SlideShare uma empresa Scribd logo
APARELHO URINÁRIO
SINAIS E SINTOMAS
Micção dolorosa/ardência ao
urinar
DISÚRIA
DISÚRIA
 É a micção dolorosa ou difícil
 Geralmente reflete infecção urinária baixa,em
especial nas mulheres
 Acompanha-se comumente de
polaciúria,urgência ou hesitação urinárias
DISÚRIA
 Resulta da irritação ou inflamação do trato
urinário baixo, o que estimula as terminações
nervosas na bexiga e na uretra.
 A dor imediatamente antes da micção
geralmente indica irritação ou distensão da
bexiga,enquanto a dor no início da micção
resulta da irritação no trato de saída da
bexiga.
DISÚRIA
 A dor ao término da micção pode
assinalar espasmos vesicais; nas
mulheres, pode indicar a candidíase
vaginal
Anamnese
 Qual intensidade? Qual a localização?
 Quando notou pela primeira vez?
 O que precipitou?
 O que agrava?
 O que alivia?
 Infecções urinárias prévias?
 Algum procedimento invasivo?
Anamnese
 Transtornos menstruais?
 Usou produtos que irritam o trato urinário?
(ex.sais de banho,desodorantes femininos,
géis anticoncepcionais ou loções perineais)
 Secreção ou prurido vaginal?
Causas Clínicas
 Apendicite
 Câncer de bexiga
 Cistite
 Diverticulite
 Inflamação da glândula parauretral
 Obstrução urinária
 Pielonefrite
 Prostatite
Causa Clínicas
 Síndrome de Reiter
 Síndrome uretral
 Uretrite
 Vaginite
Outras Causas
 Irritantes químicos
 Drogas: uso de inibidores da monoamina
oxidase (IMAO)
SANGUE NA URINA
HEMATÚRIA
HEMATÚRIA
 É a presença anormal de sangue na urina
 Definida estritamente, significa três ou mais
hemácias por campo microscópico de grande
aumento, na urina
 A hematúria microscópica é confirmada por
um teste de sangue oculto
 A hematúria macroscópica é visível,
imediatamente.
Pseudo-hematúria
 A urina não apresenta sedimento vermelho
 Drogas: rifampicina,fenitoína,laxativos com
fnolftaleína,clorzoxazona,fenazopiridina,doxorr
ubicina,fensuximida,daunomicina.
 Ingesta de beterraba,amoras,ou alimentos
com corantes rubros.
 Porfirinúria
 Excreção de uratos
Características
 Hematúria macroscópica pode ser contínua
ou intermitente
 Frequentemente acompanhada de dor
 Pode ser agravada por períodos prolongados
em pé,ou caminhando.
Classificação
 Hematúria inicial: Indica geralmente doença
da uretra
 Hematúria terminal: Indica doença do colo
vesical, uretra posterior ou próstata
 Hematúria total: Doença acima do colo da
bexiga
Mecanismos
 1-Rotura de vasos no sistema
renal
 2-Filtração glomerular
dificultada
A cor da urina sanguinolenta
 Sangue escuro ou castanho indica
sangramento do trato urinário superior
 Sangue vermelho-vivo é indicativo de
sangramento no trato urinário inferior
Causas não renais
 Doenças prostáticas
 Doenças vaginais
 Doenças da coagulação
 Efeitos de drogas
 Hematúria não patológica:febre e estados
hipercatabólicos
 Hematúria transitória pode se seguir ao
exercício extenuante
Anamnese e exame físico
 Quando notou a primeira vez?
 A intensidade é variável entre as micções?
 É pior no começo,meio ou fim da micção?
 Elimina coágulos?
 Hemorróidas?Menstruação?
 Há dor?queimação?
 Traumatismo abdominal?
 Usa anticoagulante?
Exame físico
 Sinal de Giordano positivo?
Causas de hematúria
 Câncer de bexiga
 - Câncer de rim
 - Câncer de próstata
 - Câncer de uretra
 - Câncer de ureteres
 - Urolitíase (“pedra no trato urinário”)
 - Infecção do trato urinário
Causa de hematúria
 - Pielonefrite (“infecção nos rins”)
 - Hipertrofia Prostática Benigna
 Doenças renais de causas imunológicas,
hipertensiva ou diabética
 - Cistite (irritação na bexiga)
 - Prostatite (infecção na próstata)
 - Trauma no trato urinário
 - Exercício físico intenso
Eliminação incontrolável da urina
INCONTINÊNCIA URINÁRIA
Incontinência urinária
 De forma geral a incontinência urinária ocorre
quando, a pressão dentro da bexiga excede
aquela que se verifica dentro da uretra ou seja há
um aumento considerável da pressão para urinar
dentro da bexiga, isso ocorre durante a fase de
enchimento do ciclo de micção.
 É definida como a perda involuntária de urina,
provocando por vezes certo constrangimento à
pessoa.
 A incontinência urinária também pode ser
designada de Enurese quando ocorre com maior
frequência à noite em meninas a partir dos 5 anos
e meninos a partir dos 6 anos.
Tipos
 Bexiga hiperativa, causada por contrações
inadequadas do músculo detrusor durante a
fase de armazenamento do ciclo miccional -
Processo inicial anterior ao ato de urinar
 Incontinência de esforço, relacionada com a
disfunção do esfíncter uretral, ou seja um
afrouxamento muscular do esfíncter
 Incontinência mista, que resulta da
combinação destas duas situações
Outros Tipos
 Incontinência de sobrefluxo - Quando o
excesso de urina normalmente retido na
bexiga, sai involuntáriamente
 Gotejamento pós-miccional - Causado em
parte por disfunção do esfíncter
 Incontinências diurna e noturna (enurese
noturna), nas crianças - Ocorre com maior
frequência em crianças devido a um estado
emocional de insegurança por exemplo ou
inflamação da bexiga.
Micção excessiva durante a noite
NICTÚRIA
NICTÚRIA
 Pode resultar de interrupção do padrão diurno
normal da concentração de urina ou da
estimulação excessiva dos nervos e músculos
que controlam a micção.
 Causas:Distúrbios renais ou do trato urinário
inferior,pode resultar de certos distúrbios
cardiovasculares,endócrinos e
metabólicos.Uso de diuréticos ingeridos a
noite,ou ingestão de líquidos em grandes
volumes a noite, especialmente bebidas com
cafeína ou alcool antes de dormir.
Fluxo urinário anormalmente diminuído
OLIGÚRIA
OLIGÚRIA-definição
 Clinicamente, oligúria é um sinal definido por
um débito urinário < 400 mL/24h ou < 30mL/h
 É importante diferenciar oligúria de anúria,
que é definida por um débito urinário <100
mL/24h.
E a diurese normal?
 Um débito urinário de 800 – 1.800 mL/ 24h é
considerado normal
Fisiologia
 Os rins recebem um fluxo sanguíneo de
1.100mL/min – cerca de 23% do débito
cardíaco.
 • Isso se justifica:
1)SANGUE -> PLASMA -> FILTRAÇÃO
GLOMERULAR
2)INTENSA -> REGULAÇÃO DOS LÍQUIDOS
CORPORAIS E DAS CONCENTRAÇÕES
DOS SOLUTOS
Oligúria : Diagnósticos
Diferenciais
 1)Causas Pré-renais: Redução na Ingestão de
Água; Desidratação sem reposição de
líquidos/eletrólitos (ex.: diarréias);Oclusão
bilateral de artéria ou veia renal;parada
cardíaca;hemorragias.
 2)Causas intra-renais: glomerulonefrites,
pielonefrites, necrose tubular aguda, ins. Renal
crônica.
 3)Causas pós renais: Obstruções:HPB, neoplasia
de bexiga, cálculos, fibrose retro-peritonial,
estenose uretral.
EXCESSO DE MICÇÃO
POLIÚRIA
Poliúria
 Poliúria: É o nome dado ao excesso de
produção de urina. Normalmente quando o
volume é maior que 2,5 a 3 litros por dia.
 A poliúria pode ser apropriada, quando o
paciente ingere muito líquido e precisa
eliminá-lo, ou inapropriada, quando não há
grande ingestão de líquidos e esse excesso
de urina leva a desidratação. O primeiro é
uma resposta fisiológica enquanto que o
segundo é um sinal de doença.
Causas de poliúria
 Anemia falciforme
 Diabetes insípido
 Diabetes melito
 Glomerulonefrite
 Hipercalcemia
 Hipopotasemia
 Necrose tubular aguda
 Pielonefrite
Causas de poliúria
 Polidipsia psicogênica
 Síndrome de Sheehan
 Uropatia pós-obstrutiva
Necessidade de urinar com frequencia
POLACIÚRIA
POLACIÚRIA-Definição
 Polaciúria (polaquiúria): É o aumento da
frequência do ato de urinar, mas com o
volume total ao longo do dia dentro da faixa
da normalidade. Trata-se daquela pessoa que
vai ao banheiro várias vezes mas urina
sempre pequenas quantidades.
Causas de polaciúria
 A polaciúria é um sintoma clássico da cistite. A bexiga
quando inflamada não consegue reter grandes
quantidades de líquido, por isso, pequenos volumes
de urina já causam vontade de urinar. Muitas vezes
existe vontade de urinar e não há quase nenhuma
urina para eliminar.
 Outro caso de polaciúria são as doenças da próstata.
A próstata aumentada atrapalha a saída da urina,
dificultando o esvaziamento completo da bexiga.
Como a bexiga está sempre com algum volume
residual, ela se enche mais rapidamente e a vontade
de urinar ocorre com mais frequência.
Cólica nefrética
Cólica renal
Cólica Renal-introdução
 A dor aguda proveniente do trato urinário
superior, chamada de cólica renal, é uma das
urgências urológicas mais freqüentes,
exigindo do especialista, ou do plantonista em
unidades de emergência, diagnóstico rápido e
preciso além de terapêutica eficiente.
Cólica Renal-conceito
 A cólica renal é resultado de obstrução aguda
do ureter em qualquer de suas porções,
desde a junção uretero-piélica (JUP) até o
meato ureteral. A obstrução à drenagem
ureteral causa imediata elevação da pressão
intraluminar da pelve, com consequente
dilatação aguda e dor.
Diagnóstico
 O quadro clínico é de dor lombar em cólica, muito
intensa, com irradiação ântero-inferior que pode
atingir o hipogástrio ou os genitais. Estas
características, podem variar de acordo com a
posição da obstrução, sendo mais comuns
naquelas do terço proximal do ureter.
 Quando a interrupção ao fluxo urinário ocorre no
terço distal, a cólica pode iniciar-se na fossa ilíaca
ipsilateral e irradiar-se no sentido ântero-inferior
e/ou póstero-superior, e provocar sintomas
irritativos vesicais como disúria, polaciúria e
sensação de resíduo pós-miccional
DIAGNÓSTICO
 Uma característica marcante da cólica ureteral é a
grande intensidade da dor e a falta de fatores de
melhora ou piora. Apesar de intermitente, os ciclos de
dor não respeitam um padrão de aparecimento,
sendo geralmente inesperados, deixando os
pacientes agitados e irritados.
 Náuseas e vômitos estão freqüentemente associados
aos episódios mais intensos de cólica nefrética,
independentemente do ponto de obstrução, em
conseqüência aos reflexos viscero-viscerais
renointestinais. Num grande número de pacientes
também podem ser observados sintomas de
descarga adrenérgica como palidez cutânea,
sudorese e taquicardia.
DIAGNÓSTICO
 O exame físico revela dor abdominal difusa com
pontos de maior intensidade, de acordo com a
posição do cálculo.
 Obstruções ao nível do ureter proximal provocam
maior sensibilidade à palpação do hipocôndrio
ipsilateral, enquanto obstruções do ureter terminal
tornam as fossas ilíacas as regiões mais dolorosas.
 A punho-percussão lombar da loja renal é geralmente
muito dolorosa e deve ser realizada delicadamente,
com intensidade progressiva. Este achado não
identifica o ponto de obstrução porque é secundário à
dilatação da cápsula renal que ocorre
independentemente da região ureteral acometida.
Sinais e sinomas do ap.urinário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
luzienne moraes
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
Paulo Rodrigo Pinto
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Icterícia 2014
Icterícia 2014Icterícia 2014
Icterícia 2014
pauloalambert
 
Incontinência urinária
Incontinência urináriaIncontinência urinária
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
dapab
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
pauloalambert
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
pauloalambert
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
pauloalambert
 
Hernias inguinais
Hernias inguinaisHernias inguinais
Hernias inguinais
Graciela Luongo
 
Semiologia urológica
Semiologia urológicaSemiologia urológica
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
pauloalambert
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
pauloalambert
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.AlambertNáuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
pauloalambert
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
Fernando de Oliveira Dutra
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
Romeu Gonzaga
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 

Mais procurados (20)

Doença diverticular
Doença diverticularDoença diverticular
Doença diverticular
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Icterícia 2014
Icterícia 2014Icterícia 2014
Icterícia 2014
 
Incontinência urinária
Incontinência urináriaIncontinência urinária
Incontinência urinária
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Hernias inguinais
Hernias inguinaisHernias inguinais
Hernias inguinais
 
Semiologia urológica
Semiologia urológicaSemiologia urológica
Semiologia urológica
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.AlambertNáuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 

Destaque

Analise urina
Analise urinaAnalise urina
Analise urina
mfatimacnunes
 
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDEPREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
Yuri Assis
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
jhonifer washington
 
Fisiologia do sistema renal
Fisiologia do sistema renalFisiologia do sistema renal
Fisiologia do sistema renal
Adriana Quevedo
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex MellerAula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Alex Meller
 
Edema
EdemaEdema
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
Rosimeire Areias
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Cláudia Moura
 
Sistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slidesSistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slides
Fabiano Reis
 
Sistema UrináRio
Sistema UrináRioSistema UrináRio
Sistema UrináRio
rukka
 

Destaque (11)

Analise urina
Analise urinaAnalise urina
Analise urina
 
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDEPREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
PREVENÇÃO DA INFECÇÃO URINÁRIA ASSOCIADA AO CUIDADO DE SAÚDE
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Fisiologia do sistema renal
Fisiologia do sistema renalFisiologia do sistema renal
Fisiologia do sistema renal
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex MellerAula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
 
Edema
EdemaEdema
Edema
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Sistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slidesSistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slides
 
Sistema UrináRio
Sistema UrináRioSistema UrináRio
Sistema UrináRio
 

Semelhante a Sinais e sinomas do ap.urinário

Sinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urináriosSinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urinários
pauloalambert
 
Semiología genito urinaria final
Semiología genito urinaria  finalSemiología genito urinaria  final
Semiología genito urinaria final
Dr madhumati Varma
 
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e GastrointestinalAssistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Ranther Rcc
 
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Diego1751
 
Guia pratico de urologia
Guia pratico de urologiaGuia pratico de urologia
Guia pratico de urologia
Guia pratico de urologiaGuia pratico de urologia
Guia pratico de urologiaSamuel Abner
 
Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14
Liberty Ensino
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Incontinência Urinária e Fecal
Incontinência Urinária e FecalIncontinência Urinária e Fecal
Incontinência Urinária e Fecal
Nome Sobrenome
 
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
SocorroClaudino2
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
GiselyDallIgna
 
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdfAula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
FranciscoFlorencio6
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
clinicansl
 
Semiologia nefrourinaria
Semiologia nefrourinariaSemiologia nefrourinaria
Semiologia nefrourinaria
Jucie Vasconcelos
 
Incontinência urinaria
Incontinência urinaria Incontinência urinaria
Incontinência urinaria
Sabrina Abrantes
 
Incontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulherIncontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulher
Patricia de Rossi
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
vanessa270433
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte I
NEELLITON SANTOS
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 

Semelhante a Sinais e sinomas do ap.urinário (20)

Sinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urináriosSinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urinários
 
Semiología genito urinaria final
Semiología genito urinaria  finalSemiología genito urinaria  final
Semiología genito urinaria final
 
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e GastrointestinalAssistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
 
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
 
Guia pratico de urologia
Guia pratico de urologiaGuia pratico de urologia
Guia pratico de urologia
 
Guia pratico de urologia
Guia pratico de urologiaGuia pratico de urologia
Guia pratico de urologia
 
Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Incontinência Urinária e Fecal
Incontinência Urinária e FecalIncontinência Urinária e Fecal
Incontinência Urinária e Fecal
 
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
 
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdfAula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
 
Semiologia nefrourinaria
Semiologia nefrourinariaSemiologia nefrourinaria
Semiologia nefrourinaria
 
Incontinência urinaria
Incontinência urinaria Incontinência urinaria
Incontinência urinaria
 
Incontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulherIncontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulher
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Doenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte IDoenças gastrointestinal - parte I
Doenças gastrointestinal - parte I
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
 

Mais de Paulo Alambert

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
Paulo Alambert
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
Paulo Alambert
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
Paulo Alambert
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
Paulo Alambert
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
Paulo Alambert
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
Paulo Alambert
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
Paulo Alambert
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
Paulo Alambert
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
Paulo Alambert
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Paulo Alambert
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
Paulo Alambert
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
Paulo Alambert
 
Gota
GotaGota
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
Paulo Alambert
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Paulo Alambert
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
Paulo Alambert
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
Paulo Alambert
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Paulo Alambert
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
Paulo Alambert
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
Paulo Alambert
 

Mais de Paulo Alambert (20)

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
 

Sinais e sinomas do ap.urinário

  • 3. DISÚRIA  É a micção dolorosa ou difícil  Geralmente reflete infecção urinária baixa,em especial nas mulheres  Acompanha-se comumente de polaciúria,urgência ou hesitação urinárias
  • 4. DISÚRIA  Resulta da irritação ou inflamação do trato urinário baixo, o que estimula as terminações nervosas na bexiga e na uretra.  A dor imediatamente antes da micção geralmente indica irritação ou distensão da bexiga,enquanto a dor no início da micção resulta da irritação no trato de saída da bexiga.
  • 5. DISÚRIA  A dor ao término da micção pode assinalar espasmos vesicais; nas mulheres, pode indicar a candidíase vaginal
  • 6. Anamnese  Qual intensidade? Qual a localização?  Quando notou pela primeira vez?  O que precipitou?  O que agrava?  O que alivia?  Infecções urinárias prévias?  Algum procedimento invasivo?
  • 7. Anamnese  Transtornos menstruais?  Usou produtos que irritam o trato urinário? (ex.sais de banho,desodorantes femininos, géis anticoncepcionais ou loções perineais)  Secreção ou prurido vaginal?
  • 8. Causas Clínicas  Apendicite  Câncer de bexiga  Cistite  Diverticulite  Inflamação da glândula parauretral  Obstrução urinária  Pielonefrite  Prostatite
  • 9. Causa Clínicas  Síndrome de Reiter  Síndrome uretral  Uretrite  Vaginite
  • 10. Outras Causas  Irritantes químicos  Drogas: uso de inibidores da monoamina oxidase (IMAO)
  • 12. HEMATÚRIA  É a presença anormal de sangue na urina  Definida estritamente, significa três ou mais hemácias por campo microscópico de grande aumento, na urina  A hematúria microscópica é confirmada por um teste de sangue oculto  A hematúria macroscópica é visível, imediatamente.
  • 13. Pseudo-hematúria  A urina não apresenta sedimento vermelho  Drogas: rifampicina,fenitoína,laxativos com fnolftaleína,clorzoxazona,fenazopiridina,doxorr ubicina,fensuximida,daunomicina.  Ingesta de beterraba,amoras,ou alimentos com corantes rubros.  Porfirinúria  Excreção de uratos
  • 14. Características  Hematúria macroscópica pode ser contínua ou intermitente  Frequentemente acompanhada de dor  Pode ser agravada por períodos prolongados em pé,ou caminhando.
  • 15. Classificação  Hematúria inicial: Indica geralmente doença da uretra  Hematúria terminal: Indica doença do colo vesical, uretra posterior ou próstata  Hematúria total: Doença acima do colo da bexiga
  • 16. Mecanismos  1-Rotura de vasos no sistema renal  2-Filtração glomerular dificultada
  • 17. A cor da urina sanguinolenta  Sangue escuro ou castanho indica sangramento do trato urinário superior  Sangue vermelho-vivo é indicativo de sangramento no trato urinário inferior
  • 18. Causas não renais  Doenças prostáticas  Doenças vaginais  Doenças da coagulação  Efeitos de drogas  Hematúria não patológica:febre e estados hipercatabólicos  Hematúria transitória pode se seguir ao exercício extenuante
  • 19. Anamnese e exame físico  Quando notou a primeira vez?  A intensidade é variável entre as micções?  É pior no começo,meio ou fim da micção?  Elimina coágulos?  Hemorróidas?Menstruação?  Há dor?queimação?  Traumatismo abdominal?  Usa anticoagulante?
  • 20. Exame físico  Sinal de Giordano positivo?
  • 21. Causas de hematúria  Câncer de bexiga  - Câncer de rim  - Câncer de próstata  - Câncer de uretra  - Câncer de ureteres  - Urolitíase (“pedra no trato urinário”)  - Infecção do trato urinário
  • 22. Causa de hematúria  - Pielonefrite (“infecção nos rins”)  - Hipertrofia Prostática Benigna  Doenças renais de causas imunológicas, hipertensiva ou diabética  - Cistite (irritação na bexiga)  - Prostatite (infecção na próstata)  - Trauma no trato urinário  - Exercício físico intenso
  • 23. Eliminação incontrolável da urina INCONTINÊNCIA URINÁRIA
  • 24. Incontinência urinária  De forma geral a incontinência urinária ocorre quando, a pressão dentro da bexiga excede aquela que se verifica dentro da uretra ou seja há um aumento considerável da pressão para urinar dentro da bexiga, isso ocorre durante a fase de enchimento do ciclo de micção.  É definida como a perda involuntária de urina, provocando por vezes certo constrangimento à pessoa.  A incontinência urinária também pode ser designada de Enurese quando ocorre com maior frequência à noite em meninas a partir dos 5 anos e meninos a partir dos 6 anos.
  • 25. Tipos  Bexiga hiperativa, causada por contrações inadequadas do músculo detrusor durante a fase de armazenamento do ciclo miccional - Processo inicial anterior ao ato de urinar  Incontinência de esforço, relacionada com a disfunção do esfíncter uretral, ou seja um afrouxamento muscular do esfíncter  Incontinência mista, que resulta da combinação destas duas situações
  • 26. Outros Tipos  Incontinência de sobrefluxo - Quando o excesso de urina normalmente retido na bexiga, sai involuntáriamente  Gotejamento pós-miccional - Causado em parte por disfunção do esfíncter  Incontinências diurna e noturna (enurese noturna), nas crianças - Ocorre com maior frequência em crianças devido a um estado emocional de insegurança por exemplo ou inflamação da bexiga.
  • 27. Micção excessiva durante a noite NICTÚRIA
  • 28. NICTÚRIA  Pode resultar de interrupção do padrão diurno normal da concentração de urina ou da estimulação excessiva dos nervos e músculos que controlam a micção.  Causas:Distúrbios renais ou do trato urinário inferior,pode resultar de certos distúrbios cardiovasculares,endócrinos e metabólicos.Uso de diuréticos ingeridos a noite,ou ingestão de líquidos em grandes volumes a noite, especialmente bebidas com cafeína ou alcool antes de dormir.
  • 29. Fluxo urinário anormalmente diminuído OLIGÚRIA
  • 30. OLIGÚRIA-definição  Clinicamente, oligúria é um sinal definido por um débito urinário < 400 mL/24h ou < 30mL/h  É importante diferenciar oligúria de anúria, que é definida por um débito urinário <100 mL/24h.
  • 31. E a diurese normal?  Um débito urinário de 800 – 1.800 mL/ 24h é considerado normal
  • 32. Fisiologia  Os rins recebem um fluxo sanguíneo de 1.100mL/min – cerca de 23% do débito cardíaco.  • Isso se justifica: 1)SANGUE -> PLASMA -> FILTRAÇÃO GLOMERULAR 2)INTENSA -> REGULAÇÃO DOS LÍQUIDOS CORPORAIS E DAS CONCENTRAÇÕES DOS SOLUTOS
  • 33. Oligúria : Diagnósticos Diferenciais  1)Causas Pré-renais: Redução na Ingestão de Água; Desidratação sem reposição de líquidos/eletrólitos (ex.: diarréias);Oclusão bilateral de artéria ou veia renal;parada cardíaca;hemorragias.  2)Causas intra-renais: glomerulonefrites, pielonefrites, necrose tubular aguda, ins. Renal crônica.  3)Causas pós renais: Obstruções:HPB, neoplasia de bexiga, cálculos, fibrose retro-peritonial, estenose uretral.
  • 35. Poliúria  Poliúria: É o nome dado ao excesso de produção de urina. Normalmente quando o volume é maior que 2,5 a 3 litros por dia.  A poliúria pode ser apropriada, quando o paciente ingere muito líquido e precisa eliminá-lo, ou inapropriada, quando não há grande ingestão de líquidos e esse excesso de urina leva a desidratação. O primeiro é uma resposta fisiológica enquanto que o segundo é um sinal de doença.
  • 36. Causas de poliúria  Anemia falciforme  Diabetes insípido  Diabetes melito  Glomerulonefrite  Hipercalcemia  Hipopotasemia  Necrose tubular aguda  Pielonefrite
  • 37. Causas de poliúria  Polidipsia psicogênica  Síndrome de Sheehan  Uropatia pós-obstrutiva
  • 38. Necessidade de urinar com frequencia POLACIÚRIA
  • 39. POLACIÚRIA-Definição  Polaciúria (polaquiúria): É o aumento da frequência do ato de urinar, mas com o volume total ao longo do dia dentro da faixa da normalidade. Trata-se daquela pessoa que vai ao banheiro várias vezes mas urina sempre pequenas quantidades.
  • 40. Causas de polaciúria  A polaciúria é um sintoma clássico da cistite. A bexiga quando inflamada não consegue reter grandes quantidades de líquido, por isso, pequenos volumes de urina já causam vontade de urinar. Muitas vezes existe vontade de urinar e não há quase nenhuma urina para eliminar.  Outro caso de polaciúria são as doenças da próstata. A próstata aumentada atrapalha a saída da urina, dificultando o esvaziamento completo da bexiga. Como a bexiga está sempre com algum volume residual, ela se enche mais rapidamente e a vontade de urinar ocorre com mais frequência.
  • 42. Cólica Renal-introdução  A dor aguda proveniente do trato urinário superior, chamada de cólica renal, é uma das urgências urológicas mais freqüentes, exigindo do especialista, ou do plantonista em unidades de emergência, diagnóstico rápido e preciso além de terapêutica eficiente.
  • 43. Cólica Renal-conceito  A cólica renal é resultado de obstrução aguda do ureter em qualquer de suas porções, desde a junção uretero-piélica (JUP) até o meato ureteral. A obstrução à drenagem ureteral causa imediata elevação da pressão intraluminar da pelve, com consequente dilatação aguda e dor.
  • 44. Diagnóstico  O quadro clínico é de dor lombar em cólica, muito intensa, com irradiação ântero-inferior que pode atingir o hipogástrio ou os genitais. Estas características, podem variar de acordo com a posição da obstrução, sendo mais comuns naquelas do terço proximal do ureter.  Quando a interrupção ao fluxo urinário ocorre no terço distal, a cólica pode iniciar-se na fossa ilíaca ipsilateral e irradiar-se no sentido ântero-inferior e/ou póstero-superior, e provocar sintomas irritativos vesicais como disúria, polaciúria e sensação de resíduo pós-miccional
  • 45. DIAGNÓSTICO  Uma característica marcante da cólica ureteral é a grande intensidade da dor e a falta de fatores de melhora ou piora. Apesar de intermitente, os ciclos de dor não respeitam um padrão de aparecimento, sendo geralmente inesperados, deixando os pacientes agitados e irritados.  Náuseas e vômitos estão freqüentemente associados aos episódios mais intensos de cólica nefrética, independentemente do ponto de obstrução, em conseqüência aos reflexos viscero-viscerais renointestinais. Num grande número de pacientes também podem ser observados sintomas de descarga adrenérgica como palidez cutânea, sudorese e taquicardia.
  • 46. DIAGNÓSTICO  O exame físico revela dor abdominal difusa com pontos de maior intensidade, de acordo com a posição do cálculo.  Obstruções ao nível do ureter proximal provocam maior sensibilidade à palpação do hipocôndrio ipsilateral, enquanto obstruções do ureter terminal tornam as fossas ilíacas as regiões mais dolorosas.  A punho-percussão lombar da loja renal é geralmente muito dolorosa e deve ser realizada delicadamente, com intensidade progressiva. Este achado não identifica o ponto de obstrução porque é secundário à dilatação da cápsula renal que ocorre independentemente da região ureteral acometida.