SlideShare uma empresa Scribd logo
1
ENG09007 – 2012/2
METROLOGIA E ENSAIOS
Padronização e Sistemas de Medição
Prof. Alexandre Pedott
pedott@producao.ufrgs.br
ENG09007 – 2012/2
Normas Técnicas
ABNT NBR ISO 9001:2008
ABNT NBR ISO/TS 16949:2009
Calibração – ABNT NBR ISO 10012:2004
Laboratórios – ABNT NBR ISO IEC 17025:2005
Análise do Sistema de Medição – AIAG Manual do
MSA: 4ª ed.
2
ENG09007 – 2012/2
Sistema da Qualidade
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO/TS 16949
Requisitos da Norma ISO 9001
Determinar as medições e os equipamentos de medição
necessários para fornecer evidências da conformidade do produto
com os requisitos determinados.
Estabelecer processos para assegurar a realização das
medições conforme os requisitos de monitoramento e medição.
Para assegurar resultados válidos, o equipamento de medição
deve ser calibrado, ajustado e protegido contra danos.
Sistema da Qualidade
3
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO/TS 16949
Requisitos da Norma ISO 9001
O equipamento deve ser identificado para determinar sua
situação de calibração.
Quando o equipamento não estiver conforme deve-se tomar
ação apropriada no equipamento e em qualquer produto afetado.
Manter os registros dos resultados de calibração e verificação.
Sistema da Qualidade
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO/TS 16949
Requisitos Específicos para Fornecedores da Ind. Automotiva
Estudos estatísticos para analisar a variação presente nos
resultados de cada tipo de SM e ensaios referenciados no Plano de
Controle (Análise do Sistema de Medição – MSA).
Os métodos analíticos e critérios de aceitação usados devem
estar conformes o manual de referência de análise do SM do
cliente.
Sistema da Qualidade
4
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO/TS 16949
Requisitos Específicos para Fornecedores da Ind. Automotiva
Requisitos para registros das atividades de calibração e
verificação. Notificação para o cliente se o material ou produto
suspeito tiver sido enviado.
Requisitos de laboratórios de calibração e ensaio – ISO IEC
17025 – requisitos de qualidade e técnicos.
Sistema da Qualidade
ENG09007 – 2012/2
Requisitos Governamentais
No Comércio: balança, hidrômetro, taxímetro, bomba medidora
de combustível;
Na Saúde : termômetro clínico, medidor de pressão sanguínea
(esfigmomanômetro);
Segurança : cronotacógrafo, medidor de velocidade de veículos,
etilômetro;
Meio Ambiente: analisador de gases veiculares, opacímetro,
módulo de inspeção veicular;
Efeito Fiscal: medidor de velocidade de veículos, analisador de
gases veiculares.
5
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO IEC 17025
Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio
e calibração
Requisitos Gerenciais
4.1 Organização
4.2 Sistema da qualidade
4.3 Controle dos documentos
4.4 Análise crítica dos pedidos,
propostas e contratos
4.5 Subcontratação de ensaios e
calibrações
4.6 Aquisição de serviços e
suprimentos
4.7 Atendimento ao cliente
4.8 Reclamações
4.9 Controle dos trabalhos de ensaio
4.9 Controle dos trabalhos de ensaio
e/ou calibração não conforme
e/ou calibração não conforme
4.10 Ação corretiva
4.10 Ação corretiva
4.11 Ação preventiva
4.11 Ação preventiva
4.12 Controle dos registros
4.12 Controle dos registros
4.13 Auditorias internas
4.13 Auditorias internas
4.14 Análises críticas pela gerência
4.14 Análises críticas pela gerência
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO IEC 17025
Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio
e calibração
Requisitos Técnicos
5.1 Generalidades
5.2 Pessoal
5.3 Acomodações e condições ambientais
5.4 Métodos de ensaio e calibração e validação de métodos
5.5 Equipamentos
5.6 Rastreabilidade da medição
5.7 Amostragem
5.8 Manuseio de itens de ensaio e calibração
5.9 Garantia da qualidade de resultados de ensaio e calibração
5.10 Apresentação de resultados
6
ENG09007 – 2012/2
Manual do MSA
Manual de referência de análise do SM do cliente inclui:
 O Processo de Medição e os Efeitos da Variabilidade
 O Planejamento da Medição
 A escolha do Equipamento de Medição
 Medição e Erro
 Incerteza da Medição
 Análise do Sistema de Medição
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO 10012
Sistemas de Gestão da Medição
 Fornece requisitos genéricos e orientação para a gestão do
processo de medição e comprovação metrológica de equipamento
de medição usado para suportar e demonstrar conformidade com
requisitos metrológicos.
 Especifica requisitos de garantia de um SGM que pode ser usado
por uma organização, que executa medições como parte de um
sistema de gestão global, e para assegurar que os requisitos
metrológicos são atendidos.
 Utilizada principalmente em empresas nas quais os resultados do
SM são parte das especificações do cliente.
7
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO 10012
Sistemas de Gestão da Medição
ENG09007 – 2012/2
ABNT NBR ISO 10012
Sistemas de Gestão da Medição
Todos os resultados de medição devem ser rastreáveis às
unidades padrões do SI.
A rastreabilidade é alcançada por referência a um padrão
primário apropriado ou uma constante natural, cujo valor é
reconhecido pela CGPM e pelo CIPM.
A rastreabilidade é, usualmente, alcançada através de
laboratórios de calibrações confiáveis, tendo sua própria
rastrabilidade a laboratórios nacionais de calibração.
8
ENG09007 – 2012/2
VIM
Padrão primário
Padrão que é designado ou amplamente reconhecido como
tendo as mais altas qualidades metrológicas e cujo valor é
aceito sem referência a outros padrões da mesma grandeza.
Padrão secundário
Padrão cujo valor é estabelecido por comparação a um padrão
primário da mesma grandeza.
ENG09007 – 2012/2
VIM
Padrão de referência
Padrão, geralmente tendo a mais alta qualidade metrológica
disponível em um dado local ou em uma dada organização, a
partir do qual as medições lá executadas são derivadas.
Padrão de trabalho
Padrão utilizado rotineiramente para calibrar ou controlar
medidas materializadas, instrumentos de medição ou materiais
de referência.
Um padrão de trabalho é, geralmente calibrado por
comparação a um padrão de referência. É utilizado
rotineiramente para assegurar que as medições estão sendo
executadas corretamente é chamado padrão de controle.
9
ENG09007 – 2012/2
Rastreabilidade da Medição
BIPM
BIPM (Bureau Internacional de Pesos e Medidas)
ENG09007 – 2012/2
Laboratórios do Chão de Fábrica
 Devem atender aos requisitos do cliente (legais).
 Os padrões usados nas calibrações e ensaios devem ser
calibrados em laboratórios de referência.
 Devem ser consideradas as incertezas de medição
provenientes dos padrões de referência.
 Assegurar que os equipamentos de medição estejam
adequados aos requisitos do monitoramento e medição do
produto.
10
ENG09007 – 2012/2
Laboratórios do Chão de Fábrica
ENG09007 – 2012/2
Laboratórios de Calibração
Nome do Laboratório Área de Atuação
CIENTEC ELETRICIDADE, TEMPERATURA E UMIDADE
NOVUS TEMPERATURA E UMIDADE
INCOTERM TEMPERATURA, UMIDADE, VOLUME E MASSA ESPECÍFICA
SENAI - CETEMP
DIMENSIONAL, MASSA, PRESSÃO, FORÇA, TORQUE, DUREZA,
VOLUME E MASSA ESPECÍFICA
LABELO - PUC/RS
ACÚSTICA E VIBRAÇÕES, ALTA FREQÜÊNCIA,
TELECOMUNICAÇÕES, ELETRICIDADE, FORÇA, TORQUE, DUREZA,
ÓTICA, TEMPERATURA, UMIDADE, TEMPO E FREQUÊNCIA
METROQUALITY MASSA
PRECISOTEC DIMENSIONAL
11
ENG09007 – 2012/2
Laboratórios de Calibração
ENG09007 – 2012/2
Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio - RBLE
Nome do Laboratório / Organização
SOUZA CRUZ S.A. - REGIONAL PRODUCT CENTRE - AMERICAS
PHILIP MORRIS BRASIL INDÚSTRIA  COMÉRCIO LTDA.
LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS EM ELETRO-ELETRÔNICA - LABELO- PUC/RS
SENAI / CENTRO TECNOLÓGICO DE POLÍMEROS - LABORATÓRIO DE ENSAIOS DO CETEPO
CIENTEC- FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
IBTEC - INSTITUTO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DO COURO, CALÇADO E ARTEFATOS
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - LABORATÓRIO DE ANÁLISES MICOTOXICOLÓGICAS
VIPALTEC - PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO LTDA
SENAI - CENTRO TECNOLÓGICO DE MECÂNICA DE PRECISÃO - CETEMP
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - NUCLEO DE ANALISES E PESQUISAS ORGÂNICAS
SGS PID SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, TESTES E COMISSIONAMENTO INDUSTRIAIS LTDA
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI - NÚCLEO DE CERÂMICA VERMELHA
UFRGS- UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - Laboratório de Metalurgia Física - LAMEF
DHB - Componentes Automotivos S/A. - Laboratório da Engenharia Experimental
12
ENG09007 – 2012/2
Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio - RBLE
ENG09007 – 2012/2
Laboratórios Nacionais
13
ENG09007 – 2012/2
RASTREABILIDADE
BIPM
BIPM
INMETRO
INMETRO
RBC
RBC FÁBRICA
FÁBRICA
ENG09007 – 2012/2
• É o conjunto de operações que têm por objetivo determinar o
valor de uma grandeza.
• Grandeza é o atributo de um fenômeno, corpo ou substância
que pode ser qualitativamente distinguido e
quantitativamente determinado.
• Medir é um processo experimental pelo qual o valor
momentâneo de uma grandeza física é quantificado em
termos de unidades de um padrão rastreável.
• Medida é o valor obtido pelo processo de medição para a
grandeza considerada.
Medição
14
ENG09007 – 2012/2
Monitorar
Indicar o valor momentâneo ou acumulado do mensurando.
Controlar
Manter a grandeza dentro dos limites determinados.
Investigar
Usar as medidas como base de dados em pesquisas científicas.
Objetivos da Medição
ENG09007 – 2012/2
Sistema de Medição
Equipamento
OPERADOR
PROCEDIMENTO
MENSURANDO
15
ENG09007 – 2012/2
Métodos de Medição
Procedimento de Medição
Conjunto de operações, descritas especificamente, usadas na
execução de medições particulares de acordo com um dado
método. Um procedimento de medição apresenta detalhes
suficientes para permitir que um operador execute a medição
sem informações adicionais.
ENG09007 – 2012/2
Métodos de Medição
Método de medição
Seqüência lógica de operações, descritas genericamente, usadas
na execução das medições.
 método por substituição – o mensurando é substituído;
 método diferencial – mede-se a diferença entre o
mensurando e um padrão;
 método de zero – o mensurando e o padrão são colocados em
oposição para obtenção do zero.
16
ENG09007 – 2012/2
Sistema de Medição
MENSURANDO
SENSOR TRANSDUTOR
CONDICIONADOR
DE SINAIS REGISTRO
A grandeza é estática ou dinâmica em relação ao tempo de
medição?
Qual a amplitude de variação da grandeza?
A quantidade de medidas tem caráter repetitivo?
Qual é o princípio físico de
operação?
Qual é a resolução?
Qual é a sensibilidade frente a
pequenas variações no
mensurando;
Qual é o tempo de resposta?
Qual é a faixa de operação?
ENG09007 – 2012/2
Resultado da Medição
Resolução - Menor diferença entre indicações de um dispositivo
mostrador que pode ser significativamente percebida.
Estabilidade - Aptidão de um instrumento em conservar constantes
suas características metrológicas ao longo do tempo.
Tempo de Resposta - Intervalo de tempo entre o instante em que
um estímulo é submetido a uma variação brusca e o instante em
que a resposta atinge e permanece dentro de limites especificados
em torno do seu valor final estável.
Exatidão de um Instrumento – Aptidão de um instrumento de
medição para dar respostas próximas a um valor verdadeiro.
Classe de Exatidão –Classe de instrumentos de medição que
satisfazem a certas exigências metrológicas destinadas a conservar
os erros dentro de limites especificados.
17
ENG09007 – 2012/2
Discriminação
(Resolução ou Legibilidade)
É a quantidade de mudança com relação ao valor de
referência que um instrumento pode detectar e confiavelmente
indicar.
Uma medida da discriminação é dada pelo valor de menor
graduação na escala do instrumento.
Regra do Dez: a discriminação de um instrumento deve ser
pelo menos um décimo (1/10) do intervalo a ser medido
(tolerância ou variação do processo).
ENG09007 – 2012/2
Planejamento de um SM
O planejamento define o caminho a seguir para a
construção de um SM. Tem um efeito significativo sobre a
qualidade e o desempenho do SM.
O tipo, a complexidade e o propósito do SM podem
demandar diferentes níveis de planejamento (APQP).
 Objetivo do processo de medição;
 Ciclo de vida da medição;
 Fluxograma;
 Critérios de seleção de um SM (FMEA);
 Pesquisa de métodos;
 Processo de Aquisição do equipamento.
18
ENG09007 – 2012/2
Resultado da Medição
É o valor atribuído a um mensurando obtido por medição.
Observações:
1) Quando um resultado é dado, deve-se indicar claramente se ele
se refere:
- à indicação;
- ao resultado não corrigido;
- ao resultado corrigido;
e se corresponde ao valor médio de várias medições.
2) Uma expressão completa do resultado de uma medição inclui
informações sobre a incerteza de medição.
ENG09007 – 2012/2
Resultado da Medição
Indicação de um instrumento de medição (I)
É o valor de uma grandeza fornecido por um instrumento de
medição;
 O valor lido no dispositivo mostrador pode ser denominado de
indicação direta, ele é multiplicado pela constante do instrumento
para fornecer a indicação:
 A grandeza pode ser um mensurando, um sinal de medição ou
uma outra grandeza à ser usada no cálculo do valor do
mensurando.
 Para uma medida materializada a indicação é o valor à ela
estabelecido.
19
ENG09007 – 2012/2
Medição Elétrica
ENG09007 – 2012/2
Medição Dimensional
20
ENG09007 – 2012/2
Medição Hidrostática e Hidrodinâmica
39
Barômetro
de mercúrio
Manômetro
(mede pressões em
recipientes fechados
como gases e líquidos)
ENG09007 – 2012/2
Medição de Temperatura
21
ENG09007 – 2012/2
Medição de Massa
ENG09007 – 2012/2
METROLOGIA E ENSAIOS
Padronização e Sistemas de Medição
Prof. Alexandre Pedott
pedott@producao.ufrgs.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
Carlos Henrique Tosi
 
Comissionamento como primeira manuten+º+úo rev
Comissionamento como primeira manuten+º+úo revComissionamento como primeira manuten+º+úo rev
Comissionamento como primeira manuten+º+úo rev
Edi Carlos M. de Lima
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
Lidiane Fenerich
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23
stoc3214
 
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
Baggi Brasil
 

Mais procurados (19)

05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
05 d3 pac-13--calibracao-e-afericao-de-instrumentos-de-controle-de-processo
 
Pmoc
PmocPmoc
Pmoc
 
Workshop balanças
Workshop balançasWorkshop balanças
Workshop balanças
 
Comissionamento como primeira manuten+º+úo rev
Comissionamento como primeira manuten+º+úo revComissionamento como primeira manuten+º+úo rev
Comissionamento como primeira manuten+º+úo rev
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Circular 175
Circular 175Circular 175
Circular 175
 
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃOINSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
 
Jogo 17025
Jogo 17025Jogo 17025
Jogo 17025
 
Pop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padraoPop+ +procedimento+operacional+padrao
Pop+ +procedimento+operacional+padrao
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
Nbr 5427 1985
Nbr 5427 1985Nbr 5427 1985
Nbr 5427 1985
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
 
Interpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SPInterpretacao de normas leis TAC SP
Interpretacao de normas leis TAC SP
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23
 
Mod ordem serviço
Mod ordem serviçoMod ordem serviço
Mod ordem serviço
 
Portaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOCPortaria Nº 3.523 - PMOC
Portaria Nº 3.523 - PMOC
 
Ppra aq químico rev000 15.09.2016
Ppra aq químico rev000 15.09.2016Ppra aq químico rev000 15.09.2016
Ppra aq químico rev000 15.09.2016
 
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
 

Semelhante a 387 padronizacao e_sistemas_de_medicao

Metrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidadeMetrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidade
Ythia Karla
 
Acreditação de laboratórios
Acreditação de laboratóriosAcreditação de laboratórios
Acreditação de laboratórios
fcanico
 
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipeMETROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
Diego Vieira de Souza
 
Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02
guest2b559
 
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.docPR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
CarlosJunior481127
 
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
Gabrielagonzaga15
 
Jornadas tecnicas intervencaoipq
Jornadas tecnicas intervencaoipqJornadas tecnicas intervencaoipq
Jornadas tecnicas intervencaoipq
moises_01
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Frederico José S. Gomes
 

Semelhante a 387 padronizacao e_sistemas_de_medicao (20)

Seminário Avaliação da Conformidade e ISO na Metrologia
Seminário Avaliação da Conformidade e ISO na MetrologiaSeminário Avaliação da Conformidade e ISO na Metrologia
Seminário Avaliação da Conformidade e ISO na Metrologia
 
Metrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidadeMetrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidade
 
Nm iso 9712_2007_calificacion personal end
Nm iso 9712_2007_calificacion personal endNm iso 9712_2007_calificacion personal end
Nm iso 9712_2007_calificacion personal end
 
Acreditação de laboratórios
Acreditação de laboratóriosAcreditação de laboratórios
Acreditação de laboratórios
 
Acreditação lab!!!auditoria
Acreditação lab!!!auditoriaAcreditação lab!!!auditoria
Acreditação lab!!!auditoria
 
Imetro
ImetroImetro
Imetro
 
Equipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoEquipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorização
 
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de MediçãoABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
ABNT NBR ISO 10012:2004 - Sistema de Gestão de Medição
 
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipeMETROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
METROLOGIA 2015_Validação AP diego e filipe
 
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
 
Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02Doq Cgcre001r02
Doq Cgcre001r02
 
curso Iso 9000
curso Iso 9000curso Iso 9000
curso Iso 9000
 
Aula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.pptAula 06 - SGQ II.ppt
Aula 06 - SGQ II.ppt
 
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.docPR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
 
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
449775742-PR-002-Controle-Dos-Instrumentos-de-Medicao-e-Verificacao-Rev-02-02...
 
Laboratório de qualidade
Laboratório de qualidadeLaboratório de qualidade
Laboratório de qualidade
 
Jornadas tecnicas intervencaoipq
Jornadas tecnicas intervencaoipqJornadas tecnicas intervencaoipq
Jornadas tecnicas intervencaoipq
 
Iso 22000
Iso 22000Iso 22000
Iso 22000
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
 
Mq manual da qualidade
Mq   manual da qualidadeMq   manual da qualidade
Mq manual da qualidade
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

387 padronizacao e_sistemas_de_medicao

  • 1. 1 ENG09007 – 2012/2 METROLOGIA E ENSAIOS Padronização e Sistemas de Medição Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br ENG09007 – 2012/2 Normas Técnicas ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO/TS 16949:2009 Calibração – ABNT NBR ISO 10012:2004 Laboratórios – ABNT NBR ISO IEC 17025:2005 Análise do Sistema de Medição – AIAG Manual do MSA: 4ª ed.
  • 2. 2 ENG09007 – 2012/2 Sistema da Qualidade ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO/TS 16949 Requisitos da Norma ISO 9001 Determinar as medições e os equipamentos de medição necessários para fornecer evidências da conformidade do produto com os requisitos determinados. Estabelecer processos para assegurar a realização das medições conforme os requisitos de monitoramento e medição. Para assegurar resultados válidos, o equipamento de medição deve ser calibrado, ajustado e protegido contra danos. Sistema da Qualidade
  • 3. 3 ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO/TS 16949 Requisitos da Norma ISO 9001 O equipamento deve ser identificado para determinar sua situação de calibração. Quando o equipamento não estiver conforme deve-se tomar ação apropriada no equipamento e em qualquer produto afetado. Manter os registros dos resultados de calibração e verificação. Sistema da Qualidade ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO/TS 16949 Requisitos Específicos para Fornecedores da Ind. Automotiva Estudos estatísticos para analisar a variação presente nos resultados de cada tipo de SM e ensaios referenciados no Plano de Controle (Análise do Sistema de Medição – MSA). Os métodos analíticos e critérios de aceitação usados devem estar conformes o manual de referência de análise do SM do cliente. Sistema da Qualidade
  • 4. 4 ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO/TS 16949 Requisitos Específicos para Fornecedores da Ind. Automotiva Requisitos para registros das atividades de calibração e verificação. Notificação para o cliente se o material ou produto suspeito tiver sido enviado. Requisitos de laboratórios de calibração e ensaio – ISO IEC 17025 – requisitos de qualidade e técnicos. Sistema da Qualidade ENG09007 – 2012/2 Requisitos Governamentais No Comércio: balança, hidrômetro, taxímetro, bomba medidora de combustível; Na Saúde : termômetro clínico, medidor de pressão sanguínea (esfigmomanômetro); Segurança : cronotacógrafo, medidor de velocidade de veículos, etilômetro; Meio Ambiente: analisador de gases veiculares, opacímetro, módulo de inspeção veicular; Efeito Fiscal: medidor de velocidade de veículos, analisador de gases veiculares.
  • 5. 5 ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO IEC 17025 Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração Requisitos Gerenciais 4.1 Organização 4.2 Sistema da qualidade 4.3 Controle dos documentos 4.4 Análise crítica dos pedidos, propostas e contratos 4.5 Subcontratação de ensaios e calibrações 4.6 Aquisição de serviços e suprimentos 4.7 Atendimento ao cliente 4.8 Reclamações 4.9 Controle dos trabalhos de ensaio 4.9 Controle dos trabalhos de ensaio e/ou calibração não conforme e/ou calibração não conforme 4.10 Ação corretiva 4.10 Ação corretiva 4.11 Ação preventiva 4.11 Ação preventiva 4.12 Controle dos registros 4.12 Controle dos registros 4.13 Auditorias internas 4.13 Auditorias internas 4.14 Análises críticas pela gerência 4.14 Análises críticas pela gerência ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO IEC 17025 Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração Requisitos Técnicos 5.1 Generalidades 5.2 Pessoal 5.3 Acomodações e condições ambientais 5.4 Métodos de ensaio e calibração e validação de métodos 5.5 Equipamentos 5.6 Rastreabilidade da medição 5.7 Amostragem 5.8 Manuseio de itens de ensaio e calibração 5.9 Garantia da qualidade de resultados de ensaio e calibração 5.10 Apresentação de resultados
  • 6. 6 ENG09007 – 2012/2 Manual do MSA Manual de referência de análise do SM do cliente inclui: O Processo de Medição e os Efeitos da Variabilidade O Planejamento da Medição A escolha do Equipamento de Medição Medição e Erro Incerteza da Medição Análise do Sistema de Medição ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO 10012 Sistemas de Gestão da Medição Fornece requisitos genéricos e orientação para a gestão do processo de medição e comprovação metrológica de equipamento de medição usado para suportar e demonstrar conformidade com requisitos metrológicos. Especifica requisitos de garantia de um SGM que pode ser usado por uma organização, que executa medições como parte de um sistema de gestão global, e para assegurar que os requisitos metrológicos são atendidos. Utilizada principalmente em empresas nas quais os resultados do SM são parte das especificações do cliente.
  • 7. 7 ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO 10012 Sistemas de Gestão da Medição ENG09007 – 2012/2 ABNT NBR ISO 10012 Sistemas de Gestão da Medição Todos os resultados de medição devem ser rastreáveis às unidades padrões do SI. A rastreabilidade é alcançada por referência a um padrão primário apropriado ou uma constante natural, cujo valor é reconhecido pela CGPM e pelo CIPM. A rastreabilidade é, usualmente, alcançada através de laboratórios de calibrações confiáveis, tendo sua própria rastrabilidade a laboratórios nacionais de calibração.
  • 8. 8 ENG09007 – 2012/2 VIM Padrão primário Padrão que é designado ou amplamente reconhecido como tendo as mais altas qualidades metrológicas e cujo valor é aceito sem referência a outros padrões da mesma grandeza. Padrão secundário Padrão cujo valor é estabelecido por comparação a um padrão primário da mesma grandeza. ENG09007 – 2012/2 VIM Padrão de referência Padrão, geralmente tendo a mais alta qualidade metrológica disponível em um dado local ou em uma dada organização, a partir do qual as medições lá executadas são derivadas. Padrão de trabalho Padrão utilizado rotineiramente para calibrar ou controlar medidas materializadas, instrumentos de medição ou materiais de referência. Um padrão de trabalho é, geralmente calibrado por comparação a um padrão de referência. É utilizado rotineiramente para assegurar que as medições estão sendo executadas corretamente é chamado padrão de controle.
  • 9. 9 ENG09007 – 2012/2 Rastreabilidade da Medição BIPM BIPM (Bureau Internacional de Pesos e Medidas) ENG09007 – 2012/2 Laboratórios do Chão de Fábrica Devem atender aos requisitos do cliente (legais). Os padrões usados nas calibrações e ensaios devem ser calibrados em laboratórios de referência. Devem ser consideradas as incertezas de medição provenientes dos padrões de referência. Assegurar que os equipamentos de medição estejam adequados aos requisitos do monitoramento e medição do produto.
  • 10. 10 ENG09007 – 2012/2 Laboratórios do Chão de Fábrica ENG09007 – 2012/2 Laboratórios de Calibração Nome do Laboratório Área de Atuação CIENTEC ELETRICIDADE, TEMPERATURA E UMIDADE NOVUS TEMPERATURA E UMIDADE INCOTERM TEMPERATURA, UMIDADE, VOLUME E MASSA ESPECÍFICA SENAI - CETEMP DIMENSIONAL, MASSA, PRESSÃO, FORÇA, TORQUE, DUREZA, VOLUME E MASSA ESPECÍFICA LABELO - PUC/RS ACÚSTICA E VIBRAÇÕES, ALTA FREQÜÊNCIA, TELECOMUNICAÇÕES, ELETRICIDADE, FORÇA, TORQUE, DUREZA, ÓTICA, TEMPERATURA, UMIDADE, TEMPO E FREQUÊNCIA METROQUALITY MASSA PRECISOTEC DIMENSIONAL
  • 11. 11 ENG09007 – 2012/2 Laboratórios de Calibração ENG09007 – 2012/2 Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio - RBLE Nome do Laboratório / Organização SOUZA CRUZ S.A. - REGIONAL PRODUCT CENTRE - AMERICAS PHILIP MORRIS BRASIL INDÚSTRIA COMÉRCIO LTDA. LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS EM ELETRO-ELETRÔNICA - LABELO- PUC/RS SENAI / CENTRO TECNOLÓGICO DE POLÍMEROS - LABORATÓRIO DE ENSAIOS DO CETEPO CIENTEC- FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA IBTEC - INSTITUTO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DO COURO, CALÇADO E ARTEFATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - LABORATÓRIO DE ANÁLISES MICOTOXICOLÓGICAS VIPALTEC - PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO LTDA SENAI - CENTRO TECNOLÓGICO DE MECÂNICA DE PRECISÃO - CETEMP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - NUCLEO DE ANALISES E PESQUISAS ORGÂNICAS SGS PID SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, TESTES E COMISSIONAMENTO INDUSTRIAIS LTDA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI - NÚCLEO DE CERÂMICA VERMELHA UFRGS- UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - Laboratório de Metalurgia Física - LAMEF DHB - Componentes Automotivos S/A. - Laboratório da Engenharia Experimental
  • 12. 12 ENG09007 – 2012/2 Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio - RBLE ENG09007 – 2012/2 Laboratórios Nacionais
  • 13. 13 ENG09007 – 2012/2 RASTREABILIDADE BIPM BIPM INMETRO INMETRO RBC RBC FÁBRICA FÁBRICA ENG09007 – 2012/2 • É o conjunto de operações que têm por objetivo determinar o valor de uma grandeza. • Grandeza é o atributo de um fenômeno, corpo ou substância que pode ser qualitativamente distinguido e quantitativamente determinado. • Medir é um processo experimental pelo qual o valor momentâneo de uma grandeza física é quantificado em termos de unidades de um padrão rastreável. • Medida é o valor obtido pelo processo de medição para a grandeza considerada. Medição
  • 14. 14 ENG09007 – 2012/2 Monitorar Indicar o valor momentâneo ou acumulado do mensurando. Controlar Manter a grandeza dentro dos limites determinados. Investigar Usar as medidas como base de dados em pesquisas científicas. Objetivos da Medição ENG09007 – 2012/2 Sistema de Medição Equipamento OPERADOR PROCEDIMENTO MENSURANDO
  • 15. 15 ENG09007 – 2012/2 Métodos de Medição Procedimento de Medição Conjunto de operações, descritas especificamente, usadas na execução de medições particulares de acordo com um dado método. Um procedimento de medição apresenta detalhes suficientes para permitir que um operador execute a medição sem informações adicionais. ENG09007 – 2012/2 Métodos de Medição Método de medição Seqüência lógica de operações, descritas genericamente, usadas na execução das medições. método por substituição – o mensurando é substituído; método diferencial – mede-se a diferença entre o mensurando e um padrão; método de zero – o mensurando e o padrão são colocados em oposição para obtenção do zero.
  • 16. 16 ENG09007 – 2012/2 Sistema de Medição MENSURANDO SENSOR TRANSDUTOR CONDICIONADOR DE SINAIS REGISTRO A grandeza é estática ou dinâmica em relação ao tempo de medição? Qual a amplitude de variação da grandeza? A quantidade de medidas tem caráter repetitivo? Qual é o princípio físico de operação? Qual é a resolução? Qual é a sensibilidade frente a pequenas variações no mensurando; Qual é o tempo de resposta? Qual é a faixa de operação? ENG09007 – 2012/2 Resultado da Medição Resolução - Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. Estabilidade - Aptidão de um instrumento em conservar constantes suas características metrológicas ao longo do tempo. Tempo de Resposta - Intervalo de tempo entre o instante em que um estímulo é submetido a uma variação brusca e o instante em que a resposta atinge e permanece dentro de limites especificados em torno do seu valor final estável. Exatidão de um Instrumento – Aptidão de um instrumento de medição para dar respostas próximas a um valor verdadeiro. Classe de Exatidão –Classe de instrumentos de medição que satisfazem a certas exigências metrológicas destinadas a conservar os erros dentro de limites especificados.
  • 17. 17 ENG09007 – 2012/2 Discriminação (Resolução ou Legibilidade) É a quantidade de mudança com relação ao valor de referência que um instrumento pode detectar e confiavelmente indicar. Uma medida da discriminação é dada pelo valor de menor graduação na escala do instrumento. Regra do Dez: a discriminação de um instrumento deve ser pelo menos um décimo (1/10) do intervalo a ser medido (tolerância ou variação do processo). ENG09007 – 2012/2 Planejamento de um SM O planejamento define o caminho a seguir para a construção de um SM. Tem um efeito significativo sobre a qualidade e o desempenho do SM. O tipo, a complexidade e o propósito do SM podem demandar diferentes níveis de planejamento (APQP). Objetivo do processo de medição; Ciclo de vida da medição; Fluxograma; Critérios de seleção de um SM (FMEA); Pesquisa de métodos; Processo de Aquisição do equipamento.
  • 18. 18 ENG09007 – 2012/2 Resultado da Medição É o valor atribuído a um mensurando obtido por medição. Observações: 1) Quando um resultado é dado, deve-se indicar claramente se ele se refere: - à indicação; - ao resultado não corrigido; - ao resultado corrigido; e se corresponde ao valor médio de várias medições. 2) Uma expressão completa do resultado de uma medição inclui informações sobre a incerteza de medição. ENG09007 – 2012/2 Resultado da Medição Indicação de um instrumento de medição (I) É o valor de uma grandeza fornecido por um instrumento de medição; O valor lido no dispositivo mostrador pode ser denominado de indicação direta, ele é multiplicado pela constante do instrumento para fornecer a indicação: A grandeza pode ser um mensurando, um sinal de medição ou uma outra grandeza à ser usada no cálculo do valor do mensurando. Para uma medida materializada a indicação é o valor à ela estabelecido.
  • 19. 19 ENG09007 – 2012/2 Medição Elétrica ENG09007 – 2012/2 Medição Dimensional
  • 20. 20 ENG09007 – 2012/2 Medição Hidrostática e Hidrodinâmica 39 Barômetro de mercúrio Manômetro (mede pressões em recipientes fechados como gases e líquidos) ENG09007 – 2012/2 Medição de Temperatura
  • 21. 21 ENG09007 – 2012/2 Medição de Massa ENG09007 – 2012/2 METROLOGIA E ENSAIOS Padronização e Sistemas de Medição Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br