SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN
      FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS - FACEM
        DOCENTE: PEDRO ARTURO ROJAS ARENAS
           DISCIPLINA: SOCIOLOGIA DO TURISMO
                    CURSO: TURISMO


           Destino Turístico:
   Ciclo de Vida, Turista e Residentes


                              Camila Paula de Almeida
                         Leonardo Marcos de Menezes
                              Lucas de Oliveira Nunes
                         Maria Valdirene Santos Sousa
                   Samuel Matheus Silva do Nascimento


             Mossoró/RN
                2012
INTRODUÇÃO
   Na análise do destino turístico, três autores –
    Butler (1980), Cohen (1972) e Doxey (1972) –
    destacam-se na história da teoria do turismo, por
    terem apresentado tipologias que contribuem
    para uma análise do desenvolvimento turístico do
    lugar.
CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO
  De acordo com o conceito de ciclo de vida do
  destino    turístico  enunciado      por   Butler
  (1980), todo destino turístico atravessa um ciclo
  de vida.
 O ciclo de vida turístico é composto por:
  exploração, envolvimento, desenvolvimento, cons
  olidação, estagnação e declínio.
 Cada estágio pode ser associado com um
  impacto específico, econômico, ecológico e
  sociocultural.
1. EXPLORAÇÃO
 Durante a fase de exploração, mochileiros
  descobrem o destino. Eles vêm em números
  muito pequenos e aceitam as condições locais. O
  contato entre os residentes e os mochileiros é
  mutuamente     satisfatório  e     não    ocorre
  perturbação na sociedade local.
 Não     estão    disponíveis    instalações    e
  acomodações turísticas.
 O sistema econômico local não sofre alterações;
  não há perda dos recursos econômicos; a
  alimentação e os materiais utilizados na
  construção, produzidos localmente, atendem às
  necessidades.
2. ENVOLVIMENTO
 Nessa fase, a população local percebe que o
  turismo pode ser benéfico, principalmente
  financeiramente, e são aproveitadas as iniciativas
  locais para construção de instalações e
  acomodações.
 Há um aumento do número de visitantes e os
  mochileiros são substituídos pelos exploradores.
 Os benefícios econômicos com o turismo podem
  ser relativamente grandes, pois a saída de
  recursos econômicos do local é pequena.
3. DESENVOLVIMENTO
 A fase de desenvolvimento é aquela em que o
  local decola como destino turístico.
 A população local percebe as oportunidades para
  um avanço e crescimento da indústria turística.
 Os investidores, de modo geral, têm interesse em
  construir instalações próximas às atrações
  turísticas, como os recursos naturais, o que de
  modo geral não combina com uma política de
  proteção ambiental.
O     desenvolvimento causa uma taxa de
  crescimento no turismo de massa no destino
  turístico, assim, acarreta problemas de potência
  de carga.
4. CONSOLIDAÇÃO
 Quando o destino atinge a fase de
  consolidação, as instalações e acomodações são
  satisfatórias e estão disponíveis para receber as
  primeiras levas do turismo de massa, que chegam
  num fluxo constante.
 Nesta fase o destino torna-se um produto que é
  divulgado pelos operadores nacionais e
  internacionais de turismo.
 Em termos econômicos, tanto a entrada como a
  saída de dinheiro podem ser consideráveis.
 No entanto, os interesses dos turistas podem
  contribuir com a conservação natural e cultural;
  manter os atrativos turísticos; retorno dos turistas
  no local; fortalecimento à identidade social da
  comunidade local.
 Na fase de consolidação não é necessariamente
  a taxa de crescimento que causa problemas, mas
  o grande número de turistas. Eles podem causar
  problemas                                   de
  congestionamento, saturação, infra-estrutura
  (água, esgoto, energia), além de sufocarem
  qualquer evento cultural local.
 O grande número de turistas pode causar
  grandes danos ao meio ambiente (emissão de
  gases dos veículos e poluição sonora).
5. ESTAGNAÇÃO
 O número de turistas é alto na etapa de
  estagnação, porém a taxa de crescimento seja
  baixa.
 Nessa etapa o número maciço de turistas chega
  em pacotes padronizados lotados, e entre suas
  principais expectativas estão em encontrar o
  conforto que dispunham em seu local de origem.
 Outra característica dessa fase é que há uma
  separação entre os turistas e a população
  receptora, podendo provocar uma imagem
  estereotipada entre ambos.
   Os benefícios econômicos podem decrescer
    significativamente com o aumento do turismo de
    massa, pois o dinheiro sai da localidade com
    mais facilidade, pelo fato de o controle estar nas
    mãos de pessoas de fora, que tendem a remeter
    para seus locais de origem importantes parcelas
    do arrecadado.
6. DECLÍNIO E REJUVENESCIMENTO
 No declínio, o destino não teve êxito em mudar
  sua imagem.
 O número de turistas decresce.

 O investidores deslocam-se para outros locais,
  usando apenar o lugar em declínio para retirada
  de recursos financeiros e retiradas de dinheiro
  sem investir no local.
 Já no rejuvenescimento, o local de destino tentar
  recolocar-se no mercado turístico.
 Buscam     novas alternativas, oferece novos
  produtos que diferem da oferta anterior e obtêm
  novo público alvo.
ELEMENTOS ESSENCIAIS DO MODELO DE BUTTLER
  Butler (2001), indica oito elementos fundamentais
  do modelo. São eles:
1. Dinamismo ou mudança;
2. Processo;
3. Capacidade ou limites de crescimento;
4. Gatilhos (Fatores que provocam mudanças no
  destino);
5. Gerenciamento;
6. Visão de longo prazo no planejamento;
7. Componente espacial;
8. Aplicabilidade universal.
TIPOLOGIA DO TURISTA
    Cohen (1972), estabeleceu uma tipologia de
    turista,           denominando-os                de:
    mochileiro, explorador, turista de massa individual e
    o turista de massa organizada.

   Mochileiro: é o que se aventura para regiões
    distantes e pouco exploradas, fora dos caminhos
    conhecidos e distante de sua própria cultura ou
    local de origem. O mochileiro não se associa com a
    indústria turística e tende a arrumar trabalho
    quando necessita de dinheiro. Os Hippies dos anos
    60 e 70 correspondem à essa descrição.
   Explorador: é semelhante ao “mochileiros”, no
    sentindo de que eles também organizam sua
    própria viagem e busca caminhos menos
    desconhecidos caminhos. No entanto, o
    explorador gosta de ficar em acomodações mais
    confortáveis e busca transportes melhores e
    confiáveis. Eles tentam encontra-se com os
    habitantes dos locais que visitam e se possível
    tentam                aprender             sua
    linguagem, gestos, costumes, formas de
    comunicação.
   Turista de massa individual: é um turista que
    aceita algum tipo de organização, e não procura
    organizar sua própria viagem, recorrendo às
    agências de viagens. Preferem viajar dentro do
    seu local de origem e se aventuram fora do seu
    território familiar raramente. Não viajam em grupo
    e seu roteiro turístico não é totalmente pré-
    planejado.
   Turista de massa organizada: este turista viaja
    em grupo de pessoas que pertencem a sua
    própria cultura e falam sua linguagem. Se
    mantêm isolados da comunidade local. O
    transporte é feito em ônibus ou barcos com ar-
    condicionado. Se acomodam em hotéis com ar-
    condicionado. Desfrutam de aviões e aeroportos.
    São providenciados guias de turismo em todos
    os roteiros. São conduzidos aos centros de
    compras, onde suprem suas necessidades e
    desejos.
ÍNDICE DE IRRITABILIDADE
A abordagem realizada por Doxey (1972), que
identifica a existência de impactos recíprocos
entre turistas e residentes, os quais podem ser
medidos em vários grau de “irritação”.
Doxey desenvolveu um índice de irritabilidade
constituído          de       quatro     estágios:
euforia, apatia, irritação, antagonismo.
Doxey concluí, que esses quatro estágios são
causados pelas características particulares de
cada
raça, cultura, nacionalidade, crença, desejos e
afins.
 Euforia: os visitantes e investidos são bem-
  vindos pelos residentes locais.
 Apatia: os visitantes e residentes matem uma
  relação formal. Esse estágio é direcionado para o
  marketing ou negociações.
 Irritação: ocorre quando o local atingiu o ponto de
  saturação. Os residentes passam a questionar a
  presença dos turistas e a questionar a
  necessidade de infra-estrutura no local.
 Antagonismo: as manifestações dos residentes
  são físicas e verbais, assim, afasta os visitantes
  da localidade. As autoridades planejam
  promoções para superar a imagem negativa da
  localidade que foi causada pelo antagonismo.
DÚVIDAS?
“Turismo não é só arrumar as malas e viajar.”
         (Cláudia Regina Tavares)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
Carlos Henrique Tavares
 
Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)
rosaband
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Aristides Faria
 
Modulo 1 turismo 1
Modulo 1   turismo 1Modulo 1   turismo 1
Modulo 1 turismo 1Luis Cunha
 
O turismo-geografia
O turismo-geografiaO turismo-geografia
O turismo-geografia
Dilar Cardoso
 
Procura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações TurísticasProcura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações Turísticas
kyzinha
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismo
Day Sanalves
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
Karlla Costa
 
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
Sónia Araújo
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2
TatyFG
 
TURISMO...
TURISMO...TURISMO...
TURISMO...
Patrícia Ventura
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticos
Lua Soriano
 
Referencial otet
Referencial  otetReferencial  otet
Referencial otet
jsilva.tur
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
abarros
 
turismo
turismoturismo
turismo
Catia Silva
 
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
DocumentoDigital
 
Produto Turistico
Produto TuristicoProduto Turistico
Produto Turistico
juliannigaby
 
Módulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptxMódulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptx
Ema de Carvalho
 
Origem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismoOrigem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismo
Ana Paula Walter
 
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do TurismoMódulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Daniela Ramalho
 

Mais procurados (20)

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
 
Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)Turismo sustentável slides (2)
Turismo sustentável slides (2)
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
 
Modulo 1 turismo 1
Modulo 1   turismo 1Modulo 1   turismo 1
Modulo 1 turismo 1
 
O turismo-geografia
O turismo-geografiaO turismo-geografia
O turismo-geografia
 
Procura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações TurísticasProcura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações Turísticas
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismo
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
 
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
Módulo 2 - procura e motivações turísticas.
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2
 
TURISMO...
TURISMO...TURISMO...
TURISMO...
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticos
 
Referencial otet
Referencial  otetReferencial  otet
Referencial otet
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
turismo
turismoturismo
turismo
 
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
2019-4 - Tipologia do Turismo.pptx
 
Produto Turistico
Produto TuristicoProduto Turistico
Produto Turistico
 
Módulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptxMódulo 1- otet.pptx
Módulo 1- otet.pptx
 
Origem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismoOrigem e evolução histórica do turismo
Origem e evolução histórica do turismo
 
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do TurismoMódulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do Turismo
 

Semelhante a CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.

208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
Escola Profissional Dr. Francisco Fernandas
 
1834
18341834
1834
Pelo Siro
 
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Douglas Evangelista
 
Turismos e territorios
Turismos e territoriosTurismos e territorios
Turismos e territorios
Master Eco-polis Alagoas
 
TURISMO.docx
TURISMO.docxTURISMO.docx
TURISMO.docx
IsabelCruz106
 
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
CIDAADS
 
Turistificação
TuristificaçãoTuristificação
Turistificação
turismonovilla2013
 
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptxA MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
Tati Nascimento
 
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptxFUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
ProfessorTiagoNunes
 
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_maTurismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
marzukemanueldiogomo
 
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
HianaBrito1
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
praticas_sustentabilidade
 
O turismo como fenômeno social de inversão
O turismo como fenômeno social de inversãoO turismo como fenômeno social de inversão
O turismo como fenômeno social de inversão
Luiz Carlos RSoares
 
1604
16041604
1604
Pelo Siro
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Fernando Alves
 
Turismo
TurismoTurismo
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
Diogo Mateus
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
Fernando Zornitta
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
Fernando Zornitta
 

Semelhante a CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES. (20)

208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
 
1834
18341834
1834
 
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
 
Turismos e territorios
Turismos e territoriosTurismos e territorios
Turismos e territorios
 
TURISMO.docx
TURISMO.docxTURISMO.docx
TURISMO.docx
 
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
Painel III – Diversidades em EDS: Ética, território e turismo – Norberto Sant...
 
Turistificação
TuristificaçãoTuristificação
Turistificação
 
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptxA MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
A MOTIVAÇÃO TURÍSTICA.pptx
 
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptxFUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
 
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_maTurismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
Turismo e interaccoes_sociais_marzuke_ma
 
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
8 As relações entre turismo, biodiversidade e áreas protegidas.pdf
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
 
O turismo como fenômeno social de inversão
O turismo como fenômeno social de inversãoO turismo como fenômeno social de inversão
O turismo como fenômeno social de inversão
 
1604
16041604
1604
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
 
Turismo
TurismoTurismo
Turismo
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
 
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidadeO turismo na perspectiva da sustententabilidade
O turismo na perspectiva da sustententabilidade
 

Mais de Caah Kowalczyk

Interesses Turísticos
Interesses TurísticosInteresses Turísticos
Interesses Turísticos
Caah Kowalczyk
 
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PBPlano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Caah Kowalczyk
 
Bebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicasBebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicas
Caah Kowalczyk
 
Plano Estratégico de Marketing
Plano Estratégico de MarketingPlano Estratégico de Marketing
Plano Estratégico de Marketing
Caah Kowalczyk
 
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RNPROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
Caah Kowalczyk
 
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
Caah Kowalczyk
 
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
Caah Kowalczyk
 
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
Caah Kowalczyk
 
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIROO TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
Caah Kowalczyk
 
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAISEVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
Caah Kowalczyk
 
CULTURA CIENTÍFICA.
CULTURA CIENTÍFICA.CULTURA CIENTÍFICA.
CULTURA CIENTÍFICA.
Caah Kowalczyk
 
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAISSISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
Caah Kowalczyk
 

Mais de Caah Kowalczyk (12)

Interesses Turísticos
Interesses TurísticosInteresses Turísticos
Interesses Turísticos
 
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PBPlano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
Plano de Turismo Sustentável - Barra de Camaratuba/PB
 
Bebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicasBebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicas
 
Plano Estratégico de Marketing
Plano Estratégico de MarketingPlano Estratégico de Marketing
Plano Estratégico de Marketing
 
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RNPROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
PROSPOSTA DE INTERVENÇÃO - CASARÃO HISTÓRICO DE CARAÚBAS/RN
 
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
ALAGOAS: UM ESTUDO DE CASO.
 
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
MOSSORÓ MIX: TURISMO DE EVENTOS.
 
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
TEORIA GERAL DO TURISMO I - TERMOS UTILIZADOS EM TURISMO.
 
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIROO TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
O TURISMO E O FOLCLORE BRASILEIRO
 
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAISEVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
EVENTOS COMO VITRINES EMPRESARIAIS
 
CULTURA CIENTÍFICA.
CULTURA CIENTÍFICA.CULTURA CIENTÍFICA.
CULTURA CIENTÍFICA.
 
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAISSISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
SISTUR - CONJUNTO DE RELAÇÕES AMBIENTAIS
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS - FACEM DOCENTE: PEDRO ARTURO ROJAS ARENAS DISCIPLINA: SOCIOLOGIA DO TURISMO CURSO: TURISMO Destino Turístico: Ciclo de Vida, Turista e Residentes Camila Paula de Almeida Leonardo Marcos de Menezes Lucas de Oliveira Nunes Maria Valdirene Santos Sousa Samuel Matheus Silva do Nascimento Mossoró/RN 2012
  • 2. INTRODUÇÃO  Na análise do destino turístico, três autores – Butler (1980), Cohen (1972) e Doxey (1972) – destacam-se na história da teoria do turismo, por terem apresentado tipologias que contribuem para uma análise do desenvolvimento turístico do lugar.
  • 3. CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO De acordo com o conceito de ciclo de vida do destino turístico enunciado por Butler (1980), todo destino turístico atravessa um ciclo de vida.  O ciclo de vida turístico é composto por: exploração, envolvimento, desenvolvimento, cons olidação, estagnação e declínio.  Cada estágio pode ser associado com um impacto específico, econômico, ecológico e sociocultural.
  • 4. 1. EXPLORAÇÃO  Durante a fase de exploração, mochileiros descobrem o destino. Eles vêm em números muito pequenos e aceitam as condições locais. O contato entre os residentes e os mochileiros é mutuamente satisfatório e não ocorre perturbação na sociedade local.  Não estão disponíveis instalações e acomodações turísticas.  O sistema econômico local não sofre alterações; não há perda dos recursos econômicos; a alimentação e os materiais utilizados na construção, produzidos localmente, atendem às necessidades.
  • 5. 2. ENVOLVIMENTO  Nessa fase, a população local percebe que o turismo pode ser benéfico, principalmente financeiramente, e são aproveitadas as iniciativas locais para construção de instalações e acomodações.  Há um aumento do número de visitantes e os mochileiros são substituídos pelos exploradores.  Os benefícios econômicos com o turismo podem ser relativamente grandes, pois a saída de recursos econômicos do local é pequena.
  • 6. 3. DESENVOLVIMENTO  A fase de desenvolvimento é aquela em que o local decola como destino turístico.  A população local percebe as oportunidades para um avanço e crescimento da indústria turística.  Os investidores, de modo geral, têm interesse em construir instalações próximas às atrações turísticas, como os recursos naturais, o que de modo geral não combina com uma política de proteção ambiental. O desenvolvimento causa uma taxa de crescimento no turismo de massa no destino turístico, assim, acarreta problemas de potência de carga.
  • 7. 4. CONSOLIDAÇÃO  Quando o destino atinge a fase de consolidação, as instalações e acomodações são satisfatórias e estão disponíveis para receber as primeiras levas do turismo de massa, que chegam num fluxo constante.  Nesta fase o destino torna-se um produto que é divulgado pelos operadores nacionais e internacionais de turismo.  Em termos econômicos, tanto a entrada como a saída de dinheiro podem ser consideráveis.  No entanto, os interesses dos turistas podem contribuir com a conservação natural e cultural; manter os atrativos turísticos; retorno dos turistas no local; fortalecimento à identidade social da comunidade local.
  • 8.  Na fase de consolidação não é necessariamente a taxa de crescimento que causa problemas, mas o grande número de turistas. Eles podem causar problemas de congestionamento, saturação, infra-estrutura (água, esgoto, energia), além de sufocarem qualquer evento cultural local.  O grande número de turistas pode causar grandes danos ao meio ambiente (emissão de gases dos veículos e poluição sonora).
  • 9. 5. ESTAGNAÇÃO  O número de turistas é alto na etapa de estagnação, porém a taxa de crescimento seja baixa.  Nessa etapa o número maciço de turistas chega em pacotes padronizados lotados, e entre suas principais expectativas estão em encontrar o conforto que dispunham em seu local de origem.  Outra característica dessa fase é que há uma separação entre os turistas e a população receptora, podendo provocar uma imagem estereotipada entre ambos.
  • 10. Os benefícios econômicos podem decrescer significativamente com o aumento do turismo de massa, pois o dinheiro sai da localidade com mais facilidade, pelo fato de o controle estar nas mãos de pessoas de fora, que tendem a remeter para seus locais de origem importantes parcelas do arrecadado.
  • 11. 6. DECLÍNIO E REJUVENESCIMENTO  No declínio, o destino não teve êxito em mudar sua imagem.  O número de turistas decresce.  O investidores deslocam-se para outros locais, usando apenar o lugar em declínio para retirada de recursos financeiros e retiradas de dinheiro sem investir no local.  Já no rejuvenescimento, o local de destino tentar recolocar-se no mercado turístico.  Buscam novas alternativas, oferece novos produtos que diferem da oferta anterior e obtêm novo público alvo.
  • 12. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO MODELO DE BUTTLER Butler (2001), indica oito elementos fundamentais do modelo. São eles: 1. Dinamismo ou mudança; 2. Processo; 3. Capacidade ou limites de crescimento; 4. Gatilhos (Fatores que provocam mudanças no destino); 5. Gerenciamento; 6. Visão de longo prazo no planejamento; 7. Componente espacial; 8. Aplicabilidade universal.
  • 13. TIPOLOGIA DO TURISTA Cohen (1972), estabeleceu uma tipologia de turista, denominando-os de: mochileiro, explorador, turista de massa individual e o turista de massa organizada.  Mochileiro: é o que se aventura para regiões distantes e pouco exploradas, fora dos caminhos conhecidos e distante de sua própria cultura ou local de origem. O mochileiro não se associa com a indústria turística e tende a arrumar trabalho quando necessita de dinheiro. Os Hippies dos anos 60 e 70 correspondem à essa descrição.
  • 14. Explorador: é semelhante ao “mochileiros”, no sentindo de que eles também organizam sua própria viagem e busca caminhos menos desconhecidos caminhos. No entanto, o explorador gosta de ficar em acomodações mais confortáveis e busca transportes melhores e confiáveis. Eles tentam encontra-se com os habitantes dos locais que visitam e se possível tentam aprender sua linguagem, gestos, costumes, formas de comunicação.
  • 15. Turista de massa individual: é um turista que aceita algum tipo de organização, e não procura organizar sua própria viagem, recorrendo às agências de viagens. Preferem viajar dentro do seu local de origem e se aventuram fora do seu território familiar raramente. Não viajam em grupo e seu roteiro turístico não é totalmente pré- planejado.
  • 16. Turista de massa organizada: este turista viaja em grupo de pessoas que pertencem a sua própria cultura e falam sua linguagem. Se mantêm isolados da comunidade local. O transporte é feito em ônibus ou barcos com ar- condicionado. Se acomodam em hotéis com ar- condicionado. Desfrutam de aviões e aeroportos. São providenciados guias de turismo em todos os roteiros. São conduzidos aos centros de compras, onde suprem suas necessidades e desejos.
  • 17. ÍNDICE DE IRRITABILIDADE A abordagem realizada por Doxey (1972), que identifica a existência de impactos recíprocos entre turistas e residentes, os quais podem ser medidos em vários grau de “irritação”. Doxey desenvolveu um índice de irritabilidade constituído de quatro estágios: euforia, apatia, irritação, antagonismo. Doxey concluí, que esses quatro estágios são causados pelas características particulares de cada raça, cultura, nacionalidade, crença, desejos e afins.
  • 18.  Euforia: os visitantes e investidos são bem- vindos pelos residentes locais.  Apatia: os visitantes e residentes matem uma relação formal. Esse estágio é direcionado para o marketing ou negociações.  Irritação: ocorre quando o local atingiu o ponto de saturação. Os residentes passam a questionar a presença dos turistas e a questionar a necessidade de infra-estrutura no local.  Antagonismo: as manifestações dos residentes são físicas e verbais, assim, afasta os visitantes da localidade. As autoridades planejam promoções para superar a imagem negativa da localidade que foi causada pelo antagonismo.
  • 20. “Turismo não é só arrumar as malas e viajar.” (Cláudia Regina Tavares)