SlideShare uma empresa Scribd logo
Flávia Júlia Helena nasceu em meados do século III, na Bitínia, Ásia Menor. Era descendente de uma família plebéia e tornou-se uma bela jovem, inteligente e bondosa. Trabalhava numa hospedaria na sua cidade natal quando conheceu o tribuno Constâncio Cloro. Apaixonados, casaram-se. Mas quando o imperador Maximiano nomeou-o co-regente, portanto seu sucessor, exigiu que ele abandonasse Helena e se casasse com sua enteada Teodora  . (AVANÇAR C/MOUSE)
O ambicioso Constâncio obedeceu. Entretanto levou consigo para Roma o filho Constantino, que nascera em 274 da união com Helena, que ficou separada do filho por quatorze anos. Com a morte do pai em 306, Constantino mandou buscar a mãe para junto de si na Corte. Ela já se havia convertido e tornado uma cristã fervorosa e piedosa. O jovem Constantino, auxiliado pela sabedoria de Helena, conseguiu assumir o trono como o legítimo sucessor do pai. incontestável imperador de Roma, recebendo o nome de Constantino, o Grande. Para tanto, teve de vencer seu pior adversário, Maxêncio, na histórica batalha travada, em 312, às portas de Roma.
Conta a história que, durante a batalha contra Maxêncio, seu exército estava em desvantagem. Influenciado por Helena, que tentava convertê-lo, Constantino teve uma visão. Apareceu-lhe uma cruz luminosa no céu com os seguintes dizeres: "Com este sinal vencerás". Imediatamente, mandou pintar a cruz em todas as bandeiras e, milagrosamente, venceu a batalha. Nesse mesmo dia, o imperador mandou cessar, imediatamente, toda e qualquer perseguição contra os cristãos e editou o famoso decreto de Milão, em 313, pelo qual concedeu liberdade de culto aos cristãos e deu a Helena o honroso título de "Augusta".
Helena passou a dedicar-se à expansão da evangelização e crescimento do cristianismo em todos os domínios romanos. Às custas do Império, patrocinou a construção de igrejas católicas nos lugares dos templos pagãos, de mosteiros, e ajudou a organizar as obras de assistência aos pobres e doentes. Depois, apesar de idosa e cansada, com mais de 70 anos,  foi em peregrinação à  Palestina, visitar os lugares da Paixão de Cristo.
DURANTE SUA ESTADA NA TERRA SANTA, ESTA  IDOSA, PORÉM INCANSÁVEL CRISTÃ MANDOU  INVESTIGAR OS LOCAIS SAGRADOS E SOBRE ELES EDIFICOU IGREJAS QUE CRIARAM  O PRINCIPAL PONTO DE REFERÊNCIA DE TODA A CRISTANDADE.
ENTRE SUAS  CONSTRUÇÕES ESTÃO:  A IGREJA DA NATIVIDADE EM BELÉM,
COM O ALTAR QUE ABRIGA A ESTRELA QUE MARCA A GRUTA  ONDE, JESUS NASCEU.
À IGREJA DA NATIVIDADE A ATÉ  HOJE ACORREM CATÓLICOS  DO MUNDO INTEIRO.
CONSTRUIU AINDA A IGREJA DO SANTO SEPULCRO
COM SEUS ALTARES,
AFRESCOS REPRESENTANDO A CRUCIFICAÇÃO,
A CAPELA DE SANTA HELENA
E A ROTUNDA SOB A QUAL ESTÁ O ALTAR ERGUIDO SOBRE O TÚMULO DE CRISTO,
AQUI VISTO DE FRENTE.
ASSIM COMO A IGREJA DO STO. SEPULCRO, AQUI VISTA DE OUTROS  ÂNGULOS, OS LOCAIS DEMARCADOS COMO DE NASCIMENTO E MORTE DE CRISTO FORAM FRUTO DE PROFUNDA PESQUISA.
Mas talvez a mais extraordinária descoberta seja a que  diz respeito à cruz.   Conta a tradição que Helena ajudou, em Jerusalém, o bispo Macário a identificar a verdadeira cruz de Jesus, quando três foram encontradas juntas. Para isso, levaram ao local uma mulher agonizante, que se curou milagrosamente ao tocar aquela que era a verdadeira.
PRECISAMENTE POR ISSO, A IMAGEM DE SANTA HELENA PASSOU A SER  SEMPRE REPRESENTADA COMO A DE UMA SANTA QUE SEGURA NO BRAÇO UMA CRUZ.
FORMATAÇÃO: CLAUDIA MADEIRA ENTRE NO SITE:  http://www.corepoesia.com   TEXTO E IMAGENS: INTERNET SOM: “AVE-MARIA” DE SCHUBERT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A caminho da luz a idade medieval - cap17
A caminho da luz  a idade medieval - cap17A caminho da luz  a idade medieval - cap17
A caminho da luz a idade medieval - cap17
Gustavo Soares
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
Glauco Gonçalves
 
7 ano ul2_cristianismo
7 ano ul2_cristianismo7 ano ul2_cristianismo
7 ano ul2_cristianismo
Bento Oliveira
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
Lisanro Cronje
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
Zaara Miranda
 
Lição 5 carta a igreja de tiatira
Lição 5 carta a igreja de tiatiraLição 5 carta a igreja de tiatira
Lição 5 carta a igreja de tiatira
brunodsf
 
St inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O TeóforoSt inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O Teóforo
João Pereira
 
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
C.E. Allan Kardec - STI/PR
 
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãosHistória da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
Glauco Gonçalves
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
Carla Teixeira
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
Glauco Gonçalves
 
História da Igreja #7
História da Igreja #7História da Igreja #7
História da Igreja #7
Respirando Deus
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
Glauco Gonçalves
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Werkson Azeredo
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
Erberson Pinheiro
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
Tabor
TaborTabor
Tabor
Ana Xavier
 

Mais procurados (20)

A caminho da luz a idade medieval - cap17
A caminho da luz  a idade medieval - cap17A caminho da luz  a idade medieval - cap17
A caminho da luz a idade medieval - cap17
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
 
7 ano ul2_cristianismo
7 ano ul2_cristianismo7 ano ul2_cristianismo
7 ano ul2_cristianismo
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
 
Lição 5 carta a igreja de tiatira
Lição 5 carta a igreja de tiatiraLição 5 carta a igreja de tiatira
Lição 5 carta a igreja de tiatira
 
St inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O TeóforoSt inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O Teóforo
 
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
 
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãosHistória da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
 
História da Igreja #7
História da Igreja #7História da Igreja #7
História da Igreja #7
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
Tabor
TaborTabor
Tabor
 

Destaque

Beethoven E A Amada Imortal
Beethoven E A Amada ImortalBeethoven E A Amada Imortal
Beethoven E A Amada Imortal
klaudia60
 
Lecture 4
Lecture 4Lecture 4
Lecture 4
Matthew Donnelly
 
Um Encontro E Duas Visoes
Um Encontro E Duas VisoesUm Encontro E Duas Visoes
Um Encontro E Duas Visoes
klaudia60
 
Um Conto Chines
Um Conto ChinesUm Conto Chines
Um Conto Chines
klaudia60
 
Um Dia
Um DiaUm Dia
Um Dia
klaudia60
 
Teresa A Flor De Jesus
Teresa A Flor De JesusTeresa A Flor De Jesus
Teresa A Flor De Jesus
klaudia60
 
Eros E Psique
Eros E PsiqueEros E Psique
Eros E Psique
klaudia60
 

Destaque (7)

Beethoven E A Amada Imortal
Beethoven E A Amada ImortalBeethoven E A Amada Imortal
Beethoven E A Amada Imortal
 
Lecture 4
Lecture 4Lecture 4
Lecture 4
 
Um Encontro E Duas Visoes
Um Encontro E Duas VisoesUm Encontro E Duas Visoes
Um Encontro E Duas Visoes
 
Um Conto Chines
Um Conto ChinesUm Conto Chines
Um Conto Chines
 
Um Dia
Um DiaUm Dia
Um Dia
 
Teresa A Flor De Jesus
Teresa A Flor De JesusTeresa A Flor De Jesus
Teresa A Flor De Jesus
 
Eros E Psique
Eros E PsiqueEros E Psique
Eros E Psique
 

Semelhante a Santa Helena

Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Candice Gunther
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
andrecarlosocosta
 
Chama do Carmo_185
Chama do Carmo_185Chama do Carmo_185
Chama do Carmo_185
Frei João
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
LUCAS CANAVARRO
 
18
18 18
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
Gcom digital factory
 
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner AndresenExploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
5julho55
 
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
Teresa Oliveira
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
Luiza Dayana
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
Luiza Dayana
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
Luiza Dayana
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)Luiza Dayana
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
Luiza Dayana
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fimHalford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
Luiza Dayana
 
A10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEIA10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEI
Camila
 
Aula de história – 1º ano – técnico
Aula de história – 1º ano – técnicoAula de história – 1º ano – técnico
Aula de história – 1º ano – técnico
stelawstel
 
Livro
LivroLivro

Semelhante a Santa Helena (20)

Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
 
Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
 
Chama do Carmo_185
Chama do Carmo_185Chama do Carmo_185
Chama do Carmo_185
 
As cruzadas set final
As cruzadas set finalAs cruzadas set final
As cruzadas set final
 
18
18 18
18
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
 
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner AndresenExploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
Exploração da obra Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen
 
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
Cavaleiro da Dinamarca - aspetos culturais
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (3)
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (4)
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (1)
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (5)
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim (2)
 
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fimHalford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
Halford e luccok-linha_de_esplendor_sem_fim
 
A10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEIA10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEI
 
Aula de história – 1º ano – técnico
Aula de história – 1º ano – técnicoAula de história – 1º ano – técnico
Aula de história – 1º ano – técnico
 
Livro
LivroLivro
Livro
 

Mais de klaudia60

Ter Ou Nao Ter Namorado
Ter Ou Nao Ter NamoradoTer Ou Nao Ter Namorado
Ter Ou Nao Ter Namorado
klaudia60
 
Soneto Do Amor Total
Soneto Do Amor TotalSoneto Do Amor Total
Soneto Do Amor Total
klaudia60
 
Tempo Perdido
Tempo PerdidoTempo Perdido
Tempo Perdido
klaudia60
 
Taj Mahal O Tumulo Do Amor
Taj Mahal O Tumulo Do AmorTaj Mahal O Tumulo Do Amor
Taj Mahal O Tumulo Do Amor
klaudia60
 
So A Natureza E Divina
So A Natureza E DivinaSo A Natureza E Divina
So A Natureza E Divina
klaudia60
 
Sherazade
SherazadeSherazade
Sherazade
klaudia60
 
Sete Anos De Pastor Jaco Servia
Sete Anos De Pastor Jaco ServiaSete Anos De Pastor Jaco Servia
Sete Anos De Pastor Jaco Servia
klaudia60
 
Servindo A Deus
Servindo A DeusServindo A Deus
Servindo A Deus
klaudia60
 
Saudade Pablo Neruda
Saudade Pablo NerudaSaudade Pablo Neruda
Saudade Pablo Neruda
klaudia60
 
Salmo De Davi
Salmo De DaviSalmo De Davi
Salmo De Davi
klaudia60
 
Prometeu
PrometeuPrometeu
Prometeu
klaudia60
 
Robert Clara E A Fantasia Em Do
Robert Clara E A Fantasia Em DoRobert Clara E A Fantasia Em Do
Robert Clara E A Fantasia Em Do
klaudia60
 
Primavera
PrimaveraPrimavera
Primavera
klaudia60
 
Quando Eu
Quando EuQuando Eu
Quando Eu
klaudia60
 
Quadras Fernando Pessoa
Quadras Fernando PessoaQuadras Fernando Pessoa
Quadras Fernando Pessoa
klaudia60
 
Posso Ter Defeitos
Posso Ter DefeitosPosso Ter Defeitos
Posso Ter Defeitos
klaudia60
 
Paz Profunda
Paz ProfundaPaz Profunda
Paz Profunda
klaudia60
 
Passa Uma Borboleta
Passa Uma BorboletaPassa Uma Borboleta
Passa Uma Borboleta
klaudia60
 
Parabola Da Rosa
Parabola Da RosaParabola Da Rosa
Parabola Da Rosa
klaudia60
 
Paolo E Francesca
Paolo E FrancescaPaolo E Francesca
Paolo E Francesca
klaudia60
 

Mais de klaudia60 (20)

Ter Ou Nao Ter Namorado
Ter Ou Nao Ter NamoradoTer Ou Nao Ter Namorado
Ter Ou Nao Ter Namorado
 
Soneto Do Amor Total
Soneto Do Amor TotalSoneto Do Amor Total
Soneto Do Amor Total
 
Tempo Perdido
Tempo PerdidoTempo Perdido
Tempo Perdido
 
Taj Mahal O Tumulo Do Amor
Taj Mahal O Tumulo Do AmorTaj Mahal O Tumulo Do Amor
Taj Mahal O Tumulo Do Amor
 
So A Natureza E Divina
So A Natureza E DivinaSo A Natureza E Divina
So A Natureza E Divina
 
Sherazade
SherazadeSherazade
Sherazade
 
Sete Anos De Pastor Jaco Servia
Sete Anos De Pastor Jaco ServiaSete Anos De Pastor Jaco Servia
Sete Anos De Pastor Jaco Servia
 
Servindo A Deus
Servindo A DeusServindo A Deus
Servindo A Deus
 
Saudade Pablo Neruda
Saudade Pablo NerudaSaudade Pablo Neruda
Saudade Pablo Neruda
 
Salmo De Davi
Salmo De DaviSalmo De Davi
Salmo De Davi
 
Prometeu
PrometeuPrometeu
Prometeu
 
Robert Clara E A Fantasia Em Do
Robert Clara E A Fantasia Em DoRobert Clara E A Fantasia Em Do
Robert Clara E A Fantasia Em Do
 
Primavera
PrimaveraPrimavera
Primavera
 
Quando Eu
Quando EuQuando Eu
Quando Eu
 
Quadras Fernando Pessoa
Quadras Fernando PessoaQuadras Fernando Pessoa
Quadras Fernando Pessoa
 
Posso Ter Defeitos
Posso Ter DefeitosPosso Ter Defeitos
Posso Ter Defeitos
 
Paz Profunda
Paz ProfundaPaz Profunda
Paz Profunda
 
Passa Uma Borboleta
Passa Uma BorboletaPassa Uma Borboleta
Passa Uma Borboleta
 
Parabola Da Rosa
Parabola Da RosaParabola Da Rosa
Parabola Da Rosa
 
Paolo E Francesca
Paolo E FrancescaPaolo E Francesca
Paolo E Francesca
 

Santa Helena

  • 1. Flávia Júlia Helena nasceu em meados do século III, na Bitínia, Ásia Menor. Era descendente de uma família plebéia e tornou-se uma bela jovem, inteligente e bondosa. Trabalhava numa hospedaria na sua cidade natal quando conheceu o tribuno Constâncio Cloro. Apaixonados, casaram-se. Mas quando o imperador Maximiano nomeou-o co-regente, portanto seu sucessor, exigiu que ele abandonasse Helena e se casasse com sua enteada Teodora . (AVANÇAR C/MOUSE)
  • 2. O ambicioso Constâncio obedeceu. Entretanto levou consigo para Roma o filho Constantino, que nascera em 274 da união com Helena, que ficou separada do filho por quatorze anos. Com a morte do pai em 306, Constantino mandou buscar a mãe para junto de si na Corte. Ela já se havia convertido e tornado uma cristã fervorosa e piedosa. O jovem Constantino, auxiliado pela sabedoria de Helena, conseguiu assumir o trono como o legítimo sucessor do pai. incontestável imperador de Roma, recebendo o nome de Constantino, o Grande. Para tanto, teve de vencer seu pior adversário, Maxêncio, na histórica batalha travada, em 312, às portas de Roma.
  • 3. Conta a história que, durante a batalha contra Maxêncio, seu exército estava em desvantagem. Influenciado por Helena, que tentava convertê-lo, Constantino teve uma visão. Apareceu-lhe uma cruz luminosa no céu com os seguintes dizeres: "Com este sinal vencerás". Imediatamente, mandou pintar a cruz em todas as bandeiras e, milagrosamente, venceu a batalha. Nesse mesmo dia, o imperador mandou cessar, imediatamente, toda e qualquer perseguição contra os cristãos e editou o famoso decreto de Milão, em 313, pelo qual concedeu liberdade de culto aos cristãos e deu a Helena o honroso título de "Augusta".
  • 4. Helena passou a dedicar-se à expansão da evangelização e crescimento do cristianismo em todos os domínios romanos. Às custas do Império, patrocinou a construção de igrejas católicas nos lugares dos templos pagãos, de mosteiros, e ajudou a organizar as obras de assistência aos pobres e doentes. Depois, apesar de idosa e cansada, com mais de 70 anos, foi em peregrinação à Palestina, visitar os lugares da Paixão de Cristo.
  • 5. DURANTE SUA ESTADA NA TERRA SANTA, ESTA IDOSA, PORÉM INCANSÁVEL CRISTÃ MANDOU INVESTIGAR OS LOCAIS SAGRADOS E SOBRE ELES EDIFICOU IGREJAS QUE CRIARAM O PRINCIPAL PONTO DE REFERÊNCIA DE TODA A CRISTANDADE.
  • 6. ENTRE SUAS CONSTRUÇÕES ESTÃO: A IGREJA DA NATIVIDADE EM BELÉM,
  • 7. COM O ALTAR QUE ABRIGA A ESTRELA QUE MARCA A GRUTA ONDE, JESUS NASCEU.
  • 8. À IGREJA DA NATIVIDADE A ATÉ HOJE ACORREM CATÓLICOS DO MUNDO INTEIRO.
  • 9. CONSTRUIU AINDA A IGREJA DO SANTO SEPULCRO
  • 11. AFRESCOS REPRESENTANDO A CRUCIFICAÇÃO,
  • 12. A CAPELA DE SANTA HELENA
  • 13. E A ROTUNDA SOB A QUAL ESTÁ O ALTAR ERGUIDO SOBRE O TÚMULO DE CRISTO,
  • 14. AQUI VISTO DE FRENTE.
  • 15. ASSIM COMO A IGREJA DO STO. SEPULCRO, AQUI VISTA DE OUTROS ÂNGULOS, OS LOCAIS DEMARCADOS COMO DE NASCIMENTO E MORTE DE CRISTO FORAM FRUTO DE PROFUNDA PESQUISA.
  • 16. Mas talvez a mais extraordinária descoberta seja a que diz respeito à cruz. Conta a tradição que Helena ajudou, em Jerusalém, o bispo Macário a identificar a verdadeira cruz de Jesus, quando três foram encontradas juntas. Para isso, levaram ao local uma mulher agonizante, que se curou milagrosamente ao tocar aquela que era a verdadeira.
  • 17. PRECISAMENTE POR ISSO, A IMAGEM DE SANTA HELENA PASSOU A SER SEMPRE REPRESENTADA COMO A DE UMA SANTA QUE SEGURA NO BRAÇO UMA CRUZ.
  • 18. FORMATAÇÃO: CLAUDIA MADEIRA ENTRE NO SITE: http://www.corepoesia.com TEXTO E IMAGENS: INTERNET SOM: “AVE-MARIA” DE SCHUBERT