SlideShare uma empresa Scribd logo
Célia,Nathalya,Stéphany,Ana Carolina,Cayo,Marianne e Paulo Henrique. 2m1 O Antigo Regime Francês
Paulo Henrique 1.  Crise do Feudalismo
O feudalismo foi um sistema político, econômico e social que predominou durante toda a Idade Média. Mas, já no final da Idade Média, o uso da terra, fundamental para o povo naquele período, foi perdendo a força. Os campos foram abandonados e o comércio nascia fortalecido.Depois de longos anos de devastação e desordem, começava certa estabilidade econômica. O castelo, centro das atividades econômicas,ia perdendo sua importância. O progresso do comércio artesanal, as feiras medievais, a cidade burguesa incompatível com o feudo ofereciam chances de lucro e atrativos do comércio.
A partir do século XII, ocorreram várias transformações na Europa que contribuíram para a crise do sistema feudal:  *O renascimento comercial impulsionado, principalmente, pelas Cruzadas;  ·**O aumento da circulação das moedas, principalmente nas cidades. Este fator desarticulou o sistema de trocas de mercadorias, característica principal do feudalismo;  · *Desenvolvimento dos centros urbanos, provocando o êxodo rural (saída de pessoas da zona rural em direção às cidades). Muitos servos passaram a comprar sua liberdade ou fugir, atraídos por oportunidades de trabalho nos centros urbanos;  · 
* *As Cruzadas proporcionaram a volta do contato da Europa com o Oriente, quebrando o isolamento do sistema feudal;  *O surgimento da burguesia, nova classe social que dominava o comércio e que possuía alto poder econômico. Esta classe social foi, aos poucos, tirando o poder dos senhores feudais;    *Com o aumento dos impostos, proporcionados pelo desenvolvimento comercial, os reis passaram a contratar exércitos profissionais. Este fato desarticulou o sistema de vassalagem, típico do feudalismo.
2.  O Antigo regime Paulo Henrique
Durante o Antigo Regime a sociedade francesa encontrava-se dividida em três ordens, estamentos ou estados: o clero (Primeiro Estado), a nobreza (Segundo Estado) e o Terceiro Estado, que representava a burguesia e os camponeses.Cada estado tinha direito a um voto nas decisões das assembleias (Estados Gerais). Essa divisão era considerada injusta, pois a nobreza e o clero, que nesse sistema tinham direito a um voto cada, compunham na verdade um só grupo, já que o Estado era vinculado à Igreja Católica na época.Esse estilo de governo marcou a Europa na Idade Moderna. Na esfera política, era caracterizado pelo absolutismo, ou seja, uma monarquia absolutista, na economia, vigorava o mercantilismo, marcado pelo acúmulo de capital realizado pelas nações.
Stéphany ,[object Object],[object Object]
Com o enfraquecimento do poder feudal, o absolutismo começou a dominar a França. Naquela época os poderes eram dividos em estados. O primeiro estado, que era formado pelo clero. O segundo estado, formado pelos nobrezes, onde se localizava também o rei e o terceiro estado, que eram os camponeses e burgueses. O terceiro estado era constituído por 98% da população da França. O absolutismo era um sistema político e administrativo que prevaleceu na França no final da Idade Media. O poder começou a se centralizar nas mãos do rei e não mais na dos senhores feudais. O rei concentrava praticamente todos os poderes. Ele governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política. A teoria do poder absoluto, apresentava o rei como representante de Deus na Terra, esse poder era denominado como "direito divino", por tanto, somente a ele devia prestar contas.
O rei começa a cobrar os impostos que antes eram pago para os senhores feudais. Ele criava leis sem autorização ou aprovação política da sociedade. Criava impostos, taxas e obrigações de acordo com seus interesses econômicos. Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre que se concentrava no terceiro estado.  A nobreza e o clero estavam isentos de impostos, o que fazia com que só a burguesia fosse obrigada a sustentar o governo.  O rei ele só tinha o poder porque ele tinha seu exercito rigoroso.  Para a maioria dos nobres, que tinham perdido suas terras e rendas feudais, o rei concedia pensões, privilégios, além dos rendimentos dos melhores cargos do Estado.
Célia 6. O Novo papel do exercito
O papel do exercito foi para o rei conseguir ter o poder absoluto ou seja,conquistando território ,e para conseguir  queria fazia ameaça caso fosse contra sua vontade.Com o exercito o rei ganha poder absoluto e o exercito fica sendo o mais poderoso da Europa. O rei investia a maior parte da arrecadação de impostos para equipa e pagar o exercito,impostos esses que saiam do 3 Estado que eram os camponeses ,artesões,burgueses,etc... Até mesmo o rei participava do exercito, sendo o mandante, e era ele que escolhia as pessoas que iam participar desse exercito.
Nathalya 7. A situação da Nobreza
A nobreza era a camada social dominante, o nascimento e a tradição de um indivíduo eram importantes para se ter privilégios sociais, e permaneciam relações típicas do feudalismo, tais como a servidão e a apropriação de rendas dos camponeses e arrendatários por alguns nobres. A sociedade de ordens era a mesma da Idade Média: o clero era a primeira ordem, a nobreza a segunda e a burguesia e as camadas populares formavam a terceira. A Nobreza  que era um grupo muito fechado que vivia em luxo, definido pela condição de nascimento, e acumulava altos cargos administrativos e funções militares. Havia a nobreza de sangue que vivia dessa condição devido a títulos ganhos pelos seus antepassados, e ainda a nobreza de toga, que ganhara o título de nobre do rei por mérito e capacidades pessoais. Isentos do pagamento de impostos, a nobreza continuava a cobrar direitos senhoriais e nalgumas regiões ainda estava em funcionamento o tribunal senhorial, interno. Viviam na opulência com maior preocupação em exibir a sua riqueza, comprando luxos, que em investir para o desenvolvimento do país.
A nobreza que acompanhava o monarca era uma classe exclusivamente parasitária, geralmente vivendo na corte do rei, e não tendo ocupação definida, a não ser o apoio irrestrito ao rei e o controle militar de certa região a favor do monarca. Qualquer oposição oriunda das camadas mais populares podia ser violentamente reprimida pelas forças do rei. Note-se que absolutismo e despotismo, apesar de similares, diferem pelo fato de o absolutismo ter uma base teórica e o despotismo ser uma espécie de corrupção do absolutismo, onde o monarca age deliberadamente sem qualquer preocupação teórica, social, política ou religiosa. A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime.Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza.
Ana Carolina 8. O Papel da Igreja no Antigo Regime  9.Mercantilismo
A Igreja Católica representou um papel fundamental na formação e consolidação do período absoluto.A Igreja Católica  dominava o cenário religioso,a igreja influenciava o modo de pensar,a psicologia e as formas de comportamento, a igreja também tinha grande poder econômico,pois possuía terras em grande quantidade. Naquela época o padre celebrava a miséria de frente para Deus,a maioria das pessoas acreditava em Deus ,por opção os religiosos escolhem o catolicismo(Católicos) Controlando a Fé , a Igreja  normatizava os costumes,a produção cultural,o comportamento e sobretudo, a ordem social.Aqueles que se desviavam de suas normas eram rigorosamente punidos. O comercio do dinheiro , ou seja, emprestou dinheiro a alguém cobrando-lhe juros era ainda algo mais condenável.Embora hoje essas condenações pareçam estranhas,na época elas estavam perfeitamente de acordo com a realidade.
A igreja aumentava os impostos para manter o luxo e as dividas da corte.O Rei e a Igreja eram os que tinham o  poder,eles eram respeitados por todos. A serviço de Deus,os  membros  do clero  cumpriram um rigoroso regime de obediência e  disciplina.
Célia 10. As condições das classes mais baixas
As classes menos favorecidas eram os burgueses,mais especificamente os camponeses,trabalhadores,artesões,etc.. Que se situava no 3º  Estado, e esse 3 º Estado era divido  em camponeses rurais e urbanos. O 3º Estado era o único que pagava os impostos assim o 1 º Estado e o 2 º ficavam nos privilégios.Como só eles pagavam os impostos, eles ficavam numa situação ‘’apertada’’, levando eles á ficarem na miséria,vivia a base de pão, e suas casas em péssimas condições. Portanto exegiam melhorias,então Luís XVI teve que convoca a assembléia dos Estados Gerais,mais mesmo assim nada foi resolvido,porque sempre o 1 º e o 2º Estado ganhavam,pois era um voto por cada Estado,levando os camponeses ás ruas, e assim levando a Queda da Bastilha. E foram os camponeses urbanos que inciaram a Revolução Francesa, e assim mudando radicalmente a Historia da França.
Marianne 11.Luís XIV e seu governo.
Luís XIV de Bourbon  conhecido como "Rei-Sol", foi o maior monarca absolutista da França, e reinou de 1643 a 1715. A ele é atribuída a famosa frase: " L'État c'est moi " (O Estado sou eu), apesar de grande parte dos historiadores achar que isso é apenas um mito. Construiu o  Palácio dos Inválidos  e o luxuoso Palácio de Versalhes, perto de Paris, onde faleceu em 1715.
Cayo 12.Luís XV e seu Governo 13. Luís XVI e seu Governo
Luís XV Luís XV de Bourbon  (Versalhes, 15 de Fevereiro de 1710 – 10 de Maio de 1774) era filho de Luís, duque de Borgonha, e de Maria Adelaide de Sabóia. Foi o Rei da França entre 1715 e 1774, ele sucedeu o trono de seu bisavô Luís XIV Luís XV tinha uma personalidade curiosa e de mente aberta. Ele era um ávido leitor, e tinha um gosto eclético. Apesar de tradicionalmente ser conhecido como homem votado ao prazer e aos caprichos, Luís XV proporcionou ao Reino prosperidade econômica e destacar no plano intelectual e das artes. Entre as amantes do rei, destacou-se a marquesa de Pompadour, que o influenciou fortemente, sobretudo na área da política externa.
Luís XVI Luís XVI de Bourbon, nascido em 23 de agosto de 1754 em Versalhes e executado em 21 de Janeiro de 1793 em Paris, foi rei da França (1774-1791), depois rei dos Franceses (1791-1792). Era filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxônia e esposo de Maria Antonieta da Áustria (com quem se casou com 16 anos). Luís XVI foi um chaveiro amador, tímido, míope, por demais influenciável e irresoluto, mesmo sendo verdade que o seu passatempo favorito era desmontar fechaduras,  Luís XVI foi na verdade um rei bem-intencionado e mal-aconselhado.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeuSociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeu
Profdaltonjunior
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Rodrigo Vaz Rui
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime Conceitos
Isabel Ribeiro
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Giana Araujo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Ana Batista
 
Crise do antigo regime
Crise do antigo regimeCrise do antigo regime
Crise do antigo regime
Jorge Marcos Oliveira
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceção
Zé Mário
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Tavinho Koneski Westphal
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
Joana Filipa Rodrigues
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
Susana Simões
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Murilo Benevides
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Professor Marcelo
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
Vítor Santos
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismo
edna2
 

Mais procurados (19)

Sociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeuSociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeu
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime Conceitos
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Crise do antigo regime
Crise do antigo regimeCrise do antigo regime
Crise do antigo regime
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceção
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismo
 

Destaque

Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
betepa
 
Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
profnelton
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
marcos ursi
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
Juray Castro
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Gilmar Rodrigues
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
Maria Gomes
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
profalced04
 
Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola Municipal do Bairro Jardim das Rosas
 

Destaque (14)

Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
 
Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!Escola: Aventura do Conhecimento!
Escola: Aventura do Conhecimento!
 

Semelhante a Slide historia

Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Ana Cristina F
 
Trabalho sobre a revolução francesa
Trabalho sobre a revolução francesaTrabalho sobre a revolução francesa
Trabalho sobre a revolução francesa
elaniasf
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
Gustavo Cuin
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
Laguat
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
Laguat
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
Gustavo Cuin
 
Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)
Gesiane Flor de Lotus
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
Isabella Silva
 
Magnoliviafinalja
MagnoliviafinaljaMagnoliviafinalja
Magnoliviafinalja
carolineborba
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Joana Alves
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdfSlide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
HyagoCarlos3
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ssuser05d3dd
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
PedroHorta17
 
Magnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
MagnoliviafinalufaaaaaaaaaaaaMagnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
Magnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
carolineborba
 
Antigo do regime 1
Antigo do regime 1Antigo do regime 1
Antigo do regime 1
Ócio do Ofício
 
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão BonaparteDa Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Darlene Celestina
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Isabel Aguiar
 

Semelhante a Slide historia (20)

Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Trabalho sobre a revolução francesa
Trabalho sobre a revolução francesaTrabalho sobre a revolução francesa
Trabalho sobre a revolução francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa Cap. 1 Revolução Francesa
Cap. 1 Revolução Francesa
 
2013 2o. ano 1o
2013   2o. ano 1o2013   2o. ano 1o
2013 2o. ano 1o
 
2013 2o. ano 1o(1)
2013   2o. ano 1o(1)2013   2o. ano 1o(1)
2013 2o. ano 1o(1)
 
Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
 
Magnoliviafinalja
MagnoliviafinaljaMagnoliviafinalja
Magnoliviafinalja
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdfSlide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
 
Magnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
MagnoliviafinalufaaaaaaaaaaaaMagnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
Magnoliviafinalufaaaaaaaaaaaa
 
Antigo do regime 1
Antigo do regime 1Antigo do regime 1
Antigo do regime 1
 
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão BonaparteDa Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

Slide historia

  • 1. Célia,Nathalya,Stéphany,Ana Carolina,Cayo,Marianne e Paulo Henrique. 2m1 O Antigo Regime Francês
  • 2. Paulo Henrique 1. Crise do Feudalismo
  • 3. O feudalismo foi um sistema político, econômico e social que predominou durante toda a Idade Média. Mas, já no final da Idade Média, o uso da terra, fundamental para o povo naquele período, foi perdendo a força. Os campos foram abandonados e o comércio nascia fortalecido.Depois de longos anos de devastação e desordem, começava certa estabilidade econômica. O castelo, centro das atividades econômicas,ia perdendo sua importância. O progresso do comércio artesanal, as feiras medievais, a cidade burguesa incompatível com o feudo ofereciam chances de lucro e atrativos do comércio.
  • 4. A partir do século XII, ocorreram várias transformações na Europa que contribuíram para a crise do sistema feudal: *O renascimento comercial impulsionado, principalmente, pelas Cruzadas; ·**O aumento da circulação das moedas, principalmente nas cidades. Este fator desarticulou o sistema de trocas de mercadorias, característica principal do feudalismo; · *Desenvolvimento dos centros urbanos, provocando o êxodo rural (saída de pessoas da zona rural em direção às cidades). Muitos servos passaram a comprar sua liberdade ou fugir, atraídos por oportunidades de trabalho nos centros urbanos; · 
  • 5. * *As Cruzadas proporcionaram a volta do contato da Europa com o Oriente, quebrando o isolamento do sistema feudal; *O surgimento da burguesia, nova classe social que dominava o comércio e que possuía alto poder econômico. Esta classe social foi, aos poucos, tirando o poder dos senhores feudais;   *Com o aumento dos impostos, proporcionados pelo desenvolvimento comercial, os reis passaram a contratar exércitos profissionais. Este fato desarticulou o sistema de vassalagem, típico do feudalismo.
  • 6. 2. O Antigo regime Paulo Henrique
  • 7. Durante o Antigo Regime a sociedade francesa encontrava-se dividida em três ordens, estamentos ou estados: o clero (Primeiro Estado), a nobreza (Segundo Estado) e o Terceiro Estado, que representava a burguesia e os camponeses.Cada estado tinha direito a um voto nas decisões das assembleias (Estados Gerais). Essa divisão era considerada injusta, pois a nobreza e o clero, que nesse sistema tinham direito a um voto cada, compunham na verdade um só grupo, já que o Estado era vinculado à Igreja Católica na época.Esse estilo de governo marcou a Europa na Idade Moderna. Na esfera política, era caracterizado pelo absolutismo, ou seja, uma monarquia absolutista, na economia, vigorava o mercantilismo, marcado pelo acúmulo de capital realizado pelas nações.
  • 8.
  • 9. Com o enfraquecimento do poder feudal, o absolutismo começou a dominar a França. Naquela época os poderes eram dividos em estados. O primeiro estado, que era formado pelo clero. O segundo estado, formado pelos nobrezes, onde se localizava também o rei e o terceiro estado, que eram os camponeses e burgueses. O terceiro estado era constituído por 98% da população da França. O absolutismo era um sistema político e administrativo que prevaleceu na França no final da Idade Media. O poder começou a se centralizar nas mãos do rei e não mais na dos senhores feudais. O rei concentrava praticamente todos os poderes. Ele governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política. A teoria do poder absoluto, apresentava o rei como representante de Deus na Terra, esse poder era denominado como "direito divino", por tanto, somente a ele devia prestar contas.
  • 10. O rei começa a cobrar os impostos que antes eram pago para os senhores feudais. Ele criava leis sem autorização ou aprovação política da sociedade. Criava impostos, taxas e obrigações de acordo com seus interesses econômicos. Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre que se concentrava no terceiro estado.  A nobreza e o clero estavam isentos de impostos, o que fazia com que só a burguesia fosse obrigada a sustentar o governo.  O rei ele só tinha o poder porque ele tinha seu exercito rigoroso.  Para a maioria dos nobres, que tinham perdido suas terras e rendas feudais, o rei concedia pensões, privilégios, além dos rendimentos dos melhores cargos do Estado.
  • 11. Célia 6. O Novo papel do exercito
  • 12. O papel do exercito foi para o rei conseguir ter o poder absoluto ou seja,conquistando território ,e para conseguir queria fazia ameaça caso fosse contra sua vontade.Com o exercito o rei ganha poder absoluto e o exercito fica sendo o mais poderoso da Europa. O rei investia a maior parte da arrecadação de impostos para equipa e pagar o exercito,impostos esses que saiam do 3 Estado que eram os camponeses ,artesões,burgueses,etc... Até mesmo o rei participava do exercito, sendo o mandante, e era ele que escolhia as pessoas que iam participar desse exercito.
  • 13. Nathalya 7. A situação da Nobreza
  • 14. A nobreza era a camada social dominante, o nascimento e a tradição de um indivíduo eram importantes para se ter privilégios sociais, e permaneciam relações típicas do feudalismo, tais como a servidão e a apropriação de rendas dos camponeses e arrendatários por alguns nobres. A sociedade de ordens era a mesma da Idade Média: o clero era a primeira ordem, a nobreza a segunda e a burguesia e as camadas populares formavam a terceira. A Nobreza que era um grupo muito fechado que vivia em luxo, definido pela condição de nascimento, e acumulava altos cargos administrativos e funções militares. Havia a nobreza de sangue que vivia dessa condição devido a títulos ganhos pelos seus antepassados, e ainda a nobreza de toga, que ganhara o título de nobre do rei por mérito e capacidades pessoais. Isentos do pagamento de impostos, a nobreza continuava a cobrar direitos senhoriais e nalgumas regiões ainda estava em funcionamento o tribunal senhorial, interno. Viviam na opulência com maior preocupação em exibir a sua riqueza, comprando luxos, que em investir para o desenvolvimento do país.
  • 15. A nobreza que acompanhava o monarca era uma classe exclusivamente parasitária, geralmente vivendo na corte do rei, e não tendo ocupação definida, a não ser o apoio irrestrito ao rei e o controle militar de certa região a favor do monarca. Qualquer oposição oriunda das camadas mais populares podia ser violentamente reprimida pelas forças do rei. Note-se que absolutismo e despotismo, apesar de similares, diferem pelo fato de o absolutismo ter uma base teórica e o despotismo ser uma espécie de corrupção do absolutismo, onde o monarca age deliberadamente sem qualquer preocupação teórica, social, política ou religiosa. A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime.Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza.
  • 16. Ana Carolina 8. O Papel da Igreja no Antigo Regime 9.Mercantilismo
  • 17. A Igreja Católica representou um papel fundamental na formação e consolidação do período absoluto.A Igreja Católica dominava o cenário religioso,a igreja influenciava o modo de pensar,a psicologia e as formas de comportamento, a igreja também tinha grande poder econômico,pois possuía terras em grande quantidade. Naquela época o padre celebrava a miséria de frente para Deus,a maioria das pessoas acreditava em Deus ,por opção os religiosos escolhem o catolicismo(Católicos) Controlando a Fé , a Igreja normatizava os costumes,a produção cultural,o comportamento e sobretudo, a ordem social.Aqueles que se desviavam de suas normas eram rigorosamente punidos. O comercio do dinheiro , ou seja, emprestou dinheiro a alguém cobrando-lhe juros era ainda algo mais condenável.Embora hoje essas condenações pareçam estranhas,na época elas estavam perfeitamente de acordo com a realidade.
  • 18. A igreja aumentava os impostos para manter o luxo e as dividas da corte.O Rei e a Igreja eram os que tinham o poder,eles eram respeitados por todos. A serviço de Deus,os membros do clero cumpriram um rigoroso regime de obediência e disciplina.
  • 19. Célia 10. As condições das classes mais baixas
  • 20. As classes menos favorecidas eram os burgueses,mais especificamente os camponeses,trabalhadores,artesões,etc.. Que se situava no 3º Estado, e esse 3 º Estado era divido em camponeses rurais e urbanos. O 3º Estado era o único que pagava os impostos assim o 1 º Estado e o 2 º ficavam nos privilégios.Como só eles pagavam os impostos, eles ficavam numa situação ‘’apertada’’, levando eles á ficarem na miséria,vivia a base de pão, e suas casas em péssimas condições. Portanto exegiam melhorias,então Luís XVI teve que convoca a assembléia dos Estados Gerais,mais mesmo assim nada foi resolvido,porque sempre o 1 º e o 2º Estado ganhavam,pois era um voto por cada Estado,levando os camponeses ás ruas, e assim levando a Queda da Bastilha. E foram os camponeses urbanos que inciaram a Revolução Francesa, e assim mudando radicalmente a Historia da França.
  • 21. Marianne 11.Luís XIV e seu governo.
  • 22. Luís XIV de Bourbon conhecido como "Rei-Sol", foi o maior monarca absolutista da França, e reinou de 1643 a 1715. A ele é atribuída a famosa frase: " L'État c'est moi " (O Estado sou eu), apesar de grande parte dos historiadores achar que isso é apenas um mito. Construiu o Palácio dos Inválidos e o luxuoso Palácio de Versalhes, perto de Paris, onde faleceu em 1715.
  • 23. Cayo 12.Luís XV e seu Governo 13. Luís XVI e seu Governo
  • 24. Luís XV Luís XV de Bourbon (Versalhes, 15 de Fevereiro de 1710 – 10 de Maio de 1774) era filho de Luís, duque de Borgonha, e de Maria Adelaide de Sabóia. Foi o Rei da França entre 1715 e 1774, ele sucedeu o trono de seu bisavô Luís XIV Luís XV tinha uma personalidade curiosa e de mente aberta. Ele era um ávido leitor, e tinha um gosto eclético. Apesar de tradicionalmente ser conhecido como homem votado ao prazer e aos caprichos, Luís XV proporcionou ao Reino prosperidade econômica e destacar no plano intelectual e das artes. Entre as amantes do rei, destacou-se a marquesa de Pompadour, que o influenciou fortemente, sobretudo na área da política externa.
  • 25. Luís XVI Luís XVI de Bourbon, nascido em 23 de agosto de 1754 em Versalhes e executado em 21 de Janeiro de 1793 em Paris, foi rei da França (1774-1791), depois rei dos Franceses (1791-1792). Era filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxônia e esposo de Maria Antonieta da Áustria (com quem se casou com 16 anos). Luís XVI foi um chaveiro amador, tímido, míope, por demais influenciável e irresoluto, mesmo sendo verdade que o seu passatempo favorito era desmontar fechaduras, Luís XVI foi na verdade um rei bem-intencionado e mal-aconselhado.
  • 26.