SlideShare uma empresa Scribd logo
PCA
PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
PASSOS:
1- LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO
AMBIENTAL
2- MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA
3- MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
4- CONTROLE MÉDICO
5- AUDITORIA
Devânia Silva - TST / EIM
PPRA
NR-9
AVALIAÇÃO DOS
RISCOS
AMBIENTAIS
PCMSO
NR-7
AVALIAÇÃO DOS
EFEITOS NOS
EXPOSTOS
CONTROLE/ELIMINAÇÃO DO RISCO
RUÍDO
PCA
PCA
INTEGRAÇÃO
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
Avaliação do ruído.
Sem risco Área de risco
Redução do tempo de
exposição
Redução do nível de
ruido
Redução
do ruído
na fonte
Trajetória de
transmissão
interrompida
Isolamento de
pessoas
Proteção
da audição
Refúgios
protegidos do
ruído
Rotação de
ocupação
Especificação do ruído para as novas
instalações
Educação, supervisão e monitoramento
audiométrico.
Redução do Leq
Devânia Silva - TST / EIM
LIMITES DE NPS – Portaria 3214/1978 Anexo 1 NR-15
NPS dB (A) Máxima exposição diária permissível.
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
98
100
102
104
105
106
108
110
112
114
115
08Horas
07Hhoras
06 Horas
05 Horas
04 Horas e 30 minutos
04 Horas
03 Horas e 30 minutos
03 Horas
02 Horas e 30 minutos
02 Horas e 15 minutos
02 Horas
01 Hora e 45 minutos
01 Hora e 15 minutos
01 Hora
45 minutos
35 minutos
30 minutos
25 minutos
20 minutos
15 minutos
10 minutos
08 minutos
07 minutos
Devânia Silva - TST / EIM
Controle de
Ruído
Devânia Silva - TST / EIM
1° - Redução na Fonte
2° - Redução
na
Transm
issão
3° - Redução no Receptor
REDUÇÃO DO RUÍDO NA FONTE
A- Modificações ou
substituições de máquinas e
equipamentos
B- Redução dos efeitos e força de impacto
C- Isolamentos entre superfície que vibram e dos
dispositivos e máquinas que produzem as vibrações
mecânicas que as excitam.
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
REDUÇÃO DO RUÍDO NA FONTE
D- Modificação do processo de produção
E- Manutenção preventiva e corretiva de máquinas
e equipamentos
F- Mudanças para técnicas menos ruidosas de operação.
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
REDUÇÃO DO RUÍDO NA TRANSMISSÃO:
A- Alteração das posições relativas entre o
trabalhador e a fonte, no ambiente e posto de
trabalho
B- Utilização das características de diretividade da
fonte para obter uma orientação que ofereça
alguma redução de ruído ao trabalhador
C- Barreira, silenciadores, enclausuramentos
parciais ou completos podem reduzir a energia
sonora
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
REDUÇÃO DO RUÍDO NA TRANSMISSÃO:
D- Alteração das características acústicas do ambiente
de trabalho pela introdução de materiais absorventes
E- Assentamento com material anti-vibrante,
isolamento do posto de trabalho do local de
transmissão da vibração.
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
REDUÇÃO DO RUÍDO NO RECEPTOR :
A- Revezamento entre ambientes, postos,
funções ou atividades
B- Posicionamento remoto dos controles das
máquinas
C- Enclausuramento do trabalhador em cabine
tratada acusticamente
D- Reposicionamento do trabalhador em relação a
fonte de ruído ou do caminho da transmissão durante
etapas da jornada de trabalho.
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
E- Adotar um protetor auricular adequado
EPI´S
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
PCA
Devânia Silva - TST / EIM
EPI´S
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
NR-9 IDÉIA PRINCIPAL
9.3.5.4. Quando comprovado pelo empregador ou
instituição, a inviabilidade técnica da adoção de
medidas de proteção coletiva ou quando estas não
forem suficientes ou encontrarem-se em fase de
estudo, planejamento ou implantação ou ainda em
caráter complementar ou emergencial, deverão ser
adotadas outras medidas obedecendo-se à seguinte
hierarquia:
Devânia Silva - TST / EIM
Hierarquia para Controle do Ruído
Devânia Silva - TST / EIM
Utilização deUtilização de
equipamento deequipamento de
proteção individual –proteção individual –
EPIEPI
Medidas de caráterMedidas de caráter
administrativo ou deadministrativo ou de
organização do trabalhoorganização do trabalho
EPI’s AUDITIVOS
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
CÁLCULO DE ATENUAÇÃO DOS
PROTETORES AUDITIVOS
Quando o nível de exposição é medido
em dB (A), o índice
de redução será igual a
LEQ = NRR- ( NRR * % ) – 7 .
Devânia Silva - TST / EIM
CÁLCULO DE ATENUAÇÃO DO RUÍDO
Devânia Silva - TST / EIM
LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 )
89dB - ( 21 - ( 21 * 75%) - 7 )
89dB - ( 21 – 15,75 – 7 )
89dB - 1,75dB ( atenuação do EPI ).
= 87,25 dB (A) ( o NPS do ambiente c/
o uso do Protetor Aur. )
LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 )
89dB - ( 23 - ( 23 * 25%) - 7 )
89dB - ( 23 – 5,75 – 7 )
89dB - 10,25dB ( atenuação do EPI ).
= 78,75 dB (A) ( o NPS do ambiente c/
o uso do Protetor Aur. )
Devânia Silva - TST / EIM
LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 )
89dB - ( 15 - ( 15 * 25%) - 7 )
89dB - ( 15 – 3,75 – 7 )
89dB - 4,25dB ( atenuação do EPI ).
= 84,75 dB (A) ( o NPS do ambiente c/
o uso do Protetor Aur. )
LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 )
89dB - ( 29 - ( 29 * 25%) - 7 )
89dB - ( 29 – 7,25 – 7 )
89dB - 14,75dB ( atenuação do EPI ).
= 74,25 dB (A) ( o NPS do ambiente c/
o uso do Protetor Aur. )
Concha M
SA
Concha DANNY
EPI’s AUDITIVOS
TEORIA DA CORREÇÃO.
Devânia Silva - TST / EIM
CONCHA Fator de Proteção 25%
PLUG DE INSERÇÃO
PLUG MOLDÁVEL
Fator de Proteção75%
Fator de Proteção 50%
EPI’s AUDITIVOS
Atenuação
O novo NRR: NRR(SF)
Estabelecido pela ANSI SI2.6-1997
 Os sujeitos dos testes são não-treinados.
 Instruções, apenas as que são lidas na embalagem.
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s
AUDITIVOS
Atenuação
4. Atenuação na prática é menor do que a
esperada.
1. Como regra: conchas tem NRR menor do que
plug´s, mas dão maior atenuação.
2. Todos EPI´s proporcionam menor atenuação nas
baixas freqüências do que nas altas.
3. Dupla proteção: depende mais do plug do que
da concha.
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
Devânia Silva - TST / EIM
Atenuação
: falhas
EPI’s AUDITIVOS
Único tamanho
Colocação rápida
Atenuação uniforme nas duas conchas
Partes substituíveis
Modelos variados
Higiênicos
Vantagens dos Abafadores:Vantagens dos Abafadores:
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
Desvantagens dos Abafadores:Desvantagens dos Abafadores:
Desconforto em áreas quentes
Dificuldade em carregar e guardar
Interfere no uso de outros EPI´s
Pode restringir movimentos da cabeça
Desconfortável para 8 horas de trabalho
Não recomendado uso com cabelos
compridos, barba, óculos, etc.
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
Utilizado por pessoas de cabelos compridos,
barba, cicatriz
Compatível com outros equipamentos
Descartáveis
Pequenos e facilmente transportados e guardados
Boa adaptação a ambientes com calor e umidade
excessiva
Não restringe movimentos em áreas muito
pequenas
Vantagens dos Plugs:Vantagens dos Plugs:
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
Desvantagens dos Plugs:Desvantagens dos Plugs:
Menor atenuação: movimentos (fala, mastigação)
podem deslocar o plug
Necessidade de treinamento específico
Bons níveis de atenuação dependem da boa
colocação
Menos higiênicos
Só pode ser utilizado em canais auditivos
saudáveis
Fáceis de perder
Menor durabilidade
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
TREINAMENTO:
Devânia Silva - TST / EIM
6.6.1 * Treinar o trabalhador sobre o uso
adequado do EPI
6.3.5.5 * Programa de treinamento para
correta utilização dos EPI’s.
EPI’s AUDITIVOS
TREINAMENTO:
NR 6 - EPI
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s
AUDITIVOS
TREINAMENTO:
Motivação especial e convicção
1. Em grupos e individualmente
2. Videos e folhetos são complementos
3. Campanhas educativas
Devânia Silva - TST / EIM
EPI’s AUDITIVOS
TREINAMENTO:
Devânia Silva - TST / EIM
Como é Medido o NPS do
Ambiente?
Dosímetro de
Ruído
Devânia Silva - TST / EIM
A PERDA DA
AUDIÇÃO
* PAIR Ocupacional;
* Exposição durante o lazer;
* Envelhecimento do sistema auditivo ( prebiacusia );
* Causas patológicas ( como rubéola );
* Infecção do ouvido;
* Drogas Ototóxicas e agentes químicos;
* Surdez Hereditária;
* Trauma na cabeça.
Devânia Silva - TST / EIM
IMPACTO NO
ORGANISMO
EFEITO NA QUALIDADE
DE VIDA
Aumento da Pressão
Sangüínea
Baixa Concentração
Problemas Cardíacos
Contração Muscular
A PERDA DA AUDIÇÃO
Nervosismo;
Insônia
Fadiga
Ansiedade
Estresse
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes audiométricos.
 Admissão
 Periódico (6 meses e anual)
 Demissional
NOTA: somente para trabalhadores expostos a NPS
acima do LT conforme NR 15 quadro I.
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes Audiométricos Periódicos.
 Não houve agravamento ou surgimento
de casos novos
Devânia Silva - TST / EIM
 Eficiência e eficácia de PCA
Uma vez constatada a PAIRO no exame periódico
cabe ao médico do trabalho observar:
 Caso novo;
 Agravamento.
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes audiométricos Periódicos
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes Audiométricos Periódicos
novo caso ou agravamento
 Verificar a ocorrência de outros casos de agravamento
no mesmo grupo de risco ou no mesmo local ou
ambiente de trabalho (análise epidemiológica);
 Verificar a existência de outros fatores que
expliquem esta ocorrência (doenças agudas, outras
exposições, consumo de medicamentos, fumo, álcool,
etc.) Devânia Silva - TST / EIM
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes Audiométricos Periódicos
novo caso ou agravamento
 Verificar a utilização do EPI (forma de utilização, o
tipo de EPI escolhido, estado de conservação,
conscientização, ficha de EPI, etc.)
 Repetir a audiometria em 30 dias, realizando uma
avaliação otorrinolaringológica com parecer do
otorrinolaringologista, para embasar a conduta.
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
CONTROLE MÉDICO
1-Testes Audiométricos Demissional
Deve haver coerência, ou seja, os critérios
adotados para aptidão admissional devem
ser os mesmos critérios adotados para
aptidão demissional.
Devânia Silva - TST / EIM
Devânia Silva - TST / EIM
PCA
O que é a PAIR
A Perda Auditiva Induzida por Ruído,
relacionada ao trabalho, é uma diminuição
gradual da acuidade auditiva, decorrente da
exposição continuada a níveis elevados de
pressão sonora. O termo Perda Auditiva
Neurossensorial por Exposição Continuada a
Níveis Elevados de Pressão Sonora é mais
adequado.
Devânia Silva - TST / EIM
DIAGNÓSTICO
Características da PAIRO – Perda da
Audição por Indução do Ruído Ocupacional.
 Ser sempre neurosensorial
 Ser quase sempre bilateral
 Irreversível
 Exposição ao ruído ocupacional
 Uma vez cessada a exposição ao ruído
intenso, não haverá progressão da doença.
Devânia Silva - TST / EIM
Devânia Silva - TST / EIM
NORMALNORMAL
Devânia Silva - TST / EIM
CÓCLEA COM
DANOS
NOS NERVOS
Instruções para Colocação
Protetor Tipo Inserção Moldável
1- Com as mãos limpas, rolete o protetor deslizando-o entre o seu
polegar e os dois primeiros dedos, até que o protetor seja
reduzido ao menor diâmetro possível e mantenha-o neste
formato.
2 – Passe a outra mão ao redor da cabeça e puxe o topo de sua
orelha para abrir o canal auditivo.
3– Mantendo o canal auditivo aberto, leve a mão, que ainda está
pressionando o protetor roletado, em direção à orelha e insira
o protetor no canal auditivo, o mais profundamente possível.
4- Mantenha a ponta do seu dedo pressionando a extremidade do
protetor para dentro do canal auditivo por 10 segundos, para
que o protetor se expanda e vede o canal auditivo.
Devânia Silva - TST / EIM
Devânia Silva - TST / EIM
Protetor Tipo Inserção Pré-Moldado
1-Segure firmemente a haste do protetor auditivo
por trás da maior flange.
2-Passe a outra mão por cima da cabeça e puxe o
topo da orelha para abrir o canal auditivo
3-Insira completamente o protetor no canal
auditivo, deixando a haste de fora, para
permitir sua remoção.
Devânia Silva - TST / EIM
Instruções para Colocação
Protetor Tipo Concha
1-Para ajustar a pressão aplicada à cabeça, movimente o cursor
lateral do braço da haste para cima e para baixo, até que se
obtenha um ajuste confortável
2-Retire com as mãos o máximo possível o excesso de cabelo que
possa interferir no bom contato entre as almofadas dos
protetores e a sua cabeça.
3-Com a haste do protetor sobre a cabeça, posicione as conchas
de maneira a cobrir completamente as orelhas
4-As conchas podem ser deslizadas na haste, para cima ou para
baixo, mantendo a haste sobre a cabeça, para que se obtenha
um ajuste firme e confortável.
Devânia Silva - TST / EIM
Instruções para Colocação
Atenção!
O protetor auditivo deve ser utilizado durante todo o
tempo em que se estiver exposto ao ruído. Quando o
protetor é retirado em área ruidosa, mesmo que por
alguns minutos durante a jornada de trabalho, a
proteção efetiva será reduzida. É importante ressaltar
que a perda da audição está diretamente relacionada
ao nível equivalente Leq dBA. Estudos realizados
mostram que um protetor com atenuação 20 dB,
quando utilizado por apenas 50% do tempo em uma
jornada de 8 horas, apresentará uma atenuação real
de apenas 3 dB.
Devânia Silva - TST / EIM
Importante!
Outro fator fundamental no desempenho dos
protetores auditivos é o treinamento dos
usuários para a correta colocação. Observe
atentamente as informações contidas nas
embalagens, assim como os desenhos de
“Instruções de Colocação”.
Devânia Silva - TST / EIM
AUDITAR
Devânia Silva - TST / EIM
Devânia Silva - TST / EIM
Obrigada!!!
Segurança no Trabalho.
Sua VIDA Agradece!!!
Devânia Silva - TST / EIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
Nilton Goulart
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
Ane Costa
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Programa de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentroPrograma de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentro
Claudinei Machado
 
Protecao auditiva
Protecao auditivaProtecao auditiva
Protecao auditiva
claubertst
 
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..pptTREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
NilsonLemosMachado1
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
Ednaldo Carlos Santos
 
Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
Kaiton Andrade
 
Pca bom
Pca bomPca bom
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
HP Safety Engenharia
 
Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditiva
Flávia Piol
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
Robson Peixoto
 
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
Anderson Linhares
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
Gustavo3248
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratória
Ane Costa
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
Rapha_Carvalho
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Claudio Cesar Pontes ن
 
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
Sandro Da Silva Santos
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 

Mais procurados (20)

1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
Programa de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentroPrograma de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentro
 
Protecao auditiva
Protecao auditivaProtecao auditiva
Protecao auditiva
 
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..pptTREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
 
Treinamento NR-12
Treinamento NR-12Treinamento NR-12
Treinamento NR-12
 
Pca bom
Pca bomPca bom
Pca bom
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditiva
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
 
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
EPI para Atividade Eletrica, Mecânica e o Fator Humano.
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratória
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Os de pedreiro
Os de pedreiroOs de pedreiro
Os de pedreiro
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
 

Semelhante a PCA - Programa de Conservação Auditiva

Pca geral 54pg
Pca   geral 54pgPca   geral 54pg
Pca geral 54pg
hamiltoncfilho0013
 
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docxMODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
JeffersonCarvalho703688
 
Prot audit-samir
Prot audit-samirProt audit-samir
Prot audit-samir
Fernanda Checchinato
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Felipe Voga
 
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Alexandro Castelão
 
00000401 (1)
00000401 (1)00000401 (1)
00000401 (1)
Claudia Ferreira
 
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
EngenheiroBenevides
 
Planilha dosimetria 2
Planilha dosimetria 2Planilha dosimetria 2
Planilha dosimetria 2
lcmamede
 
Pca coopentec
Pca   coopentecPca   coopentec
Pca coopentec
Aricardolima
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
Rodrigo Lacerda
 
LV_Ruido Ocupacional_internet.docx
LV_Ruido Ocupacional_internet.docxLV_Ruido Ocupacional_internet.docx
LV_Ruido Ocupacional_internet.docx
CarlosAlbertoFroufeS
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
Gilson Adao
 
504
504504
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
Marcos Monteiro
 
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
edinaldo carlos dos santos oliveira
 
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.pptPREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
MarcelinoAquino3
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
gelcine Angela
 
atividade 3.ppt
atividade 3.pptatividade 3.ppt
atividade 3.ppt
fofurinhasexoticas
 
Nrr ou nr rsf
Nrr ou nr rsfNrr ou nr rsf
Nrr ou nr rsf
salviolage
 
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
AmarildoSanttos
 

Semelhante a PCA - Programa de Conservação Auditiva (20)

Pca geral 54pg
Pca   geral 54pgPca   geral 54pg
Pca geral 54pg
 
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docxMODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
 
Prot audit-samir
Prot audit-samirProt audit-samir
Prot audit-samir
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
 
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
 
00000401 (1)
00000401 (1)00000401 (1)
00000401 (1)
 
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
 
Planilha dosimetria 2
Planilha dosimetria 2Planilha dosimetria 2
Planilha dosimetria 2
 
Pca coopentec
Pca   coopentecPca   coopentec
Pca coopentec
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
 
LV_Ruido Ocupacional_internet.docx
LV_Ruido Ocupacional_internet.docxLV_Ruido Ocupacional_internet.docx
LV_Ruido Ocupacional_internet.docx
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
 
504
504504
504
 
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
 
3 programa de controle auditivo - pca
3   programa de controle auditivo - pca3   programa de controle auditivo - pca
3 programa de controle auditivo - pca
 
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.pptPREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
PREVENORTE CONSERVAÇÃO AUDITIVA.ppt
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
 
atividade 3.ppt
atividade 3.pptatividade 3.ppt
atividade 3.ppt
 
Nrr ou nr rsf
Nrr ou nr rsfNrr ou nr rsf
Nrr ou nr rsf
 
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
*Equipamento de Proteção Individual-NR 6
 

PCA - Programa de Conservação Auditiva

  • 1. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Devânia Silva - TST / EIM
  • 2. PCA PASSOS: 1- LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2- MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3- MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL 4- CONTROLE MÉDICO 5- AUDITORIA Devânia Silva - TST / EIM
  • 3. PPRA NR-9 AVALIAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS PCMSO NR-7 AVALIAÇÃO DOS EFEITOS NOS EXPOSTOS CONTROLE/ELIMINAÇÃO DO RISCO RUÍDO PCA PCA INTEGRAÇÃO Devânia Silva - TST / EIM
  • 4. PCA Avaliação do ruído. Sem risco Área de risco Redução do tempo de exposição Redução do nível de ruido Redução do ruído na fonte Trajetória de transmissão interrompida Isolamento de pessoas Proteção da audição Refúgios protegidos do ruído Rotação de ocupação Especificação do ruído para as novas instalações Educação, supervisão e monitoramento audiométrico. Redução do Leq Devânia Silva - TST / EIM
  • 5. LIMITES DE NPS – Portaria 3214/1978 Anexo 1 NR-15 NPS dB (A) Máxima exposição diária permissível. 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 08Horas 07Hhoras 06 Horas 05 Horas 04 Horas e 30 minutos 04 Horas 03 Horas e 30 minutos 03 Horas 02 Horas e 30 minutos 02 Horas e 15 minutos 02 Horas 01 Hora e 45 minutos 01 Hora e 15 minutos 01 Hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 08 minutos 07 minutos Devânia Silva - TST / EIM
  • 6. Controle de Ruído Devânia Silva - TST / EIM 1° - Redução na Fonte 2° - Redução na Transm issão 3° - Redução no Receptor
  • 7. REDUÇÃO DO RUÍDO NA FONTE A- Modificações ou substituições de máquinas e equipamentos B- Redução dos efeitos e força de impacto C- Isolamentos entre superfície que vibram e dos dispositivos e máquinas que produzem as vibrações mecânicas que as excitam. PCA Devânia Silva - TST / EIM
  • 8. REDUÇÃO DO RUÍDO NA FONTE D- Modificação do processo de produção E- Manutenção preventiva e corretiva de máquinas e equipamentos F- Mudanças para técnicas menos ruidosas de operação. PCA Devânia Silva - TST / EIM
  • 9. REDUÇÃO DO RUÍDO NA TRANSMISSÃO: A- Alteração das posições relativas entre o trabalhador e a fonte, no ambiente e posto de trabalho B- Utilização das características de diretividade da fonte para obter uma orientação que ofereça alguma redução de ruído ao trabalhador C- Barreira, silenciadores, enclausuramentos parciais ou completos podem reduzir a energia sonora PCA Devânia Silva - TST / EIM
  • 10. REDUÇÃO DO RUÍDO NA TRANSMISSÃO: D- Alteração das características acústicas do ambiente de trabalho pela introdução de materiais absorventes E- Assentamento com material anti-vibrante, isolamento do posto de trabalho do local de transmissão da vibração. PCA Devânia Silva - TST / EIM
  • 11. REDUÇÃO DO RUÍDO NO RECEPTOR : A- Revezamento entre ambientes, postos, funções ou atividades B- Posicionamento remoto dos controles das máquinas C- Enclausuramento do trabalhador em cabine tratada acusticamente D- Reposicionamento do trabalhador em relação a fonte de ruído ou do caminho da transmissão durante etapas da jornada de trabalho. PCA Devânia Silva - TST / EIM E- Adotar um protetor auricular adequado
  • 12. EPI´S EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PCA Devânia Silva - TST / EIM
  • 13. EPI´S EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NR-9 IDÉIA PRINCIPAL 9.3.5.4. Quando comprovado pelo empregador ou instituição, a inviabilidade técnica da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantação ou ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras medidas obedecendo-se à seguinte hierarquia: Devânia Silva - TST / EIM
  • 14. Hierarquia para Controle do Ruído Devânia Silva - TST / EIM Utilização deUtilização de equipamento deequipamento de proteção individual –proteção individual – EPIEPI Medidas de caráterMedidas de caráter administrativo ou deadministrativo ou de organização do trabalhoorganização do trabalho
  • 16. EPI’s AUDITIVOS CÁLCULO DE ATENUAÇÃO DOS PROTETORES AUDITIVOS Quando o nível de exposição é medido em dB (A), o índice de redução será igual a LEQ = NRR- ( NRR * % ) – 7 . Devânia Silva - TST / EIM
  • 17. CÁLCULO DE ATENUAÇÃO DO RUÍDO Devânia Silva - TST / EIM LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 ) 89dB - ( 21 - ( 21 * 75%) - 7 ) 89dB - ( 21 – 15,75 – 7 ) 89dB - 1,75dB ( atenuação do EPI ). = 87,25 dB (A) ( o NPS do ambiente c/ o uso do Protetor Aur. ) LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 ) 89dB - ( 23 - ( 23 * 25%) - 7 ) 89dB - ( 23 – 5,75 – 7 ) 89dB - 10,25dB ( atenuação do EPI ). = 78,75 dB (A) ( o NPS do ambiente c/ o uso do Protetor Aur. )
  • 18. Devânia Silva - TST / EIM LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 ) 89dB - ( 15 - ( 15 * 25%) - 7 ) 89dB - ( 15 – 3,75 – 7 ) 89dB - 4,25dB ( atenuação do EPI ). = 84,75 dB (A) ( o NPS do ambiente c/ o uso do Protetor Aur. ) LEQ - (NRR – ( NRR * Fator de Proteção) – 7 ) 89dB - ( 29 - ( 29 * 25%) - 7 ) 89dB - ( 29 – 7,25 – 7 ) 89dB - 14,75dB ( atenuação do EPI ). = 74,25 dB (A) ( o NPS do ambiente c/ o uso do Protetor Aur. ) Concha M SA Concha DANNY
  • 19. EPI’s AUDITIVOS TEORIA DA CORREÇÃO. Devânia Silva - TST / EIM CONCHA Fator de Proteção 25% PLUG DE INSERÇÃO PLUG MOLDÁVEL Fator de Proteção75% Fator de Proteção 50%
  • 20. EPI’s AUDITIVOS Atenuação O novo NRR: NRR(SF) Estabelecido pela ANSI SI2.6-1997  Os sujeitos dos testes são não-treinados.  Instruções, apenas as que são lidas na embalagem. Devânia Silva - TST / EIM
  • 21. EPI’s AUDITIVOS Atenuação 4. Atenuação na prática é menor do que a esperada. 1. Como regra: conchas tem NRR menor do que plug´s, mas dão maior atenuação. 2. Todos EPI´s proporcionam menor atenuação nas baixas freqüências do que nas altas. 3. Dupla proteção: depende mais do plug do que da concha. Devânia Silva - TST / EIM
  • 22. EPI’s AUDITIVOS Devânia Silva - TST / EIM Atenuação : falhas
  • 23. EPI’s AUDITIVOS Único tamanho Colocação rápida Atenuação uniforme nas duas conchas Partes substituíveis Modelos variados Higiênicos Vantagens dos Abafadores:Vantagens dos Abafadores: Devânia Silva - TST / EIM
  • 24. EPI’s AUDITIVOS Desvantagens dos Abafadores:Desvantagens dos Abafadores: Desconforto em áreas quentes Dificuldade em carregar e guardar Interfere no uso de outros EPI´s Pode restringir movimentos da cabeça Desconfortável para 8 horas de trabalho Não recomendado uso com cabelos compridos, barba, óculos, etc. Devânia Silva - TST / EIM
  • 25. EPI’s AUDITIVOS Utilizado por pessoas de cabelos compridos, barba, cicatriz Compatível com outros equipamentos Descartáveis Pequenos e facilmente transportados e guardados Boa adaptação a ambientes com calor e umidade excessiva Não restringe movimentos em áreas muito pequenas Vantagens dos Plugs:Vantagens dos Plugs: Devânia Silva - TST / EIM
  • 26. EPI’s AUDITIVOS Desvantagens dos Plugs:Desvantagens dos Plugs: Menor atenuação: movimentos (fala, mastigação) podem deslocar o plug Necessidade de treinamento específico Bons níveis de atenuação dependem da boa colocação Menos higiênicos Só pode ser utilizado em canais auditivos saudáveis Fáceis de perder Menor durabilidade Devânia Silva - TST / EIM
  • 28. 6.6.1 * Treinar o trabalhador sobre o uso adequado do EPI 6.3.5.5 * Programa de treinamento para correta utilização dos EPI’s. EPI’s AUDITIVOS TREINAMENTO: NR 6 - EPI Devânia Silva - TST / EIM
  • 29. EPI’s AUDITIVOS TREINAMENTO: Motivação especial e convicção 1. Em grupos e individualmente 2. Videos e folhetos são complementos 3. Campanhas educativas Devânia Silva - TST / EIM
  • 30. EPI’s AUDITIVOS TREINAMENTO: Devânia Silva - TST / EIM Como é Medido o NPS do Ambiente? Dosímetro de Ruído
  • 31. Devânia Silva - TST / EIM A PERDA DA AUDIÇÃO * PAIR Ocupacional; * Exposição durante o lazer; * Envelhecimento do sistema auditivo ( prebiacusia ); * Causas patológicas ( como rubéola ); * Infecção do ouvido; * Drogas Ototóxicas e agentes químicos; * Surdez Hereditária; * Trauma na cabeça.
  • 32. Devânia Silva - TST / EIM IMPACTO NO ORGANISMO EFEITO NA QUALIDADE DE VIDA Aumento da Pressão Sangüínea Baixa Concentração Problemas Cardíacos Contração Muscular A PERDA DA AUDIÇÃO Nervosismo; Insônia Fadiga Ansiedade Estresse
  • 33. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes audiométricos.  Admissão  Periódico (6 meses e anual)  Demissional NOTA: somente para trabalhadores expostos a NPS acima do LT conforme NR 15 quadro I. Devânia Silva - TST / EIM
  • 34. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes Audiométricos Periódicos.  Não houve agravamento ou surgimento de casos novos Devânia Silva - TST / EIM  Eficiência e eficácia de PCA
  • 35. Uma vez constatada a PAIRO no exame periódico cabe ao médico do trabalho observar:  Caso novo;  Agravamento. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes audiométricos Periódicos Devânia Silva - TST / EIM
  • 36. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes Audiométricos Periódicos novo caso ou agravamento  Verificar a ocorrência de outros casos de agravamento no mesmo grupo de risco ou no mesmo local ou ambiente de trabalho (análise epidemiológica);  Verificar a existência de outros fatores que expliquem esta ocorrência (doenças agudas, outras exposições, consumo de medicamentos, fumo, álcool, etc.) Devânia Silva - TST / EIM
  • 37. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes Audiométricos Periódicos novo caso ou agravamento  Verificar a utilização do EPI (forma de utilização, o tipo de EPI escolhido, estado de conservação, conscientização, ficha de EPI, etc.)  Repetir a audiometria em 30 dias, realizando uma avaliação otorrinolaringológica com parecer do otorrinolaringologista, para embasar a conduta. Devânia Silva - TST / EIM
  • 38. PCA CONTROLE MÉDICO 1-Testes Audiométricos Demissional Deve haver coerência, ou seja, os critérios adotados para aptidão admissional devem ser os mesmos critérios adotados para aptidão demissional. Devânia Silva - TST / EIM
  • 39. Devânia Silva - TST / EIM PCA
  • 40. O que é a PAIR A Perda Auditiva Induzida por Ruído, relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva, decorrente da exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora. O termo Perda Auditiva Neurossensorial por Exposição Continuada a Níveis Elevados de Pressão Sonora é mais adequado. Devânia Silva - TST / EIM
  • 41. DIAGNÓSTICO Características da PAIRO – Perda da Audição por Indução do Ruído Ocupacional.  Ser sempre neurosensorial  Ser quase sempre bilateral  Irreversível  Exposição ao ruído ocupacional  Uma vez cessada a exposição ao ruído intenso, não haverá progressão da doença. Devânia Silva - TST / EIM
  • 42. Devânia Silva - TST / EIM NORMALNORMAL
  • 43. Devânia Silva - TST / EIM CÓCLEA COM DANOS NOS NERVOS
  • 44. Instruções para Colocação Protetor Tipo Inserção Moldável 1- Com as mãos limpas, rolete o protetor deslizando-o entre o seu polegar e os dois primeiros dedos, até que o protetor seja reduzido ao menor diâmetro possível e mantenha-o neste formato. 2 – Passe a outra mão ao redor da cabeça e puxe o topo de sua orelha para abrir o canal auditivo. 3– Mantendo o canal auditivo aberto, leve a mão, que ainda está pressionando o protetor roletado, em direção à orelha e insira o protetor no canal auditivo, o mais profundamente possível. 4- Mantenha a ponta do seu dedo pressionando a extremidade do protetor para dentro do canal auditivo por 10 segundos, para que o protetor se expanda e vede o canal auditivo. Devânia Silva - TST / EIM
  • 45. Devânia Silva - TST / EIM
  • 46. Protetor Tipo Inserção Pré-Moldado 1-Segure firmemente a haste do protetor auditivo por trás da maior flange. 2-Passe a outra mão por cima da cabeça e puxe o topo da orelha para abrir o canal auditivo 3-Insira completamente o protetor no canal auditivo, deixando a haste de fora, para permitir sua remoção. Devânia Silva - TST / EIM Instruções para Colocação
  • 47. Protetor Tipo Concha 1-Para ajustar a pressão aplicada à cabeça, movimente o cursor lateral do braço da haste para cima e para baixo, até que se obtenha um ajuste confortável 2-Retire com as mãos o máximo possível o excesso de cabelo que possa interferir no bom contato entre as almofadas dos protetores e a sua cabeça. 3-Com a haste do protetor sobre a cabeça, posicione as conchas de maneira a cobrir completamente as orelhas 4-As conchas podem ser deslizadas na haste, para cima ou para baixo, mantendo a haste sobre a cabeça, para que se obtenha um ajuste firme e confortável. Devânia Silva - TST / EIM Instruções para Colocação
  • 48. Atenção! O protetor auditivo deve ser utilizado durante todo o tempo em que se estiver exposto ao ruído. Quando o protetor é retirado em área ruidosa, mesmo que por alguns minutos durante a jornada de trabalho, a proteção efetiva será reduzida. É importante ressaltar que a perda da audição está diretamente relacionada ao nível equivalente Leq dBA. Estudos realizados mostram que um protetor com atenuação 20 dB, quando utilizado por apenas 50% do tempo em uma jornada de 8 horas, apresentará uma atenuação real de apenas 3 dB. Devânia Silva - TST / EIM
  • 49. Importante! Outro fator fundamental no desempenho dos protetores auditivos é o treinamento dos usuários para a correta colocação. Observe atentamente as informações contidas nas embalagens, assim como os desenhos de “Instruções de Colocação”. Devânia Silva - TST / EIM
  • 51. Devânia Silva - TST / EIM
  • 52. Obrigada!!! Segurança no Trabalho. Sua VIDA Agradece!!! Devânia Silva - TST / EIM