SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula 02 - Engenharia de Requisitos

O documento apresenta uma introdução à engenharia de requisitos, discutindo o que é este processo, quanto custa e os problemas que pode enfrentar. É descrito o processo típico de engenharia de requisitos, incluindo atividades como estudo de viabilidade, levantamento e seleção de requisitos e especificação de requisitos.

1 de 140
Baixar para ler offline
Engenharia de Requisitos

          Alberto Sim˜es
                     o
    alberto.simoes@eu.ipp.pt




Planeamento de Sistemas de Informa¸˜o
                                  ca
 Mestrado em Informa¸˜o Empresarial
                     ca
             2012/2013




       Alberto Sim˜es
                  o     Engenharia de Requisitos   1/62
Parte I

Engenharia de Requisitos




     Alberto Sim˜es
                o     Engenharia de Requisitos   2/62
Tamb´m designada por An´lise de Sistemas;
    e                  a

´
E o processo de definir as funcionalidades que o cliente
pretende que o sistema implemente, e as restri¸˜es que afetam
                                              co
a opera¸˜o e o desenvolvimento do sistema;
       ca

O objetivo da fase de an´lise ´ o de compreender os requisitos
                         a    e
do novo sistema e identifica-los de modo a desenvolver um
sistema que os satisfa¸a completamente;
                      c

A determina¸˜o de requisitos ´ um dos passos mais cr´
            ca                e                     ıticos
nas fases do ciclo de desenvolvimento de software;




                  Alberto Sim˜es
                             o     Engenharia de Requisitos      3/62
Engenharia de Requisitos

     O que ´ a Engenharia de Requisitos?
            e
     Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de
                                             ca
     sistema




                      Alberto Sim˜es
                                 o     Engenharia de Requisitos      4/62
Engenharia de Requisitos

     O que ´ a Engenharia de Requisitos?
            e
     Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de
                                             ca
     sistema
     Quanto custa a Engenharia de Requisitos?
     Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do
     sistema.




                      Alberto Sim˜es
                                 o     Engenharia de Requisitos      4/62
Engenharia de Requisitos

     O que ´ a Engenharia de Requisitos?
            e
     Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de
                                             ca
     sistema
     Quanto custa a Engenharia de Requisitos?
     Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do
     sistema.
     O que ´ um processo de Engenharia de Requisitos?
            e
     Conjunto de actividades que envolve a recolha e compila¸˜o
                                                            ca
     dos requisitos de sistema.




                      Alberto Sim˜es
                                 o     Engenharia de Requisitos      4/62

Recomendados

Modelo de documento para levantamento de requisitos de software
Modelo de documento para levantamento de requisitos de softwareModelo de documento para levantamento de requisitos de software
Modelo de documento para levantamento de requisitos de softwareFrancilvio Roberto Alff
 
Diagramas de Fluxo de Dados
Diagramas de Fluxo de DadosDiagramas de Fluxo de Dados
Diagramas de Fluxo de DadosJanynne Gomes
 
REA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UMLREA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UMLIFFar - SVS
 
Treinamento de SQL Básico
Treinamento de SQL BásicoTreinamento de SQL Básico
Treinamento de SQL BásicoIgor Alves
 
Banco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidosBanco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidosGleydson Sousa
 
Banco de Dados II Aula 02 - Modelagem de Dados (Definição, Modelo conceitual)
Banco de Dados II  Aula 02 - Modelagem de Dados (Definição, Modelo conceitual)Banco de Dados II  Aula 02 - Modelagem de Dados (Definição, Modelo conceitual)
Banco de Dados II Aula 02 - Modelagem de Dados (Definição, Modelo conceitual)Leinylson Fontinele
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo plano de_testes
Modelo plano de_testesModelo plano de_testes
Modelo plano de_testesIsaias Silva
 
Java orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)
Java   orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)Java   orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)
Java orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)Armando Daniel
 
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Leinylson Fontinele
 
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRiaSistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRiaguest4f7dd23
 
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UML
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UMLEngenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UML
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UMLAlessandro Almeida
 
Aula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling LanguageAula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling LanguageCloves da Rocha
 
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)Leinylson Fontinele
 
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente Encadeadas
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente EncadeadasEstrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente Encadeadas
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente EncadeadasLeinylson Fontinele
 
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdf
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdfAula 12 - Diagrama de Atividades.pdf
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdfIvanFontainha
 
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de DadosAula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de DadosRafael Albani
 
Exemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosExemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosLeandro Rodrigues
 
Diagrama de Atividades - UML
Diagrama de Atividades - UMLDiagrama de Atividades - UML
Diagrama de Atividades - UMLVinícius Barros
 
Uml Diagramas Estruturais
Uml   Diagramas EstruturaisUml   Diagramas Estruturais
Uml Diagramas Estruturaisthaisedd
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoLeinylson Fontinele
 
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAlberto Simões
 

Mais procurados (20)

Modelo plano de_testes
Modelo plano de_testesModelo plano de_testes
Modelo plano de_testes
 
Java orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)
Java   orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)Java   orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)
Java orientação a objetos (associacao, composicao, agregacao)
 
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
 
03 mer2
03 mer203 mer2
03 mer2
 
engenharia-de-requisitos
engenharia-de-requisitosengenharia-de-requisitos
engenharia-de-requisitos
 
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRiaSistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
 
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UML
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UMLEngenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UML
Engenharia de Software II - Atividade: Diagramas da UML
 
Aula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling LanguageAula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling Language
 
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)
Banco de Dados I - Aula 06 - Banco de Dados Relacional (Modelo Lógico)
 
Sistema acadêmico
Sistema acadêmicoSistema acadêmico
Sistema acadêmico
 
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente Encadeadas
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente EncadeadasEstrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente Encadeadas
Estrutura de Dados - Aula 09 - Listas Simplesmente Encadeadas
 
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdf
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdfAula 12 - Diagrama de Atividades.pdf
Aula 12 - Diagrama de Atividades.pdf
 
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de DadosAula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
 
Exemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosExemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitos
 
Diagrama de Atividades - UML
Diagrama de Atividades - UMLDiagrama de Atividades - UML
Diagrama de Atividades - UML
 
Algoritmos gulosos
Algoritmos gulososAlgoritmos gulosos
Algoritmos gulosos
 
Uml Diagramas Estruturais
Uml   Diagramas EstruturaisUml   Diagramas Estruturais
Uml Diagramas Estruturais
 
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - ApresentaçãoBanco de Dados II Aula 01 - Apresentação
Banco de Dados II Aula 01 - Apresentação
 
UML
UMLUML
UML
 
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
 

Destaque

Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitosMailson Queiroz
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economicaMoises Souza
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitosFelipe Oliveira
 
Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2Tiago Barros
 
Engenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RONEngenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RONEduardo Castro
 
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosFundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosBarbara Lima
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosTiago Barros
 
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitosEng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitosManuel Menezes de Sequeira
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacaotsblackboy
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Carlos Giovani Rodrigues
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosNoaldo Sales
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu siteWilliam Silva
 

Destaque (20)

Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economica
 
Engenharia De Requisitos
Engenharia De RequisitosEngenharia De Requisitos
Engenharia De Requisitos
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
 
Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2
 
Gerência de Requisitos
Gerência de RequisitosGerência de Requisitos
Gerência de Requisitos
 
Engenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RONEngenharia Requisitos - Método RON
Engenharia Requisitos - Método RON
 
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosFundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitosEng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
Eng.ª do Software - 3. Processos da engenharia de requisitos
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
 
Dojo de Requisitos
Dojo de RequisitosDojo de Requisitos
Dojo de Requisitos
 
Artigo Transp Sw
Artigo Transp SwArtigo Transp Sw
Artigo Transp Sw
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de Requisitos
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu site
 
06 Requisitos
06 Requisitos06 Requisitos
06 Requisitos
 
Smarts and Smarter
Smarts and SmarterSmarts and Smarter
Smarts and Smarter
 
Engenharia de requisitos 5/5
Engenharia de requisitos 5/5Engenharia de requisitos 5/5
Engenharia de requisitos 5/5
 

Semelhante a Aula 02 - Engenharia de Requisitos

Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizarUtilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizarOpencadd Advanced Technology
 
Engenharia de requisitos introdução
Engenharia de requisitos   introduçãoEngenharia de requisitos   introdução
Engenharia de requisitos introduçãoSilmar De Freitas
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptxAula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptxLucianaRecartCardoso
 
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosJosé Vieira
 
Análise de sistemas análise de requisitos
Análise de sistemas   análise de requisitosAnálise de sistemas   análise de requisitos
Análise de sistemas análise de requisitosMá Puia
 
Engenharia de software apostila analise de requisitos ii
Engenharia de software   apostila analise de requisitos iiEngenharia de software   apostila analise de requisitos ii
Engenharia de software apostila analise de requisitos iirobinhoct
 
UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25Hélio Medeiros
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfIvanFontainha
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducaolicardino
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
Curso de Engenharia de Requisitos
Curso de Engenharia de RequisitosCurso de Engenharia de Requisitos
Curso de Engenharia de RequisitosGrupo Treinar
 
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...Carlos Alberto
 
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Leonardo Dias Nascimento
 

Semelhante a Aula 02 - Engenharia de Requisitos (20)

Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizarUtilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
 
Engenharia de requisitos introdução
Engenharia de requisitos   introduçãoEngenharia de requisitos   introdução
Engenharia de requisitos introdução
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptxAula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
 
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
 
Aula3 engenharia requisitos
Aula3 engenharia requisitosAula3 engenharia requisitos
Aula3 engenharia requisitos
 
Análise de sistemas análise de requisitos
Análise de sistemas   análise de requisitosAnálise de sistemas   análise de requisitos
Análise de sistemas análise de requisitos
 
Engenharia de software apostila analise de requisitos ii
Engenharia de software   apostila analise de requisitos iiEngenharia de software   apostila analise de requisitos ii
Engenharia de software apostila analise de requisitos ii
 
UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25UnP Eng. Software - Aula 25
UnP Eng. Software - Aula 25
 
Qualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de SoftwareQualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de Software
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdf
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
 
27001 consulta publica
27001 consulta publica27001 consulta publica
27001 consulta publica
 
Curso de Engenharia de Requisitos
Curso de Engenharia de RequisitosCurso de Engenharia de Requisitos
Curso de Engenharia de Requisitos
 
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...
TCC - "Sistema Automático de Medição do Diâmetro Interno de Rotores Via Calib...
 
Aula1 introducao engsw
Aula1 introducao engswAula1 introducao engsw
Aula1 introducao engsw
 
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitosWellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
Wellington Vasconcelos - Priorização de requisitos
 
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
Sistema de Gestão da Qualidade - ISO9001:2008
 

Mais de Alberto Simões

Language Identification: A neural network approach
Language Identification: A neural network approachLanguage Identification: A neural network approach
Language Identification: A neural network approachAlberto Simões
 
Making the most of a 100-year-old dictionary
Making the most of a 100-year-old dictionaryMaking the most of a 100-year-old dictionary
Making the most of a 100-year-old dictionaryAlberto Simões
 
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry Translation
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry TranslationDictionary Alignment by Rewrite-based Entry Translation
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry TranslationAlberto Simões
 
EMLex-A5: Specialized Dictionaries
EMLex-A5: Specialized DictionariesEMLex-A5: Specialized Dictionaries
EMLex-A5: Specialized DictionariesAlberto Simões
 
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de Sequência
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de SequênciaAula 04 - Introdução aos Diagramas de Sequência
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de SequênciaAlberto Simões
 
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de InformaçãoAula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de InformaçãoAlberto Simões
 
Building C and C++ libraries with Perl
Building C and C++ libraries with PerlBuilding C and C++ libraries with Perl
Building C and C++ libraries with PerlAlberto Simões
 
Processing XML: a rewriting system approach
Processing XML: a rewriting system approachProcessing XML: a rewriting system approach
Processing XML: a rewriting system approachAlberto Simões
 
Arquitecturas de Tradução Automática
Arquitecturas de Tradução AutomáticaArquitecturas de Tradução Automática
Arquitecturas de Tradução AutomáticaAlberto Simões
 
Extracção de Recursos para Tradução Automática
Extracção de Recursos para Tradução AutomáticaExtracção de Recursos para Tradução Automática
Extracção de Recursos para Tradução AutomáticaAlberto Simões
 

Mais de Alberto Simões (20)

Source Code Quality
Source Code QualitySource Code Quality
Source Code Quality
 
Language Identification: A neural network approach
Language Identification: A neural network approachLanguage Identification: A neural network approach
Language Identification: A neural network approach
 
Google Maps JS API
Google Maps JS APIGoogle Maps JS API
Google Maps JS API
 
Making the most of a 100-year-old dictionary
Making the most of a 100-year-old dictionaryMaking the most of a 100-year-old dictionary
Making the most of a 100-year-old dictionary
 
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry Translation
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry TranslationDictionary Alignment by Rewrite-based Entry Translation
Dictionary Alignment by Rewrite-based Entry Translation
 
EMLex-A5: Specialized Dictionaries
EMLex-A5: Specialized DictionariesEMLex-A5: Specialized Dictionaries
EMLex-A5: Specialized Dictionaries
 
Modelação de Dados
Modelação de DadosModelação de Dados
Modelação de Dados
 
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de Sequência
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de SequênciaAula 04 - Introdução aos Diagramas de Sequência
Aula 04 - Introdução aos Diagramas de Sequência
 
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de InformaçãoAula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação
Aula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação
 
Building C and C++ libraries with Perl
Building C and C++ libraries with PerlBuilding C and C++ libraries with Perl
Building C and C++ libraries with Perl
 
PLN em Perl
PLN em PerlPLN em Perl
PLN em Perl
 
Classification Systems
Classification SystemsClassification Systems
Classification Systems
 
Redes de Pert
Redes de PertRedes de Pert
Redes de Pert
 
Dancing Tutorial
Dancing TutorialDancing Tutorial
Dancing Tutorial
 
Processing XML: a rewriting system approach
Processing XML: a rewriting system approachProcessing XML: a rewriting system approach
Processing XML: a rewriting system approach
 
Sistemas de Numeração
Sistemas de NumeraçãoSistemas de Numeração
Sistemas de Numeração
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
 
Arquitecturas de Tradução Automática
Arquitecturas de Tradução AutomáticaArquitecturas de Tradução Automática
Arquitecturas de Tradução Automática
 
Extracção de Recursos para Tradução Automática
Extracção de Recursos para Tradução AutomáticaExtracção de Recursos para Tradução Automática
Extracção de Recursos para Tradução Automática
 
Dicionário Aberto
Dicionário AbertoDicionário Aberto
Dicionário Aberto
 

Último

ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxjosecarlos413721
 
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Ismael Ash
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Daniel Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx2m Assessoria
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoGuilhermeJorgeAragod
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx2m Assessoria
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 

Aula 02 - Engenharia de Requisitos

  • 1. Engenharia de Requisitos Alberto Sim˜es o alberto.simoes@eu.ipp.pt Planeamento de Sistemas de Informa¸˜o ca Mestrado em Informa¸˜o Empresarial ca 2012/2013 Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 1/62
  • 2. Parte I Engenharia de Requisitos Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 2/62
  • 3. Tamb´m designada por An´lise de Sistemas; e a ´ E o processo de definir as funcionalidades que o cliente pretende que o sistema implemente, e as restri¸˜es que afetam co a opera¸˜o e o desenvolvimento do sistema; ca O objetivo da fase de an´lise ´ o de compreender os requisitos a e do novo sistema e identifica-los de modo a desenvolver um sistema que os satisfa¸a completamente; c A determina¸˜o de requisitos ´ um dos passos mais cr´ ca e ıticos nas fases do ciclo de desenvolvimento de software; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 3/62
  • 4. Engenharia de Requisitos O que ´ a Engenharia de Requisitos? e Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de ca sistema Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 4/62
  • 5. Engenharia de Requisitos O que ´ a Engenharia de Requisitos? e Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de ca sistema Quanto custa a Engenharia de Requisitos? Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do sistema. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 4/62
  • 6. Engenharia de Requisitos O que ´ a Engenharia de Requisitos? e Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de ca sistema Quanto custa a Engenharia de Requisitos? Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do sistema. O que ´ um processo de Engenharia de Requisitos? e Conjunto de actividades que envolve a recolha e compila¸˜o ca dos requisitos de sistema. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 4/62
  • 7. Engenharia de Requisitos O que ´ a Engenharia de Requisitos? e Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de ca sistema Quanto custa a Engenharia de Requisitos? Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do sistema. O que ´ um processo de Engenharia de Requisitos? e Conjunto de actividades que envolve a recolha e compila¸˜o ca dos requisitos de sistema. O que acontece quando os requisitos s˜o mal identificados? a Os sistemas s˜o entregues fora do prazo, sem qualidade e sem a responder `s necessidades dos clientes. a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 4/62
  • 8. Engenharia de Requisitos O que ´ a Engenharia de Requisitos? e Processo que envolve a recolha e compila¸˜o dos requisitos de ca sistema Quanto custa a Engenharia de Requisitos? Habitualmente, cerca de 15% do custo de desenvolvimento do sistema. O que ´ um processo de Engenharia de Requisitos? e Conjunto de actividades que envolve a recolha e compila¸˜o ca dos requisitos de sistema. O que acontece quando os requisitos s˜o mal identificados? a Os sistemas s˜o entregues fora do prazo, sem qualidade e sem a responder `s necessidades dos clientes. a Existe algum processo de Engenharia de Requisitos ideal? N˜o, o processo tem de ser configurado de acordo com as a necessidades de cada organiza¸˜o. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 4/62
  • 9. Problemas na Engenharia de Requisitos Como convencer o cliente da necessidade de usar tempo e dinheiro, para recolher requisitos corretamente? Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 5/62
  • 10. Problemas na Engenharia de Requisitos Como convencer o cliente da necessidade de usar tempo e dinheiro, para recolher requisitos corretamente? Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 5/62
  • 11. Problemas na Engenharia de Requisitos Como garantir que os requisitos recolhidos s˜o compreendidos de a igual modo por cliente e membros da equipa do projeto? Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 6/62
  • 12. Problemas na Engenharia de Requisitos Como garantir que os requisitos recolhidos s˜o compreendidos de a igual modo por cliente e membros da equipa do projeto? Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 6/62
  • 13. Processo de Engenharia de Requisitos Os processos utilizados na engenharia de requisitos s˜o a dependentes do dom´ de aplica¸˜o, das pessoas envolvidas ınio ca e das organiza¸˜o que faz o levantamento dos requisitos. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 7/62
  • 14. Processo de Engenharia de Requisitos Os processos utilizados na engenharia de requisitos s˜o a dependentes do dom´ de aplica¸˜o, das pessoas envolvidas ınio ca e das organiza¸˜o que faz o levantamento dos requisitos. ca No entanto, existem algumas atividades gen´ricas, comuns a e todos os processos: estudo de viabilidade; levantamento e sele¸˜o de requisitos; ca an´lise de requisitos; a valida¸˜o de requisitos; ca gest˜o de requisitos; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 7/62
  • 15. Processo de Engenharia de Requisitos Estudo de Análise de Viabilidade Requisitos Definição de Requisitos Especificação Relatório de Modelos do de Requisitos Viabilidade Sistema Defnição dos Requisitos Especificação de Documento de Requisitos Requisitos Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 8/62
  • 16. Processo de Engenharia de Requisitos Estudo de Viabilidade Deve decidir se um sistema deve ser ou n˜o desenvolvido. a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 9/62
  • 17. Processo de Engenharia de Requisitos Estudo de Viabilidade Deve decidir se um sistema deve ser ou n˜o desenvolvido. a Trata-se de um estudo espec´ıfico que verifica se o sistema contribui para os objetivos da organiza¸˜o; ca pode ser desenvolvido com a tecnologia atual; pede ser desenvolvido dentro do or¸amento previsto; c pode ser integrado com os outros sistemas em produ¸˜o; ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 9/62
  • 18. Processo de Engenharia de Requisitos Estudo de Viabilidade Deve decidir se um sistema deve ser ou n˜o desenvolvido. a Trata-se de um estudo espec´ıfico que verifica se o sistema contribui para os objetivos da organiza¸˜o; ca pode ser desenvolvido com a tecnologia atual; pede ser desenvolvido dentro do or¸amento previsto; c pode ser integrado com os outros sistemas em produ¸˜o; ca A implementa¸˜o assenta em quest˜es `s pessoas da ca o a organiza¸˜o: ca o que acontece se o sistema n˜o for implementado? a quais s˜o os problemas atuais com os processos? a ser´ que o sistema proposto os ir´ resolver? a a quais ser˜o os problemas de integra¸˜o? a ca ´ necess´ria nova tecnologia? e a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 9/62
  • 19. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 20. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Problemas com a an´lise e sele¸˜o: a ca os stakeholders n˜o sabem o que pretendem; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 21. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Problemas com a an´lise e sele¸˜o: a ca os stakeholders n˜o sabem o que pretendem; a os stakeholders definem os requisitos nas suas palavras; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 22. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Problemas com a an´lise e sele¸˜o: a ca os stakeholders n˜o sabem o que pretendem; a os stakeholders definem os requisitos nas suas palavras; diferentes stakeholders podem ter requisitos conflituosos; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 23. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Problemas com a an´lise e sele¸˜o: a ca os stakeholders n˜o sabem o que pretendem; a os stakeholders definem os requisitos nas suas palavras; diferentes stakeholders podem ter requisitos conflituosos; os fatores pol´ ıticos e organizacionais podem afetar os requisitos do sistema; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 24. Processo de Engenharia de Requisitos Levantamento e Sele¸˜o de Requisitos ca Consiste no trabalho realizado pelo pessoal t´cnico em colabora¸˜o e ca com os restantes intervenientes para determinar o dom´ da ınio aplica¸˜o, as funcionalidades que devem ser suportadas e os ca constrangimentos operacionais do sistema. Problemas com a an´lise e sele¸˜o: a ca os stakeholders n˜o sabem o que pretendem; a os stakeholders definem os requisitos nas suas palavras; diferentes stakeholders podem ter requisitos conflituosos; os fatores pol´ ıticos e organizacionais podem afetar os requisitos do sistema; os requisitos podem mudar durante o processo de an´lise, a assim como o ambiente de neg´cio ou mesmo os stakeholders. o Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 10/62
  • 25. Processo de Engenharia de Requisitos Especifica¸˜o de Requisitos ca ´ E nesta fase que se d´ a produ¸˜o do documento de a ca especifica¸˜o de requisitos; ca Documento com v´rios tipos de especifica¸˜es: a co especifica¸˜o de requisitos do utilizador; ca especifica¸˜o de requisitos do sistema; ca especifica¸˜o da arquitetura do sistema; ca Usando diferentes tipos de abordagens: Especifica¸˜o Textual; ca Casos de uso (UML); Diagramas de Atividade (UML) (de alto n´ ıvel); Diagramas de Fluxo de Dados; Especifica¸˜o Formal; ca Prototipagem da interface. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 11/62
  • 26. Processo de Engenharia de Requisitos Valida¸˜o de Requisitos ca Avalia se os requisitos definem o sistema que o cliente realmente pretende. Os custos com os erros na identifica¸˜o dos requisitos s˜o ca a elevados, o que demonstra a importˆncia da valida¸˜o. a ca Corrigir um erro de defini¸˜o de requisitos ap´s a ca o instala¸˜o de um produto pode custar at´ 100 vezes mais ca e que corrigir um erro na especifica¸˜o. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 12/62
  • 27. Parte II Tipologia de Requisitos Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 13/62
  • 28. Tipologia de Requisitos Requisitos funcionais funcionalidades que o sistema deve implementar: como o sistema dever´ responder a cada opera¸˜o, e como se dever´ a ca a comportar em determinadas situa¸˜es co Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 14/62
  • 29. Tipologia de Requisitos Requisitos funcionais funcionalidades que o sistema deve implementar: como o sistema dever´ responder a cada opera¸˜o, e como se dever´ a ca a comportar em determinadas situa¸˜es co Requisitos n˜o funcionais a constrangimentos `s funcionalidades do sistema, como a standards, restri¸˜es de tempo, restri¸˜es do processo de co co desenvolvimento, etc. propriedades comportamentais que o sistema deve garantir, como desempenho, seguran¸a, fiabilidade, etc. c Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 14/62
  • 30. Tipologia de Requisitos Requisitos funcionais funcionalidades que o sistema deve implementar: como o sistema dever´ responder a cada opera¸˜o, e como se dever´ a ca a comportar em determinadas situa¸˜es co Requisitos n˜o funcionais a constrangimentos `s funcionalidades do sistema, como a standards, restri¸˜es de tempo, restri¸˜es do processo de co co desenvolvimento, etc. propriedades comportamentais que o sistema deve garantir, como desempenho, seguran¸a, fiabilidade, etc. c Requisitos de dom´ ınio requisitos resultantes do dom´ de aplica¸˜o do sistema ınio ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 14/62
  • 31. Tipologia de Requisitos Requisitos de Dom´ ınio Requisitos resultantes do dom´ de aplica¸˜o do sistema e ınio ca que refletem determinada caracter´ ısticas que devem ser tidas em considera¸˜o durante o desenvolvimento do sistema; ca N˜o derivam das necessidades espec´ a ıficas dos utilizadores; Para al´m de se considerarem requisitos de dom´ e ınio, podem ser classificados como requisitos funcionais ou n˜o funcionais; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 15/62
  • 32. Tipologia de Requisitos Requisitos de Dom´ ınio Requisitos resultantes do dom´ de aplica¸˜o do sistema e ınio ca que refletem determinada caracter´ ısticas que devem ser tidas em considera¸˜o durante o desenvolvimento do sistema; ca N˜o derivam das necessidades espec´ a ıficas dos utilizadores; Para al´m de se considerarem requisitos de dom´ e ınio, podem ser classificados como requisitos funcionais ou n˜o funcionais; a Exemplos: no desenvolvimento de um registo cl´ ınico eletr´nico, a o autentica¸˜o pode ser considerada um requisito de dom´ ca ınio imposto pelo enquadramento de prote¸˜o de dados pessoais; ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 15/62
  • 33. Tipologia de Requisitos Requisitos de Dom´ ınio Requisitos resultantes do dom´ de aplica¸˜o do sistema e ınio ca que refletem determinada caracter´ ısticas que devem ser tidas em considera¸˜o durante o desenvolvimento do sistema; ca N˜o derivam das necessidades espec´ a ıficas dos utilizadores; Para al´m de se considerarem requisitos de dom´ e ınio, podem ser classificados como requisitos funcionais ou n˜o funcionais; a Exemplos: no desenvolvimento de um registo cl´ ınico eletr´nico, a o autentica¸˜o pode ser considerada um requisito de dom´ ca ınio imposto pelo enquadramento de prote¸˜o de dados pessoais; ca num sistema de fatura¸˜o, a exporta¸˜o do registo das faturas ca ca em formato SAF-T pode ser considerada um requisito de dom´ imposto pela autoridade tribut´ria; ınio a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 15/62
  • 34. Tipologia de Requisitos Requisitos Funcionais Descrevem funcionalidades que o sistema deve implementar; Dependem do tipo de software, das expectativas dos utilizadores, e do tipo de sistema onde o software ir´ ser a utilizado; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 16/62
  • 35. Tipologia de Requisitos Requisitos Funcionais Descrevem funcionalidades que o sistema deve implementar; Dependem do tipo de software, das expectativas dos utilizadores, e do tipo de sistema onde o software ir´ ser a utilizado; Exemplos: O utilizador deve ser capaz de procurar nas bases de dados de todas as lojas de uma cadeia de supermercados, ou apenas num conjunto de lojas selecionadas; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 16/62
  • 36. Tipologia de Requisitos Requisitos Funcionais Descrevem funcionalidades que o sistema deve implementar; Dependem do tipo de software, das expectativas dos utilizadores, e do tipo de sistema onde o software ir´ ser a utilizado; Exemplos: O utilizador deve ser capaz de procurar nas bases de dados de todas as lojas de uma cadeia de supermercados, ou apenas num conjunto de lojas selecionadas; Deve ser atribu´ um c´digo unico a cada encomenda; ıdo o ´ Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 16/62
  • 37. Tipologia de Requisitos Requisitos Funcionais Descrevem funcionalidades que o sistema deve implementar; Dependem do tipo de software, das expectativas dos utilizadores, e do tipo de sistema onde o software ir´ ser a utilizado; Exemplos: O utilizador deve ser capaz de procurar nas bases de dados de todas as lojas de uma cadeia de supermercados, ou apenas num conjunto de lojas selecionadas; Deve ser atribu´ um c´digo unico a cada encomenda; ıdo o ´ O sistema deve fornecer as ferramentas adequadas ao utilizador para facilitar a leitura dos documentos armazenados. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 16/62
  • 38. Tipologia de Requisitos Requisitos N˜o Funcionais a Definem as propriedades do sistema e os seus constrangimentos. Os requisitos n˜o funcionais podem ser mais cr´ a ıticos que os requisitos funcionais: caso n˜o sejam cumpridos, o sistema a pode tornar-se in´til. u Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 17/62
  • 39. Tipologia de Requisitos Requisitos N˜o Funcionais a Definem as propriedades do sistema e os seus constrangimentos. Os requisitos n˜o funcionais podem ser mais cr´ a ıticos que os requisitos funcionais: caso n˜o sejam cumpridos, o sistema a pode tornar-se in´til. u Exemplos de propriedades s˜o: a fiabilidade; tempo de resposta; espa¸o em disco necess´rio; c a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 17/62
  • 40. Tipologia de Requisitos Requisitos N˜o Funcionais a Definem as propriedades do sistema e os seus constrangimentos. Os requisitos n˜o funcionais podem ser mais cr´ a ıticos que os requisitos funcionais: caso n˜o sejam cumpridos, o sistema a pode tornar-se in´til. u Exemplos de propriedades s˜o: a fiabilidade; tempo de resposta; espa¸o em disco necess´rio; c a Exemplos de constrangimentos s˜o: a capacidade de input/output dos equipamentos; espa¸o em disco dispon´ c ıvel; largura de banda; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 17/62
  • 41. Tipologia de Requisitos Tipos de Requisitos N˜o Funcionais a Requisitos de Produto Especificam como se deve comportar o produto de acordo com um conjunto de parˆmetros. a ex.: velocidade de execu¸˜o, fiabilidade, etc. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 18/62
  • 42. Tipologia de Requisitos Tipos de Requisitos N˜o Funcionais a Requisitos de Produto Especificam como se deve comportar o produto de acordo com um conjunto de parˆmetros. a ex.: velocidade de execu¸˜o, fiabilidade, etc. ca Requisitos Organizacionais Derivam de pol´ ıticas e procedimentos da organiza¸˜o. ca ex.: regras internas, standards da organiza¸˜o, etc. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 18/62
  • 43. Tipologia de Requisitos Tipos de Requisitos N˜o Funcionais a Requisitos de Produto Especificam como se deve comportar o produto de acordo com um conjunto de parˆmetros. a ex.: velocidade de execu¸˜o, fiabilidade, etc. ca Requisitos Organizacionais Derivam de pol´ ıticas e procedimentos da organiza¸˜o. ca ex.: regras internas, standards da organiza¸˜o, etc. ca Requisitos Externos Resultam de fatores externos ao sistema e ao seu processo de desenvolvimento. Muitas vezes correspondem a requisitos de dom´ ınio. ex.: requisitos de interoperabilidade, aspetos legais, etc. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 18/62
  • 44. Tipologia de Requisitos Tipos de Requisitos N˜o Funcionais a Requisitos Não Funcionais Requisitos da Requisitos de Requisitos Organização Produto Externos Requisitos de Requisitos de Requisitos de Requisitos de Usabilidade Eficiência Fiabilidade Portabilidade Requisitos de Requisitos de Requisitos dos Requisitos de Requisitos Requisitos Distribuição Implementação Standards Usados Interoperabilidade Legislativos Éticos Requisitos de Requisitos de Requisitos de Requisitos de Espaço Execução Privacidade Segurança Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 19/62
  • 45. Tipologia de Requisitos Especifica¸˜o de Requisitos N˜o Funcionais ca a Devem ser especificados na forma de objetivo. (inten¸˜o geral do utilizador, como facilidade de utiliza¸˜o) ca ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 20/62
  • 46. Tipologia de Requisitos Especifica¸˜o de Requisitos N˜o Funcionais ca a Devem ser especificados na forma de objetivo. (inten¸˜o geral do utilizador, como facilidade de utiliza¸˜o) ca ca Sempre que poss´ ıvel, devem ser verific´veis: a (devem incorporar uma medida que permita testar de forma objetiva se o requisito est´ corretamente implementado) a Tipicamente s˜o dif´ a ıceis de definir com rigor, e portanto, dif´ ıceis de verificar. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 20/62
  • 47. Tipologia de Requisitos Especifica¸˜o de Requisitos N˜o Funcionais ca a Devem ser especificados na forma de objetivo. (inten¸˜o geral do utilizador, como facilidade de utiliza¸˜o) ca ca Sempre que poss´ ıvel, devem ser verific´veis: a (devem incorporar uma medida que permita testar de forma objetiva se o requisito est´ corretamente implementado) a Tipicamente s˜o dif´ a ıceis de definir com rigor, e portanto, dif´ ıceis de verificar. Exemplo: o sistema deve ser f´cil de utilizar por operadores experientes a e organizado de tal forma que minimize erros do utilizador. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 20/62
  • 48. Tipologia de Requisitos Especifica¸˜o de Requisitos N˜o Funcionais ca a Devem ser especificados na forma de objetivo. (inten¸˜o geral do utilizador, como facilidade de utiliza¸˜o) ca ca Sempre que poss´ ıvel, devem ser verific´veis: a (devem incorporar uma medida que permita testar de forma objetiva se o requisito est´ corretamente implementado) a Tipicamente s˜o dif´ a ıceis de definir com rigor, e portanto, dif´ ıceis de verificar. Exemplo: o sistema deve ser f´cil de utilizar por operadores experientes a e organizado de tal forma que minimize erros do utilizador. os operadores experientes devem ser capazes de utilizar todas as fun¸˜es do sistema ap´s duas horas de forma¸˜o; depois co o ca dessa forma¸˜o, o n´mero m´dio de erros realizados pelos ca u e operadores n˜o deve exceder dois por dia. a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 20/62
  • 49. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜a  Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 50. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜ a  tamanho de disco ocupado (MB) Tamanho largura de banda usada (MB) Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 51. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜a  tamanho de disco ocupado (MB) Tamanho largura de banda usada (MB) tempo de forma¸˜o ca Facilidade de uso n´mero de p´ginas de documenta¸˜o u a ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 52. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜ a  tamanho de disco ocupado (MB) Tamanho largura de banda usada (MB) tempo de forma¸˜o ca Facilidade de uso n´mero de p´ginas de documenta¸˜o u a ca  tempo m´dio de falha e Confian¸a probabilidade de n˜o disponibilidade c a r´cio de ocorrˆncia de falhas a e  Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 53. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜ a  tamanho de disco ocupado (MB) Tamanho largura de banda usada (MB) tempo de forma¸˜o ca Facilidade de uso n´mero de p´ginas de documenta¸˜o u a ca  tempo m´dio de falha e Confian¸a probabilidade de n˜o disponibilidade c a r´cio de ocorrˆncia de falhas a e   tempo de rein´ ap´s falha ıcio o Robustez percentagem de situa¸˜es que provocam falhas co probabilidade de corrup¸˜o de dados por falha ca  Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 54. Tipologia de Requisitos Medidas para Requisitos N˜o Funcionais a  transa¸˜es processadas por segundo co Velocidade tempo de resposta para determinado evento tempo de desenho do ecr˜ a  tamanho de disco ocupado (MB) Tamanho largura de banda usada (MB) tempo de forma¸˜o ca Facilidade de uso n´mero de p´ginas de documenta¸˜o u a ca  tempo m´dio de falha e Confian¸a probabilidade de n˜o disponibilidade c a r´cio de ocorrˆncia de falhas a e   tempo de rein´ ap´s falha ıcio o Robustez percentagem de situa¸˜es que provocam falhas co probabilidade de corrup¸˜o de dados por falha ca  n´mero de plataformas alvo u Portabilidade perc. de linhas de c´digo espec´ o ıficas Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 21/62
  • 55. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Em todas as janelas o utilizador dever´ ter acesso a um bot˜o a a para aceder ` documenta¸˜o contextual.” a ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 22/62
  • 56. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Em todas as janelas o utilizador dever´ ter acesso a um bot˜o a a para aceder ` documenta¸˜o contextual.” a ca Requisito Funcional Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 22/62
  • 57. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Cada transa¸˜o com a base de dados n˜o pode usar mais que 100 ca a KB de largura de banda.” Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 23/62
  • 58. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Cada transa¸˜o com a base de dados n˜o pode usar mais que 100 ca a KB de largura de banda.” Requisito N˜o Funcional a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 23/62
  • 59. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Para cada cliente dever´ ser armazenado o n´mero fiscal.” a u Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 24/62
  • 60. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Para cada cliente dever´ ser armazenado o n´mero fiscal.” a u Requisito N˜o Funcional (e possivelmente de dom´ a ınio) Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 24/62
  • 61. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “O utilizador n˜o dever´ poder introduzir um cliente sem indicar o a a seu n´mero fiscal.” u Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 25/62
  • 62. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “O utilizador n˜o dever´ poder introduzir um cliente sem indicar o a a seu n´mero fiscal.” u Requisito Funcional Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 25/62
  • 63. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “O acesso ao sistema deve ser validado usando uma senha de seguran¸a.” c Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 26/62
  • 64. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “O acesso ao sistema deve ser validado usando uma senha de seguran¸a.” c Requisito N˜o Funcional a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 26/62
  • 65. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Dever´ ser poss´ alterar a senha de seguran¸a pelo pr´prio a ıvel c o utilizador.” Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 27/62
  • 66. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “Dever´ ser poss´ alterar a senha de seguran¸a pelo pr´prio a ıvel c o utilizador.” Requisito Funcional Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 27/62
  • 67. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “A interface ao utilizador deve ter um aspeto amig´vel, e cores a s´brias.” o Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 28/62
  • 68. Tipologia de Requisitos Exerc´ ıcios “A interface ao utilizador deve ter um aspeto amig´vel, e cores a s´brias.” o Requisito N˜o Funcional a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 28/62
  • 69. Parte III Recolha de Requisitos Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 29/62
  • 70. Recolha de Requisitos T´cnicas para a Recolha de Requisitos e Existem v´rias t´cnicas para a recolha, sele¸˜o e especifica¸˜o de a e ca ca requisitos: Entrevistas Question´rios a An´lise Documental a Observa¸˜o ca Perspetivas Cen´rios a Prototipagem O Analista de sistemas deve saber como e quando utilizar cada uma, assim como as combinar. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 30/62
  • 71. Recolha de Requisitos Entrevistas Processo Selecionar os entrevistados, baseado no tipo de informa¸˜o ca necess´ria, e garantindo diferentes a perspetivas; Desenvolver o Gui˜o da entrevista; a Definir Objetivos da entrevista; Conduzir a entrevista; Apresentar resultados da entrevista; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 31/62
  • 72. Recolha de Requisitos Entrevistas Processo Conte´do da Entrevista u Selecionar os entrevistados, Quest˜es fechadas: o baseado no tipo de informa¸˜o ca “Quantas encomendas recebe por necess´ria, e garantindo diferentes a telefone diariamente? ” perspetivas; “Como s˜o feitas as encomendas? ” a Desenvolver o Gui˜o da entrevista; a Definir Objetivos da entrevista; Conduzir a entrevista; Apresentar resultados da entrevista; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 31/62
  • 73. Recolha de Requisitos Entrevistas Processo Conte´do da Entrevista u Selecionar os entrevistados, Quest˜es fechadas: o baseado no tipo de informa¸˜o ca “Quantas encomendas recebe por necess´ria, e garantindo diferentes a telefone diariamente? ” perspetivas; “Como s˜o feitas as encomendas? ” a Desenvolver o Gui˜o da entrevista; a Quest˜es abertas: o Definir Objetivos da entrevista; “O que acha do sistema atual? ” “Quais os problemas com que se Conduzir a entrevista; depara diariamente? ” Apresentar resultados da entrevista; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 31/62
  • 74. Recolha de Requisitos Entrevistas Processo Conte´do da Entrevista u Selecionar os entrevistados, Quest˜es fechadas: o baseado no tipo de informa¸˜o ca “Quantas encomendas recebe por necess´ria, e garantindo diferentes a telefone diariamente? ” perspetivas; “Como s˜o feitas as encomendas? ” a Desenvolver o Gui˜o da entrevista; a Quest˜es abertas: o Definir Objetivos da entrevista; “O que acha do sistema atual? ” “Quais os problemas com que se Conduzir a entrevista; depara diariamente? ” Apresentar resultados da Quest˜es de prova: o entrevista; “Pode-me dar um exemplo? ” “Pode-me explicar com mais detalhe? ” Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 31/62
  • 75. Recolha de Requisitos Question´rios a Processo Conjunto de quest˜es escritas, o usualmente enviadas para um grande n´mero de pessoas; u Podem ser em formato de papel ou eletr´nico; o Selecionar participantes representativos; Desenvolver quest˜es claras e de o f´cil an´lise; a a Definir estrat´gias para obter um e bom n´mero de respostas; u Mostrar o impacto do question´rio a aos questionados; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 32/62
  • 76. Recolha de Requisitos Question´rios a Processo Cuidados Conjunto de quest˜es escritas, o Come¸ar com quest˜es c o usualmente enviadas para um interessantes; grande n´mero de pessoas; u Agrupar em sec¸˜es coerentes; co Podem ser em formato de papel ou N˜o colocar perguntas importantes a eletr´nico; o no fim; Selecionar participantes N˜o encher demasiado as p´ginas; a a representativos; Evitar o uso de abreviaturas; Desenvolver quest˜es claras e de o f´cil an´lise; a a Evitar fazer perguntas tendenciosas; Definir estrat´gias para obter um e bom n´mero de respostas; u Numerar as perguntas; Mostrar o impacto do question´rio a Fazer teste pr´vio ao question´rio; e a aos questionados; Garantir anonimato nas respostas; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 32/62
  • 77. Recolha de Requisitos An´lise Documental a Documentos que contˆm informa¸˜o do sistema “as-is” e ca (estado atual!) Regulamentos, Relat´rios internos, Registos peri´dicos, o o Formul´rios, Manuais de procedimentos, . . . a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 33/62
  • 78. Recolha de Requisitos An´lise Documental a Documentos que contˆm informa¸˜o do sistema “as-is” e ca (estado atual!) Regulamentos, Relat´rios internos, Registos peri´dicos, o o Formul´rios, Manuais de procedimentos, . . . a Procurar elementos adicionados pelos utilizadores aos formul´rios (notas ` margem...) a a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 33/62
  • 79. Recolha de Requisitos An´lise Documental a Documentos que contˆm informa¸˜o do sistema “as-is” e ca (estado atual!) Regulamentos, Relat´rios internos, Registos peri´dicos, o o Formul´rios, Manuais de procedimentos, . . . a Procurar elementos adicionados pelos utilizadores aos formul´rios (notas ` margem...) a a Procurar elementos n˜o utilizados; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 33/62
  • 80. Recolha de Requisitos An´lise Documental a Documentos que contˆm informa¸˜o do sistema “as-is” e ca (estado atual!) Regulamentos, Relat´rios internos, Registos peri´dicos, o o Formul´rios, Manuais de procedimentos, . . . a Procurar elementos adicionados pelos utilizadores aos formul´rios (notas ` margem...) a a Procurar elementos n˜o utilizados; a Dar particular aten¸˜o aos documentos: ca Que descrevem a organiza¸˜o; ca Que descrevem os conte´dos funcionais dos v´rios cargos; u a Que relatam as atividades da organiza¸˜o; ca Que constituem material publicit´rio e promocional da a organiza¸˜o; ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 33/62
  • 81. Recolha de Requisitos Observa¸˜o ca Observa¸˜o dos processos a serem executados; ca Utilizadores/gestores n˜o se lembram com exatid˜o de tudo o a a que fazem; Valida a informa¸˜o recolhida com outros m´todos; ca e Ter em aten¸˜o que o comportamento das pessoas muda ca quando est˜o a ser observadas; a Tentar ser discreto; Identificar per´ ıodos mortos e picos; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 34/62
  • 82. Recolha de Requisitos Perspetivas Forma de estruturar requisitos, mostrando as perspetivas dos diferentes stakeholders; Nenhuma perspetiva ´ a correta; e Tipos de Perspetivas: Dos intervenientes ´ E a vis˜o segundo as pessoas ou outros sistemas que interagem a com o sistema; Do dom´ ınio Caracter´ ısticas e constrangimentos do dom´ ınio, que afetam os requisitos. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 35/62
  • 83. Recolha de Requisitos Cen´rios a Exemplos da vida real, de como o sistema interage e pode ser utilizado. Devem incluir: Descri¸˜o da situa¸˜o ca ca (quando esta situa¸˜o ocorre, quem lida com ela, etc.) ca Situa¸˜o de arranque ca (quais s˜o os pressupostos para que este cen´rio possa ocorrer) a a Fluxo normal dos eventos (quem d´ a informa¸˜o, quem a introduz, quais as a¸˜es a ca co despoletadas pelo sistema) Situa¸˜es de erro co (o que pode correr mal?) Final do cen´rio a (estado do sistema quando o caso real termina) Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 36/62
  • 84. Recolha de Requisitos Prototipagem Alguns utilizadores tˆm dificuldade em visualizar o sistema; e Pode ser util preparar prot´tipos de interfaces com o utilizador ´ o (mockups) que permitam discutir as funcionalidades desejadas; Em casos em que a perce¸˜o do processo de transforma¸˜o e ca ca prepara¸˜o de informa¸˜o seja dif´ poder´ fazer sentido ca ca ıcil, a implementar pequenos prot´tipos para simular as v´rias o a possibilidades dispon´ ıveis. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 37/62
  • 85. Parte IV Especifica¸˜o de Requisitos ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 38/62
  • 86. Especifica¸˜o de Requisitos ca Linguagem Natural Possivelmente a forma mais simples de especificar requisitos; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 39/62
  • 87. Especifica¸˜o de Requisitos ca Linguagem Natural Possivelmente a forma mais simples de especificar requisitos; Mas a forma menos fi´vel de especificar requisitos; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 39/62
  • 88. Especifica¸˜o de Requisitos ca Linguagem Natural Possivelmente a forma mais simples de especificar requisitos; Mas a forma menos fi´vel de especificar requisitos; a Problemas no uso da Linguagem Natural para especificar requisitos: Falta de clareza ´ ıcil E dif´ obter precis˜o sem tornar a leitura do documento a dif´ ıcil. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 39/62
  • 89. Especifica¸˜o de Requisitos ca Linguagem Natural Possivelmente a forma mais simples de especificar requisitos; Mas a forma menos fi´vel de especificar requisitos; a Problemas no uso da Linguagem Natural para especificar requisitos: Falta de clareza ´ ıcil E dif´ obter precis˜o sem tornar a leitura do documento a dif´ ıcil. Confus˜o de requisitos a Os requisitos funcionais e n˜o funcionais tendem a ser a misturados. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 39/62
  • 90. Especifica¸˜o de Requisitos ca Linguagem Natural Possivelmente a forma mais simples de especificar requisitos; Mas a forma menos fi´vel de especificar requisitos; a Problemas no uso da Linguagem Natural para especificar requisitos: Falta de clareza ´ ıcil E dif´ obter precis˜o sem tornar a leitura do documento a dif´ ıcil. Confus˜o de requisitos a Os requisitos funcionais e n˜o funcionais tendem a ser a misturados. Am´lgama de requisitos a V´rios requisitos diferentes s˜o muitas vezes expressos em a a conjunto, usando at´ a mesma frase. Isto dificulta a sua e correta identifica¸˜o. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 39/62
  • 91. Especifica¸˜o de Requisitos ca Exemplos de m´s especifica¸oes em LN a c˜ Requisito LIBSYS Deve fornecer um sistema de contabilidade financeira que mantenha os registos dos pagamentos realizados pelos utilizadores do sistema. Os gestores do sistema podem configura-lo de forma a que os utilizadores mais frequentes possam receber descontos. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 40/62
  • 92. Especifica¸˜o de Requisitos ca Exemplos de m´s especifica¸oes em LN a c˜ Requisito LIBSYS Deve fornecer um sistema de contabilidade financeira que mantenha os registos dos pagamentos realizados pelos utilizadores do sistema. Os gestores do sistema podem configura-lo de forma a que os utilizadores mais frequentes possam receber descontos. Problemas: descreve o conceito de sistema de contabilidade financeira a incluir no sistema de forma abstrata; contudo, inclui tamb´m entrada detalhada que n˜o ´ e a e necess´rio a este n´ a ıvel; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 40/62
  • 93. Especifica¸˜o de Requisitos ca Exemplos de m´s especifica¸oes em LN a c˜ Requisito editor de grelhas Para facilitar o posicionamento de entidades num diagrama, o utilizador pode configurar a grelha em cent´ımetros ou polegadas, atrav´s de uma op¸˜o no painel de controlo. Inicialmente, a grelha e ca est´ desativada. A grelha pode ser ativada ou desativada a a qualquer momento. Na vista “reduzir ` dimens˜o”, a grelha ter´ a a a menos linhas para n˜o saturar o diagrama de linhas. a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 41/62
  • 94. Especifica¸˜o de Requisitos ca Exemplos de m´s especifica¸oes em LN a c˜ Requisito editor de grelhas Para facilitar o posicionamento de entidades num diagrama, o utilizador pode configurar a grelha em cent´ımetros ou polegadas, atrav´s de uma op¸˜o no painel de controlo. Inicialmente, a grelha e ca est´ desativada. A grelha pode ser ativada ou desativada a a qualquer momento. Na vista “reduzir ` dimens˜o”, a grelha ter´ a a a menos linhas para n˜o saturar o diagrama de linhas. a Problemas: requisitos funcionais conceptuais (a necessidade da grelha); requisitos n˜o funcionais (as medidas da grelha); a requisitos n˜o funcionais de interface com o utilizador a (ativa¸˜o da grelha); ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 41/62
  • 95. Especifica¸˜o de Requisitos ca Alternativas ao uso da LN Linguagem Natural Estruturada Consiste em definir modelos para especificar os requisitos, usando estruturas fr´sicas r´ a ıgidas de f´cil interpreta¸˜o. a ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 42/62
  • 96. Especifica¸˜o de Requisitos ca Alternativas ao uso da LN Linguagem Natural Estruturada Consiste em definir modelos para especificar os requisitos, usando estruturas fr´sicas r´ a ıgidas de f´cil interpreta¸˜o. a ca Linguagem de Descri¸˜o de Projeto ca Recorrer a uma linguagem formal, do g´nero da usada em e programa¸˜o ou algoritmia, mas mais abstrata, para ca especificar os requisitos. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 42/62
  • 97. Especifica¸˜o de Requisitos ca Alternativas ao uso da LN Linguagem Natural Estruturada Consiste em definir modelos para especificar os requisitos, usando estruturas fr´sicas r´ a ıgidas de f´cil interpreta¸˜o. a ca Linguagem de Descri¸˜o de Projeto ca Recorrer a uma linguagem formal, do g´nero da usada em e programa¸˜o ou algoritmia, mas mais abstrata, para ca especificar os requisitos. Nota¸˜es Gr´ficas co a Descrever os requisitos funcionais numa linguagem gr´fica e a pseudo-formal (ex: SADT ou UML), complementada com anota¸˜es textuais. co Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 42/62
  • 98. Especifica¸˜o de Requisitos ca Alternativas ao uso da LN Linguagem Natural Estruturada Consiste em definir modelos para especificar os requisitos, usando estruturas fr´sicas r´ a ıgidas de f´cil interpreta¸˜o. a ca Linguagem de Descri¸˜o de Projeto ca Recorrer a uma linguagem formal, do g´nero da usada em e programa¸˜o ou algoritmia, mas mais abstrata, para ca especificar os requisitos. Nota¸˜es Gr´ficas co a Descrever os requisitos funcionais numa linguagem gr´fica e a pseudo-formal (ex: SADT ou UML), complementada com anota¸˜es textuais. co Nota¸˜es Matem´ticas co a Nota¸˜o formal, como por exemplo a teoria de conjuntos, para ca eliminar qualquer ambiguidade. Levantam problemas na dificuldade de compreens˜o para pessoas n˜o familiarizadas a a com as nota¸˜es usadas. co Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 42/62
  • 99. Especifica¸˜o de Requisitos ca Documento de Requisitos ´ E uma declara¸˜o oficial das funcionalidades do sistema, tendo ca como principal destinat´rio quem vai desenvolver o software; a Resulta dos requisitos acordados entre as partes; N˜o ´ um documento de projeto do sistema: deve descrever O a e que o sistema deve fazer, e n˜o como deve ser feito; a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 43/62
  • 100. Especifica¸˜o de Requisitos ca Documento de Requisitos Descreve os requisitos para os stakeholders: expresso em termos que eles os compreendam; compreens´ de diferentes pontos de vista; ıvel revistos pelos pr´prios stakeholders; o claro e n˜o amb´ a ıguo; Descreve os requisitos para quem vai desenvolver o software: t˜o preciso e espec´ a ıfico quanto poss´ ıvel; expresso em termos que eles compreendam; facilitador de integra¸˜o de novos membros na equipa; ca Regista requisitos para o futuro: essencial para a evolu¸˜o do sistema; ca Pode servir de documento contratual. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 44/62
  • 101. Especifica¸˜o de Requisitos ca Documento de Requisitos - standard IEEE/ANSI 830-1993 Introdu¸˜o ca Objetivos do documento ˆ Ambito do produto Defini¸˜o e abreviaturas ca Referˆncias e Descri¸˜o Geral ca Perspetivas e fun¸˜es do produto co Carater´ ısticas dos utilizadores Constrangimentos gerais Pressupostos e dependˆncias e Requisitos Apˆndices e Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 45/62
  • 102. Especifica¸˜o de Requisitos ca Prototipagem da Interface Esquematizar interfaces para as fun¸˜es principais do software; co Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 46/62
  • 103. Especifica¸˜o de Requisitos ca Prototipagem da Interface Esquematizar interfaces para as fun¸˜es principais do software; co Servem como mecanismo de recolha e negocia¸˜o de ca requisitos; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 46/62
  • 104. Especifica¸˜o de Requisitos ca Prototipagem da Interface Esquematizar interfaces para as fun¸˜es principais do software; co Servem como mecanismo de recolha e negocia¸˜o de ca requisitos; Servem tamb´m como especifica¸˜o dos requisitos: e ca apresentam um conjunto de informa¸˜o que deve estar ca dispon´ ıvel; apresentam um conjunto de bot˜es/menus que correspondem o a funcionalidades que devem ser implementadas; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 46/62
  • 105. Especifica¸˜o de Requisitos ca Prototipagem da Interface Esquematizar interfaces para as fun¸˜es principais do software; co Servem como mecanismo de recolha e negocia¸˜o de ca requisitos; Servem tamb´m como especifica¸˜o dos requisitos: e ca apresentam um conjunto de informa¸˜o que deve estar ca dispon´ ıvel; apresentam um conjunto de bot˜es/menus que correspondem o a funcionalidades que devem ser implementadas; Cuidados! usar uma ferramenta de desenho que n˜o se assemelhe a demasiado a um produto final; caso contr´rio, cliente poder´ ter impress˜o que o software a a a est´ pronto! a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 46/62
  • 106. Especifica¸˜o de Requisitos ca Prototipagem da Interface - Exemplo - + Adicionar Funcionário Nome : ... Morada : ... Telefone : ... Data de Nascimento March 2009 Sexo Masculino S M T W T F S Feminino 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Adicionar Cancelar Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 47/62
  • 107. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual ca Embora a linguagem natural seja amb´ ıgua, ´ imprescind´ e ıvel uma descri¸˜o textual dos requisitos; ca Complementa os prot´tipos de interface ou os diagramas o UML; Devem ser descritos de forma organizada, e estruturada, usando linguagem clara; Evitar o uso de g´ inform´tica; ıria a Devem ser descritos usando a forma ativa dos verbos (presente, n˜o passado). a Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 48/62
  • 108. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual - Exemplo ca 3. Edi¸˜o de diagramas. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 49/62
  • 109. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual - Exemplo ca 3. Edi¸˜o de diagramas. ca 3.5 Adicionar um nodo num diagrama. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 49/62
  • 110. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual - Exemplo ca 3. Edi¸˜o de diagramas. ca 3.5 Adicionar um nodo num diagrama. 3.5.1 O editor deve permitir que o utilizador adicione nodos de determinado tipo ao seu diagrama. Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 49/62
  • 111. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual - Exemplo ca 3. Edi¸˜o de diagramas. ca 3.5 Adicionar um nodo num diagrama. 3.5.1 O editor deve permitir que o utilizador adicione nodos de determinado tipo ao seu diagrama. 3.5.2 A sequˆncia de a¸˜es para adicionar um nodo deve ser: e co O utilizador seleciona o tipo de nodo a ser adicionado. O utilizador move o cursor para uma posi¸˜o aproximada para ca o nodo, no diagrama, indicando que o s´ ımbolo deve ser adicionado nesse ponto. O utilizador posteriormente deve arraste o s´ımbolo para a sua posi¸˜o final. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 49/62
  • 112. Especifica¸˜o de Requisitos ca Especifica¸˜o Textual - Exemplo ca 3. Edi¸˜o de diagramas. ca 3.5 Adicionar um nodo num diagrama. 3.5.1 O editor deve permitir que o utilizador adicione nodos de determinado tipo ao seu diagrama. 3.5.2 A sequˆncia de a¸˜es para adicionar um nodo deve ser: e co O utilizador seleciona o tipo de nodo a ser adicionado. O utilizador move o cursor para uma posi¸˜o aproximada para ca o nodo, no diagrama, indicando que o s´ ımbolo deve ser adicionado nesse ponto. O utilizador posteriormente deve arraste o s´ımbolo para a sua posi¸˜o final. ca 3.5.3 An´lise L´gica: O utilizador ´ a melhor pessoa para decidir onde a o e colocar um nodo no diagrama. Esta abordagem d´ controlo direto a sobre a sele¸˜o e posicionamento dos nodos. ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 49/62
  • 113. Especifica¸˜o de Requisitos ca Diagramas A especifica¸˜o textual dever´ ser complementada com ca a diagramas; Existem diferentes nota¸˜es: co Diagramas de Fluxo de Dados; Diagramas de Caso de Uso (UML); Diagramas de Atividade (UML); Diagramas de Sequˆncia (UML); e ... Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 50/62
  • 114. Parte V Diagramas de Caso de Uso Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 51/62
  • 115. Diagramas de Caso de Uso Atores Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 52/62
  • 116. Diagramas de Caso de Uso Ator Representado por um stick-man, acompanhado de um nome; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 53/62
  • 117. Diagramas de Caso de Uso Ator Representado por um stick-man, acompanhado de um nome; O nome do ator dever´ ser f´cil de compreender a a pelo cliente e pela equipa de desenvolvimento; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 53/62
  • 118. Diagramas de Caso de Uso Ator Representado por um stick-man, acompanhado de um nome; O nome do ator dever´ ser f´cil de compreender a a pelo cliente e pela equipa de desenvolvimento; Nem todos os seres humanos que interagem com o sistema s˜o atores (alguns fazem parte do a pr´prio sistema); o Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 53/62
  • 119. Diagramas de Caso de Uso Ator Representado por um stick-man, acompanhado de um nome; O nome do ator dever´ ser f´cil de compreender a a pelo cliente e pela equipa de desenvolvimento; Nem todos os seres humanos que interagem com o sistema s˜o atores (alguns fazem parte do a pr´prio sistema); o Nem todos os atores s˜o seres humanos (por a exemplo, outros sistemas que interagem com o sistema a ser desenvolvido); Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 53/62
  • 120. Diagramas de Caso de Uso Ator Representado por um stick-man, acompanhado de um nome; O nome do ator dever´ ser f´cil de compreender a a pelo cliente e pela equipa de desenvolvimento; Nem todos os seres humanos que interagem com o sistema s˜o atores (alguns fazem parte do a pr´prio sistema); o Nem todos os atores s˜o seres humanos (por a exemplo, outros sistemas que interagem com o sistema a ser desenvolvido); Por exemplo, o pr´prio rel´gio do sistema pode o o ser visto como um ator, que despoleta a¸˜es a co determinadas horas; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 53/62
  • 121. Diagramas de Caso de Uso Generaliza¸˜o de Atores ca Alguns atores s˜o capazes de realizar a todas as opera¸˜es que outros atores; co Por exemplo, ´ t´ e ıpico que um administrador possa realizar todas as opera¸˜es de um utilizador normal (e co outras espec´ ıficas); O chefe de caixa num supermercado tipicamente tamb´m ´ caixa: para e e al´m de fazer o que um caixa faz, tem e capacidade de realizar outras opera¸˜es; co Nestes casos, usa-se uma seta de generaliza¸˜o (com um triˆngulo como ca a ponta), que parte do ator mais gen´rico, e em dire¸˜o ao ator mais espec´ ca ıfico; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 54/62
  • 122. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso Um caso de uso, ou uma tarefa, ´ representado e dentro de uma oval; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 55/62
  • 123. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso Um caso de uso, ou uma tarefa, ´ representado e dentro de uma oval; Pode ser t˜o simples como permitir que o a utilizador realize login; Pode ser t˜o complicado como executar uma a transa¸˜o distribu´ por v´rias bases de dados ca ıda a globais; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 55/62
  • 124. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso Um caso de uso, ou uma tarefa, ´ representado e dentro de uma oval; Pode ser t˜o simples como permitir que o a utilizador realize login; Pode ser t˜o complicado como executar uma a transa¸˜o distribu´ por v´rias bases de dados ca ıda a globais; ´ E uma intera¸˜o completa, que inclui a ca introdu¸˜o de dados no sistema (ou pelo menos ca o pedido de determinada funcionalidade), e o retorno por parte do sistema; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 55/62
  • 125. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso Um caso de uso, ou uma tarefa, ´ representado e dentro de uma oval; Pode ser t˜o simples como permitir que o a utilizador realize login; Pode ser t˜o complicado como executar uma a transa¸˜o distribu´ por v´rias bases de dados ca ıda a globais; ´ E uma intera¸˜o completa, que inclui a ca introdu¸˜o de dados no sistema (ou pelo menos ca o pedido de determinada funcionalidade), e o retorno por parte do sistema; Um caso de uso ´ qualquer coisa que providencia um e resultado mensur´vel para o utilizador ou um sistema a externo Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 55/62
  • 126. Diagramas de Caso de Uso Linhas de Comunica¸˜o ca Relacionam os atores com os casos de uso com que interagem; Tipicamente os diagramas n˜o a representam a ordem pela qual esta intera¸˜o ´ feita; ca e Uma linha de comunica¸˜o significa ca apenas que o ator est´ envolvido a em determinado uso do sistema; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 56/62
  • 127. Diagramas de Caso de Uso Limites do Sistema Embora exista uma separa¸˜o ca impl´ıcita entre atores e casos de uso, ´ habitual colocar estes e ultimos numa caixa; ´ Habitualmente nesta caixa ´e inscrito o nome do sistema; Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 57/62
  • 128. Diagramas de Caso de Uso Descri¸˜o dos Casos de Uso ca Cada caso de uso dever´ ser acompanhado de uma descri¸˜o a ca detalhada do processo (como a defini¸˜o de um requisito). ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 58/62
  • 129. Diagramas de Caso de Uso Descri¸˜o dos Casos de Uso ca Cada caso de uso dever´ ser acompanhado de uma descri¸˜o a ca detalhada do processo (como a defini¸˜o de um requisito). ca Caso de uso: criar novo utilizador no blog Objetivo: um utilizador solicitou ao administrador um utilizador no blog Condi¸˜o de Sucesso: ca um novo utilizador ´ criado para o autor e Condi¸˜o de Falha: ca ´ rejeitada a requisi¸˜o de novo utilizador e ca Principal Ator: administrador Atores Secund´rios: a BD de credenciais Processo: 1. O administrador escolhe a op¸˜o de criar novo utilizador; ca 2. O administrador escolhe o tipo de utilizador; 3. O administrador preenche formul´rio com dados do utilizador; a 4. Os detalhes do utilizador s˜o verificados na BD de credenciais; a 5. O utilizador do blog ´ criado; e 6. S˜o enviados os detalhes do utilizador por e-mail para o utilizador; a Extens˜es: o 4.1. A BD de credenciais n˜o verifica os detalhes do utilizador; a 4.2. A requisi¸˜o de novo utilizador ´ rejeitada; ca e Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 58/62
  • 130. Diagramas de Caso de Uso Rela¸˜es entre Casos de Uso co Considere-se o seguinte cen´rio: a N˜o h´ rela¸˜o entre os dois casos de uso? a a ca Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 59/62
  • 131. Diagramas de Caso de Uso Rela¸˜es entre Casos de Uso co Considere-se o seguinte cen´rio: a N˜o h´ rela¸˜o entre os dois casos de uso? a a ca Os casos de uso podem partilhar opera¸˜es; co Por exemplo, para criar um utilizador no blog, ou um wiki pessoal, ser´ necess´rio validar a identidade do utilizador; a a Podemos colocar essa opera¸˜o em evidˆncia. ca e Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 59/62
  • 132. Diagramas de Caso de Uso Rela¸˜es entre Casos de Uso co Alberto Sim˜es o Engenharia de Requisitos 60/62