SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação Ambiental

                A questão do tráfico de animais silvestres.

Objetivo
Embasar os monitores no que se refere ao tráfico de animais para incluir esse assunto nas
aulas relacionadas ao meio ambiente ministradas na Sabina.

Com essa formação espera-se que os monitores sejam capazes de informar e sensibilizar os
alunos sobre o tráfico de animais silvestres no Brasil e suas conseqüências, procurando
desencorajar a prática da posse de animais inadequados ao cativeiro.

Alguns conceitos importantes:

1 – O que é animal silvestre?
São aqueles pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou
terrestres, que tenham a sua vida ou parte dela ocorrendo naturalmente dentro dos limites do
Território Brasileiro e suas águas jurisdicionais.

Exemplos: mico, morcego, quati, onça, tamanduá, ema, papagaio, arara, canário-da-terra, tico-
tico, galo-da-campina, teiú, jibóia, jacaré, jabuti, tartaruga-da-amazônia, abelha sem ferrão,
vespa, borboleta, aranha e outros cujo acesso, uso e comércio são controlados pelo IBAMA. [1]

2 – O que é animal doméstico?
São aqueles animais que através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e
melhoramento zootécnico tornaram-se domésticas, possuindo características biológicas e
comportamentais em estreita dependência do homem, podendo inclusive apresentar
aparência diferente da espécie silvestre que os originou.

São eles: abelhas, alpaca, bicho-da-seda, búfalo, cabra, cachorro, calopsita, camelo,
camundongo, canário-do-reino ou canário-belga, cavalo, chinchila, cisne-negro, cobaia ou
porquinho-da-índia, codorna-chinesa, coelho, diamante-de-gould, diamante-mandarim,
dromedário, escargot, faisão-de-coleira, gado bovino, gado zebuíno, galinha, galinha-d'angola,
ganso, ganso-canadense, ganso-do-nilo, gato, hamster, jumento, lhama, manon, marreco,
minhoca, ovelha, pato-carolina, pato-mandarim, pavão, perdiz-chucar, periquito-australiano,
peru, phaeton, pomba-diamante, pombo-doméstico, porco, ratazana, rato, tadorna. [3]

3 – O que é animal exótico?
São aqueles cuja distribuição geográfica não inclui o Território Brasileiro. As espécies ou
subespécies introduzidas pelo homem, inclusive domésticas, em estado selvagem, também
são consideradas exóticas. Outras espécies consideradas exóticas são aquelas que tenham sido
introduzidas fora das fronteiras brasileiras e suas águas jurisdicionais e que tenham entrado
espontaneamente em Território Brasileiro.
Exemplos: leão, zebra, elefante, urso, ferret, lebre-européia, javali, crocodilo-do-nilo, naja,
piton, esquilo-da-mongólia, tartatuga-japonesa, tartaruga-mordedora, tartaruga-tigre-d'água,
cacatua, arara-da-patagônia, escorpião-do-nilo, entre outros. [1]



Observações:

O conceito de “animal silvestre” se aplica também a animais exóticos.

O animal ou é doméstico ou silvestre. Se ele for silvestre, ele pode ser nativo ou exótico.
Assim, a legislação que se refere a animais silvestres trata tanto dos nativos como dos
exóticos, a menos que ela faça a distinção explícita.


Legislação – quais as leis que regulamentam?
As principais são:

Artigo 225 da Constituição de 1988 – estabelece as bases da legislação ambiental do Brasil;

Lei 9605/1998 – regulamenta os crimes contra o meio ambiente;

Portaria 93/1998 do Ibama - Normaliza a importação e a exportação de espécimes vivos,
produtos e subprodutos da fauna silvestre brasileira e da fauna silvestre exótica;

Decreto 6514/2008 – dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente;



Manter um animal silvestre em cativeiro é crime?
A Lei de Crimes Ambientais considera crime contra a fauna a manutenção de animais silvestres
em cativeiro sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente.

Portanto, depende da origem do animal. Se for um animal com origem legal, isto é, adquirido
de criadouro comercial ou comerciante devidamente registrado no IBAMA, não é crime.

A manutenção de animais silvestres em cativeiro é considerada crime se a origem do animal
não puder ser comprovada, sobretudo se for um animal adquirido de traficantes ou
contrabandistas, em estradas, depósitos, feiras livres, através de encomendas ou similares.
Também é considerada crime se a origem dos bichos não estiver devidamente documentada
através de nota fiscal emitida pelo comerciante ou pelo criadouro que tem autorização do
IBAMA para reproduzi-los em cativeiro. Nessa nota fiscal deve constar o nome científico e
popular do bicho, o tipo e número de identificação individual do espécime (animal) que poderá
ser uma anilha fechada e/ou um micro-chip.

Segundo o § 3o do Decreto Nº 3.179/99 quando a pessoa que "possui" o animal o entregar
voluntariamente ao órgão ambiental competente, a autoridade não deverá aplicar as sanções
previstas. Neste caso, é facultado, também ao juiz a não aplicação da pena.
Qual a penalidade?
    •   Detenção, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e multa.
    •   Em caso de tráfico ou guarda doméstica, de quanto é a multa?
    •   Segundo o Art. 11 do Decreto Nº 3.179/99 o infrator será penalizado com a seguinte
        multa:
    •   Multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) por unidade com acréscimo por exemplar
        excedente de:
    •   I - R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por unidade de espécie constante da lista oficial de
        fauna brasileira ameaçada de extinção e do anexo I da Convenção de Comércio
        Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES; e
    •   II - R$ 3.000,00 (três mil reais), por unidade de espécie constante da lista oficial de
        fauna brasileira ameaçada de extinção e do anexo II da CITES.
    •   Obs.: Os psitacídeos (papagaios, maritacas, periquitos e araras) brasileiros culminam
        em uma multa de R$ 500,00 a R$ 5.000,00 de acordo com o grau de ameaça da
        espécie.

A quem pertencem os animais?
Decreto Lei nº 24.645/1934, Art. 1. - Todos os animais existentes no País são tutelados do
Estado.

Lei n° 5.197/1967, Art. 1º. Os animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu
desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre,
bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedades do Estado.

Lei nº 6.938/1981, Art 2º, item I – […] considerando o meio ambiente como um patrimônio
público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo.

Portanto, os animais silvestres pertencem a todos.

E se eu comprei com nota fiscal? Ele é meu? O Ibama pode pegar de volta?


Por que não devemos ter animais silvestres em casa?
    •   Ele deixa de cumprir sua função ecológica:
             o Reprodução – sem reproduzir, o animal não deixa descendentes,
                 empobrecendo o pool genético da espécie.
             o A questão da floresta vazia – sem os animais, a maioria esmagadora das
                 plantas não é capaz de se reproduzir (não há polinização) nem espalhar frutos
                 ou sementes (não há dispersão).
    •   Ele fica estressado, pois as condições não são boas em cativeiro:
             o Eles não se alimentam adequadamente. Em estudo realizado nas clinicas
                 veterinárias, 100% dos répteis recebiam alimentação inadequada de seus
                 donos.
             o O mito do “bem cuidado”. O que é bem cuidado para nós pode não ser o ideal
                 para o animal. “Uma alegação muito comum de quem tem esses animais em
casa é dizer que os cria como se fosse da família, como se fosse parente, mas
               isso é mentira, pois não se cria um parente em cativeiro”.
           o Risco de acidentes. É comum os animais serem pisados, ficarem presos em
               portas, etc.
   •   Riscos ao ser humano
           o Risco de acidentes físicos – o animal pode morder, arranhar, picar ou bicar.
           o Risco de zoonoses – o animal pode ser portador de doenças transmissíveis ao
               homem, conhecidas como zoonoses ou antropozoonoses.
   •   Existem os animais domésticos para todos os gostos.

Dados:
   •   Quantidade de animais apreendidos: entre 30 e 40 mil por ano. As estimativas se
       baseiam no que é apreendido, o que, infelizmente, é ínfimo frente ao traficado; em
       2002 foram recebidos nos Núcleos de Fauna e Cetas:
            o Reptilia - 6.099 = 13,75 %
            o Aves - 36.684 = 82,71 %
            o Mammalia - 1.572 = 3,54%
            o Total - 44.355
   •   Dificuldade de reintrodução - Não devolva animais à natureza!
   •   A reintrodução pode apresentar vários problemas, entre eles:
            o Morte do animal
            o Aumento das populações
            o Ameaça à vida de outros animais
            o A origem é incerta
            o Distúrbios nos ecossistemas

Métodos corretos de devolver os animais a natureza
A maneira correta é através das SOLTURAS feitas por pessoas capacitadas para tal. As solturas
estão geralmente associadas a translocações, introduções e reintroduções.

I - Reintrodução
É a técnica útil no restabelecimento de uma população em seu habitat original, onde foi
extinta.

II - Revigoramento populacional (Re-stocking)
É a soltura de uma determinada espécie, com a intenção de aumentar o número de indivíduos
de uma população, em seu habitat e distribuição geográfica originais

III - Introduções:
É a soltura de indivíduos de uma espécie em uma área em que a espécie não ocorria
naturalmente. Pode ser relativa a espécies nativas (brasileiras) ou exóticas.

IV- Reabilitação:
A reabilitação é um processo de treinamento para sobrevivência em ambiente natural a que
devem ser submetidos animais nascidos em cativeiro ou que tenham sido capturados na
natureza enquanto ainda filhotes e criados em cativeiro.
V- Translocação:
É a captura e transferência de animais silvestres, em estado selvagem, de uma parte de sua
distribuição natural para outra, com um período curto de tempo de contenção.

http://www.ibama.gov.br/fauna/devolucao.htm




Tráfico de animais silvestre:

O que é o tráfico de animais silvestres?
Tráfico é o comércio ilegal. Traficar animais significa capturá-los na natureza, prendê-los e
vendê-los com o objetivo de ganhar dinheiro. Se participamos disso, estamos contribuindo
para o tráfico de animais. Acredita-se que o comércio ilegal de animais movimente cerca de 10
bilhões de dólares por ano em todo o mundo. Só o tráfico de drogas e armas é maior. [2]

Como os animais são transportados até as feiras para serem vendidos?
Os meios de transporte mais usados pelos traficantes são caminhões, ônibus interestaduais e
carros particulares. Os animais são transportados nas piores condições possíveis. São
escondidos em fundos de malas ou caixotes, sem ventilação, e ficam vários dias sem comer e
sem beber. Resultado: de cada 10 animais capturados, nove morrem no caminho e um chega
às mãos dos compradores. [2]

Você sabia que os traficantes mutilam os animais?
Alguns traficantes costumam rodar os micos pelo rabo para que eles fiquem tontos e passem
ao comprador a imagem de que são animais mansos. Muitos cegam os pássaros e cortam as
suas asas para que eles não fujam e arrancam os dentes e serram as garras dos animais para
que eles se tornem menos perigosos. [2]

Quais são os animais mais vendidos?
O papagaio é a ave mais vendida no Brasil e no exterior. Depois dele vêm as araras, os
periquitos, micos, tartarugas e tucanos. [2]

O que o tráfico de animais silvestres tem a ver comigo?
Todos os seres vivos dependem da natureza para sobreviver, pois é dela que obtemos desde
alimentos até remédios. Os animais são parte fundamental da cadeia. Se forem extintos ou se
tornarem raros, comprometem todo o equilíbrio da natureza. [2]

Como posso ajudar no combate ao tráfico? [1]
   • Não compre animais silvestres sem origem legal;
   • Não compre artesanatos que possuam partes de animais silvestres; salvo se o
      artesanato for certificado como procedente do manejo sustentável;
   • Denuncie traficantes;
   • Mesmo que fique com pena do animal nas mãos do traficante, não o compre, se o fizer
      você somente estará incentivando o tráfico;
•   Se tiver um animal silvestre não o solte simplesmente, entre em contato com a
        unidade do IBAMA mais próxima;

O que fazer quando encontrar alguém vendendo um animal silvestre?
Primeiro, não comprar, depois denunciar às autoridades. Se for em feira livre ou depósito de
tráfico, denunciar e fornecer o maior número de informações possíveis. Os dados do
denunciante sempre serão preservados. Deve-se passar as informações com maior clareza
possível, como o local, data, hora, circunstância etc. Se for na beira da estrada, não comprar e
ainda repreender o vendedor dizendo que isso é ilegal e que se ele for flagrado pode, além de
perder o animal, sofrer as sanções legais.

O IBAMA tem uma Acordo de Cooperação com a RENCTAS-Rede Nacional contra o Tráfico de
Animais Silvestres que possui uma página específica na internet sobre o tráfico de animais
silvestres (www.renctas.org.br). [1]

Linha verde do IBAMA:

Internet: http://www.ibama.gov.br/linhaverde/home.htm

E-mail: linhaverde.sede@ibama.gov.br

Fax: (61) 3321-7713




O dedo do pássaro foi quebrado pelo passarinheiro que tentou anilhar o animal adulto. Este
procedimento é realizado buscando burlar a fiscalização fazendo parecer que o animal nasceu
em cativeiro e foi anilhado quando filhote.
Após capturado, vários animais não se entregam, eles resistem, até se machucam na luta por
sua liberdade. Se cantam depois, certamente não será de felicidade.




Este é o meio usual de transporte, sem espaço, sem água, sem comida, sem liberdade ... com
crueldade.
Canetas esferográficas "enfeitadas" com penas de araras e papagaios. Usualmente os animais
são mortos para a produção deste tipo de artesanato.
Todas estas maritacas foram tiradas do ninho, o traficante esperava vendê-las. Contudo, não
sabendo cuidar dos animais acabou por matá-los. Ele foi encaminhado à Polícia Federal.




 Todos estes pássaros foram apreendidos de um caminhão fechado que saiu da Bahia e se
dirigia para São Paulo. Dos 749 apreendidos, mais de 400 morreram devido ao transporte sem
água e comida. Este é o tráfico que você não vê. Esta é a real face do tráfico de animais
silvestres.
Filhote de papagaio que estava sendo vendido em uma feira (Pedregal/GO). Quando viu os
fiscais do Ibama o traficante jogou o filhote no chão.

Qualquer pessoa que possua um cão sabe da alegria que o mesmo expressa ao saber que vai
sair para passear. Um animal com milhares de anos de domesticação ainda se sente mais
contente livre que dentro de um apartamento ou em uma casa. E um pássaro? Que embora
possa voar, será condenado a passar toda sua vida em uma gaiola? Papagaios acorrentados e
araras com as asas cortadas, será esta a melhor vida para eles?

Entretanto, o cativeiro não é a única tortura a que são submetidos os animais do tráfico, é
simplesmente a última e perpétua pena. Durante a captura os mesmos são feridos, mutilados,
além e transportados sem espaço, água ou comida o que culmina na morte de muitos durante
o caminho.

[1] http://www.ibama.gov.br

[2]http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/animais_silvestres/

[3] Portaria n° 93/1998 do Ibama.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Congruência de triângulos
Congruência de triângulos Congruência de triângulos
Congruência de triângulos
Helena Borralho
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da DisciplinaEstatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Marcus Araújo
 
+Números inteiros operações e propriedades
+Números inteiros   operações e propriedades+Números inteiros   operações e propriedades
+Números inteiros operações e propriedades
Camila Rodrigues
 
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdfMAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
GernciadeProduodeMat
 
Aula sobre triângulos
Aula sobre triângulosAula sobre triângulos
Aula sobre triângulos
andreilson18
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo
Trigonometria no Triângulo RetânguloTrigonometria no Triângulo Retângulo
Trigonometria no Triângulo Retângulo
Érica Alves
 
Fatoração
FatoraçãoFatoração
Fatoração
Cristina J. Neves
 
Geometria Espacial para ENEM
Geometria Espacial para ENEMGeometria Espacial para ENEM
Geometria Espacial para ENEM
Aryleudo De Oliveira
 
Áreas de triângulos
Áreas de triângulosÁreas de triângulos
Áreas de triângulos
mlscsc5
 
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
Jéssica Oliveira
 
Teorema de pitágoras apresentação de slide
Teorema de pitágoras   apresentação de slideTeorema de pitágoras   apresentação de slide
Teorema de pitágoras apresentação de slide
Raquel1966
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
Marcelo Pinheiro
 
Recursos Humanos - Manual de conduta e ética
Recursos Humanos - Manual de conduta  e éticaRecursos Humanos - Manual de conduta  e ética
Recursos Humanos - Manual de conduta e ética
Marcus Renet Paiva
 
Grandezas Proporcionais
Grandezas ProporcionaisGrandezas Proporcionais
Grandezas Proporcionais
Carlos Airton
 
Slide aula angulos
Slide aula angulosSlide aula angulos
Slide aula angulos
andrewmonteiro
 
Números inteiros
Números inteirosNúmeros inteiros
Números inteiros
Helena Borralho
 
Resolução de problemas e criatividade sp1
Resolução de problemas e criatividade   sp1Resolução de problemas e criatividade   sp1
Resolução de problemas e criatividade sp1
gastaovalle
 
Volume e capacidade
Volume e capacidadeVolume e capacidade
Volume e capacidade
Professor Carlinhos
 
Determinantes 2º ano
Determinantes 2º anoDeterminantes 2º ano
Determinantes 2º ano
Alessandro Candido
 
circunferência
circunferênciacircunferência
circunferência
Andréia Rossigalli
 

Mais procurados (20)

Congruência de triângulos
Congruência de triângulos Congruência de triângulos
Congruência de triângulos
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da DisciplinaEstatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Estatística Aplicada à Administração - Aula 01: Apresentação da Disciplina
 
+Números inteiros operações e propriedades
+Números inteiros   operações e propriedades+Números inteiros   operações e propriedades
+Números inteiros operações e propriedades
 
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdfMAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Professor.pdf
 
Aula sobre triângulos
Aula sobre triângulosAula sobre triângulos
Aula sobre triângulos
 
Trigonometria no Triângulo Retângulo
Trigonometria no Triângulo RetânguloTrigonometria no Triângulo Retângulo
Trigonometria no Triângulo Retângulo
 
Fatoração
FatoraçãoFatoração
Fatoração
 
Geometria Espacial para ENEM
Geometria Espacial para ENEMGeometria Espacial para ENEM
Geometria Espacial para ENEM
 
Áreas de triângulos
Áreas de triângulosÁreas de triângulos
Áreas de triângulos
 
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
 
Teorema de pitágoras apresentação de slide
Teorema de pitágoras   apresentação de slideTeorema de pitágoras   apresentação de slide
Teorema de pitágoras apresentação de slide
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
 
Recursos Humanos - Manual de conduta e ética
Recursos Humanos - Manual de conduta  e éticaRecursos Humanos - Manual de conduta  e ética
Recursos Humanos - Manual de conduta e ética
 
Grandezas Proporcionais
Grandezas ProporcionaisGrandezas Proporcionais
Grandezas Proporcionais
 
Slide aula angulos
Slide aula angulosSlide aula angulos
Slide aula angulos
 
Números inteiros
Números inteirosNúmeros inteiros
Números inteiros
 
Resolução de problemas e criatividade sp1
Resolução de problemas e criatividade   sp1Resolução de problemas e criatividade   sp1
Resolução de problemas e criatividade sp1
 
Volume e capacidade
Volume e capacidadeVolume e capacidade
Volume e capacidade
 
Determinantes 2º ano
Determinantes 2º anoDeterminantes 2º ano
Determinantes 2º ano
 
circunferência
circunferênciacircunferência
circunferência
 

Semelhante a Tráfico de animais - texto

A biopirataria
A biopiratariaA biopirataria
A biopirataria
olecramsepol
 
Página 06
Página 06Página 06
Página 06
Rogerio Catanese
 
Tráfico de animais silvestres.
Tráfico de animais silvestres.Tráfico de animais silvestres.
Tráfico de animais silvestres.
Ingrid Carvalho
 
João marcos,maicon o. e taylor
João marcos,maicon o. e taylorJoão marcos,maicon o. e taylor
João marcos,maicon o. e taylor
taylorlsantos
 
Tráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentaçãoTráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentação
Marcus Corradini
 
Caramujo africano
Caramujo africanoCaramujo africano
Caramujo africano
Raycleia Dias
 
Animais em Perigo de Extinção em Portugal
Animais em Perigo de Extinção em PortugalAnimais em Perigo de Extinção em Portugal
Animais em Perigo de Extinção em Portugal
J.I.Telhado
 
Fauna - Aspectos Legais - Tráfico - Maus Tratos
Fauna - Aspectos Legais  - Tráfico - Maus TratosFauna - Aspectos Legais  - Tráfico - Maus Tratos
Fauna - Aspectos Legais - Tráfico - Maus Tratos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São PauloLegislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
nucleosul2svma
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
rob1805
 
Cartilha bem estar animal - publico externo -
Cartilha bem estar animal -  publico externo -Cartilha bem estar animal -  publico externo -
Cartilha bem estar animal - publico externo -
Ministério Público de Santa Catarina
 
A N I M A I S E M E X T I NÇÃ O
A N I M A I S  E M  E X T I NÇÃ OA N I M A I S  E M  E X T I NÇÃ O
A N I M A I S E M E X T I NÇÃ O
alielfa
 
Animais Em ExtinçãO
Animais Em ExtinçãOAnimais Em ExtinçãO
Animais Em ExtinçãO
alielfa
 
Reproducao de Psitacideos em cativeiro
Reproducao de Psitacideos em cativeiroReproducao de Psitacideos em cativeiro
Reproducao de Psitacideos em cativeiro
Antonio Silva
 
Animais silvestres
Animais silvestresAnimais silvestres
Animais silvestres
andreacardoso28
 
Animais silvestres
Animais silvestresAnimais silvestres
Animais silvestres
andreacardoso28
 
Trafico de animais ok
Trafico de animais  okTrafico de animais  ok
Trafico de animais ok
cgtetznerslide
 
Tráfico de animais ok
Tráfico de animais  okTráfico de animais  ok
Tráfico de animais ok
cgtetznerslide
 
Trafico de animais ok
Trafico de animais  okTrafico de animais  ok
Trafico de animais ok
cgtetznerslide
 
Apresentação final pdf
Apresentação final pdfApresentação final pdf
Apresentação final pdf
tchoy
 

Semelhante a Tráfico de animais - texto (20)

A biopirataria
A biopiratariaA biopirataria
A biopirataria
 
Página 06
Página 06Página 06
Página 06
 
Tráfico de animais silvestres.
Tráfico de animais silvestres.Tráfico de animais silvestres.
Tráfico de animais silvestres.
 
João marcos,maicon o. e taylor
João marcos,maicon o. e taylorJoão marcos,maicon o. e taylor
João marcos,maicon o. e taylor
 
Tráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentaçãoTráfico de animais - apresentação
Tráfico de animais - apresentação
 
Caramujo africano
Caramujo africanoCaramujo africano
Caramujo africano
 
Animais em Perigo de Extinção em Portugal
Animais em Perigo de Extinção em PortugalAnimais em Perigo de Extinção em Portugal
Animais em Perigo de Extinção em Portugal
 
Fauna - Aspectos Legais - Tráfico - Maus Tratos
Fauna - Aspectos Legais  - Tráfico - Maus TratosFauna - Aspectos Legais  - Tráfico - Maus Tratos
Fauna - Aspectos Legais - Tráfico - Maus Tratos
 
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São PauloLegislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
Legislação ambiental aplicada a fauna no município de São Paulo
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Cartilha bem estar animal - publico externo -
Cartilha bem estar animal -  publico externo -Cartilha bem estar animal -  publico externo -
Cartilha bem estar animal - publico externo -
 
A N I M A I S E M E X T I NÇÃ O
A N I M A I S  E M  E X T I NÇÃ OA N I M A I S  E M  E X T I NÇÃ O
A N I M A I S E M E X T I NÇÃ O
 
Animais Em ExtinçãO
Animais Em ExtinçãOAnimais Em ExtinçãO
Animais Em ExtinçãO
 
Reproducao de Psitacideos em cativeiro
Reproducao de Psitacideos em cativeiroReproducao de Psitacideos em cativeiro
Reproducao de Psitacideos em cativeiro
 
Animais silvestres
Animais silvestresAnimais silvestres
Animais silvestres
 
Animais silvestres
Animais silvestresAnimais silvestres
Animais silvestres
 
Trafico de animais ok
Trafico de animais  okTrafico de animais  ok
Trafico de animais ok
 
Tráfico de animais ok
Tráfico de animais  okTráfico de animais  ok
Tráfico de animais ok
 
Trafico de animais ok
Trafico de animais  okTrafico de animais  ok
Trafico de animais ok
 
Apresentação final pdf
Apresentação final pdfApresentação final pdf
Apresentação final pdf
 

Mais de Marcus Corradini

Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
Marcus Corradini
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
Marcus Corradini
 
Origem do universo
Origem do universoOrigem do universo
Origem do universo
Marcus Corradini
 
Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011
Marcus Corradini
 
Simulador fúria da natureza
Simulador fúria da naturezaSimulador fúria da natureza
Simulador fúria da natureza
Marcus Corradini
 
Gripe h1 n1
Gripe h1 n1Gripe h1 n1
Gripe h1 n1
Marcus Corradini
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
Marcus Corradini
 
Formação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário SabinaFormação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário Sabina
Marcus Corradini
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
Marcus Corradini
 
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para MonitoresEcossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
Marcus Corradini
 

Mais de Marcus Corradini (10)

Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
 
Origem do universo
Origem do universoOrigem do universo
Origem do universo
 
Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011Apresentação pinguins bolosistas 2011
Apresentação pinguins bolosistas 2011
 
Simulador fúria da natureza
Simulador fúria da naturezaSimulador fúria da natureza
Simulador fúria da natureza
 
Gripe h1 n1
Gripe h1 n1Gripe h1 n1
Gripe h1 n1
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Formação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário SabinaFormação Pinguinário Sabina
Formação Pinguinário Sabina
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
 
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para MonitoresEcossistemas Marinhos Para Monitores
Ecossistemas Marinhos Para Monitores
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Tráfico de animais - texto

  • 1. Educação Ambiental A questão do tráfico de animais silvestres. Objetivo Embasar os monitores no que se refere ao tráfico de animais para incluir esse assunto nas aulas relacionadas ao meio ambiente ministradas na Sabina. Com essa formação espera-se que os monitores sejam capazes de informar e sensibilizar os alunos sobre o tráfico de animais silvestres no Brasil e suas conseqüências, procurando desencorajar a prática da posse de animais inadequados ao cativeiro. Alguns conceitos importantes: 1 – O que é animal silvestre? São aqueles pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham a sua vida ou parte dela ocorrendo naturalmente dentro dos limites do Território Brasileiro e suas águas jurisdicionais. Exemplos: mico, morcego, quati, onça, tamanduá, ema, papagaio, arara, canário-da-terra, tico- tico, galo-da-campina, teiú, jibóia, jacaré, jabuti, tartaruga-da-amazônia, abelha sem ferrão, vespa, borboleta, aranha e outros cujo acesso, uso e comércio são controlados pelo IBAMA. [1] 2 – O que é animal doméstico? São aqueles animais que através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e melhoramento zootécnico tornaram-se domésticas, possuindo características biológicas e comportamentais em estreita dependência do homem, podendo inclusive apresentar aparência diferente da espécie silvestre que os originou. São eles: abelhas, alpaca, bicho-da-seda, búfalo, cabra, cachorro, calopsita, camelo, camundongo, canário-do-reino ou canário-belga, cavalo, chinchila, cisne-negro, cobaia ou porquinho-da-índia, codorna-chinesa, coelho, diamante-de-gould, diamante-mandarim, dromedário, escargot, faisão-de-coleira, gado bovino, gado zebuíno, galinha, galinha-d'angola, ganso, ganso-canadense, ganso-do-nilo, gato, hamster, jumento, lhama, manon, marreco, minhoca, ovelha, pato-carolina, pato-mandarim, pavão, perdiz-chucar, periquito-australiano, peru, phaeton, pomba-diamante, pombo-doméstico, porco, ratazana, rato, tadorna. [3] 3 – O que é animal exótico? São aqueles cuja distribuição geográfica não inclui o Território Brasileiro. As espécies ou subespécies introduzidas pelo homem, inclusive domésticas, em estado selvagem, também são consideradas exóticas. Outras espécies consideradas exóticas são aquelas que tenham sido introduzidas fora das fronteiras brasileiras e suas águas jurisdicionais e que tenham entrado espontaneamente em Território Brasileiro.
  • 2. Exemplos: leão, zebra, elefante, urso, ferret, lebre-européia, javali, crocodilo-do-nilo, naja, piton, esquilo-da-mongólia, tartatuga-japonesa, tartaruga-mordedora, tartaruga-tigre-d'água, cacatua, arara-da-patagônia, escorpião-do-nilo, entre outros. [1] Observações: O conceito de “animal silvestre” se aplica também a animais exóticos. O animal ou é doméstico ou silvestre. Se ele for silvestre, ele pode ser nativo ou exótico. Assim, a legislação que se refere a animais silvestres trata tanto dos nativos como dos exóticos, a menos que ela faça a distinção explícita. Legislação – quais as leis que regulamentam? As principais são: Artigo 225 da Constituição de 1988 – estabelece as bases da legislação ambiental do Brasil; Lei 9605/1998 – regulamenta os crimes contra o meio ambiente; Portaria 93/1998 do Ibama - Normaliza a importação e a exportação de espécimes vivos, produtos e subprodutos da fauna silvestre brasileira e da fauna silvestre exótica; Decreto 6514/2008 – dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente; Manter um animal silvestre em cativeiro é crime? A Lei de Crimes Ambientais considera crime contra a fauna a manutenção de animais silvestres em cativeiro sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente. Portanto, depende da origem do animal. Se for um animal com origem legal, isto é, adquirido de criadouro comercial ou comerciante devidamente registrado no IBAMA, não é crime. A manutenção de animais silvestres em cativeiro é considerada crime se a origem do animal não puder ser comprovada, sobretudo se for um animal adquirido de traficantes ou contrabandistas, em estradas, depósitos, feiras livres, através de encomendas ou similares. Também é considerada crime se a origem dos bichos não estiver devidamente documentada através de nota fiscal emitida pelo comerciante ou pelo criadouro que tem autorização do IBAMA para reproduzi-los em cativeiro. Nessa nota fiscal deve constar o nome científico e popular do bicho, o tipo e número de identificação individual do espécime (animal) que poderá ser uma anilha fechada e/ou um micro-chip. Segundo o § 3o do Decreto Nº 3.179/99 quando a pessoa que "possui" o animal o entregar voluntariamente ao órgão ambiental competente, a autoridade não deverá aplicar as sanções previstas. Neste caso, é facultado, também ao juiz a não aplicação da pena.
  • 3. Qual a penalidade? • Detenção, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e multa. • Em caso de tráfico ou guarda doméstica, de quanto é a multa? • Segundo o Art. 11 do Decreto Nº 3.179/99 o infrator será penalizado com a seguinte multa: • Multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) por unidade com acréscimo por exemplar excedente de: • I - R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por unidade de espécie constante da lista oficial de fauna brasileira ameaçada de extinção e do anexo I da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES; e • II - R$ 3.000,00 (três mil reais), por unidade de espécie constante da lista oficial de fauna brasileira ameaçada de extinção e do anexo II da CITES. • Obs.: Os psitacídeos (papagaios, maritacas, periquitos e araras) brasileiros culminam em uma multa de R$ 500,00 a R$ 5.000,00 de acordo com o grau de ameaça da espécie. A quem pertencem os animais? Decreto Lei nº 24.645/1934, Art. 1. - Todos os animais existentes no País são tutelados do Estado. Lei n° 5.197/1967, Art. 1º. Os animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre, bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedades do Estado. Lei nº 6.938/1981, Art 2º, item I – […] considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo. Portanto, os animais silvestres pertencem a todos. E se eu comprei com nota fiscal? Ele é meu? O Ibama pode pegar de volta? Por que não devemos ter animais silvestres em casa? • Ele deixa de cumprir sua função ecológica: o Reprodução – sem reproduzir, o animal não deixa descendentes, empobrecendo o pool genético da espécie. o A questão da floresta vazia – sem os animais, a maioria esmagadora das plantas não é capaz de se reproduzir (não há polinização) nem espalhar frutos ou sementes (não há dispersão). • Ele fica estressado, pois as condições não são boas em cativeiro: o Eles não se alimentam adequadamente. Em estudo realizado nas clinicas veterinárias, 100% dos répteis recebiam alimentação inadequada de seus donos. o O mito do “bem cuidado”. O que é bem cuidado para nós pode não ser o ideal para o animal. “Uma alegação muito comum de quem tem esses animais em
  • 4. casa é dizer que os cria como se fosse da família, como se fosse parente, mas isso é mentira, pois não se cria um parente em cativeiro”. o Risco de acidentes. É comum os animais serem pisados, ficarem presos em portas, etc. • Riscos ao ser humano o Risco de acidentes físicos – o animal pode morder, arranhar, picar ou bicar. o Risco de zoonoses – o animal pode ser portador de doenças transmissíveis ao homem, conhecidas como zoonoses ou antropozoonoses. • Existem os animais domésticos para todos os gostos. Dados: • Quantidade de animais apreendidos: entre 30 e 40 mil por ano. As estimativas se baseiam no que é apreendido, o que, infelizmente, é ínfimo frente ao traficado; em 2002 foram recebidos nos Núcleos de Fauna e Cetas: o Reptilia - 6.099 = 13,75 % o Aves - 36.684 = 82,71 % o Mammalia - 1.572 = 3,54% o Total - 44.355 • Dificuldade de reintrodução - Não devolva animais à natureza! • A reintrodução pode apresentar vários problemas, entre eles: o Morte do animal o Aumento das populações o Ameaça à vida de outros animais o A origem é incerta o Distúrbios nos ecossistemas Métodos corretos de devolver os animais a natureza A maneira correta é através das SOLTURAS feitas por pessoas capacitadas para tal. As solturas estão geralmente associadas a translocações, introduções e reintroduções. I - Reintrodução É a técnica útil no restabelecimento de uma população em seu habitat original, onde foi extinta. II - Revigoramento populacional (Re-stocking) É a soltura de uma determinada espécie, com a intenção de aumentar o número de indivíduos de uma população, em seu habitat e distribuição geográfica originais III - Introduções: É a soltura de indivíduos de uma espécie em uma área em que a espécie não ocorria naturalmente. Pode ser relativa a espécies nativas (brasileiras) ou exóticas. IV- Reabilitação: A reabilitação é um processo de treinamento para sobrevivência em ambiente natural a que devem ser submetidos animais nascidos em cativeiro ou que tenham sido capturados na natureza enquanto ainda filhotes e criados em cativeiro.
  • 5. V- Translocação: É a captura e transferência de animais silvestres, em estado selvagem, de uma parte de sua distribuição natural para outra, com um período curto de tempo de contenção. http://www.ibama.gov.br/fauna/devolucao.htm Tráfico de animais silvestre: O que é o tráfico de animais silvestres? Tráfico é o comércio ilegal. Traficar animais significa capturá-los na natureza, prendê-los e vendê-los com o objetivo de ganhar dinheiro. Se participamos disso, estamos contribuindo para o tráfico de animais. Acredita-se que o comércio ilegal de animais movimente cerca de 10 bilhões de dólares por ano em todo o mundo. Só o tráfico de drogas e armas é maior. [2] Como os animais são transportados até as feiras para serem vendidos? Os meios de transporte mais usados pelos traficantes são caminhões, ônibus interestaduais e carros particulares. Os animais são transportados nas piores condições possíveis. São escondidos em fundos de malas ou caixotes, sem ventilação, e ficam vários dias sem comer e sem beber. Resultado: de cada 10 animais capturados, nove morrem no caminho e um chega às mãos dos compradores. [2] Você sabia que os traficantes mutilam os animais? Alguns traficantes costumam rodar os micos pelo rabo para que eles fiquem tontos e passem ao comprador a imagem de que são animais mansos. Muitos cegam os pássaros e cortam as suas asas para que eles não fujam e arrancam os dentes e serram as garras dos animais para que eles se tornem menos perigosos. [2] Quais são os animais mais vendidos? O papagaio é a ave mais vendida no Brasil e no exterior. Depois dele vêm as araras, os periquitos, micos, tartarugas e tucanos. [2] O que o tráfico de animais silvestres tem a ver comigo? Todos os seres vivos dependem da natureza para sobreviver, pois é dela que obtemos desde alimentos até remédios. Os animais são parte fundamental da cadeia. Se forem extintos ou se tornarem raros, comprometem todo o equilíbrio da natureza. [2] Como posso ajudar no combate ao tráfico? [1] • Não compre animais silvestres sem origem legal; • Não compre artesanatos que possuam partes de animais silvestres; salvo se o artesanato for certificado como procedente do manejo sustentável; • Denuncie traficantes; • Mesmo que fique com pena do animal nas mãos do traficante, não o compre, se o fizer você somente estará incentivando o tráfico;
  • 6. Se tiver um animal silvestre não o solte simplesmente, entre em contato com a unidade do IBAMA mais próxima; O que fazer quando encontrar alguém vendendo um animal silvestre? Primeiro, não comprar, depois denunciar às autoridades. Se for em feira livre ou depósito de tráfico, denunciar e fornecer o maior número de informações possíveis. Os dados do denunciante sempre serão preservados. Deve-se passar as informações com maior clareza possível, como o local, data, hora, circunstância etc. Se for na beira da estrada, não comprar e ainda repreender o vendedor dizendo que isso é ilegal e que se ele for flagrado pode, além de perder o animal, sofrer as sanções legais. O IBAMA tem uma Acordo de Cooperação com a RENCTAS-Rede Nacional contra o Tráfico de Animais Silvestres que possui uma página específica na internet sobre o tráfico de animais silvestres (www.renctas.org.br). [1] Linha verde do IBAMA: Internet: http://www.ibama.gov.br/linhaverde/home.htm E-mail: linhaverde.sede@ibama.gov.br Fax: (61) 3321-7713 O dedo do pássaro foi quebrado pelo passarinheiro que tentou anilhar o animal adulto. Este procedimento é realizado buscando burlar a fiscalização fazendo parecer que o animal nasceu em cativeiro e foi anilhado quando filhote.
  • 7. Após capturado, vários animais não se entregam, eles resistem, até se machucam na luta por sua liberdade. Se cantam depois, certamente não será de felicidade. Este é o meio usual de transporte, sem espaço, sem água, sem comida, sem liberdade ... com crueldade.
  • 8. Canetas esferográficas "enfeitadas" com penas de araras e papagaios. Usualmente os animais são mortos para a produção deste tipo de artesanato.
  • 9. Todas estas maritacas foram tiradas do ninho, o traficante esperava vendê-las. Contudo, não sabendo cuidar dos animais acabou por matá-los. Ele foi encaminhado à Polícia Federal. Todos estes pássaros foram apreendidos de um caminhão fechado que saiu da Bahia e se dirigia para São Paulo. Dos 749 apreendidos, mais de 400 morreram devido ao transporte sem água e comida. Este é o tráfico que você não vê. Esta é a real face do tráfico de animais silvestres.
  • 10. Filhote de papagaio que estava sendo vendido em uma feira (Pedregal/GO). Quando viu os fiscais do Ibama o traficante jogou o filhote no chão. Qualquer pessoa que possua um cão sabe da alegria que o mesmo expressa ao saber que vai sair para passear. Um animal com milhares de anos de domesticação ainda se sente mais contente livre que dentro de um apartamento ou em uma casa. E um pássaro? Que embora possa voar, será condenado a passar toda sua vida em uma gaiola? Papagaios acorrentados e araras com as asas cortadas, será esta a melhor vida para eles? Entretanto, o cativeiro não é a única tortura a que são submetidos os animais do tráfico, é simplesmente a última e perpétua pena. Durante a captura os mesmos são feridos, mutilados, além e transportados sem espaço, água ou comida o que culmina na morte de muitos durante o caminho. [1] http://www.ibama.gov.br [2]http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/animais_silvestres/ [3] Portaria n° 93/1998 do Ibama.