SlideShare uma empresa Scribd logo
3
JESUS COMO MESTRE

     Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
           homerzatt.blogspot.com
Nível 1

                                                                        Obs. Se o leitor leu o primeiro tema da série já conhece
                                                                        este conteúdo. Pode pular este slide e veja:
                                                                        Uma visão do Discipulado Cristão – Parte 3

Inquietude pessoal:

Desde que aceitei a fé cristã, assim como a ensina a Bíblia, tenho visto muitas das minhas crenças irem por terra, e tenho dito isso aos meus
alunos de Bíblia.
Ao examinarmos as Escrituras, e confrontarmos, encontramos muitas práticas religiosas que são idéias particulares das organizações ou de seus
líderes, que contradizem ou não são fieis ao “está escrito”.
Há doutrinas, práticas e procedimentos evangelísticos que, não são mais do que táticas humanas, estratégias para conseguir adeptos. Muitas
vezes fiquei muito preocupado e decepcionado em detectar o mesmo em nosso meio uma vez que não estamos isentos desses problemas.
O mesmo acontece em relação ao Discipulado cristão estabelecido por Jesus, cada denominação (e às vezes, cada líder) tem uma visão
diferente do que seria um discípulo de Cristo.

Com esta série, tentaremos chegar o mais perto possível do que venha a ser um discípulo de Cristo e o discipulado cristão.

Talvez, chegaremos a conclusão de que muito do que praticamos no sentido evangelístico faz parte do discipulado e porém, são consideradas
como opções do trabalho do crente e não chegam nem perto do que o Mestre estabeleceu.

Não estamos neste momento, querendo dizer que, aqui está toda a verdade sobre o assunto. Através de pesquisa aos muitos autores cristãos e
do judaísmo histórico e, sempre conferindo e constatando nas Escrituras, a nossa visão sobre este assunto vai mudar. Isso é o que sinceramente
acredito!

Muito obrigado ao Senhor, que nos ilumina, trazendo a vontade de ajudar e resgatar um entendimento que pode levar cada um de nós a ser um
verdadeiro discípulo de Jesus.

Desde já, muito obrigado aos autores que, consultados, aportam quase todo o que aqui está reunido, tentaremos, sempre que seja possível,
citar os autores e as fontes.

                                                                                                                             Prof. Ramón Zazatt
1    Como já abordamos no Novo Curso bíblico ideal Cristão, aqui a razão e a fé tem que        http://www.novocbic.blogspot.com/
     andar juntas. Convido o leitor ver o curso no endereço ao lado. >

                                     Uma visão do discipulado cristão - Parte 3

                                                  JESUS COMO MESTRE
                                         Aqui um convite para continuar a viajar no tempo!

                                                   A esta altura, já temos uma ideia do que havia no relacionamento
    Revisão                                       mestre-discípulo em Israel, e que era muito diferente da ideia que
                                                  temos hoje aqui no Ocidente.
                                                  Vemos que é necessário despojar-se de nossos conceitos modernos e
                                                  entrarmos no túnel do tempo, que nos transporta ao Oriente e a
                                                  mentalidade de mais de dois mil anos atrás.


    Vemos que:                                    Nossa realidade, sobre a palavra Mestre, é muito diferente da noção de
                                                  mestre para o oriental e principalmente para o povo judeu, de um modo
                                                  particular.
                                                  Assim sendo, para entendermos a proposta de discipulado de Jesus,
                                                  devemos primeiro entender o que Ele quis dizer com “vós me chamais
                                                  mestre e eu o sou”. João 13:13


    Como já falamos vamos dar                     Devemos nos conscientizar de que este ministério demanda paciência e
    um passo de cada vez.                         persistência, lembrando do princípio bíblico de que "tudo tem o seu tempo".
                                                  Confie que está obedecendo ao Senhor e colha os abençoados resultados!


    A razão e a fé                                Nunca estará demais uma releitura dos temas anteriores, a razão, a lógica
                                                  dos acontecimentos e a fé abrirão o nosso entendimento.

                                                                                              Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
2
                                                JESUS COMO MESTRE
    Lembramos como já salientamos que, devido as muitas traduções e as versões da Bíblia, varias são as expressões para
    designar a mesma coisa. Mestre é sinônimo de: Rabi, Rabôni, Rabino, Mestre da lei , Doutor da lei, Escribas, assim sendo,
    referem-se à mesma pessoa e veremos muitos destes termos sendo utilizados para designar Jesus.


                                          O mestre ensinava a vida, coisas práticas, relacionadas não apenas com a
               Para os Orientais:         profissão mas, sobretudo, sobre a vida e os valores.
                                          Se tinha um mestre para todas as disciplinas, não havia a divisão de nossos dias.
                                          O mestre não tinha um lugar fixo, ensinava utilizando a própria natureza e os
                                          acontecimentos como conteúdo.



                                          Os mestres em Israel eram leigos competentes que ensinavam os outros a viver de
           Os mestres em Israel           acordo com a vontade de Deus. Estes eram estudiosos da Lei porém, eram
                                          homens sábios que de acordo com o plano de Deus, transmitiam um estilo de vida,
                                          que eles mesmos experimentavam.



    Ensinavam a própria vida.             Para um hebreu era muito mais importante “saber viver” do que viver.
                                          O mestre não baseava seu ensino em teorias. O que ensinava era a própria vida.


    E entendiam que:                      A Toráh que literalmente significa Lei, era a lei, mas também a revelação de Deus
                                          que se tornou palavra. A Toráh era a palavra, a Toráh era a lei e a Toráh era a
                                          vida.


     Com esta visão de como eram os mestres de Israel em particular, que foi o local onde Jesus cresceu e fazia parte de sua
     realidade, logo os judeus entendiam assim como era na realidade deles e não como hoje é a nossa, ocidental.


                                                                                              Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
3
                                       JESUS COMO MESTRE

    No começo: Um menino        Criado no contexto dos costumes judaicos em relação ao relacionamento
    instruído segundo o         mestre/discípulo já lembrados, assim como o sistema judaico de ensino.
                                Jesus não sabia apenas as primeiras letras desde a infância.
    costume.


                                “E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, cheio
         Lucas 2:40              de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.”

    Segundo o costume..."Ora, todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa....”




                                    Esses visuais encontrei aqui http://picasaweb.google.com/celiodesign
                                                                                                           Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
4
                                            JESUS COMO MESTRE
    Encontramos Jesus adolescente no relato de Lucas capítulo 2:

    Veja que Jesus está na adolescência e se esperava que isto deveria acontecer para um
    menino Judeu dentro da grade do ensino, perceba que há aprovação de parte dos mestres, no
    texto, doutores.


    v.41 "Ora, todos os anos iam seus pais a
                                                         Destaques:
    Jerusalém à festa da páscoa;
    v.42 E, tendo ele já doze anos, subiram a
    Jerusalém, segundo o costume do dia da festa.
    v.43 E, regressando eles, terminados aqueles          Jesus está na adolescência
    dias, ficou o menino Jesus em Jerusalém, e não o
    soube José, nem sua mãe.
    v.45 E, como o não encontrassem, voltaram a           “... assentado no meio dos
    Jerusalém em busca dele.
    v.46 E aconteceu que, passados três dias, o           doutores ...”
    acharam no templo, assentado no meio dos
    doutores, ouvindo-os, e interrogando-os.
    v.47 E todos os que o ouviam admiravam a sua
                                                          “... ouvindo-os, e interrogando-
    inteligência e respostas.“ Lucas 2: 41 a 47           os ...”
    v.52 "E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura,
    e em graça para com Deus e os homens.“                “ ... o ouviam admiravam a sua
                                                          inteligência e respostas.”


                                                                      Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
5
                                 JESUS COMO MESTRE

                                                   Quem foi o mestre dele?


                                                  De onde veio esse mestre?


                                                  A que "casa" ou escola ele
                                                          pertencia?
         E então formulamos
         estas questões:                          Qual era a "gema" que ele
                                                   defendia ou ensinava?


                                                 Que tipo de mestre ele era?


                                                Desde quando Ele foi mestre?

    Começamos neste presente estudo a tentar obter respostas a essas e outras
    questões nas próprias Escrituras. (Na Bíblia)

                                                              Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
6
                                          JESUS COMO MESTRE

    Queremos achar as respostas, será que existem fundamentos bíblicos?

                                           Nos detemos nesta passagem que, consideramos a
                                             chave para nosso entendimento, nela é possível
                                            começar a responder essas questões levantadas.
                 A chave !                                   João 3: 1 e 2
                                                  (E lembre sempre a razão, a lógica e a fé andam juntas)



    Lemos:
    v.1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.
    v.2 Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus;
    porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.


                                           Uma das tantas vezes em que foi chamado de
                                           Mestre ou Rabi.

                                           “... Rabi, sabemos que és mestre vindo da parte de
                     João 3: 2
                                           Deus; ...”

                                                Ali está inserida essa idéia geral nos
                                              evangelhos e confirmada por Nicodemos.
                                                                                  Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
7
                                    JESUS COMO MESTRE

    As primeiras questões começam a ser respondidas: Quem foi o mestre dele? De onde veio
    esse mestre? A que "casa" ou escola ele pertencia? Qual era a "gema" que ele defendia
    ou ensinava?

    Analisando o texto:




                                                   “... és vindo da parte de Deus", ele não vinha "da casa" ou
                                                   escola de outro mestre como era costume acontecer.




                   João 3: 2 e 10




                                                                         Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
8
                                     Os mestres em Israel

    Examine este quadro já visto
    comparando com o próximo:                      1
                                         Eram itinerantes não
                                         possuíam lugar fixo.

                          7
                Até quando o título de                                      2
              rabino(mestre) lhe fosse
                 concedido e assim                                Eram escolhidos pelos
                podiam fazer os seus                                   discípulos.
                 próprios discípulos.




                                              Algumas
                                          particularidades
                   6                      dos mestres em
                                                                                 3
        Os discípulos estavam                  Israel:
                                                                           Não aceitavam
        à serviço do mestre e
                                                                        mulheres ou crianças
          eram obrigados a
                                                                        como seus discípulos.
        servi-lo como servos.




                                    5
                                                                 4
                           Os discípulos tinham
                                                        O discípulo era por
                              o prestígio do
                                                        um tempo, não era
                             mestre, fama e
                                                           permanente.
                               autoridade.

                                                                              Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
9
                              JESUS COMO MESTRE

                                    1 - Jesus como mestre
    Compare:                            era itinerante, não
                                      tinha local fixo, “não
                                     tinha onde reclinar a
                                      cabeça” e assim os
                                         seus discípulos.
                 7 - Depois do
            aprendizado nenhum                                    2 – Jesus escolhia
               título recebiam,                                      seus próprios
            porém deviam fazer                                        discípulos.
              discípulos para o
                                                                       João 15:16
             Mestre. Mat. 28:19



                                   Jesus se diferencia de
                                   outros mestres por Seu
                                  estilo de vida que o torna
                                            único.                        3 - Crianças e
         6 - Jesus não os
                                           Vejamos:                       mulheres eram
      chama de servos mas
                                                                        considerados aptos
      de amigos. João 15:15
                                                                        para o discipulado.




                                                      4 - Os discípulos de
                        5 - Os discípulos               Jesus deveriam
                        passariam pelas                   segui-lo para
                       mesmas dificuldades                sempre e não
                            do mestre.                  poderiam voltar
                                                             atrás.

                                                                             Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
10
                                       JESUS COMO MESTRE
                                 O título de Mestre foi um dos poucos títulos que Jesus atribui a si mesmo,
             Mestre Ele era...
               João 13:13        “Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou”.

                                 Jesus tinha consciência que era um mestre, pois era a realidade que ele
                                 vivia e sabia muito bem o que era ser um Mestre, e durante três anos
                                 conviveu com seus discípulos, dia e noite estavam juntos explicando em
                                 particular tudo o que eles não tinham entendido.



     Jesus era reconhecido       Nos Evangelhos, Jesus é chamado mestre nada menos de
     como Mestre.                quarenta e cinco vezes (45) , e nunca se fala nele como pregador.
                                 Somando-se os termos equivalentes a mestre temos o total de
                                 sessenta e um (61).



                                 - Era rabi, mesmo que, não cumpria todos os
              Sem dúvidas!       requisitos do judaísmo, porém era aceito como tal.


     Nota:                       - Veja: este detalhe não lembrado nas exposições
                                 anteriores, entre os todos os requisitos, o mestre tinha que ser
                                 casado e ter estabelecido família e Ele (Jesus) não a tinha.


                                                                               Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
11
                                                JESUS COMO MESTRE

                                                                          Fala-se de Jesus ensinando, quarenta e
                                        Agindo como                       cinco vezes (45), e onze vezes apenas
                                        mestre ensinava.                  pregando (11), e, assim mesmo,
                                                                          pregando e ensinando. Veja exemplos:


                                                                          “... ensinando nas sinagogas e
                                        Mateus 4:23                       pregando o evangelho do reino”.


                                                                          “... ensinava-os na sinagoga, de tal
                                        Mateus 13:54                      sorte que se maravilhavam,....”.


     Marcos 6:2                           “No sábado, ... Passou a ensinar na sinagoga...”.


     E um detalhe! Somente um Rabino/mestre podia ensinar nas sinagogas.

                                                        “ ... Ele as ensinava como quem tem autoridade, e
     Mateus 7:29                                        não como os escribas”

     Era O Mestre por excelência autorizado por Deus. Ex. Mateus 28:18

     Também dizia ser “a luz” (João 1: 7 e 8 a 9), vocábulo que traz a idéia de instrução, conhecimento da Verdade e
     sabedoria que vem do alto. Esse o era o conteúdo de Seus ensinos.

                                                                                            Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
12
                                          JESUS COMO MESTRE
     Relembre: - O que era a "gema" dos mestres de Israel? O centro dos seus ensinos:

                                             • A “gema” dos mestres de Israel estava centralizada na Lei e
                                               cada um tinha a sua interpretação da lei. Equivale a dizer que,
          Estava na Lei                        um Rabino tinha uma forma diferente sobre, como viver, como
                                               entender e interpretar as Escrituras.
                                             • A Lei é a Toráh: Os cinco livros de Moisés.

     E qual era a "gema" que Ele defendia ou ensinava? O centro dos ensinos de Jesus:


                 “O Reino de Deus” ¹ ou “O Reino do Céus” ²
            2 vezes              14 vezes           31 vezes             3 vezes              30 vezes
           “Reino de            “Reino de          “Reino de            “Reino de            “Reino do
           Deus” no             Deus” no           Deus” no             Deus” no              Céus” no
           evangelho          evangelho de       evangelho de         evangelho de          evangelho de
            de João.             Marcos.             Lucas.              Mateus.              Mateus.


     Os ensinamentos de Jesus eram opostos ou batiam de frente com a “gema” dos mestres judeus como
     quando diz: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.”
     João 14:6 - Para eles era a Lei que ocupava essa função.

     ¹Anunciar “a boa nova”, preanunciada por Isaías e os profetas (VT), o reino de Deus se torna realidade
     trazendo, em resumo, Salvação.
     ² Em Mateus a expressão preferida equivalente: “Reino dos Céus”. Porque os judeus evitavam falar o nome
     de Deus.

                                                                                   Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
13
                                  JESUS COMO MESTRE

                            Ao convocar os discípulos Jesus os enviou para pregar o Reino
                            de Deus. Lucas 9:2.


                            Portanto, o Reino foi a ênfase de sua pregação, ensino e missão.
                            “ ... É necessário que eu anuncie o evangelho do Reino de Deus
                            ... pois para isso fui enviado” Lucas 4:43.



Não um rabino qualquer      Ele foi um rabino no judaísmo, mas não um rabino qualquer.



                            Radical não somente por suas atitudes fora do comum, mas
     Ele foi um rabino
                            também por seus posicionamentos teológicos.
     (mestre) radical.


                            Desde quando Ele foi mestre?
                            Neste contexto Jesus aqui, aproveita essa oportunidade de defesa de sua
 Há 4 TESTEMUNHOS           divindade e sua missão e lhes apresenta quatro evidências: O Pai
 IRREFUTÁVEIS SOBRE         celestial, João, o Batista, os milagres (Sinais) realizados e as Escrituras
 JESUS em João 5: 30 a 39   Sagradas.



                                                                           Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
14
                                      JESUS COMO MESTRE
                                Desde quando Ele foi mestre?
                                 Jesus havia recebido uma convocação de seu próprio Pai, e ele logo no
                                 inicio vai dizendo que ele não procurava fazer a vontade dele, mas sim
     Em João 5                   daquele que o enviou , e ainda acrescenta que ele não poderia dar
     Veja no verso 30            testemunho de si mesmo. Porque um auto testemunho não é confiável ...**

     Havia na lei judaica uma orientação de que um profeta deveria ser reconhecido
     com o testemunho de no mínimo duas pessoas.

                                 Isso aconteceu quando à margem do rio Jordão, João - o batista - batizava,
     E Jesus teve isso?          fazia o que lhe era necessário, preparar o caminho para aquele que veio
     Quando foi que teve esse    anunciar. Segundo a profecia era “voz que clama no deserto”.
     reconhecimento?

     Veja duas das testemunhas em ação:

        1º Testemunha João, o             • “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”
        batista.*** - João 1: 29

        2ª Testemunha o Pai -             • “Este é o meu Filho amado em que me comprazo”
             Mateus 3:17

     Depois disto o último teste, a tentação no deserto e em seguida começa a chamar os primeiros
     discípulos.

                                                                              Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
15
                                              JESUS COMO MESTRE
                                       Acreditamos que, com esta ideia do contexto da época de Jesus, fica mais
                                       fácil para nós entendermos esta relação de Mestre-Discípulo e ao mesmo
      Jesus não negocia                tempo entender o que Jesus quer de nós como discípulos, é óbvio que não
        seus valores e                 vamos viver esta relação nos mesmos moldes daquele tempo, mas os
          princípios.                  mesmos princípios, a fundamentação não podem ser mudados.


                                       Também é importante alertarmos para o fato que o discípulo
Viver a vida de seu Mestre             é, sobretudo um homem que quer viver a vida de seu Mestre e daí
                                       a necessidade dele aprender o estilo de vida do mestre, pois do
                                       contrário, ele não será discípulo de verdade, e nós não estamos
                                       interessados em apenas formar discípulos, mas, sobretudo em
                                       formar discípulos que sejam no futuro formadores de outros.


     Acredito sinceramente que só assim quando entendemos a diferença cultural, podemos começar a entender
     do que Jesus está falando quando faz um chamado para segui-lo. Não pode perder o próximo tema!



                        Notas:
                        * Sinédrio: O mais alto tribunal religioso dos judeus, do qual faziam parte os sumos sacerdotes (o atual e
                        os anteriores), chefes religiosos (anciãos) e doutores da Lei. Tinha 71 membros, incluído o presidente. João
                        11:47
                        ** Nota: Falando de João 5: 30 a 39 . Mesmo tudo isso sendo apresentado e argumentação à exaustão
                        encontraram corações incrédulos e isso mais uma vez confirma a veracidade de um antigo ditado: "a
                        incredulidade provém mais da falta de disposição em crer do que na falta de evidências" (J. Ryle).
                        *** João, o Batista: Segundo as Escrituras “não ouve outro homem entre os nascidos de mulher maior do
                        que este”. Mateus 11:11


                                                                                               Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
Referências:
                - Judaísmo - Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Juda%C3%ADsmo
                - "O Discípulo" - Juan Carlos Ortiz - Ed. Betânia - Pag.12-19 .
                - Bíblia de Jerusalém. São Paulo. SP. Edições Paulinas, 1973. - Enciclopédia de la Bíblia - Editora Garriga, S.A. - 1963 - Barcelona.- Em espanhol.
                - Comentários da Bíblia de Jerusalém em português Ed. Paulinas 1985 e Bíblia de estudo Almeida - SBB - 2008
                - Veja também: http://rangelramos.wordpress.com/2010/11/08/vem-e-segue-me/
                - O livro ou Vídeo: Dust (Poeira) – de Rob Bell . Ver em : http://lucianahonorata.wordpress.com/2011/09/03/dust-poeira-rob-bell-video/
                - A mensagem das bem-aventuranças - Cadernos bíblicos - Edições Paulinas – SP, 1982
                - GROOME, Thomas H. Educação Religiosa Cristã. Trad. Alcione Soares Ferreira, São Paulo: Edições Paulinas, 1985.
                - PRICE, J. M. A Pedagogia de Jesus. Trad. de Waldemar W. Wey, Rio de Janeiro: JUERP, 1980.
                - Fábio de Mattos - http://www.zulupa.com.br/colunas/gospel/2011/8/1978/o-rabino-radical




Conteúdo da pesquisa ou curso completo:

Nível 1- Desenvolveremos uma investigação bíblica e histórica para conscientização do que realmente
significa ser discípulo de Cristo. Isto será a base para o:
Nível 2 - Preparação dos discípulos: o que Jesus fez e ensinou, quando estava junto deles.
Nível 3 - Discipulado na pratica ou em ação. Uma visão dos discípulos levados pelo cumprimento da
promessa.

Quem sabe! Acharemos a resposta a esta significativa interrogante: O discipulado de Jesus, deve ter a
mesma base e pratica de quando Ele o lançou?

Requisitos: Para participar deste curso tenha uma boa força de vontade para "esquadrinhar as
escrituras", esquecer-se de alguns preconceitos ou idéias que já adquiriu no ambiente religioso em
relação ao discipulado cristão em especial e sentir que o Senhor lhe está chamando para ser o Seu
discípulo.

Através dos comentários no Facebook estaremos em contato esclarecendo, trocando idéias e contando
resultados e experiências.


                                                                                                                  Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germanoA importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
Joary Jossué Carlesso
 
Características do discipulado cristão
Características do discipulado cristãoCaracterísticas do discipulado cristão
Características do discipulado cristão
JUERP
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
Ruy Naziazeno
 
Discipulado lição-01
Discipulado lição-01Discipulado lição-01
Discipulado lição-01
Deonice E Orlando Sazonov
 
A formação de um discípulo
A formação de um discípuloA formação de um discípulo
A formação de um discípulo
Mauricio Medeiros da Silva
 
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimentoMt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Natalino das Neves Neves
 
As faces do discipulado
As faces do discipuladoAs faces do discipulado
As faces do discipulado
Sidinei Kauer
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Wander Sousa
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJARELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
Idpb São Jose I
 
Crescendo na Fé
Crescendo na FéCrescendo na Fé
Crescendo na Fé
Viva a Igreja
 
4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores
IBC de Jacarepaguá
 
Mente de cristo
Mente de cristoMente de cristo
Mente de cristo
Izau Melo
 
Seminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a umSeminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a um
Wágner Rocha Pereira
 
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
Discipulado
DiscipuladoDiscipulado
Discipulado
Tiago de Souza
 
Bases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDABases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDA
Sidinei Kauer
 
A visao-do-mda
A visao-do-mdaA visao-do-mda
A visao-do-mda
Igreja de Deus
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
Joary Jossué Carlesso
 
Modulo 2 _professor DISCIPULADO
Modulo 2 _professor DISCIPULADOModulo 2 _professor DISCIPULADO
Modulo 2 _professor DISCIPULADO
Deonice E Orlando Sazonov
 

Mais procurados (20)

A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germanoA importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
 
Características do discipulado cristão
Características do discipulado cristãoCaracterísticas do discipulado cristão
Características do discipulado cristão
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
 
Discipulado lição-01
Discipulado lição-01Discipulado lição-01
Discipulado lição-01
 
A formação de um discípulo
A formação de um discípuloA formação de um discípulo
A formação de um discípulo
 
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimentoMt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
Mt 28.19-20 - Discipulado e RDLl como estratégia de crescimento
 
As faces do discipulado
As faces do discipuladoAs faces do discipulado
As faces do discipulado
 
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10   Discipulado, a missão educadora da igrejaLição 10   Discipulado, a missão educadora da igreja
Lição 10 Discipulado, a missão educadora da igreja
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJARELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
RELEMBRANDO A VISÃO DA IGREJA
 
Crescendo na Fé
Crescendo na FéCrescendo na Fé
Crescendo na Fé
 
4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores4ª Aula para Formação de Discipuladores
4ª Aula para Formação de Discipuladores
 
Mente de cristo
Mente de cristoMente de cristo
Mente de cristo
 
Seminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a umSeminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a um
 
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
BARRETOS: Bases bíblicas para o exercício do discipulado
 
Discipulado
DiscipuladoDiscipulado
Discipulado
 
Bases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDABases práticas da estrutura do MDA
Bases práticas da estrutura do MDA
 
A visao-do-mda
A visao-do-mdaA visao-do-mda
A visao-do-mda
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
 
Modulo 2 _professor DISCIPULADO
Modulo 2 _professor DISCIPULADOModulo 2 _professor DISCIPULADO
Modulo 2 _professor DISCIPULADO
 

Destaque

Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJEDiscipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Roberto Trindade
 
Discipulado avançado
Discipulado avançadoDiscipulado avançado
Discipulado avançado
Roberto Trindade
 
U.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria FinalU.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria Final
Ramón Zazatt
 
U.XII - Salvação em Cristo - Parte II
U.XII - Salvação em Cristo - Parte IIU.XII - Salvação em Cristo - Parte II
U.XII - Salvação em Cristo - Parte II
Ramón Zazatt
 
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
Ramón Zazatt
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
Ramón Zazatt
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das Nações
Ramón Zazatt
 
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADASDiscipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
Roberto Trindade
 
Manual de Discipulador
Manual de DiscipuladorManual de Discipulador
Manual de Discipulador
Christian Lepelletier
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
revolucaoaje
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
Eduardo Sales de lima
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Christian Lepelletier
 
Um espelho chamado cristão.
Um espelho chamado cristão.Um espelho chamado cristão.
Um espelho chamado cristão.
Ramón Zazatt
 
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
Ramón Zazatt
 
"Lança o teu pão sobre as águas..."
"Lança o teu pão sobre as águas...""Lança o teu pão sobre as águas..."
"Lança o teu pão sobre as águas..."
Ramón Zazatt
 
O Romance Da Redenção -Tema I
O Romance Da Redenção -Tema IO Romance Da Redenção -Tema I
O Romance Da Redenção -Tema I
Ramón Zazatt
 
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
Ramón Zazatt
 
Benefícios do Discipulado 2
Benefícios do Discipulado 2Benefícios do Discipulado 2
Benefícios do Discipulado 2
Roberto Trindade
 
Juridica 615
Juridica 615Juridica 615

Destaque (20)

Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJEDiscipulado Avançado II - MDA COMEJE
Discipulado Avançado II - MDA COMEJE
 
Discipulado avançado
Discipulado avançadoDiscipulado avançado
Discipulado avançado
 
U.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria FinalU.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria Final
 
U.XII - Salvação em Cristo - Parte II
U.XII - Salvação em Cristo - Parte IIU.XII - Salvação em Cristo - Parte II
U.XII - Salvação em Cristo - Parte II
 
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
U.XVI - O Milênio / novoCbic/2010
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das Nações
 
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADASDiscipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
Discipulado Avançado IV - DISCIPULANDO MULHERES CASADAS
 
Manual de Discipulador
Manual de DiscipuladorManual de Discipulador
Manual de Discipulador
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
 
Um espelho chamado cristão.
Um espelho chamado cristão.Um espelho chamado cristão.
Um espelho chamado cristão.
 
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
Intercessão dos pais pelos filhos e filhos pelos pais.
 
"Lança o teu pão sobre as águas..."
"Lança o teu pão sobre as águas...""Lança o teu pão sobre as águas..."
"Lança o teu pão sobre as águas..."
 
O Romance Da Redenção -Tema I
O Romance Da Redenção -Tema IO Romance Da Redenção -Tema I
O Romance Da Redenção -Tema I
 
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
UI - A Biblia - Curso novocbic 2012
 
Benefícios do Discipulado 2
Benefícios do Discipulado 2Benefícios do Discipulado 2
Benefícios do Discipulado 2
 
Juridica 615
Juridica 615Juridica 615
Juridica 615
 

Semelhante a Uma Visão do Discipulado Cristão - Parte 3

A pedagogia de jesus
A pedagogia de jesusA pedagogia de jesus
A pedagogia de jesus
Bruno Pontes Costa
 
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
AMILTON gomes Gomes
 
Eliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetasEliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetas
Daniel Viana
 
Estudo sobre ebd
Estudo sobre ebdEstudo sobre ebd
Estudo sobre ebd
Otília Leite
 
Aula 2 principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão re...
Aula 2    principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão  re...Aula 2    principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão  re...
Aula 2 principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão re...
Carla Geanfrancisco Falasca
 
Eliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetasEliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetas
Moisés Sampaio
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
02 Hermeneutica interpretação e ensino da bíblia em ellen white
02 Hermeneutica   interpretação e ensino da bíblia em ellen white02 Hermeneutica   interpretação e ensino da bíblia em ellen white
02 Hermeneutica interpretação e ensino da bíblia em ellen white
José Santos
 
Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1
Marcos Luiz DA Silva
 
Profetas Maiores
Profetas MaioresProfetas Maiores
Profetas Maiores
Tsushya marco
 
O ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutorO ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutor
Adenísio dos Reis
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
Sergio Cabral
 
Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
Silas Duarte Jr
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Eduardo Braz
 
A sabedoria do menino juniores
A sabedoria do menino   junioresA sabedoria do menino   juniores
A sabedoria do menino juniores
Sandra Fuso
 
Apostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemáticaApostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemática
Rita de Cássia Souza Santos
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulos
Pr. Gerson Eller
 
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Fernando Neves
 
Ensinamentos de jesus
Ensinamentos de jesusEnsinamentos de jesus
Ensinamentos de jesus
Simone Pitta
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Anderson Silva
 

Semelhante a Uma Visão do Discipulado Cristão - Parte 3 (20)

A pedagogia de jesus
A pedagogia de jesusA pedagogia de jesus
A pedagogia de jesus
 
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
15.A_pedagogia_de_jesus.pdf
 
Eliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetasEliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetas
 
Estudo sobre ebd
Estudo sobre ebdEstudo sobre ebd
Estudo sobre ebd
 
Aula 2 principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão re...
Aula 2    principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão  re...Aula 2    principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão  re...
Aula 2 principios basicos e fundamentos da espiritualidade na educacão re...
 
Eliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetasEliseu e a escola dos profetas
Eliseu e a escola dos profetas
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
02 Hermeneutica interpretação e ensino da bíblia em ellen white
02 Hermeneutica   interpretação e ensino da bíblia em ellen white02 Hermeneutica   interpretação e ensino da bíblia em ellen white
02 Hermeneutica interpretação e ensino da bíblia em ellen white
 
Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1
 
Profetas Maiores
Profetas MaioresProfetas Maiores
Profetas Maiores
 
O ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutorO ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutor
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
 
Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
 
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensinoFundamentos bíblicos do ministério de ensino
Fundamentos bíblicos do ministério de ensino
 
A sabedoria do menino juniores
A sabedoria do menino   junioresA sabedoria do menino   juniores
A sabedoria do menino juniores
 
Apostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemáticaApostila de teologia sistemática
Apostila de teologia sistemática
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulos
 
Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02Auladaebd 090915135914-phpapp02
Auladaebd 090915135914-phpapp02
 
Ensinamentos de jesus
Ensinamentos de jesusEnsinamentos de jesus
Ensinamentos de jesus
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
 

Mais de Ramón Zazatt

Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
Ramón Zazatt
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Ramón Zazatt
 
Unidade 13 - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
Unidade 13  - O Plano da Salvação 3 - Salvação PlenaUnidade 13  - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
Unidade 13 - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
Ramón Zazatt
 
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Ramón Zazatt
 
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
Ramón Zazatt
 
Bem-aventurados os Mansos e os Humildes
Bem-aventurados os Mansos e os HumildesBem-aventurados os Mansos e os Humildes
Bem-aventurados os Mansos e os Humildes
Ramón Zazatt
 
Unidade 10 - O Centro do Evangelho
Unidade 10 - O Centro do EvangelhoUnidade 10 - O Centro do Evangelho
Unidade 10 - O Centro do Evangelho
Ramón Zazatt
 
Unidade 9 - O Principio do Evangelho
Unidade 9 -  O Principio do EvangelhoUnidade 9 -  O Principio do Evangelho
Unidade 9 - O Principio do Evangelho
Ramón Zazatt
 
Unidade 8 - A Dura Realidade da Morte
Unidade 8 - A Dura Realidade da MorteUnidade 8 - A Dura Realidade da Morte
Unidade 8 - A Dura Realidade da Morte
Ramón Zazatt
 
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do PecadoUnidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
Ramón Zazatt
 
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
Ramón Zazatt
 
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Ramón Zazatt
 
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018. Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
Ramón Zazatt
 
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Ramón Zazatt
 
Unidade 1 - Descobrindo a Bíblia- Introdução - versão 2018
Unidade 1 -  Descobrindo a Bíblia-  Introdução - versão 2018Unidade 1 -  Descobrindo a Bíblia-  Introdução - versão 2018
Unidade 1 - Descobrindo a Bíblia- Introdução - versão 2018
Ramón Zazatt
 
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Ramón Zazatt
 
Viver para glória de Deus
Viver para glória de DeusViver para glória de Deus
Viver para glória de Deus
Ramón Zazatt
 
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca""Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
Ramón Zazatt
 
"Descendo à casa do oleiro"
"Descendo à casa do oleiro""Descendo à casa do oleiro"
"Descendo à casa do oleiro"
Ramón Zazatt
 
Vasos ou cacos?
Vasos ou cacos?Vasos ou cacos?
Vasos ou cacos?
Ramón Zazatt
 

Mais de Ramón Zazatt (20)

Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
 
Unidade 13 - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
Unidade 13  - O Plano da Salvação 3 - Salvação PlenaUnidade 13  - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
Unidade 13 - O Plano da Salvação 3 - Salvação Plena
 
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
 
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
Unidade 11 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 1
 
Bem-aventurados os Mansos e os Humildes
Bem-aventurados os Mansos e os HumildesBem-aventurados os Mansos e os Humildes
Bem-aventurados os Mansos e os Humildes
 
Unidade 10 - O Centro do Evangelho
Unidade 10 - O Centro do EvangelhoUnidade 10 - O Centro do Evangelho
Unidade 10 - O Centro do Evangelho
 
Unidade 9 - O Principio do Evangelho
Unidade 9 -  O Principio do EvangelhoUnidade 9 -  O Principio do Evangelho
Unidade 9 - O Principio do Evangelho
 
Unidade 8 - A Dura Realidade da Morte
Unidade 8 - A Dura Realidade da MorteUnidade 8 - A Dura Realidade da Morte
Unidade 8 - A Dura Realidade da Morte
 
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do PecadoUnidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
Unidade 7 - A Natureza da Tentacão e do Pecado
 
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018Unidade 6 -  A natureza do Homem criado 2 - V2018
Unidade 6 - A natureza do Homem criado 2 - V2018
 
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
Unidade 5 - A Natureza do Homem criado 1 - V2018
 
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018. Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
Unidade 4 - Descobrindo em parte "O Mistério da Trindade" - versão 2018.
 
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
Unidade 3 - Deus no Relato da Criação - versão 2018
 
Unidade 1 - Descobrindo a Bíblia- Introdução - versão 2018
Unidade 1 -  Descobrindo a Bíblia-  Introdução - versão 2018Unidade 1 -  Descobrindo a Bíblia-  Introdução - versão 2018
Unidade 1 - Descobrindo a Bíblia- Introdução - versão 2018
 
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
 
Viver para glória de Deus
Viver para glória de DeusViver para glória de Deus
Viver para glória de Deus
 
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca""Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
"Ao vencedor... lhe darei uma pedrinha branca"
 
"Descendo à casa do oleiro"
"Descendo à casa do oleiro""Descendo à casa do oleiro"
"Descendo à casa do oleiro"
 
Vasos ou cacos?
Vasos ou cacos?Vasos ou cacos?
Vasos ou cacos?
 

Último

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 

Último (20)

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 

Uma Visão do Discipulado Cristão - Parte 3

  • 1. 3 JESUS COMO MESTRE Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt homerzatt.blogspot.com
  • 2. Nível 1 Obs. Se o leitor leu o primeiro tema da série já conhece este conteúdo. Pode pular este slide e veja: Uma visão do Discipulado Cristão – Parte 3 Inquietude pessoal: Desde que aceitei a fé cristã, assim como a ensina a Bíblia, tenho visto muitas das minhas crenças irem por terra, e tenho dito isso aos meus alunos de Bíblia. Ao examinarmos as Escrituras, e confrontarmos, encontramos muitas práticas religiosas que são idéias particulares das organizações ou de seus líderes, que contradizem ou não são fieis ao “está escrito”. Há doutrinas, práticas e procedimentos evangelísticos que, não são mais do que táticas humanas, estratégias para conseguir adeptos. Muitas vezes fiquei muito preocupado e decepcionado em detectar o mesmo em nosso meio uma vez que não estamos isentos desses problemas. O mesmo acontece em relação ao Discipulado cristão estabelecido por Jesus, cada denominação (e às vezes, cada líder) tem uma visão diferente do que seria um discípulo de Cristo. Com esta série, tentaremos chegar o mais perto possível do que venha a ser um discípulo de Cristo e o discipulado cristão. Talvez, chegaremos a conclusão de que muito do que praticamos no sentido evangelístico faz parte do discipulado e porém, são consideradas como opções do trabalho do crente e não chegam nem perto do que o Mestre estabeleceu. Não estamos neste momento, querendo dizer que, aqui está toda a verdade sobre o assunto. Através de pesquisa aos muitos autores cristãos e do judaísmo histórico e, sempre conferindo e constatando nas Escrituras, a nossa visão sobre este assunto vai mudar. Isso é o que sinceramente acredito! Muito obrigado ao Senhor, que nos ilumina, trazendo a vontade de ajudar e resgatar um entendimento que pode levar cada um de nós a ser um verdadeiro discípulo de Jesus. Desde já, muito obrigado aos autores que, consultados, aportam quase todo o que aqui está reunido, tentaremos, sempre que seja possível, citar os autores e as fontes. Prof. Ramón Zazatt
  • 3. 1 Como já abordamos no Novo Curso bíblico ideal Cristão, aqui a razão e a fé tem que http://www.novocbic.blogspot.com/ andar juntas. Convido o leitor ver o curso no endereço ao lado. > Uma visão do discipulado cristão - Parte 3 JESUS COMO MESTRE Aqui um convite para continuar a viajar no tempo! A esta altura, já temos uma ideia do que havia no relacionamento Revisão mestre-discípulo em Israel, e que era muito diferente da ideia que temos hoje aqui no Ocidente. Vemos que é necessário despojar-se de nossos conceitos modernos e entrarmos no túnel do tempo, que nos transporta ao Oriente e a mentalidade de mais de dois mil anos atrás. Vemos que: Nossa realidade, sobre a palavra Mestre, é muito diferente da noção de mestre para o oriental e principalmente para o povo judeu, de um modo particular. Assim sendo, para entendermos a proposta de discipulado de Jesus, devemos primeiro entender o que Ele quis dizer com “vós me chamais mestre e eu o sou”. João 13:13 Como já falamos vamos dar Devemos nos conscientizar de que este ministério demanda paciência e um passo de cada vez. persistência, lembrando do princípio bíblico de que "tudo tem o seu tempo". Confie que está obedecendo ao Senhor e colha os abençoados resultados! A razão e a fé Nunca estará demais uma releitura dos temas anteriores, a razão, a lógica dos acontecimentos e a fé abrirão o nosso entendimento. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 4. 2 JESUS COMO MESTRE Lembramos como já salientamos que, devido as muitas traduções e as versões da Bíblia, varias são as expressões para designar a mesma coisa. Mestre é sinônimo de: Rabi, Rabôni, Rabino, Mestre da lei , Doutor da lei, Escribas, assim sendo, referem-se à mesma pessoa e veremos muitos destes termos sendo utilizados para designar Jesus. O mestre ensinava a vida, coisas práticas, relacionadas não apenas com a Para os Orientais: profissão mas, sobretudo, sobre a vida e os valores. Se tinha um mestre para todas as disciplinas, não havia a divisão de nossos dias. O mestre não tinha um lugar fixo, ensinava utilizando a própria natureza e os acontecimentos como conteúdo. Os mestres em Israel eram leigos competentes que ensinavam os outros a viver de Os mestres em Israel acordo com a vontade de Deus. Estes eram estudiosos da Lei porém, eram homens sábios que de acordo com o plano de Deus, transmitiam um estilo de vida, que eles mesmos experimentavam. Ensinavam a própria vida. Para um hebreu era muito mais importante “saber viver” do que viver. O mestre não baseava seu ensino em teorias. O que ensinava era a própria vida. E entendiam que: A Toráh que literalmente significa Lei, era a lei, mas também a revelação de Deus que se tornou palavra. A Toráh era a palavra, a Toráh era a lei e a Toráh era a vida. Com esta visão de como eram os mestres de Israel em particular, que foi o local onde Jesus cresceu e fazia parte de sua realidade, logo os judeus entendiam assim como era na realidade deles e não como hoje é a nossa, ocidental. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 5. 3 JESUS COMO MESTRE No começo: Um menino Criado no contexto dos costumes judaicos em relação ao relacionamento instruído segundo o mestre/discípulo já lembrados, assim como o sistema judaico de ensino. Jesus não sabia apenas as primeiras letras desde a infância. costume. “E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, cheio Lucas 2:40 de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.” Segundo o costume..."Ora, todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa....” Esses visuais encontrei aqui http://picasaweb.google.com/celiodesign Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 6. 4 JESUS COMO MESTRE Encontramos Jesus adolescente no relato de Lucas capítulo 2: Veja que Jesus está na adolescência e se esperava que isto deveria acontecer para um menino Judeu dentro da grade do ensino, perceba que há aprovação de parte dos mestres, no texto, doutores. v.41 "Ora, todos os anos iam seus pais a Destaques: Jerusalém à festa da páscoa; v.42 E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa. v.43 E, regressando eles, terminados aqueles Jesus está na adolescência dias, ficou o menino Jesus em Jerusalém, e não o soube José, nem sua mãe. v.45 E, como o não encontrassem, voltaram a “... assentado no meio dos Jerusalém em busca dele. v.46 E aconteceu que, passados três dias, o doutores ...” acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os, e interrogando-os. v.47 E todos os que o ouviam admiravam a sua “... ouvindo-os, e interrogando- inteligência e respostas.“ Lucas 2: 41 a 47 os ...” v.52 "E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens.“ “ ... o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas.” Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 7. 5 JESUS COMO MESTRE Quem foi o mestre dele? De onde veio esse mestre? A que "casa" ou escola ele pertencia? E então formulamos estas questões: Qual era a "gema" que ele defendia ou ensinava? Que tipo de mestre ele era? Desde quando Ele foi mestre? Começamos neste presente estudo a tentar obter respostas a essas e outras questões nas próprias Escrituras. (Na Bíblia) Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 8. 6 JESUS COMO MESTRE Queremos achar as respostas, será que existem fundamentos bíblicos? Nos detemos nesta passagem que, consideramos a chave para nosso entendimento, nela é possível começar a responder essas questões levantadas. A chave ! João 3: 1 e 2 (E lembre sempre a razão, a lógica e a fé andam juntas) Lemos: v.1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. v.2 Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele. Uma das tantas vezes em que foi chamado de Mestre ou Rabi. “... Rabi, sabemos que és mestre vindo da parte de João 3: 2 Deus; ...” Ali está inserida essa idéia geral nos evangelhos e confirmada por Nicodemos. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 9. 7 JESUS COMO MESTRE As primeiras questões começam a ser respondidas: Quem foi o mestre dele? De onde veio esse mestre? A que "casa" ou escola ele pertencia? Qual era a "gema" que ele defendia ou ensinava? Analisando o texto: “... és vindo da parte de Deus", ele não vinha "da casa" ou escola de outro mestre como era costume acontecer. João 3: 2 e 10 Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 10. 8 Os mestres em Israel Examine este quadro já visto comparando com o próximo: 1 Eram itinerantes não possuíam lugar fixo. 7 Até quando o título de 2 rabino(mestre) lhe fosse concedido e assim Eram escolhidos pelos podiam fazer os seus discípulos. próprios discípulos. Algumas particularidades 6 dos mestres em 3 Os discípulos estavam Israel: Não aceitavam à serviço do mestre e mulheres ou crianças eram obrigados a como seus discípulos. servi-lo como servos. 5 4 Os discípulos tinham O discípulo era por o prestígio do um tempo, não era mestre, fama e permanente. autoridade. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 11. 9 JESUS COMO MESTRE 1 - Jesus como mestre Compare: era itinerante, não tinha local fixo, “não tinha onde reclinar a cabeça” e assim os seus discípulos. 7 - Depois do aprendizado nenhum 2 – Jesus escolhia título recebiam, seus próprios porém deviam fazer discípulos. discípulos para o João 15:16 Mestre. Mat. 28:19 Jesus se diferencia de outros mestres por Seu estilo de vida que o torna único. 3 - Crianças e 6 - Jesus não os Vejamos: mulheres eram chama de servos mas considerados aptos de amigos. João 15:15 para o discipulado. 4 - Os discípulos de 5 - Os discípulos Jesus deveriam passariam pelas segui-lo para mesmas dificuldades sempre e não do mestre. poderiam voltar atrás. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 12. 10 JESUS COMO MESTRE O título de Mestre foi um dos poucos títulos que Jesus atribui a si mesmo, Mestre Ele era... João 13:13 “Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou”. Jesus tinha consciência que era um mestre, pois era a realidade que ele vivia e sabia muito bem o que era ser um Mestre, e durante três anos conviveu com seus discípulos, dia e noite estavam juntos explicando em particular tudo o que eles não tinham entendido. Jesus era reconhecido Nos Evangelhos, Jesus é chamado mestre nada menos de como Mestre. quarenta e cinco vezes (45) , e nunca se fala nele como pregador. Somando-se os termos equivalentes a mestre temos o total de sessenta e um (61). - Era rabi, mesmo que, não cumpria todos os Sem dúvidas! requisitos do judaísmo, porém era aceito como tal. Nota: - Veja: este detalhe não lembrado nas exposições anteriores, entre os todos os requisitos, o mestre tinha que ser casado e ter estabelecido família e Ele (Jesus) não a tinha. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 13. 11 JESUS COMO MESTRE Fala-se de Jesus ensinando, quarenta e Agindo como cinco vezes (45), e onze vezes apenas mestre ensinava. pregando (11), e, assim mesmo, pregando e ensinando. Veja exemplos: “... ensinando nas sinagogas e Mateus 4:23 pregando o evangelho do reino”. “... ensinava-os na sinagoga, de tal Mateus 13:54 sorte que se maravilhavam,....”. Marcos 6:2 “No sábado, ... Passou a ensinar na sinagoga...”. E um detalhe! Somente um Rabino/mestre podia ensinar nas sinagogas. “ ... Ele as ensinava como quem tem autoridade, e Mateus 7:29 não como os escribas” Era O Mestre por excelência autorizado por Deus. Ex. Mateus 28:18 Também dizia ser “a luz” (João 1: 7 e 8 a 9), vocábulo que traz a idéia de instrução, conhecimento da Verdade e sabedoria que vem do alto. Esse o era o conteúdo de Seus ensinos. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 14. 12 JESUS COMO MESTRE Relembre: - O que era a "gema" dos mestres de Israel? O centro dos seus ensinos: • A “gema” dos mestres de Israel estava centralizada na Lei e cada um tinha a sua interpretação da lei. Equivale a dizer que, Estava na Lei um Rabino tinha uma forma diferente sobre, como viver, como entender e interpretar as Escrituras. • A Lei é a Toráh: Os cinco livros de Moisés. E qual era a "gema" que Ele defendia ou ensinava? O centro dos ensinos de Jesus: “O Reino de Deus” ¹ ou “O Reino do Céus” ² 2 vezes 14 vezes 31 vezes 3 vezes 30 vezes “Reino de “Reino de “Reino de “Reino de “Reino do Deus” no Deus” no Deus” no Deus” no Céus” no evangelho evangelho de evangelho de evangelho de evangelho de de João. Marcos. Lucas. Mateus. Mateus. Os ensinamentos de Jesus eram opostos ou batiam de frente com a “gema” dos mestres judeus como quando diz: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6 - Para eles era a Lei que ocupava essa função. ¹Anunciar “a boa nova”, preanunciada por Isaías e os profetas (VT), o reino de Deus se torna realidade trazendo, em resumo, Salvação. ² Em Mateus a expressão preferida equivalente: “Reino dos Céus”. Porque os judeus evitavam falar o nome de Deus. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 15. 13 JESUS COMO MESTRE Ao convocar os discípulos Jesus os enviou para pregar o Reino de Deus. Lucas 9:2. Portanto, o Reino foi a ênfase de sua pregação, ensino e missão. “ ... É necessário que eu anuncie o evangelho do Reino de Deus ... pois para isso fui enviado” Lucas 4:43. Não um rabino qualquer Ele foi um rabino no judaísmo, mas não um rabino qualquer. Radical não somente por suas atitudes fora do comum, mas Ele foi um rabino também por seus posicionamentos teológicos. (mestre) radical. Desde quando Ele foi mestre? Neste contexto Jesus aqui, aproveita essa oportunidade de defesa de sua Há 4 TESTEMUNHOS divindade e sua missão e lhes apresenta quatro evidências: O Pai IRREFUTÁVEIS SOBRE celestial, João, o Batista, os milagres (Sinais) realizados e as Escrituras JESUS em João 5: 30 a 39 Sagradas. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 16. 14 JESUS COMO MESTRE Desde quando Ele foi mestre? Jesus havia recebido uma convocação de seu próprio Pai, e ele logo no inicio vai dizendo que ele não procurava fazer a vontade dele, mas sim Em João 5 daquele que o enviou , e ainda acrescenta que ele não poderia dar Veja no verso 30 testemunho de si mesmo. Porque um auto testemunho não é confiável ...** Havia na lei judaica uma orientação de que um profeta deveria ser reconhecido com o testemunho de no mínimo duas pessoas. Isso aconteceu quando à margem do rio Jordão, João - o batista - batizava, E Jesus teve isso? fazia o que lhe era necessário, preparar o caminho para aquele que veio Quando foi que teve esse anunciar. Segundo a profecia era “voz que clama no deserto”. reconhecimento? Veja duas das testemunhas em ação: 1º Testemunha João, o • “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” batista.*** - João 1: 29 2ª Testemunha o Pai - • “Este é o meu Filho amado em que me comprazo” Mateus 3:17 Depois disto o último teste, a tentação no deserto e em seguida começa a chamar os primeiros discípulos. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 17. 15 JESUS COMO MESTRE Acreditamos que, com esta ideia do contexto da época de Jesus, fica mais fácil para nós entendermos esta relação de Mestre-Discípulo e ao mesmo Jesus não negocia tempo entender o que Jesus quer de nós como discípulos, é óbvio que não seus valores e vamos viver esta relação nos mesmos moldes daquele tempo, mas os princípios. mesmos princípios, a fundamentação não podem ser mudados. Também é importante alertarmos para o fato que o discípulo Viver a vida de seu Mestre é, sobretudo um homem que quer viver a vida de seu Mestre e daí a necessidade dele aprender o estilo de vida do mestre, pois do contrário, ele não será discípulo de verdade, e nós não estamos interessados em apenas formar discípulos, mas, sobretudo em formar discípulos que sejam no futuro formadores de outros. Acredito sinceramente que só assim quando entendemos a diferença cultural, podemos começar a entender do que Jesus está falando quando faz um chamado para segui-lo. Não pode perder o próximo tema! Notas: * Sinédrio: O mais alto tribunal religioso dos judeus, do qual faziam parte os sumos sacerdotes (o atual e os anteriores), chefes religiosos (anciãos) e doutores da Lei. Tinha 71 membros, incluído o presidente. João 11:47 ** Nota: Falando de João 5: 30 a 39 . Mesmo tudo isso sendo apresentado e argumentação à exaustão encontraram corações incrédulos e isso mais uma vez confirma a veracidade de um antigo ditado: "a incredulidade provém mais da falta de disposição em crer do que na falta de evidências" (J. Ryle). *** João, o Batista: Segundo as Escrituras “não ouve outro homem entre os nascidos de mulher maior do que este”. Mateus 11:11 Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt
  • 18. Referências: - Judaísmo - Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Juda%C3%ADsmo - "O Discípulo" - Juan Carlos Ortiz - Ed. Betânia - Pag.12-19 . - Bíblia de Jerusalém. São Paulo. SP. Edições Paulinas, 1973. - Enciclopédia de la Bíblia - Editora Garriga, S.A. - 1963 - Barcelona.- Em espanhol. - Comentários da Bíblia de Jerusalém em português Ed. Paulinas 1985 e Bíblia de estudo Almeida - SBB - 2008 - Veja também: http://rangelramos.wordpress.com/2010/11/08/vem-e-segue-me/ - O livro ou Vídeo: Dust (Poeira) – de Rob Bell . Ver em : http://lucianahonorata.wordpress.com/2011/09/03/dust-poeira-rob-bell-video/ - A mensagem das bem-aventuranças - Cadernos bíblicos - Edições Paulinas – SP, 1982 - GROOME, Thomas H. Educação Religiosa Cristã. Trad. Alcione Soares Ferreira, São Paulo: Edições Paulinas, 1985. - PRICE, J. M. A Pedagogia de Jesus. Trad. de Waldemar W. Wey, Rio de Janeiro: JUERP, 1980. - Fábio de Mattos - http://www.zulupa.com.br/colunas/gospel/2011/8/1978/o-rabino-radical Conteúdo da pesquisa ou curso completo: Nível 1- Desenvolveremos uma investigação bíblica e histórica para conscientização do que realmente significa ser discípulo de Cristo. Isto será a base para o: Nível 2 - Preparação dos discípulos: o que Jesus fez e ensinou, quando estava junto deles. Nível 3 - Discipulado na pratica ou em ação. Uma visão dos discípulos levados pelo cumprimento da promessa. Quem sabe! Acharemos a resposta a esta significativa interrogante: O discipulado de Jesus, deve ter a mesma base e pratica de quando Ele o lançou? Requisitos: Para participar deste curso tenha uma boa força de vontade para "esquadrinhar as escrituras", esquecer-se de alguns preconceitos ou idéias que já adquiriu no ambiente religioso em relação ao discipulado cristão em especial e sentir que o Senhor lhe está chamando para ser o Seu discípulo. Através dos comentários no Facebook estaremos em contato esclarecendo, trocando idéias e contando resultados e experiências. Pesquisa e adaptação: Prof. Ramón Zazatt