SlideShare uma empresa Scribd logo
A GERAÇÃO DE 45 –
PÓS-MODERNISMO
Momento histórico
 Fim da segunda guerra mundial;
 Era atômica;
 Declaração dos Direitos
Humanos;
 Perseguições político-
partidárias
 ...
Profundas transformações
sociais:
Apresenta um retrocesso acadêmico, uma geração que nega a
liberdade formal, as ironias, as sátiras e volta-se para uma poesia
erudita, com rima, metrificação e com referências mitológicas.
Lêdo Ivo
Rompeu com estética de 22 e procurou
cultivar como sonetos e haicais. Conhecido
por criar novas expressões e produzir mais
inesperados efeitos e combinações de
palavras.
O lago habitado - Haicai
Noite de Domingo
Acabou-se a festa.
Resta, no silêncio,
o rumor da floresta.
O Lago Habitado
Na água trêmula
freme a pálida
anêmona.
As imaginações / Ode e elegia
Geir Campos
Tarefa
Geir Campos
Morder o fruto amargo e não cuspir
mas avisar aos outros quanto é amargo,
cumprir o trato injusto e não falhar
mas avisar aos outros quanto é injusto,
sofrer o esquema falso e não ceder
mas avisar aos outros quanto é falso;
dizer também que são coisas mutáveis...
E quando em muitos a noção pulsar
— do amargo e injusto e falso por mudar —
então confiar à gente exausta o plano
de um mundo novo e muito mais humano.
Darcy Damasceno dos
Santos
Crítico e grande estudioso da literatura
brasileira e da obra de Cecília Meireles.
ESCARNINHA
Moça, tuas palavras
São duras - não as mereço.
Calam fundo, e embora eu ouça
Em silêncio tua fala,
Não a esqueço. Mas porém,
Guarda o teu ressentimento,
Não me agraves, pois bem sei
Que desprezo em boca amarga
De mulher que ama, são lágrimas
Secadas no travesseiro.
Tua boca, quando ofende,
Compra-te um céu de desprezo,
Compra o gosto de humilhar,
Mas te sabe a sal, se rezas,
E se rezas por me odiar,
Outro céu te hei-de ofertar.
Cala, moça, e desodiando
Espera um dia e outro dia:
Sói orgulho em peito amante
Ser de fraca moradia.
José Paulo Paes Passarinho fofoqueiro
Um passarinho me contou
que a ostra é muito fechada,
que a cobra é muito enrolada,
que a arara é uma cabeça oca,
e que o leão marinho e a foca...
xô, passarinho! chega de fofoca!
Atuou como tradutor, traduzindo mais de cem livros de diversas línguas.
Livros mais conhecidos: Meia Palavra, Resíduo, A meu Esmo, Socráticas.
EPITÁFIO DE UMA BANQUEIRO
João Cabral de Melo Neto
Sua poesia é pautada pelo uso de rimas toantes, uma linguagem
seca,direta e enxuta. Sua obra é evidenciada por sua individualidade e
genialidade.
Acreditava que o poema não era fruto de inspiração, mas fruto de uma
construção muito bem elaborada, por isso, conhecido como arquiteto das
palavras.
Morte e Vida Severina (1965)
Pedra do Sono (1942)
Psicologia da Composição (1947)
Terceira Feira (1961)
Agestes (1985)
Primeiros Poemas (1990)
Obras que
destacam a
preocupação
com a
realidade
social, reflexão
sobre o fazer
artístico,
linguagem
objeto.
A MORTE DO EU LÍRICO
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Analogia ao nascimento de Jesus que
veio ao mundo resgatar o homem da
morte e do sofrimento. Denuncia as
injustiças e desigualdades sociais de
maneira universal.
Cena 1: Apresentação de Severino
Cena 2 à cena 10: peregrinação de Severino até Recife.
Cena 11 à cena 18: Severino em Recife.
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
O RETIRANTE EXPLICA AO LEITOR QUEM É E A QUE VAI
— O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.
[...]
Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas
e iguais também porque o sangue,
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).
A prosa da geração de 45
Clarisse Lispector “Eu escrevo sem esperança de que o que eu
escrevo altere qualquer coisa. Não altera em
nada... Por que no fundo a gente não está
querendo alterar as coisas. A gente está
querendo desabrochar de um modo ou de outro...
Não sou uma escritora, mas uma sentidora.”
• Exploração do mundo
interior dos personagens;
•Suas construções
subconscientes
transformaram o enredo
além de aparências.
Sondagem psicológica e a
projeção do eu interior
O que havia mais que fizesse Ana se aprumar em desconfiança?
Alguma coisa intranqüila estava sucedendo. Então ela viu: o cego
mascava chicles... Um homem cego mascava chicles.
Ana ainda teve tempo de pensar por um segundo que os irmãos
viriam jantar — o coração batia-lhe violento, espaçado. Inclinada,
olhava o cego profundamente, como se olha o que não nos vê.
Ele mascava goma na escuridão. Sem sofrimento, com os olhos
abertos. O movimento da mastigação fazia-o parecer sorrir e de
repente deixar de sorrir, sorrir e deixar de sorrir — como se ele a
tivesse insultado, Ana olhava-o. E quem a visse teria a impressão
de uma mulher com ódio. Mas continuava a olhá-lo, cada vez
mais inclinada — o bonde deu uma arrancada súbita jogando-a
desprevenida para trás, o pesado saco de tricô despencou-se do
colo, ruiu no chão — Ana deu um grito, o condutor deu ordem de
parada antes de saber do que se tratava — o bonde estacou, os
passageiros olharam assustados.
Incapaz de se mover para apanhar suas compras, Ana se
aprumava pálida. Uma expressão de rosto, há muito não usada,
ressurgia-lhe com dificuldade, ainda incerta, incompreensível. O
moleque dos jornais ria entregando-lhe o volume. Mas os ovos se
haviam quebrado no embrulho de jornal. Gemas amarelas e
viscosas pingavam entre os fios da rede. O cego interrompera a
mastigação e avançava as mãos inseguras, tentando inutilmente
pegar o que acontecia. O embrulho dos ovos foi jogado fora da
rede e, entre os sorrisos dos passageiros e o sinal do condutor, o
bonde deu a nova arrancada de partida.
Poucos instantes depois já não a olhavam mais. O bonde se
sacudia nos trilhos e o cego mascando goma ficara atrás para
sempre. Mas o mal estava feito.
Enredos caóticos, e intimistas,
não possuem uma sequência
linear, a sensação de o leitor
estar invadindo os pensamentos
e a intimidade mental do
personagem.
• A cidade sitiada;
• Laços de Família;
• A maçã no escuro;
• Felicidade clandestina;
• Água viva;
•Um sopro de vida
João Guimarães Rosa
Especialista na
mitopoese, sua narrativa
estabelece uma tênue
fronteira entre o
coloquial e o literário,
hipótese de que o
pensamento está sempre
além das palavras, ou
seja, aquilo que
conseguimos dizer não
expressa exatamente o
que desejamos falar.
•Regionalismo;
•Universalismo;
•Criação linguística;
Os contos e romances escritos por Guimarães
ambientam-se quase todos no chamado sertão
brasileiro. A sua obra destaca-se, sobretudo, pelas
inovações de linguagem, sendo marcada pela
influência de falares populares e regionais.
Neologismo
Saga: canto heróico, lenda
rana: a maneira de..., à
espécie de...
Alguns neologismos de
Guimarães Rosa:
Desafogareu
Cigarrando
Retrovão
Isbrisa
Desfalar
Justinhamente
Agarrante
Ossoso...
Sertão: todo/ veredas: oásis
Narra a história de vida, conflitos e
amores de Riobaldo e Diadorin.
Expressão máxima do
universalismo regionalista da
literatura brasileira
Lugar sertão se divulga: é onde
os pastos carecem de fechos;
onde um pode torar dez, quinze
léguas, sem topar com casa de
morador; e onde criminoso vive
seu cristo-jesus, arredado de
arrocho de autoridade.
[...]
Os gerais corre em volta. Esses
gerais são sem tamanho. Enfim
cada um o que quer aprova, o
senhor sabe: pão ou pães, é
questão de opiniães... O sertão
está em toda parte.
[...]
É, e não é. O senhor ache e não
ache. Tudo é e não é...
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Jirede Abisai
 
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua PortuguesaPanorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Wesla Campos
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
Isabella Neves Silva
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)
Carolina Loçasso Pereira
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Introdução aos estudos literários
Introdução aos estudos literáriosIntrodução aos estudos literários
Introdução aos estudos literários
Elaine Teixeira
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
Blog Estudo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Lucélia Rodrigues
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
Priscila Hilária
 

Mais procurados (20)

Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua PortuguesaPanorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Introdução aos estudos literários
Introdução aos estudos literáriosIntrodução aos estudos literários
Introdução aos estudos literários
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 

Destaque

Modernismo Geração de 45
Modernismo Geração de 45Modernismo Geração de 45
Modernismo Geração de 45
Rotivtheb
 
Obras de Arte nas Imagens Publicitárias
Obras de Arte nas Imagens PublicitáriasObras de Arte nas Imagens Publicitárias
Obras de Arte nas Imagens Publicitárias
crisbirne
 
frontend {retirante: nordestino;}
frontend {retirante: nordestino;}frontend {retirante: nordestino;}
frontend {retirante: nordestino;}
Davidson Fellipe
 
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
Vania Myrrha
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
Andre Guerra
 
Releitura Tarsila
Releitura TarsilaReleitura Tarsila
Releitura Tarsila
brunoma
 
Romero Britto
Romero BrittoRomero Britto
Romero Britto
labjosecataldi
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
Janice Calestini
 
Tarsila do Amaral - Leitura de Imagem
Tarsila do Amaral - Leitura de ImagemTarsila do Amaral - Leitura de Imagem
Tarsila do Amaral - Leitura de Imagem
pibidletrasifpa
 
Tarcila do amaral
Tarcila   do    amaralTarcila   do    amaral
Tarcila do amaral
elaine
 
Tarsila do Amaral power
Tarsila do Amaral powerTarsila do Amaral power
Tarsila do Amaral power
Tania Mazeto Siqueira
 
Releituras
ReleiturasReleituras
Releituras
niva26
 
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
Tatiana Pontes
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
Prova de arte
Prova de arteProva de arte
Prova de arte
ninguemsabenada
 
Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)
cleberton10
 
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
DafianaCarlos
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaral Tarsila do amaral
Tarsila do amaral
Roselynn B. Araújo
 
Portirari
PortirariPortirari
Portirari
Gabriela Farias
 
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJAReleitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
DafianaCarlos
 

Destaque (20)

Modernismo Geração de 45
Modernismo Geração de 45Modernismo Geração de 45
Modernismo Geração de 45
 
Obras de Arte nas Imagens Publicitárias
Obras de Arte nas Imagens PublicitáriasObras de Arte nas Imagens Publicitárias
Obras de Arte nas Imagens Publicitárias
 
frontend {retirante: nordestino;}
frontend {retirante: nordestino;}frontend {retirante: nordestino;}
frontend {retirante: nordestino;}
 
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
Um percurso pela ARTE MODERNA - 150 anos de histórias
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Releitura Tarsila
Releitura TarsilaReleitura Tarsila
Releitura Tarsila
 
Romero Britto
Romero BrittoRomero Britto
Romero Britto
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
Tarsila do Amaral - Leitura de Imagem
Tarsila do Amaral - Leitura de ImagemTarsila do Amaral - Leitura de Imagem
Tarsila do Amaral - Leitura de Imagem
 
Tarcila do amaral
Tarcila   do    amaralTarcila   do    amaral
Tarcila do amaral
 
Tarsila do Amaral power
Tarsila do Amaral powerTarsila do Amaral power
Tarsila do Amaral power
 
Releituras
ReleiturasReleituras
Releituras
 
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Prova de arte
Prova de arteProva de arte
Prova de arte
 
Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)Releitura de uma obra de arte (2)
Releitura de uma obra de arte (2)
 
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaral Tarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
Portirari
PortirariPortirari
Portirari
 
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJAReleitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
Releitura da Obra os Operarios_Arte na EJA
 

Semelhante a A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura

Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
ma.no.el.ne.ves
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
ma.no.el.ne.ves
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
MAIRY RIBEIRO Maíre
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
luarefletindo
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
keilaoliveira69
 
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].pptMODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
RildeniceSantos
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Edir Alonso
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
Daniel Arena
 
Florbela Espanca
Florbela Espanca Florbela Espanca
Florbela Espanca
Davi Lima
 
Palavra Perdida - Oya Baydar
Palavra Perdida - Oya BaydarPalavra Perdida - Oya Baydar
Palavra Perdida - Oya Baydar
Sá Editora
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Diego
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
Luciene Gomes
 
Antologia Poética de Vinicius de Moraes
Antologia Poética de Vinicius de MoraesAntologia Poética de Vinicius de Moraes
Antologia Poética de Vinicius de Moraes
Cristiane Franz
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Ana Santos Deodato
 
Literatura medieval prof katty
Literatura medieval    prof kattyLiteratura medieval    prof katty
Literatura medieval prof katty
Katty Rasga
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pinto
gabriellealano
 

Semelhante a A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura (20)

Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.pptliteratura-romantismo-no-brasil.ppt
literatura-romantismo-no-brasil.ppt
 
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].pptMODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
MODERNISMO 2 (7) [Salvo automaticamente].ppt
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
 
Florbela Espanca
Florbela Espanca Florbela Espanca
Florbela Espanca
 
Palavra Perdida - Oya Baydar
Palavra Perdida - Oya BaydarPalavra Perdida - Oya Baydar
Palavra Perdida - Oya Baydar
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Antologia Poética de Vinicius de Moraes
Antologia Poética de Vinicius de MoraesAntologia Poética de Vinicius de Moraes
Antologia Poética de Vinicius de Moraes
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Literatura medieval prof katty
Literatura medieval    prof kattyLiteratura medieval    prof katty
Literatura medieval prof katty
 
Mayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pintoMayrant gallo por costa pinto
Mayrant gallo por costa pinto
 

Mais de Hadassa Castro

Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - ArteEscola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
Hadassa Castro
 
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaJoão Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Hadassa Castro
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaSemana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - ArteImpressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Hadassa Castro
 

Mais de Hadassa Castro (8)

Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - ArteEscola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
Escola De Atenas - Prof. Kelly Mendes - Arte
 
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaJoão Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
João Cabral De Melo Neto (Pós-Modernismo) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaSemana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 22 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - ArteImpressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
Impressionismo - Prof. Kelly Mendes - Arte
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura

  • 1. A GERAÇÃO DE 45 – PÓS-MODERNISMO
  • 2. Momento histórico  Fim da segunda guerra mundial;  Era atômica;  Declaração dos Direitos Humanos;  Perseguições político- partidárias  ... Profundas transformações sociais:
  • 3. Apresenta um retrocesso acadêmico, uma geração que nega a liberdade formal, as ironias, as sátiras e volta-se para uma poesia erudita, com rima, metrificação e com referências mitológicas.
  • 4. Lêdo Ivo Rompeu com estética de 22 e procurou cultivar como sonetos e haicais. Conhecido por criar novas expressões e produzir mais inesperados efeitos e combinações de palavras. O lago habitado - Haicai Noite de Domingo Acabou-se a festa. Resta, no silêncio, o rumor da floresta. O Lago Habitado Na água trêmula freme a pálida anêmona. As imaginações / Ode e elegia
  • 5. Geir Campos Tarefa Geir Campos Morder o fruto amargo e não cuspir mas avisar aos outros quanto é amargo, cumprir o trato injusto e não falhar mas avisar aos outros quanto é injusto, sofrer o esquema falso e não ceder mas avisar aos outros quanto é falso; dizer também que são coisas mutáveis... E quando em muitos a noção pulsar — do amargo e injusto e falso por mudar — então confiar à gente exausta o plano de um mundo novo e muito mais humano.
  • 6. Darcy Damasceno dos Santos Crítico e grande estudioso da literatura brasileira e da obra de Cecília Meireles. ESCARNINHA Moça, tuas palavras São duras - não as mereço. Calam fundo, e embora eu ouça Em silêncio tua fala, Não a esqueço. Mas porém, Guarda o teu ressentimento, Não me agraves, pois bem sei Que desprezo em boca amarga De mulher que ama, são lágrimas Secadas no travesseiro. Tua boca, quando ofende, Compra-te um céu de desprezo, Compra o gosto de humilhar, Mas te sabe a sal, se rezas, E se rezas por me odiar, Outro céu te hei-de ofertar. Cala, moça, e desodiando Espera um dia e outro dia: Sói orgulho em peito amante Ser de fraca moradia.
  • 7. José Paulo Paes Passarinho fofoqueiro Um passarinho me contou que a ostra é muito fechada, que a cobra é muito enrolada, que a arara é uma cabeça oca, e que o leão marinho e a foca... xô, passarinho! chega de fofoca! Atuou como tradutor, traduzindo mais de cem livros de diversas línguas. Livros mais conhecidos: Meia Palavra, Resíduo, A meu Esmo, Socráticas. EPITÁFIO DE UMA BANQUEIRO
  • 8. João Cabral de Melo Neto
  • 9. Sua poesia é pautada pelo uso de rimas toantes, uma linguagem seca,direta e enxuta. Sua obra é evidenciada por sua individualidade e genialidade. Acreditava que o poema não era fruto de inspiração, mas fruto de uma construção muito bem elaborada, por isso, conhecido como arquiteto das palavras. Morte e Vida Severina (1965) Pedra do Sono (1942) Psicologia da Composição (1947) Terceira Feira (1961) Agestes (1985) Primeiros Poemas (1990) Obras que destacam a preocupação com a realidade social, reflexão sobre o fazer artístico, linguagem objeto.
  • 10. A MORTE DO EU LÍRICO
  • 12. Analogia ao nascimento de Jesus que veio ao mundo resgatar o homem da morte e do sofrimento. Denuncia as injustiças e desigualdades sociais de maneira universal.
  • 13. Cena 1: Apresentação de Severino Cena 2 à cena 10: peregrinação de Severino até Recife. Cena 11 à cena 18: Severino em Recife.
  • 14. Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto O RETIRANTE EXPLICA AO LEITOR QUEM É E A QUE VAI — O meu nome é Severino, como não tenho outro de pia. Como há muitos Severinos, que é santo de romaria, deram então de me chamar Severino de Maria como há muitos Severinos com mães chamadas Maria, como há muitos Severinos com mães chamadas Maria, fiquei sendo o da Maria do finado Zacarias. [...] Somos muitos Severinos iguais em tudo na vida: na mesma cabeça grande que a custo é que se equilibra, no mesmo ventre crescido sobre as mesmas pernas finas e iguais também porque o sangue, que usamos tem pouca tinta. E se somos Severinos iguais em tudo na vida, morremos de morte igual, mesma morte severina: que é a morte de que se morre de velhice antes dos trinta, de emboscada antes dos vinte de fome um pouco por dia (de fraqueza e de doença é que a morte severina ataca em qualquer idade, e até gente não nascida).
  • 15. A prosa da geração de 45 Clarisse Lispector “Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Por que no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro... Não sou uma escritora, mas uma sentidora.” • Exploração do mundo interior dos personagens; •Suas construções subconscientes transformaram o enredo além de aparências. Sondagem psicológica e a projeção do eu interior
  • 16. O que havia mais que fizesse Ana se aprumar em desconfiança? Alguma coisa intranqüila estava sucedendo. Então ela viu: o cego mascava chicles... Um homem cego mascava chicles. Ana ainda teve tempo de pensar por um segundo que os irmãos viriam jantar — o coração batia-lhe violento, espaçado. Inclinada, olhava o cego profundamente, como se olha o que não nos vê. Ele mascava goma na escuridão. Sem sofrimento, com os olhos abertos. O movimento da mastigação fazia-o parecer sorrir e de repente deixar de sorrir, sorrir e deixar de sorrir — como se ele a tivesse insultado, Ana olhava-o. E quem a visse teria a impressão de uma mulher com ódio. Mas continuava a olhá-lo, cada vez mais inclinada — o bonde deu uma arrancada súbita jogando-a desprevenida para trás, o pesado saco de tricô despencou-se do colo, ruiu no chão — Ana deu um grito, o condutor deu ordem de parada antes de saber do que se tratava — o bonde estacou, os passageiros olharam assustados.
  • 17. Incapaz de se mover para apanhar suas compras, Ana se aprumava pálida. Uma expressão de rosto, há muito não usada, ressurgia-lhe com dificuldade, ainda incerta, incompreensível. O moleque dos jornais ria entregando-lhe o volume. Mas os ovos se haviam quebrado no embrulho de jornal. Gemas amarelas e viscosas pingavam entre os fios da rede. O cego interrompera a mastigação e avançava as mãos inseguras, tentando inutilmente pegar o que acontecia. O embrulho dos ovos foi jogado fora da rede e, entre os sorrisos dos passageiros e o sinal do condutor, o bonde deu a nova arrancada de partida. Poucos instantes depois já não a olhavam mais. O bonde se sacudia nos trilhos e o cego mascando goma ficara atrás para sempre. Mas o mal estava feito.
  • 18. Enredos caóticos, e intimistas, não possuem uma sequência linear, a sensação de o leitor estar invadindo os pensamentos e a intimidade mental do personagem. • A cidade sitiada; • Laços de Família; • A maçã no escuro; • Felicidade clandestina; • Água viva; •Um sopro de vida
  • 19. João Guimarães Rosa Especialista na mitopoese, sua narrativa estabelece uma tênue fronteira entre o coloquial e o literário, hipótese de que o pensamento está sempre além das palavras, ou seja, aquilo que conseguimos dizer não expressa exatamente o que desejamos falar. •Regionalismo; •Universalismo; •Criação linguística;
  • 20. Os contos e romances escritos por Guimarães ambientam-se quase todos no chamado sertão brasileiro. A sua obra destaca-se, sobretudo, pelas inovações de linguagem, sendo marcada pela influência de falares populares e regionais.
  • 21. Neologismo Saga: canto heróico, lenda rana: a maneira de..., à espécie de... Alguns neologismos de Guimarães Rosa: Desafogareu Cigarrando Retrovão Isbrisa Desfalar Justinhamente Agarrante Ossoso...
  • 22. Sertão: todo/ veredas: oásis Narra a história de vida, conflitos e amores de Riobaldo e Diadorin. Expressão máxima do universalismo regionalista da literatura brasileira Lugar sertão se divulga: é onde os pastos carecem de fechos; onde um pode torar dez, quinze léguas, sem topar com casa de morador; e onde criminoso vive seu cristo-jesus, arredado de arrocho de autoridade. [...] Os gerais corre em volta. Esses gerais são sem tamanho. Enfim cada um o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães... O sertão está em toda parte. [...] É, e não é. O senhor ache e não ache. Tudo é e não é...