SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde
Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais
AURIA DORIA DA SILVA FERREIRA
USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA
Rio de Janeiro
2012
AURIA DORIA DA SILVA FERREIRA
USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA
Monografia apresentada ao Núcleo de
Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES)
e ao Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e
Pesquisas Computacionais (INCE) da
Universidade Federal do Rio de Janeiro, como
parte dos requisitos necessários à conclusão
do curso de especialização em Mídias na
Educação.
Orientador:
Prof. Fábio Ferrentini Sampaio, Ph. D.
Rio de Janeiro
2012
FOLHA DE APROVAÇÃO
Dedicatória
Ao meu querido esposo, parceiro
e amigo de todas as horas (in memoria)
AGRADECIMENTOS
A Deus, pela luz.
À minha querida Candy, pela presença constante ao meu lado e no meu coração.
Ao meu amigo Lucio, que me socorreu nos momentos de “falhas tecnológicas”.
À minha querida Selma, pela compreensão e paciência.
À minha nora-filha Glau, pelo exemplo de dedicação e perseverança.
Às amigas Leila e Auberisse que me incentivaram a prosseguir.
Aos meus filhos queridos, Ian, Lydia, Claudia e André.
Aos meus tutores e aos meus colegas que me enriqueceram com suas ideias.
Ao amado Mestre e Orientador, Fábio Ferrentini.
RESUMO
FERREIRA, Auria Doria da Silva. USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA.
Rio de Janeiro, 2012. Monografia (Especialização em Mídias na Educação) - Núcleo
de Tecnologia Educacional para a Saúde e Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e
Pesquisas Computacionais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
2012.
Este trabalho traduz uma proposta de uso da ferramenta wiki aplicada à
Educação. Mostra o quanto o wiki pode enriquecer o processo ensino-aprendizagem
no ambiente escolar. A pesquisa realizada aponta a ferramenta como uma estratégia
válida e valiosa a ser usada pela escola, tanto na elaboração democrática do seu
projeto político pedagógico como também nas ações pedagógicas desenvolvidas
pelos professores nos projetos educacionais. Há de se destacar a importância do
wiki que, quando adequadamente utilizado, torna-se um elemento fundamental nas
produções colaborativas dentro da sala de aula, dentro da escola e além da escola.
Palavras – chave: wiki, educação, aprendizagem.
SUMÁRIO
1- Introdução ......................................................................................... 8
1.1 – Objetivos .................................................................................. 9
1.2 – Relevância ................................................................................ 10
2 - Referencial Teórico ........................................................................ 11
2.1 – Vygotsky, Piaget, Freire e a Aprendizagem .......................... 11
3 – Ciberespaço e Educação .............................................................. 16
3.1 – Internet e Web 2.0 ................................................................... 16
3.2 - Wiki e a Aprendizagem ........................................................... 20
3.3 – Como usar Wiki na Escola .................................................... 23
4- Metodologia da Pesquisa ............................................................ 26
5 - Exemplos de Uso de Wiki na Educação ...................................... 27
5.1- Na Construção do PPP ............................................................ 27
5.2- Na Elaboração de um Projeto de Aula ................................... 29
5.3- Como Criar e Trabalhar Wikis ................................................. 29
6 – Considerações Finais .................................................................. 31
Referências .................................................................................... 33
8
1 INTRODUÇÃO
Observando o cotidiano da escola pode-se facilmente detectar que o
desinteresse dos alunos, na maior parte das vezes, se dá pela falta de entusiasmo
do professor, por suas práticas desatualizadas e pela atitude de descaso comum
aos adolescentes quando não estão sendo desafiados a fazer algo diferente.
Percebe-se também na sala dos professores que, quando a conversa é orientada
para as ações pedagógicas e projetos com uso das tecnologias , há certo desânimo,
pelas dificuldades no lidar com as mídias, pela falta de apoio da equipe de um modo
geral.
A participação do gestor e de todo o corpo docente é um fator que pode
conduzir ao sucesso os projetos educacionais. No entanto, o gestor tem tantas
tarefas burocráticas (prestação de contas, controle de despesas. aquisição de
material escolar, escolha dos gêneros a serem comprados para a merenda,
atividades de secretaria, atendimento aos pais, aos fornecedores, às autoridades, à
comunidade em geral, etc.) que pouco tempo resta para as ações pedagógicas, a
solidificação das relações da escola com as famílias, com os profissionais da equipe,
e marcar presença nos momentos de planejamento, entre outras atividades.
Diante de tudo isso, temos alunos entediados, indisciplinados, irrequietos.
Minha atenção se detém no agente principal deste contexto - o aluno. O que ele
espera da escola ou o que a escola deve lhe oferecer?
Vivemos um mundo em que o trabalho coletivo é muito mais importante do
que o individual. Precisamos aprender a viver, mas principalmente a conviver. E,
para tal, nada melhor do que atuarmos em equipe. Isso não quer dizer concordar
sempre com o outro. Isto significa ouvir o outro, avaliar suas ideias, ratificá-las ou
retificá-las para que se chegue a um denominador comum. O que realmente vale é
quando, cada um mantém as suas características, mas todos são capazes de olhar
e caminhar na mesma direção.
A escola deve ter como objetivo a formação de cidadãos críticos e
conscientes dos benefícios e implicações das descobertas científicas e tecnológicas.
Na busca desse objetivo, emergem diferentes concepções do que nela se deve
ensinar e sobre a maneira de como ensinar. Quais as atitudes e procedimentos
9
educacionais que a escola pode assumir para tornar seus alunos capazes de
desconstruir, reconstruir e construir seu conhecimento? (FREIRE, 1988)
Por que não usar, nas aulas, a tecnologia que os alunos tanto gostam e usam
no seu dia-a-dia? Por que não desenvolver atividades colaborativas, com o objetivo
de formar cidadãos participativos, críticos, atualizados, antenados com o mundo?
(LUCK, 2001)
Numa classe, por exemplo, em que notadamente não existe o senso de
cooperação e é difícil desenvolver trabalhos em grupo porque a maioria não sabe
expressar suas idéias e ouvir as opiniões do outro ou não conseguem distribuir
tarefas segundo a aptidão e o gosto de cada um, uma atividade colaborativa seria o
ponto de partida para uma experiência real do bom conviver. Se viver é difícil,
conviver é mais difícil ainda. A bem da verdade, conviver é uma arte que demanda
uma série de valores que precisam ser assimilados: o respeito pelo outro; a
solidariedade; o saber ouvir; o saber calar; o saber falar; o espirito de
cooperativismo; a busca pelo senso comum; a valorização do bem de todos
prevalecendo sobre o bem individual. (IORIO, 2006)
A proposta, portanto aponta para a viabilização de um novo modo de ensinar,
com a utilização de uma ferramenta da web que tem tudo a ver com a situação
observada – a Wiki.
1.1 OBJETIVOS
Esse estudo visa mostrar a importância do domínio da ferramenta wiki por
parte de todo o corpo docente para bem usufruir da sua extensa potencialidade
pedagógica. Para alcançá-lo, é preciso analisar detalhadamente o uso educacional
da ferramenta. O que é wiki? A resposta conduzirá o leitor, não apenas à explicação
técnica do termo, mas à historicidade do conceito a partir de autores como Adell
(2005) e Bottentuit Junior & Coutinho (2007).
No capítulo 3, ao definir wiki, informo também sobre sua funcionalidade.
Como funciona uma wiki, especificamente, no contexto escolar. Para explorar com
eficiência o potencial pedagógico da ferramenta wiki tem-se que apropriar das suas
peculiaridades, conhecer sua aplicabilidade nas produções colaborativas, analisar os
10
exemplos do seu uso pedagógico por docentes e discentes, destacando suas
vantagens sobre suas desvantagens. Enfim, coloca-se a “mão na massa”, criando
wikis e fazendo delas um recurso didático interessante e proveitoso na construção
do conhecimento e na melhoria da qualidade da educação.
1.2 RELEVÂNCIA
É importante que se proceda a uma investigação sobre a aplicação da wiki
em educação, de modo a destacar sua importância como recurso didático, como
ferramenta de apoio ao processo ensino-aprendizagem, disponibilizando com esse
detalhamento, um novo elemento visando o enriquecimento das práticas
pedagógicas na escola.
11
2. REFERENCIAL TEÓRICO
2.1 VYGOTSKY, PIAGET, FREIRE E A APRENDIZAGEM
Antes de trilhar novos caminhos, é importante rever e refletir sobre os
conceitos de aprendizagem baseados em estudiosos como Vygotsky, Piaget e Paulo
Freire que muito contribuíram para esclarecer como e quando a aprendizagem se
desenvolve na criança e no individuo, de um modo geral. O embasamento se faz
necessário a fim de ser evitada a repetição de erros do passado.
Fundamental é conceituar corretamente a aprendizagem, para estabelecer, a
seguir, os recursos e estratégias com vistas a se alcançar a aprendizagem
colaborativa, objeto desta proposta.
Vygotsky (2001) estabeleceu princípios indicadores de que, o homem é um
ser que se forma numa relação dialética com a sociedade, isto é, o homem modifica
o ambiente e o ambiente modifica o homem.
Segundo ele, ao nascerem, as crianças iniciam suas interações com os
adultos. O desenvolvimento é um processo que engloba a maturação do organismo,
as interações com a cultura e as relações sociais. Esse conjunto de fatores propicia
a aprendizagem (VYGOTSKY, 1984), que se constitui num fator de
desenvolvimento.
Para Vygotsky, “na ausência do outro, o homem não se constrói”. Todo
aprendizado tem de ser mediado, o que aponta para a grande importância do papel
do ensino e do professor. A intervenção pedagógica é fundamental para
aprendizagem e esta vai expandir o universo mental dos alunos. Cada novo
conteúdo amplia cada vez mais as estruturas cognitivas da criança. Nos estudos de
Vygotsky, as trocas interpessoais são elementos fundamentais para o
desenvolvimento dos indivíduos, afirmando que o homem é produto e produtor do
seu meio.
“A colaboração entre pares, ajuda a desenvolver estratégias e habilidades
gerais de solução de problemas pelo processo cognitivo implícito na interação e na
comunicação”. O trabalho em cooperação com o outro, auxilia na zona de
12
desenvolvimento proximal, que é “algo coletivo”, uma vez que transcende os limites
dos indivíduos. (VYGOTSKY, 1987)
Assim, a aprendizagem acontece pelo compartilhamento de idéias e saberes,
entre pessoas de diferentes níveis de conhecimento, pela necessidade de externar
seus pensamentos e entender o ponto de vista do outro, mediante a interação com
ele.
“À medida que se propicia um ambiente coletivo de socioconstrução, o
conhecimento é elaborado em dois momentos: primeiro em nível
interpessoal, com a ajuda do outro, e em um segundo momento, em nível
intrapessoal, quando ocorre a apropriação do conhecimento pelo individuo”.
(VYGOTSKY, 1987, p.17)
Com as interações professor – alunos e alunos – alunos, a construção do
conhecimento passa a ser um processo social. (VYGOTSKY, 1987)
A assimilação é uma integração a estruturas prévias e a acomodação é a
modificação da assimilação sob a influencia de situações exteriores, isto é, do meio
(PIAGET, 1996)
A educação direcionada para a liberdade e para a autonomia contribui para a
tomada de consciência dos educandos. Esta tomada de consciência consiste em
sucessivas reconstruções que possibilitam a transformação da ação em conceito e
implica a apreensão dos mecanismos da própria ação, extrapolando a compreensão
dos objetivos e resultados de uma ação. (PIAGET, 1977)
A teoria do conhecimento de Piaget (1978) está centrada no desenvolvimento
da criança. Segundo ele, o pensamento passa por estágios, desde o nascimento até
a adolescência, quando o individuo atinge sua capacidade plena de raciocínio.
"A grande contribuição de Piaget (1995) foi estudar o raciocínio lógico-
matemático, que não pode ser ensinado e depende de uma estrutura de conhecimen
to da criança”. É impossível fazer uma criança aprender algo que ela seja incapaz de
absorver. Há também que se levar em conta os interesses da criança, pois que ela
vai focar suas ações naquilo que lhe é necessário em termos cognitivos. Daí a
importância da contextualização dos conteúdos didáticos. A Educação deve primar,
não pela transmissão de conteúdos, mas pelo favorecimento da atividade mental do
educando.
13
Para Piaget, a aprendizagem diz respeito à apropriação de uma resposta a
um questionamento iminente, enquanto que o desenvolvimento é a aprendizagem
de fato, que modifica o comportamento do individuo e é responsável pela formação
do conhecimento.
Segundo a teoria construtivista, as estruturas são construídas gradualmente e
vão se diferenciando por acomodação e por assimilação. Piaget (1978) afirma que o
mecanismo de construção e internalização dos conceitos se dá de forma não linear
e assume características próprias em cada indivíduo.
Para Piaget (apud BECKER, 1992) o aluno é um sujeito cultural ativo cuja
ação tem dupla dimensão: assimiladora e acomodadora. Pela dimensão
assimiladora ele produz transformações no mundo objetivo, enquanto pela dimensão
acomodadora produz transformações em si mesmo, no mundo subjetivo.
Assimilação e acomodação constituem as duas faces, complementares entre si, de
todas as suas ações.
Paulo Freire (1987) afirma que, a educação é um processo de transformação
do individuo e da sua realidade e toda a ação educativa deve problematizar as
questões culturais sociais desta realidade.
Freire (1988) destaca a importância do conteúdo afirmando: Não há, nunca
houve e nem pode haver educação sem conteúdo (...). O ato de ensinar e de
aprender, dimensões do processo maior – o de conhecer – fazem parte da natureza
da prática educativa. Não há educação sem ensino sistemático ou não, de um certo
conteúdo. Mas, ressalta “ser fundamental refletir sobre quem escolhe os conteúdos
e com que interesses, qual o papel dos atores na organização programática dos
conteúdos: professores, comunidade local, organizações sociais, entre outros.”
(FREIRE, 1988a).
Paulo Freire (1987) aponta a conscientização do aluno, como o principal
objetivo da Educação e a “leitura do mundo” como o objetivo primeiro do processo
ensino-aprendizagem.
Ele propunha práticas de desenvolvimento da criticidade a serem aplicadas
em sala de aula. Defendia uma educação capaz de inquietar os alunos ao invés de
acomodá-los.
“Ninguém ensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem
sozinhas. Os homens se educam entre si mediados pelo mundo” (FREIRE, 1987).
14
O professor deve agir como mediador do conhecimento. Deve conduzir seus
alunos a apropriação dos conteúdos, mas sempre ressaltando que estes são
verdades relativas.
No conjunto do pensamento de Paulo Freire (1997) a ideia é de que tudo está
em permanente transformação e interação. Dizia ele numa de suas famosas frases:
"o mundo não é, o mundo está sendo".
"A possibilidade de admirar o mundo implica em estar não apenas nele,
mas com ele; consiste em estar aberto ao mundo, captá-lo e compreendê-
lo; é atuar de acordo com suas finalidades a fim de transformá-lo: é
responder a desafios. As respostas do homem aos desafios do mundo,
através das quais vai modificando esse mundo, impregnando-o com o seu
'espírito', mais do que um puro fazer, são quefazeres que contém
inseparavelmente ação e reflexão". (FREIRE, 1967, p. 23)
"Uma das grandes inovações da pedagogia freireana é considerar que o
sujeito da criação cultural não é individual, mas coletivo", diz José Eustáquio Romão,
diretor do Instituto Paulo Freire, em São Paulo.
O diálogo é a base do método de Freire. O diálogo é uma relação de
comunicação de intercomunicação, que gera a crítica e a problematização; e o seu
conteúdo é o conteúdo programático da educação.
"Se o mundo é o mundo das consciências intersubjetivas, sua elaboração
forçosamente há de ser colaboração. (Fiori in: Freire, 1987).
O educando se torna realmente educando quando e na medida em que
conhece, ou vai conhecendo os conteúdos, os objetos cognoscíveis, e não, na
medida em que o educador vai depositando a descrição dos objetos ou dos
conteúdos. (FREIRE, 1988b)
Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa idéias,
pensa a existência. Ë também educador: existencia seu pensamento numa
pedagogia em que o esforço totalizador da práxis humana busca, na interioridade
desta, retotalizar-se como “prática da liberdade”. (FIORI in: FREIRE, 2005)
“É preciso que o educando vá assumindo o papel de sujeito da produção,
reconhecendo-se como arquiteto de sua própria prática cognoscitiva”, ou seja, “o
ensino de conteúdos demanda que o aprendiz, vá assumindo a autoria também do
conhecimento do objeto” (FREIRE, 1997).
15
As ideias de Paulo Freire apontam para uma educação transformadora,
libertadora, que considera a escola como um espaço de mudanças onde educador e
educando se constituem em agentes transformadores e cuja base de construção do
conhecimento repousa no diálogo.
Para o pensador bielo-russo Lev Vygotsky (1896-1934), como para Piaget, o
aprendizado se dá por interação entre estruturas internas e contextos externos.
Segundo Vygotsky o aprendizado depende fundamentalmente da influência
ativa do meio social. Para Piaget, o meio social atua como uma “interferência” na
construção do conhecimento.
Aprendizagem é entendida por Freire e Piaget, como resultado de uma
relação ativa entre sujeito e objeto, ou entre sujeitos, entre teoria e prática, relação
esta, que visa transformar a realidade. (BECKER, 1997)
Conhecendo as obras e as contribuições das teorias de Vygotsky, Piaget e
Paulo Freire para a prática pedagógica, o professor pode compreender melhor a
dinâmica dos processos de aprendizagem, percebendo a importância do trabalho
colaborativo e pode então desenvolver um trabalho educacional muito mais eficiente.
16
3. CIBERESPAÇO E EDUCAÇÃO
3.1 INTERNET E WEB 2.0
A Internet oferece ferramentas que permitem a produção, a construção e o
compartilhamento do conhecimento entre os alunos e entre o aluno e o professor.
Para Ferreira Junior et al.(2005) as expectativas em relação à Internet é a
possibilidade de usá-la para ampliar e reformular as tarefas escolares.
Numa sociedade dinâmica, formar cidadãos implica acompanhar os avanços
tecnológicos e usá-los como recurso e ferramenta pedagógica no âmbito da escola,
uma vez que para o cidadão comum tais ferramentas já estão incluídas no seu dia a
dia. A escola e a educação em geral não podem ficar defasadas da realidade do
aluno. Se isso acontece vem o desinteresse, a indisciplina, o descaso dos alunos
para com a escola e professores. Torna-se praticamente impossível desenvolver o
processo ensino-aprendizagem num ambiente em descompasso com o mundo.
Percebe-se que a tecnologia interfere nas nossas relações com a sociedade,
modificando nossos hábitos culturais. Consequentemente alteram nossa maneira de
ver e de ler o mundo, isto é, nossa cognição. (SANTAELLA, 2004)
A possibilidade de acesso, produção e disponibilidade de informações
acabam por se refletir sobre a função da Educação. Perrenoud (2000) alerta o
professor da era digital para a necessidade de “mudar de paradigma e concentrar-se
na criação, na gestão e na regulação de situações de aprendizagem”, pois o aluno
tem ao seu alcance uma gama infinita de informações na web e cabe à escola e ao
professor ajudá-lo na seleção critica e na organização dessas informações.
Até meados do séc. XX, o ensino era rígido porque assim interessava à
sociedade industrial. Hoje, a atuação em equipe se faz necessária para a resolução
dos problemas. A cooperação e a colaboração se tornam fundamentais à
sobrevivência da sociedade. Houve a valorização da criatividade e da imaginação
predominantes no exercício do trabalho intelectual.
17
As Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) trouxeram o chamado
ciberespaço. É neste espaço que estão as conexões dos computadores e dos
dispositivos móveis, onde surge “novas formas de interação dos coletivos,
produzindo fenômenos caracterizados como cibercultura e inteligência coletiva”.
(LÉVY, 1999)
A colaboração docente on-line permite a criação de comunidades virtuais.
Estes ambientes facilitam a transferência do conhecimento entre alunos e docentes,
através de atividades síncronas e assíncronas. As ferramentas de uma equipe na
rede podem criar aulas virtuais em diferentes localizações geográficas, com
vantagens sobre os procedimentos tradicionais. (AVILA et al., 2011)
“Os princípios construtivistas fornecem um conjunto de diretrizes a fim de
auxiliar projetistas e professores na criação de meios ambientes colaboracionistas
direcionados ao ensino, que apoiem experiências autênticas, atraentes e reflexivas”.
(JONASSEN, 1996).
O aluno aprende de acordo com o contexto no qual se insere. A interação
com os elementos deste contexto reforça a aprendizagem e modifica o próprio
contexto, processo que se repete em ciclos.
A aprendizagem significativa permite a aplicação do construtivismo e do
sociointeracionismo. É uma aprendizagem pela construção de significados a serem
diretamente aplicados nas situações ou transpostos para resolver situações
inusitadas.
As produções colaborativas são fundamentais na educação porque interferem
positivamente no cotidiano dos indivíduos (PRETTO, 2008).
Através de ambientes virtuais podem ser criadas situações instigantes de
interação, oportunizando ao aluno a aplicação de conceitos propostos em sala de
aula, como também trocas com outros colegas de qualquer parte do Brasil ou do
mundo, ampliando o contexto original.
A aprendizagem significativa implica na construção do conhecimento pelo
aluno, que atribui sentido próprio aos conteúdos, transpondo informações oriundas
de fontes diversas. (CAMPOS et al, 2003).
Segundo Jonassen (1996) as características que definem a aprendizagem
significativa com base no construtivismo são:
a) ativa – implica na manipulação de objetos e a experimentação, a partir de
situações relevantes;
18
b) construtiva – construção dos significados a partir de conhecimentos
anteriores;
c) reflexiva – reflexão e análise de suas próprias experiências;
d) colaborativa – participação de grupos e aplicação de habilidades individuais
em objetivos compartilhados;
e) intencional – pessoas direcionadas a objetivos pré-estabelecidos;
f) complexa – considerar a complexidade dos problemas do mundo;
g) contextual – aprendizagem dentro de um contexto significativo para o
aluno;
h) coloquial – busca de soluções com troca de ideias e de opiniões com os
outros.
A partir da década de 90, a World Wide Web, também conhecida como Web e
WWW, sofre uma expansão, permitindo que a educação explore as possibilidades
de cooperação e colaboração oferecidas pela Internet.
A evolução dos computadores e das linguagens de programação faz surgir a
chamada Web 2.0. O termo Web 2.0 foi criado por Tim O’Reilly em 2005 e explicado
num documento: “What is Web 2.0 ?”
“A Web 2.0 é a segunda geração de serviços online e caracteriza-se por
potencializar as formas de publicação, compartilhamento e organização de
informações, além de ampliar os espaços para a interação entre os
participantes do processo”. (PRIMO, 2007, p.1-21).
Professores e alunos podem e devem aproveitar as possibilidades de
comunicação e de colaboração e também a gama infinita de informações que a web
oferece. A integração das ferramentas da web2 aplicadas nas aulas pode promover
o envolvimento dos alunos no processo ensino-aprendizagem com excelentes
resultados. Apesar de a tecnologia ter chegado a muitas escolas através da
implantação dos Laboratórios de Informática em Educação (LIE) , é necessário que
os professores abracem a ideia e se capacitem para usufruir plenamente dos
equipamentos e aplicativos disponibilizados
A Web 2.0 pode melhorar a qualidade da educação, permitindo que os alunos
se tornem agentes produtores do seu próprio conhecimento, envolvendo-os no
processo de ensino e aprendizagem e favorecendo o compartilhamento dos
19
saberes. “É de grande importância preparar as gerações para esta nova forma de
vida, onde todos são consumidores e produtores e onde as capacidades de
pesquisar e de avaliar a qualidade da informação são críticas” (CARVALHO, 2006;
CARVALHO et al, 2005).
Monereo (2005) reconhece que a Internet se tornou uma extensão cognitiva e
um meio de socialização de grande alcance, particularmente, para os jovens. Ele
identifica quatro competências sociocognitivas que podem e devem ser
rentabilizadas na Internet: aprender a procurar a informação; aprender a comunicar;
aprender a colaborar; e aprender a participar na sociedade.
Segundo Carvalho (2007), devemos dar particular ênfase ao uso da Internet e
dos seus serviços como meio para aprender, individual e colaborativamente, não só
através de pesquisa livre ou estruturada, mas também como meio para apresentar e
partilhar o trabalho realizado com os colegas de turma e com outros interessados.
São características da Web 2.0 que representam pontos positivos para o
processo ensino-aprendizagem (SIEMENS, 2004).
• simplicidade no uso;
• compartilhamento de informações fácil e rápido;
• facilidade em receber, transformar e publicar informações;
• atualização das informações de forma ágil;
• edição / participação do usuário, que se torna ativo, participativo,
atuando sobre o que vê e consome na web;
• possibilidade democrática de exercer sua liberdade de opinar;
• disponibilidade no uso de ferramentas de colaboração e cooperação,
tanto para alunos como para professores.
Para Graells (2007) a web 2.0 permite buscar, criar, compartilhar e interagir
on-line, e as implicações na educação são as seguintes:
• é um espaço social horizontal e rico em informações, com a presença
de redes sociais nas quais o conhecimento não está fechado;
• alunos e professores são orientados a desenvolver um trabalho
autônomo e colaborativo, crítico e criativo, para a expressão pessoal, para a
investigação e o compartilhamento de recursos capazes de construir o
conhecimento;
20
• suas fontes de informação e canais de comunicação facilitam a
aprendizagem autônoma, com mais participação nas atividades em grupo, o que
aumenta a motivação do aluno;
• professores e alunos podem elaborar materiais de forma individual ou
em grupo , compartilhá-los e submetê-los às criticas e comentários;
• disponibilidade de espaços para armazenamento, classificação e
publicação de textos, sons e imagens para acesso de outras pessoas;
• realização de avaliação das atividades e criação de redes de
aprendizagem;
• possibilidade de desenvolvimento e aperfeiçoamento de habilidades e
competências digitais;
• possibilidade da criação de ambientes para desenvolver redes de
escolas e de professores para refletir e compartilhar temas e recursos educacionais.
3.2 WIKI E APRENDIZAGEM
A tecnologia, para promover uma aprendizagem real e eficaz, precisa priorizar
as características destacadas por Jonassen (1996) no item anterior e a ferramenta
Wiki quando bem utilizada, pode atender ao conjunto dessas características .
O termo wiki significa “muito rápido” no idioma dos nativos do Hawai. A
expressão wiki ou WikiWiki é utilizada designando um tipo de coleção de
documentos ou páginas em hipertexto. Também pode dar nome ao software
colaborativo usado para criar wikis. Este software permite que sejam editadas
coletivamente paginas, usando um sistema de não revisão dos conteúdos antes da
sua publicação. Suas principais características são a facilidade de acesso e de
edição; a conservação do histórico das alterações sofridas pelo conteúdo original e a
possibilidade das edições serem restritas a usuários cadastrados e do visitante fazer
comentários sobre o conteúdo que está sendo construído.
A Wiki foi inventada em 1995 por Ward Cunningham que teve a ideia de criar
21
uma página Web que generalizasse a edição aberta e colaborativa. O primeiro
software que elaborou deu início ao que se viria a chamar de Wiki Wiki Web. Vários
espaços Wikis estão disponíveis gratuitamente na Internet (MOURA 2006).
De um modo geral, uma Wiki é um Website para o trabalho coletivo de um
grupo de autores. Sua estrutura lógica é similar a de um blog mas possui a
funcionalidade de permitir que qualquer visitante possa modificar, agregar ou
suprimir o conteúdo de suas páginas, mesmo que não sejam de sua autoria,
gerando um ambiente colaborativo. (COUTINHO & JÚNIOR, 2007) O exemplo
clássico de wiki é a Wikipédia.
Do ponto de vista educacional, dentre as várias ferramentas de comunicação
fornecidas pela Web 2.0, a wiki se destaca pelo seu potencial pedagógico. Seu valor
é imenso pela possibilidade de trabalho em equipe, de comunicação, de
compartilhamento de conhecimentos, informações, opiniões, ideias entre amigos,
família, colegas de trabalho e de estudo.
Por ser uma ferramenta da web, possui muitas das suas características que
didaticamente se concretizam em vantagens, tais como: é fácil e rápido acesso;
permite comunicação sem intermediários; facilita as inovações; quebra barreiras
geográficas e hierárquicas; desenvolve a colaboração entre os usuários; é simples,
pois não exige conhecimento de linguagens de computador; e traz em si uma
característica importante que é a transparência.
As páginas das wikis são criadas e alteradas numa linguagem bastante
simples. As wikis podem ser abertas ao público com ou sem registro obrigatório,
com ou sem limitação de acesso às alterações e publicação, segundo o interesse
do grupo. A possibilidade de retornar às versões anteriores e identificar os autores
das mudanças é muito útil ao professor no acompanhamento das atividades
colaborativas realizadas pelos alunos. Permite ainda uma interação entre os seus
participantes, desenvolvendo o espirito crítico e enriquecendo a todos com as trocas
de informações e de conhecimentos.
Suas páginas são dinâmicas e podem ser editadas, acrescentando-se ou
eliminando-se páginas ou ainda modificando os conteúdos publicados por outras
pessoas. Um histórico das wikis mantém as suas versões modificadas, permitindo
que se retorne a elas sempre que desejar. Uma das formas mais usuais das wikis é
designada por wikis interclasses. Consiste na criação de um repositório de
conhecimento colaborativo, desenvolvido por estudantes que pertencem a
22
determinada turma ou que cursam determinada disciplina. (SANTAMARIA e
ABRAIRA, 2006)
A atividade colaborativa ensejada pela wiki intensifica a comunicação
bidirecional onde todos são agentes produtores do conhecimento.
De acordo com Maçada e Tijiboy (1998), três são os elementos básicos
indispensáveis num ambiente colaborativo on-line:
1- postura cooperativa - com atitudes de interação; objetivos em comum;
colaboração; consciência social; reflexão; construção de consciência coletiva;
tolerância às diferenças; ações coordenadas; responsabilidade individual e coletiva;
2- estrutura do ambiente – conjunto de ferramentas que sirvam de apoio
ao trabalho cooperativo;
3- funcionamento heterárquico com formas para viabilizar o consenso,
priorizando a autonomia na tomada de decisões; a reorganização de acordo com a
necessidade do grupo; a organização dinâmica e legitimada pelo grupo; a avaliação
continuada.
A wiki é uma ferramenta de cooperação e colaboração on-line, por excelência,
que visa a construção coletiva como produto final e que contempla a aprendizagem
significativa e colaborativa.
A ferramenta wiki apresenta um diferencial – o autogerenciamento do
ambiente, permitindo que o produto final seja formado pelo equilíbrio das interações
que acontecem durante a sua construção.
A colaboração implica numa ajuda mútua entre indivíduos e a cooperação
compreende, além da colaboração, a tolerância com ideias e pontos de vista
diferentes e que exigem respeito e negociação para se chegar a um denominador
comum.
A aprendizagem cooperativa é “uma técnica ou proposta pedagógica na
qual estudantes ajudam-se no processo de aprendizagem atuando como
parceiros entre si e com o professor, com o objetivo de adquirir
conhecimento sobre um dado objeto.” A cooperação como apoio ao
processo ensino-aprendizagem se traduz em participação ativa e interação
tanto dos alunos como do professor. (CAMPOS et al., 2003, p.25)
23
3.3 COMO USAR WIKI NA ESCOLA
A wiki pode ser utilizada em projetos nos quais, grupos de alunos
desenvolvem atividades coletivas em torno de um tema comum. Pode ser uma
homepage da disciplina, um hipertexto, etc.
Segundo Luck (2001) “não existe autonomia quando não existe
responsabilidade”. Por isso, considera-se o uso da Wiki na escola, como uma
maneira de se desenvolver nos alunos, a responsabilidade, a autonomia e a
solidariedade.
Na escola, a Wiki pode ser utilizada para a criação coletiva de documentos,
incentivando a colaboração e a cooperação entre os alunos, entre os professores e
entre alunos e professores.
O uso das wikis oportuniza a colaboração descentralizada, isto é, a interação
se dá, mesmo com os usuários separados geograficamente, de forma síncrona e
assíncrona. Uma das grandes vantagens da wiki é facultar a mudança do foco das
atividades, do ensino para a aprendizagem, permitindo que os alunos registrem o
seu desenvolvimento cognitivo.
Entretanto para alcançar os objetivos da educação, cabe ao professor realizar
estratégias pedagógicas que favoreçam o desenvolvimento de projetos e de
atividades em ambientes colaborativos incentivando o compartilhamento de
conhecimentos e de informações.
O trabalho, segundo Tapscott e Williams (2007) “tornou-se cognitivamente
mais complexo, mais baseado em equipes, mais colaborativo, mais dependente de
habilidades sociais, mais pressionado pelo tempo, mais baseado em competição
tecnológica, mais móvel e menos dependente da geografia.”.
Desse modo, compartilhar conhecimentos num trabalho colaborativo torna-se
mais e mais necessário. Cabe à escola e aos professores mediar o trabalho escolar
com novas ferramentas colaborativas, dentre elas a wiki, ferramenta colaborativa de
alta eficácia e que “torna o individuo cognoscente em intérprete-autor” (TAPSCOTT
e WILLIAMS, 2007).
24
Segundo Mayfield (apud Tapscott e Wiiliams, 2007), “as wikis incitam as
equipes a se engajarem em um estado constante de criação”.
A produção colaborativa na wiki fortalece o plano individual, com a aquisição
de conhecimento e o plano coletivo pelo aumento do poder de colaboração, sendo
entendida como um processo de empowerment (FRIEDMAN, 1992; PINTO, 1998)
Assim, a escola precisa introduzir responsavelmente as tecnologias nas
práticas educacionais cotidianas. A aprendizagem na escola com base na wiki torna-
se um processo contínuo de inovação e aprimoramento. ...”no final nada é um
estado definitivo”, diz Mayfield (apud TAPSCOTT e WILLIAMS, 2007).
No uso pedagógico das wikis alguns fatores importantes devem ser
considerados, tais como o planejamento com definição clara e concisa dos objetivos
e metas do trabalho colaborativo – os alunos precisam conhecer a finalidade da wiki
(COLE e FOSTER, 2007); o compartilhamento das atividades wikis com os alunos
proporciona sucesso na solução de problemas no produto final, mas há que se
delimitar e orientar a atividade por um período de tempo definido. Também são mais
aconselháveis os problemas abertos de múltiplas soluções. As wikis também se
mostram bastante eficientes nas práticas criativas, na elaboração de coleções de
páginas de autoria coletiva, na construção de hipertextos.
A possibilidade de alteração, com inclusão ou exclusão de conteúdos,
possibilita corrigir erros, complementar ideias, atualizar dados e inserir novas
informações. Suas páginas tornam-se um espaço cada vez de maior importância
que oferece o compartilhamento de ideias e liberdade de expressão. (MOURA,
2006), enriquecendo o trabalho colaborativo.
Com a possibilidade de qualquer pessoa pode editar páginas em uma wiki,
admite-se que o trabalho fica exposto para pessoas inescrupulosas, mas segundo
Moura (2006) é raro o “vandalismo wiki”. Isto talvez se deva ao fato de que todos os
seus usuários também fiscalizam as produções e edições.
Alguns professores já integraram tecnologias da informação e da
comunicação ao seu cotidiano profissional, aplicando-as na preparação de suas
aulas ou no seu acompanhamento. (MOURA, 2006; COUTINHO & JÚNIOR, 2007) a
simplicidade e a facilidade do uso de wikis as tornam uma ferramenta útil para os
professores porque são orientados para o trabalho coletivo, estimulando as trocas
de experiências entre os alunos e desenvolvendo a capacidade de trabalhar em
grupo.
25
Com as wikis, os alunos tem oportunidade de aprender com os colegas e a
consultar o material por eles produzido. Além disso, quando sabem que vão
disponibilizar informação online, há maior satisfação e empenho porque outros
colegas irão ver o que eles realizaram, criticar e opinar sobre a informação editada.
Desse modo, os alunos passam a ser produtores na Web (EÇA, 1998), contribuindo
para a “massa oceânica”, a que se refere Levy (2001).
Segundo Moran (1997) “O fato de ver seu nome na Internet e a possibilidade
de divulgar os seus trabalhos e pesquisas, exerce uma forte motivação nos alunos,
os estimula a participar mais em todas as outras atividades”.
... “a possibilidade de divulgar páginas pessoais e grupais na Internet gera
uma grande motivação, visibilidade, responsabilidade para professores e alunos.
Todos se esforçam por escrever bem, por comunicar melhor suas idéias, para serem
bem aceitos, para não ‘fazer feio’.” (MORAN, 1997).
“É preciso que o educando vá assumindo o papel de sujeito da produção,
reconhecendo-se como arquiteto de sua própria prática cognoscitiva” (FREIRE,
1997), ou seja, “o ensino de conteúdos demanda que o aprendiz, vá assumindo a
autoria também do conhecimento do objeto” (FREIRE, 1997).
É por meio de ações colaborativas que se desenvolve a autonomia e se
constrói uma sociedade mais justa. Isto implica em introduzir no cenário escolar a
ferramenta da web 2.0 – wiki, que funciona concretamente como mediadora e
potencializadora do processo de construção colaborativa, comunicativa e de autoria.
26
4 METODOLOGIA DA PESQUISA
A metodologia é do tipo exploratória e analítica, com pesquisas online da
ferramenta e de artigos sobre o tema wiki. A finalidade principal é conhecer e
analisar as diversas possibilidades de uso pedagógico dos wikis.
Vivemos uma era na qual leitores e autores se confundem, pois a web vai
diluindo aos poucos os limites entre eles. Esse processo de interatividade é uma
característica da Web 2.0. Nela, a wiki é uma das ferramentas, junto com os blogs e
os sites de redes sociais.
Uma wiki pode ser analisada de diversas maneiras. A análise deve permitir
que se estabeleça o grau de articulação dessa ferramenta com a qualidade da
educação e mostrar sua influencia positiva nas práticas didáticas , como um recurso
de apoio ao processo ensino-aprendizagem.
27
5. EXEMPLOS DE USO DE WIKI NA EDUCAÇÃO
5.1 NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO (PPP)
O Projeto Político Pedagógico da Escola é um processo nunca concluído,
que se constrói e se orienta com intencionalidade explícita, porque é prática
educativa. (GADOTTI, 1998).
Como prática educativa e como atividade própria da escola, o PPP deve
ser elaborado após reflexão e com base nos referenciais teóricos e
metodológicos, bem como na realidade apresentada pela escola. O PPP requer
uma construção de forma conjunta por toda a comunidade escolar e com a
efetiva participação das famílias dos alunos e da sociedade local. A participação
colaborativa no PPP deve contemplar discussão, análise, proposta e construção,
na qual todos são parceiros.
A participação é uma exigência da gestão democrática. Aqueles que
participam, porém, não devem fazê-lo apenas nas decisões. É necessário que haja
uma interação entre todos porque da ação conjunta é que se obtém a força para a
superação das dificuldades e das limitações. Para que as decisões atendam aos
anseios da comunidade, todos devem contribuir ativamente, conhecendo,
analisando e refletindo sobre as questões ligadas à instituição escolar da qual
participam. Em educação, o PPP da escola está diretamente ligado a sua
autonomia. A construção colaborativa do PPP pelos diferentes segmentos da
comunidade prevê a implantação, o acompanhamento e a avaliação de todo o
processo educativo. A colaboração possibilita o estabelecimento de diferentes
relações no interior da escola, bem como a discussão coletiva sobre a sua função,
favorecendo as inovações em busca de uma educação de qualidade, que atenda
aos interesses da maioria da população.
O PPP deverá ser elaborado de acordo com as necessidades e a realidade
da escola.
O projeto expressa, pois, uma atitude pedagógica, que consiste em dar um
sentido, um rumo, às práticas educativas, onde quer que sejam realizadas,
e afirmar as condições organizativas e metodológicas para a viabilização da
atividade educativa. (LIBÂNEO, 2000, p.27)
28
Ao montar o PPP da escola, todos os participantes devem reconhecer na
construção da Proposta Pedagógica uma maneira de organizar o trabalho
escolar ; valorizar as interações decorrentes dessa construção; compreender a
dimensão curricular como um processo historicamente social, capaz de contribuir
para a formação dos alunos; identificar a importância da interdisciplinaridade;
refletir sobre o sentido e o significado da avaliação como um processo de
acompanhamento da construção do conhecimento, da relação interativa e da
organização do trabalho . Todos os envolvidos no processo educativo, têm de
estar envolvidos no processo avaliativo, não só como avaliadores, mas também
como avaliados. (KRAMER, 1995)
O PPP há que ser constantemente avaliado e reavaliado para os devidos
acréscimos e correções. Além disso, objetivos, propósitos e situações tem que
ser constantemente revistos a cada ano letivo que se inicia, bem como as ações
e estratégias pedagógicas, sem perder de vista a necessidade da interatividade
e colaboração de todos os membros da comunidade (professores, funcionários,
alunos, familiares dos alunos, sociedade local)
Cada participante deve colaborar de forma a construir um documento que
atenda às necessidades da figura central e razão de ser da escola: o ALUNO.
O uso da wiki na elaboração do PPP acontece: no registro das pesquisas
feitas em livros, revistas, sites, concepções sobre o planejamento participativo e
sobre o projeto pedagógico em si; no desenvolvimento da metodologia para a
construção do projeto, em todas as suas etapas; na construção coletiva de
textos com a proposta pedagógica para a organização do trabalho educativo; e
nas contribuições de todos os membros do grupo .
Por ser a construção do PPP uma atividade essencialmente colaborativa e
pelas dificuldades encontradas para se promover reuniões presenciais,
atendendo às necessidades da escola e ao mesmo tempo, respeitando as
disponibilidades de horário dos envolvidos, justifica-se o uso da wiki, que permite
a todos trabalharem colaborativamente e a distância, sem que sejam
necessários muitos desses encontros.
29
5.2 NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE AULA
Na elaboração de um projeto é essencial observar certos procedimentos para
que se obtenha sucesso. De início , há que se determinar os objetivos que se
pretende alcançar. A escolha do tema deve ser cuidadosa e contar com a
participação dos alunos. O tema deve despertar e manter a atenção dos alunos,
ampliar seus conhecimentos, fixando conceitos e valores importantes. As atividades
devem ser realmente produtivas, envolvendo a colaboração de todos os elementos
do grupo . O tempo destinado à implantação , ao desenvolvimento e término do
projeto deve ser avaliado criteriosamente. É importante que a colaboração esteja
sempre presente em todas as etapas do projeto. À medida que o projeto for se
desenvolvendo, os resultados devem ser divulgados a título de estímulo. Após a
sua realização , uma avaliação do projeto deve ser feita para que as falhas sejam
corrigidas e efetuados os feedbacks necessários .
Seja, por exemplo, um projeto de Língua Portuguesa, para a criação de
um livro no qual os alunos irão contribuir com suas ideias e experiências . Eles
irão escrever um texto on-line onde se destacam os valores sociais de
solidariedade, respeito, fraternidade, etc. A história é iniciada pelo professor ou
pelos próprios alunos e as alterações ou acréscimos vão sendo editados com
novas ideias, de modo a produzir um texto único com a colaboração de todos. A
tarefa pode ser restrita a apenas uma turma ou se estender a várias turmas
como um projeto da escola . Para a execução deste projeto a WIKI é a
ferramenta perfeita que, por suas características, permite a interatividade e a
produção colaborativa.
5.3 COMO CRIAR E TRABALHAR WIKIS
No caso da elaboração do PPP, o supervisor, ou o diretor ou o coordenador
pedagógico cria um wiki, habilitando todos os elementos que irão participar da
construção do projeto on-line.
30
Para um projeto em sala de aula, a criação do wiki fica a critério do professor
que poderá solicitar ou não, a colaboração dos alunos.
Como fazer isso?
Para aqueles que não possuam habilidade com o uso do computador, um
professor ou técnico responsável pelo laboratório da escola pode esclarecer
quaisquer dúvidas, antes de serem iniciados os trabalhos.
Vários são os sites que hospedam wikis gratuitamente, tais como http://
www. wikispaces.com/ ; http:// wiki.zoho.com / ; http:// pbworks.com/ ; entre outros.
Para facilitar o trabalho dos usuários, existem tutoriais disponíveis com dicas
práticas sobre a utilização da ferramenta.
• Para wikispaces: http:// wikistorias. wikispaces. com/ tutorial ou http://
margo. wikispaces.com/file/view/tutorial_wikispaces.pdf;
• Para wiki zoho em : http:// penta3. ufrgs.br/ tutoriais/wiki-zoho/index.
htm;
• Para pbworks, em : http://rosangelamentapde.pbworks.com/
f/Microsoft+ Word+-+TUTORIAL+PARA+CRIAR+UM+PBWORKS.pdf
ou http:// www. slideshare.net /leah.jensen/ how-to-create-an-
educational-wiki- using-pbworks.
31
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
É de suma importância que a educação esteja voltada para um trabalho
colaborativo e produtivo, com os alunos vivenciando um novo modo de produção
escolar, centrado na colaboração, na efetiva participação e autoria do conhecimento
e que revitalize o processo de aprendizagem do “saber que importa saber”.
(PRETTO e PINTO, 2006).
Com a globalização, a sociedade passou a cobrar conexões, parcerias,
trabalho coletivo e interrelações, estabelecendo a “Era das Relações” (MORAES,
1997).
Numa análise das possibilidades pedagógicas da Internet identificam-se
algumas ferramentas da web2 capazes de mediar o processo ensino-aprendizagem,
dentre elas destacando-se a wiki – ferramenta que favorece a construção do
conhecimento e o trabalho colaborativo.
Na Web 2.0, é a colaboração que vai proporcionar a democratização da rede,
pois além de acessar os conteúdos, podemos transformá-los, reorganizá-los,
compartilhando-os, possibilitando a aprendizagem cooperativa e permitindo a
construção de uma inteligência coletiva (LEVY, 2007).
Do ponto de vista pedagógico, a Web 2.0 e suas ferramentas colaborativas
proporcionam ao aluno a descoberta da informação, bem como a oportunidade dele
se tornar um produtor de informações.
A aprendizagem é o resultado de interações sociais e o objetivo primeiro da
produção coletiva de um ambiente virtual será o de promover as interações
necessárias para que a aprendizagem aconteça.
A wiki é, sem dúvida, um gerador da cooperação não hierárquica,
estabelecendo o que Piaget (1973) considera uma premissa para a aprendizagem
colaborativa.
O bom uso de uma wiki depende do bom senso do grupo e do professor
mediador. Não há uma fórmula pronta. É uma ferramenta que se aperfeiçoa à
medida que é utilizada e demanda, como qualquer outro recurso, de um
planejamento para alcançar o objetivo final. O conjunto de práticas surge da
32
observação das experiências e dos comportamentos voltados para a construção
colaborativa. O tema deve estar no campo de interesse dos seus usuários para se
chegar ao sucesso.
As wikis servem também como repositório de todo o material de apoio às
aulas.
A wiki é uma ferramenta de grande potencial quando aplicada com
competência e habilidade, pois facilita a colaboração entre os participantes,
desenvolve o senso crítico e a capacidade do trabalho em grupo.
A wiki se constitui, no âmbito da hipermídia, numa possibilidade concreta de,
mediar a educação pela tecnologia.
Apesar do potencial, a produção colaborativa das wikis no cenário escolar
ainda é pequena, talvez pelas dificuldades dos professores no domínio da
ferramenta, por não terem conhecimento dela na sua formação, pelo fato da
escolaridade ainda estar, de certa forma, centrada na individualidade e não na
cooperação entre os pares, entre outras. A colaboração implica em um grupo de
indivíduos trabalhando em conjunto, trocando vivências e ideias, isto é, interagindo
de maneira dialógica e problematizadora com vistas a um produto final constituído
de conhecimentos vários onde todos os participantes possam ser igualmente
favorecidos. O trabalho colaborativo potencializa o senso de cooperação e enriquece
intelectualmente o grupo
A participação ativa dos alunos caracteriza a maneira correta de produção
colaborativa no processo educacional e pode ser alcançada com o domínio e a
aplicação dos recursos da web, em especial com a ferramenta wiki.
A sociedade está envolvida pelos recursos da Internet, quando vai ao banco,
nas compras, nas pesquisas, nas comunicações. Assim, há que se oferecer uma
educação que seja capaz de consolidar as aprendizagens, ampliar o conhecimento e
compartilhar informações no processo educacional.
As ferramentas da web 2.0, e em especial as wikis se constituem em fatores
de geração de competências por meio de interações e de experiências, favorecendo
sobremaneira as relações entre professores, alunos, levando-os à reflexão.
E, através da leitura desta proposta espera-se que professores e educadores,
de um modo geral, façam uma reflexão profunda e recriem novas estratégias e
práticas pedagógicas , usando wikis.
33
REFERÊNCIAS
ADELL, J. Wikis en educación. Universitat Jaume I Castellón , 2005.Disponivel
em: http://elbonia.cent.uji.es/jordi/wp-content/uploads/docs/Adell_Wikis_MEC.pdf
Acesso: mar. 2012.
AVILA, R.E. et al. Colaboración Docente On-line em Educacion Universitaria.
Revista Brasileira de Educação Médica. 2011 Disponível em : http://www.scielo.br/
scielo.php?script= sci_arttext&pid=S0100-55022011000300018&lng=en&nrm=iso
Acesso: abr. 2012.
BECKER, F. O que é construtivismo? Revista de Educação AEC, Brasília, v. 21,
n.83, 1992.
BECKER, F. Da Ação à Operação- O caminho da aprendizagem em J. Piaget e
P. Freire. Rio de Janeiro: DP&A , 1997.
BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. e COUTINHO, C.P. Wikis em educação:
potencialidades e contextos de utilização. In CARVALHO, Ana A., org. – “Actas do
Encontro sobre Web 2.0, Braga, 2008” [CD-ROM]. Braga: CIED, 2008. Disponível
em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/8460/1/Jo%C3%A3oS009.pdf
Acesso: 05 mar. 2012.
CAMPOS, F. C. A. et al. Cooperação e aprendizagem on-line. Rio de Janeiro:
DP&A, 2003. ISBN: 85-7490-255-1.
CARVALHO, A. A. et al Indicadores de Qualidade e de Confiança de um Site. In:
ALVES, M.P. & MACHADO. Avaliar as Aprendizagens. Ata das Jornadas ADMEE.
Braga: CIEd.2005.
______ Indicadores de Sites Educativos. Cadernos SACAUSEF- Sistema de
Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software para a Educação e a
Formação. Ministério da Educação, 2006.
34
______ Rentabilizar a Internet no Ensino Básico e Secundário: dos recursos e
ferramentas online aos LMS. Sísifo - Revista de Ciências da Educação, n.º3, pp.
2007. Disponível em : http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo03PT02.pdf Acesso:
mar.2012.
COLE, J.; FOSTER H. Using Moodle: Teaching wit the Popular Open Source
Course Management System. Second Edition. O'Reilly Community Press: Printed
in the United States of America, November 2007.
COUTINHO, C. & JÚNIOR, J. Collaborative Learning Using Wiki: A Pilot Study
With Master Students In Educational Technology In Portugal. Proceedings of
World Conference on Educational Multimedia, Hypermedia e Telecommunications
(EDMEDIA), 2007a. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/
1822/6720/1/Edmedia2007.pdf Acesso: mar. 2012.
EÇA, T. Net Aprendizagem: A Internet na Educação. Porto: Porto Editora.
Jonassen, D. (2007). Computadores, Ferramentas Cognitivas. Desenvolver o
pensamento crítico nas escolas. Coleção: Ciências Da Educação - Século XXI.
Porto: Porto Editora. 1998. Disponível em : http://www.digibridge.net/teresadeca/
netapren.pdf / Acesso mar.2012.
FERREIRA JUNIOR R. S. et al. Sala de aula presencial virtual – a sala de aula
do futuro? Ass. Bras. Ed. Dist. [periódico na Internet], 2005. Disponível em:
http://www.abed.org.br/congresso2005/por/home.htm Acesso: abr. 2012.
FIORI, E.M. Aprender a dizer sua palavra(Prefácio). In: FREIRE, P. Pedagogia do
Oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Chile, 1967. Disponível em:
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAANxYAB/aprender-a-dizer-a-sua-palavra-
ernani-fiori Acesso: 03 abr. 2012.
______ Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.
35
______ Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Disponível em:
http://www.slideshare.net/nfraga/paulo-freire-educao-e-mudana Acesso: mar.2012.
______ Aprendendo com a própria história. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1987.
______ Pedagogia do Oprimido. 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987.
______ Educação e Mudança. 14. ed. , São Paulo: Paz e Terra, 1988a.
______Extensão ou Comunicação. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988b.
______ Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Paz e Terra, 1997.
______ A Importância do Ato de Ler: 22 ed. São Paulo: Cortez, 1988. Resumo
publ. 25 março, 2006. Disponível em: http://pt.shvoong.com/books/159235import%
C3%A2ncia-ato-ler-22-ed / Acesso : mar. 2012.
FRIEDMAN, J. Empowerment: the Politics of the Alternative Development. .
Blackwell Publishers, 1992.
GADOTTI, Moacir. Pedagogia da práxis. 2.ª ed., São Paulo, Cortez, 1998
GRAELLS, P. M. La web 2.0 y sus aplicaciones didácticas. Out. 2007. Disponível
em: < http://www.slideshare.net/peremarques/la-web-20-y-sus-aplicaciones-
didcticas> Acesso : abr. 2012.
IORIO, U. “Novas Perspectivas da Responsabilidade Social – Gestão Ética,
Criatividade das Instituições”, Conferência proferida em 14 nov. 2006, no I Curso
Internacional CIEEP- Adenauer. Disponível em: http://www.ubirataniorio. org/
virtuous.pdf Acesso: mar.2012.
JONASSEN, D. O uso das novas tecnologias na educação a distância e a
aprendizagem construtivista. Em Aberto, ano 16, n. 70, abr./jun. 1996.
KRAMER, Sônia. Alfabetização, leitura e escrita: formação de professores em
curso. Rio de Janeiro: Edições Papéis e Cópias da Escola de Professores, 1995.
36
LÉVY, P. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro, RJ: Editora
34, 1999. 264 p. (Coleção TRANS). Tradução de: Cyberculture. Disponível em:
http://www.moodle. ufba.br/file.php/8897/levy_cibercultura.pdf Acesso: mar. 2012.
______Filosofia World. Lisboa: Instituto Piaget. 2001. Disponível em :
http://www.wook.pt/ ficha/ filosofia-world/a/id/89594 Acesso: mar. 2012.
______ A Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: 34, 6 ª
reimpressão., 2007.
LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos Para Quê? São Paulo: Cortez. 2000
LÜCK, H. A Evolução da Gestão Educacional, a partir de Mudança
Paradigmática. 2001. Disponível em: http://progestaoead.files.wordpress.com/2009/
09/a-evolucao-da-gestao-educacional-h-luck.pdf Acesso: fev. 2012.
MAÇADA, D. L. & TIJIBOY, A.V. Aprendizagem cooperativa em ambientes
telemáticos. 1998. Disponível em: http://lsm.dei.uc.pt/ribie/ docfiles/
txt200342414721274.PDF Acesso: mar. 2012.
MONEREO, C. Internet, un espacio idóneo para desarollar las competências
básicas. In C. Monereo (coord.), Internet y competências básicas. Aprender a
colaborar, a comunicar-se, a participar, a aprender. Barcelona: Graó, 2005.
Disponível em: http://miguelestrellam.wordpress.com/ 2010/ 12/28/internet-espacio-
idoneo-para-desarrollar-las-competencias-basicas/ Acesso: mar. 2012.
MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1997.
MORAN, J. M. Como Utilizar a Internet na Educação. Revista Ciência da
Informação, v. 26, n. 2, 1997. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/
moran/internet.htm. Acesso: abr. 2012.
MOURA, A. Produzir uma WebQuest num Wiki. In A. A. Carvalho (org.), Encontro
sobre WebQuest: Programa, resumos e workshops. Braga: CIEd, 2006. Disponível
em: http://educarparaosmedia.blogspot.com/2006/02/encontro-sobre-webquest.html
Acesso mar. 2012.
37
O'REILLY, T. What is web 2.0. Set. 2005. Disponível em:<http://oreilly.com/web2/
archive/what-is-web-20.html> Acesso: abr. 2012.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Tradução Patrícia
Chittoni Ramos. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul, 2000.
PIAGET, Jean. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973.
______A Tomada de Consciência. São Paulo: Melhoramentos, Universidade de
São Paulo, 1977
______ Psicologia e Epistemologia – Por uma Teoria do Conhecimento. 2. ed.
Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.
______ Abstração Reflexionante – Relações lógico-matemáticas e ordem das
relações espaciais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
______ Biologia e Conhecimento: ensaio sobre as relações entre as
regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Petrópolis: Vozes, 1996.
PINTO, C. : Uma prática de serviço social. Política Social, Lisboa, ISCSP, 1998.
Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/textos/ empowerment.htm>.
Acesso: abr. 2012.
PRETTO, N. De L. ASSIS, A. digital e educação: redes já! In: PRETTO, Nelson De
Luca; SILVEIRA, Sérgio Amadeu da (Orgs). Além das redes de colaboração:internet,
diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008. Disponível
em: <http://www.rn.softwarelivre.org/alemdasredes/> Acesso: abr. 2012.
PRETTO, N. e PINTO, C.C.. Tecnologias e Novas Educações. Revista Brasileira
de Educação. Bahia: vol. 11 n.31, jan. /abr. 2006. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n31/a03v11n31.pdf Acesso: mar. 2012.
PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E- Compós
(Brasília), v. 9, p. 1-21, 2007.
SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço. O Perfil cognitivo do leitor
imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.
38
SANTAMARIA, F. G & ABRAIRA, C. F. Wikis: possibilidades para el aprendizaje
colaborativo em Educacion Superior. In L. Panizo et al. (Eds.) Proceedings of the
8th International Symposium on Computers in Education, v.2, pp. 371-378.
Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/8460/1/Jo% C3%
A3oS009.pdf Acesso: mar. 2012.
SIEMENS, G. Conectivismo: uma teoria de aprendizagem para idade digital.
Dez. 2004. Disponível em: http://orfeu.org/weblearning20/4_2_conectivismo.Acesso:
abr. 2012.
TAPSCOTT, D. WILLIAMS, A.D. Wikinomics: como a colaboração em massa
pode mudar o seu negócio. Tradução de Marcello Lino. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 2007.
VYGOTSKY, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo:
Martins Fontes, 2001. Resumo da Prof.ª Lidia.mar.2010. Disponível em :
http://lidialindislay.blogspot.com.br/2010/03/resumo-de-livros-vygotsky-levs.html
Acesso: mar. 2012.
______ A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
______ A Construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo Bezerra.
São Paulo: Martins Fontes, 2001.
______ A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984. Disponível
em :http://cristianopalharini.wordpress.com/2011/04/20/a-formacao-social-da-mente-
vygotsky-livro-download/ Acesso: mar. 2012.
WIKIPÉDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1gina_principal Portal: Wikipedia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolar
Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolarFundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolar
Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolarExternato Secundário do Soito
 
Apresentação ensino híbrido
Apresentação ensino híbridoApresentação ensino híbrido
Apresentação ensino híbridoRoseanePereira8
 
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativa
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativaFerramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativa
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativaVany Ramos
 
Exploração de um ambiente de aprendizagem
Exploração de um ambiente de aprendizagemExploração de um ambiente de aprendizagem
Exploração de um ambiente de aprendizagemFernando Rui Campos
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaSofia Cavaco
 
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoApresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoDarlin Castilhos
 
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearning
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearningWikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearning
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearningAdelaide Dias
 
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...christianceapcursos
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasjuroanny
 
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...Natalia Ribeiro
 
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silva
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silvaTarefa etapa1 claudine-alvarenga-silva
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silvaClaudine Alvarenga
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativacomunidadedepraticas
 

Mais procurados (19)

Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolar
Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolarFundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolar
Fundamentação pedagógica da atividade os conflitos em contexto escolar
 
Apresentação ensino híbrido
Apresentação ensino híbridoApresentação ensino híbrido
Apresentação ensino híbrido
 
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativa
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativaFerramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativa
Ferramentas digitais mediadoras de aprendizagem colaborativa e cooperativa
 
Wikis be(2)
Wikis be(2)Wikis be(2)
Wikis be(2)
 
Cooperativo Colaborativo
Cooperativo ColaborativoCooperativo Colaborativo
Cooperativo Colaborativo
 
Exploração de um ambiente de aprendizagem
Exploração de um ambiente de aprendizagemExploração de um ambiente de aprendizagem
Exploração de um ambiente de aprendizagem
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
 
Síntese dos processos (formação & avaliação)
Síntese dos processos (formação & avaliação)Síntese dos processos (formação & avaliação)
Síntese dos processos (formação & avaliação)
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoApresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
 
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearning
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearningWikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearning
Wikis - Instrumento de avaliação em contexto de eLearning
 
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
 
Trabalho Colaborativo Online
Trabalho Colaborativo OnlineTrabalho Colaborativo Online
Trabalho Colaborativo Online
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
 
Tarefa da 4ª semana - PIGEAD
Tarefa da 4ª semana  - PIGEADTarefa da 4ª semana  - PIGEAD
Tarefa da 4ª semana - PIGEAD
 
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...
As experiências Midiáticas de um Grupo de Estudos: (im)possibilidades no trab...
 
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silva
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silvaTarefa etapa1 claudine-alvarenga-silva
Tarefa etapa1 claudine-alvarenga-silva
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 

Semelhante a Wiki na Educação

Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_daniellePatricia Torres
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroCursoTICs
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundojaniteacher Simoes
 
A formacao continuada_do_professor_de_linguagem
A formacao continuada_do_professor_de_linguagemA formacao continuada_do_professor_de_linguagem
A formacao continuada_do_professor_de_linguagemjoanasinop30
 
Agudo - Tarlla Fernandes
Agudo - Tarlla FernandesAgudo - Tarlla Fernandes
Agudo - Tarlla FernandesCursoTICs
 
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencerPae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencerNadiane Momo
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.sil2007
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.sil2007
 
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaTecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaFrancismar Lopes
 
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
Slide 1ª formação ped ii   03-02-12Slide 1ª formação ped ii   03-02-12
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12ntemsv
 
Artigo eliane goncalves ciolfi
Artigo eliane goncalves ciolfiArtigo eliane goncalves ciolfi
Artigo eliane goncalves ciolfiEliane Ciolfi
 
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
Atps projeto muldicisciplar iii   oficialAtps projeto muldicisciplar iii   oficial
Atps projeto muldicisciplar iii oficialRegina Gidzinski
 
Tatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrsTatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrsequipetics
 
Santina todendi
Santina todendiSantina todendi
Santina todendiequipetics
 
Escola EspaçO Integrador Das Midias
Escola EspaçO Integrador Das MidiasEscola EspaçO Integrador Das Midias
Escola EspaçO Integrador Das Midiascefaprotga
 
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 final
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 finalUso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 final
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 finalROSICLEIA WAGMAKER
 
Estefania vieira linhares
Estefania vieira linharesEstefania vieira linhares
Estefania vieira linharesequipetics
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Editora Moderna
 
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...ProfessorPrincipiante
 

Semelhante a Wiki na Educação (20)

Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielle
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundo
 
A formacao continuada_do_professor_de_linguagem
A formacao continuada_do_professor_de_linguagemA formacao continuada_do_professor_de_linguagem
A formacao continuada_do_professor_de_linguagem
 
Agudo - Tarlla Fernandes
Agudo - Tarlla FernandesAgudo - Tarlla Fernandes
Agudo - Tarlla Fernandes
 
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencerPae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
Pae 3 nadianecarolinadesouzamomospencer
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.Leitura e tecnologia na sala de aula.
Leitura e tecnologia na sala de aula.
 
@rca2010
@rca2010@rca2010
@rca2010
 
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaTecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
 
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
Slide 1ª formação ped ii   03-02-12Slide 1ª formação ped ii   03-02-12
Slide 1ª formação ped ii 03-02-12
 
Artigo eliane goncalves ciolfi
Artigo eliane goncalves ciolfiArtigo eliane goncalves ciolfi
Artigo eliane goncalves ciolfi
 
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
Atps projeto muldicisciplar iii   oficialAtps projeto muldicisciplar iii   oficial
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
 
Tatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrsTatiane de camargo rohrs
Tatiane de camargo rohrs
 
Santina todendi
Santina todendiSantina todendi
Santina todendi
 
Escola EspaçO Integrador Das Midias
Escola EspaçO Integrador Das MidiasEscola EspaçO Integrador Das Midias
Escola EspaçO Integrador Das Midias
 
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 final
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 finalUso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 final
Uso das mídias na educação trabalho em grupo do seminário de 15.12.2012 final
 
Estefania vieira linhares
Estefania vieira linharesEstefania vieira linhares
Estefania vieira linhares
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
 
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
UM PROCESSO REFLEXIVO A PARTIR DO ESTÁGIO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A UTI...
 

Wiki na Educação

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais AURIA DORIA DA SILVA FERREIRA USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA Rio de Janeiro 2012
  • 2. AURIA DORIA DA SILVA FERREIRA USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA Monografia apresentada ao Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES) e ao Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais (INCE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à conclusão do curso de especialização em Mídias na Educação. Orientador: Prof. Fábio Ferrentini Sampaio, Ph. D. Rio de Janeiro 2012
  • 4. Dedicatória Ao meu querido esposo, parceiro e amigo de todas as horas (in memoria)
  • 5. AGRADECIMENTOS A Deus, pela luz. À minha querida Candy, pela presença constante ao meu lado e no meu coração. Ao meu amigo Lucio, que me socorreu nos momentos de “falhas tecnológicas”. À minha querida Selma, pela compreensão e paciência. À minha nora-filha Glau, pelo exemplo de dedicação e perseverança. Às amigas Leila e Auberisse que me incentivaram a prosseguir. Aos meus filhos queridos, Ian, Lydia, Claudia e André. Aos meus tutores e aos meus colegas que me enriqueceram com suas ideias. Ao amado Mestre e Orientador, Fábio Ferrentini.
  • 6. RESUMO FERREIRA, Auria Doria da Silva. USO PEDAGÓGICO DE WIKI: UMA PROPOSTA. Rio de Janeiro, 2012. Monografia (Especialização em Mídias na Educação) - Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde e Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Este trabalho traduz uma proposta de uso da ferramenta wiki aplicada à Educação. Mostra o quanto o wiki pode enriquecer o processo ensino-aprendizagem no ambiente escolar. A pesquisa realizada aponta a ferramenta como uma estratégia válida e valiosa a ser usada pela escola, tanto na elaboração democrática do seu projeto político pedagógico como também nas ações pedagógicas desenvolvidas pelos professores nos projetos educacionais. Há de se destacar a importância do wiki que, quando adequadamente utilizado, torna-se um elemento fundamental nas produções colaborativas dentro da sala de aula, dentro da escola e além da escola. Palavras – chave: wiki, educação, aprendizagem.
  • 7. SUMÁRIO 1- Introdução ......................................................................................... 8 1.1 – Objetivos .................................................................................. 9 1.2 – Relevância ................................................................................ 10 2 - Referencial Teórico ........................................................................ 11 2.1 – Vygotsky, Piaget, Freire e a Aprendizagem .......................... 11 3 – Ciberespaço e Educação .............................................................. 16 3.1 – Internet e Web 2.0 ................................................................... 16 3.2 - Wiki e a Aprendizagem ........................................................... 20 3.3 – Como usar Wiki na Escola .................................................... 23 4- Metodologia da Pesquisa ............................................................ 26 5 - Exemplos de Uso de Wiki na Educação ...................................... 27 5.1- Na Construção do PPP ............................................................ 27 5.2- Na Elaboração de um Projeto de Aula ................................... 29 5.3- Como Criar e Trabalhar Wikis ................................................. 29 6 – Considerações Finais .................................................................. 31 Referências .................................................................................... 33
  • 8. 8 1 INTRODUÇÃO Observando o cotidiano da escola pode-se facilmente detectar que o desinteresse dos alunos, na maior parte das vezes, se dá pela falta de entusiasmo do professor, por suas práticas desatualizadas e pela atitude de descaso comum aos adolescentes quando não estão sendo desafiados a fazer algo diferente. Percebe-se também na sala dos professores que, quando a conversa é orientada para as ações pedagógicas e projetos com uso das tecnologias , há certo desânimo, pelas dificuldades no lidar com as mídias, pela falta de apoio da equipe de um modo geral. A participação do gestor e de todo o corpo docente é um fator que pode conduzir ao sucesso os projetos educacionais. No entanto, o gestor tem tantas tarefas burocráticas (prestação de contas, controle de despesas. aquisição de material escolar, escolha dos gêneros a serem comprados para a merenda, atividades de secretaria, atendimento aos pais, aos fornecedores, às autoridades, à comunidade em geral, etc.) que pouco tempo resta para as ações pedagógicas, a solidificação das relações da escola com as famílias, com os profissionais da equipe, e marcar presença nos momentos de planejamento, entre outras atividades. Diante de tudo isso, temos alunos entediados, indisciplinados, irrequietos. Minha atenção se detém no agente principal deste contexto - o aluno. O que ele espera da escola ou o que a escola deve lhe oferecer? Vivemos um mundo em que o trabalho coletivo é muito mais importante do que o individual. Precisamos aprender a viver, mas principalmente a conviver. E, para tal, nada melhor do que atuarmos em equipe. Isso não quer dizer concordar sempre com o outro. Isto significa ouvir o outro, avaliar suas ideias, ratificá-las ou retificá-las para que se chegue a um denominador comum. O que realmente vale é quando, cada um mantém as suas características, mas todos são capazes de olhar e caminhar na mesma direção. A escola deve ter como objetivo a formação de cidadãos críticos e conscientes dos benefícios e implicações das descobertas científicas e tecnológicas. Na busca desse objetivo, emergem diferentes concepções do que nela se deve ensinar e sobre a maneira de como ensinar. Quais as atitudes e procedimentos
  • 9. 9 educacionais que a escola pode assumir para tornar seus alunos capazes de desconstruir, reconstruir e construir seu conhecimento? (FREIRE, 1988) Por que não usar, nas aulas, a tecnologia que os alunos tanto gostam e usam no seu dia-a-dia? Por que não desenvolver atividades colaborativas, com o objetivo de formar cidadãos participativos, críticos, atualizados, antenados com o mundo? (LUCK, 2001) Numa classe, por exemplo, em que notadamente não existe o senso de cooperação e é difícil desenvolver trabalhos em grupo porque a maioria não sabe expressar suas idéias e ouvir as opiniões do outro ou não conseguem distribuir tarefas segundo a aptidão e o gosto de cada um, uma atividade colaborativa seria o ponto de partida para uma experiência real do bom conviver. Se viver é difícil, conviver é mais difícil ainda. A bem da verdade, conviver é uma arte que demanda uma série de valores que precisam ser assimilados: o respeito pelo outro; a solidariedade; o saber ouvir; o saber calar; o saber falar; o espirito de cooperativismo; a busca pelo senso comum; a valorização do bem de todos prevalecendo sobre o bem individual. (IORIO, 2006) A proposta, portanto aponta para a viabilização de um novo modo de ensinar, com a utilização de uma ferramenta da web que tem tudo a ver com a situação observada – a Wiki. 1.1 OBJETIVOS Esse estudo visa mostrar a importância do domínio da ferramenta wiki por parte de todo o corpo docente para bem usufruir da sua extensa potencialidade pedagógica. Para alcançá-lo, é preciso analisar detalhadamente o uso educacional da ferramenta. O que é wiki? A resposta conduzirá o leitor, não apenas à explicação técnica do termo, mas à historicidade do conceito a partir de autores como Adell (2005) e Bottentuit Junior & Coutinho (2007). No capítulo 3, ao definir wiki, informo também sobre sua funcionalidade. Como funciona uma wiki, especificamente, no contexto escolar. Para explorar com eficiência o potencial pedagógico da ferramenta wiki tem-se que apropriar das suas peculiaridades, conhecer sua aplicabilidade nas produções colaborativas, analisar os
  • 10. 10 exemplos do seu uso pedagógico por docentes e discentes, destacando suas vantagens sobre suas desvantagens. Enfim, coloca-se a “mão na massa”, criando wikis e fazendo delas um recurso didático interessante e proveitoso na construção do conhecimento e na melhoria da qualidade da educação. 1.2 RELEVÂNCIA É importante que se proceda a uma investigação sobre a aplicação da wiki em educação, de modo a destacar sua importância como recurso didático, como ferramenta de apoio ao processo ensino-aprendizagem, disponibilizando com esse detalhamento, um novo elemento visando o enriquecimento das práticas pedagógicas na escola.
  • 11. 11 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 VYGOTSKY, PIAGET, FREIRE E A APRENDIZAGEM Antes de trilhar novos caminhos, é importante rever e refletir sobre os conceitos de aprendizagem baseados em estudiosos como Vygotsky, Piaget e Paulo Freire que muito contribuíram para esclarecer como e quando a aprendizagem se desenvolve na criança e no individuo, de um modo geral. O embasamento se faz necessário a fim de ser evitada a repetição de erros do passado. Fundamental é conceituar corretamente a aprendizagem, para estabelecer, a seguir, os recursos e estratégias com vistas a se alcançar a aprendizagem colaborativa, objeto desta proposta. Vygotsky (2001) estabeleceu princípios indicadores de que, o homem é um ser que se forma numa relação dialética com a sociedade, isto é, o homem modifica o ambiente e o ambiente modifica o homem. Segundo ele, ao nascerem, as crianças iniciam suas interações com os adultos. O desenvolvimento é um processo que engloba a maturação do organismo, as interações com a cultura e as relações sociais. Esse conjunto de fatores propicia a aprendizagem (VYGOTSKY, 1984), que se constitui num fator de desenvolvimento. Para Vygotsky, “na ausência do outro, o homem não se constrói”. Todo aprendizado tem de ser mediado, o que aponta para a grande importância do papel do ensino e do professor. A intervenção pedagógica é fundamental para aprendizagem e esta vai expandir o universo mental dos alunos. Cada novo conteúdo amplia cada vez mais as estruturas cognitivas da criança. Nos estudos de Vygotsky, as trocas interpessoais são elementos fundamentais para o desenvolvimento dos indivíduos, afirmando que o homem é produto e produtor do seu meio. “A colaboração entre pares, ajuda a desenvolver estratégias e habilidades gerais de solução de problemas pelo processo cognitivo implícito na interação e na comunicação”. O trabalho em cooperação com o outro, auxilia na zona de
  • 12. 12 desenvolvimento proximal, que é “algo coletivo”, uma vez que transcende os limites dos indivíduos. (VYGOTSKY, 1987) Assim, a aprendizagem acontece pelo compartilhamento de idéias e saberes, entre pessoas de diferentes níveis de conhecimento, pela necessidade de externar seus pensamentos e entender o ponto de vista do outro, mediante a interação com ele. “À medida que se propicia um ambiente coletivo de socioconstrução, o conhecimento é elaborado em dois momentos: primeiro em nível interpessoal, com a ajuda do outro, e em um segundo momento, em nível intrapessoal, quando ocorre a apropriação do conhecimento pelo individuo”. (VYGOTSKY, 1987, p.17) Com as interações professor – alunos e alunos – alunos, a construção do conhecimento passa a ser um processo social. (VYGOTSKY, 1987) A assimilação é uma integração a estruturas prévias e a acomodação é a modificação da assimilação sob a influencia de situações exteriores, isto é, do meio (PIAGET, 1996) A educação direcionada para a liberdade e para a autonomia contribui para a tomada de consciência dos educandos. Esta tomada de consciência consiste em sucessivas reconstruções que possibilitam a transformação da ação em conceito e implica a apreensão dos mecanismos da própria ação, extrapolando a compreensão dos objetivos e resultados de uma ação. (PIAGET, 1977) A teoria do conhecimento de Piaget (1978) está centrada no desenvolvimento da criança. Segundo ele, o pensamento passa por estágios, desde o nascimento até a adolescência, quando o individuo atinge sua capacidade plena de raciocínio. "A grande contribuição de Piaget (1995) foi estudar o raciocínio lógico- matemático, que não pode ser ensinado e depende de uma estrutura de conhecimen to da criança”. É impossível fazer uma criança aprender algo que ela seja incapaz de absorver. Há também que se levar em conta os interesses da criança, pois que ela vai focar suas ações naquilo que lhe é necessário em termos cognitivos. Daí a importância da contextualização dos conteúdos didáticos. A Educação deve primar, não pela transmissão de conteúdos, mas pelo favorecimento da atividade mental do educando.
  • 13. 13 Para Piaget, a aprendizagem diz respeito à apropriação de uma resposta a um questionamento iminente, enquanto que o desenvolvimento é a aprendizagem de fato, que modifica o comportamento do individuo e é responsável pela formação do conhecimento. Segundo a teoria construtivista, as estruturas são construídas gradualmente e vão se diferenciando por acomodação e por assimilação. Piaget (1978) afirma que o mecanismo de construção e internalização dos conceitos se dá de forma não linear e assume características próprias em cada indivíduo. Para Piaget (apud BECKER, 1992) o aluno é um sujeito cultural ativo cuja ação tem dupla dimensão: assimiladora e acomodadora. Pela dimensão assimiladora ele produz transformações no mundo objetivo, enquanto pela dimensão acomodadora produz transformações em si mesmo, no mundo subjetivo. Assimilação e acomodação constituem as duas faces, complementares entre si, de todas as suas ações. Paulo Freire (1987) afirma que, a educação é um processo de transformação do individuo e da sua realidade e toda a ação educativa deve problematizar as questões culturais sociais desta realidade. Freire (1988) destaca a importância do conteúdo afirmando: Não há, nunca houve e nem pode haver educação sem conteúdo (...). O ato de ensinar e de aprender, dimensões do processo maior – o de conhecer – fazem parte da natureza da prática educativa. Não há educação sem ensino sistemático ou não, de um certo conteúdo. Mas, ressalta “ser fundamental refletir sobre quem escolhe os conteúdos e com que interesses, qual o papel dos atores na organização programática dos conteúdos: professores, comunidade local, organizações sociais, entre outros.” (FREIRE, 1988a). Paulo Freire (1987) aponta a conscientização do aluno, como o principal objetivo da Educação e a “leitura do mundo” como o objetivo primeiro do processo ensino-aprendizagem. Ele propunha práticas de desenvolvimento da criticidade a serem aplicadas em sala de aula. Defendia uma educação capaz de inquietar os alunos ao invés de acomodá-los. “Ninguém ensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem sozinhas. Os homens se educam entre si mediados pelo mundo” (FREIRE, 1987).
  • 14. 14 O professor deve agir como mediador do conhecimento. Deve conduzir seus alunos a apropriação dos conteúdos, mas sempre ressaltando que estes são verdades relativas. No conjunto do pensamento de Paulo Freire (1997) a ideia é de que tudo está em permanente transformação e interação. Dizia ele numa de suas famosas frases: "o mundo não é, o mundo está sendo". "A possibilidade de admirar o mundo implica em estar não apenas nele, mas com ele; consiste em estar aberto ao mundo, captá-lo e compreendê- lo; é atuar de acordo com suas finalidades a fim de transformá-lo: é responder a desafios. As respostas do homem aos desafios do mundo, através das quais vai modificando esse mundo, impregnando-o com o seu 'espírito', mais do que um puro fazer, são quefazeres que contém inseparavelmente ação e reflexão". (FREIRE, 1967, p. 23) "Uma das grandes inovações da pedagogia freireana é considerar que o sujeito da criação cultural não é individual, mas coletivo", diz José Eustáquio Romão, diretor do Instituto Paulo Freire, em São Paulo. O diálogo é a base do método de Freire. O diálogo é uma relação de comunicação de intercomunicação, que gera a crítica e a problematização; e o seu conteúdo é o conteúdo programático da educação. "Se o mundo é o mundo das consciências intersubjetivas, sua elaboração forçosamente há de ser colaboração. (Fiori in: Freire, 1987). O educando se torna realmente educando quando e na medida em que conhece, ou vai conhecendo os conteúdos, os objetos cognoscíveis, e não, na medida em que o educador vai depositando a descrição dos objetos ou dos conteúdos. (FREIRE, 1988b) Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa idéias, pensa a existência. Ë também educador: existencia seu pensamento numa pedagogia em que o esforço totalizador da práxis humana busca, na interioridade desta, retotalizar-se como “prática da liberdade”. (FIORI in: FREIRE, 2005) “É preciso que o educando vá assumindo o papel de sujeito da produção, reconhecendo-se como arquiteto de sua própria prática cognoscitiva”, ou seja, “o ensino de conteúdos demanda que o aprendiz, vá assumindo a autoria também do conhecimento do objeto” (FREIRE, 1997).
  • 15. 15 As ideias de Paulo Freire apontam para uma educação transformadora, libertadora, que considera a escola como um espaço de mudanças onde educador e educando se constituem em agentes transformadores e cuja base de construção do conhecimento repousa no diálogo. Para o pensador bielo-russo Lev Vygotsky (1896-1934), como para Piaget, o aprendizado se dá por interação entre estruturas internas e contextos externos. Segundo Vygotsky o aprendizado depende fundamentalmente da influência ativa do meio social. Para Piaget, o meio social atua como uma “interferência” na construção do conhecimento. Aprendizagem é entendida por Freire e Piaget, como resultado de uma relação ativa entre sujeito e objeto, ou entre sujeitos, entre teoria e prática, relação esta, que visa transformar a realidade. (BECKER, 1997) Conhecendo as obras e as contribuições das teorias de Vygotsky, Piaget e Paulo Freire para a prática pedagógica, o professor pode compreender melhor a dinâmica dos processos de aprendizagem, percebendo a importância do trabalho colaborativo e pode então desenvolver um trabalho educacional muito mais eficiente.
  • 16. 16 3. CIBERESPAÇO E EDUCAÇÃO 3.1 INTERNET E WEB 2.0 A Internet oferece ferramentas que permitem a produção, a construção e o compartilhamento do conhecimento entre os alunos e entre o aluno e o professor. Para Ferreira Junior et al.(2005) as expectativas em relação à Internet é a possibilidade de usá-la para ampliar e reformular as tarefas escolares. Numa sociedade dinâmica, formar cidadãos implica acompanhar os avanços tecnológicos e usá-los como recurso e ferramenta pedagógica no âmbito da escola, uma vez que para o cidadão comum tais ferramentas já estão incluídas no seu dia a dia. A escola e a educação em geral não podem ficar defasadas da realidade do aluno. Se isso acontece vem o desinteresse, a indisciplina, o descaso dos alunos para com a escola e professores. Torna-se praticamente impossível desenvolver o processo ensino-aprendizagem num ambiente em descompasso com o mundo. Percebe-se que a tecnologia interfere nas nossas relações com a sociedade, modificando nossos hábitos culturais. Consequentemente alteram nossa maneira de ver e de ler o mundo, isto é, nossa cognição. (SANTAELLA, 2004) A possibilidade de acesso, produção e disponibilidade de informações acabam por se refletir sobre a função da Educação. Perrenoud (2000) alerta o professor da era digital para a necessidade de “mudar de paradigma e concentrar-se na criação, na gestão e na regulação de situações de aprendizagem”, pois o aluno tem ao seu alcance uma gama infinita de informações na web e cabe à escola e ao professor ajudá-lo na seleção critica e na organização dessas informações. Até meados do séc. XX, o ensino era rígido porque assim interessava à sociedade industrial. Hoje, a atuação em equipe se faz necessária para a resolução dos problemas. A cooperação e a colaboração se tornam fundamentais à sobrevivência da sociedade. Houve a valorização da criatividade e da imaginação predominantes no exercício do trabalho intelectual.
  • 17. 17 As Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) trouxeram o chamado ciberespaço. É neste espaço que estão as conexões dos computadores e dos dispositivos móveis, onde surge “novas formas de interação dos coletivos, produzindo fenômenos caracterizados como cibercultura e inteligência coletiva”. (LÉVY, 1999) A colaboração docente on-line permite a criação de comunidades virtuais. Estes ambientes facilitam a transferência do conhecimento entre alunos e docentes, através de atividades síncronas e assíncronas. As ferramentas de uma equipe na rede podem criar aulas virtuais em diferentes localizações geográficas, com vantagens sobre os procedimentos tradicionais. (AVILA et al., 2011) “Os princípios construtivistas fornecem um conjunto de diretrizes a fim de auxiliar projetistas e professores na criação de meios ambientes colaboracionistas direcionados ao ensino, que apoiem experiências autênticas, atraentes e reflexivas”. (JONASSEN, 1996). O aluno aprende de acordo com o contexto no qual se insere. A interação com os elementos deste contexto reforça a aprendizagem e modifica o próprio contexto, processo que se repete em ciclos. A aprendizagem significativa permite a aplicação do construtivismo e do sociointeracionismo. É uma aprendizagem pela construção de significados a serem diretamente aplicados nas situações ou transpostos para resolver situações inusitadas. As produções colaborativas são fundamentais na educação porque interferem positivamente no cotidiano dos indivíduos (PRETTO, 2008). Através de ambientes virtuais podem ser criadas situações instigantes de interação, oportunizando ao aluno a aplicação de conceitos propostos em sala de aula, como também trocas com outros colegas de qualquer parte do Brasil ou do mundo, ampliando o contexto original. A aprendizagem significativa implica na construção do conhecimento pelo aluno, que atribui sentido próprio aos conteúdos, transpondo informações oriundas de fontes diversas. (CAMPOS et al, 2003). Segundo Jonassen (1996) as características que definem a aprendizagem significativa com base no construtivismo são: a) ativa – implica na manipulação de objetos e a experimentação, a partir de situações relevantes;
  • 18. 18 b) construtiva – construção dos significados a partir de conhecimentos anteriores; c) reflexiva – reflexão e análise de suas próprias experiências; d) colaborativa – participação de grupos e aplicação de habilidades individuais em objetivos compartilhados; e) intencional – pessoas direcionadas a objetivos pré-estabelecidos; f) complexa – considerar a complexidade dos problemas do mundo; g) contextual – aprendizagem dentro de um contexto significativo para o aluno; h) coloquial – busca de soluções com troca de ideias e de opiniões com os outros. A partir da década de 90, a World Wide Web, também conhecida como Web e WWW, sofre uma expansão, permitindo que a educação explore as possibilidades de cooperação e colaboração oferecidas pela Internet. A evolução dos computadores e das linguagens de programação faz surgir a chamada Web 2.0. O termo Web 2.0 foi criado por Tim O’Reilly em 2005 e explicado num documento: “What is Web 2.0 ?” “A Web 2.0 é a segunda geração de serviços online e caracteriza-se por potencializar as formas de publicação, compartilhamento e organização de informações, além de ampliar os espaços para a interação entre os participantes do processo”. (PRIMO, 2007, p.1-21). Professores e alunos podem e devem aproveitar as possibilidades de comunicação e de colaboração e também a gama infinita de informações que a web oferece. A integração das ferramentas da web2 aplicadas nas aulas pode promover o envolvimento dos alunos no processo ensino-aprendizagem com excelentes resultados. Apesar de a tecnologia ter chegado a muitas escolas através da implantação dos Laboratórios de Informática em Educação (LIE) , é necessário que os professores abracem a ideia e se capacitem para usufruir plenamente dos equipamentos e aplicativos disponibilizados A Web 2.0 pode melhorar a qualidade da educação, permitindo que os alunos se tornem agentes produtores do seu próprio conhecimento, envolvendo-os no processo de ensino e aprendizagem e favorecendo o compartilhamento dos
  • 19. 19 saberes. “É de grande importância preparar as gerações para esta nova forma de vida, onde todos são consumidores e produtores e onde as capacidades de pesquisar e de avaliar a qualidade da informação são críticas” (CARVALHO, 2006; CARVALHO et al, 2005). Monereo (2005) reconhece que a Internet se tornou uma extensão cognitiva e um meio de socialização de grande alcance, particularmente, para os jovens. Ele identifica quatro competências sociocognitivas que podem e devem ser rentabilizadas na Internet: aprender a procurar a informação; aprender a comunicar; aprender a colaborar; e aprender a participar na sociedade. Segundo Carvalho (2007), devemos dar particular ênfase ao uso da Internet e dos seus serviços como meio para aprender, individual e colaborativamente, não só através de pesquisa livre ou estruturada, mas também como meio para apresentar e partilhar o trabalho realizado com os colegas de turma e com outros interessados. São características da Web 2.0 que representam pontos positivos para o processo ensino-aprendizagem (SIEMENS, 2004). • simplicidade no uso; • compartilhamento de informações fácil e rápido; • facilidade em receber, transformar e publicar informações; • atualização das informações de forma ágil; • edição / participação do usuário, que se torna ativo, participativo, atuando sobre o que vê e consome na web; • possibilidade democrática de exercer sua liberdade de opinar; • disponibilidade no uso de ferramentas de colaboração e cooperação, tanto para alunos como para professores. Para Graells (2007) a web 2.0 permite buscar, criar, compartilhar e interagir on-line, e as implicações na educação são as seguintes: • é um espaço social horizontal e rico em informações, com a presença de redes sociais nas quais o conhecimento não está fechado; • alunos e professores são orientados a desenvolver um trabalho autônomo e colaborativo, crítico e criativo, para a expressão pessoal, para a investigação e o compartilhamento de recursos capazes de construir o conhecimento;
  • 20. 20 • suas fontes de informação e canais de comunicação facilitam a aprendizagem autônoma, com mais participação nas atividades em grupo, o que aumenta a motivação do aluno; • professores e alunos podem elaborar materiais de forma individual ou em grupo , compartilhá-los e submetê-los às criticas e comentários; • disponibilidade de espaços para armazenamento, classificação e publicação de textos, sons e imagens para acesso de outras pessoas; • realização de avaliação das atividades e criação de redes de aprendizagem; • possibilidade de desenvolvimento e aperfeiçoamento de habilidades e competências digitais; • possibilidade da criação de ambientes para desenvolver redes de escolas e de professores para refletir e compartilhar temas e recursos educacionais. 3.2 WIKI E APRENDIZAGEM A tecnologia, para promover uma aprendizagem real e eficaz, precisa priorizar as características destacadas por Jonassen (1996) no item anterior e a ferramenta Wiki quando bem utilizada, pode atender ao conjunto dessas características . O termo wiki significa “muito rápido” no idioma dos nativos do Hawai. A expressão wiki ou WikiWiki é utilizada designando um tipo de coleção de documentos ou páginas em hipertexto. Também pode dar nome ao software colaborativo usado para criar wikis. Este software permite que sejam editadas coletivamente paginas, usando um sistema de não revisão dos conteúdos antes da sua publicação. Suas principais características são a facilidade de acesso e de edição; a conservação do histórico das alterações sofridas pelo conteúdo original e a possibilidade das edições serem restritas a usuários cadastrados e do visitante fazer comentários sobre o conteúdo que está sendo construído. A Wiki foi inventada em 1995 por Ward Cunningham que teve a ideia de criar
  • 21. 21 uma página Web que generalizasse a edição aberta e colaborativa. O primeiro software que elaborou deu início ao que se viria a chamar de Wiki Wiki Web. Vários espaços Wikis estão disponíveis gratuitamente na Internet (MOURA 2006). De um modo geral, uma Wiki é um Website para o trabalho coletivo de um grupo de autores. Sua estrutura lógica é similar a de um blog mas possui a funcionalidade de permitir que qualquer visitante possa modificar, agregar ou suprimir o conteúdo de suas páginas, mesmo que não sejam de sua autoria, gerando um ambiente colaborativo. (COUTINHO & JÚNIOR, 2007) O exemplo clássico de wiki é a Wikipédia. Do ponto de vista educacional, dentre as várias ferramentas de comunicação fornecidas pela Web 2.0, a wiki se destaca pelo seu potencial pedagógico. Seu valor é imenso pela possibilidade de trabalho em equipe, de comunicação, de compartilhamento de conhecimentos, informações, opiniões, ideias entre amigos, família, colegas de trabalho e de estudo. Por ser uma ferramenta da web, possui muitas das suas características que didaticamente se concretizam em vantagens, tais como: é fácil e rápido acesso; permite comunicação sem intermediários; facilita as inovações; quebra barreiras geográficas e hierárquicas; desenvolve a colaboração entre os usuários; é simples, pois não exige conhecimento de linguagens de computador; e traz em si uma característica importante que é a transparência. As páginas das wikis são criadas e alteradas numa linguagem bastante simples. As wikis podem ser abertas ao público com ou sem registro obrigatório, com ou sem limitação de acesso às alterações e publicação, segundo o interesse do grupo. A possibilidade de retornar às versões anteriores e identificar os autores das mudanças é muito útil ao professor no acompanhamento das atividades colaborativas realizadas pelos alunos. Permite ainda uma interação entre os seus participantes, desenvolvendo o espirito crítico e enriquecendo a todos com as trocas de informações e de conhecimentos. Suas páginas são dinâmicas e podem ser editadas, acrescentando-se ou eliminando-se páginas ou ainda modificando os conteúdos publicados por outras pessoas. Um histórico das wikis mantém as suas versões modificadas, permitindo que se retorne a elas sempre que desejar. Uma das formas mais usuais das wikis é designada por wikis interclasses. Consiste na criação de um repositório de conhecimento colaborativo, desenvolvido por estudantes que pertencem a
  • 22. 22 determinada turma ou que cursam determinada disciplina. (SANTAMARIA e ABRAIRA, 2006) A atividade colaborativa ensejada pela wiki intensifica a comunicação bidirecional onde todos são agentes produtores do conhecimento. De acordo com Maçada e Tijiboy (1998), três são os elementos básicos indispensáveis num ambiente colaborativo on-line: 1- postura cooperativa - com atitudes de interação; objetivos em comum; colaboração; consciência social; reflexão; construção de consciência coletiva; tolerância às diferenças; ações coordenadas; responsabilidade individual e coletiva; 2- estrutura do ambiente – conjunto de ferramentas que sirvam de apoio ao trabalho cooperativo; 3- funcionamento heterárquico com formas para viabilizar o consenso, priorizando a autonomia na tomada de decisões; a reorganização de acordo com a necessidade do grupo; a organização dinâmica e legitimada pelo grupo; a avaliação continuada. A wiki é uma ferramenta de cooperação e colaboração on-line, por excelência, que visa a construção coletiva como produto final e que contempla a aprendizagem significativa e colaborativa. A ferramenta wiki apresenta um diferencial – o autogerenciamento do ambiente, permitindo que o produto final seja formado pelo equilíbrio das interações que acontecem durante a sua construção. A colaboração implica numa ajuda mútua entre indivíduos e a cooperação compreende, além da colaboração, a tolerância com ideias e pontos de vista diferentes e que exigem respeito e negociação para se chegar a um denominador comum. A aprendizagem cooperativa é “uma técnica ou proposta pedagógica na qual estudantes ajudam-se no processo de aprendizagem atuando como parceiros entre si e com o professor, com o objetivo de adquirir conhecimento sobre um dado objeto.” A cooperação como apoio ao processo ensino-aprendizagem se traduz em participação ativa e interação tanto dos alunos como do professor. (CAMPOS et al., 2003, p.25)
  • 23. 23 3.3 COMO USAR WIKI NA ESCOLA A wiki pode ser utilizada em projetos nos quais, grupos de alunos desenvolvem atividades coletivas em torno de um tema comum. Pode ser uma homepage da disciplina, um hipertexto, etc. Segundo Luck (2001) “não existe autonomia quando não existe responsabilidade”. Por isso, considera-se o uso da Wiki na escola, como uma maneira de se desenvolver nos alunos, a responsabilidade, a autonomia e a solidariedade. Na escola, a Wiki pode ser utilizada para a criação coletiva de documentos, incentivando a colaboração e a cooperação entre os alunos, entre os professores e entre alunos e professores. O uso das wikis oportuniza a colaboração descentralizada, isto é, a interação se dá, mesmo com os usuários separados geograficamente, de forma síncrona e assíncrona. Uma das grandes vantagens da wiki é facultar a mudança do foco das atividades, do ensino para a aprendizagem, permitindo que os alunos registrem o seu desenvolvimento cognitivo. Entretanto para alcançar os objetivos da educação, cabe ao professor realizar estratégias pedagógicas que favoreçam o desenvolvimento de projetos e de atividades em ambientes colaborativos incentivando o compartilhamento de conhecimentos e de informações. O trabalho, segundo Tapscott e Williams (2007) “tornou-se cognitivamente mais complexo, mais baseado em equipes, mais colaborativo, mais dependente de habilidades sociais, mais pressionado pelo tempo, mais baseado em competição tecnológica, mais móvel e menos dependente da geografia.”. Desse modo, compartilhar conhecimentos num trabalho colaborativo torna-se mais e mais necessário. Cabe à escola e aos professores mediar o trabalho escolar com novas ferramentas colaborativas, dentre elas a wiki, ferramenta colaborativa de alta eficácia e que “torna o individuo cognoscente em intérprete-autor” (TAPSCOTT e WILLIAMS, 2007).
  • 24. 24 Segundo Mayfield (apud Tapscott e Wiiliams, 2007), “as wikis incitam as equipes a se engajarem em um estado constante de criação”. A produção colaborativa na wiki fortalece o plano individual, com a aquisição de conhecimento e o plano coletivo pelo aumento do poder de colaboração, sendo entendida como um processo de empowerment (FRIEDMAN, 1992; PINTO, 1998) Assim, a escola precisa introduzir responsavelmente as tecnologias nas práticas educacionais cotidianas. A aprendizagem na escola com base na wiki torna- se um processo contínuo de inovação e aprimoramento. ...”no final nada é um estado definitivo”, diz Mayfield (apud TAPSCOTT e WILLIAMS, 2007). No uso pedagógico das wikis alguns fatores importantes devem ser considerados, tais como o planejamento com definição clara e concisa dos objetivos e metas do trabalho colaborativo – os alunos precisam conhecer a finalidade da wiki (COLE e FOSTER, 2007); o compartilhamento das atividades wikis com os alunos proporciona sucesso na solução de problemas no produto final, mas há que se delimitar e orientar a atividade por um período de tempo definido. Também são mais aconselháveis os problemas abertos de múltiplas soluções. As wikis também se mostram bastante eficientes nas práticas criativas, na elaboração de coleções de páginas de autoria coletiva, na construção de hipertextos. A possibilidade de alteração, com inclusão ou exclusão de conteúdos, possibilita corrigir erros, complementar ideias, atualizar dados e inserir novas informações. Suas páginas tornam-se um espaço cada vez de maior importância que oferece o compartilhamento de ideias e liberdade de expressão. (MOURA, 2006), enriquecendo o trabalho colaborativo. Com a possibilidade de qualquer pessoa pode editar páginas em uma wiki, admite-se que o trabalho fica exposto para pessoas inescrupulosas, mas segundo Moura (2006) é raro o “vandalismo wiki”. Isto talvez se deva ao fato de que todos os seus usuários também fiscalizam as produções e edições. Alguns professores já integraram tecnologias da informação e da comunicação ao seu cotidiano profissional, aplicando-as na preparação de suas aulas ou no seu acompanhamento. (MOURA, 2006; COUTINHO & JÚNIOR, 2007) a simplicidade e a facilidade do uso de wikis as tornam uma ferramenta útil para os professores porque são orientados para o trabalho coletivo, estimulando as trocas de experiências entre os alunos e desenvolvendo a capacidade de trabalhar em grupo.
  • 25. 25 Com as wikis, os alunos tem oportunidade de aprender com os colegas e a consultar o material por eles produzido. Além disso, quando sabem que vão disponibilizar informação online, há maior satisfação e empenho porque outros colegas irão ver o que eles realizaram, criticar e opinar sobre a informação editada. Desse modo, os alunos passam a ser produtores na Web (EÇA, 1998), contribuindo para a “massa oceânica”, a que se refere Levy (2001). Segundo Moran (1997) “O fato de ver seu nome na Internet e a possibilidade de divulgar os seus trabalhos e pesquisas, exerce uma forte motivação nos alunos, os estimula a participar mais em todas as outras atividades”. ... “a possibilidade de divulgar páginas pessoais e grupais na Internet gera uma grande motivação, visibilidade, responsabilidade para professores e alunos. Todos se esforçam por escrever bem, por comunicar melhor suas idéias, para serem bem aceitos, para não ‘fazer feio’.” (MORAN, 1997). “É preciso que o educando vá assumindo o papel de sujeito da produção, reconhecendo-se como arquiteto de sua própria prática cognoscitiva” (FREIRE, 1997), ou seja, “o ensino de conteúdos demanda que o aprendiz, vá assumindo a autoria também do conhecimento do objeto” (FREIRE, 1997). É por meio de ações colaborativas que se desenvolve a autonomia e se constrói uma sociedade mais justa. Isto implica em introduzir no cenário escolar a ferramenta da web 2.0 – wiki, que funciona concretamente como mediadora e potencializadora do processo de construção colaborativa, comunicativa e de autoria.
  • 26. 26 4 METODOLOGIA DA PESQUISA A metodologia é do tipo exploratória e analítica, com pesquisas online da ferramenta e de artigos sobre o tema wiki. A finalidade principal é conhecer e analisar as diversas possibilidades de uso pedagógico dos wikis. Vivemos uma era na qual leitores e autores se confundem, pois a web vai diluindo aos poucos os limites entre eles. Esse processo de interatividade é uma característica da Web 2.0. Nela, a wiki é uma das ferramentas, junto com os blogs e os sites de redes sociais. Uma wiki pode ser analisada de diversas maneiras. A análise deve permitir que se estabeleça o grau de articulação dessa ferramenta com a qualidade da educação e mostrar sua influencia positiva nas práticas didáticas , como um recurso de apoio ao processo ensino-aprendizagem.
  • 27. 27 5. EXEMPLOS DE USO DE WIKI NA EDUCAÇÃO 5.1 NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO (PPP) O Projeto Político Pedagógico da Escola é um processo nunca concluído, que se constrói e se orienta com intencionalidade explícita, porque é prática educativa. (GADOTTI, 1998). Como prática educativa e como atividade própria da escola, o PPP deve ser elaborado após reflexão e com base nos referenciais teóricos e metodológicos, bem como na realidade apresentada pela escola. O PPP requer uma construção de forma conjunta por toda a comunidade escolar e com a efetiva participação das famílias dos alunos e da sociedade local. A participação colaborativa no PPP deve contemplar discussão, análise, proposta e construção, na qual todos são parceiros. A participação é uma exigência da gestão democrática. Aqueles que participam, porém, não devem fazê-lo apenas nas decisões. É necessário que haja uma interação entre todos porque da ação conjunta é que se obtém a força para a superação das dificuldades e das limitações. Para que as decisões atendam aos anseios da comunidade, todos devem contribuir ativamente, conhecendo, analisando e refletindo sobre as questões ligadas à instituição escolar da qual participam. Em educação, o PPP da escola está diretamente ligado a sua autonomia. A construção colaborativa do PPP pelos diferentes segmentos da comunidade prevê a implantação, o acompanhamento e a avaliação de todo o processo educativo. A colaboração possibilita o estabelecimento de diferentes relações no interior da escola, bem como a discussão coletiva sobre a sua função, favorecendo as inovações em busca de uma educação de qualidade, que atenda aos interesses da maioria da população. O PPP deverá ser elaborado de acordo com as necessidades e a realidade da escola. O projeto expressa, pois, uma atitude pedagógica, que consiste em dar um sentido, um rumo, às práticas educativas, onde quer que sejam realizadas, e afirmar as condições organizativas e metodológicas para a viabilização da atividade educativa. (LIBÂNEO, 2000, p.27)
  • 28. 28 Ao montar o PPP da escola, todos os participantes devem reconhecer na construção da Proposta Pedagógica uma maneira de organizar o trabalho escolar ; valorizar as interações decorrentes dessa construção; compreender a dimensão curricular como um processo historicamente social, capaz de contribuir para a formação dos alunos; identificar a importância da interdisciplinaridade; refletir sobre o sentido e o significado da avaliação como um processo de acompanhamento da construção do conhecimento, da relação interativa e da organização do trabalho . Todos os envolvidos no processo educativo, têm de estar envolvidos no processo avaliativo, não só como avaliadores, mas também como avaliados. (KRAMER, 1995) O PPP há que ser constantemente avaliado e reavaliado para os devidos acréscimos e correções. Além disso, objetivos, propósitos e situações tem que ser constantemente revistos a cada ano letivo que se inicia, bem como as ações e estratégias pedagógicas, sem perder de vista a necessidade da interatividade e colaboração de todos os membros da comunidade (professores, funcionários, alunos, familiares dos alunos, sociedade local) Cada participante deve colaborar de forma a construir um documento que atenda às necessidades da figura central e razão de ser da escola: o ALUNO. O uso da wiki na elaboração do PPP acontece: no registro das pesquisas feitas em livros, revistas, sites, concepções sobre o planejamento participativo e sobre o projeto pedagógico em si; no desenvolvimento da metodologia para a construção do projeto, em todas as suas etapas; na construção coletiva de textos com a proposta pedagógica para a organização do trabalho educativo; e nas contribuições de todos os membros do grupo . Por ser a construção do PPP uma atividade essencialmente colaborativa e pelas dificuldades encontradas para se promover reuniões presenciais, atendendo às necessidades da escola e ao mesmo tempo, respeitando as disponibilidades de horário dos envolvidos, justifica-se o uso da wiki, que permite a todos trabalharem colaborativamente e a distância, sem que sejam necessários muitos desses encontros.
  • 29. 29 5.2 NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE AULA Na elaboração de um projeto é essencial observar certos procedimentos para que se obtenha sucesso. De início , há que se determinar os objetivos que se pretende alcançar. A escolha do tema deve ser cuidadosa e contar com a participação dos alunos. O tema deve despertar e manter a atenção dos alunos, ampliar seus conhecimentos, fixando conceitos e valores importantes. As atividades devem ser realmente produtivas, envolvendo a colaboração de todos os elementos do grupo . O tempo destinado à implantação , ao desenvolvimento e término do projeto deve ser avaliado criteriosamente. É importante que a colaboração esteja sempre presente em todas as etapas do projeto. À medida que o projeto for se desenvolvendo, os resultados devem ser divulgados a título de estímulo. Após a sua realização , uma avaliação do projeto deve ser feita para que as falhas sejam corrigidas e efetuados os feedbacks necessários . Seja, por exemplo, um projeto de Língua Portuguesa, para a criação de um livro no qual os alunos irão contribuir com suas ideias e experiências . Eles irão escrever um texto on-line onde se destacam os valores sociais de solidariedade, respeito, fraternidade, etc. A história é iniciada pelo professor ou pelos próprios alunos e as alterações ou acréscimos vão sendo editados com novas ideias, de modo a produzir um texto único com a colaboração de todos. A tarefa pode ser restrita a apenas uma turma ou se estender a várias turmas como um projeto da escola . Para a execução deste projeto a WIKI é a ferramenta perfeita que, por suas características, permite a interatividade e a produção colaborativa. 5.3 COMO CRIAR E TRABALHAR WIKIS No caso da elaboração do PPP, o supervisor, ou o diretor ou o coordenador pedagógico cria um wiki, habilitando todos os elementos que irão participar da construção do projeto on-line.
  • 30. 30 Para um projeto em sala de aula, a criação do wiki fica a critério do professor que poderá solicitar ou não, a colaboração dos alunos. Como fazer isso? Para aqueles que não possuam habilidade com o uso do computador, um professor ou técnico responsável pelo laboratório da escola pode esclarecer quaisquer dúvidas, antes de serem iniciados os trabalhos. Vários são os sites que hospedam wikis gratuitamente, tais como http:// www. wikispaces.com/ ; http:// wiki.zoho.com / ; http:// pbworks.com/ ; entre outros. Para facilitar o trabalho dos usuários, existem tutoriais disponíveis com dicas práticas sobre a utilização da ferramenta. • Para wikispaces: http:// wikistorias. wikispaces. com/ tutorial ou http:// margo. wikispaces.com/file/view/tutorial_wikispaces.pdf; • Para wiki zoho em : http:// penta3. ufrgs.br/ tutoriais/wiki-zoho/index. htm; • Para pbworks, em : http://rosangelamentapde.pbworks.com/ f/Microsoft+ Word+-+TUTORIAL+PARA+CRIAR+UM+PBWORKS.pdf ou http:// www. slideshare.net /leah.jensen/ how-to-create-an- educational-wiki- using-pbworks.
  • 31. 31 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS É de suma importância que a educação esteja voltada para um trabalho colaborativo e produtivo, com os alunos vivenciando um novo modo de produção escolar, centrado na colaboração, na efetiva participação e autoria do conhecimento e que revitalize o processo de aprendizagem do “saber que importa saber”. (PRETTO e PINTO, 2006). Com a globalização, a sociedade passou a cobrar conexões, parcerias, trabalho coletivo e interrelações, estabelecendo a “Era das Relações” (MORAES, 1997). Numa análise das possibilidades pedagógicas da Internet identificam-se algumas ferramentas da web2 capazes de mediar o processo ensino-aprendizagem, dentre elas destacando-se a wiki – ferramenta que favorece a construção do conhecimento e o trabalho colaborativo. Na Web 2.0, é a colaboração que vai proporcionar a democratização da rede, pois além de acessar os conteúdos, podemos transformá-los, reorganizá-los, compartilhando-os, possibilitando a aprendizagem cooperativa e permitindo a construção de uma inteligência coletiva (LEVY, 2007). Do ponto de vista pedagógico, a Web 2.0 e suas ferramentas colaborativas proporcionam ao aluno a descoberta da informação, bem como a oportunidade dele se tornar um produtor de informações. A aprendizagem é o resultado de interações sociais e o objetivo primeiro da produção coletiva de um ambiente virtual será o de promover as interações necessárias para que a aprendizagem aconteça. A wiki é, sem dúvida, um gerador da cooperação não hierárquica, estabelecendo o que Piaget (1973) considera uma premissa para a aprendizagem colaborativa. O bom uso de uma wiki depende do bom senso do grupo e do professor mediador. Não há uma fórmula pronta. É uma ferramenta que se aperfeiçoa à medida que é utilizada e demanda, como qualquer outro recurso, de um planejamento para alcançar o objetivo final. O conjunto de práticas surge da
  • 32. 32 observação das experiências e dos comportamentos voltados para a construção colaborativa. O tema deve estar no campo de interesse dos seus usuários para se chegar ao sucesso. As wikis servem também como repositório de todo o material de apoio às aulas. A wiki é uma ferramenta de grande potencial quando aplicada com competência e habilidade, pois facilita a colaboração entre os participantes, desenvolve o senso crítico e a capacidade do trabalho em grupo. A wiki se constitui, no âmbito da hipermídia, numa possibilidade concreta de, mediar a educação pela tecnologia. Apesar do potencial, a produção colaborativa das wikis no cenário escolar ainda é pequena, talvez pelas dificuldades dos professores no domínio da ferramenta, por não terem conhecimento dela na sua formação, pelo fato da escolaridade ainda estar, de certa forma, centrada na individualidade e não na cooperação entre os pares, entre outras. A colaboração implica em um grupo de indivíduos trabalhando em conjunto, trocando vivências e ideias, isto é, interagindo de maneira dialógica e problematizadora com vistas a um produto final constituído de conhecimentos vários onde todos os participantes possam ser igualmente favorecidos. O trabalho colaborativo potencializa o senso de cooperação e enriquece intelectualmente o grupo A participação ativa dos alunos caracteriza a maneira correta de produção colaborativa no processo educacional e pode ser alcançada com o domínio e a aplicação dos recursos da web, em especial com a ferramenta wiki. A sociedade está envolvida pelos recursos da Internet, quando vai ao banco, nas compras, nas pesquisas, nas comunicações. Assim, há que se oferecer uma educação que seja capaz de consolidar as aprendizagens, ampliar o conhecimento e compartilhar informações no processo educacional. As ferramentas da web 2.0, e em especial as wikis se constituem em fatores de geração de competências por meio de interações e de experiências, favorecendo sobremaneira as relações entre professores, alunos, levando-os à reflexão. E, através da leitura desta proposta espera-se que professores e educadores, de um modo geral, façam uma reflexão profunda e recriem novas estratégias e práticas pedagógicas , usando wikis.
  • 33. 33 REFERÊNCIAS ADELL, J. Wikis en educación. Universitat Jaume I Castellón , 2005.Disponivel em: http://elbonia.cent.uji.es/jordi/wp-content/uploads/docs/Adell_Wikis_MEC.pdf Acesso: mar. 2012. AVILA, R.E. et al. Colaboración Docente On-line em Educacion Universitaria. Revista Brasileira de Educação Médica. 2011 Disponível em : http://www.scielo.br/ scielo.php?script= sci_arttext&pid=S0100-55022011000300018&lng=en&nrm=iso Acesso: abr. 2012. BECKER, F. O que é construtivismo? Revista de Educação AEC, Brasília, v. 21, n.83, 1992. BECKER, F. Da Ação à Operação- O caminho da aprendizagem em J. Piaget e P. Freire. Rio de Janeiro: DP&A , 1997. BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. e COUTINHO, C.P. Wikis em educação: potencialidades e contextos de utilização. In CARVALHO, Ana A., org. – “Actas do Encontro sobre Web 2.0, Braga, 2008” [CD-ROM]. Braga: CIED, 2008. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/8460/1/Jo%C3%A3oS009.pdf Acesso: 05 mar. 2012. CAMPOS, F. C. A. et al. Cooperação e aprendizagem on-line. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. ISBN: 85-7490-255-1. CARVALHO, A. A. et al Indicadores de Qualidade e de Confiança de um Site. In: ALVES, M.P. & MACHADO. Avaliar as Aprendizagens. Ata das Jornadas ADMEE. Braga: CIEd.2005. ______ Indicadores de Sites Educativos. Cadernos SACAUSEF- Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software para a Educação e a Formação. Ministério da Educação, 2006.
  • 34. 34 ______ Rentabilizar a Internet no Ensino Básico e Secundário: dos recursos e ferramentas online aos LMS. Sísifo - Revista de Ciências da Educação, n.º3, pp. 2007. Disponível em : http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo03PT02.pdf Acesso: mar.2012. COLE, J.; FOSTER H. Using Moodle: Teaching wit the Popular Open Source Course Management System. Second Edition. O'Reilly Community Press: Printed in the United States of America, November 2007. COUTINHO, C. & JÚNIOR, J. Collaborative Learning Using Wiki: A Pilot Study With Master Students In Educational Technology In Portugal. Proceedings of World Conference on Educational Multimedia, Hypermedia e Telecommunications (EDMEDIA), 2007a. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/ 1822/6720/1/Edmedia2007.pdf Acesso: mar. 2012. EÇA, T. Net Aprendizagem: A Internet na Educação. Porto: Porto Editora. Jonassen, D. (2007). Computadores, Ferramentas Cognitivas. Desenvolver o pensamento crítico nas escolas. Coleção: Ciências Da Educação - Século XXI. Porto: Porto Editora. 1998. Disponível em : http://www.digibridge.net/teresadeca/ netapren.pdf / Acesso mar.2012. FERREIRA JUNIOR R. S. et al. Sala de aula presencial virtual – a sala de aula do futuro? Ass. Bras. Ed. Dist. [periódico na Internet], 2005. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2005/por/home.htm Acesso: abr. 2012. FIORI, E.M. Aprender a dizer sua palavra(Prefácio). In: FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Chile, 1967. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAANxYAB/aprender-a-dizer-a-sua-palavra- ernani-fiori Acesso: 03 abr. 2012. ______ Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.
  • 35. 35 ______ Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Disponível em: http://www.slideshare.net/nfraga/paulo-freire-educao-e-mudana Acesso: mar.2012. ______ Aprendendo com a própria história. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1987. ______ Pedagogia do Oprimido. 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987. ______ Educação e Mudança. 14. ed. , São Paulo: Paz e Terra, 1988a. ______Extensão ou Comunicação. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988b. ______ Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997. ______ A Importância do Ato de Ler: 22 ed. São Paulo: Cortez, 1988. Resumo publ. 25 março, 2006. Disponível em: http://pt.shvoong.com/books/159235import% C3%A2ncia-ato-ler-22-ed / Acesso : mar. 2012. FRIEDMAN, J. Empowerment: the Politics of the Alternative Development. . Blackwell Publishers, 1992. GADOTTI, Moacir. Pedagogia da práxis. 2.ª ed., São Paulo, Cortez, 1998 GRAELLS, P. M. La web 2.0 y sus aplicaciones didácticas. Out. 2007. Disponível em: < http://www.slideshare.net/peremarques/la-web-20-y-sus-aplicaciones- didcticas> Acesso : abr. 2012. IORIO, U. “Novas Perspectivas da Responsabilidade Social – Gestão Ética, Criatividade das Instituições”, Conferência proferida em 14 nov. 2006, no I Curso Internacional CIEEP- Adenauer. Disponível em: http://www.ubirataniorio. org/ virtuous.pdf Acesso: mar.2012. JONASSEN, D. O uso das novas tecnologias na educação a distância e a aprendizagem construtivista. Em Aberto, ano 16, n. 70, abr./jun. 1996. KRAMER, Sônia. Alfabetização, leitura e escrita: formação de professores em curso. Rio de Janeiro: Edições Papéis e Cópias da Escola de Professores, 1995.
  • 36. 36 LÉVY, P. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro, RJ: Editora 34, 1999. 264 p. (Coleção TRANS). Tradução de: Cyberculture. Disponível em: http://www.moodle. ufba.br/file.php/8897/levy_cibercultura.pdf Acesso: mar. 2012. ______Filosofia World. Lisboa: Instituto Piaget. 2001. Disponível em : http://www.wook.pt/ ficha/ filosofia-world/a/id/89594 Acesso: mar. 2012. ______ A Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: 34, 6 ª reimpressão., 2007. LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos Para Quê? São Paulo: Cortez. 2000 LÜCK, H. A Evolução da Gestão Educacional, a partir de Mudança Paradigmática. 2001. Disponível em: http://progestaoead.files.wordpress.com/2009/ 09/a-evolucao-da-gestao-educacional-h-luck.pdf Acesso: fev. 2012. MAÇADA, D. L. & TIJIBOY, A.V. Aprendizagem cooperativa em ambientes telemáticos. 1998. Disponível em: http://lsm.dei.uc.pt/ribie/ docfiles/ txt200342414721274.PDF Acesso: mar. 2012. MONEREO, C. Internet, un espacio idóneo para desarollar las competências básicas. In C. Monereo (coord.), Internet y competências básicas. Aprender a colaborar, a comunicar-se, a participar, a aprender. Barcelona: Graó, 2005. Disponível em: http://miguelestrellam.wordpress.com/ 2010/ 12/28/internet-espacio- idoneo-para-desarrollar-las-competencias-basicas/ Acesso: mar. 2012. MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1997. MORAN, J. M. Como Utilizar a Internet na Educação. Revista Ciência da Informação, v. 26, n. 2, 1997. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/ moran/internet.htm. Acesso: abr. 2012. MOURA, A. Produzir uma WebQuest num Wiki. In A. A. Carvalho (org.), Encontro sobre WebQuest: Programa, resumos e workshops. Braga: CIEd, 2006. Disponível em: http://educarparaosmedia.blogspot.com/2006/02/encontro-sobre-webquest.html Acesso mar. 2012.
  • 37. 37 O'REILLY, T. What is web 2.0. Set. 2005. Disponível em:<http://oreilly.com/web2/ archive/what-is-web-20.html> Acesso: abr. 2012. PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul, 2000. PIAGET, Jean. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973. ______A Tomada de Consciência. São Paulo: Melhoramentos, Universidade de São Paulo, 1977 ______ Psicologia e Epistemologia – Por uma Teoria do Conhecimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978. ______ Abstração Reflexionante – Relações lógico-matemáticas e ordem das relações espaciais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. ______ Biologia e Conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Petrópolis: Vozes, 1996. PINTO, C. : Uma prática de serviço social. Política Social, Lisboa, ISCSP, 1998. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/textos/ empowerment.htm>. Acesso: abr. 2012. PRETTO, N. De L. ASSIS, A. digital e educação: redes já! In: PRETTO, Nelson De Luca; SILVEIRA, Sérgio Amadeu da (Orgs). Além das redes de colaboração:internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008. Disponível em: <http://www.rn.softwarelivre.org/alemdasredes/> Acesso: abr. 2012. PRETTO, N. e PINTO, C.C.. Tecnologias e Novas Educações. Revista Brasileira de Educação. Bahia: vol. 11 n.31, jan. /abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n31/a03v11n31.pdf Acesso: mar. 2012. PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E- Compós (Brasília), v. 9, p. 1-21, 2007. SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço. O Perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.
  • 38. 38 SANTAMARIA, F. G & ABRAIRA, C. F. Wikis: possibilidades para el aprendizaje colaborativo em Educacion Superior. In L. Panizo et al. (Eds.) Proceedings of the 8th International Symposium on Computers in Education, v.2, pp. 371-378. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/8460/1/Jo% C3% A3oS009.pdf Acesso: mar. 2012. SIEMENS, G. Conectivismo: uma teoria de aprendizagem para idade digital. Dez. 2004. Disponível em: http://orfeu.org/weblearning20/4_2_conectivismo.Acesso: abr. 2012. TAPSCOTT, D. WILLIAMS, A.D. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Tradução de Marcello Lino. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007. VYGOTSKY, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Resumo da Prof.ª Lidia.mar.2010. Disponível em : http://lidialindislay.blogspot.com.br/2010/03/resumo-de-livros-vygotsky-levs.html Acesso: mar. 2012. ______ A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987. ______ A Construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001. ______ A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984. Disponível em :http://cristianopalharini.wordpress.com/2011/04/20/a-formacao-social-da-mente- vygotsky-livro-download/ Acesso: mar. 2012. WIKIPÉDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1gina_principal Portal: Wikipedia.