SlideShare uma empresa Scribd logo
Desenvolvimento de aplicações por VLC
(Visible Light Communication)
Dra. Renata Marè
Lattes: http://lattes.cnpq.br/4095237743382926
Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo Cugnasca
Lattes: http://lattes.cnpq.br/6040855194699192
Dr. Osvaldo Gogliano Sobrinho
Lattes: http://lattes.cnpq.br/5505726849972982
Engenharia de Computação
Escola Politécnica da USP
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONTEXTUALIZAÇÃO
• Pesquisa de doutorado
intitulada:
• Proposta e Avaliação de um
Sistema Complementar de
Posicionamento
Baseado em Comunicação
por Luz Visível Aplicado a
Sistemas Inteligentes de
Transporte
LED
VLC
ITS
GPS
IoT
Mobile
O
P
O
R
T
U
N
I
D
A
D
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• OBJETIVO
• Propor e avaliar a viabilidade de um sistema de comunicação por luz visível entre
luminárias públicas a LED e os ônibus que trafegam em faixas exclusivas, capaz de
transmitir informações posicionais em locais onde não haja a recepção das mesmas
pelo GPS, provendo subsídios essenciais aos gestores, responsáveis pelo
dimensionamento e gestão da frota.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONCEITOS: LED
• LED X Demais tecnologias de iluminação:
• Modulação da luz;
• Alto fluxo luminoso;
• Maior vida útil;
• Capacidade de dimerização;
• Não emite radiação ultravioleta ou infravermelha;
• Não contém mercúrio;
• Baixo consumo de energia...
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONCEITOS: VISIBLE LIGHT COMMUNICATION
• Transmissão de dados a partir da modulação de LEDs.
• O LED pode ser comutado em alta velocidade (em poucos nanosegundos), de modo
a gerar na saída um sinal detectável por um dispositivo ótico, mas não pelo olho
humano.
• Desta forma, pode-se utilizar este recurso para a transmissão de dados, inclusive
em altas velocidades (superiores a 1 Gb/s), sem causar dano ou desconforto ao ser
humano.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONCEITOS:
• Intelligent Transport
Systems (ITS)
• TICs aplicadas à
infraestrutura e aos
veículos, integrando todos
os atores envolvidos,
visando a proporcionar
maior segurança e fluidez
ao tráfego.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• VLC em ITS
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• GPS EM ITS
• Prejudicado quando não há visada a satélites (túneis, terminais e garagens
cobertas), canyons urbanos e multicaminhamento de sinais.
• Alternativa complementar: VLC
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: APLICAÇÃO PROPOSTA
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• GPS em ITS
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: CONDIÇÕES DE CONTORNO
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONDIÇÕES DE CONTORNO
• Velocidade máxima = 60 km/h
• Altura do poste = 10 m
• Distância entre postes = 30 m
• Potência da luminária = 150 W
• Demais parâmetros = segundo normas pertinentes
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: PROTÓTIPO
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• Teste de Desempenho (CIAM-IPT)
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: SIMULAÇÃO
Computacional:
• MatLab 2016b e Simulink
• Bibliografia: estudos realizados
com VLC ao ar livre
FERRAMENTAS
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: SIMULAÇÃO
• As simulações efetuadas buscaram a modelagem do canal ótico, a avaliação da
taxa de erro de bits (BER), cálculo da relação sinal/ruído (SNR).
• Isso permitiu determinar-se o tamanho do pacote de dados que pode ser
transmitido, e assim, avaliar-se a viabilidade da proposta.
• Considerou-se como a somatória dos ruídos aos quais o sistema proposto está
sujeito o modelo Additive White Gaussian Noise (AWGN), com distribuição
considerada Gaussiana ou Normal.
• Criou-se uma interface gráfica mais amigável utilizando-se o Graphical User
Interface (GUI) do próprio MATLab.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• MATERIAIS E MÉTODOS: ATIVIDADES COMPLEMENTARES
• Atividades complementares:
–Medições de intensidade luminosa (diurnas e noturnas) em túneis (onde
circulam ônibus) e terminais da capital paulista.
• Túneis:
–José Roberto Fanganiello Melhem, Daher Cutait (ou 9 de Julho) e Anhangabaú.
• Terminais:
–Pinheiros, Lapa e Barra Funda.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Efetividade da comunicação
Túneis:
•O sistema seria factível (exceto no Fanganiello), desde que a
distância máxima entre Tx e Rx fosse de 2,90 m (0,40 m do
laboratório).
•Intensidade dos ruídos de fundo menor que a medida no laboratório.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Efetividade da comunicação
Terminais:
•O sistema não seria factível (exceto no Lapa, à noite).
•Intensidade dos ruídos de fundo maior que a medida no laboratório,
especialmente onde há cobertura mista.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Taxas de Erro de Transmissão (BER)
Possíveis causas 1:
BER sofre influências do alinhamento e distância entre Tx e Rx, além das
suas características.
Sugestão: aplicar-se lentes em Tx e/ou Rx de modo a alterar-se o campo
de visão entre eles (FOV).
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Taxas de Erro de Transmissão (BER)
Possíveis causas 2:
• O receptor pode ter enviado sinais numa faixa intermediária que o
microcontrolador do Raspberry Pi2 não conseguiu definir como 0 ou 1,
provocando erros e aumentando o valor de BER.
• Utilização do módulo Raspberry Pi 2 não se mostrou satisfatória para essa
aplicação: operou muito próximo ao seu limite de desempenho, comprometendo
algumas leituras.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Tamanho do Pacotes de Dados x Velocidade do Bólido
Latitude: -23.533773;
Longitude: -46.625290
De acordo com o padrão IEEE 754 para representação de números binários com ponto
flutuante, obter-se-ia como representação:
11000001101111000100010100101011
11000010001110101000000001001100
Portanto, seriam necessários 32 bits ou 4 bytes por coordenada, totalizando 8 bytes (8 B).
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO
Tamanho do Pacotes de Dados x Velocidade do Bólido
Na modulação camada PHY I, modulação OOK, codificação Manchester, na pior
condição pode-se atingir uma taxa de transmissão de 11,67 kb/s (IEEE 802.15.7).
Para ônibus a 60 km/h, com janela de comunicação de 1,26 s, poderiam ser
transmitidos 14,7 kb ou 1,83 kB, volume bastante superior ao necessário, 8 B.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
As simulações englobaram os aspectos:
–Modelagem do canal de comunicação
–Avaliação da taxa de erros de transmissão (BER)
–Avaliação da relação sinal/ruído (SNR)
–Avaliação do tamanho do pacote de dados em função da velocidade do
bólido.
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Modelagem do Canal
–Modelo de canal adotado: visada direta, ou Line of Sight (LoS)
–Luminária (Tx): modelo de emissão de Lambert (literatura)
–Distribuição da irradiância recebida ao longo de uma faixa exclusiva para
ônibus, ao nível do piso, sendo:
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Modelagem do Canal
–Largura da faixa: 3,5 m
–Comprimento do trecho: 90,0 m (3 luminárias consecutivas)
–Semi-ângulo de meia-potência, Φ1/2 = 38,7°
–Luminárias: 3
–Distância entre luminárias: 30,0 m
–Altura da luminária: 10,0 m
–Fluxo luminoso: 13.841 lm
Diferencial da PesquisaILUMINÂNCIA AO LONGO DA VIA (LX)
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Taxa de Erros de Transmissão (BER)
–Pelo Simulink: diagrama de blocos para representar a intensidade de luz
transmitida pela luminária Maestra 150, já modulada segundo a
codificação Manchester.
+
Gera 0 e 1
aleatórios
(simula os dados
transmitidos)
Gera onda quadrada com frequência = dobro da dos sinais
Codificação
Manchester
Osciloscópio
(visualização dos 3
sinais)
Transforma valores inteiros em double
(valores reais)
+
33
Dados
originais
Clock
Sinal modulado
(Manchester)
SINAIS GERADOS PELO
MÓDULO LUMINÁRIA
+
34
Módulo
Luminária
Canal de transmissão sujeito a ruído
Recuperação do sinal
Compara sinais de entrada e saída
(calcula o BER)
Taxa de erros medida; Número
de erros encontrado; Total de
amostras analisadas
+
Idealmenteidênticos(moduladoerecuperado) SINAIS DO MÓDULO DE SIMULAÇÃO
Sinal Recuperado
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Avaliação da Relação Sinal/Ruído (SNR)
–Objetivo maior: verificar a viabilidade ou não do sistema proposto, ou seja,
BER <= 10-6.
–Realizaram-se 8 simulações (bloco principal), variando-se o SNR no bloco
AWGN.
–Em cada uma, geradas 100.000 amostras de sinal X BER.
+
37
Diferencial da Pesquisa
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Avaliação do tamanho do pacote de dados X velocidade do ônibus
–Desenvolveu-se um script Matlab para o cálculo de SNR em um plano paralelo ao
piso (3,0 m acima deste - teto de um ônibus - altura do receptor).
–O valor de SNR varia à medida que o receptor se aproxima da fonte luminosa:
valor máximo com alinhamento perfeito entre Tx e Rx, decrescendo à medida que
ocorre o afastamento entre eles.
Diferencial da PesquisaVARIAÇÃO DE SNR AO LONGO DO PLANO
À ALTURA DO TETO DO ÔNIBUS (RECEPTOR)
+
Diferencial da Pesquisa
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO
Da Projeção dos Valores de SNR:
–Observa-se que para 41,8 db - BER 10-6, o ônibus estaria a cerca de 20 m da
luminária (antes e depois), ou seja, numa faixa de cerca de 40 m seria possível
transmitirem-se os dados necessários.
–Considerando-se o ônibus a 60 km/h e com a pior taxa de transmissão segundo a
norma (11,67 kb/s) - a pior situação - o tempo para percorrer este trecho seria de
2,4 s e ter-se-ia um total 3,5 kB, mais que suficiente para a transmissão dos
dados posicionais (8 B).
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONCLUSÕES
PROTÓTIPO
✓Viabilidade do sistema proposto em túneis, dmáx = 2,90 m (Tx-Rx), mas não nos
terminais avaliados.
✓BER: taxas superiores a 10-6 mas sem criticidade.
✓Pacotes de dados maiores que os necessários.
✓Resultados gerais indicam viabilidade do sistema proposto
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• CONCLUSÕES
SIMULAÇÕES
✓A 60 km/h, o ônibus conseguiria receber dados de uma luminária por um trecho
de cerca de 40 m de comprimento, mesmo sob a pior taxa de transmissão
apontada pela norma IEEE.802.15.7, 11,67 kb/s.
✓O pacote de dados transmitido seria de cerca 1,83 kB, amplamente superior ao
payload de 8 bytes (8 B).
✓Resultados gerais indicam viabilidade do sistema proposto
Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
• AGRADECIMENTOS
✓À OPENCADD pela cessão das licenças do Matlab 6B e Simulink.
✓Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológio – CNPQ pela
bolsa concedida.
OBRIGADO!
Dra. Renata Marè – renatamare@gmail.com
Dr. Osvaldo Gogliano Sobrinho – ogogli@gmail.com
Escola Politécnica Universidade de São Paulo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível

Protocolos ethernet
Protocolos ethernetProtocolos ethernet
Protocolos ethernet
redesinforma
 
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
Mariana Hiyori
 
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPONFIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
WELLINGTON MARTINS
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
redesinforma
 
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade IntegradoraEvolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
danimateus
 
MagalhaesEduardoCavalcanti_D
MagalhaesEduardoCavalcanti_DMagalhaesEduardoCavalcanti_D
MagalhaesEduardoCavalcanti_D
Eduardo Magalhães
 
TV Digital interativa - Projeto TeouVi
TV Digital interativa - Projeto TeouViTV Digital interativa - Projeto TeouVi
TV Digital interativa - Projeto TeouVi
Lucas Augusto Carvalho
 
Redes Veiculares - Anderson Chaves
Redes Veiculares  - Anderson ChavesRedes Veiculares  - Anderson Chaves
Redes Veiculares - Anderson Chaves
Anderson Chaves
 
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
Aline Diniz
 

Semelhante a Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível (9)

Protocolos ethernet
Protocolos ethernetProtocolos ethernet
Protocolos ethernet
 
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
R&c 01 14_1 - A Internet e Conceitos Basicos (Parte 1)
 
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPONFIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
 
Redes4
Redes4Redes4
Redes4
 
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade IntegradoraEvolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
Evolução das Redes Sem Fios e Respectivo Impacto Actividade Integradora
 
MagalhaesEduardoCavalcanti_D
MagalhaesEduardoCavalcanti_DMagalhaesEduardoCavalcanti_D
MagalhaesEduardoCavalcanti_D
 
TV Digital interativa - Projeto TeouVi
TV Digital interativa - Projeto TeouViTV Digital interativa - Projeto TeouVi
TV Digital interativa - Projeto TeouVi
 
Redes Veiculares - Anderson Chaves
Redes Veiculares  - Anderson ChavesRedes Veiculares  - Anderson Chaves
Redes Veiculares - Anderson Chaves
 
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
Implantação do serviço de iptv em uma rede acadêmica um estudo de caso na fac...
 

Mais de Opencadd Advanced Technology

Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionadoOpenday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero GeradoresOpenday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de RequisitosOpenday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Opencadd Advanced Technology
 
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro RomãoINOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo LopesINOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
Opencadd Advanced Technology
 
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender RochaINOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
Opencadd Advanced Technology
 
Apresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson ChiariniApresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson Chiarini
Opencadd Advanced Technology
 
Apresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo MaiaApresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo Maia
Opencadd Advanced Technology
 
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana TarabalIndústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Opencadd Advanced Technology
 
Licenciamento math works
Licenciamento math worksLicenciamento math works
Licenciamento math works
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLABWebinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLAB
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017bWebinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017b
Opencadd Advanced Technology
 
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
Opencadd Advanced Technology
 
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Opencadd Advanced Technology
 
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Opencadd Advanced Technology
 
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizarUtilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Opencadd Advanced Technology
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
Opencadd Advanced Technology
 
Webinar SDR
Webinar SDRWebinar SDR

Mais de Opencadd Advanced Technology (20)

Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionadoOpenday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
Openday PUC-RIO - Indústria 4.0 e aplicação no segmento de ar condicionado
 
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
Openday PUC-RIO - Determinação da Trajetória ótima em pistas de corrida com r...
 
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero GeradoresOpenday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
Openday PUC-RIO - Detecção de Operação Anormal em Aero Geradores
 
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de RequisitosOpenday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
Openday PUC-RIO - Engenharia de Requisitos
 
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
Openday PUC-RIO - Ferramenta gráfica para modelagem e análise em Engenharia E...
 
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro RomãoINOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
INOVADEF - Apresentação Brigadeiro Romão
 
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo LopesINOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
INOVADEF - Apresentação Marcelo Lopes
 
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender RochaINOVADEF - Apresentação Sender Rocha
INOVADEF - Apresentação Sender Rocha
 
Apresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson ChiariniApresentação Allyson Chiarini
Apresentação Allyson Chiarini
 
Apresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo MaiaApresentação Osvaldo Maia
Apresentação Osvaldo Maia
 
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana TarabalIndústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
Indústria 4.0 - Vantagens e Impactos para a sociedade. Fabiana Tarabal
 
Licenciamento math works
Licenciamento math worksLicenciamento math works
Licenciamento math works
 
Webinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLABWebinar Classificação Images com MATLAB
Webinar Classificação Images com MATLAB
 
Webinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017bWebinar Novidades da Release R2017b
Webinar Novidades da Release R2017b
 
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
Desenvolvimento de software autônomo para determinação e controle de órbita e...
 
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
Simulação e desenvolvimento de algoritmos de tempo real usando Matlab/Simulin...
 
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
Breve histórico da engenharia de sistemas no Brasil e as Iniciativas atuais d...
 
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizarUtilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
Utilização da Engenharia de Requisitos: Onde, quando e como utilizar
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
 
Webinar SDR
Webinar SDRWebinar SDR
Webinar SDR
 

Último

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 

Último (11)

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 

Openday PUC-RIO - Transmissão de dados pela luz visível

  • 1.
  • 2. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication)
  • 3. Dra. Renata Marè Lattes: http://lattes.cnpq.br/4095237743382926 Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo Cugnasca Lattes: http://lattes.cnpq.br/6040855194699192 Dr. Osvaldo Gogliano Sobrinho Lattes: http://lattes.cnpq.br/5505726849972982 Engenharia de Computação Escola Politécnica da USP
  • 4. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONTEXTUALIZAÇÃO • Pesquisa de doutorado intitulada: • Proposta e Avaliação de um Sistema Complementar de Posicionamento Baseado em Comunicação por Luz Visível Aplicado a Sistemas Inteligentes de Transporte LED VLC ITS GPS IoT Mobile O P O R T U N I D A D
  • 5. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • OBJETIVO • Propor e avaliar a viabilidade de um sistema de comunicação por luz visível entre luminárias públicas a LED e os ônibus que trafegam em faixas exclusivas, capaz de transmitir informações posicionais em locais onde não haja a recepção das mesmas pelo GPS, provendo subsídios essenciais aos gestores, responsáveis pelo dimensionamento e gestão da frota.
  • 6. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONCEITOS: LED • LED X Demais tecnologias de iluminação: • Modulação da luz; • Alto fluxo luminoso; • Maior vida útil; • Capacidade de dimerização; • Não emite radiação ultravioleta ou infravermelha; • Não contém mercúrio; • Baixo consumo de energia...
  • 7. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONCEITOS: VISIBLE LIGHT COMMUNICATION • Transmissão de dados a partir da modulação de LEDs. • O LED pode ser comutado em alta velocidade (em poucos nanosegundos), de modo a gerar na saída um sinal detectável por um dispositivo ótico, mas não pelo olho humano. • Desta forma, pode-se utilizar este recurso para a transmissão de dados, inclusive em altas velocidades (superiores a 1 Gb/s), sem causar dano ou desconforto ao ser humano.
  • 8. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONCEITOS: • Intelligent Transport Systems (ITS) • TICs aplicadas à infraestrutura e aos veículos, integrando todos os atores envolvidos, visando a proporcionar maior segurança e fluidez ao tráfego.
  • 9. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • VLC em ITS
  • 10. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • GPS EM ITS • Prejudicado quando não há visada a satélites (túneis, terminais e garagens cobertas), canyons urbanos e multicaminhamento de sinais. • Alternativa complementar: VLC
  • 11. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: APLICAÇÃO PROPOSTA
  • 12. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • GPS em ITS
  • 13. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: CONDIÇÕES DE CONTORNO
  • 14. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONDIÇÕES DE CONTORNO • Velocidade máxima = 60 km/h • Altura do poste = 10 m • Distância entre postes = 30 m • Potência da luminária = 150 W • Demais parâmetros = segundo normas pertinentes
  • 15. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: PROTÓTIPO
  • 16. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • Teste de Desempenho (CIAM-IPT)
  • 17.
  • 18. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: SIMULAÇÃO Computacional: • MatLab 2016b e Simulink • Bibliografia: estudos realizados com VLC ao ar livre FERRAMENTAS
  • 19. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: SIMULAÇÃO • As simulações efetuadas buscaram a modelagem do canal ótico, a avaliação da taxa de erro de bits (BER), cálculo da relação sinal/ruído (SNR). • Isso permitiu determinar-se o tamanho do pacote de dados que pode ser transmitido, e assim, avaliar-se a viabilidade da proposta. • Considerou-se como a somatória dos ruídos aos quais o sistema proposto está sujeito o modelo Additive White Gaussian Noise (AWGN), com distribuição considerada Gaussiana ou Normal. • Criou-se uma interface gráfica mais amigável utilizando-se o Graphical User Interface (GUI) do próprio MATLab.
  • 20. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • MATERIAIS E MÉTODOS: ATIVIDADES COMPLEMENTARES • Atividades complementares: –Medições de intensidade luminosa (diurnas e noturnas) em túneis (onde circulam ônibus) e terminais da capital paulista. • Túneis: –José Roberto Fanganiello Melhem, Daher Cutait (ou 9 de Julho) e Anhangabaú. • Terminais: –Pinheiros, Lapa e Barra Funda.
  • 21. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Efetividade da comunicação Túneis: •O sistema seria factível (exceto no Fanganiello), desde que a distância máxima entre Tx e Rx fosse de 2,90 m (0,40 m do laboratório). •Intensidade dos ruídos de fundo menor que a medida no laboratório.
  • 22. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Efetividade da comunicação Terminais: •O sistema não seria factível (exceto no Lapa, à noite). •Intensidade dos ruídos de fundo maior que a medida no laboratório, especialmente onde há cobertura mista.
  • 23. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Taxas de Erro de Transmissão (BER) Possíveis causas 1: BER sofre influências do alinhamento e distância entre Tx e Rx, além das suas características. Sugestão: aplicar-se lentes em Tx e/ou Rx de modo a alterar-se o campo de visão entre eles (FOV).
  • 24. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Taxas de Erro de Transmissão (BER) Possíveis causas 2: • O receptor pode ter enviado sinais numa faixa intermediária que o microcontrolador do Raspberry Pi2 não conseguiu definir como 0 ou 1, provocando erros e aumentando o valor de BER. • Utilização do módulo Raspberry Pi 2 não se mostrou satisfatória para essa aplicação: operou muito próximo ao seu limite de desempenho, comprometendo algumas leituras.
  • 25. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Tamanho do Pacotes de Dados x Velocidade do Bólido Latitude: -23.533773; Longitude: -46.625290 De acordo com o padrão IEEE 754 para representação de números binários com ponto flutuante, obter-se-ia como representação: 11000001101111000100010100101011 11000010001110101000000001001100 Portanto, seriam necessários 32 bits ou 4 bytes por coordenada, totalizando 8 bytes (8 B).
  • 26. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: PROTÓTIPO Tamanho do Pacotes de Dados x Velocidade do Bólido Na modulação camada PHY I, modulação OOK, codificação Manchester, na pior condição pode-se atingir uma taxa de transmissão de 11,67 kb/s (IEEE 802.15.7). Para ônibus a 60 km/h, com janela de comunicação de 1,26 s, poderiam ser transmitidos 14,7 kb ou 1,83 kB, volume bastante superior ao necessário, 8 B.
  • 27. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO As simulações englobaram os aspectos: –Modelagem do canal de comunicação –Avaliação da taxa de erros de transmissão (BER) –Avaliação da relação sinal/ruído (SNR) –Avaliação do tamanho do pacote de dados em função da velocidade do bólido.
  • 28. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Modelagem do Canal –Modelo de canal adotado: visada direta, ou Line of Sight (LoS) –Luminária (Tx): modelo de emissão de Lambert (literatura) –Distribuição da irradiância recebida ao longo de uma faixa exclusiva para ônibus, ao nível do piso, sendo:
  • 29. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Modelagem do Canal –Largura da faixa: 3,5 m –Comprimento do trecho: 90,0 m (3 luminárias consecutivas) –Semi-ângulo de meia-potência, Φ1/2 = 38,7° –Luminárias: 3 –Distância entre luminárias: 30,0 m –Altura da luminária: 10,0 m –Fluxo luminoso: 13.841 lm
  • 30. Diferencial da PesquisaILUMINÂNCIA AO LONGO DA VIA (LX)
  • 31. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Taxa de Erros de Transmissão (BER) –Pelo Simulink: diagrama de blocos para representar a intensidade de luz transmitida pela luminária Maestra 150, já modulada segundo a codificação Manchester.
  • 32. + Gera 0 e 1 aleatórios (simula os dados transmitidos) Gera onda quadrada com frequência = dobro da dos sinais Codificação Manchester Osciloscópio (visualização dos 3 sinais) Transforma valores inteiros em double (valores reais)
  • 34. + 34 Módulo Luminária Canal de transmissão sujeito a ruído Recuperação do sinal Compara sinais de entrada e saída (calcula o BER) Taxa de erros medida; Número de erros encontrado; Total de amostras analisadas
  • 35. + Idealmenteidênticos(moduladoerecuperado) SINAIS DO MÓDULO DE SIMULAÇÃO Sinal Recuperado
  • 36. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Avaliação da Relação Sinal/Ruído (SNR) –Objetivo maior: verificar a viabilidade ou não do sistema proposto, ou seja, BER <= 10-6. –Realizaram-se 8 simulações (bloco principal), variando-se o SNR no bloco AWGN. –Em cada uma, geradas 100.000 amostras de sinal X BER.
  • 38. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Avaliação do tamanho do pacote de dados X velocidade do ônibus –Desenvolveu-se um script Matlab para o cálculo de SNR em um plano paralelo ao piso (3,0 m acima deste - teto de um ônibus - altura do receptor). –O valor de SNR varia à medida que o receptor se aproxima da fonte luminosa: valor máximo com alinhamento perfeito entre Tx e Rx, decrescendo à medida que ocorre o afastamento entre eles.
  • 39. Diferencial da PesquisaVARIAÇÃO DE SNR AO LONGO DO PLANO À ALTURA DO TETO DO ÔNIBUS (RECEPTOR)
  • 41. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • RESULTADOS E DISCUSSÕES: SIMULAÇÃO Da Projeção dos Valores de SNR: –Observa-se que para 41,8 db - BER 10-6, o ônibus estaria a cerca de 20 m da luminária (antes e depois), ou seja, numa faixa de cerca de 40 m seria possível transmitirem-se os dados necessários. –Considerando-se o ônibus a 60 km/h e com a pior taxa de transmissão segundo a norma (11,67 kb/s) - a pior situação - o tempo para percorrer este trecho seria de 2,4 s e ter-se-ia um total 3,5 kB, mais que suficiente para a transmissão dos dados posicionais (8 B).
  • 42. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONCLUSÕES PROTÓTIPO ✓Viabilidade do sistema proposto em túneis, dmáx = 2,90 m (Tx-Rx), mas não nos terminais avaliados. ✓BER: taxas superiores a 10-6 mas sem criticidade. ✓Pacotes de dados maiores que os necessários. ✓Resultados gerais indicam viabilidade do sistema proposto
  • 43. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • CONCLUSÕES SIMULAÇÕES ✓A 60 km/h, o ônibus conseguiria receber dados de uma luminária por um trecho de cerca de 40 m de comprimento, mesmo sob a pior taxa de transmissão apontada pela norma IEEE.802.15.7, 11,67 kb/s. ✓O pacote de dados transmitido seria de cerca 1,83 kB, amplamente superior ao payload de 8 bytes (8 B). ✓Resultados gerais indicam viabilidade do sistema proposto
  • 44. Desenvolvimento de aplicações por VLC (Visible Light Communication) • AGRADECIMENTOS ✓À OPENCADD pela cessão das licenças do Matlab 6B e Simulink. ✓Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológio – CNPQ pela bolsa concedida.
  • 45. OBRIGADO! Dra. Renata Marè – renatamare@gmail.com Dr. Osvaldo Gogliano Sobrinho – ogogli@gmail.com Escola Politécnica Universidade de São Paulo