SlideShare uma empresa Scribd logo
• Retenção urinária
• Incontinência urinária
• Cistite
 Sistema Urinário é
responsável pela
produção e
eliminação da urina,
possui a função de
filtrar as
"impurezas" do
sangue que circula
no organismo.
 A retenção urinária é definida como a
incapacidade total ou parcial de esvaziar a
bexiga.
 Aguda ou crônica:
 Na retenção aguda a pessoa não consegue
urinar, mesmo estando com a bexiga cheia;
 Na retenção crônica a pessoa pode ser capaz de
urinar, mas têm problemas para esvaziar
completamente a bexiga.
 Dificuldade em começar a urinar
 Dificuldade em esvaziar a bexiga totalmente
 Gotejamento ou fluxo de urina fraco
 Perda de pequenas quantidades de urina durante o dia
 Incapacidade de sentir quando a bexiga está cheia
 Aumento da pressão abdominal
 Falta de vontade de urinar
 Tensão e esforço para forçar a saída da urina da bexiga
 Micção frequente
 Noctúria (acordar mais de duas vezes à noite para urinar)
 Obstrutiva e/ou não obstrutiva:
 Se houver uma obstrução (por exemplo,
pedras nos rins), a urina não consegue fluir
livremente através do trato urinário.
 Causas não obstrutivas incluem músculo
fraco da bexiga e problemas nervosos que
interferem nos sinais entre o cérebro e a
bexiga.
 Aumento da próstata
• À medida que a próstata aumenta,
ela pode pressionar contra a uretra.
 Infecção
• As infecções podem causar sinais flogísticos no sistema urinário.
 Cirurgia
• Anestesia+fluidos= bexiga cheia e prejuízo do sistema nervoso.
 Medicação
• Medicamentos que deprimem o SNC.
 Constipação
• As fezes duras no reto podem pressionar contra a bexiga e uretra, causando o seu
fechamento.
 Estenose uretral
• Estreitamento da uretra.
 Cistocele e Retocele
• Uma cistocele ocorre quando a
parede entre a bexiga da
mulher e sua vagina enfraquece
e permite que a bexiga tombe
para dentro da vagina.
• Na retocele, o reto tomba para
dentro da parede da vagina.
 Urinar em pé em banheiros
públicos
 Urinar em pé não permite o total
relaxamento da musculatura do
assoalho pélvico (MAP) e dos
abdominais necessária à micção
normal. O resultado é que resta
na bexiga uma quantidade de
urina maior do que a normal,
aumentando o resíduo miccional.
 Não urinar fora de casa
 Segurar a urina por tempo
demais, faz com que o
desejo miccional seja
inibido. O resultado é que a
bexiga vai, com o tempo,
perdendo esta sensibilidade
e a frequência normal de
micções diárias vai
diminuindo.
 Posição durante a micção
 Para que a urina saia com
facilidade não basta estar apenas
confortavelmente sentada: as
pernas precisam estar afastadas
(no mínimo dois palmos uma da
outra) e os cotovelos apoiados nos
joelhos, em posição de descanso.
 Exame de urina.
 Tomografia da bexiga.
 Cistoscopia da bexiga.
 Raio-x e tomografia computadorizada.
 Exame de sangue para antígeno prostático específico.
 Exame do fluido da próstata.
 Amostra de fluido da próstata.
 Testes uridinâmicos.
 A complicação mais grave da retenção
urinária é a danificação da estrutura renal. O
acúmulo de urina favorece ainda as infecções
urinárias e a formação de cálculos.
 Autocateterismo:
 O cateterismo intermitente limpo (CIL) é uma
técnica para drenagem de urina da bexiga em
intervalos regulares.
 Mudanças no estilo de vida
 Alterações na dieta e na ingestão de líquidos
reeducação da bexiga
 Exercícios de Kegel
Objetivo: restaurar o
tônus muscular e
fortalecer o músculo
do assoalho pélvico.
 Medicamentos
 Alguns medicamentos ajudam o músculo da bexiga a
se contrair melhor e podem melhorar a sua
capacidade de urinar.
 Neuromodulação Sacral
 A neuromodulação sacral utiliza pulsos elétricos
suaves para modular os nervos que controlam a
bexiga e os nervos que controlam os músculos
relacionados com a micção. Isso ajuda o cérebro e os
nervos a se comunicar, de forma que a bexiga
consegue funcionar adequadamente
 É a perda involuntária da urina pela uretra.
 Sua prevalência é bastante elevada, atingindo
cerca de 50% das mulheres e 13% dos
homens entre 20 a 80 anos.
 A incontinência urinária é o tipo mais comum
de problema ocasionado pela fraqueza da
musculatura do assoalho pélvico (MAP). Por
este motivo essa é também a razão mais
comum para a prescrição de exercícios de
fortalecimento desta musculatura.
 Incontinência de esforço,
 Incontinência de urgência,
 Paradoxal ou de sobrefluxo,
 Funcional.
 As duas primeiras são as mais comuns.
 Incontinência urinária de esforço
• Liberação involuntária de urina, especialmente ao
tossir, espirrar ou rir.
• Vazamento de uma pequena a moderada
quantidade de urina.
 Incontinência urinária de urgência
• Incontrolável necessidade súbita de urinar
• Pode vazar uma quantidade de urina
moderada a grave.
 Incontinência urinária por transbordamento
• Vazamento de uma pequena quantidade de urina
• Jato urinário fraco
• Necessidade de se esforçar ao urinar e uma
sensação de que a bexiga não está vazia
• Uma necessidade urgente de urinar muitas vezes
durante a noite
• Vazamento de urina durante o sono.
 Incontinência urinária funcional
• A deficiência física ou intelectual o impede a
pessoa de ir até o banheiro urinar a tempo. Por
exemplo, se você tem artrite severa, você pode
não ser capaz de desabotoar sua calça com
rapidez suficiente.
 A eliminação da urina é controlada pelo sistema nervoso autônomo, mas
pode ser comprometida nas seguintes situações:
 Comprometimento da musculatura dos esfíncteres ou do assoalho pélvico;
 Gravidez e parto;
 Tumores malignos e benignos;
 Doenças que comprimem a bexiga;
 Obesidade;
 Tosse crônica dos fumantes;
 Quadros pulmonares obstrutivos que geram pressão abdominal;
 Bexigas hiperativas que contraem independentemente da vontade do
portador;
 Procedimentos cirúrgicos ou irradiação que lesem os nervos do esfíncter
masculino.
 A incontinência urinária pode também ser
causada por uma condição médica facilmente
tratável, tal como:
 Infecção no trato urinário,
 Prisão de ventre,
 Estresse emocional.
 Idade: a probabilidade de ter incontinência aumenta com a idade. Cerca de três ou quatro
em cada 10 mulheres na meia idade e mais velhas relatam ter incontinência urinária.
 Sexo: a incontinência urinária é, pelo menos, duas vezes mais comum em mulheres que
em homens
 Raça: mulheres brancas são mais propensas a ter incontinência urinária de esforço em
comparação com mulheres afro-americanas e asiáticas
 Obesidade: o peso extra aumenta a pressão sobre a bexiga e os músculos ao redor, o que
os enfraquece
 Outras doenças: doenças neurológicas ou diabetes podem aumentar o risco de
incontinência.
 Exame de urina: uma amostra de urina está marcada para sinais de
infecção, vestígios de sangue ou outras anormalidades
 Diário da bexiga: durante vários dias, deve ser anotado o quanto o
paciente bebe, quantas vezes urina, a quantidade de urina produzida, se
houve vontade de urinar e o número de episódios de incontinência
 Medição residual pós-miccional: verificação da quantidade de urina
produzida e quantidade de urina restante na bexiga. Uma grande
quantidade de urina restante pode significar que uma obstrução no trato
urinário ou um problema com os nervos ou músculos da bexiga.
 Fisioterapia.
 Exercícios de fortalecimento do pavimento
pélvico (exercícios de Kegel)
 Medicamentos que relaxam ou que
aumentam a musculatura da bexiga ou que
fortalecem o esfíncter;
 Cirurgia para reparação do períneo.
 É o nome da infecção urinária que acomete a
bexiga e a uretra, normalmente causada pela
a bactéria Escherichia coli.
 A infecção urinária é uma doença
extremamente comum, principalmente no
sexo feminino. Cerca de 60% das mulheres
adultas terão pelo menos um episódio de
infecção do trato urinário (ITU) durante a
vida.
 Existem três tipos de infecção urinária:
 Cistite = infecção da bexiga.
Pielonefrite = infecção dos rins
Uretrite = Infecção da uretra.
 Mais de 80% das infecções urinárias são causadas
por uma bactéria que vive no nosso intestino,
chamada Escherichia coli.
 A infecção urinária ocorre quando essas
bactérias, que deveriam permanecer no trato
intestinal, conseguem colonizar a região ao redor
da vagina. A colonização da região vaginal é o
primeiro passo para o desenvolvimento da
cistite. Bactérias vindas dos intestinos que
conseguem se estabelecer ao redor da vagina
têm mais facilidade em penetrar a uretra e
alcançar a bexiga.
 Disúria (ardência ao urinar);
 Urgência para urinar e dificuldade de segurar a
urina;
 Vontade de urinar mesmo com a bexiga vazia;
 Sensação de peso na barriga;
 Hematúria (presença de sangue na urina);
 Febre e dor lombar.
 Anatomicamente é muito mais fácil para as
bactérias vindas do ânus alcançarem a bexiga da
mulher do que a bexiga do homem. Portanto, a
anatomia geniturinária explica o porquê das
mulheres terem cistite com frequência e os homens
não.
 Cistite bacteriana
 Ocorre geralmente quando as bactérias que habitam a região perineal conseguem
penetrar pela uretra e se multiplicar na bexiga.
 Infecções urinárias hospitalares
 Estas infecções ocorrem em pessoas que estão em uma clínica ou hospital para
tratamento de alguma condição.
 Cistite não-infecciosa
 Embora as infecções bacterianas sejam a causa mais comum de cistite, um número de
fatores não infecciosos podem inflamar a bexiga. Alguns exemplos:
o Cistite fúngica, mais comum em diabéticos e imunodeprimidos
o Cistite intersticial, uma inflamação crônica de causa incerta
o Certos medicamentos (como os quimioterápicos) podem causar inflamação da bexiga
o Tratamento de radiação da região pélvica
o Uso de um cateter durante longos períodos
o Cistite "específica" associada com outras condições, como câncer ginecológico, doenças
inflamatórias pélvicas, endometriose, doença de Crohn, lúpus, diverticulite ou
tuberculose.
 O risco de cistite aumenta em pessoas que:
 Bebem pouca água;
 Urinam raramente (prendem a urina por mais de duas horas);
 São sexualmente ativas (e não usam preservativos);
 Estão grávidas;
 Sofrem obstruções ao fluxo de urina, como aquelas que têm cálculo
renal, estreitamento da uretra ou próstata aumentada;
 Possuem sistema imunológico baixo (imunodeprimidos e diabéticos);
 Fazem uso prolongado de cateteres no trato urinário.
 Exame de urina
 Cistoscopia
 Raio-x ou ultrassonografia.
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
Alinny Cunha
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
Will Nunes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Cláudia Moura
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasPatologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Eloi Lago
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Eliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHBEliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHB
Jonathan Sampaio
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
victorpre
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anato
cesarromero13
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
washington carlos vieira
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
Marcia Regina
 

Mais procurados (20)

Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasPatologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Eliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHBEliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHB
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anato
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
 

Semelhante a Patologias do sistema urinário

Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14
Liberty Ensino
 
Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
Fortunato Barros
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
Paulo Alambert
 
Incontinência urinaria
Incontinência urinaria Incontinência urinaria
Incontinência urinaria
Sabrina Abrantes
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
Aline Maria Sá Nascimento
 
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Diego1751
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
GiselyDallIgna
 
sistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidadessistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidades
AlexSouza865771
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
vanessa270433
 
Incontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulherIncontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulher
Patricia de Rossi
 
Urgência e Incontinência Urinária
Urgência e Incontinência UrináriaUrgência e Incontinência Urinária
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.pptAPRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
FelizardoBonifcioJoo1
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
AlanWillianLeonioSil
 
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
TanielLopesdaSilva1
 
78
7878
Evitar a infeção urinaria durante a gravidez
Evitar a infeção urinaria durante a gravidezEvitar a infeção urinaria durante a gravidez
Evitar a infeção urinaria durante a gravidez
Malo Clinic - Ginemed
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
Sistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a PeleSistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a Pele
Helena Borralho
 
eliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptxeliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptx
MatheusAC3
 

Semelhante a Patologias do sistema urinário (20)

Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14Cuidador de idoso_14
Cuidador de idoso_14
 
Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
 
Incontinência urinaria
Incontinência urinaria Incontinência urinaria
Incontinência urinaria
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
 
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
 
sistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidadessistema urinario, partes e funcionalidades
sistema urinario, partes e funcionalidades
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Incontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulherIncontinência urinária na mulher
Incontinência urinária na mulher
 
Urgência e Incontinência Urinária
Urgência e Incontinência UrináriaUrgência e Incontinência Urinária
Urgência e Incontinência Urinária
 
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.pptAPRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
APRESENTAÇÕES DE ALTERAÇÕES URINÁRIAS -10-08-11.ppt
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomiaSlide com aula do Sistema Urinário / anatomia
Slide com aula do Sistema Urinário / anatomia
 
78
7878
78
 
Evitar a infeção urinaria durante a gravidez
Evitar a infeção urinaria durante a gravidezEvitar a infeção urinaria durante a gravidez
Evitar a infeção urinaria durante a gravidez
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
 
Sistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a PeleSistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a Pele
 
eliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptxeliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptx
 

Mais de Roberta Araujo

Nefropatias
NefropatiasNefropatias
Nefropatias
Roberta Araujo
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
Roberta Araujo
 
Bloqueio peridural
Bloqueio periduralBloqueio peridural
Bloqueio peridural
Roberta Araujo
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Roberta Araujo
 
Diabetes gestacional
Diabetes gestacionalDiabetes gestacional
Diabetes gestacional
Roberta Araujo
 
Gravidez ectópica
Gravidez ectópicaGravidez ectópica
Gravidez ectópica
Roberta Araujo
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
Roberta Araujo
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
Roberta Araujo
 

Mais de Roberta Araujo (8)

Nefropatias
NefropatiasNefropatias
Nefropatias
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
Bloqueio peridural
Bloqueio periduralBloqueio peridural
Bloqueio peridural
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Diabetes gestacional
Diabetes gestacionalDiabetes gestacional
Diabetes gestacional
 
Gravidez ectópica
Gravidez ectópicaGravidez ectópica
Gravidez ectópica
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 

Último

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 

Último (11)

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 

Patologias do sistema urinário

  • 1. • Retenção urinária • Incontinência urinária • Cistite
  • 2.  Sistema Urinário é responsável pela produção e eliminação da urina, possui a função de filtrar as "impurezas" do sangue que circula no organismo.
  • 3.
  • 4.  A retenção urinária é definida como a incapacidade total ou parcial de esvaziar a bexiga.  Aguda ou crônica:  Na retenção aguda a pessoa não consegue urinar, mesmo estando com a bexiga cheia;  Na retenção crônica a pessoa pode ser capaz de urinar, mas têm problemas para esvaziar completamente a bexiga.
  • 5.  Dificuldade em começar a urinar  Dificuldade em esvaziar a bexiga totalmente  Gotejamento ou fluxo de urina fraco  Perda de pequenas quantidades de urina durante o dia  Incapacidade de sentir quando a bexiga está cheia  Aumento da pressão abdominal  Falta de vontade de urinar  Tensão e esforço para forçar a saída da urina da bexiga  Micção frequente  Noctúria (acordar mais de duas vezes à noite para urinar)
  • 6.  Obstrutiva e/ou não obstrutiva:  Se houver uma obstrução (por exemplo, pedras nos rins), a urina não consegue fluir livremente através do trato urinário.  Causas não obstrutivas incluem músculo fraco da bexiga e problemas nervosos que interferem nos sinais entre o cérebro e a bexiga.
  • 7.  Aumento da próstata • À medida que a próstata aumenta, ela pode pressionar contra a uretra.  Infecção • As infecções podem causar sinais flogísticos no sistema urinário.  Cirurgia • Anestesia+fluidos= bexiga cheia e prejuízo do sistema nervoso.  Medicação • Medicamentos que deprimem o SNC.  Constipação • As fezes duras no reto podem pressionar contra a bexiga e uretra, causando o seu fechamento.  Estenose uretral • Estreitamento da uretra.
  • 8.  Cistocele e Retocele • Uma cistocele ocorre quando a parede entre a bexiga da mulher e sua vagina enfraquece e permite que a bexiga tombe para dentro da vagina. • Na retocele, o reto tomba para dentro da parede da vagina.
  • 9.  Urinar em pé em banheiros públicos  Urinar em pé não permite o total relaxamento da musculatura do assoalho pélvico (MAP) e dos abdominais necessária à micção normal. O resultado é que resta na bexiga uma quantidade de urina maior do que a normal, aumentando o resíduo miccional.
  • 10.  Não urinar fora de casa  Segurar a urina por tempo demais, faz com que o desejo miccional seja inibido. O resultado é que a bexiga vai, com o tempo, perdendo esta sensibilidade e a frequência normal de micções diárias vai diminuindo.
  • 11.  Posição durante a micção  Para que a urina saia com facilidade não basta estar apenas confortavelmente sentada: as pernas precisam estar afastadas (no mínimo dois palmos uma da outra) e os cotovelos apoiados nos joelhos, em posição de descanso.
  • 12.  Exame de urina.  Tomografia da bexiga.  Cistoscopia da bexiga.  Raio-x e tomografia computadorizada.  Exame de sangue para antígeno prostático específico.  Exame do fluido da próstata.  Amostra de fluido da próstata.  Testes uridinâmicos.
  • 13.  A complicação mais grave da retenção urinária é a danificação da estrutura renal. O acúmulo de urina favorece ainda as infecções urinárias e a formação de cálculos.
  • 14.  Autocateterismo:  O cateterismo intermitente limpo (CIL) é uma técnica para drenagem de urina da bexiga em intervalos regulares.
  • 15.  Mudanças no estilo de vida  Alterações na dieta e na ingestão de líquidos reeducação da bexiga  Exercícios de Kegel Objetivo: restaurar o tônus muscular e fortalecer o músculo do assoalho pélvico.
  • 16.  Medicamentos  Alguns medicamentos ajudam o músculo da bexiga a se contrair melhor e podem melhorar a sua capacidade de urinar.  Neuromodulação Sacral  A neuromodulação sacral utiliza pulsos elétricos suaves para modular os nervos que controlam a bexiga e os nervos que controlam os músculos relacionados com a micção. Isso ajuda o cérebro e os nervos a se comunicar, de forma que a bexiga consegue funcionar adequadamente
  • 17.
  • 18.  É a perda involuntária da urina pela uretra.  Sua prevalência é bastante elevada, atingindo cerca de 50% das mulheres e 13% dos homens entre 20 a 80 anos.
  • 19.  A incontinência urinária é o tipo mais comum de problema ocasionado pela fraqueza da musculatura do assoalho pélvico (MAP). Por este motivo essa é também a razão mais comum para a prescrição de exercícios de fortalecimento desta musculatura.
  • 20.  Incontinência de esforço,  Incontinência de urgência,  Paradoxal ou de sobrefluxo,  Funcional.  As duas primeiras são as mais comuns.
  • 21.
  • 22.  Incontinência urinária de esforço • Liberação involuntária de urina, especialmente ao tossir, espirrar ou rir. • Vazamento de uma pequena a moderada quantidade de urina.
  • 23.  Incontinência urinária de urgência • Incontrolável necessidade súbita de urinar • Pode vazar uma quantidade de urina moderada a grave.
  • 24.  Incontinência urinária por transbordamento • Vazamento de uma pequena quantidade de urina • Jato urinário fraco • Necessidade de se esforçar ao urinar e uma sensação de que a bexiga não está vazia • Uma necessidade urgente de urinar muitas vezes durante a noite • Vazamento de urina durante o sono.
  • 25.  Incontinência urinária funcional • A deficiência física ou intelectual o impede a pessoa de ir até o banheiro urinar a tempo. Por exemplo, se você tem artrite severa, você pode não ser capaz de desabotoar sua calça com rapidez suficiente.
  • 26.  A eliminação da urina é controlada pelo sistema nervoso autônomo, mas pode ser comprometida nas seguintes situações:  Comprometimento da musculatura dos esfíncteres ou do assoalho pélvico;  Gravidez e parto;  Tumores malignos e benignos;  Doenças que comprimem a bexiga;  Obesidade;  Tosse crônica dos fumantes;  Quadros pulmonares obstrutivos que geram pressão abdominal;  Bexigas hiperativas que contraem independentemente da vontade do portador;  Procedimentos cirúrgicos ou irradiação que lesem os nervos do esfíncter masculino.
  • 27.  A incontinência urinária pode também ser causada por uma condição médica facilmente tratável, tal como:  Infecção no trato urinário,  Prisão de ventre,  Estresse emocional.
  • 28.  Idade: a probabilidade de ter incontinência aumenta com a idade. Cerca de três ou quatro em cada 10 mulheres na meia idade e mais velhas relatam ter incontinência urinária.  Sexo: a incontinência urinária é, pelo menos, duas vezes mais comum em mulheres que em homens  Raça: mulheres brancas são mais propensas a ter incontinência urinária de esforço em comparação com mulheres afro-americanas e asiáticas  Obesidade: o peso extra aumenta a pressão sobre a bexiga e os músculos ao redor, o que os enfraquece  Outras doenças: doenças neurológicas ou diabetes podem aumentar o risco de incontinência.
  • 29.  Exame de urina: uma amostra de urina está marcada para sinais de infecção, vestígios de sangue ou outras anormalidades  Diário da bexiga: durante vários dias, deve ser anotado o quanto o paciente bebe, quantas vezes urina, a quantidade de urina produzida, se houve vontade de urinar e o número de episódios de incontinência  Medição residual pós-miccional: verificação da quantidade de urina produzida e quantidade de urina restante na bexiga. Uma grande quantidade de urina restante pode significar que uma obstrução no trato urinário ou um problema com os nervos ou músculos da bexiga.
  • 30.  Fisioterapia.  Exercícios de fortalecimento do pavimento pélvico (exercícios de Kegel)  Medicamentos que relaxam ou que aumentam a musculatura da bexiga ou que fortalecem o esfíncter;  Cirurgia para reparação do períneo.
  • 31.
  • 32.  É o nome da infecção urinária que acomete a bexiga e a uretra, normalmente causada pela a bactéria Escherichia coli.  A infecção urinária é uma doença extremamente comum, principalmente no sexo feminino. Cerca de 60% das mulheres adultas terão pelo menos um episódio de infecção do trato urinário (ITU) durante a vida.
  • 33.  Existem três tipos de infecção urinária:  Cistite = infecção da bexiga. Pielonefrite = infecção dos rins Uretrite = Infecção da uretra.
  • 34.  Mais de 80% das infecções urinárias são causadas por uma bactéria que vive no nosso intestino, chamada Escherichia coli.  A infecção urinária ocorre quando essas bactérias, que deveriam permanecer no trato intestinal, conseguem colonizar a região ao redor da vagina. A colonização da região vaginal é o primeiro passo para o desenvolvimento da cistite. Bactérias vindas dos intestinos que conseguem se estabelecer ao redor da vagina têm mais facilidade em penetrar a uretra e alcançar a bexiga.
  • 35.
  • 36.  Disúria (ardência ao urinar);  Urgência para urinar e dificuldade de segurar a urina;  Vontade de urinar mesmo com a bexiga vazia;  Sensação de peso na barriga;  Hematúria (presença de sangue na urina);  Febre e dor lombar.
  • 37.  Anatomicamente é muito mais fácil para as bactérias vindas do ânus alcançarem a bexiga da mulher do que a bexiga do homem. Portanto, a anatomia geniturinária explica o porquê das mulheres terem cistite com frequência e os homens não.
  • 38.  Cistite bacteriana  Ocorre geralmente quando as bactérias que habitam a região perineal conseguem penetrar pela uretra e se multiplicar na bexiga.  Infecções urinárias hospitalares  Estas infecções ocorrem em pessoas que estão em uma clínica ou hospital para tratamento de alguma condição.  Cistite não-infecciosa  Embora as infecções bacterianas sejam a causa mais comum de cistite, um número de fatores não infecciosos podem inflamar a bexiga. Alguns exemplos: o Cistite fúngica, mais comum em diabéticos e imunodeprimidos o Cistite intersticial, uma inflamação crônica de causa incerta o Certos medicamentos (como os quimioterápicos) podem causar inflamação da bexiga o Tratamento de radiação da região pélvica o Uso de um cateter durante longos períodos o Cistite "específica" associada com outras condições, como câncer ginecológico, doenças inflamatórias pélvicas, endometriose, doença de Crohn, lúpus, diverticulite ou tuberculose.
  • 39.  O risco de cistite aumenta em pessoas que:  Bebem pouca água;  Urinam raramente (prendem a urina por mais de duas horas);  São sexualmente ativas (e não usam preservativos);  Estão grávidas;  Sofrem obstruções ao fluxo de urina, como aquelas que têm cálculo renal, estreitamento da uretra ou próstata aumentada;  Possuem sistema imunológico baixo (imunodeprimidos e diabéticos);  Fazem uso prolongado de cateteres no trato urinário.
  • 40.  Exame de urina  Cistoscopia  Raio-x ou ultrassonografia.