SlideShare uma empresa Scribd logo
Erro Ativo
Erro Ativo
Erro Latente
Como funcionam as organizações
De
Manutenção Aeronáutica ?
Deve-se garantir a utilização de materiais
próprios para fins aeronáuticos
O material deve ter Especificação técnica de
origem conhecida, comprovando ser material
aprovado no Brasil, ou por empresa homologada
em outro país segundo requisitos equivalentes.
Organizações de Manutenção devem
prover um sistema de inspeção preliminar
de todos os artigos que mantém, visando
determinar o estado de preservação ou
de defeitos nos mesmos.
O resultado de cada inspeção deve ser
registrado em formulário adequado,
formulado pela empresa, e esse
formulário deve ser mantido junto com
o artigo, até o mesmo ser liberado para
serviço
Um sistema de controle que assegure que, antes de iniciar trabalhos em uma célula,
motor ou partes que tenham sido envolvidas em acidentes, tais partes tenham sido
totalmente inspecionadas quanto a falhas ocultas, inclusive em áreas próximas a
pontos obviamente danificados coíbe o reaproveitamento de materiais danificados.
Além disto, os resultados de tais inspeções devem ser registrados em formulários
também padronizados.
As empresas de Manutenção Aeronáutica devem possuir os equipamentos,
materiais, ferramentas e testes necessários para desempenhar
eficientemente as funções inerentes aos trabalhos que se propõe executar.
Devem assegurar-se de que todos os equipamentos de
inspeção e de teste são controlados e verificados em
intervalos regulares para garantir correta calibração
para um padrão estabelecido pelo INMETRO ou um
padrão estabelecido pelo fabricante do equipamento.
MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÕES(MPI)
• Falta de relação de controle dos Manuais (dos fabricantes) e
status de revisões desses manuais, o que garante a sua
atualização;
• Uso de cópias ao invés do original do Manual de
Manutenção do Componente (CMM), o que não é aceito
pelas autoridades aeronáuticas;
• Falta de Coletânea de Diretrizes de Aeronavegabilidade, que
são as instruções corretivas expedidas pelos fabricantes para
a execução de serviços em material que apresentou falhas;
• Falta de calibração em instrumentos e ferramentas de
precisão, muito utilizadas para garantir torques e medidas;
• Recebimento de peças e estocagem. Vários materiais
encontrados em estoque nas empresas estavam sem
condições de rastreabilidade ou até mesmo não havia um
controle de peças neste estoque;
• Falta de controle de temperatura e umidade do estoque ou
da oficina;
• Equipamentos eletrônicos guardados sem embalagem e
descansados diretamente em prateleiras metálicas.
33%
15%
11%
7%
6% 4%
Erros
Instalação incompleta
Estragos na peça durante a
instalação
Equipamento não instalado ou
perdido
Danos por objetos ingeridos
Falta de isolação, inspeção e teste
Equipamento não ativado ou não
desativado
Os acidentes na manutenção
1983, L-1011, jato de três motores, estava em vôo de Miami
para Nassau
Este trabalho foi apresentado por:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
ClailtonVitalDeolind
 
Rdc 302 funcionamento lb.clinico
Rdc 302 funcionamento lb.clinicoRdc 302 funcionamento lb.clinico
Rdc 302 funcionamento lb.clinico
visa343302010
 
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIAQUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
Thiago Vianna
 
Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05
José Vitor Alves
 
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios ClínicosRdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Marcelo Polacow Bisson
 
Jogo 17025
Jogo 17025Jogo 17025
Jogo 17025
sayonaradenver
 
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Agrosys Tecnologia
 
Pqsl 001 checkout equipamentos e spare parts rev08
Pqsl 001   checkout equipamentos e spare parts rev08Pqsl 001   checkout equipamentos e spare parts rev08
Pqsl 001 checkout equipamentos e spare parts rev08
Rock Mucho
 
Normas iso de qualidade laboratório
Normas iso de qualidade   laboratórioNormas iso de qualidade   laboratório
Normas iso de qualidade laboratório
Luiz Messano
 
Apresentação controladoria baldacci 2011
Apresentação controladoria baldacci 2011Apresentação controladoria baldacci 2011
Apresentação controladoria baldacci 2011
RChristiano
 
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
Bruno Monteiro
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Neilton Souto Viana
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Camila Pompeu
 
Boas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricaçãoBoas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricação
Thiago Sanson
 
Controle de qualidade de embalagens
Controle de qualidade de embalagensControle de qualidade de embalagens
Controle de qualidade de embalagens
liliancostasilva
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
Everson Alexandre Solomão
 
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso onlineInterpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
GAC CURSOS ONLINE
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
Guias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISAGuias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISA
Marcelo Carvalho
 
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
Seminário CME
 

Mais procurados (20)

387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
 
Rdc 302 funcionamento lb.clinico
Rdc 302 funcionamento lb.clinicoRdc 302 funcionamento lb.clinico
Rdc 302 funcionamento lb.clinico
 
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIAQUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
QUALIDADE EM IMUNO-HEMATOLOGIA
 
Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05Rdc nº 302/05
Rdc nº 302/05
 
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios ClínicosRdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
Rdc 302/05 Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos
 
Jogo 17025
Jogo 17025Jogo 17025
Jogo 17025
 
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
 
Pqsl 001 checkout equipamentos e spare parts rev08
Pqsl 001   checkout equipamentos e spare parts rev08Pqsl 001   checkout equipamentos e spare parts rev08
Pqsl 001 checkout equipamentos e spare parts rev08
 
Normas iso de qualidade laboratório
Normas iso de qualidade   laboratórioNormas iso de qualidade   laboratório
Normas iso de qualidade laboratório
 
Apresentação controladoria baldacci 2011
Apresentação controladoria baldacci 2011Apresentação controladoria baldacci 2011
Apresentação controladoria baldacci 2011
 
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
Tabela a-sugestao-secovi sinduscon-para-r6-em-30-(5)
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
 
Boas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricaçãoBoas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricação
 
Controle de qualidade de embalagens
Controle de qualidade de embalagensControle de qualidade de embalagens
Controle de qualidade de embalagens
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
 
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso onlineInterpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
Interpretação da Norma PBQP-H SiAC 2017 - Curso online
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 
Guias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISAGuias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISA
 
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
 

Destaque

Tung1195sort
Tung1195sortTung1195sort
Tung1195sortGWROY
 
Revista Viaje Mais
Revista Viaje MaisRevista Viaje Mais
Revista Viaje Mais
Meio & Mensagem
 
2) summer camp 2013
2) summer camp 20132) summer camp 2013
2) summer camp 2013Smart Kids
 
Mtv vma 2014 cota digital 30.04
Mtv vma 2014   cota digital 30.04Mtv vma 2014   cota digital 30.04
Mtv vma 2014 cota digital 30.04
Meio & Mensagem
 
Play
PlayPlay
Play
frasan16
 
Asr12.02
Asr12.02Asr12.02
Asr12.02
Meio & Mensagem
 
A Força do Agronegócio
A Força do AgronegócioA Força do Agronegócio
A Força do Agronegócio
Meio & Mensagem
 
Horario pruebas PAU
Horario pruebas PAUHorario pruebas PAU
Horario pruebas PAU
rmi_cascales
 
Calendário anual 2014
Calendário anual 2014Calendário anual 2014
Calendário anual 2014
Meio & Mensagem
 
Cert.Decon-Ex Hospital Selayang
Cert.Decon-Ex Hospital SelayangCert.Decon-Ex Hospital Selayang
Cert.Decon-Ex Hospital SelayangMcpherson Ulak
 
Sbt pará 10.04
Sbt pará 10.04Sbt pará 10.04
Sbt pará 10.04
Meio & Mensagem
 
Rede gaucha
Rede gauchaRede gaucha
Rede gaucha
Meio & Mensagem
 
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOSTroca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
Meio & Mensagem
 
Canal rural 07.04
Canal rural 07.04Canal rural 07.04
Canal rural 07.04
Meio & Mensagem
 
Nickelodeon 30.04
Nickelodeon 30.04Nickelodeon 30.04
Nickelodeon 30.04
Meio & Mensagem
 
Copa 2014
Copa 2014Copa 2014
Copa 2014
Meio & Mensagem
 
Super norte 07.04
Super norte 07.04Super norte 07.04
Super norte 07.04
Meio & Mensagem
 
Company profiles 1
Company profiles 1Company profiles 1
Company profiles 1
Naveen Gowda
 

Destaque (20)

Aaaaa
AaaaaAaaaa
Aaaaa
 
Tung1195sort
Tung1195sortTung1195sort
Tung1195sort
 
Revista Viaje Mais
Revista Viaje MaisRevista Viaje Mais
Revista Viaje Mais
 
Trasfondo día-mam
Trasfondo día-mamTrasfondo día-mam
Trasfondo día-mam
 
2) summer camp 2013
2) summer camp 20132) summer camp 2013
2) summer camp 2013
 
Mtv vma 2014 cota digital 30.04
Mtv vma 2014   cota digital 30.04Mtv vma 2014   cota digital 30.04
Mtv vma 2014 cota digital 30.04
 
Play
PlayPlay
Play
 
Asr12.02
Asr12.02Asr12.02
Asr12.02
 
A Força do Agronegócio
A Força do AgronegócioA Força do Agronegócio
A Força do Agronegócio
 
Horario pruebas PAU
Horario pruebas PAUHorario pruebas PAU
Horario pruebas PAU
 
Calendário anual 2014
Calendário anual 2014Calendário anual 2014
Calendário anual 2014
 
Cert.Decon-Ex Hospital Selayang
Cert.Decon-Ex Hospital SelayangCert.Decon-Ex Hospital Selayang
Cert.Decon-Ex Hospital Selayang
 
Sbt pará 10.04
Sbt pará 10.04Sbt pará 10.04
Sbt pará 10.04
 
Rede gaucha
Rede gauchaRede gaucha
Rede gaucha
 
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOSTroca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
Troca dos painéis de frota em 15 MINUTOS
 
Canal rural 07.04
Canal rural 07.04Canal rural 07.04
Canal rural 07.04
 
Nickelodeon 30.04
Nickelodeon 30.04Nickelodeon 30.04
Nickelodeon 30.04
 
Copa 2014
Copa 2014Copa 2014
Copa 2014
 
Super norte 07.04
Super norte 07.04Super norte 07.04
Super norte 07.04
 
Company profiles 1
Company profiles 1Company profiles 1
Company profiles 1
 

Semelhante a Segurança na manutenção

05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
Carlos Henrique Tosi
 
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.pptREALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
Valdir Conceição
 
calibracoes_manutencoes.pdf
calibracoes_manutencoes.pdfcalibracoes_manutencoes.pdf
calibracoes_manutencoes.pdf
GreycielleSimoes
 
Abc if
Abc ifAbc if
Abc if
Abc ifAbc if
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Aula 01   definição análise de falhas-técnicasAula 01   definição análise de falhas-técnicas
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Fernando Oliveira
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
ArlanFN2
 
10 princípios da inspeção
10   princípios da inspeção10   princípios da inspeção
10 princípios da inspeção
Ricardo Pampu
 
Cap 10 princípios da inspecao
Cap 10 princípios da inspecaoCap 10 princípios da inspecao
Cap 10 princípios da inspecao
Priscilla Sky
 
Aula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.pptAula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.ppt
PedroAgnelNeto
 
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramentoProcedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Universidade Federal Fluminense
 
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramentoProcedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Universidade Federal Fluminense
 
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
stpvendas2
 
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granel
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granelTransporte rodoviário de produtos perigosos a granel
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granel
Jupira Silva
 
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
Agrosys Tecnologia
 
Boas práticas de aquisição de equipamentos
Boas práticas de aquisição de equipamentosBoas práticas de aquisição de equipamentos
Boas práticas de aquisição de equipamentos
Sueli Marques
 
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclavesManual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
Letícia Spina Tapia
 
Manual sobre autoclave sus
Manual sobre autoclave   susManual sobre autoclave   sus
Manual sobre autoclave sus
paudosfeerros
 
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.pptTERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
CarlosStolze1
 
Legislação hoteleira
Legislação hoteleiraLegislação hoteleira
Legislação hoteleira
Diego199115
 

Semelhante a Segurança na manutenção (20)

05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
 
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.pptREALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
REALIZAÇÃO DO PRODUTO3.ppt
 
calibracoes_manutencoes.pdf
calibracoes_manutencoes.pdfcalibracoes_manutencoes.pdf
calibracoes_manutencoes.pdf
 
Abc if
Abc ifAbc if
Abc if
 
Abc if
Abc ifAbc if
Abc if
 
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Aula 01   definição análise de falhas-técnicasAula 01   definição análise de falhas-técnicas
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
 
10 princípios da inspeção
10   princípios da inspeção10   princípios da inspeção
10 princípios da inspeção
 
Cap 10 princípios da inspecao
Cap 10 princípios da inspecaoCap 10 princípios da inspecao
Cap 10 princípios da inspecao
 
Aula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.pptAula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.ppt
 
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramentoProcedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
 
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramentoProcedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
Procedimento para controle de dispositivos de medição e monitoramento
 
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
496295844-3-Manutencao-Preventiva-CAT.pdf
 
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granel
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granelTransporte rodoviário de produtos perigosos a granel
Transporte rodoviário de produtos perigosos a granel
 
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
Caminhos para certificação BRC "A" – Case Bello Alimentos no VII Seminário Ag...
 
Boas práticas de aquisição de equipamentos
Boas práticas de aquisição de equipamentosBoas práticas de aquisição de equipamentos
Boas práticas de aquisição de equipamentos
 
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclavesManual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
 
Manual sobre autoclave sus
Manual sobre autoclave   susManual sobre autoclave   sus
Manual sobre autoclave sus
 
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.pptTERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
TERCA - Analises Oleos Usados - Ferrografia.ppt
 
Legislação hoteleira
Legislação hoteleiraLegislação hoteleira
Legislação hoteleira
 

Mais de Beatriz Nonato

Apresentação vibrações
Apresentação vibraçõesApresentação vibrações
Apresentação vibrações
Beatriz Nonato
 
Apresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicasApresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicas
Beatriz Nonato
 
Planejamento de projeto
Planejamento de projetoPlanejamento de projeto
Planejamento de projeto
Beatriz Nonato
 
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
Manutenção de uma válvula de controle direcional   1Manutenção de uma válvula de controle direcional   1
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
Beatriz Nonato
 
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercialApresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
Beatriz Nonato
 
Slides usinagem grupo 1
Slides usinagem   grupo 1Slides usinagem   grupo 1
Slides usinagem grupo 1
Beatriz Nonato
 
Trabalho de instrumentos finalizado
Trabalho de instrumentos  finalizadoTrabalho de instrumentos  finalizado
Trabalho de instrumentos finalizado
Beatriz Nonato
 
Segurança na manutenção
Segurança na manutençãoSegurança na manutenção
Segurança na manutenção
Beatriz Nonato
 
Apresentação meio ambiente
Apresentação meio ambienteApresentação meio ambiente
Apresentação meio ambiente
Beatriz Nonato
 

Mais de Beatriz Nonato (9)

Apresentação vibrações
Apresentação vibraçõesApresentação vibrações
Apresentação vibrações
 
Apresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicasApresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicas
 
Planejamento de projeto
Planejamento de projetoPlanejamento de projeto
Planejamento de projeto
 
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
Manutenção de uma válvula de controle direcional   1Manutenção de uma válvula de controle direcional   1
Manutenção de uma válvula de controle direcional 1
 
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercialApresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
Apresentação metodologia da pesquisa supersônico comercial
 
Slides usinagem grupo 1
Slides usinagem   grupo 1Slides usinagem   grupo 1
Slides usinagem grupo 1
 
Trabalho de instrumentos finalizado
Trabalho de instrumentos  finalizadoTrabalho de instrumentos  finalizado
Trabalho de instrumentos finalizado
 
Segurança na manutenção
Segurança na manutençãoSegurança na manutenção
Segurança na manutenção
 
Apresentação meio ambiente
Apresentação meio ambienteApresentação meio ambiente
Apresentação meio ambiente
 

Segurança na manutenção

  • 1.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Como funcionam as organizações De Manutenção Aeronáutica ?
  • 6. Deve-se garantir a utilização de materiais próprios para fins aeronáuticos O material deve ter Especificação técnica de origem conhecida, comprovando ser material aprovado no Brasil, ou por empresa homologada em outro país segundo requisitos equivalentes. Organizações de Manutenção devem prover um sistema de inspeção preliminar de todos os artigos que mantém, visando determinar o estado de preservação ou de defeitos nos mesmos.
  • 7. O resultado de cada inspeção deve ser registrado em formulário adequado, formulado pela empresa, e esse formulário deve ser mantido junto com o artigo, até o mesmo ser liberado para serviço Um sistema de controle que assegure que, antes de iniciar trabalhos em uma célula, motor ou partes que tenham sido envolvidas em acidentes, tais partes tenham sido totalmente inspecionadas quanto a falhas ocultas, inclusive em áreas próximas a pontos obviamente danificados coíbe o reaproveitamento de materiais danificados. Além disto, os resultados de tais inspeções devem ser registrados em formulários também padronizados.
  • 8. As empresas de Manutenção Aeronáutica devem possuir os equipamentos, materiais, ferramentas e testes necessários para desempenhar eficientemente as funções inerentes aos trabalhos que se propõe executar. Devem assegurar-se de que todos os equipamentos de inspeção e de teste são controlados e verificados em intervalos regulares para garantir correta calibração para um padrão estabelecido pelo INMETRO ou um padrão estabelecido pelo fabricante do equipamento.
  • 9. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÕES(MPI)
  • 10.
  • 11. • Falta de relação de controle dos Manuais (dos fabricantes) e status de revisões desses manuais, o que garante a sua atualização; • Uso de cópias ao invés do original do Manual de Manutenção do Componente (CMM), o que não é aceito pelas autoridades aeronáuticas; • Falta de Coletânea de Diretrizes de Aeronavegabilidade, que são as instruções corretivas expedidas pelos fabricantes para a execução de serviços em material que apresentou falhas; • Falta de calibração em instrumentos e ferramentas de precisão, muito utilizadas para garantir torques e medidas; • Recebimento de peças e estocagem. Vários materiais encontrados em estoque nas empresas estavam sem condições de rastreabilidade ou até mesmo não havia um controle de peças neste estoque; • Falta de controle de temperatura e umidade do estoque ou da oficina; • Equipamentos eletrônicos guardados sem embalagem e descansados diretamente em prateleiras metálicas.
  • 12. 33% 15% 11% 7% 6% 4% Erros Instalação incompleta Estragos na peça durante a instalação Equipamento não instalado ou perdido Danos por objetos ingeridos Falta de isolação, inspeção e teste Equipamento não ativado ou não desativado
  • 13. Os acidentes na manutenção 1983, L-1011, jato de três motores, estava em vôo de Miami para Nassau
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Este trabalho foi apresentado por: