SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA GENITURINÁRIO
Profº Will Nunes
O Sistema Geniturinário Humano
Esse sistema é de grande importância para o ser
humano, pois é responsável por grande parte do
funcionamento de nosso organismo. É formado
por órgãos uropoéticos, que são responsáveis por
fazer a urina e guardá-la temporariamente até que
seja eliminada para fora do corpo. Na urina
podemos encontrar diversas substâncias, entre
elas há: potássio, ureia, ácido úrico, sódio,
bicarbonato, entre outros.
Os órgãos que compõem o aparelho urinário, que
fazem parte do geniturinário podem ser separados em
dois: órgãos secretores, que são os produtores da
urina e os órgãos excretores, os responsáveis por
processar a eliminação da urina. Esse sistema ainda
compreende os rins (produtores de urina), os ductos
ou ureteres (levam a urina até a bexiga), e
a uretra (por onde é eliminada a urina).
Sistema ReprodutorFeminino
Além do sistema urinário, ainda fazem parte do
Geniturinário o Sistema Reprodutor, que na mulher tem o
formato de uma pera, compondo os órgãos genitais
internos de que fazem parte a tuba uterina, o ovário, a
vagina e o útero, assim como os órgãos genitais externos
que são compostos pelos lábios menor e maior, o vestíbulo
da vagina, o monte púbico, o clitóris, as glândulas
vestibulares maiores e o bulbo do vestíbulo.
Sistema Reprodutor Masculino
Nos homens os órgãos genitais são outros e são
compostos pelos testículos, os ductos deferentes, os
epidídimos (que ficam no escroto), os ductos ejaculatórios,
as vesículas seminais, as glândulas bulbouretrais, a
próstata, e o pênis. Os órgãos citados são encontrados em
pares, com exceção do escroto, da próstata, e do pênis.
O Sistema Urinário HumanoÉ Formado Pelos
Seguintes Órgãos
• Bexiga urinária
• Uretra
• Rins
• Esfíncteres
• Ureteres
Principais Funções do SistemaUrinário
• Armazenar, produzir e levar para fora a urina;
• Fazer a regulação da composição química do sangue, e
ainda de seu volume;
• Eliminar todo o excesso de líquido e resíduos existentes
no organismo, fazendo isso através da urina;
• Garantir que se mantenha um equilíbrio aceitável dos
minerais no organismo;
• Ajudar na regulagem na produção das células vermelhas
do sangue, as hemácias;
Sistema Geniturinário
RIM
Sistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
PrincipaisDoençasExistentesNos
SistemasCitados
• Glomerulonefrite, infecção existente nos glomérulos do
rim.
• Insuficiência renal, interrupção ou diminuição na
filtragem do rim.
• Rim Policístico, doença de origem genética que é
caracterizada pelo aparecimento de pequenos cistos nos
túbulos renais.
• Proteinúria, aumento de proteínas existentes na urina,
que pode estar relacionada a um mau funcionamento dos
rins.
• Incontinência Urinária, falta de controle ou dificuldade
em segurar ou eliminar a urina.
Outras Doenças ou Sintomas Presentes no
Aparelho Geniturinário
• Incontinência = perda involuntária da urina pela uretra;
• Dor no flanco = ocasionada por problema no rim;
• Nictúria = volume de urina noturno maior que o diurno;
• Infertilidade = dificuldade de engravidar ou deixar gravido;
• Ardência miccional = queimação da uretra, sinal de infecção na
uretra
• Polaciúria = Aumento do numero de micções e diminuição do
volume.
• Colúria = Urina escura (cor café, vinho, etc.)
• Hematúria = Perda de sangue pela urina
• Eliminação de cálculos
• Lesões genitais
Sintomas relacionados às DSTs
• No homem: massas na bolsa escrotal, impotência e
também diminuição da força da urina durante o jato
eliminatório.
• Na mulher: amenorreia, prurido vaginal, dispareunia,
menorragia, corrimento, anticoncepção, metrorragia,
abortamentos e gestações, menopausa e menarca
DOENÇAS MAIS COMUNS
Pedra no rim
São formações calcificadas nas vias urinárias ou nos rins,
causadas pelo acúmulo de cristais de sais na urina,
especialmente fosfatos, cálcio e oxalatos.
• Principais causas:
Volume menor de urina, Infecções urinárias, problemas
relacionados com a eliminação Vitamina D e minerais em
excesso.
Sistema Geniturinário
• Principais sintomas: Irritação que pode ser seguida de
obstrução do canal urinário, dor intensa. Ainda pode vir
associada a vômitos, palpitações e náuseas.
• Tratamento: Para o alívio da dor é aconselhável o uso de
analgésicos e cálculos renais com tamanho menor que 5
mm são eliminados espontaneamente. Já os maiores
devem ter ajuda de tratamentos específicos.
• Prevenção: As pessoas que têm propensão à doença
devem procurar não consumir alimentos que sejam ricos
em oxalatos, a exemplo de chocolate, café, e
refrigerantes sejam compostos de cola, e ainda muitos
outros.
Sistema Geniturinário
Nefrite Aguda
É uma doença caracterizada pela Inflamação dos tecidos
que compõem os rins, sendo causada por bactérias
infecciosos, as mesmas responsáveis por provocar a
sinusite e amigdalite.
• Principais causas:
As pessoas que têm predisposição para a doença,
geralmente a manifestam após uma infecção de pele ou de
garganta.
Sistema Geniturinário
• Principais sintomas
O principal deles é uma coloração diferenciada na urina,
que se torna mais turva e escura.
• Formas de tratamento
Os antibióticos são sempre recomendados nesses casos,
e em outros há ainda a concomitância do uso de diuréticos
para auxiliar no controle da retenção de líquidos e, desta
forma, conseguir a diminuição da pressão arterial.
Nefrite crônica
É caracterizada por lesões estáveis nos rins, que vêm a
atrapalhar seu bom funcionamento.
• Principais causas
São decorrentes de infecções anteriores que não foram
tratadas corretamente e ainda podem advir de uso abusivo
de certos medicamentos.
Sistema Geniturinário
• Principais sintomas:
Pressão alta, sangue na urina, perda de apetite e inchaço
nas pernas.
• Formas de tratamento:
É necessária uma dieta restrita em proteínas e sal, claro
que com isso não será possível eliminar a doença, mas
auxiliará a não sobrecarregar o funcionamento dos rins.
• Prevenção:
Evite usar medicamentos sem prescrição médica, sendo
também importante que se faça exames periódicos para
avaliar a saúde dos rins.
Infecção urinária
Toda infecção no canal da urina é considera como infecção
urinária.
• Principais causas:
Presença de fungos, bactérias, e vírus alojados dentro da
uretra.
• Principais sintomas:
Febre, ardência ou dor ao urinar, sangue na urina,
sintomas acompanhados também de vontade constante de
ir ao banheiro.
Sistema Geniturinário
• Formas de tratamento:
É aconselhável a ingestão de maior quantidade de líquido
e, em alguns casos a prescrição de antibiótico, se for
causada por bactéria.
• Prevenção:
Fazer xixi após as relações sexuais e antes de dormir, e
ainda evitar ficar por muito tempo imerso em água, pois o
contato com á água pode favorecer a contaminação.
Sistema Geniturinário
ATENÇÃO
Todas as doenças acima relacionadas devem ser tratadas
logo que os sintomas aparecem, pois causam grande
desconforto, por isso, são facilmente detectadas com um
pouco de atenção. É importante que seja feito o tratamento
adequado, para que não se adoeça novamente. O cuidado
com a higiene também pode vir a evitar grande parte
dessas doenças.
Insuficiência renal
Condição em que os rins perdem a capacidade de remover
resíduos e equilibrar os fluidos.
Tipos mais comuns
• Insuficiência renal crônica: Doença prolongada nos rins
que leva à falência renal.
• Insuficiência renal aguda: Condição em que os rins
deixam, repentinamente, de filtrar os resíduos do sangue.
Sinais de insuficiência renal aguda
Os sintomas mais comuns da insuficiência renal aguda
incluem:
• Pouca urina, amarela escura e com cheiro forte;
• Cansaço fácil e falta de ar;
• Dor na parte inferior das costas, que é onde se localizam
os rins;
• Inchaço das pernas e pés;
• Cansaço fácil com falta de ar;
• Pressão alta;
• Febre superior a 39ºC;
• Tosse com sangue;
• Falta de apetite e presença náuseas e vômitos;
• Pequenos caroços na pele.
• Além disso, podem surgir alterações no exame de
sangue e de urina, surgindo a presença de proteínas na
urina e no exame de sangue, valores de ureia, creatinina
e potássio elevadas e sódio inferior ao valor normal.
Sinais de insuficiência renal crônica
Os sintomas mais comuns da insuficiência renal crônica
são:
• Vontade de urinar frequentemente, principalmente à
noite, acordando para urinar;
• Urina com cheiro forte e espuma;
• Pressão arterial muito alta que podem causar AVC ou
insuficiência cardíaca;
• Sensação de peso corporal muito elevado;
• Tremores principalmente nas mãos;
• Cansaço intenso;
• Músculos fracos;
• Cãibras frequentes;
• Formigamentos nas mãos e pés;
• Perda de sensibilidade;
• Convulsões;
• Pele amarelada;
• Náuseas e vômitos;
• Desenvolvimento de uma pequena camada branca na
pele, semelhante a pó, pois a ureia que é elevada
cristaliza no suor.
• Ao observar estes sintomas é aconselhado uma consulta
com um médico nefrologista para que ele possa solicitar
exames para diagnosticar a insuficiência renal e indicar o
tratamento adequado.
Principais causas da insuficiência renal
As causas mais comuns de insuficiência renal aguda e
crônica pode ocorrer devido:
• Diminuição da quantidade de sangue no rim, devido a
desidratação, mau funcionamento dos rins ou pressão
baixa;
• Lesão dos rins, devido a pedras nos rins ou substâncias
toxicas como medicamentos;
• Interrupção da passagem de urina, causada por
aumento da próstata ou presença de tumor.
Algumas causas de mau funcionamento dos rins
Reação alérgica a
transfusão do
sangue
Sépse Queimaduras Febre
Necrose renal Púrpura Síndrome
hemolítico-urêmica
Pressão baixa
Insuficiência
cardíaca
Arritmia Glomerulonefrite Doença polocística
renal
Uso de
medicamentos de
forma excessiva
Consumo
exagerado de
suplementos
proteicos
Lúpus eritematoso
sistêmico
Placenta prévia ou
descolamento da
placenta
Intervenções de Enfermagem
• Manter o equilíbrio hidroeletrolítico.
• Manter o estado nutricional adequado.
• Manter a integridade cutânea.
• Manter a pele limpa e hidratada
• Aplicar pomadas ou cremes para o conforto e para aliviar o prurido.
• Administrar medicamentos para o alívio do prurido, quando indicado.
• Evitar a constipação.
• Estimular dieta rica em fibras lembrando-se do teor de potássio de algumas
frutas e vegetais.
• Estimular a atividade conforme a tolerância.
• Administrar analgésicos conforme prescrito,
• Proporcionar massagem para as câimbras musculares intensas.
• Evitar a imobilização porque ela aumenta a desmineralização óssea.
• Administrar medicamentos conforme prescrito.
• Aumentar a compreensão e a aceitação do esquema de tratamento.
• Preparar o paciente para diálise ou transplante renal.
• Oferecer esperança de acordo com a realidade.
• Avaliar o conhecimento do paciente a respeito do esquema
terapêutico, bem como as complicações e temores.
• Explorar alternativas que possam reduzir ou eliminar os efeitos
colaterais do tratamento.
• Ajustar o esquema de tal modo que se possa conseguir o
repouso após a diálise.
• Oferecer pequenas refeições a cada 3 horas com a finalidade
de reduzir as náuseas e facilitar a administração de
medicamentos.
• Estimular o reforço para o sistema de apoio social e
mecanismos de adaptação para diminuir o impacto do stress
da doença renal crônica.
• Fornecer indicações de assistência social e apoio da
psicologia.
• Discutir as opções da psicoterapia de apoio para a depressão.
• Encorajar e possibilitar que o paciente tome certas decisões.
DST`S
INFECÇÕESSEXUALMENTETRANSMISSÍVEIS
As infecções sexualmente transmissíveis (IST) são
aquelas transmitidas através dos contatos mais íntimos de
uma relação sexual, encontram-se entre as causas mais
comuns de doença no mundo e têm, uma relação estreita
com as precárias condições de higiene e com tipo de vida
social que a pessoal leva a promiscuidade sexual.
As infecções sexualmente transmissíveis (IST) é um grande
problema de saúde publica, devido á alta incidência de casos os
agentes causadores são vírus, bactérias, fungos, os
protozoários e outros. Entretanto as que mais ocorrem no sexo
masculino são:
• sífilis,
• blenorragia,
• herpes genital,
• Cancro,
• linfogranulomma venero,
• condiloma acuminado,
• AIDS
Sintomas
Pessoas com IST apresentam:
Corrimento, secreção na uretra peniana no homem;
Dores de garganta após sexo oral;
Dores no ânus após sexo anal;
Lesões de tipo cancro, não dolorosas na área genital, ânus, Língua ou
garganta;
Urina escura;
Urinar a todo momento;
Fezes mais claras;
Pequenas vesículas ou nódulos que se rompem na área genital;
Febre;
Dor no corpo;
Gânglios linfáticos aumentados;
Perda de peso;
Suores noturnos;
Cansaço inexplicável;
Infecções raras acontecendo;
Verrugas cor da pele na área genital.
Tratamento
O tratamento das infecções sexualmente transmissíveis é
realizado por meio de antibióticos e outros procedimentos
e deve ser acompanhado por um profissional de saúde.
Este acompanhamento é de fundamental importância, pois
a automedicação pode levar à utilização de um
medicamento ineficaz ou, até mesmo, ao mascaramento
dos sinais e sintomas dificultando um diagnóstico posterior.
Para interromper a transmissão dessas doenças e evitar a
reinfecção, é fundamental que os parceiros sejam testados
e tratados com orientações de um profissional de saúde
(OMS 2005).
Prevençãodas infecçõessexualmente
transmissíveis
Para evitar as IST deve-se:
Usar a camisinha em toda relação sexual oral, vaginal ou anal;
Exigir que o sangue doado de qualquer pessoa seja testado;
Evitar compartilhar seringas e agulhas com outras pessoas e
manter hábitos de higiene, lavando os órgãos genitais
diariamente e sempre antes e depois das relações sexuais.
Toda pessoa que perceber algo diferente nos órgãos genitais,
como coceiras, corrimento, feridas ou verrugas deve procurar o
médico.
As IST podem se tornar graves se não forem tratadas
rapidamente. Apresentando qualquer alteração nos órgãos
genitais, procure o centro de saúde mais próximo de sua casa.
O tratamento é gratuito (MINISTERIO DA SAÙDE).
Cuidados de enfermagem
Orientar a população masculina sobre:
• O uso de camisinha;
• Estimular a participação dos homens no planejamento
familiar;
• Incentivar ações de prevenção, diagnóstico e terapêutico
junto das populações masculinas com comportamentos
de risco para IST;
• Fazer educação em saúde sobre as IST.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Eliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHBEliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHB
Jonathan Sampaio
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
Lucimar Campos
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 

Mais procurados (20)

Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Eliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHBEliminação urinária-NHB
Eliminação urinária-NHB
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 

Semelhante a Sistema Geniturinário

Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Diego1751
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e GastrointestinalAssistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Ranther Rcc
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
vanessa270433
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
PolarRuthk
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
Aline Maria Sá Nascimento
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
EstvoManuel2
 
Trabalho de marcelo [reparado]
Trabalho de marcelo [reparado]Trabalho de marcelo [reparado]
Trabalho de marcelo [reparado]
Danielle Gomes
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
Paulo Alambert
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
Sistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a PeleSistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a Pele
Helena Borralho
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
AndriellyFernandadeS
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
GiselyDallIgna
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Paulo Alambert
 
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
SocorroClaudino2
 
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx
AdrianoCosta696471
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
Rodrigo Vargas
 
Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
Fortunato Barros
 
Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...
NiellyNoronha1
 

Semelhante a Sistema Geniturinário (20)

Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJASistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
Sistema Urinário para alunos da 2ª etapa 7° ano do EJA
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e GastrointestinalAssistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
Assistência à Crianças em Disfunção Geniturinária e Gastrointestinal
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
 
Trabalho de marcelo [reparado]
Trabalho de marcelo [reparado]Trabalho de marcelo [reparado]
Trabalho de marcelo [reparado]
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
 
Sistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a PeleSistema Urinário e a Pele
Sistema Urinário e a Pele
 
URINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptxURINÁLISE.pptx
URINÁLISE.pptx
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdfaula aval renal e urinária 2018-19.pdf
aula aval renal e urinária 2018-19.pdf
 
4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx4.Exames de urina.pptx
4.Exames de urina.pptx
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
 
Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
 
Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...
 

Sistema Geniturinário

  • 2. O Sistema Geniturinário Humano Esse sistema é de grande importância para o ser humano, pois é responsável por grande parte do funcionamento de nosso organismo. É formado por órgãos uropoéticos, que são responsáveis por fazer a urina e guardá-la temporariamente até que seja eliminada para fora do corpo. Na urina podemos encontrar diversas substâncias, entre elas há: potássio, ureia, ácido úrico, sódio, bicarbonato, entre outros.
  • 3. Os órgãos que compõem o aparelho urinário, que fazem parte do geniturinário podem ser separados em dois: órgãos secretores, que são os produtores da urina e os órgãos excretores, os responsáveis por processar a eliminação da urina. Esse sistema ainda compreende os rins (produtores de urina), os ductos ou ureteres (levam a urina até a bexiga), e a uretra (por onde é eliminada a urina).
  • 4. Sistema ReprodutorFeminino Além do sistema urinário, ainda fazem parte do Geniturinário o Sistema Reprodutor, que na mulher tem o formato de uma pera, compondo os órgãos genitais internos de que fazem parte a tuba uterina, o ovário, a vagina e o útero, assim como os órgãos genitais externos que são compostos pelos lábios menor e maior, o vestíbulo da vagina, o monte púbico, o clitóris, as glândulas vestibulares maiores e o bulbo do vestíbulo.
  • 5. Sistema Reprodutor Masculino Nos homens os órgãos genitais são outros e são compostos pelos testículos, os ductos deferentes, os epidídimos (que ficam no escroto), os ductos ejaculatórios, as vesículas seminais, as glândulas bulbouretrais, a próstata, e o pênis. Os órgãos citados são encontrados em pares, com exceção do escroto, da próstata, e do pênis.
  • 6. O Sistema Urinário HumanoÉ Formado Pelos Seguintes Órgãos • Bexiga urinária • Uretra • Rins • Esfíncteres • Ureteres
  • 7. Principais Funções do SistemaUrinário • Armazenar, produzir e levar para fora a urina; • Fazer a regulação da composição química do sangue, e ainda de seu volume; • Eliminar todo o excesso de líquido e resíduos existentes no organismo, fazendo isso através da urina; • Garantir que se mantenha um equilíbrio aceitável dos minerais no organismo; • Ajudar na regulagem na produção das células vermelhas do sangue, as hemácias;
  • 9. RIM
  • 12. PrincipaisDoençasExistentesNos SistemasCitados • Glomerulonefrite, infecção existente nos glomérulos do rim. • Insuficiência renal, interrupção ou diminuição na filtragem do rim. • Rim Policístico, doença de origem genética que é caracterizada pelo aparecimento de pequenos cistos nos túbulos renais. • Proteinúria, aumento de proteínas existentes na urina, que pode estar relacionada a um mau funcionamento dos rins. • Incontinência Urinária, falta de controle ou dificuldade em segurar ou eliminar a urina.
  • 13. Outras Doenças ou Sintomas Presentes no Aparelho Geniturinário • Incontinência = perda involuntária da urina pela uretra; • Dor no flanco = ocasionada por problema no rim; • Nictúria = volume de urina noturno maior que o diurno; • Infertilidade = dificuldade de engravidar ou deixar gravido; • Ardência miccional = queimação da uretra, sinal de infecção na uretra • Polaciúria = Aumento do numero de micções e diminuição do volume. • Colúria = Urina escura (cor café, vinho, etc.) • Hematúria = Perda de sangue pela urina • Eliminação de cálculos • Lesões genitais
  • 14. Sintomas relacionados às DSTs • No homem: massas na bolsa escrotal, impotência e também diminuição da força da urina durante o jato eliminatório. • Na mulher: amenorreia, prurido vaginal, dispareunia, menorragia, corrimento, anticoncepção, metrorragia, abortamentos e gestações, menopausa e menarca
  • 16. Pedra no rim São formações calcificadas nas vias urinárias ou nos rins, causadas pelo acúmulo de cristais de sais na urina, especialmente fosfatos, cálcio e oxalatos. • Principais causas: Volume menor de urina, Infecções urinárias, problemas relacionados com a eliminação Vitamina D e minerais em excesso.
  • 18. • Principais sintomas: Irritação que pode ser seguida de obstrução do canal urinário, dor intensa. Ainda pode vir associada a vômitos, palpitações e náuseas. • Tratamento: Para o alívio da dor é aconselhável o uso de analgésicos e cálculos renais com tamanho menor que 5 mm são eliminados espontaneamente. Já os maiores devem ter ajuda de tratamentos específicos. • Prevenção: As pessoas que têm propensão à doença devem procurar não consumir alimentos que sejam ricos em oxalatos, a exemplo de chocolate, café, e refrigerantes sejam compostos de cola, e ainda muitos outros.
  • 20. Nefrite Aguda É uma doença caracterizada pela Inflamação dos tecidos que compõem os rins, sendo causada por bactérias infecciosos, as mesmas responsáveis por provocar a sinusite e amigdalite. • Principais causas: As pessoas que têm predisposição para a doença, geralmente a manifestam após uma infecção de pele ou de garganta.
  • 22. • Principais sintomas O principal deles é uma coloração diferenciada na urina, que se torna mais turva e escura. • Formas de tratamento Os antibióticos são sempre recomendados nesses casos, e em outros há ainda a concomitância do uso de diuréticos para auxiliar no controle da retenção de líquidos e, desta forma, conseguir a diminuição da pressão arterial.
  • 23. Nefrite crônica É caracterizada por lesões estáveis nos rins, que vêm a atrapalhar seu bom funcionamento. • Principais causas São decorrentes de infecções anteriores que não foram tratadas corretamente e ainda podem advir de uso abusivo de certos medicamentos.
  • 25. • Principais sintomas: Pressão alta, sangue na urina, perda de apetite e inchaço nas pernas. • Formas de tratamento: É necessária uma dieta restrita em proteínas e sal, claro que com isso não será possível eliminar a doença, mas auxiliará a não sobrecarregar o funcionamento dos rins. • Prevenção: Evite usar medicamentos sem prescrição médica, sendo também importante que se faça exames periódicos para avaliar a saúde dos rins.
  • 26. Infecção urinária Toda infecção no canal da urina é considera como infecção urinária. • Principais causas: Presença de fungos, bactérias, e vírus alojados dentro da uretra. • Principais sintomas: Febre, ardência ou dor ao urinar, sangue na urina, sintomas acompanhados também de vontade constante de ir ao banheiro.
  • 28. • Formas de tratamento: É aconselhável a ingestão de maior quantidade de líquido e, em alguns casos a prescrição de antibiótico, se for causada por bactéria. • Prevenção: Fazer xixi após as relações sexuais e antes de dormir, e ainda evitar ficar por muito tempo imerso em água, pois o contato com á água pode favorecer a contaminação.
  • 30. ATENÇÃO Todas as doenças acima relacionadas devem ser tratadas logo que os sintomas aparecem, pois causam grande desconforto, por isso, são facilmente detectadas com um pouco de atenção. É importante que seja feito o tratamento adequado, para que não se adoeça novamente. O cuidado com a higiene também pode vir a evitar grande parte dessas doenças.
  • 31. Insuficiência renal Condição em que os rins perdem a capacidade de remover resíduos e equilibrar os fluidos. Tipos mais comuns • Insuficiência renal crônica: Doença prolongada nos rins que leva à falência renal. • Insuficiência renal aguda: Condição em que os rins deixam, repentinamente, de filtrar os resíduos do sangue.
  • 32. Sinais de insuficiência renal aguda Os sintomas mais comuns da insuficiência renal aguda incluem: • Pouca urina, amarela escura e com cheiro forte; • Cansaço fácil e falta de ar; • Dor na parte inferior das costas, que é onde se localizam os rins; • Inchaço das pernas e pés; • Cansaço fácil com falta de ar; • Pressão alta;
  • 33. • Febre superior a 39ºC; • Tosse com sangue; • Falta de apetite e presença náuseas e vômitos; • Pequenos caroços na pele. • Além disso, podem surgir alterações no exame de sangue e de urina, surgindo a presença de proteínas na urina e no exame de sangue, valores de ureia, creatinina e potássio elevadas e sódio inferior ao valor normal.
  • 34. Sinais de insuficiência renal crônica Os sintomas mais comuns da insuficiência renal crônica são: • Vontade de urinar frequentemente, principalmente à noite, acordando para urinar; • Urina com cheiro forte e espuma; • Pressão arterial muito alta que podem causar AVC ou insuficiência cardíaca; • Sensação de peso corporal muito elevado; • Tremores principalmente nas mãos; • Cansaço intenso;
  • 35. • Músculos fracos; • Cãibras frequentes; • Formigamentos nas mãos e pés; • Perda de sensibilidade; • Convulsões; • Pele amarelada; • Náuseas e vômitos; • Desenvolvimento de uma pequena camada branca na pele, semelhante a pó, pois a ureia que é elevada cristaliza no suor. • Ao observar estes sintomas é aconselhado uma consulta com um médico nefrologista para que ele possa solicitar exames para diagnosticar a insuficiência renal e indicar o tratamento adequado.
  • 36. Principais causas da insuficiência renal As causas mais comuns de insuficiência renal aguda e crônica pode ocorrer devido: • Diminuição da quantidade de sangue no rim, devido a desidratação, mau funcionamento dos rins ou pressão baixa; • Lesão dos rins, devido a pedras nos rins ou substâncias toxicas como medicamentos; • Interrupção da passagem de urina, causada por aumento da próstata ou presença de tumor.
  • 37. Algumas causas de mau funcionamento dos rins Reação alérgica a transfusão do sangue Sépse Queimaduras Febre Necrose renal Púrpura Síndrome hemolítico-urêmica Pressão baixa Insuficiência cardíaca Arritmia Glomerulonefrite Doença polocística renal Uso de medicamentos de forma excessiva Consumo exagerado de suplementos proteicos Lúpus eritematoso sistêmico Placenta prévia ou descolamento da placenta
  • 38. Intervenções de Enfermagem • Manter o equilíbrio hidroeletrolítico. • Manter o estado nutricional adequado. • Manter a integridade cutânea. • Manter a pele limpa e hidratada • Aplicar pomadas ou cremes para o conforto e para aliviar o prurido. • Administrar medicamentos para o alívio do prurido, quando indicado. • Evitar a constipação. • Estimular dieta rica em fibras lembrando-se do teor de potássio de algumas frutas e vegetais. • Estimular a atividade conforme a tolerância. • Administrar analgésicos conforme prescrito, • Proporcionar massagem para as câimbras musculares intensas. • Evitar a imobilização porque ela aumenta a desmineralização óssea. • Administrar medicamentos conforme prescrito. • Aumentar a compreensão e a aceitação do esquema de tratamento.
  • 39. • Preparar o paciente para diálise ou transplante renal. • Oferecer esperança de acordo com a realidade. • Avaliar o conhecimento do paciente a respeito do esquema terapêutico, bem como as complicações e temores. • Explorar alternativas que possam reduzir ou eliminar os efeitos colaterais do tratamento. • Ajustar o esquema de tal modo que se possa conseguir o repouso após a diálise. • Oferecer pequenas refeições a cada 3 horas com a finalidade de reduzir as náuseas e facilitar a administração de medicamentos. • Estimular o reforço para o sistema de apoio social e mecanismos de adaptação para diminuir o impacto do stress da doença renal crônica. • Fornecer indicações de assistência social e apoio da psicologia. • Discutir as opções da psicoterapia de apoio para a depressão. • Encorajar e possibilitar que o paciente tome certas decisões.
  • 40. DST`S
  • 41. INFECÇÕESSEXUALMENTETRANSMISSÍVEIS As infecções sexualmente transmissíveis (IST) são aquelas transmitidas através dos contatos mais íntimos de uma relação sexual, encontram-se entre as causas mais comuns de doença no mundo e têm, uma relação estreita com as precárias condições de higiene e com tipo de vida social que a pessoal leva a promiscuidade sexual.
  • 42. As infecções sexualmente transmissíveis (IST) é um grande problema de saúde publica, devido á alta incidência de casos os agentes causadores são vírus, bactérias, fungos, os protozoários e outros. Entretanto as que mais ocorrem no sexo masculino são: • sífilis, • blenorragia, • herpes genital, • Cancro, • linfogranulomma venero, • condiloma acuminado, • AIDS
  • 43. Sintomas Pessoas com IST apresentam: Corrimento, secreção na uretra peniana no homem; Dores de garganta após sexo oral; Dores no ânus após sexo anal; Lesões de tipo cancro, não dolorosas na área genital, ânus, Língua ou garganta; Urina escura; Urinar a todo momento; Fezes mais claras; Pequenas vesículas ou nódulos que se rompem na área genital; Febre; Dor no corpo; Gânglios linfáticos aumentados; Perda de peso; Suores noturnos; Cansaço inexplicável; Infecções raras acontecendo; Verrugas cor da pele na área genital.
  • 44. Tratamento O tratamento das infecções sexualmente transmissíveis é realizado por meio de antibióticos e outros procedimentos e deve ser acompanhado por um profissional de saúde. Este acompanhamento é de fundamental importância, pois a automedicação pode levar à utilização de um medicamento ineficaz ou, até mesmo, ao mascaramento dos sinais e sintomas dificultando um diagnóstico posterior. Para interromper a transmissão dessas doenças e evitar a reinfecção, é fundamental que os parceiros sejam testados e tratados com orientações de um profissional de saúde (OMS 2005).
  • 45. Prevençãodas infecçõessexualmente transmissíveis Para evitar as IST deve-se: Usar a camisinha em toda relação sexual oral, vaginal ou anal; Exigir que o sangue doado de qualquer pessoa seja testado; Evitar compartilhar seringas e agulhas com outras pessoas e manter hábitos de higiene, lavando os órgãos genitais diariamente e sempre antes e depois das relações sexuais. Toda pessoa que perceber algo diferente nos órgãos genitais, como coceiras, corrimento, feridas ou verrugas deve procurar o médico. As IST podem se tornar graves se não forem tratadas rapidamente. Apresentando qualquer alteração nos órgãos genitais, procure o centro de saúde mais próximo de sua casa. O tratamento é gratuito (MINISTERIO DA SAÙDE).
  • 46. Cuidados de enfermagem Orientar a população masculina sobre: • O uso de camisinha; • Estimular a participação dos homens no planejamento familiar; • Incentivar ações de prevenção, diagnóstico e terapêutico junto das populações masculinas com comportamentos de risco para IST; • Fazer educação em saúde sobre as IST.