SlideShare uma empresa Scribd logo
Organização do Acolhimento
em Turismo
Curso Profissional de Técnico de Turismo – 1º Ano
Turismo – Informação e Animação Turística
Teresa Martins Nº19
Este trabalho foi proposto pela professora Sónia Correia no âmbito da
disciplina de TIAT (Turismo – Informação e Animação Turística).
No qual irei a bordar os vários subtemas:
1. A Politica de acolhimento no contexto da atividade turística;
2. Tipos de agentes e níveis de responsabilidade no acolhimento
turístico;
3. Organização e políticas de acolhimento turístico em Portugal.
Introdução
 O acolhimento é um fator nuclear na atividade turística já que é uma
prática feita por e para pessoas. O acolhimento pode ser considerado
como uma mais valia para uma determinada região, se for praticado
com satisfação e agrado por parte dos recetores turísticos. Neste
contexto, é fundamental definir uma política de acolhimento eficaz e
funcional, que coadune com a estratégia turística da região e enriqueça
a forma de receber e transmita ao visitante o prazer em acolher.
1. A Politica de acolhimento no contexto da atividade turística
 O êxito a nível nacional mede-se através do grau de satisfação do
visitante no respetivo destino turístico, sendo certo que a estabilidade e
a coesão das nossas sociedades beneficiam com a perspicácia das
correntes turísticas vindas de países mais desenvolvidos, devido à
partilha de riqueza que estes fluxos promovem. As políticas com maior
impacto no acolhimento são definidas primordialmente ao nível
nacional, é no plano local que a receção se processa e onde mais
decisivamente se avalia o seu sucesso, sendo para tal imprescindível o
envolvimento do poder local (Câmaras Municipais e Juntas de
Freguesia), bem como de todos os agentes económicos beneficiários
do turismo.
1.1. Noção e dimensões das políticas de acolhimento em
turismo
 A Receção é o aspeto principal de qualquer região que deseje apostar
no turismo e que veja nesta atividade o meio sustentável para o
desenvolvimento económico do país. Saber receber e saber acolher são
virtudes e não se restringem apenas aos dirigentes políticos, muito pelo
contrário, deve começar ao nível operacional onde se realiza o contacto
direto entre o recetor e o visitante.
Continuação
 Para acolher de forma eficaz e completa é necessário um conjunto de
recursos humanos, técnicos, tecnológicos e financeiros que garantam o
bom acolhimento. O alojamento, entretenimento e património diz
respeito, mas fica longe naquilo que realmente sustenta o turismo que é
as relações humanas entre o visitante e a comunidade residente e
profissional do turismo.
1.2. Recursos humanos, técnicos e financeiros ao serviço
do acolhimento
 É lógico pensarmos que é tão importante existir todos estes recursos
como o acolhimento humano pelos residentes, se pretendermos
desenvolver um destino classificado de turístico e oferecer algo que nos
diferencie do resto da concorrência. Neste contexto, todos os esforços
devem dirigir-se no sentido de fomentar o maior número de recursos
possível, visando satisfazer as necessidades básicas e mínimas dos
visitantes.
Continuação
 O sucesso exige, a nível de um destino turístico, uma intervenção
global, centrada na satisfação do turista e baseada nos princípios do
desenvolvimento sustentável, que se alcançam através de:
- Definição de estratégias entre parceiros-chave;
- Aplicação de boas práticas na região para turistas e residentes;
- Desenvolvimento contínuo de instrumentos de acompanhamento e
avaliação
É seguro afirmar que os atributos mínimos para se praticar qualidade são:
 Competência
Aprender e desenvolver muito bem tudo o que é implícito às nossas
funções. É importante aumentar a confiança em nós próprios, a nossa
rapidez e eficiência.
1.3. Acolhimento turístico e padrões de qualidade
 Conhecimento
É fundamental prepararmo-nos para responder a qualquer tipo de
questões que nos possam colocar, bem como estarmos aptos para
resolver qualquer tipo de problemas. O Interesse por aumentar os
conhecimentos deve ser levado ao máximo, assim como o prazer de
aprender mais do que aquilo que nos é minimamente esperado.
 Atitude
Devemos pensar na nossa atitude profissional, relativamente ao dia-a-dia,
a toda a hora, porque uma atitude é um estado de espírito influenciado
por sentimentos, pensamentos e propensões. A atitude que
transmitirmos aos outros ser-nos-á retribuída.
Continuação
 Imagem
A imagem é nuclear no que à relação com o público diz respeito. A
aparência deve ser cuidada e agradável a nós próprios e a quem nos
olha. A voz, outra ferramenta da imagem, é muitas vezes o nosso cartão
de visita o que implica saber colocá-la e aplicá-la conveniente e
adequadamente. A expressão corporal deve seguir sempre as regras da
boa educação e de uma postura aberta e interessada. Só desta forma
se pode pensar em acolher com qualidade.
 Cortesia
A cortesia deve ser transformada num hábito diário para que todos aqueles
que são por nós servidos se sintam importantes e especiais. Os clientes
esperam sempre um tratamento cortês e educado independentemente
das circunstâncias.
Continuação
 Esforço Extra
- Os anseios dos seus clientes
- As necessidades dos seus clientes
- As opiniões dos seus clientes
- Os sentimentos dos seus clientes
- Se os seus clientes estão satisfeitos
- Se os seus clientes se mantêm fiéis
- Ser bem recebido
- Ter tratamento exclusivo
- Ser tratado com rapidez
- Ser tratado com eficiência
Continuação
- Receber informações corretas sobre o produto
- Que o produto seja adequado aos seus desejos e necessidades e o
satisfaça
- Fazendo bem à primeira;
- Conhecendo o cliente
- Apostando no primeiro impacto para cativar o cliente;
- Gerando um clima agradável e motivador desde o primeiro momento de
contacto com a empresa;
- Superando as expectativas do cliente;
- Conversando, regularmente, com os clientes para saber como está a
imagem; que eles têm da organização;
Continuação
- Trabalhando bem sobre pressão mantendo níveis de energia e interesse;
- Possuindo a visão do acolhimento ao cliente;
- Oferecendo serviços que os clientes desejam e a preços acessíveis;
- Sendo flexíveis e recetivos à mudança;
- Resolvendo tudo com diálogo e sem conflitos;
- Recebendo o cliente com prazer
- Fazendo aquilo que já não esperam de nós.
- Comunicação
-Competência e cortesia
- Credibilidade
- Fiabilidade
Continuação
 O acolhimento turístico deve ser praticado por todos os agentes,
representantes das entidades políticas e administrativas a todos os
níveis, profissionais de turismo dos sectores público e privado e
representantes da sociedade civil. Deve existir, neste contexto, uma
rede consolidada que identifique as estruturas de concertação entre
parceiros, promova a consulta à informação dos vários parceiros e
conhecer os respetivos modos de funcionamento.
2. Tipos de agentes de níveis de responsabilidade no
acolhimento turístico
 O acolhimento turístico atinge dimensões amplas e transversais, que
envolve, incontornavelmente, um elevado número de agentes e
instituições com uma quota-parte de responsabilidade na intervenção
local, na busca incessante de um acolhimento eficaz. Assim, deve ser
preocupação comum destes intervenientes:
-Reconhecer, divulgar e promover atuações consideradas “boas-práticas”,
levadas a cabo no tocante ao acolhimento turístico;
-Sensibilizar a opinião pública para a importância da atividade turística na
região, dando visibilidade ao tema e às problemáticas a ela associadas;
2.1. Entidades e agentes com responsabilidades de
carácter geral
-Sensibilizar as instituições públicas ou privadas com competências em
matérias relacionadas com o acolhimento turístico para a importância
de terem presentes os Princípios Básicos Comuns, que veremos mais à
frente;
-Sensibilizar a comunicação social para a importância de realizar uma
cobertura desta temática, de forma a destacar o peso e a necessidade
de promover e cultivar uma cultura de turismo, para benefício dos
residentes, dos profissionais turísticos e da própria região;
-Criar uma distinção pública periódica que reconheça às instituições,
empresas e até individuais, o bom trabalho que promovem a favor do
turismo;
Continuação
-Refletir em conjunto e articular esforços e atuações no âmbito da
problemática do acolhimento turístico na comunidade recetora,
contribuindo de uma forma decisiva para que, neste quadro, os
intervenientes se organizem, desenvolvam capacidades e ganhem
competências para melhor participarem em grandes debates e
influenciar a definição das políticas nestas áreas;
Continuação
 Compete então às entidades oficiais uma grande diversidade de ações,
nomeadamente nas áreas do (I) ambiente e desenvolvimento
sustentável; (II) acessibilidade e mobilidade; e (III) segurança.
 (I) Ambiente e desenvolvimento sustentável
As políticas de acolhimento turístico deverão integrar ações práticas que
incidam sobre os elementos mais abrangentes da região turística e se
insiram de forma coerente numa política geral de auxílio e gestão do
ambiente. Estas ações devem estar relacionadas com a proteção do
património natural e cultural, a integração do desenvolvimento de
infraestruturas turísticas nos planos urbanísticos, de programas de
proteção do litoral, recolha de resíduos sólidos, entre outras.
2.2. Entidades e agentes com responsabilidades
específicas
 (II) Acessibilidades e mobilidade
-desenvolver mais e melhores transportes públicos intermodais, eficazes,
rápidos, confortáveis e a preços competitivos;
-a comercialização de produtos e serviços específicos que incentivem os
turistas e os residentes a privilegiarem a utilização de transportes
públicos;
-a criação de parques de estacionamento de dissuasão e de zonas de
acesso e circulação restritos. Porém, deverá ser dada uma atenção
especial ao problema das pessoas com deficiência.
Continuação
 (III) Segurança
-congregar os vários agentes, através da criação de estruturas de
concertação e de consulta;
-promover ações específicas que estimulem a melhoria da qualidade dos
serviços e produtos turísticos oferecidos aos visitantes;
-integrar a intervenção no quadro mais vasto do desenvolvimento global do
destino e da região circundante;
-garantir uma política de desenvolvimento sustentável do turismo, baseada
na melhor utilização possível dos recursos do destino.
Continuação
 Com base em diretrizes europeias, as condições que suscitam, mantêm
e desenvolvem a dinâmica de parceria dos vários intervenientes
turísticos, públicos e privados, são:
-estabelecer uma direção forte, bem estruturada, institucionalizada, dotada
de meios de ação (financeiros e humanos), que disponha de autonomia
e competências, e beneficie do apoio dos poderes públicos, dos
agentes do sector privado e da população local;
-criar uma visão comum de desenvolvimento do turismo, balizada pela
concertação entre intervenientes, na consulta à população local e num
sistema eficaz de circulação interna da informação;
2.3. Lógicas de atuação do sector público e privado na
ótica do acolhimento
-incrementar uma intervenção de parceria, desde a fase de definição do
projeto até ao acompanhamento da sua execução, baseada na
colaboração estreita e coerente entre todos os agentes turísticos ao
nível local, regional, nacional e até internacional, beneficiando assim
dos efeitos de sinergia, de desmultiplicação das ações e das economias
de escala daí resultantes;
-criar estímulos que favoreçam o aparecimento e incentivem o
desenvolvimento da iniciativa privada na melhoria da qualidade do
turismo. Estes incentivos deverão ser construtivos ou repressivos e
poderão assumir múltiplas formas.
Continuação
-encontrar uma distribuição equilibrada dos impactes positivos do
desenvolvimento turístico entre os visitantes, os investidores do sector,
o profissional e a população local. Trata-se de um equilíbrio positivo, em
que cada um obtenha valor acrescentado e beneficie com a existência
da atividade;
-desenhar uma política de acolhimento coerente e coordenar, in loco, as
medidas tomadas pelos agentes responsáveis pelo turismo e de outros
serviços responsáveis pelo desenvolvimento do destino, que contribuam
de forma substancial para a qualidade da experiência do visitante, como
sejam: o ambiente, a urbanização, os transportes, a limpeza pública, a
polícia, entre outros.
Continuação
 Atualmente, Portugal é um país tipicamente recetor de turismo e
orgulha-se disso. O facto do nosso país se situar, constantemente e
desde há muito, no ranking dos vinte maiores países recetores de
turistas não é fruto do acaso mas de uma dedicação intensiva das
entidades públicas, dos agentes económicos e, principalmente, das
comunidades portuguesas residentes. Somos um povo hospitaleiro e
acolhedor que preza as relações humanas e gostamos de partilhar o
nosso território e os costumes populares com todos os visitantes. A isto
chamamos de acolhimento.
3. Organização e políticas de acolhimento turístico em
Portugal
 Uma das componentes de elevada importância da oferta turística é
composta pelos recursos naturais e são estes que estão,
fundamentalmente, na base da escolha do destino pelo visitante.
Porém, não é pelo facto de existir um elemento natural que se possui
um recurso, pois tal como são oferecidos pela natureza, os recursos
naturais são insuficientes para garantir a continuidade dos viajantes na
região. É, com efeito, fundamental a intervenção do homem de forma a
rentabilizar os elementos naturais, qualquer que sejam a sua natura e
dimensão, com vista a satisfazer as necessidades e os desejos de
quem visita.
3.1. Caracterização das diferentes estruturas de
acolhimento
 Qualquer acolhimento implica relação humana e qualquer relação
humana implica serviço, mais que não seja um sorriso e uma
informação. Se o produto turístico for agradável mas o serviço ineficaz o
resultado será sempre negativo ou vice-versa;
Continuação
1. incrementar o conhecimento, a compreensão e a aceitação positiva das
comunidades turísticas, que têm Portugal como destino e trânsito,
designadamente através de ações de sensibilização, reuniões,
progressos, etc.
2. fomentar a participação da sociedade civil e dos agentes privados na
gestão da diversidade decorrente desses fluxos turísticos, a fim de
salvaguardar a coesão e o convívio na região de acolhimento, entre as
populações visitada e visitante.
3. assumir códigos de conduta voluntários de não discriminação em função
da etnia, nacionalidade ou religião de quem nos visita.
3.2. Objetivos e ações no âmbito das políticas de
acolhimento
4. entender a formação como um bem necessário, principalmente para
quem trabalha no turismo.
5. conhecer a legislação e os códigos éticos de turismo e incentivando à
difusão das melhores práticas.
6. organizar programas e atividades de acolhimento para os turistas, que
lhes permitam adquirir conhecimentos básicos sobre a língua, a história,
as instituições, as características socioeconómicas, a vida cultural e os
valores e costumes fundamentais da sociedade de acolhimento.
Continuação
7. fomentar a igualdade de acesso às instituições, aos bens e aos serviços
públicos e privados, por parte dos turistas, face aos cidadãos nacionais
e de forma não discriminatória.
8. reforçar a capacidade de interação dos prestadores de serviços públicos
e privados com os turistas.
9. desenvolver instrumentos informativos de carácter global, como placas
indicativas, folhetos, manuais, sítios Web, instrumentos multimédia,
entre outros.
Continuação
10. criar programas de recolha e análise de informações sobre as
necessidades e expectativas dos vários segmentos de mercado de
turistas.
11. promover a interação entre turistas e cidadãos das regiões recetoras,
na utilização de espaços comuns, em fóruns onde participem uns e
outros, em atividades, em diálogos interculturais, entre outros.
Continuação
 Para avaliar então a satisfação dos visitantes devem ser criados vários
tipos de indicadores, mecanismos de recolha de informação e de dados
estatísticos aplicando, sempre que possível, antes, durante e depois da
visita e/ou estada do visitante. Estes inquéritos devem passar antes de
receber os turistas e vão poder:
-antecipar as grandes tendências do mercado do turismo e determinar a
posição do destino relativamente a essas tendências;
-identificar os perfis dos visitantes e os seus comportamentos;
-descrever a imagem que o destino tem no espírito dos visitantes, bem
como no dos candidatos e não-candidatos a visitantes;
3.3. Avaliação do acolhimento turístico em Portugal
-descobrir as expectativas dos visitantes e dos candidatos a visitantes;
-verificar a imagem do destino divulgada pelos líderes de opinião e pelos
vendedores junto dos candidatos e não-candidatos a visitantes.
 Uma segunda fase de inquéritos deve ser aplicada no momento da
partida ou após a visita do turista e permitirão:
-avaliar em que medida foram correspondidas as expectativas do visitante
e qual o seu grau de satisfação;
-avaliar se a imagem do destino foi alterada pela visita;
Continuação
-avaliar de que forma esta alteração de imagem se traduz ao nível da
satisfação manifestada pelos visitantes e de que forma estes a
repercutem junto dos que lhes estão próximos, após o seu regresso;
-recolher, a quente, os comentários e sugestões dos visitantes.
Continuação
 Neste trabalho não encontrei muitas dificuldades. Este mesmo foi feito,
um pouco á pressa.
Fiquei a conhecer todos estes temas, umas partes melhores que outras, e
assim dou fim ao trabalho…
Conclusão
- Manual de TIAT – Módulo 3
Bibliografia
TIAT - acolhimento turistico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

T U R I S M O QUALIDADE: CONDIÇÃO DE COMPETITIVIDADE
T U R I S M O QUALIDADE:  CONDIÇÃO DE  COMPETITIVIDADET U R I S M O QUALIDADE:  CONDIÇÃO DE  COMPETITIVIDADE
T U R I S M O QUALIDADE: CONDIÇÃO DE COMPETITIVIDADE
Cláudio Carneiro
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
Karlla Costa
 
Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
Carlos Henrique Tavares
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2
TatyFG
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
Tania Morais Morais
 
Empreendimentos turísticos
Empreendimentos turísticosEmpreendimentos turísticos
Empreendimentos turísticos
bruno oliveira
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Tina Lima
 
Procura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações TurísticasProcura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações Turísticas
kyzinha
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
Daniela Ramalho
 
Animação turística
Animação turísticaAnimação turística
Animação turística
Patricia Degenhardt
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
cursotiat
 
Programa tcat
Programa   tcatPrograma   tcat
Programa tcat
jsilva.tur
 
Atendimento e informação em empreendimentos turísticos
Atendimento e informação em empreendimentos turísticosAtendimento e informação em empreendimentos turísticos
Atendimento e informação em empreendimentos turísticos
bruno oliveira
 
Turismo natureza
Turismo natureza  Turismo natureza
Turismo natureza
kyzinha
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
abarros
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Carla Canhoto
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
Tania Morais Morais
 
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticosRegime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Catarina1412
 
Tipos de Turistas
Tipos de TuristasTipos de Turistas
Tipos de Turistas
Ubirajara Neves
 
TCAT módulo 1
TCAT módulo 1TCAT módulo 1
TCAT módulo 1
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

T U R I S M O QUALIDADE: CONDIÇÃO DE COMPETITIVIDADE
T U R I S M O QUALIDADE:  CONDIÇÃO DE  COMPETITIVIDADET U R I S M O QUALIDADE:  CONDIÇÃO DE  COMPETITIVIDADE
T U R I S M O QUALIDADE: CONDIÇÃO DE COMPETITIVIDADE
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
 
Otet módulo 2
Otet módulo 2Otet módulo 2
Otet módulo 2
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
 
Empreendimentos turísticos
Empreendimentos turísticosEmpreendimentos turísticos
Empreendimentos turísticos
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
 
Procura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações TurísticasProcura e Motivações Turísticas
Procura e Motivações Turísticas
 
Módulo 6
Módulo 6Módulo 6
Módulo 6
 
Animação turística
Animação turísticaAnimação turística
Animação turística
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
 
Programa tcat
Programa   tcatPrograma   tcat
Programa tcat
 
Atendimento e informação em empreendimentos turísticos
Atendimento e informação em empreendimentos turísticosAtendimento e informação em empreendimentos turísticos
Atendimento e informação em empreendimentos turísticos
 
Turismo natureza
Turismo natureza  Turismo natureza
Turismo natureza
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
 
Modulo 6 iat
Modulo 6 iatModulo 6 iat
Modulo 6 iat
 
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticosRegime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
 
Tipos de Turistas
Tipos de TuristasTipos de Turistas
Tipos de Turistas
 
TCAT módulo 1
TCAT módulo 1TCAT módulo 1
TCAT módulo 1
 

Destaque

Tiat módulo 1
Tiat módulo 1Tiat módulo 1
Tiat módulo 1
Carla Freitas
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Carta escrita no ano de 2070
Carta escrita no ano de 2070Carta escrita no ano de 2070
Carta escrita no ano de 2070
MIGUEL LIMA
 
Técnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turisticoTécnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turistico
Rafaela Henriques
 
Iat
IatIat
Turismo Sustentável
Turismo SustentávelTurismo Sustentável
Turismo Sustentável
praticas_sustentabilidade
 

Destaque (6)

Tiat módulo 1
Tiat módulo 1Tiat módulo 1
Tiat módulo 1
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Carta escrita no ano de 2070
Carta escrita no ano de 2070Carta escrita no ano de 2070
Carta escrita no ano de 2070
 
Técnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turisticoTécnicas de acolhimento turistico
Técnicas de acolhimento turistico
 
Iat
IatIat
Iat
 
Turismo Sustentável
Turismo SustentávelTurismo Sustentável
Turismo Sustentável
 

Semelhante a TIAT - acolhimento turistico

Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdfManual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
ssuserd70dab
 
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
praticas_sustentabilidade
 
Manual da Marca Turística de Avaré
Manual da Marca Turística de AvaréManual da Marca Turística de Avaré
Manual da Marca Turística de Avaré
Jaqueline Leal
 
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
Aristides Faria
 
Seminário de abertura
Seminário de aberturaSeminário de abertura
Seminário de abertura
Karlla Costa
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
Aristides Faria
 
RSE para Hotelaria e Turismo
RSE para Hotelaria e TurismoRSE para Hotelaria e Turismo
RSE para Hotelaria e Turismo
Sustainable Travel International
 
Comunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
Comunicação e Marketing para o Turismo SustentávelComunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
Comunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
Ana Cecilia Duék
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
Aristides Faria
 
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
Aristides Faria
 
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotelGestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
Carlos Pontes Lopes
 
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Carlos Serra
 
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Carlos Serra
 
Rede de Serviços InMadeira
Rede de Serviços InMadeiraRede de Serviços InMadeira
Rede de Serviços InMadeira
GesTools ASP
 
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
EcoHospedagem
 
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
LINDOALDO
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Aristides Faria
 
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdfProjeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
HELENO FAVACHO
 
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Aristides Faria
 
Texto 5 noções conceituais de turismo
Texto 5   noções conceituais de turismoTexto 5   noções conceituais de turismo
Texto 5 noções conceituais de turismo
Karlla Costa
 

Semelhante a TIAT - acolhimento turistico (20)

Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdfManual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
Manual-Turismo-e-Empreendedorismo-Final.pdf
 
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
Turismo Sustentável: Apresentação Guiada
 
Manual da Marca Turística de Avaré
Manual da Marca Turística de AvaréManual da Marca Turística de Avaré
Manual da Marca Turística de Avaré
 
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aula 05)
 
Seminário de abertura
Seminário de aberturaSeminário de abertura
Seminário de abertura
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 05
 
RSE para Hotelaria e Turismo
RSE para Hotelaria e TurismoRSE para Hotelaria e Turismo
RSE para Hotelaria e Turismo
 
Comunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
Comunicação e Marketing para o Turismo SustentávelComunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
Comunicação e Marketing para o Turismo Sustentável
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aula 06
 
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
Disciplina Ecoturismo e Turismo de Aventura (IFSP Campus Cubatao) (aulas 07 a...
 
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotelGestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
Gestão da Sustentabilidade na Hotelaria by CPL@DirHotel
 
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
 
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
Noticias inesp para rede t estudo ctp-v3
 
Rede de Serviços InMadeira
Rede de Serviços InMadeiraRede de Serviços InMadeira
Rede de Serviços InMadeira
 
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
Guia Turismo e Sustentabilidade - Mtur 2016
 
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
Guiadesustentabilidadeparaoturismosantander 120518135654-phpapp01(1)
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 07 a 09
 
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdfProjeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
Projeto de Turismo para sua região - Gestão de Turismo 2º e 3º semestre.pdf
 
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
 
Texto 5 noções conceituais de turismo
Texto 5   noções conceituais de turismoTexto 5   noções conceituais de turismo
Texto 5 noções conceituais de turismo
 

TIAT - acolhimento turistico

  • 1. Organização do Acolhimento em Turismo Curso Profissional de Técnico de Turismo – 1º Ano Turismo – Informação e Animação Turística Teresa Martins Nº19
  • 2. Este trabalho foi proposto pela professora Sónia Correia no âmbito da disciplina de TIAT (Turismo – Informação e Animação Turística). No qual irei a bordar os vários subtemas: 1. A Politica de acolhimento no contexto da atividade turística; 2. Tipos de agentes e níveis de responsabilidade no acolhimento turístico; 3. Organização e políticas de acolhimento turístico em Portugal. Introdução
  • 3.  O acolhimento é um fator nuclear na atividade turística já que é uma prática feita por e para pessoas. O acolhimento pode ser considerado como uma mais valia para uma determinada região, se for praticado com satisfação e agrado por parte dos recetores turísticos. Neste contexto, é fundamental definir uma política de acolhimento eficaz e funcional, que coadune com a estratégia turística da região e enriqueça a forma de receber e transmita ao visitante o prazer em acolher. 1. A Politica de acolhimento no contexto da atividade turística
  • 4.  O êxito a nível nacional mede-se através do grau de satisfação do visitante no respetivo destino turístico, sendo certo que a estabilidade e a coesão das nossas sociedades beneficiam com a perspicácia das correntes turísticas vindas de países mais desenvolvidos, devido à partilha de riqueza que estes fluxos promovem. As políticas com maior impacto no acolhimento são definidas primordialmente ao nível nacional, é no plano local que a receção se processa e onde mais decisivamente se avalia o seu sucesso, sendo para tal imprescindível o envolvimento do poder local (Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia), bem como de todos os agentes económicos beneficiários do turismo. 1.1. Noção e dimensões das políticas de acolhimento em turismo
  • 5.  A Receção é o aspeto principal de qualquer região que deseje apostar no turismo e que veja nesta atividade o meio sustentável para o desenvolvimento económico do país. Saber receber e saber acolher são virtudes e não se restringem apenas aos dirigentes políticos, muito pelo contrário, deve começar ao nível operacional onde se realiza o contacto direto entre o recetor e o visitante. Continuação
  • 6.  Para acolher de forma eficaz e completa é necessário um conjunto de recursos humanos, técnicos, tecnológicos e financeiros que garantam o bom acolhimento. O alojamento, entretenimento e património diz respeito, mas fica longe naquilo que realmente sustenta o turismo que é as relações humanas entre o visitante e a comunidade residente e profissional do turismo. 1.2. Recursos humanos, técnicos e financeiros ao serviço do acolhimento
  • 7.  É lógico pensarmos que é tão importante existir todos estes recursos como o acolhimento humano pelos residentes, se pretendermos desenvolver um destino classificado de turístico e oferecer algo que nos diferencie do resto da concorrência. Neste contexto, todos os esforços devem dirigir-se no sentido de fomentar o maior número de recursos possível, visando satisfazer as necessidades básicas e mínimas dos visitantes. Continuação
  • 8.  O sucesso exige, a nível de um destino turístico, uma intervenção global, centrada na satisfação do turista e baseada nos princípios do desenvolvimento sustentável, que se alcançam através de: - Definição de estratégias entre parceiros-chave; - Aplicação de boas práticas na região para turistas e residentes; - Desenvolvimento contínuo de instrumentos de acompanhamento e avaliação É seguro afirmar que os atributos mínimos para se praticar qualidade são:  Competência Aprender e desenvolver muito bem tudo o que é implícito às nossas funções. É importante aumentar a confiança em nós próprios, a nossa rapidez e eficiência. 1.3. Acolhimento turístico e padrões de qualidade
  • 9.  Conhecimento É fundamental prepararmo-nos para responder a qualquer tipo de questões que nos possam colocar, bem como estarmos aptos para resolver qualquer tipo de problemas. O Interesse por aumentar os conhecimentos deve ser levado ao máximo, assim como o prazer de aprender mais do que aquilo que nos é minimamente esperado.  Atitude Devemos pensar na nossa atitude profissional, relativamente ao dia-a-dia, a toda a hora, porque uma atitude é um estado de espírito influenciado por sentimentos, pensamentos e propensões. A atitude que transmitirmos aos outros ser-nos-á retribuída. Continuação
  • 10.  Imagem A imagem é nuclear no que à relação com o público diz respeito. A aparência deve ser cuidada e agradável a nós próprios e a quem nos olha. A voz, outra ferramenta da imagem, é muitas vezes o nosso cartão de visita o que implica saber colocá-la e aplicá-la conveniente e adequadamente. A expressão corporal deve seguir sempre as regras da boa educação e de uma postura aberta e interessada. Só desta forma se pode pensar em acolher com qualidade.  Cortesia A cortesia deve ser transformada num hábito diário para que todos aqueles que são por nós servidos se sintam importantes e especiais. Os clientes esperam sempre um tratamento cortês e educado independentemente das circunstâncias. Continuação
  • 11.  Esforço Extra - Os anseios dos seus clientes - As necessidades dos seus clientes - As opiniões dos seus clientes - Os sentimentos dos seus clientes - Se os seus clientes estão satisfeitos - Se os seus clientes se mantêm fiéis - Ser bem recebido - Ter tratamento exclusivo - Ser tratado com rapidez - Ser tratado com eficiência Continuação
  • 12. - Receber informações corretas sobre o produto - Que o produto seja adequado aos seus desejos e necessidades e o satisfaça - Fazendo bem à primeira; - Conhecendo o cliente - Apostando no primeiro impacto para cativar o cliente; - Gerando um clima agradável e motivador desde o primeiro momento de contacto com a empresa; - Superando as expectativas do cliente; - Conversando, regularmente, com os clientes para saber como está a imagem; que eles têm da organização; Continuação
  • 13. - Trabalhando bem sobre pressão mantendo níveis de energia e interesse; - Possuindo a visão do acolhimento ao cliente; - Oferecendo serviços que os clientes desejam e a preços acessíveis; - Sendo flexíveis e recetivos à mudança; - Resolvendo tudo com diálogo e sem conflitos; - Recebendo o cliente com prazer - Fazendo aquilo que já não esperam de nós. - Comunicação -Competência e cortesia - Credibilidade - Fiabilidade Continuação
  • 14.  O acolhimento turístico deve ser praticado por todos os agentes, representantes das entidades políticas e administrativas a todos os níveis, profissionais de turismo dos sectores público e privado e representantes da sociedade civil. Deve existir, neste contexto, uma rede consolidada que identifique as estruturas de concertação entre parceiros, promova a consulta à informação dos vários parceiros e conhecer os respetivos modos de funcionamento. 2. Tipos de agentes de níveis de responsabilidade no acolhimento turístico
  • 15.  O acolhimento turístico atinge dimensões amplas e transversais, que envolve, incontornavelmente, um elevado número de agentes e instituições com uma quota-parte de responsabilidade na intervenção local, na busca incessante de um acolhimento eficaz. Assim, deve ser preocupação comum destes intervenientes: -Reconhecer, divulgar e promover atuações consideradas “boas-práticas”, levadas a cabo no tocante ao acolhimento turístico; -Sensibilizar a opinião pública para a importância da atividade turística na região, dando visibilidade ao tema e às problemáticas a ela associadas; 2.1. Entidades e agentes com responsabilidades de carácter geral
  • 16. -Sensibilizar as instituições públicas ou privadas com competências em matérias relacionadas com o acolhimento turístico para a importância de terem presentes os Princípios Básicos Comuns, que veremos mais à frente; -Sensibilizar a comunicação social para a importância de realizar uma cobertura desta temática, de forma a destacar o peso e a necessidade de promover e cultivar uma cultura de turismo, para benefício dos residentes, dos profissionais turísticos e da própria região; -Criar uma distinção pública periódica que reconheça às instituições, empresas e até individuais, o bom trabalho que promovem a favor do turismo; Continuação
  • 17. -Refletir em conjunto e articular esforços e atuações no âmbito da problemática do acolhimento turístico na comunidade recetora, contribuindo de uma forma decisiva para que, neste quadro, os intervenientes se organizem, desenvolvam capacidades e ganhem competências para melhor participarem em grandes debates e influenciar a definição das políticas nestas áreas; Continuação
  • 18.  Compete então às entidades oficiais uma grande diversidade de ações, nomeadamente nas áreas do (I) ambiente e desenvolvimento sustentável; (II) acessibilidade e mobilidade; e (III) segurança.  (I) Ambiente e desenvolvimento sustentável As políticas de acolhimento turístico deverão integrar ações práticas que incidam sobre os elementos mais abrangentes da região turística e se insiram de forma coerente numa política geral de auxílio e gestão do ambiente. Estas ações devem estar relacionadas com a proteção do património natural e cultural, a integração do desenvolvimento de infraestruturas turísticas nos planos urbanísticos, de programas de proteção do litoral, recolha de resíduos sólidos, entre outras. 2.2. Entidades e agentes com responsabilidades específicas
  • 19.  (II) Acessibilidades e mobilidade -desenvolver mais e melhores transportes públicos intermodais, eficazes, rápidos, confortáveis e a preços competitivos; -a comercialização de produtos e serviços específicos que incentivem os turistas e os residentes a privilegiarem a utilização de transportes públicos; -a criação de parques de estacionamento de dissuasão e de zonas de acesso e circulação restritos. Porém, deverá ser dada uma atenção especial ao problema das pessoas com deficiência. Continuação
  • 20.  (III) Segurança -congregar os vários agentes, através da criação de estruturas de concertação e de consulta; -promover ações específicas que estimulem a melhoria da qualidade dos serviços e produtos turísticos oferecidos aos visitantes; -integrar a intervenção no quadro mais vasto do desenvolvimento global do destino e da região circundante; -garantir uma política de desenvolvimento sustentável do turismo, baseada na melhor utilização possível dos recursos do destino. Continuação
  • 21.  Com base em diretrizes europeias, as condições que suscitam, mantêm e desenvolvem a dinâmica de parceria dos vários intervenientes turísticos, públicos e privados, são: -estabelecer uma direção forte, bem estruturada, institucionalizada, dotada de meios de ação (financeiros e humanos), que disponha de autonomia e competências, e beneficie do apoio dos poderes públicos, dos agentes do sector privado e da população local; -criar uma visão comum de desenvolvimento do turismo, balizada pela concertação entre intervenientes, na consulta à população local e num sistema eficaz de circulação interna da informação; 2.3. Lógicas de atuação do sector público e privado na ótica do acolhimento
  • 22. -incrementar uma intervenção de parceria, desde a fase de definição do projeto até ao acompanhamento da sua execução, baseada na colaboração estreita e coerente entre todos os agentes turísticos ao nível local, regional, nacional e até internacional, beneficiando assim dos efeitos de sinergia, de desmultiplicação das ações e das economias de escala daí resultantes; -criar estímulos que favoreçam o aparecimento e incentivem o desenvolvimento da iniciativa privada na melhoria da qualidade do turismo. Estes incentivos deverão ser construtivos ou repressivos e poderão assumir múltiplas formas. Continuação
  • 23. -encontrar uma distribuição equilibrada dos impactes positivos do desenvolvimento turístico entre os visitantes, os investidores do sector, o profissional e a população local. Trata-se de um equilíbrio positivo, em que cada um obtenha valor acrescentado e beneficie com a existência da atividade; -desenhar uma política de acolhimento coerente e coordenar, in loco, as medidas tomadas pelos agentes responsáveis pelo turismo e de outros serviços responsáveis pelo desenvolvimento do destino, que contribuam de forma substancial para a qualidade da experiência do visitante, como sejam: o ambiente, a urbanização, os transportes, a limpeza pública, a polícia, entre outros. Continuação
  • 24.  Atualmente, Portugal é um país tipicamente recetor de turismo e orgulha-se disso. O facto do nosso país se situar, constantemente e desde há muito, no ranking dos vinte maiores países recetores de turistas não é fruto do acaso mas de uma dedicação intensiva das entidades públicas, dos agentes económicos e, principalmente, das comunidades portuguesas residentes. Somos um povo hospitaleiro e acolhedor que preza as relações humanas e gostamos de partilhar o nosso território e os costumes populares com todos os visitantes. A isto chamamos de acolhimento. 3. Organização e políticas de acolhimento turístico em Portugal
  • 25.  Uma das componentes de elevada importância da oferta turística é composta pelos recursos naturais e são estes que estão, fundamentalmente, na base da escolha do destino pelo visitante. Porém, não é pelo facto de existir um elemento natural que se possui um recurso, pois tal como são oferecidos pela natureza, os recursos naturais são insuficientes para garantir a continuidade dos viajantes na região. É, com efeito, fundamental a intervenção do homem de forma a rentabilizar os elementos naturais, qualquer que sejam a sua natura e dimensão, com vista a satisfazer as necessidades e os desejos de quem visita. 3.1. Caracterização das diferentes estruturas de acolhimento
  • 26.  Qualquer acolhimento implica relação humana e qualquer relação humana implica serviço, mais que não seja um sorriso e uma informação. Se o produto turístico for agradável mas o serviço ineficaz o resultado será sempre negativo ou vice-versa; Continuação
  • 27. 1. incrementar o conhecimento, a compreensão e a aceitação positiva das comunidades turísticas, que têm Portugal como destino e trânsito, designadamente através de ações de sensibilização, reuniões, progressos, etc. 2. fomentar a participação da sociedade civil e dos agentes privados na gestão da diversidade decorrente desses fluxos turísticos, a fim de salvaguardar a coesão e o convívio na região de acolhimento, entre as populações visitada e visitante. 3. assumir códigos de conduta voluntários de não discriminação em função da etnia, nacionalidade ou religião de quem nos visita. 3.2. Objetivos e ações no âmbito das políticas de acolhimento
  • 28. 4. entender a formação como um bem necessário, principalmente para quem trabalha no turismo. 5. conhecer a legislação e os códigos éticos de turismo e incentivando à difusão das melhores práticas. 6. organizar programas e atividades de acolhimento para os turistas, que lhes permitam adquirir conhecimentos básicos sobre a língua, a história, as instituições, as características socioeconómicas, a vida cultural e os valores e costumes fundamentais da sociedade de acolhimento. Continuação
  • 29. 7. fomentar a igualdade de acesso às instituições, aos bens e aos serviços públicos e privados, por parte dos turistas, face aos cidadãos nacionais e de forma não discriminatória. 8. reforçar a capacidade de interação dos prestadores de serviços públicos e privados com os turistas. 9. desenvolver instrumentos informativos de carácter global, como placas indicativas, folhetos, manuais, sítios Web, instrumentos multimédia, entre outros. Continuação
  • 30. 10. criar programas de recolha e análise de informações sobre as necessidades e expectativas dos vários segmentos de mercado de turistas. 11. promover a interação entre turistas e cidadãos das regiões recetoras, na utilização de espaços comuns, em fóruns onde participem uns e outros, em atividades, em diálogos interculturais, entre outros. Continuação
  • 31.  Para avaliar então a satisfação dos visitantes devem ser criados vários tipos de indicadores, mecanismos de recolha de informação e de dados estatísticos aplicando, sempre que possível, antes, durante e depois da visita e/ou estada do visitante. Estes inquéritos devem passar antes de receber os turistas e vão poder: -antecipar as grandes tendências do mercado do turismo e determinar a posição do destino relativamente a essas tendências; -identificar os perfis dos visitantes e os seus comportamentos; -descrever a imagem que o destino tem no espírito dos visitantes, bem como no dos candidatos e não-candidatos a visitantes; 3.3. Avaliação do acolhimento turístico em Portugal
  • 32. -descobrir as expectativas dos visitantes e dos candidatos a visitantes; -verificar a imagem do destino divulgada pelos líderes de opinião e pelos vendedores junto dos candidatos e não-candidatos a visitantes.  Uma segunda fase de inquéritos deve ser aplicada no momento da partida ou após a visita do turista e permitirão: -avaliar em que medida foram correspondidas as expectativas do visitante e qual o seu grau de satisfação; -avaliar se a imagem do destino foi alterada pela visita; Continuação
  • 33. -avaliar de que forma esta alteração de imagem se traduz ao nível da satisfação manifestada pelos visitantes e de que forma estes a repercutem junto dos que lhes estão próximos, após o seu regresso; -recolher, a quente, os comentários e sugestões dos visitantes. Continuação
  • 34.  Neste trabalho não encontrei muitas dificuldades. Este mesmo foi feito, um pouco á pressa. Fiquei a conhecer todos estes temas, umas partes melhores que outras, e assim dou fim ao trabalho… Conclusão
  • 35. - Manual de TIAT – Módulo 3 Bibliografia