SlideShare uma empresa Scribd logo
Utilização da Engenharia de
Requisitos: Onde, quando e como
utilizar..
Conceitos Básicos
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar..
O Desafio do software
Problemas típicos…
• Orçamento e tempo assumidos não cumpridos
• Produtividade insuficiente
• Retrabalho e defeitos
• Falta de tempo para implementar alterações
Taxa de sucesso no desenvolvimento
sistemas
As principais Três causas raíz dos problemas
Processo ineficiente 91%
Gerenciamento organizacional 87%
Engenharia de Requisitos 87%
Definição
Requisito:
Uma condição ou capacidade necessária para a solução
de um problema ou a realização de um objetivo.
Porque Requisitos ?
Requisitos são a base para os próximos passos
do desenvolvimento.
São a principal fonte de referências para:
• Alteração de funcionalidades
• Adição de novas funcionalidades
• Elaboração do desing
Níveis de Requisitos
Os requisitos podem ser
divididos em diferentes níveis!
Componentes
Sistema
Comercial
Pré-Projeto Proposta
(RFP)
Contrato
Sistema
Comp A Comp B Comp C
Cada Nível de
requisito tem sua
própria finalidade
1. Tiny 2. Small 3. Medium 4. Large 5. Huge
Design professionals (number) 3 15 75 400 2,000
Duration (months) 12 24 36 48 60
Geographical area Building City Multi-city Country World
States/modes (number) 3 30 300 2,000 10 000
States/modes (type) Well defined Deterministic Stochastic
Interface params (no.) 9 90 900 6,000 30 000
Physical environment of
product
Indoor In/outdoor 1 location Outdoor global Global Space, Ocean
Requirements (no. of text
pages)
15 150 500 2 000 50000
Requirements
(approximate no)
150 1 500 5 000 20 000 500 000
Number of specs generated 1 3 10 200 1000
Examples Electric kitchen
mixer;
low budget art film
Housing
development;
TV Set;
grand opera
Night viewing
system;
highway system
Aircraft Space vehicle;
Battleship &
armament
Alguns números
Porque Precisamos de Requisitos?
A maioria dos sistemas de software usam menos da metade de
suas funções.
• 80% dos defeitos detectados nos testes de campo resultam de
requisitos faltantes (31%) ou errados (49%).
• 43% de todas as falhas de sistemas embarcados ocorrem por
especificação e análises insuficientes.
• Tipicamente apenas entre 3 e 6% do esforço de um projeto é
usado no desenvolvimento e gerência de requisitos
Dobrar este esforço poderia resultar em uma redução de até 20% no custo do
ciclo de vida do produto: Menos retrabalho, ciclo de vida menor e maior
eficiência.
Me diga como
seu projeto
começa e eu te
direi como
termina.
Fontes: Standish Group 2003, American Management Association 2001, Institut für angewandte Informatik Karlsruhe
2005, Ebert 2007
Detalhamento dos Requisitos
Custos Riscos
Mais detalhes:
• Desenvolvimento terceirizado
• Equipes disjuntas
• Testes baseados em requisitos
• Projeto deve ter métricas rígidas
• Há necessidade de rastreabilidade
Menos detalhes:
• Stakeholders estão envolvidos
• Desenvolvedores com expertise
• Similares já foram desenvolvidos
• Pacotes prontos serão usados
Achar o nível adequado para
os requisitos é a chave para
uma Engenharia de Sistemas
eficiente
Validação dos Requisitos
A finalidade da validação é
evitar vícios de requisitos:
• Incompletos
• Não rastreáveis
• Inconsistentes
• Irrelevantes
• Incorretos
• Ambíguos
• Inviáveis
• Douradores de Pílula
Riscos nos Requisitos
Só há 3 riscos com requisitos
1. Requisitos errados
Mistura de necessidades com solução
Ausência de verificação e validação
2. Requisitos ausêntes
Cliente não envolvido
Foco apenas em requisitos críticos
Somente requisites funcionais
3. Requisitos variáveis
Ausência de uma baseline
Deficiências no controle de alteração e rastreabilidade
Baseado em: B.Lawrence, K.Wiegers and C.Ebert: The Top Risks of Requirements
Engineering. IEEE Software, Vol. 18, No. 6, pp. 62-63, Nov. 2001.
Alterações nos Requisitos
Alterações dos requisitos devem ser
documentadas e controladas FORMALMENTE.
Engenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
• O objetivo da Engenharia de Requisitos é criar requisites suficientemente bons
para permitir que um projeto comece com um risco aceitável.
• A Engenharia de Requisitos atinge este objetivo atraves da gerência dos requisites de
um projeto em termos de produto e de seus components, além de identificar
inconsistências entre estes requisitos e os planos feitos para desenvolve-los.
Desenvolvimento
dos requisitos
Design, implementação e testes
de sistema
Testes de
Aceitação
Gerenciamento dos requisitos
Gerenciar o quê ? Como fazer ?
Gerenciar requisitos é:
• Identificar requisitos
• Identificar os atributos chaves
• Conhecer sua história e suas razões
• Quem solicitou o requisito
• Qual o processo de aceitação
• Como será implementado
• Suas versões e seu histórico de alteração
• Responsabilidade por alterações e suas
razões
Testes e Requisitos
Análise de Requisitos
• Relatório de viabilidade
• Matriz de rastreabilidade
Planejamento de testes
• Estimativa de esforço
• Planos de teste
Desenvolvimento dos casos de teste
• Casos de teste
• Dados de teste
Execução do testes
• Ambiente de testes
• Análise dos testes
Fechamento do ciclo de testes
• Métricas
• Relatório final
Conclusão
A Engenharia de Requisitos
permite que o projeto começe se
seja conduzido com um risco
aceitável.
Requisitos são a principal
ferramenta da Engenharia de
Sistemas
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
Rodrigo Gomes da Silva
 
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - IntroEngenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Qualidade de Software: MPS.BR
Qualidade de Software: MPS.BRQualidade de Software: MPS.BR
Qualidade de Software: MPS.BR
Elaine Cecília Gatto
 
UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25
Hélio Medeiros
 
Aula 4- Engenharia de Software
Aula 4- Engenharia de SoftwareAula 4- Engenharia de Software
Aula 4- Engenharia de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Vagner Santana
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
jamersonlima
 
Paradigmas De Engenharia De Software
Paradigmas De Engenharia De SoftwareParadigmas De Engenharia De Software
Paradigmas De Engenharia De Software
Robson Silva Espig
 
Outras Metodologias Ágeis Parte1
Outras Metodologias Ágeis Parte1Outras Metodologias Ágeis Parte1
Outras Metodologias Ágeis Parte1
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
Igor Takenami
 
Testes de Software - Fundamentos
Testes de Software - FundamentosTestes de Software - Fundamentos
Testes de Software - Fundamentos
Lucas Amaral
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
Elaine Cecília Gatto
 
DSDM
DSDMDSDM
Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs
Ricardo Machado
 
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
Elaine Cecília Gatto
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
Fernando Nogueira
 
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation serverOrganizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
Vinicius Moura
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Nylce Garcia
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
Mailson Queiroz
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 

Mais procurados (20)

Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - IntroEngenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
 
Qualidade de Software: MPS.BR
Qualidade de Software: MPS.BRQualidade de Software: MPS.BR
Qualidade de Software: MPS.BR
 
UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25
 
Aula 4- Engenharia de Software
Aula 4- Engenharia de SoftwareAula 4- Engenharia de Software
Aula 4- Engenharia de Software
 
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Paradigmas De Engenharia De Software
Paradigmas De Engenharia De SoftwareParadigmas De Engenharia De Software
Paradigmas De Engenharia De Software
 
Outras Metodologias Ágeis Parte1
Outras Metodologias Ágeis Parte1Outras Metodologias Ágeis Parte1
Outras Metodologias Ágeis Parte1
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Testes de Software - Fundamentos
Testes de Software - FundamentosTestes de Software - Fundamentos
Testes de Software - Fundamentos
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
 
DSDM
DSDMDSDM
DSDM
 
Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs Teste de Software - Bluesoft Labs
Teste de Software - Bluesoft Labs
 
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
Fatores de Qualidade de MacCall e ISO/IEC 9126
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation serverOrganizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
Organizando demandas de desenvolvimento com o microsoft team foundation server
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 

Semelhante a Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar

Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
José Vieira
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
licardino
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
Felipe Oliveira
 
Analise aula2
Analise aula2Analise aula2
Analise aula2
Kelvin Wesley
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
Aula Gestão de Projetos
Aula Gestão de ProjetosAula Gestão de Projetos
Aula Gestão de Projetos
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Engenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RONEngenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RON
Eduardo Castro
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
rzauza
 
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitosProdemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
Gustavo Lopes
 
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Marcelo Schumacher
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
eros.viggiano
 
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
Tiago Vizoto
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdf
IvanFontainha
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Felipe Oliveira
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
Patrícia Melo
 
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.pptAnálise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
TzveDyor
 
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetosMétricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
José Claudemir Pacheco Júnior
 
Aula 2 - Modelos de processos
Aula 2 -  Modelos de processosAula 2 -  Modelos de processos
Aula 2 - Modelos de processos
Leinylson Fontinele
 

Semelhante a Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar (20)

Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
 
Analise aula2
Analise aula2Analise aula2
Analise aula2
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
ES4.ppt
 
Aula Gestão de Projetos
Aula Gestão de ProjetosAula Gestão de Projetos
Aula Gestão de Projetos
 
Engenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RONEngenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RON
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
 
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitosProdemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
Prodemge WTQS - Minicurso técnicas de verificação de requisitos
 
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdf
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.pptAnálise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
 
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetosMétricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
Métricas de software: modelos de contratação e planejamento de projetos
 
Aula 2 - Modelos de processos
Aula 2 -  Modelos de processosAula 2 -  Modelos de processos
Aula 2 - Modelos de processos
 

Mais de Opencadd Advanced Technology

Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionadoOpenday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero GeradoresOpenday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visívelOpenday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de RequisitosOpenday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro RomãoINOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo LopesINOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender RochaINOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
Opencadd Advanced Technology
 
Apresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson ChiariniApresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson Chiarini
Opencadd Advanced Technology
 
Apresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo MaiaApresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo Maia
Opencadd Advanced Technology
 
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana TarabalIndústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Opencadd Advanced Technology
 
Licenciamento math works
Licenciamento math worksLicenciamento math works
Licenciamento math works
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLABWebinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLAB
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017bWebinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017b
Opencadd Advanced Technology
 
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Opencadd Advanced Technology
 
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Opencadd Advanced Technology
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar SDR
Webinar SDRWebinar SDR
Webinar image processing daniel vieira
Webinar image processing daniel vieiraWebinar image processing daniel vieira
Webinar image processing daniel vieira
Opencadd Advanced Technology
 

Mais de Opencadd Advanced Technology (20)

Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionadoOpenday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
 
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
 
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero GeradoresOpenday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
 
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visívelOpenday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível
 
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de RequisitosOpenday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
 
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
 
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro RomãoINOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
 
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo LopesINOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
 
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender RochaINOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
 
Apresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson ChiariniApresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson Chiarini
 
Apresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo MaiaApresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo Maia
 
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana TarabalIndústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
 
Licenciamento math works
Licenciamento math worksLicenciamento math works
Licenciamento math works
 
Webinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLABWebinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLAB
 
Webinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017bWebinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017b
 
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
 
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
 
Webinar SDR
Webinar SDRWebinar SDR
Webinar SDR
 
Webinar image processing daniel vieira
Webinar image processing daniel vieiraWebinar image processing daniel vieira
Webinar image processing daniel vieira
 

Último

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar

  • 1.
  • 2. Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar..
  • 3. Conceitos Básicos Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar..
  • 4. O Desafio do software Problemas típicos… • Orçamento e tempo assumidos não cumpridos • Produtividade insuficiente • Retrabalho e defeitos • Falta de tempo para implementar alterações Taxa de sucesso no desenvolvimento sistemas As principais Três causas raíz dos problemas Processo ineficiente 91% Gerenciamento organizacional 87% Engenharia de Requisitos 87%
  • 5. Definição Requisito: Uma condição ou capacidade necessária para a solução de um problema ou a realização de um objetivo.
  • 6. Porque Requisitos ? Requisitos são a base para os próximos passos do desenvolvimento. São a principal fonte de referências para: • Alteração de funcionalidades • Adição de novas funcionalidades • Elaboração do desing
  • 7. Níveis de Requisitos Os requisitos podem ser divididos em diferentes níveis! Componentes Sistema Comercial Pré-Projeto Proposta (RFP) Contrato Sistema Comp A Comp B Comp C Cada Nível de requisito tem sua própria finalidade
  • 8. 1. Tiny 2. Small 3. Medium 4. Large 5. Huge Design professionals (number) 3 15 75 400 2,000 Duration (months) 12 24 36 48 60 Geographical area Building City Multi-city Country World States/modes (number) 3 30 300 2,000 10 000 States/modes (type) Well defined Deterministic Stochastic Interface params (no.) 9 90 900 6,000 30 000 Physical environment of product Indoor In/outdoor 1 location Outdoor global Global Space, Ocean Requirements (no. of text pages) 15 150 500 2 000 50000 Requirements (approximate no) 150 1 500 5 000 20 000 500 000 Number of specs generated 1 3 10 200 1000 Examples Electric kitchen mixer; low budget art film Housing development; TV Set; grand opera Night viewing system; highway system Aircraft Space vehicle; Battleship & armament Alguns números
  • 9. Porque Precisamos de Requisitos? A maioria dos sistemas de software usam menos da metade de suas funções. • 80% dos defeitos detectados nos testes de campo resultam de requisitos faltantes (31%) ou errados (49%). • 43% de todas as falhas de sistemas embarcados ocorrem por especificação e análises insuficientes. • Tipicamente apenas entre 3 e 6% do esforço de um projeto é usado no desenvolvimento e gerência de requisitos Dobrar este esforço poderia resultar em uma redução de até 20% no custo do ciclo de vida do produto: Menos retrabalho, ciclo de vida menor e maior eficiência. Me diga como seu projeto começa e eu te direi como termina. Fontes: Standish Group 2003, American Management Association 2001, Institut für angewandte Informatik Karlsruhe 2005, Ebert 2007
  • 10. Detalhamento dos Requisitos Custos Riscos Mais detalhes: • Desenvolvimento terceirizado • Equipes disjuntas • Testes baseados em requisitos • Projeto deve ter métricas rígidas • Há necessidade de rastreabilidade Menos detalhes: • Stakeholders estão envolvidos • Desenvolvedores com expertise • Similares já foram desenvolvidos • Pacotes prontos serão usados Achar o nível adequado para os requisitos é a chave para uma Engenharia de Sistemas eficiente
  • 11. Validação dos Requisitos A finalidade da validação é evitar vícios de requisitos: • Incompletos • Não rastreáveis • Inconsistentes • Irrelevantes • Incorretos • Ambíguos • Inviáveis • Douradores de Pílula
  • 12. Riscos nos Requisitos Só há 3 riscos com requisitos 1. Requisitos errados Mistura de necessidades com solução Ausência de verificação e validação 2. Requisitos ausêntes Cliente não envolvido Foco apenas em requisitos críticos Somente requisites funcionais 3. Requisitos variáveis Ausência de uma baseline Deficiências no controle de alteração e rastreabilidade Baseado em: B.Lawrence, K.Wiegers and C.Ebert: The Top Risks of Requirements Engineering. IEEE Software, Vol. 18, No. 6, pp. 62-63, Nov. 2001.
  • 13. Alterações nos Requisitos Alterações dos requisitos devem ser documentadas e controladas FORMALMENTE.
  • 14. Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos • O objetivo da Engenharia de Requisitos é criar requisites suficientemente bons para permitir que um projeto comece com um risco aceitável. • A Engenharia de Requisitos atinge este objetivo atraves da gerência dos requisites de um projeto em termos de produto e de seus components, além de identificar inconsistências entre estes requisitos e os planos feitos para desenvolve-los. Desenvolvimento dos requisitos Design, implementação e testes de sistema Testes de Aceitação Gerenciamento dos requisitos
  • 15. Gerenciar o quê ? Como fazer ? Gerenciar requisitos é: • Identificar requisitos • Identificar os atributos chaves • Conhecer sua história e suas razões • Quem solicitou o requisito • Qual o processo de aceitação • Como será implementado • Suas versões e seu histórico de alteração • Responsabilidade por alterações e suas razões
  • 16. Testes e Requisitos Análise de Requisitos • Relatório de viabilidade • Matriz de rastreabilidade Planejamento de testes • Estimativa de esforço • Planos de teste Desenvolvimento dos casos de teste • Casos de teste • Dados de teste Execução do testes • Ambiente de testes • Análise dos testes Fechamento do ciclo de testes • Métricas • Relatório final
  • 17. Conclusão A Engenharia de Requisitos permite que o projeto começe se seja conduzido com um risco aceitável. Requisitos são a principal ferramenta da Engenharia de Sistemas