SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
A SOCIOLOGIA DE ÉMILE
DURKHEIM
Émile Durkheim (1858-1917) é
considerado – assim como Karl Marx
e Max Weber – um dos três autores
fundamentais do pensamento
sociológico clássico, tendo produzido
contribuições intelectuais
determinantes para esta nova ciência
que surgiu no século XIX.
A SOCIOLOGIA DE
ÉMILE DURKHEIM
Suas ideias aproximam-se do
positivismo de Comte, mas se
afastam do mesmo, porque, para ele,
o positivismo falhou em alcançar a
neutralidade na análise dos
fenômenos sociais.
Neste sentido, as maiores
contribuições de Durkheim estão na
construção do método sociológico e
na definição mais precisa de seu
objeto de estudo.
Auguste Comte
Segundo o autor, os fatos
sociais são aqueles que
atenderiam as três
características simultâneas: a
coercitividade, a exterioridade
e a generalidade.
Fato social: o objeto
de estudo
Ao mesmo tempo, os fatos sociais são
exteriores: têm uma existência anterior e
independente dos indivíduos.
Por exemplo, quando nascemos, uma
série de regras e elementos
socioculturais já existe antes de
nós, como a linguagem e os hábitos à
mesa.
.
Assim, o fato social o obriga a se
adaptar às regras da sociedade.
Exemplos de fato social são as normas
sociais, valores, convenções e regras
que existem independente da vontade
e da existência do indivíduo, como
explica Durkheim.
Fato social: o objeto
de estudo
 Coercitividade - A coercitividade está
relacionada ao poder ou à força que
os padrões da cultura de uma
determinada sociedade são impostos
aos integrantes.
Essa característica obriga os indivíduos
a cumprirem os padrões culturais e
sociais que nem sempre estão de
acordo, mas que são convenções e
existem apesar do indivíduo concordar
com elas ou não.
 Generalidade - A generalidade
ocorre quando os fatos sociais são
coletivos e não individuais. Assim,
atingem toda a sociedade.
 Exterioridade - A exterioridade é a
característica que denomina os
fatos sociais exteriores ao indivíduo
e que já estão organizados antes
mesmo dele nascer.
Um exemplo comum de fato social é a educação imposta aos
indivíduos (coercitividade), que já tem uma existência como
instituição anterior aos membros da sociedade (exterioridade) e
é um fenômeno que se verifica na totalidade da sociedade
(generalidade).
Fato social: o objeto
de estudo
Para Durkheim, os laços que unem os
indivíduos à sociedade são designados
pelo termo solidariedade.
Com base nessa noção, ele caracteriza
duas formas de organização social:
sociedades tradicionais (pré
capitalistas) e modernas (capitalistas).
SOLIDARIEDADE
PARA DURKHEIM
As respigadoras (1857), de Jean-François
Millet/As catadoras (uma releitura encontrada na
internet)
SOLIDARIEDADE
MECÂNICA
Aquela que caracteriza as sociedades pré-
capitalistas, nas quais há um baixo (ou
nenhum) grau de consciência individual, uma
vez que predomina, em termos de coesão
social, uma consciência coletiva que controla
a sociedade.
Um elemento que é associado às sociedades
de solidariedade mecânica é a baixa divisão
do trabalho, no sentido de que haveria uma
pequena divisão de tarefas e funções
presentes nessas sociedades.
Sou igual ao meu
próximo, por isso sou
solidário a ele.
Dessa maneira, as sociedades
organizadas de acordo com a
solidariedade mecânica compõem o
primeiro grupo de sociedades estudadas
por Durkheim.
De acordo com o sociólogo, essas
sociedades manteriam sua coesão social
por meio de laços tradicionais decorrentes
do compartilhamento dos mesmos valores
culturais responsáveis por determinar certo
padrão moral a ser seguido.
SOLIDARIEDADE
MECÂNICA
Durkheim acreditava que os valores
morais, reforçados pelos séculos de
tradição que se fortaleciam por meio
dos laços familiares e dos costumes,
seriam responsáveis por determinar
uma série de regras que exigiriam
determinado comportamento dos
indivíduos, de modo que estes se
adequassem às suas respectivas
funções.
SOLIDARIEDADE
MECÂNICA
O contexto da solidariedade orgânica é o
que caracteriza a sociedade capitalista, pois
há uma ampla divisão de tarefas e funções,
o que leva a uma grande interdependência
entre os indivíduos, em termos econômicos
e tecnológicos, mas, acima de tudo, moral.
Para Durkheim, o maior problema decorrente
da divisão do trabalho está relacionado à
questão moral, ou seja, à capacidade de
manter os membros coesos e a sociedade
funcionando harmonicamente.
SOLIDARIEDADE
ORGÂNICA
Sou diferente do meu próximo, ele
faz coisas que eu não faço,
dependo dele, por isso sou
solidário a ele
A ampla divisão do trabalho produz
formas mais intensas de individualismo, o
que faz, por sua vez, a consciência
coletiva perder, em parte, sua capacidade
agregadora.
O enfraquecimento da consciência
coletiva poderia produzir situações de
anomia, quando há uma crise em relação
às regras e normas que mantêm a
sociedade coesa.
SOLIDARIEDADE
ORGÂNICA
Para Durkheim, a sociedade
capitalista moderna e contemporânea
teria maiores possibilidades do
desenvolvimento de estados
anômicos, em função do
individualismo crescente e da perda
da força da consciência coletiva.
SOLIDARIEDADE
ORGÂNICA
•Émile Durkheim: para este a sociedade
prevalece sobre o indivíduo através de
suas instituições e os valores
determinados por ela. Para ele o
conflito só existe quando há algum
problema nas normas e valores sociais.
 Para Durkheim toda sociedade havia evoluído de uma forma social mais
simples para uma mais complexa. Baseando –se nessa idéia diz que o “motor”
da evolução das sociedades era a passagem da solidariedade mecânica para
a solidariedade orgânica.
Solidariedade Mecânica: Solidariedade orgânica:
Predominava em sociedades pré-
capitalistas, onde os indivíduos se
identificavam por meio da família, da
religião, da tradição e dos costumes,
permanecendo em geral independentes
e autônomos em relação à divisão social
do trabalho. A consciência coletiva
exerce aqui todo seu poder de coerção
sobre os indivíduos.
É típico da sociedade capitalista, em que,
pela acelerada divisão do trabalho social,
os indivíduos se tornavam inter-
dependentes. Essa inter-dependência
garante a união social, em lugar dos
costumes e das tradições ou das relações
sociais estreitas, como ocorre nas
sociedades contemporâneas. Nas
sociedades capitalistas, a consciência
coletiva se afrouxa, ao mesmo tempo em
que os indivíduos tornam-se
mutuamente dependentes, cada qual se
especializa numa atividade e tende a
desenvolver maior autonomia pessoal.
A Consciência coletiva:
 Para Durkheim os fatos sociais independem daquilo que indivíduo
pensa e faz em particular;
 “consciência individual” X “consciência coletiva”
Consciência Coletiva:
“ conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à medida dos
membros de uma mesma sociedade” que “ forma um sistema
determinado com a vida própria”
Obs.: A consciência coletiva não se baseia na consciência de
indivíduos singulares ou de grupos específicos, mas está espalhada
por toda sociedade. A consciência coletiva define o que é “imoral” ou
“ criminoso”.
http://hisrel.blogspot.com
@professor_bidu

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM

Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim Nayanne Santos
 
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.pptRégio Quirino
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01anaely13
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalDaiane Pereira
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalDaiane Pereira
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinmarcello magela
 
Os classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoOs classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoMarcus Vinicius
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaCristina Bentes
 
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...Sergio de Goes Barboza
 
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicas
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicasas relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicas
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicasDennis De Oliveira Sinnedos
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 

Semelhante a SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM (20)

Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
 
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
 
Os classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoOs classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completo
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologia
 
Cap 03 durkheim
Cap 03 durkheimCap 03 durkheim
Cap 03 durkheim
 
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
 
Cap 03 durkheim
Cap 03 durkheimCap 03 durkheim
Cap 03 durkheim
 
Resumodesocio5
Resumodesocio5Resumodesocio5
Resumodesocio5
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
1369426780352
13694267803521369426780352
1369426780352
 
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicas
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicasas relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicas
as relações entre indivíduo e sociedade a partir das teorias sociológicas
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
 
Emile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptxEmile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptx
 

Mais de HisrelBlog

A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXHisrelBlog
 
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAIS
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAISA SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAIS
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAISHisrelBlog
 
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIAL
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIALDURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIAL
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIALHisrelBlog
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?HisrelBlog
 
Natureza dos Erros - Organização de Estudos
Natureza dos Erros - Organização de EstudosNatureza dos Erros - Organização de Estudos
Natureza dos Erros - Organização de EstudosHisrelBlog
 
Revisão Humanas
Revisão Humanas Revisão Humanas
Revisão Humanas HisrelBlog
 
Revisão de Humanas
Revisão de HumanasRevisão de Humanas
Revisão de HumanasHisrelBlog
 
Revisão Humanas
Revisão Humanas Revisão Humanas
Revisão Humanas HisrelBlog
 
Leitura e Interpretação em Ciências Humanas
Leitura e Interpretação  em Ciências HumanasLeitura e Interpretação  em Ciências Humanas
Leitura e Interpretação em Ciências HumanasHisrelBlog
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANASHisrelBlog
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos SociaisHisrelBlog
 
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e JudiciárioOs 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e JudiciárioHisrelBlog
 
Monarquia, República e Anarquismo
Monarquia, República e AnarquismoMonarquia, República e Anarquismo
Monarquia, República e AnarquismoHisrelBlog
 
Revisão Prática
Revisão PráticaRevisão Prática
Revisão PráticaHisrelBlog
 
Como está o seu foco?
Como está o seu foco?Como está o seu foco?
Como está o seu foco?HisrelBlog
 
John Locke e Rousseau - Teóricos
John Locke e Rousseau - TeóricosJohn Locke e Rousseau - Teóricos
John Locke e Rousseau - TeóricosHisrelBlog
 
Maquiavel e Hobbes
Maquiavel e HobbesMaquiavel e Hobbes
Maquiavel e HobbesHisrelBlog
 

Mais de HisrelBlog (20)

A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
 
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAIS
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAISA SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAIS
A SOCIOLOGIA DE MAX WEBER - CONCEITOS PRIMORDIAIS
 
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIAL
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIALDURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIAL
DURKHEIM - O SUICÍDIO - ANÁLISE DO FATO SOCIAL
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
 
Natureza dos Erros - Organização de Estudos
Natureza dos Erros - Organização de EstudosNatureza dos Erros - Organização de Estudos
Natureza dos Erros - Organização de Estudos
 
Revisão Humanas
Revisão Humanas Revisão Humanas
Revisão Humanas
 
Revisão de Humanas
Revisão de HumanasRevisão de Humanas
Revisão de Humanas
 
Revisão Humanas
Revisão Humanas Revisão Humanas
Revisão Humanas
 
Leitura e Interpretação em Ciências Humanas
Leitura e Interpretação  em Ciências HumanasLeitura e Interpretação  em Ciências Humanas
Leitura e Interpretação em Ciências Humanas
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
AUTORITARISMO
AUTORITARISMOAUTORITARISMO
AUTORITARISMO
 
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e JudiciárioOs 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
 
Monarquia, República e Anarquismo
Monarquia, República e AnarquismoMonarquia, República e Anarquismo
Monarquia, República e Anarquismo
 
Revisão Prática
Revisão PráticaRevisão Prática
Revisão Prática
 
Como está o seu foco?
Como está o seu foco?Como está o seu foco?
Como está o seu foco?
 
John Locke e Rousseau - Teóricos
John Locke e Rousseau - TeóricosJohn Locke e Rousseau - Teóricos
John Locke e Rousseau - Teóricos
 
Maquiavel e Hobbes
Maquiavel e HobbesMaquiavel e Hobbes
Maquiavel e Hobbes
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 

SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM

  • 1. A SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIM
  • 2.
  • 3.
  • 4. Émile Durkheim (1858-1917) é considerado – assim como Karl Marx e Max Weber – um dos três autores fundamentais do pensamento sociológico clássico, tendo produzido contribuições intelectuais determinantes para esta nova ciência que surgiu no século XIX. A SOCIOLOGIA DE ÉMILE DURKHEIM
  • 5. Suas ideias aproximam-se do positivismo de Comte, mas se afastam do mesmo, porque, para ele, o positivismo falhou em alcançar a neutralidade na análise dos fenômenos sociais. Neste sentido, as maiores contribuições de Durkheim estão na construção do método sociológico e na definição mais precisa de seu objeto de estudo. Auguste Comte
  • 6. Segundo o autor, os fatos sociais são aqueles que atenderiam as três características simultâneas: a coercitividade, a exterioridade e a generalidade. Fato social: o objeto de estudo
  • 7. Ao mesmo tempo, os fatos sociais são exteriores: têm uma existência anterior e independente dos indivíduos. Por exemplo, quando nascemos, uma série de regras e elementos socioculturais já existe antes de nós, como a linguagem e os hábitos à mesa.
  • 8. . Assim, o fato social o obriga a se adaptar às regras da sociedade. Exemplos de fato social são as normas sociais, valores, convenções e regras que existem independente da vontade e da existência do indivíduo, como explica Durkheim. Fato social: o objeto de estudo
  • 9.  Coercitividade - A coercitividade está relacionada ao poder ou à força que os padrões da cultura de uma determinada sociedade são impostos aos integrantes. Essa característica obriga os indivíduos a cumprirem os padrões culturais e sociais que nem sempre estão de acordo, mas que são convenções e existem apesar do indivíduo concordar com elas ou não.
  • 10.  Generalidade - A generalidade ocorre quando os fatos sociais são coletivos e não individuais. Assim, atingem toda a sociedade.  Exterioridade - A exterioridade é a característica que denomina os fatos sociais exteriores ao indivíduo e que já estão organizados antes mesmo dele nascer.
  • 11.
  • 12. Um exemplo comum de fato social é a educação imposta aos indivíduos (coercitividade), que já tem uma existência como instituição anterior aos membros da sociedade (exterioridade) e é um fenômeno que se verifica na totalidade da sociedade (generalidade). Fato social: o objeto de estudo
  • 13. Para Durkheim, os laços que unem os indivíduos à sociedade são designados pelo termo solidariedade. Com base nessa noção, ele caracteriza duas formas de organização social: sociedades tradicionais (pré capitalistas) e modernas (capitalistas). SOLIDARIEDADE PARA DURKHEIM As respigadoras (1857), de Jean-François Millet/As catadoras (uma releitura encontrada na internet)
  • 14. SOLIDARIEDADE MECÂNICA Aquela que caracteriza as sociedades pré- capitalistas, nas quais há um baixo (ou nenhum) grau de consciência individual, uma vez que predomina, em termos de coesão social, uma consciência coletiva que controla a sociedade. Um elemento que é associado às sociedades de solidariedade mecânica é a baixa divisão do trabalho, no sentido de que haveria uma pequena divisão de tarefas e funções presentes nessas sociedades. Sou igual ao meu próximo, por isso sou solidário a ele.
  • 15. Dessa maneira, as sociedades organizadas de acordo com a solidariedade mecânica compõem o primeiro grupo de sociedades estudadas por Durkheim. De acordo com o sociólogo, essas sociedades manteriam sua coesão social por meio de laços tradicionais decorrentes do compartilhamento dos mesmos valores culturais responsáveis por determinar certo padrão moral a ser seguido. SOLIDARIEDADE MECÂNICA
  • 16. Durkheim acreditava que os valores morais, reforçados pelos séculos de tradição que se fortaleciam por meio dos laços familiares e dos costumes, seriam responsáveis por determinar uma série de regras que exigiriam determinado comportamento dos indivíduos, de modo que estes se adequassem às suas respectivas funções. SOLIDARIEDADE MECÂNICA
  • 17. O contexto da solidariedade orgânica é o que caracteriza a sociedade capitalista, pois há uma ampla divisão de tarefas e funções, o que leva a uma grande interdependência entre os indivíduos, em termos econômicos e tecnológicos, mas, acima de tudo, moral. Para Durkheim, o maior problema decorrente da divisão do trabalho está relacionado à questão moral, ou seja, à capacidade de manter os membros coesos e a sociedade funcionando harmonicamente. SOLIDARIEDADE ORGÂNICA Sou diferente do meu próximo, ele faz coisas que eu não faço, dependo dele, por isso sou solidário a ele
  • 18. A ampla divisão do trabalho produz formas mais intensas de individualismo, o que faz, por sua vez, a consciência coletiva perder, em parte, sua capacidade agregadora. O enfraquecimento da consciência coletiva poderia produzir situações de anomia, quando há uma crise em relação às regras e normas que mantêm a sociedade coesa. SOLIDARIEDADE ORGÂNICA
  • 19. Para Durkheim, a sociedade capitalista moderna e contemporânea teria maiores possibilidades do desenvolvimento de estados anômicos, em função do individualismo crescente e da perda da força da consciência coletiva. SOLIDARIEDADE ORGÂNICA
  • 20.
  • 21. •Émile Durkheim: para este a sociedade prevalece sobre o indivíduo através de suas instituições e os valores determinados por ela. Para ele o conflito só existe quando há algum problema nas normas e valores sociais.
  • 22.  Para Durkheim toda sociedade havia evoluído de uma forma social mais simples para uma mais complexa. Baseando –se nessa idéia diz que o “motor” da evolução das sociedades era a passagem da solidariedade mecânica para a solidariedade orgânica. Solidariedade Mecânica: Solidariedade orgânica: Predominava em sociedades pré- capitalistas, onde os indivíduos se identificavam por meio da família, da religião, da tradição e dos costumes, permanecendo em geral independentes e autônomos em relação à divisão social do trabalho. A consciência coletiva exerce aqui todo seu poder de coerção sobre os indivíduos. É típico da sociedade capitalista, em que, pela acelerada divisão do trabalho social, os indivíduos se tornavam inter- dependentes. Essa inter-dependência garante a união social, em lugar dos costumes e das tradições ou das relações sociais estreitas, como ocorre nas sociedades contemporâneas. Nas sociedades capitalistas, a consciência coletiva se afrouxa, ao mesmo tempo em que os indivíduos tornam-se mutuamente dependentes, cada qual se especializa numa atividade e tende a desenvolver maior autonomia pessoal.
  • 23.
  • 24. A Consciência coletiva:  Para Durkheim os fatos sociais independem daquilo que indivíduo pensa e faz em particular;  “consciência individual” X “consciência coletiva” Consciência Coletiva: “ conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à medida dos membros de uma mesma sociedade” que “ forma um sistema determinado com a vida própria” Obs.: A consciência coletiva não se baseia na consciência de indivíduos singulares ou de grupos específicos, mas está espalhada por toda sociedade. A consciência coletiva define o que é “imoral” ou “ criminoso”.
  • 25.