SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMATIVA
Português – 12º ano – Turma A
1ª Ficha – 1º Período (outubro de 2011)


                                                     Grupo I

                                                        A
Lê atentamente o seguinte poema:

          Por trás da torre o luar
          Faz a torre uma outra torre.
          A voz alegre a cantar
          É-me triste de a escutar,
          Pois sei que quem canta morre.
          Tenho pena de sentir
          Porque sentir é pensar.

          A torre é negra e esplendente.
          A lua oculta por ela
          É um halo de luz ausente
          Meu coração é dormente:
          Cisma sentado à janela.
          Tenho pena de pensar
          Porque quem pensa não sente.
                                         Fernando Pessoa

Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas ao questionário que se segue.

   1. Identifica os acontecimentos que motivam a reflexão poética.
 Na origem da reflexão do poeta estão dois acontecimentos: a projeção da sombra da torre, feita pelo luar, e um
canto alegre que o poeta ouve – “Por trás da torre o luar/ Faz a torre uma outra torre./ A voz alegre a cantar/ É-me
triste de a escutar”.
    2. Aponta o estado de espírito do poeta ao longo do poema.
O poeta apresenta um estado de espírito marcado pela tristeza –“é-me triste de a escutar” , “Tenho pena de sentir”.
O poeta apresenta-se numa atitude introspetiva e reflete sobre as suas emoções “dormentes” (“Meu coração é
dormente”).
   3. Comenta, tendo em conta as características da poesia pessoana, os dois últimos versos de
       cada estrofe.
Os dois últimos versos da primeira estrofe – “Tenho pena de sentir/ porque sentir é pensar” apresentam uma das
tendências marcantes da poesia de Fernando Pessoa ortónimo: a transformação, pelo intelecto, das suas emoções
sinceramente experimentadas e a dor associada à incapacidade de viver apenas os sentimentos. Os dois últimos
versos do poema confirmam esta ideia – “Tenho pena de pensar/porque quem pensa não sente”. O poeta assume,
assim, a sua incapacidade de sentir apenas, sendo dominado pelo pensamento. Assim, os dois últimos versos de




                                                                                               ANO LECTIVO 2011-2012
PÁGINA - 2



cada estrofe funcionam quase como um refrão, reiterando a ideia da dor (“Tenho pena de sentir”, “Tenho pena de
pensar”) associada à incapacidade de experimentar as emoções sem as intelectualizar.
   4. Clarifica a relação que se estabelece entre o luar e a torre, e o problema existencial do poeta.
O problema existencial do poeta radica na sua constante intelectualização dos sentimentos, sentindo-se, por
conseguinte, incapaz de experimentar emoções genuínas, na medida em que processa constantemente aquilo que
sente (Cf. dois últimos versos de cada estrofe). Do mesmo modo, o luar projeta a sombra da torre, que, embora seja
próxima da torre real que lhe deu origem, não é a mesma, tal como o sentimento intelectualizado é uma sombra do
realmente experimentado que o originou. (“Por trás da torre o luar/ faz a torre uma outra torre”).
    5. Analisa formalmente o poema e refere um recurso expressivo que te pareça significativo,
       justificando a tua opção.

O poema “Por trás da torre o luar” é constituído por duas sétimas, com o esquema rimático abaabca, havendo, por
conseguinte, rima cruzada em a, interpolada em b, emparelhada em a e verifica-se a existência de um verso solto,
assim como na 2ª estrofe (deddead). Os versos são heptassílabos, sendo esta uma marca comum da produção
poética de Fernando Pessoa ortónimo. A personificação do coração é, possivelmente, um dos recursos expressivos
mais relevantes neste poema – “Meu coração é dormente/ Cisma sentado à janela” – uma vez que traduz a
ausência de sentimentos que caracteriza o poeta.
                                                       B
Num texto de oitenta a cento e vinte palavras, expõe a tua opinião, fundamentada nas leituras
efetuadas, sobre a dicotomia “sentir/ pensar” na poesia de Pessoa ortónimo.
    A tensão sinceridade fingimento é possivelmente o aspeto mais marcante da poesia de Pessoa ortónimo, uma
vez que é a base de toda a sua arte poética.
        É o próprio que, em “Autopsicografia”, se assume como um fingidor e introduz o conceito de poesia marcada
pelo fingimento poético. Este consiste no tratamento, processamento poético, por via do intelecto, de emoções
sinceras; assim o poeta “chega a fingir que é dor a dor que deveras sente”, afirmando também que os seus
sentimentos, não deixando de ser sinceros, são experimentados pela razão - “Eu simplesmente sinto com a
imaginação, não uso o coração”.
    Assim, se confirma que a tensão sinceridade fingimento será o aspeto que melhor caracteriza a lírica de Pessoa
ortónimo.
                                                  Grupo II
1. Explica o valor do tempo verbal em “cisma sentado à janela” (V. 11) e “quem pensa não sente” (V.
14).
Em “Cisma sentado à janela” o Presente do Indicativo é utilizado para apresentar a eventualidade em curso, com
uma duração prolongada, num intervalo de tempo alargado que engloba o presente da enunciação. Em “Quem
pensa não sente” a utilização do Presente do Indicativo traduz uma generalização, i. e., todas as entidades do
mundo real que pensam não sentem, sendo, portanto, utilizado como suporte de uma asserção.
2. Identifica as cadeias de referência presentes na segunda estrofe.
PÁGINA - 3



Existem duas cadeias de referência na segunda estrofe. A primeira estabelece-se entre a expressão referencial “a
torre” que funciona como antecedente anafórico para o pronome “ela”. (“A torre é negra e esplendente/ A lua oculta
por ela”). A segunda cadeia referencial estabelece-se entre a expressão referencial com valor de deíctico pessoal
“meu coração” e o Sujeito Nulo subentendido da oração “cisma sentado à janela”.
3. Clarifica a relação lexical existente entre os lexemas alegre e triste e modifica-os aplicando-lhes
um processo de derivação.
Entre os lexemas “alegre” e “triste” existe uma relação de antonímia. Sendo-lhes aplicado um processo de derivação
as palavras ficariam, por exemplo, “alegrar”, “entristecer”, “alegremente”, “tristemente”, “tristonho”, …
4. Faz corresponder aos cinco elementos da coluna A cinco elementos da coluna B, de modo a
obteres afirmações verdadeiras.
                     A                                                  B
                                           a. partilham traços de significado.
                                           b. introduz um nexo lógico de causalidade.
F 1. Na oração “a torre é negra e          c. é subordinada relativa restritiva.
    esplendente” (V. 8)
B 2. Em “pois sei que quem canta           d. é efetuada uma afirmação assertiva.
    morre” (V 5) a conjunção pois
D 3. Ao enunciar-se “quem canta            e. é efetuada uma operação de modalização do discurso
    morre” (V. 5)                          pela utilização do Modo Conjuntivo.
G 4. Na oração “cisma sentado à            f. está presente o Predicativo de Sujeito.
    janela” (V. 11)
A 5. Os lexemas luar e luz                 g. encontramos um Sujeito Nulo Subentendido e um
                                           verbo intransitivo.
                                           h. são claramente polissémicos.
                                              Grupo III
Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de duzentas e cinquenta
palavras, apresente uma reflexão sobre aquilo que é afirmado no excerto a seguir transcrito,
relativamente à influência da arte nas pessoas. Para fundamentar o seu ponto de vista, recorra, no
mínimo, a dois argumentos, ilustrando cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.


Nós também somos «feitos» pelos livros que nos marcaram, pelos filmes que vimos e pelas
músicas de que gostamos.

                                       Manuel Gusmão, «As Palavras Fazem o Mundo», in Ler, n.º 54, 2002


Observações:
1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços
em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen. Qualquer número conta como
uma única palavra, independentemente dos algarismos que o constituem.
2. Um desvio dos limites de extensão indicados implica uma desvalorização parcial do texto
produzido.                                                                       Bom Trabalho!
                                                                                                            A Professora:
                                                                                                    Adriana São Marcos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Telma Carvalho
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Viriato
ViriatoViriato
Viriato
ElisaCosta44
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Carla Ribeiro
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
FilipeReis48
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
paulacpfs
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Raffaella Ergün
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
sin3stesia
 

Mais procurados (20)

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Viriato
ViriatoViriato
Viriato
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Ficha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetualFicha valor-modal-e-aspetual
Ficha valor-modal-e-aspetual
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 

Destaque

Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
Diogo Tavares
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
Diogo Tavares
 
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
Diogo Tavares
 
ficha de leitura
ficha de leituraficha de leitura
ficha de leitura
Diogo Tavares
 
PNL
PNLPNL
Planificaçao anual
Planificaçao anualPlanificaçao anual
Planificaçao anual
Diogo Tavares
 
Matriz teste intermédio
Matriz teste intermédioMatriz teste intermédio
Matriz teste intermédio
Diogo Tavares
 
Criterios de avaliaçao
Criterios de avaliaçaoCriterios de avaliaçao
Criterios de avaliaçao
Diogo Tavares
 
Informação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédioInformação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédio
Diogo Tavares
 
resumos
resumosresumos
resumos
Diogo Tavares
 
A conspiração
A conspiraçãoA conspiração
A conspiração
Diogo Tavares
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
Diogo Tavares
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
Diogo Tavares
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
guest304ad9
 

Destaque (14)

Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
 
ficha de leitura
ficha de leituraficha de leitura
ficha de leitura
 
PNL
PNLPNL
PNL
 
Planificaçao anual
Planificaçao anualPlanificaçao anual
Planificaçao anual
 
Matriz teste intermédio
Matriz teste intermédioMatriz teste intermédio
Matriz teste intermédio
 
Criterios de avaliaçao
Criterios de avaliaçaoCriterios de avaliaçao
Criterios de avaliaçao
 
Informação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédioInformação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédio
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
A conspiração
A conspiraçãoA conspiração
A conspiração
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 

Semelhante a Teste 1

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
luisprista
 
Contextualização fernando pessoa
Contextualização fernando pessoaContextualização fernando pessoa
Contextualização fernando pessoa
Ana Isabel Acciaioli
 
Ap bandeira
Ap bandeiraAp bandeira
Ap bandeira
maariane27
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
luisprista
 
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
RobertsonKircher
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Vanda Sousa
 
Análise de autopsicografia
Análise de autopsicografiaAnálise de autopsicografia
Análise de autopsicografia
juanolla
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
luisprista
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Ana Isabel Falé
 
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesaEcos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
Mariana Klafke
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
luisprista
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Jhonatan Holanda
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Karina Lobo
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Madga Silva
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
Ana Rodrigues Parreira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 

Semelhante a Teste 1 (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
 
Contextualização fernando pessoa
Contextualização fernando pessoaContextualização fernando pessoa
Contextualização fernando pessoa
 
Ap bandeira
Ap bandeiraAp bandeira
Ap bandeira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
 
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
Comentários sobre “A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução”, p...
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
 
Análise de autopsicografia
Análise de autopsicografiaAnálise de autopsicografia
Análise de autopsicografia
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesaEcos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
Ecos De Poe - traduções de "The Raven" para a língua portuguesa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 74-75
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 

Mais de Diogo Tavares

Matriz teste nº 2
Matriz teste nº 2Matriz teste nº 2
Matriz teste nº 2
Diogo Tavares
 
Matriz teste nº1
Matriz teste nº1Matriz teste nº1
Matriz teste nº1
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
Diogo Tavares
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
Diogo Tavares
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
Diogo Tavares
 
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
Diogo Tavares
 
Planificaçao anual
Planificaçao anualPlanificaçao anual
Planificaçao anual
Diogo Tavares
 
Matriz teste intermédio
Matriz teste intermédioMatriz teste intermédio
Matriz teste intermédio
Diogo Tavares
 
Matriz teste 2
Matriz teste 2Matriz teste 2
Matriz teste 2
Diogo Tavares
 
Matriz teste 1
Matriz teste 1Matriz teste 1
Matriz teste 1
Diogo Tavares
 
Informação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédioInformação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédio
Diogo Tavares
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
Diogo Tavares
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
Diogo Tavares
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
Diogo Tavares
 

Mais de Diogo Tavares (17)

Matriz teste nº 2
Matriz teste nº 2Matriz teste nº 2
Matriz teste nº 2
 
Matriz teste nº1
Matriz teste nº1Matriz teste nº1
Matriz teste nº1
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
 
Planificaçao anual
Planificaçao anualPlanificaçao anual
Planificaçao anual
 
Matriz teste intermédio
Matriz teste intermédioMatriz teste intermédio
Matriz teste intermédio
 
Matriz teste 2
Matriz teste 2Matriz teste 2
Matriz teste 2
 
Matriz teste 1
Matriz teste 1Matriz teste 1
Matriz teste 1
 
Informação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédioInformação geral teste intermédio
Informação geral teste intermédio
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Ficha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poemaFicha de trabalho orientação poema
Ficha de trabalho orientação poema
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 

Teste 1

  • 1. FORMATIVA Português – 12º ano – Turma A 1ª Ficha – 1º Período (outubro de 2011) Grupo I A Lê atentamente o seguinte poema: Por trás da torre o luar Faz a torre uma outra torre. A voz alegre a cantar É-me triste de a escutar, Pois sei que quem canta morre. Tenho pena de sentir Porque sentir é pensar. A torre é negra e esplendente. A lua oculta por ela É um halo de luz ausente Meu coração é dormente: Cisma sentado à janela. Tenho pena de pensar Porque quem pensa não sente. Fernando Pessoa Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas ao questionário que se segue. 1. Identifica os acontecimentos que motivam a reflexão poética. Na origem da reflexão do poeta estão dois acontecimentos: a projeção da sombra da torre, feita pelo luar, e um canto alegre que o poeta ouve – “Por trás da torre o luar/ Faz a torre uma outra torre./ A voz alegre a cantar/ É-me triste de a escutar”. 2. Aponta o estado de espírito do poeta ao longo do poema. O poeta apresenta um estado de espírito marcado pela tristeza –“é-me triste de a escutar” , “Tenho pena de sentir”. O poeta apresenta-se numa atitude introspetiva e reflete sobre as suas emoções “dormentes” (“Meu coração é dormente”). 3. Comenta, tendo em conta as características da poesia pessoana, os dois últimos versos de cada estrofe. Os dois últimos versos da primeira estrofe – “Tenho pena de sentir/ porque sentir é pensar” apresentam uma das tendências marcantes da poesia de Fernando Pessoa ortónimo: a transformação, pelo intelecto, das suas emoções sinceramente experimentadas e a dor associada à incapacidade de viver apenas os sentimentos. Os dois últimos versos do poema confirmam esta ideia – “Tenho pena de pensar/porque quem pensa não sente”. O poeta assume, assim, a sua incapacidade de sentir apenas, sendo dominado pelo pensamento. Assim, os dois últimos versos de ANO LECTIVO 2011-2012
  • 2. PÁGINA - 2 cada estrofe funcionam quase como um refrão, reiterando a ideia da dor (“Tenho pena de sentir”, “Tenho pena de pensar”) associada à incapacidade de experimentar as emoções sem as intelectualizar. 4. Clarifica a relação que se estabelece entre o luar e a torre, e o problema existencial do poeta. O problema existencial do poeta radica na sua constante intelectualização dos sentimentos, sentindo-se, por conseguinte, incapaz de experimentar emoções genuínas, na medida em que processa constantemente aquilo que sente (Cf. dois últimos versos de cada estrofe). Do mesmo modo, o luar projeta a sombra da torre, que, embora seja próxima da torre real que lhe deu origem, não é a mesma, tal como o sentimento intelectualizado é uma sombra do realmente experimentado que o originou. (“Por trás da torre o luar/ faz a torre uma outra torre”). 5. Analisa formalmente o poema e refere um recurso expressivo que te pareça significativo, justificando a tua opção. O poema “Por trás da torre o luar” é constituído por duas sétimas, com o esquema rimático abaabca, havendo, por conseguinte, rima cruzada em a, interpolada em b, emparelhada em a e verifica-se a existência de um verso solto, assim como na 2ª estrofe (deddead). Os versos são heptassílabos, sendo esta uma marca comum da produção poética de Fernando Pessoa ortónimo. A personificação do coração é, possivelmente, um dos recursos expressivos mais relevantes neste poema – “Meu coração é dormente/ Cisma sentado à janela” – uma vez que traduz a ausência de sentimentos que caracteriza o poeta. B Num texto de oitenta a cento e vinte palavras, expõe a tua opinião, fundamentada nas leituras efetuadas, sobre a dicotomia “sentir/ pensar” na poesia de Pessoa ortónimo. A tensão sinceridade fingimento é possivelmente o aspeto mais marcante da poesia de Pessoa ortónimo, uma vez que é a base de toda a sua arte poética. É o próprio que, em “Autopsicografia”, se assume como um fingidor e introduz o conceito de poesia marcada pelo fingimento poético. Este consiste no tratamento, processamento poético, por via do intelecto, de emoções sinceras; assim o poeta “chega a fingir que é dor a dor que deveras sente”, afirmando também que os seus sentimentos, não deixando de ser sinceros, são experimentados pela razão - “Eu simplesmente sinto com a imaginação, não uso o coração”. Assim, se confirma que a tensão sinceridade fingimento será o aspeto que melhor caracteriza a lírica de Pessoa ortónimo. Grupo II 1. Explica o valor do tempo verbal em “cisma sentado à janela” (V. 11) e “quem pensa não sente” (V. 14). Em “Cisma sentado à janela” o Presente do Indicativo é utilizado para apresentar a eventualidade em curso, com uma duração prolongada, num intervalo de tempo alargado que engloba o presente da enunciação. Em “Quem pensa não sente” a utilização do Presente do Indicativo traduz uma generalização, i. e., todas as entidades do mundo real que pensam não sentem, sendo, portanto, utilizado como suporte de uma asserção. 2. Identifica as cadeias de referência presentes na segunda estrofe.
  • 3. PÁGINA - 3 Existem duas cadeias de referência na segunda estrofe. A primeira estabelece-se entre a expressão referencial “a torre” que funciona como antecedente anafórico para o pronome “ela”. (“A torre é negra e esplendente/ A lua oculta por ela”). A segunda cadeia referencial estabelece-se entre a expressão referencial com valor de deíctico pessoal “meu coração” e o Sujeito Nulo subentendido da oração “cisma sentado à janela”. 3. Clarifica a relação lexical existente entre os lexemas alegre e triste e modifica-os aplicando-lhes um processo de derivação. Entre os lexemas “alegre” e “triste” existe uma relação de antonímia. Sendo-lhes aplicado um processo de derivação as palavras ficariam, por exemplo, “alegrar”, “entristecer”, “alegremente”, “tristemente”, “tristonho”, … 4. Faz corresponder aos cinco elementos da coluna A cinco elementos da coluna B, de modo a obteres afirmações verdadeiras. A B a. partilham traços de significado. b. introduz um nexo lógico de causalidade. F 1. Na oração “a torre é negra e c. é subordinada relativa restritiva. esplendente” (V. 8) B 2. Em “pois sei que quem canta d. é efetuada uma afirmação assertiva. morre” (V 5) a conjunção pois D 3. Ao enunciar-se “quem canta e. é efetuada uma operação de modalização do discurso morre” (V. 5) pela utilização do Modo Conjuntivo. G 4. Na oração “cisma sentado à f. está presente o Predicativo de Sujeito. janela” (V. 11) A 5. Os lexemas luar e luz g. encontramos um Sujeito Nulo Subentendido e um verbo intransitivo. h. são claramente polissémicos. Grupo III Num texto bem estruturado, com um mínimo de duzentas e um máximo de duzentas e cinquenta palavras, apresente uma reflexão sobre aquilo que é afirmado no excerto a seguir transcrito, relativamente à influência da arte nas pessoas. Para fundamentar o seu ponto de vista, recorra, no mínimo, a dois argumentos, ilustrando cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo. Nós também somos «feitos» pelos livros que nos marcaram, pelos filmes que vimos e pelas músicas de que gostamos. Manuel Gusmão, «As Palavras Fazem o Mundo», in Ler, n.º 54, 2002 Observações: 1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen. Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente dos algarismos que o constituem. 2. Um desvio dos limites de extensão indicados implica uma desvalorização parcial do texto produzido. Bom Trabalho! A Professora: Adriana São Marcos