SlideShare uma empresa Scribd logo
Química Aplicada
Material Teórico
Responsável pelo Conteúdo:
Profª. Ms. Luciana Borin de Oliveira
Revisão Textual:
Profª. Ms. Luciene Oliveira da Costa Santos
Substâncias e Misturas
5
•	 Introdução
•	 Substância Pura e Mistura
•	 Separação de Misturas
·· O principal objetivo desta unidade é identificar as substâncias, misturas,
com apresentação das mesmas e seus métodos de separação utilizados
no mercado.
Leia atentamente o conteúdo desta unidade, pois lhe possibilitará conhecer as dimensões
das Substâncias e Misturas.
Você também encontrará uma atividade composta por questões de múltipla escolha,
relacionadas com o conteúdo estudado. Além disso, terá a oportunidade de ampliar
conhecimentos na Atividade Reflexiva.
É extremante importante que você consulte os materiais complementares, pois são ricos
em informações e possibilitam o aprofundamento de seus estudos sobre o assunto da unidade.
Substâncias e Misturas
6
Unidade: Substâncias e Misturas
Contextualização
Para iniciar esta unidade, a partir da ilustração abaixo, reflita sobre a forma de apresentação
das substâncias na natureza.
Copo
de água
Água e
Óleo
Água e
Sal
Oriente sua reflexão pelas seguintes questões:
O que é substância?
O que é mistura?
Por que num momento se misturam e no outro não?
Como separá-las?
7
Introdução
Sabemos que a matéria é formada por substâncias que são constituídas por elementos
químicos.
Os elementos químicos são representados por símbolos internacionais descritos na Tabela
Periódica.
E as fórmulas são representações das substâncias, ou seja, o conjunto dos símbolos dos
elementos que constituem as substâncias.
As substâncias podem ser classificadas como simples ou compostas.
Substâncias Simples
As substâncias simples são aquelas formadas a partir de um
único elemento.
Como exemplo, podemos nos lembrar de: oxigênio O2
, ozônio
O3
e o Ferro Fe.
Substâncias Compostas
As substâncias compostas são formadas por mais de um elemento
e, nesta categoria, podemos listar a água H2
O, o gás carbônico CO2
e a Glicose C6
H1
2O6
.
8
Unidade: Substâncias e Misturas
Substância Pura e Mistura
Teremos caracterizada uma substância pura quando, no sistema em que ela se apresenta,
encontrarmos apenas partículas dela.
Quando a substância pura for composta por um único elemento químico, ela é uma
substância pura e simples.
E quando encontrarmos uma substância pura composta por uma substância que contenha
um ou mais elementos, ela é considerada pura e composta.
Substâncias Puras
CompostaSimples
A mistura se caracteriza por um sistema que apresenta mais de um tipo de substância.
Exemplos:
RELEMBRANDO
PONTO DE FUSÃO:
temperatura em que a substância passa do estado
sólido para o estado líquido.
PONTO DE EBULIÇÃO:
temperatura em que a substância passa do estado
líquido para o estado gasoso.
Agora aprenderemos a diferenciar uma substância pura de uma mistura por meio da
observação de suas constantes físicas: o ponto de ebulição, o ponto de fusão, a solubilidade e
a densidade.
Durante as mudanças de estado, as substâncias puras mantêm suas constantes, já as misturas
apresentam comportamento diferente. Exemplo: a água pura apresenta suas constantes
físicas definidas, e a mistura de água e sal de cozinha não apresenta constantes.
9
Esta visualização fica bem pronunciada quando colocamos estes parâmetros em gráficos.
No primeiro gráfico, a substância pura apresenta suas propriedades ponto de fusão e ponto
de ebulição bem definidas, ou seja, as temperaturas que permanecem fixas durante todo o
processo de mudança de fase (Sólido + Líquido - de t1 a t2 e Líquido + Gasoso – de t3 a t4).
Diferente do segundo gráfico que representa uma mistura, não existe patamar de temperatura
constante durante a troca de estado físico.
Podemos dizer, então, que mistura é a união de duas ou mais substâncias em que
cada uma mantém suas propriedades.
As misturas são divididas em duas categorias: homogênea e heterogênea.
A mistura homogênea é caracterizada quando não podemos distinguir a olho nu quantas
substâncias fazem parte do sistema. Como exemplo, podemos pensar na adição de pequena
quantidade de sal a um copo de água; ao misturarmos este sistema com uma colher, e
compararmos com um copo contendo apenas água, não conseguimos distinguir o copo que
contém o sal.
Por outro lado, a mistura heterogênea é caracterizada pela perfeita distinção visual dos
componentes. Num sistema contendo azeite e água, é muito fácil e possível distinguirmos as
duas substâncias visualmente.
A maneira como observamos uma mistura dá a classificação de misturas homogêneas e
heterogêneas. Levando isso em consideração, uma mistura que, a olho nu, é classificada como
mistura homogênea, ao passar por uma análise microscópica, pode se revelar uma mistura
heterogênea.
Água e
açucar
iStock/Getty Images
10
Unidade: Substâncias e Misturas
As misturas heterogêneas cujos componentes só podem ser observados com o auxilio de
um microscópio, são chamadas de coloides. Os coloides estão muito presentes no nosso
dia a dia nos alimentos, como a maionese e a gelatina, e em alguns produtos vendidos em
farmácias, como as pomadas.
iStock/Getty Images
Entendemos, então, que as misturas heterogêneas apresentam fases distintas, que podem
ser observadas a olho nu. Ao observarmos uma mistura de acetona com pedaços de alumínio,
temos caracterizada uma mistura heterogênea bifásica, que apresenta duas fases bem nítidas,
dois componentes distintos: a acetona e o alumínio.
A classificação de um sistema contendo água, cubos de gelo e areia é um sistema trifásico
constituído de dois elementos: água e areia.
Água e
Gelo
1 Componente
2 Fases
2 Componente
2 Fases
2 Componente
2 Fases
Vários componentes
Polifases
Água e
Óleo
Água e
Areia
Sangue
Devemos observar bem os sistemas para caracterizar componentes e fases.
Avalie a classificação acima e discuta com seus colegas!
Melhor do que isso, comece a classificar as misturas que você encontra no seu dia a dia e
traga exemplos aos colegas para fóruns de debate.
11
Separação de Misturas
As misturas podem ter seus componentes separados. Existem várias técnicas conhecidas
que realizam a separação de misturas. É muito importante frisar que o que definirá o tipo de
separação é o tipo de mistura com a qual iremos trabalhar.
Separação de Sólidos
Para separar sólidos, podemos utilizar os métodos:
CATAÇÃO
a separação é feita recolhendo com as mãos ou um
equipamento específico um dos componentes da mistura.
Exemplo: retirar as impurezas do feijão antes de cozinhar.
iStock/Getty Images
PENEIRAÇÃO
ouTAMIZAÇÃO
é o método que separa sólidos de tamanho maior dos
sólidos de tamanho menor, utilizado também para separar
sólidos em suspensão de líquidos.
Exemplo: a indústria produtora de arroz usa esta técnica
para classificar seu produto para venda.
iStock/Getty Images
12
Unidade: Substâncias e Misturas
LEVIGAÇÃO
é o método que utiliza água corrente como veículo para
separar as substâncias mais densas das substâncias
menos densas.
Exemplo: esse processo é utilizado nos garimpos de ouro
para separar o ouro que é um material mais denso de outros
materiais como a areia que é um material menos denso.
iStock/Getty Images
DISSOLUÇÃO
consiste na utilização de solvente para dissolver uma
mistura; importante observar que este solvente deve ter
uma densidade intermediária entre as densidades dos
componentes do sistema a ser separado.
Exemplo: ao se adicionar água à mistura de serragem e
areia, a areia se deposita no fundo e a serragem flutua.
Água
Serragem
Areia
Você sabia?
A DISSOLUÇÃO FRACIONADA também utiliza o solvente para
dissolver a mistura, porém, neste caso, o solvente terá ação em apenas
um dos componentes da mistura.
Exemplo: numa mistura de sal e areia, a água dissolve o sal, mas não
dissolve a areia. A filtração é o método utilizado para separar a areia,
que deve ficar retida no filtro, da água salgada. Logo após, utiliza-se o
processo de evaporação para separar a água do sal.
13
SEPARAÇÃO
MAGNÉTICA
é utilizada quando temos uma mistura em que um material
magnético é um dos componentes. O equipamento
utilizado para este fim contém um ímã ou eletroímã que
atrai o material magnético e o separa da mistura.
Exemplo: o malte recebido na indústria cervejeira pode
conter pequenas sujidades como pregos, por exemplo;
então, a separação magnética retira este material no
recebimento de matéria-prima, garantindo a segurança
alimentar do produto que será armazenado em silos.
iStock/Getty Images
VENTILAÇÃO
é um método utilizado para separar componentes sólidos
com densidades diferentes pela aplicação de um jato de ar
sobre a mistura.
Exemplo: os produtores de arroz utilizam este método
para separar o arroz da palha antes da distribuição.
iStock/Getty Images
14
Unidade: Substâncias e Misturas
Separação de Sólidos e Líquidos
Para separar misturas de sólidos e líquidos, podemos utilizar os seguintes métodos:
SEDIMENTAÇÃO
é o método de separação que deixa a mistura em repouso
até que o componente sólido, por ser mais pesado, se
deposite no fundo do recipiente. Este é um processo muito
lento e qualquer movimentação no sistema coloca a areia
novamente em suspensão.
Exemplo: mistura de água + areia.
DECANTAÇÃO
é um processo de separação de misturas que contenham
líquidos imiscíveis, que não se misturam. O recipiente
escolhido para o processo, por exemplo, um Becker, que
contem os líquidos deve ser inclinado para derramar o
líquido que fica em cima em outro recipiente escolhido.
Uma forma de tornar este processo mais eficiente é a
utilização de um funil de bromo.
O funil de bromo é uma vidraria muito utilizada em laboratório. Muito parecido com um
funil comum, porém, tem forma de balão e sua abertura superior é menor e uma torneira
em baixo. A mistura dos líquidos imiscíveis pode ser colocada neste equipamento deixando
um béquer posicionado bem abaixo da torneira. O processo consiste em abrir a torneira.
Desta forma, o líquido que ficou embaixo escorre rapidamente para o béquer pela torneira,
e o líquido que ficou em cima, mais leve, fica retido no funil. É importante ter a percepção
de fechar a torneira exatamente no momento em que a passagem do líquido finalizar.
CENTRIFUGAÇÃO
é o processo que acelera a sedimentação com o auxílio de
um aparelho chamado centrífuga. A centrífuga, como o
próprio nome diz, utiliza da força centrífuga para separar
o material mais denso do material menos denso.
FILTRAÇÃO
é um método de separação que separa mistura sólido-
líquido ou sólido-gás quando o sólido se encontra disperso
por um líquido ou gás. Esta metodologia acontece com o
auxílio de uma superfície porosa conhecida como papel-
filtro. O papel-filtro serve para reter o material sólido e
deixar o líquido passar.
EVAPORAÇÃO
é o método utilizado para separar sólido-líquido, ele
dispersa por evaporação o líquido que está misturado com
um sólido.
Exemplo: o sal de cozinha é obtido por este processo. O sal
grosso é o resultado do processo de evaporação nas salinas e
ao ser purificado torna-se o sal refinado ou sal de cozinha.
15
Separação de Misturas Homogêneas
Os métodos de fracionamento são baseados na manutenção da temperatura constante
durante as mudanças de estados da matéria. Estes métodos são utilizados para separar os
elementos das substâncias de misturas homogêneas.
Apresentaremos a seguir: fusão e destilação.
FUSÃO
FRACIONADA
é o método que separa substâncias sólidas de misturas
homogêneas. O componente sólido é aquecido e derretido
até o seu ponto de fusão, separando-se das demais
substâncias. É importante que as substâncias tenham
pontos de fusão bem distintos.
Como exemplo, temos a separação de mistura sólida
de metais. O metal com ponto de fusão menor funde-se
primeiramente seguindo a mesma lógica da destilação.
iStock/Getty Images
DESTILAÇÃO
é o método que separa líquidos e sólidos com pontos
de ebulição diferentes, sendo que os líquidos devem ser
miscíveis entre si.
Como exemplo, temos a mistura de água + álcool etílico
que é imperceptível ao olho nu. Seguindo a dinâmica da
destilação, o ponto de ebulição do álcool etílico é menor
do que o ponto de ebulição da água. Por esse motivo,
o álcool deve ferver em primeiro lugar ao aquecermos a
mistura. No condensador, o vapor do álcool se resfria e
vira álcool líquido no frasco coletor.
Você sabia?
iStock/Getty Images
Para essa técnica, também chamada de destilação simples, utiliza-se
o destilador, que é um conjunto de vidrarias, tais como mangueiras,
suportes, balão de destilação, haste metálica, bico de gás, condensador,
termômetro, agarradores e frasco coletor.
A destilação fracionada é estudada em disciplinas de química orgânica e
muito utilizada nas organizações em processos de separação de misturas
líquidas de dois ou mais componentes. Como exemplo, podemos
enumerar gasolina, óleo diesel e querosene que são produzidos em
torres de separação de petróleo.
16
Unidade: Substâncias e Misturas
Material Complementar
Para complementar os conhecimentos adquiridos nesta unidade, consulte os livros
disponíveis em Minha Biblioteca:
Livros:
BRASIL, Nilo Índio do, ARAÚJO, Maria Adelina Santos, and SOUSA, Elisabeth Cristina Molina de (orgs.). Processamento de
Petróleo e Gás. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2014.VitalBook file.
SCHWANKE, Cibele. Ambiente: Conhecimentos e Práticas. SérieTekne. Porto Alegre: Bookman, 2013.VitalBook file.
KOBLITZ, Maria Gabriela Bello. Matérias-Primas Alimentícias. Composição e Controle de Qualidade. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2011.VitalBook file.
Leia-os para enriquecer sua compreensão sobre o assunto tratado nesta unidade.
Bom estudo!
17
Referências
BROWN, T.L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, B. E. Química, a Ciência Central. 9. ed. São
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
CHANG, R. Química Geral. Conceitos Essenciais. 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.
SARDELLA, A. Curso de Química: Química Geral. 25. ed. 2ª impressão. São Paulo:
Editora Ática, 2002.
18
Unidade: Substâncias e Misturas
Anotações
Unidade ii   substâncias e misturas
Unidade ii   substâncias e misturas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 metodo cientifico
Aula 01 metodo cientificoAula 01 metodo cientifico
Aula 01 metodo cientifico
aleciam18
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
Katia Valeria
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
Cláudio Santos
 
Aula 1 fermentação ruminal
Aula 1  fermentação ruminalAula 1  fermentação ruminal
Aula 1 fermentação ruminal
Glaucia Moraes
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
familiaestagio
 
Classificação e grau de parentesco
Classificação e grau de parentescoClassificação e grau de parentesco
Classificação e grau de parentesco
Marcia Bantim
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
quimica_prefederal
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
marcelo otenio
 
Gatos e raças de gatos
Gatos e raças de gatosGatos e raças de gatos
Gatos e raças de gatos
Angelina Cambrige
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
acessoriaem21ma
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
Fatima Comiotto
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
cbaratinha
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
Carolina Trochmann
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
Joseanny Pereira
 
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptxRevisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
IngridPinheiro26
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
Vanderlei Holz Lermen
 
3. separação de misturas
3. separação de misturas3. separação de misturas
3. separação de misturas
Rebeca Vale
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Patricia Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Aula 01 metodo cientifico
Aula 01 metodo cientificoAula 01 metodo cientifico
Aula 01 metodo cientifico
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Aula 1 fermentação ruminal
Aula 1  fermentação ruminalAula 1  fermentação ruminal
Aula 1 fermentação ruminal
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
 
Classificação e grau de parentesco
Classificação e grau de parentescoClassificação e grau de parentesco
Classificação e grau de parentesco
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
Gatos e raças de gatos
Gatos e raças de gatosGatos e raças de gatos
Gatos e raças de gatos
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Tecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturasTecnicas separação misturas
Tecnicas separação misturas
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptxRevisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
Revisão_Organelas_Citoplasmáticas.pptx
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
 
3. separação de misturas
3. separação de misturas3. separação de misturas
3. separação de misturas
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 

Destaque

Aula 02 estudos das substancias e das misturas
Aula 02 estudos das substancias e das misturasAula 02 estudos das substancias e das misturas
Aula 02 estudos das substancias e das misturas
Colegio CMC
 
Laudo belo jardim
Laudo belo jardimLaudo belo jardim
Laudo belo jardim
Marcos Da Eli
 
Mudança de estado
Mudança de estadoMudança de estado
Mudança de estado
Rildo Borges
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Rildo Borges
 
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreirosLaudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Paulo H Bueno
 
1 Misturas e Soluções
1 Misturas e Soluções1 Misturas e Soluções
1 Misturas e Soluções
Raquel Gastao Daniel
 
Laudo avaliatório gerador cc
Laudo avaliatório gerador ccLaudo avaliatório gerador cc
Laudo avaliatório gerador cc
Marcelo Gandra Falcone
 
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
Paulo H Bueno
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
HannahV08
 
Check list segurança no trabalho rural
Check list segurança no trabalho ruralCheck list segurança no trabalho rural
Check list segurança no trabalho rural
Raul Cristino
 
Laudo instalacoes-eletricas
Laudo instalacoes-eletricasLaudo instalacoes-eletricas
Laudo instalacoes-eletricas
Cibele Delgado
 
Laudo pericial modelo
Laudo pericial modeloLaudo pericial modelo
Laudo pericial modelo
Paulo H Bueno
 
Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7
Marcelo Gandra Falcone
 
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa mariaLaudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Paulo H Bueno
 
SQL window functions for MySQL
SQL window functions for MySQLSQL window functions for MySQL
SQL window functions for MySQL
Dag H. Wanvik
 
Livro Manual de Perícias
Livro Manual de PeríciasLivro Manual de Perícias
Livro Manual de Perícias
Rui Juliano
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
Jesrayne Nascimento
 
Processo de Separação de Misturas
Processo de Separação de MisturasProcesso de Separação de Misturas
Processo de Separação de Misturas
Marcia Regina
 
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Prefeitura de Olinda
 
Laudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predialLaudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predial
Universidade Federal Fluminense
 

Destaque (20)

Aula 02 estudos das substancias e das misturas
Aula 02 estudos das substancias e das misturasAula 02 estudos das substancias e das misturas
Aula 02 estudos das substancias e das misturas
 
Laudo belo jardim
Laudo belo jardimLaudo belo jardim
Laudo belo jardim
 
Mudança de estado
Mudança de estadoMudança de estado
Mudança de estado
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreirosLaudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
Laudo insalub pericul inst federal pe unid barreiros
 
1 Misturas e Soluções
1 Misturas e Soluções1 Misturas e Soluções
1 Misturas e Soluções
 
Laudo avaliatório gerador cc
Laudo avaliatório gerador ccLaudo avaliatório gerador cc
Laudo avaliatório gerador cc
 
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
Anexo ii laudo de vistoria de engenharia revisado 23 03-2011
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
 
Check list segurança no trabalho rural
Check list segurança no trabalho ruralCheck list segurança no trabalho rural
Check list segurança no trabalho rural
 
Laudo instalacoes-eletricas
Laudo instalacoes-eletricasLaudo instalacoes-eletricas
Laudo instalacoes-eletricas
 
Laudo pericial modelo
Laudo pericial modeloLaudo pericial modelo
Laudo pericial modelo
 
Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7Laudo avaliatório 7
Laudo avaliatório 7
 
Laudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa mariaLaudo insalub pericul hosp santa maria
Laudo insalub pericul hosp santa maria
 
SQL window functions for MySQL
SQL window functions for MySQLSQL window functions for MySQL
SQL window functions for MySQL
 
Livro Manual de Perícias
Livro Manual de PeríciasLivro Manual de Perícias
Livro Manual de Perícias
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
 
Processo de Separação de Misturas
Processo de Separação de MisturasProcesso de Separação de Misturas
Processo de Separação de Misturas
 
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
 
Laudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predialLaudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predial
 

Semelhante a Unidade ii substâncias e misturas

Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamentalAula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
ferreiraericaluana
 
Pré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º ano
madalenapico
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
matheusrl98
 
Misturas solucoes vc
Misturas solucoes vcMisturas solucoes vc
Misturas solucoes vc
Vanete Cruz
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturas
ytamara_g22
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
ssuser9abcfe
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12
samuelrgrg
 
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
ct-esma
 
Trabalho - Apresentações
Trabalho -   ApresentaçõesTrabalho -   Apresentações
Trabalho - Apresentações
EEB Francisco Mazzola
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Misturas solubilidade
Misturas solubilidadeMisturas solubilidade
Misturas solubilidade
Vínicius Gabriel
 
Misturas & Solubilidade
Misturas  & SolubilidadeMisturas  & Solubilidade
Misturas & Solubilidade
Vínicius Gabriel
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptx
AlanaBrito11
 
Separação de misturas blog
Separação de misturas blogSeparação de misturas blog
Separação de misturas blog
Glaucia Perez
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
EEB Francisco Mazzola
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
José Vitor Alves
 
Separacao de mistura
Separacao de misturaSeparacao de mistura
Separacao de mistura
Lucas pk'
 
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
Jane Paula
 

Semelhante a Unidade ii substâncias e misturas (20)

Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamentalAula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
 
Pré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º ano
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Misturas solucoes vc
Misturas solucoes vcMisturas solucoes vc
Misturas solucoes vc
 
Química trabalho sobre separação de misturas
Química  trabalho sobre separação de misturasQuímica  trabalho sobre separação de misturas
Química trabalho sobre separação de misturas
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12
 
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
"Somos Físicos" Misturas Heterogêneas
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
 
Trabalho - Apresentações
Trabalho -   ApresentaçõesTrabalho -   Apresentações
Trabalho - Apresentações
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Misturas solubilidade
Misturas solubilidadeMisturas solubilidade
Misturas solubilidade
 
Misturas & Solubilidade
Misturas  & SolubilidadeMisturas  & Solubilidade
Misturas & Solubilidade
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptx
 
Separação de misturas blog
Separação de misturas blogSeparação de misturas blog
Separação de misturas blog
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
 
Separacao de mistura
Separacao de misturaSeparacao de mistura
Separacao de mistura
 
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
www.slideshare.net/janeclecia/aula de substâncias e misturas.
 

Unidade ii substâncias e misturas

  • 2.
  • 3. Material Teórico Responsável pelo Conteúdo: Profª. Ms. Luciana Borin de Oliveira Revisão Textual: Profª. Ms. Luciene Oliveira da Costa Santos Substâncias e Misturas
  • 4.
  • 5. 5 • Introdução • Substância Pura e Mistura • Separação de Misturas ·· O principal objetivo desta unidade é identificar as substâncias, misturas, com apresentação das mesmas e seus métodos de separação utilizados no mercado. Leia atentamente o conteúdo desta unidade, pois lhe possibilitará conhecer as dimensões das Substâncias e Misturas. Você também encontrará uma atividade composta por questões de múltipla escolha, relacionadas com o conteúdo estudado. Além disso, terá a oportunidade de ampliar conhecimentos na Atividade Reflexiva. É extremante importante que você consulte os materiais complementares, pois são ricos em informações e possibilitam o aprofundamento de seus estudos sobre o assunto da unidade. Substâncias e Misturas
  • 6. 6 Unidade: Substâncias e Misturas Contextualização Para iniciar esta unidade, a partir da ilustração abaixo, reflita sobre a forma de apresentação das substâncias na natureza. Copo de água Água e Óleo Água e Sal Oriente sua reflexão pelas seguintes questões: O que é substância? O que é mistura? Por que num momento se misturam e no outro não? Como separá-las?
  • 7. 7 Introdução Sabemos que a matéria é formada por substâncias que são constituídas por elementos químicos. Os elementos químicos são representados por símbolos internacionais descritos na Tabela Periódica. E as fórmulas são representações das substâncias, ou seja, o conjunto dos símbolos dos elementos que constituem as substâncias. As substâncias podem ser classificadas como simples ou compostas. Substâncias Simples As substâncias simples são aquelas formadas a partir de um único elemento. Como exemplo, podemos nos lembrar de: oxigênio O2 , ozônio O3 e o Ferro Fe. Substâncias Compostas As substâncias compostas são formadas por mais de um elemento e, nesta categoria, podemos listar a água H2 O, o gás carbônico CO2 e a Glicose C6 H1 2O6 .
  • 8. 8 Unidade: Substâncias e Misturas Substância Pura e Mistura Teremos caracterizada uma substância pura quando, no sistema em que ela se apresenta, encontrarmos apenas partículas dela. Quando a substância pura for composta por um único elemento químico, ela é uma substância pura e simples. E quando encontrarmos uma substância pura composta por uma substância que contenha um ou mais elementos, ela é considerada pura e composta. Substâncias Puras CompostaSimples A mistura se caracteriza por um sistema que apresenta mais de um tipo de substância. Exemplos: RELEMBRANDO PONTO DE FUSÃO: temperatura em que a substância passa do estado sólido para o estado líquido. PONTO DE EBULIÇÃO: temperatura em que a substância passa do estado líquido para o estado gasoso. Agora aprenderemos a diferenciar uma substância pura de uma mistura por meio da observação de suas constantes físicas: o ponto de ebulição, o ponto de fusão, a solubilidade e a densidade. Durante as mudanças de estado, as substâncias puras mantêm suas constantes, já as misturas apresentam comportamento diferente. Exemplo: a água pura apresenta suas constantes físicas definidas, e a mistura de água e sal de cozinha não apresenta constantes.
  • 9. 9 Esta visualização fica bem pronunciada quando colocamos estes parâmetros em gráficos. No primeiro gráfico, a substância pura apresenta suas propriedades ponto de fusão e ponto de ebulição bem definidas, ou seja, as temperaturas que permanecem fixas durante todo o processo de mudança de fase (Sólido + Líquido - de t1 a t2 e Líquido + Gasoso – de t3 a t4). Diferente do segundo gráfico que representa uma mistura, não existe patamar de temperatura constante durante a troca de estado físico. Podemos dizer, então, que mistura é a união de duas ou mais substâncias em que cada uma mantém suas propriedades. As misturas são divididas em duas categorias: homogênea e heterogênea. A mistura homogênea é caracterizada quando não podemos distinguir a olho nu quantas substâncias fazem parte do sistema. Como exemplo, podemos pensar na adição de pequena quantidade de sal a um copo de água; ao misturarmos este sistema com uma colher, e compararmos com um copo contendo apenas água, não conseguimos distinguir o copo que contém o sal. Por outro lado, a mistura heterogênea é caracterizada pela perfeita distinção visual dos componentes. Num sistema contendo azeite e água, é muito fácil e possível distinguirmos as duas substâncias visualmente. A maneira como observamos uma mistura dá a classificação de misturas homogêneas e heterogêneas. Levando isso em consideração, uma mistura que, a olho nu, é classificada como mistura homogênea, ao passar por uma análise microscópica, pode se revelar uma mistura heterogênea. Água e açucar iStock/Getty Images
  • 10. 10 Unidade: Substâncias e Misturas As misturas heterogêneas cujos componentes só podem ser observados com o auxilio de um microscópio, são chamadas de coloides. Os coloides estão muito presentes no nosso dia a dia nos alimentos, como a maionese e a gelatina, e em alguns produtos vendidos em farmácias, como as pomadas. iStock/Getty Images Entendemos, então, que as misturas heterogêneas apresentam fases distintas, que podem ser observadas a olho nu. Ao observarmos uma mistura de acetona com pedaços de alumínio, temos caracterizada uma mistura heterogênea bifásica, que apresenta duas fases bem nítidas, dois componentes distintos: a acetona e o alumínio. A classificação de um sistema contendo água, cubos de gelo e areia é um sistema trifásico constituído de dois elementos: água e areia. Água e Gelo 1 Componente 2 Fases 2 Componente 2 Fases 2 Componente 2 Fases Vários componentes Polifases Água e Óleo Água e Areia Sangue Devemos observar bem os sistemas para caracterizar componentes e fases. Avalie a classificação acima e discuta com seus colegas! Melhor do que isso, comece a classificar as misturas que você encontra no seu dia a dia e traga exemplos aos colegas para fóruns de debate.
  • 11. 11 Separação de Misturas As misturas podem ter seus componentes separados. Existem várias técnicas conhecidas que realizam a separação de misturas. É muito importante frisar que o que definirá o tipo de separação é o tipo de mistura com a qual iremos trabalhar. Separação de Sólidos Para separar sólidos, podemos utilizar os métodos: CATAÇÃO a separação é feita recolhendo com as mãos ou um equipamento específico um dos componentes da mistura. Exemplo: retirar as impurezas do feijão antes de cozinhar. iStock/Getty Images PENEIRAÇÃO ouTAMIZAÇÃO é o método que separa sólidos de tamanho maior dos sólidos de tamanho menor, utilizado também para separar sólidos em suspensão de líquidos. Exemplo: a indústria produtora de arroz usa esta técnica para classificar seu produto para venda. iStock/Getty Images
  • 12. 12 Unidade: Substâncias e Misturas LEVIGAÇÃO é o método que utiliza água corrente como veículo para separar as substâncias mais densas das substâncias menos densas. Exemplo: esse processo é utilizado nos garimpos de ouro para separar o ouro que é um material mais denso de outros materiais como a areia que é um material menos denso. iStock/Getty Images DISSOLUÇÃO consiste na utilização de solvente para dissolver uma mistura; importante observar que este solvente deve ter uma densidade intermediária entre as densidades dos componentes do sistema a ser separado. Exemplo: ao se adicionar água à mistura de serragem e areia, a areia se deposita no fundo e a serragem flutua. Água Serragem Areia Você sabia? A DISSOLUÇÃO FRACIONADA também utiliza o solvente para dissolver a mistura, porém, neste caso, o solvente terá ação em apenas um dos componentes da mistura. Exemplo: numa mistura de sal e areia, a água dissolve o sal, mas não dissolve a areia. A filtração é o método utilizado para separar a areia, que deve ficar retida no filtro, da água salgada. Logo após, utiliza-se o processo de evaporação para separar a água do sal.
  • 13. 13 SEPARAÇÃO MAGNÉTICA é utilizada quando temos uma mistura em que um material magnético é um dos componentes. O equipamento utilizado para este fim contém um ímã ou eletroímã que atrai o material magnético e o separa da mistura. Exemplo: o malte recebido na indústria cervejeira pode conter pequenas sujidades como pregos, por exemplo; então, a separação magnética retira este material no recebimento de matéria-prima, garantindo a segurança alimentar do produto que será armazenado em silos. iStock/Getty Images VENTILAÇÃO é um método utilizado para separar componentes sólidos com densidades diferentes pela aplicação de um jato de ar sobre a mistura. Exemplo: os produtores de arroz utilizam este método para separar o arroz da palha antes da distribuição. iStock/Getty Images
  • 14. 14 Unidade: Substâncias e Misturas Separação de Sólidos e Líquidos Para separar misturas de sólidos e líquidos, podemos utilizar os seguintes métodos: SEDIMENTAÇÃO é o método de separação que deixa a mistura em repouso até que o componente sólido, por ser mais pesado, se deposite no fundo do recipiente. Este é um processo muito lento e qualquer movimentação no sistema coloca a areia novamente em suspensão. Exemplo: mistura de água + areia. DECANTAÇÃO é um processo de separação de misturas que contenham líquidos imiscíveis, que não se misturam. O recipiente escolhido para o processo, por exemplo, um Becker, que contem os líquidos deve ser inclinado para derramar o líquido que fica em cima em outro recipiente escolhido. Uma forma de tornar este processo mais eficiente é a utilização de um funil de bromo. O funil de bromo é uma vidraria muito utilizada em laboratório. Muito parecido com um funil comum, porém, tem forma de balão e sua abertura superior é menor e uma torneira em baixo. A mistura dos líquidos imiscíveis pode ser colocada neste equipamento deixando um béquer posicionado bem abaixo da torneira. O processo consiste em abrir a torneira. Desta forma, o líquido que ficou embaixo escorre rapidamente para o béquer pela torneira, e o líquido que ficou em cima, mais leve, fica retido no funil. É importante ter a percepção de fechar a torneira exatamente no momento em que a passagem do líquido finalizar. CENTRIFUGAÇÃO é o processo que acelera a sedimentação com o auxílio de um aparelho chamado centrífuga. A centrífuga, como o próprio nome diz, utiliza da força centrífuga para separar o material mais denso do material menos denso. FILTRAÇÃO é um método de separação que separa mistura sólido- líquido ou sólido-gás quando o sólido se encontra disperso por um líquido ou gás. Esta metodologia acontece com o auxílio de uma superfície porosa conhecida como papel- filtro. O papel-filtro serve para reter o material sólido e deixar o líquido passar. EVAPORAÇÃO é o método utilizado para separar sólido-líquido, ele dispersa por evaporação o líquido que está misturado com um sólido. Exemplo: o sal de cozinha é obtido por este processo. O sal grosso é o resultado do processo de evaporação nas salinas e ao ser purificado torna-se o sal refinado ou sal de cozinha.
  • 15. 15 Separação de Misturas Homogêneas Os métodos de fracionamento são baseados na manutenção da temperatura constante durante as mudanças de estados da matéria. Estes métodos são utilizados para separar os elementos das substâncias de misturas homogêneas. Apresentaremos a seguir: fusão e destilação. FUSÃO FRACIONADA é o método que separa substâncias sólidas de misturas homogêneas. O componente sólido é aquecido e derretido até o seu ponto de fusão, separando-se das demais substâncias. É importante que as substâncias tenham pontos de fusão bem distintos. Como exemplo, temos a separação de mistura sólida de metais. O metal com ponto de fusão menor funde-se primeiramente seguindo a mesma lógica da destilação. iStock/Getty Images DESTILAÇÃO é o método que separa líquidos e sólidos com pontos de ebulição diferentes, sendo que os líquidos devem ser miscíveis entre si. Como exemplo, temos a mistura de água + álcool etílico que é imperceptível ao olho nu. Seguindo a dinâmica da destilação, o ponto de ebulição do álcool etílico é menor do que o ponto de ebulição da água. Por esse motivo, o álcool deve ferver em primeiro lugar ao aquecermos a mistura. No condensador, o vapor do álcool se resfria e vira álcool líquido no frasco coletor. Você sabia? iStock/Getty Images Para essa técnica, também chamada de destilação simples, utiliza-se o destilador, que é um conjunto de vidrarias, tais como mangueiras, suportes, balão de destilação, haste metálica, bico de gás, condensador, termômetro, agarradores e frasco coletor. A destilação fracionada é estudada em disciplinas de química orgânica e muito utilizada nas organizações em processos de separação de misturas líquidas de dois ou mais componentes. Como exemplo, podemos enumerar gasolina, óleo diesel e querosene que são produzidos em torres de separação de petróleo.
  • 16. 16 Unidade: Substâncias e Misturas Material Complementar Para complementar os conhecimentos adquiridos nesta unidade, consulte os livros disponíveis em Minha Biblioteca: Livros: BRASIL, Nilo Índio do, ARAÚJO, Maria Adelina Santos, and SOUSA, Elisabeth Cristina Molina de (orgs.). Processamento de Petróleo e Gás. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2014.VitalBook file. SCHWANKE, Cibele. Ambiente: Conhecimentos e Práticas. SérieTekne. Porto Alegre: Bookman, 2013.VitalBook file. KOBLITZ, Maria Gabriela Bello. Matérias-Primas Alimentícias. Composição e Controle de Qualidade. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.VitalBook file. Leia-os para enriquecer sua compreensão sobre o assunto tratado nesta unidade. Bom estudo!
  • 17. 17 Referências BROWN, T.L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, B. E. Química, a Ciência Central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. CHANG, R. Química Geral. Conceitos Essenciais. 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006. SARDELLA, A. Curso de Química: Química Geral. 25. ed. 2ª impressão. São Paulo: Editora Ática, 2002.
  • 18. 18 Unidade: Substâncias e Misturas Anotações