SlideShare uma empresa Scribd logo
TRANSFUSÃO SANGUÍNEA E
TRANSPLANTE DE ORGÃOS
Discentes: Simara Alves, Jeane Xavier, Catia Maria, Mª
da Piedade Guedes, Jakeline Oliveira, Irlania Dantas
CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX –
UNIFACEX
DOCENTE : TAYSSA SUELEN
TRANSFUSÃO SANGUÍNEA
À transferência de um
componente sanguíneo ou
de sangue de uma pessoa
(doador) para outra
(receptor) é um
procedimento utilizado no
tratamento de algumas
doenças. Atualmente é um
procedimento confiável.
RELIGIÃO X TRANSFUSÃO
SANGUÍNEA
• As Testemunhas de Jeová
defendem a opinião que
qualquer desses quatro
componentes primários:
glóbulos vermelhos;
glóbulos brancos;
plaquetas; plasma.
Ainda é na verdade sangue e,
como tal, devem ser
rejeitados como violação do
que consideram ser a lei de
Deus.
ARGUMENTOS BÍBLICOS
• A todo Israelita ou a todo estrangeiro , que habita no
meio deles, e que comer qualquer espécie de sangue,
voltarei a minha face contra ele, e exterminá-lo-ei do
meio de meu povo.(Levítico 17-10)
• Embora tenha concedido aos humanos o direito
de comer a carne de animais , ele proibiu o
consumo do sangue. (Gênesis 9:4)
• A alma [ou vida] ... está no sangue. Aos olhos do
Criador, o verdadeiro valor do sangue é sagrado.
Representa o precioso dom da vida que cada alma
vivente possui.(Deuteronômio 12: 16, 23)
RELIGIÃO X TRANSFUSÃO
SANGUÍNEA
O fundamento para proibição do recebimento de
transfusão feita pelas Testemunhas de Jeová está na
natureza sacra conferida ao sangue através da
interpretação bíblica.
ÉTICA E RELIGIÃO
• DIREITOS DO PACIENTE
• 2005 -criação da Cartilha
dos Direitos do Paciente
que assegura o direito a
consentir ou recusar
procedimentos.
• Art. 48 do Código de Ética
Médica (Resolução n.º
1.246/1988 do Conselho
Federal de Medicina
prescreve que "É vedado ao
médico: Exercer sua
autoridade de maneira a
limitar o direito do paciente
de decidir livremente sobre
sua pessoa ou seu bem estar.
ÉTICA E RELIGIÃO
• Direitos do profissional de
saúde:
• Código de Ética Médica, no
seu art.5º, prescreve que: O
médico deve aprimorar
continuamente seus
conhecimentos e usar o
melhor do progresso
científico em benefício do
seu paciente.
• Art. 21 - Indicar o
procedimento adequado ao
paciente, observadas as
práticas reconhecidamente
aceitas e respeitando as
normas legais vigentes no
País.
De acordo com a
resolução CFM nº
1.021/80 em caso de
haver recusa em permitir a
transfusão de sangue, o
médico, obedecendo a seu
Código de Ética Médica,
deverá observar a seguinte
conduta:
• 1º - Se não houver
iminente perigo de vida, o
médico respeitará a
vontade do paciente ou de
seus responsáveis.
• 2º - Se houver iminente
perigo de vida, o médico
praticará a transfusão de
sangue,
independentemente de
consentimento do paciente
ou de seus responsáveis.
• O fundamento legal é
bem simples: a
Constituição coloca o
direito à vida acima do
direito à liberdade
religiosa.
• 1954- Primeiro
transplante bem sucedido
de órgãos (Boston);
• 1960 – Início de
transplantes de órgãos
entre não parentes (sem
rejeição).
• NO BRASIL
• Início dos transplantes de
órgãos (1964).
TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E
TECIDOS
DEFINIÇÃO
• O termo transplante é empregado pela lei que regula a
matéria, no sentido de retirada ou remoção de órgãos,
tecidos ou partes do corpo de um ser humano, vivo ou
morto (doador), para aproveitamento, com final idade
terapêutica, no mesmo ou em outros indivíduos da mesma
espécie (receptor).
ÓRGÃOS E TECIDO PARA
TRANSPLANTES
CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERÃO
PRIORIDADE EM TRANSPLANTES
TRANSPLANTES NO RN
• RN registra 23 doações de
órgãos e 41 transplantes no
primeiro bimestre de 2014
• A Central de Transplantes da
Secretaria de Estado da Saúde
Pública (Sesap) registrou, nos
meses de janeiro e fevereiro de
2014, 23 doações de órgãos e 41
transplantes no Rio Grande do
Norte. Ao todo foram, 34
córneas, 5 rins e 2 fígados
transplantados e 16 córneas e
mais 7 múltiplos órgãos
captados no primeiro bimestre
do ano
• A Legislação – LEI Nº 10.211, de 2001, estabelece que o
transplante entre duas pessoas vivas possa ocorrer quando o
receptor for casado com o doador ou quando for um parente
consangüíneo até o quarto grau.
Uma pessoa que não tem laços familiares também pode receber
um órgão de doador vivo mediante autorização judicial.
• Nesses casos a investigação realizada é muito maior e deve
haver algum grau de compatibilidade dos tecidos para não haver
rejeição. Todos os doadores vivos devem estar em plena
consciência do ato que estão praticando. Após serem examinados
clínica e laboratorialmente e se não apresentarem nenhuma
contra-indicação podem doar o órgãos ou tecidos.
• O conceito de morte equivale hoje à MORTE ENCEFÁLICA, que é a
ABOLIÇÃO TOTAL e DEFINITIVA das ATIVIDADES do ENCÉFALO,
onde os comandos da VIDA se INTERROMPEM, não emanando impulso de
nenhum centro nervoso.
• É a MORTE REAL definida pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) por
meio da resolução Nº 1.480/97, estabelecendo o critério para diagnóstico de
morte cerebral, que é a Interrupção Irreversível de todas as funções do
encéfalo, incluindo o tronco encefálico, onde se situam estruturas
responsáveis pela manutenção dos processos vitais autônomos, como PA
(Pressão Arterial) e a função respiratória e a ausência de circulação
sanguínea.
• O artigo 3º da Lei nº 9.434/97 define como critério para retirada de órgãos a
morte encefálica, que será constatada e registrada por dois médicos que não
participem das equipes de remoção e transplante, sendo que pelo menos um
dos médicos deve ser especialista em neurologia.
• Em 2001, a LEI Nº 10.211 extinguiu a doação presumida no Brasil e
determinou que a doação co doador cadáver somente ocorreria com a
autorização familiar, independente do desejo em vida do potencial
doador. Logo os registros em documentos de Identidade (RG) e
Carteira Nacional de Habilitação, relativos à doação de órgãos,
deixaram de ter valor como forma de manifestação de vontade do
potencial doador.
• LEI Nº 9.434/97
• Capítulo I - Das Disposições gerais
• Art. 2º A realização de transplantes ou enxertos de tecidos ou partes
do corpo humano só poderá ser realizado por estabelecimento de
saúde, público ou privado, e por equipes médico-cirurgicas de
remoção e transplante previamente autorizados pelo Órgão de Gestão
Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS).
• Capitulo IV – Das Disposições Complementares
• Art. 13º É obrigatório, para todos os estabelecimentos de saúde,
notificar, às centrais de notificação, captação e distribuição de órgãos
da unidade federada onde ocorrer, o diagnóstico de morte encefálica
feita em paciente por ele atendidos.
ÉTICA E RELIGIÃO
ÉTICA MÉDICA
• Avalia o comportamento moral no exercício da
profissão;
• Centrada na pessoa enferma.
ÉTICA NA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E
TECIDOS
• Parâmetros para a doação de órgãos:
• Gravidade do receptor;
• Lista de espera.
REFERÊNCIAS
www.tribunadonorte.com.br
www.saude.gov.br
portalsaude.saude.com.br
Googleimagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
roberta55dantas
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Doação de Orgãos e Transplante
Doação de Orgãos e TransplanteDoação de Orgãos e Transplante
Doação de Orgãos e Transplante
Juninho Almeida
 
Transfusões de Hemocomponentes
Transfusões de HemocomponentesTransfusões de Hemocomponentes
Transfusões de Hemocomponentes
Renato Bach
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Uti
UtiUti
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
OdeirOdeirSilva
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
JulianaMyriamFraga
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
Célia Costa
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
Andréa Dantas
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
ThiagoCunha93
 

Mais procurados (20)

Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Doação de Orgãos e Transplante
Doação de Orgãos e TransplanteDoação de Orgãos e Transplante
Doação de Orgãos e Transplante
 
Transfusões de Hemocomponentes
Transfusões de HemocomponentesTransfusões de Hemocomponentes
Transfusões de Hemocomponentes
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 

Semelhante a Transfusão sanguínea e Transplante de órgãos

Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Sirlene Cláudio
 
Abordagem e conduta com testemunhas de Jeová
Abordagem e conduta com testemunhas de JeováAbordagem e conduta com testemunhas de Jeová
Abordagem e conduta com testemunhas de Jeová
Rodrigo Nahum Alvarez Ferreira
 
Doação De órgãospp
Doação De órgãosppDoação De órgãospp
Doação De órgãospp
Samantha Szafarsky
 
DoaçãO+De..
DoaçãO+De..DoaçãO+De..
DoaçãO+De..
Samantha Szafarsky
 
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptxDOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
MIRIAN FARIA
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Rogerio Novais
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abto
guest90b4b7
 
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Rosalia Ometto
 
Transplante
TransplanteTransplante
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
NielsonFrota
 
Doação de sangue
Doação de sangueDoação de sangue
Doação de sangue
Sylvio Bazote
 
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - DeontologiaDoação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Enfº Ícaro Araújo
 
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Universidade Norte do Paraná
 
Doação intervivos
Doação intervivosDoação intervivos
Doação de Órgãos no Brasil
Doação de Órgãos no BrasilDoação de Órgãos no Brasil
Doação de Órgãos no Brasil
saulonilson
 
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).pptAula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
Camila528767
 
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âosAula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
PrLinaldo Oliveira
 
Transplante de orgaos
Transplante de orgaosTransplante de orgaos
Transplante de orgaos
kleber coutim teodolino
 
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
MurilloMelo3
 

Semelhante a Transfusão sanguínea e Transplante de órgãos (20)

Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
 
Abordagem e conduta com testemunhas de Jeová
Abordagem e conduta com testemunhas de JeováAbordagem e conduta com testemunhas de Jeová
Abordagem e conduta com testemunhas de Jeová
 
Doação De órgãospp
Doação De órgãosppDoação De órgãospp
Doação De órgãospp
 
DoaçãO+De..
DoaçãO+De..DoaçãO+De..
DoaçãO+De..
 
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptxDOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abto
 
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
 
Transplante
TransplanteTransplante
Transplante
 
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdfTestemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
Testemunhas de Jeová - Seminário de Ética Médica.pdf
 
Doação de sangue
Doação de sangueDoação de sangue
Doação de sangue
 
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - DeontologiaDoação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
 
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
2007 aspectos jurídicos sobre os critérios de escolha do receptor nos transpl...
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
 
Doação intervivos
Doação intervivosDoação intervivos
Doação intervivos
 
Doação de Órgãos no Brasil
Doação de Órgãos no BrasilDoação de Órgãos no Brasil
Doação de Órgãos no Brasil
 
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).pptAula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
 
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âosAula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
 
Transplante de orgaos
Transplante de orgaosTransplante de orgaos
Transplante de orgaos
 
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Transfusão sanguínea e Transplante de órgãos

  • 1. TRANSFUSÃO SANGUÍNEA E TRANSPLANTE DE ORGÃOS Discentes: Simara Alves, Jeane Xavier, Catia Maria, Mª da Piedade Guedes, Jakeline Oliveira, Irlania Dantas CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX – UNIFACEX DOCENTE : TAYSSA SUELEN
  • 2. TRANSFUSÃO SANGUÍNEA À transferência de um componente sanguíneo ou de sangue de uma pessoa (doador) para outra (receptor) é um procedimento utilizado no tratamento de algumas doenças. Atualmente é um procedimento confiável.
  • 3.
  • 4. RELIGIÃO X TRANSFUSÃO SANGUÍNEA • As Testemunhas de Jeová defendem a opinião que qualquer desses quatro componentes primários: glóbulos vermelhos; glóbulos brancos; plaquetas; plasma. Ainda é na verdade sangue e, como tal, devem ser rejeitados como violação do que consideram ser a lei de Deus.
  • 5. ARGUMENTOS BÍBLICOS • A todo Israelita ou a todo estrangeiro , que habita no meio deles, e que comer qualquer espécie de sangue, voltarei a minha face contra ele, e exterminá-lo-ei do meio de meu povo.(Levítico 17-10) • Embora tenha concedido aos humanos o direito de comer a carne de animais , ele proibiu o consumo do sangue. (Gênesis 9:4) • A alma [ou vida] ... está no sangue. Aos olhos do Criador, o verdadeiro valor do sangue é sagrado. Representa o precioso dom da vida que cada alma vivente possui.(Deuteronômio 12: 16, 23)
  • 6. RELIGIÃO X TRANSFUSÃO SANGUÍNEA O fundamento para proibição do recebimento de transfusão feita pelas Testemunhas de Jeová está na natureza sacra conferida ao sangue através da interpretação bíblica.
  • 7. ÉTICA E RELIGIÃO • DIREITOS DO PACIENTE • 2005 -criação da Cartilha dos Direitos do Paciente que assegura o direito a consentir ou recusar procedimentos. • Art. 48 do Código de Ética Médica (Resolução n.º 1.246/1988 do Conselho Federal de Medicina prescreve que "É vedado ao médico: Exercer sua autoridade de maneira a limitar o direito do paciente de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem estar.
  • 8. ÉTICA E RELIGIÃO • Direitos do profissional de saúde: • Código de Ética Médica, no seu art.5º, prescreve que: O médico deve aprimorar continuamente seus conhecimentos e usar o melhor do progresso científico em benefício do seu paciente. • Art. 21 - Indicar o procedimento adequado ao paciente, observadas as práticas reconhecidamente aceitas e respeitando as normas legais vigentes no País.
  • 9. De acordo com a resolução CFM nº 1.021/80 em caso de haver recusa em permitir a transfusão de sangue, o médico, obedecendo a seu Código de Ética Médica, deverá observar a seguinte conduta: • 1º - Se não houver iminente perigo de vida, o médico respeitará a vontade do paciente ou de seus responsáveis. • 2º - Se houver iminente perigo de vida, o médico praticará a transfusão de sangue, independentemente de consentimento do paciente ou de seus responsáveis.
  • 10. • O fundamento legal é bem simples: a Constituição coloca o direito à vida acima do direito à liberdade religiosa.
  • 11.
  • 12. • 1954- Primeiro transplante bem sucedido de órgãos (Boston); • 1960 – Início de transplantes de órgãos entre não parentes (sem rejeição). • NO BRASIL • Início dos transplantes de órgãos (1964). TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS
  • 13. DEFINIÇÃO • O termo transplante é empregado pela lei que regula a matéria, no sentido de retirada ou remoção de órgãos, tecidos ou partes do corpo de um ser humano, vivo ou morto (doador), para aproveitamento, com final idade terapêutica, no mesmo ou em outros indivíduos da mesma espécie (receptor).
  • 14. ÓRGÃOS E TECIDO PARA TRANSPLANTES
  • 15. CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERÃO PRIORIDADE EM TRANSPLANTES
  • 16. TRANSPLANTES NO RN • RN registra 23 doações de órgãos e 41 transplantes no primeiro bimestre de 2014 • A Central de Transplantes da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) registrou, nos meses de janeiro e fevereiro de 2014, 23 doações de órgãos e 41 transplantes no Rio Grande do Norte. Ao todo foram, 34 córneas, 5 rins e 2 fígados transplantados e 16 córneas e mais 7 múltiplos órgãos captados no primeiro bimestre do ano
  • 17. • A Legislação – LEI Nº 10.211, de 2001, estabelece que o transplante entre duas pessoas vivas possa ocorrer quando o receptor for casado com o doador ou quando for um parente consangüíneo até o quarto grau. Uma pessoa que não tem laços familiares também pode receber um órgão de doador vivo mediante autorização judicial. • Nesses casos a investigação realizada é muito maior e deve haver algum grau de compatibilidade dos tecidos para não haver rejeição. Todos os doadores vivos devem estar em plena consciência do ato que estão praticando. Após serem examinados clínica e laboratorialmente e se não apresentarem nenhuma contra-indicação podem doar o órgãos ou tecidos.
  • 18. • O conceito de morte equivale hoje à MORTE ENCEFÁLICA, que é a ABOLIÇÃO TOTAL e DEFINITIVA das ATIVIDADES do ENCÉFALO, onde os comandos da VIDA se INTERROMPEM, não emanando impulso de nenhum centro nervoso. • É a MORTE REAL definida pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) por meio da resolução Nº 1.480/97, estabelecendo o critério para diagnóstico de morte cerebral, que é a Interrupção Irreversível de todas as funções do encéfalo, incluindo o tronco encefálico, onde se situam estruturas responsáveis pela manutenção dos processos vitais autônomos, como PA (Pressão Arterial) e a função respiratória e a ausência de circulação sanguínea. • O artigo 3º da Lei nº 9.434/97 define como critério para retirada de órgãos a morte encefálica, que será constatada e registrada por dois médicos que não participem das equipes de remoção e transplante, sendo que pelo menos um dos médicos deve ser especialista em neurologia.
  • 19. • Em 2001, a LEI Nº 10.211 extinguiu a doação presumida no Brasil e determinou que a doação co doador cadáver somente ocorreria com a autorização familiar, independente do desejo em vida do potencial doador. Logo os registros em documentos de Identidade (RG) e Carteira Nacional de Habilitação, relativos à doação de órgãos, deixaram de ter valor como forma de manifestação de vontade do potencial doador. • LEI Nº 9.434/97 • Capítulo I - Das Disposições gerais • Art. 2º A realização de transplantes ou enxertos de tecidos ou partes do corpo humano só poderá ser realizado por estabelecimento de saúde, público ou privado, e por equipes médico-cirurgicas de remoção e transplante previamente autorizados pelo Órgão de Gestão Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS). • Capitulo IV – Das Disposições Complementares • Art. 13º É obrigatório, para todos os estabelecimentos de saúde, notificar, às centrais de notificação, captação e distribuição de órgãos da unidade federada onde ocorrer, o diagnóstico de morte encefálica feita em paciente por ele atendidos.
  • 20. ÉTICA E RELIGIÃO ÉTICA MÉDICA • Avalia o comportamento moral no exercício da profissão; • Centrada na pessoa enferma.
  • 21. ÉTICA NA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS • Parâmetros para a doação de órgãos: • Gravidade do receptor; • Lista de espera.
  • 22.