Completo
Bioma da Caatinga - CompletoBioma da Caatinga - Completo
Bioma da Caatinga - Completo
 
Palmeiras nativas do brasil
Palmeiras nativas do brasilPalmeiras nativas do brasil
Palmeiras nativas do brasil
 
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
Caatinga Potenciais By: Elayne Farias!
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.Conheca nosso Bioma Caatinga.
Conheca nosso Bioma Caatinga.
 
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPABioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Flores da Caatinga
Flores da CaatingaFlores da Caatinga
Flores da Caatinga
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Flores da caatinga
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
 
I C N B J R A Biodiversidade1
I C N B  J R A  Biodiversidade1I C N B  J R A  Biodiversidade1
I C N B J R A Biodiversidade1
 
Akka testing
Akka testingAkka testing
Akka testing
 
Accidentes_aracnidos
Accidentes_aracnidosAccidentes_aracnidos
Accidentes_aracnidos
 
1891 05
1891 051891 05
1891 05
 
Delaware Native Plants for Native Bees
Delaware Native Plants for Native BeesDelaware Native Plants for Native Bees
Delaware Native Plants for Native Bees
 
Zani et al 2012
Zani et al 2012Zani et al 2012
Zani et al 2012
 
Zon agroeco
Zon agroecoZon agroeco
Zon agroeco
 
Adonai ufal
Adonai ufalAdonai ufal
Adonai ufal
 

Semelhante a cactáceas da caatinga

Semelhante a cactáceas da caatinga (20)

Agroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negroAgroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negro
 
Gminospermas
GminospermasGminospermas
Gminospermas
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Fichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrtoFichas cientificas - desesrto
Fichas cientificas - desesrto
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Hortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionaisHortalicas nao-convencionais
Hortalicas nao-convencionais
 
Flores
FloresFlores
Flores
 
EM Rapaz de bronze
EM Rapaz de bronzeEM Rapaz de bronze
EM Rapaz de bronze
 
Rapaz de bronze Flores
Rapaz de bronze FloresRapaz de bronze Flores
Rapaz de bronze Flores
 
Gênero marattia
Gênero marattiaGênero marattia
Gênero marattia
 
Plantas em extinção3 B
Plantas em extinção3 BPlantas em extinção3 B
Plantas em extinção3 B
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
 
Árvores do RS
Árvores do RSÁrvores do RS
Árvores do RS
 
Parque da Maternidade
Parque da MaternidadeParque da Maternidade
Parque da Maternidade
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
Abobora
AboboraAbobora
Abobora
 
Familia hylidae
Familia hylidaeFamilia hylidae
Familia hylidae
 
Anadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - AngicoAnadenanthera Colubrina - Angico
Anadenanthera Colubrina - Angico
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa

Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaBruno Djvan Ramos Barbosa
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVBruno Djvan Ramos Barbosa
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasBruno Djvan Ramos Barbosa
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa (20)

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
 
Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga Umbuzeiro - Caatinga
Umbuzeiro - Caatinga
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
 
Relações hídricas parte 4
Relações hídricas parte 4Relações hídricas parte 4
Relações hídricas parte 4
 

Último

CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 

cactáceas da caatinga

  • 2. “Mandacaru, quando flora lá na seca É o sinal que a chuva chega no sertão Toda menina que enjoa da boneca É sinal que o amor já chegou no coração Meia comprida, não quer mais sapato baixo Vestido bem cintado não quer mais vestir jibão”. Luiz Gonzaga e Zé Dantas
  • 4. Cactaceae • É uma das mais importantes famílias da divisão Magnoliophyta, apresentando uma nítida vocação para ambientes secos (xerófitos), com exceção das espécies epífitas, originárias das florestas tropicais. • São plantas frequentemente espinhentas e suculentas que crescem tanto quanto árvores, arbustos ou forrações. Bruno
  • 5. Caule • Apresenta formatos, como colunares, esféricos, segmentados (cladódios), sempre recobertos ou pontuados de espinhos rígidos ou flexíveis (gloquídios); as espécies epífitas ostentam caules flexíveis segmentados ou não. Benjamim
  • 6. Folhas • Em muitas espécies, excetuadas as pertencentes da subfamília Pereskioideae, as folhas são grandemente ou inteiramente reduzidas, modificadas em espinhos, reunidos em um ponto saliente ou deprimido, que constitui a aréola, de onde se originam ramos, folhas, flores... Benjamim
  • 7. Espinhos • Os espinhos são folhas modificadas e possuem diferentes formatos. o tronco contra alguns predadores; • Condensa a umidade atmosférica para absorção raiz ; • Também servem para a planta; • Podem ser robustos, ou peludos, farpado, preso. Benjamim
  • 9. Flores • As flores, em regra radialmente simétricas e hermafroditas, solitárias ou em inflorescências multifloras, são grandes e abrem tanto durante o dia como à noite, dependendo da espécie. • Seu formato varia de tubular, campanulada ou plana, medindo de 2 milímetros a 30 centímetros. Daniella
  • 10. Fruto • Tipo baga ou cápsula carnosa com até três mil sementes de testa membranácea ou óssea que medem entre 0,4 e 12 milímetros de comprimento; Daniella
  • 11. Reprodução • Ocorre com a polinização das flores, o desenvolvimento do frutos e a dispersão das sementes, que pode acontecer através do vento, da chuva, ou por animais que ingerem seus frutos e defecam as sementes limpas e prontas para germinar. Daniella
  • 12. Ocorrência • A família Cactaceae, com mais de 100 gêneros e aproximadamente 2000 espécies, apresenta distribuição neotropical, originárias principalmente do México, América do Norte e América do Sul; • No Brasil existem cerca de 40 gêneros e mais de 200 espécies. Thalita
  • 13. Gêneros • Acanthocereus • Arrojadoa • Arthrocereus • Austrocephalocereus • Brasilicacus • Brasilicereus • Brasiliopuntia • Buiningia • Cereus • Cipocereus • Coleocephalocereus • Discocactus • Disocactus • Echinopsis • EpiphyllanthusHatiora • Strophocactus • Epiphyllum • Eriocactus • Erythoripsalis • Espostoopsis • Facheiroa • Frailea • Harrisia • Hylocereus • Lepismium • Malacocarpus • Mediocactus • Melocactus • Micranthocereus • Monvillea • Notocactus • Opuntia • Parodia • Pereskia • Pereskiopsis • Pierrebraunia • Pilosocereus • Phyllocactus • Pseudoacanthocereus • Quiabentia • Rhipsalidopsis • Rhipsalis • Selenicereus • Shumbergera • Tacinga • Uebelmannia • Wigginsia • Wittia • Zygocactus Thalita
  • 14. Uso Paisagístico • Grupo de plantas com grande potencial ornamental e largamente utilizadas no paisagismo, tanto em jardins como em arranjos e vasos de interiores, além de serem muito cobiçadas por colecionadores de todo o mundo, devido à suas formas exóticas e bizarras, aliadas às floradas vistosas. Thalita
  • 15. Uso Paisagístico • As espécies mais robustas e resistentes entram na composição de espaços abertos e ensolarados, criando jardins rochosos ou temáticos junto a outras plantas suculentas, transmitindo atmosfera agreste e árida. • São ainda, amplamente requisitadas para vasos e mini-jardins na decoração de ambientes internos. Thalita
  • 16. Cactaceae Classificação Botânica • Divisão: Magnoliophyta • Classe: Magnoliopsida • Ordem: Caryophyllales • Família: Cactaceae • Gênero: Hamatocactus • Espécie: H. setispinus Thalita
  • 18. Mandacaru ( Cereus jamacaru P. DC. ) • Família: Cactaceae; • Gênero: Cereus; • Espécie: Cereus jamacaru P. DC.; • Planta arbustiva, ampla distribuição; • Porte variando de 2,5 a 12,0 m de altura, copa medindo de 3,5 a 6,5 m de diâmetro; • Os frutos são bagas vermelho-vivo com 5 a 15 cm de comprimento e 25 a 37 g. Bruno
  • 19. • É uma cactácea nativa do Brasil, adaptada às condições climáticas do Semiárido. Conhecida também como cardeiro, a planta alcança até seis metros de altura e possui um formato que pode lembrar um candelabro; • O mandacaru é importante para a restauração de solos degradados, serve como cerca natural e alimento para os animais; • A planta espinhenta sobrevive às secas devido à sua grande capacidade de captação e retenção de água. Bruno
  • 20. • O fruto tem cor violeta forte e polpa branca com sementes pretas minúsculas, que servem de alimentos para aves da região. É também comestível para humanos. Bruno
  • 22. Facheiro ( Pilosocereus pachycladus ). • Família: Cactaceae; • Gênero: Pilosocereus; • Espécie: Pilosocereus pachycladus; • Planta arbustiva com ampla distribuição; • Porte variando de 2,5 a 6,72 m de altura, copa com diâmetro medindo de 1,5 a 4,5 m; • Os frutos são bagas vermelho-escuro com 4,5 a 6,3 cm de comprimento, 5,5 a 6,0 cm de diâmetro com peso de 24 a 63 g. Thalita
  • 23. • O facheiro, facheiro- azul ou mandacaru-de- facho (Pilosocereus pachycladus) são plantas do mesmo gênero e família. É endêmica da região Nordeste do Brasil. • O facheiro atinge até dez metros de altura com ramificação verde-escuro e bastantes espinhos, ocorrendo nas caatingas dos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. Thalita
  • 25. Xique-Xique ( Pilosocereus gounellei ). • Família: Cactaceae; • Gênero: Pilosocereus; • Espécie: Pilosocereus gounellei; • Planta arbustiva de ampla distribuição; • Porte variando de 2,5 a 3,7 m de altura, copa medindo de 1,5 a 4,5 m; • Os frutos são bagas arredondadas, achatadas vermelho-escuro com 5 a 6 cm de comprimento e 6 a 6,5 cm de diâmetro com 25,3 a 97,4 g. Benjamim
  • 26. • Cacto típico de todo sertão nordestino. Invadem as serras e caatingas do nordeste. Seus galhos se arrastam pelo chão formando verdadeiros alastrados; • Os espinhos são agudos brancos e se formam em um conjunto com vários espinhos; • A planta é de cor verde claro. Ao lado do mandacaru é um dos frutos da caatinga disputados por colecionadores da espécie e integra alguns cardápios exóticos do Nordeste brasileiro (com pratos como o "cortado" de xique-xique). Benjamim
  • 28. COROA DE FRADE ( Melocactus bahiensis ). • Família: Cactaceae; • Gênero: Melocactus; • Espécie: Melocactus bahiensis; • Planta de caule globoso, cônico de ampla distribuição no semi-árido; • Porte variando de 5,7 a 26,57 cm de altura e diâmetro de 12,5 a 24,5 cm; • Frutos são bagas vermelho-claro com 1,6 a 2,5 cm de comprimento e 0,5 a 0,8 cm de diâmetro com peso de 0,52 a 1,23 g. Daniella
  • 29. • Um cacto do bioma Caatinga, de formato arredondado, pequeno e achatado, que alcança até 12 centímetros de altura; • Possui espinhos mistos, grossos e finos, e flores em tons rosa e vermelho bastante procuradas pelas abelhas; • Somente em sua fase adulta desenvolve o cefálio – uma espécie de coroa que se forma em seu topo com um belo tom de vermelho. Daí o nome dessa planta, cujo formato se assemelha à cabeça calva de um frade franciscano. Daniella