SlideShare uma empresa Scribd logo
A educação na era digital
VEEN,Wim e VRAKKING, Ben . Homo Zappiens -
educando na Era Digital. Porto Alegre: ArtMed, 2009.
 MATTAR, João. Games na educação – como os nativos
digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.
PAULOVERÍSSIMO AGUIAR JUN/2013
Da 0bservação à intervenção
 Sala dos professores (todos, aqui, são privilegiados)
 De Professor a Educador
 Espanto, desespero, indignação
 Rotulação/ conflito... pais
“Quem sabe ensina, quem não sabe ensina a
ensinar...” (Velha piada acadêmica de origem inglesa)... Atitude
preconceito!  Intervenção.
A estrutura escolar é do século XIX, os professores
são do século XX e os estudantes são do século XXI.
O que vamos fazer?
Wim Veen
• Coordena a área de educação e tecnologia da
Universidade de Tecnológica de Delf, na Holanda.
• Pesquisa e estuda os novos conceitos de
aprendizagem e mudanças pedagógicas que vêm
ocorrendo com a utilização das tecnologias da
informação e da comunicação na educação.
• É consultor de instituições de ensino e também
presta serviços para empresas privadas e
autoridades governamentais.
A Sociedade da Informação
 A sociedade está em permanente
transformação
 Força motriz: novasTecnologias de Informação e
Comunicação (TICs)
 Desafio: Educadores (pais e professores)
 Qual é o papel da escola e da educação em uma
sociedade tecnológica e da informação?
Tentativa: 136 pp.; Seis Capítulos
 1- “Tempos de Mudança”;
 2- “Conhecendo o Homo Zappiens” ;
 3- “Entendendo o caos”;
 4- “Aprendendo de maneira divertida”;
 5- “Parando a montanha russa”
 6- “O que as escolas poderiam fazer”.
e-book
Começa o livro...
 O bug do milênio atingiria todos os sistemas
informatizados
Chips programados data de seis dígitos
(Fortran/Cobol)
 Desastre, caos, Idade da Pedra.
 Ficamos tão acostumados com a tecnologia que
não mais podemos imaginar o que faríamos sem
ela.
 Narrativa ficcional: Jack numa situação corriqueira.
 Jack, cansado , se aposentará... Nova geração.
Click: Blog De Mattar
Buscam entender a nova geração...
 ... da década de 90 em diante:
 “Geração da rede”
“geração digital”
 “geração instantânea”
 “geração ciber”.
Geração Z
Seu Habitat:
Mundo globalizado (Pangeia)
 Sociedade da informação, com predomínio da
linguagem digital
 Cresceu familiarizada com Controle remoto,
Mouse eTelefone Celular.
Controle remoto e mouse
Touch screen
Evolução tel. móvel
 1G:Tecnologia de rádio (80 US)
- AMPS (Advanced Mobile phone service)
 FDMA: Divisão de frequência com
multiplicação de aceso  Analógica
2G: Digital
 Tecnologia de sinal digital para voz (1990)
pop.: 2000.
- Brasil: GSM (Global System for mobile communications)
 Oi/Tim/ Claro e BrasilTelecom)
- ÁSIA/ USA: CDMA (Code Division Multiple Acces) VIVO (BR)
Múltiplo Aceso por Divisão de
Código
3G (1999)
 UIT (União Internacional de
Telecomunicações – sede em Genebra): 2000
3GPP (GSM)
3G
3GPP2(CDMA)
3GPP (“2,5 G”)
- GPRS  144 kbps (2000)
-*EDGE  384 kbps (2003)
3GPP: - UMTS Wideband CDMA (WCDMA)  1,92 M
- *HSPDA  14 Mbps (em implantação)
- LTE  100 Mbps (4ª geração)
Formato multimídia
* Indicador de conexão: “HE”
3GPP2
- 1xRTT  144 kbps (2000)
- EV-DO  2,9 Mbps
3GPP2: - EV-DO Rer.A  3,1 Mbps
- EV-DOVer.B  4,9 Mbps
- UMB  288 Mbps (4ª geração)
Prefer: LTE
Padrão UIT (4G): > 100Mbps; Brasil: abr/2013
As diversas linguagens
 Corporal
 Digital
 Escrita
 Matemática
 Musical
 Oral
 Plástica visual
Linguagem digital
 Na história do registro do conhecimento
surgiu a necessidade de criar um ambiente
que permitisse:
 Armazenar
 Organizar
 Processar
 Controlar e recuperar
as informações.
Os algoritmos
• As informações passam a ser armazenadas de
forma digital, por uma série de códigos
informáticos, os quais exigem sempre um
artefato como suporte.
Sua tradução, então,
depende de um objeto,
como, por exemplo, o
computador, que
opera por meio de
sinais alfabéticos.
“0” e “1”/ “sim” e “não”
 Toda a moderna engenharia de softwares traduz
uma determinada linguagem por meio de
linguagens interpostas até chegar a zeros e uns.
 Os programas são uma série de instruções
destinadas a fazer a máquina compreender e
executar o que se espera dela através da
combinação de zeros e uns.
Interação homem-máquina
Programador
(linguagem próxima à humana)
Compilador
[linguagem de máquina (01101100)]
Artefato
(executa)
Depois de tudo, podemos falar
de uma nova concepção de homem?
1- “Animal político” (Aristóteles).
2- “Pessoa” (Cristianismo)
3- “Animal racional” (Descartes)
4- “Não-sujeito” (Ciências sociais)
“Especialista sem inteligência/ Hedonista sem coração”
(Max Weber).
5- “Um animal entre os outros, não mais que isso”
(C. naturais)
Homo zappiens (Nativo digital)
 Uma geração que não demonstra deslumbre com os novos
artefatos tecnológicos. Já nasceu no meio deles! Mas não se
interessa por tecnologia em si.
 Tem uma visão positiva sobre as possibilidades de obter a
informação certa no momento certo, de qualquer pessoa ou
de qualquer lugar com apenas um click.
 O Homo zappiens aprende muito cedo que há muitas fontes
de informação e que essas fontes podem defender verdades
diferentes.
 Filtra as informações e aprende a fazer seus conceitos em
redes de amigos/parceiros com que se comunica com
frequência.
 A escola não parece ter muita influência em suas atitudes e
valores.
Origem das expressões
 Nativo digital: foi criada por Marc Presky em
2001, no artigo “Digital natives, digital
imigrants” [On the Horizon (NCB University Press, Vol. 9 No. 5,
Outubro 2001)].
 O autor escreve retratando o perfil tecnológico de crianças e
jovens do mundo todo, em uma tentativa de compreender
essa “nova” geração que é a realidade em nossas vidas e em
especial em nossas escolas.
 Homo zappiens: Veen e Vrakking usa esta expressão
se referindo ao que foi chamdo de nativo digital por
Presky.
Como aprendem os nativos digitais
 Aprender se trata de um processo de
mudança de comportamento obtido através
da experiência construída por fatores
emocionais, neurológicos, relacionais e
ambientais.
Resulta da interação entre as estruturas
mentais e o meio ambiente.
Tendo o professor como coautor do processo
de aprendizagem, o conhecimento é
construído e reconstruído continuamente.
Professor: Imigrante Digital
 Estamos lidando com uma geração que possui uma estrutura
diferente.
 Se alguém entrasse falando em Mandarim...
 Sala de aula:
 o Imigrante Digital (aprendeu internalizando conteúdos) dita
um ritmo discordante do que é vivenciado pelos estudantes,
Nativos Digitais, os quais aprendem compartilhando
conhecimentos.
 Professor e escola deixam de ser os únicos provedores e
detentores de conhecimento e informação. Se a escola
continuar do mesmo jeito, nós vamos perder nosso público.
 A comunicação entre os pré-digitais e os multitarefas se tornou
um emaranhado, uma confusão.
Quem está aprendendo?
 Quem está desenvolvendo as atividades de aprendizado:
 Hierarquizando
 Categorizando
 Aplicando
 Abstraindo
 Estruturando
 Integrando
Resposta: O professor.
Nós inibimos o processo de aprendizagem.
Aprender de forma digital
 Aprendizado consiste em conectar fatos,
manipular dados e dar significado a esses
dados junto aos outros.
 Aprender de forma digital consiste em usar
informações de modo a agregar, distribuir e
descontinuar a informação.
Necessidade de estar atualizado com os
colegas nas redes para contribuir.
 Compartilhar conhecimentos num
aprendizado produtivo
Estilos de aprendizagem
 QuestionárioVark:
1. Visual
2. Aural
3. Ler e escrever
4. Cinestésico
 Ainda...
Teoria das inteligências múltiplas
ZappiensMovie
Um livro diferente
Desafio
1. Diante da necessidade de desenvolver a
capacidade de comunicação e outros meios de
aprendizagem, e não mais transmitir conteúdos.
 Deep web
 Surface web
2. Numa geração que cultiva os valores Capitalistas,
individualistas e dogmáticos.
3. Sem fronteiras: aprendizado/prazer, trabalho/jogo
o que fazer?
Dicas: Não fazer o velho
com o novo
Saber usar tecnicamente
Saber usar metodologicamente
Cuidado: Inovação não tem a ver, necessariamente,
com tecnologia
Políticas de informática educativa no Brasil.
 Conseguir conversar.
Professor: carro chefe
Tem o poder de decisão, a experiência e a
possibilidade de adotar a tecnologia,
Coreógrafo educacional,
Criador e inovador,
uma pessoa que agrega recursos,
Transformador da teoria na prática
Mais do que tudo: um observador de talentos.
Sistema de desconfiança
 Diz-se para o estudante aquilo que ele não
sabe e o que ele fez de errado.
 Raramente se diz o que ele fez certo e quais
os seus talentos
 É preciso mudar isso.
O mais importante
 Que os jovens se inspirem e não apenas
produzam fatos e números.
 Eles vão enfrentar um outro mercado
 (área de tecnologia: egressos com informações obsoletas).
 As escolas não deveriam utilizar uma mesma
medida para todos.
 Os professores devem encontrar meios para
introduzir reflexão e senso crítico no processo
de aprendizagem.
Transformar o ambiente
 Estabelecer a confiança e a comunicação
 Provocações!
O que fazer, metodologicamente... Necessita
de um outro momento.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
Regina Trilho O Xavier
 
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADECOMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
Christiano Avila
 
Estudante digital grupovermelho
Estudante digital grupovermelhoEstudante digital grupovermelho
Estudante digital grupovermelho
933982900
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
Bárbara Faria
 
Workshop jogos eletrônicos e educação luciana carniello e barbara gratão
Workshop jogos eletrônicos e educação   luciana carniello e barbara gratãoWorkshop jogos eletrônicos e educação   luciana carniello e barbara gratão
Workshop jogos eletrônicos e educação luciana carniello e barbara gratão
Lívia Neiva
 
Prensky Nativo e imigrante digital
Prensky Nativo e imigrante digital Prensky Nativo e imigrante digital
Prensky Nativo e imigrante digital
Flavia Pinto
 
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Universidade de Lisboa
 
REDHIS Tecnologias na educação - Aula 1
REDHIS  Tecnologias na educação - Aula 1REDHIS  Tecnologias na educação - Aula 1
REDHIS Tecnologias na educação - Aula 1
Paulo Alexandre
 
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem DigitalProposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
carolrausch
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
Cintia Resende
 
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologia
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologiaDocencia no ensino superior com suporte da tecnologia
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologia
renatajaguaribe
 
Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2
Israel serique
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
Cristiani Crema
 
Trabalho informática
Trabalho informáticaTrabalho informática
Trabalho informática
Andrezza Fantauzzi
 
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto EducacionalAs Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Trabalho informática
 Trabalho informática Trabalho informática
Trabalho informática
dezzaf
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
Julianapedagogiapuc
 
Tecnologia educacional
Tecnologia educacionalTecnologia educacional
Tecnologia educacional
Milene Silva de Souza
 
TECNOLOGIA EDUCACIONAL
TECNOLOGIA EDUCACIONALTECNOLOGIA EDUCACIONAL
TECNOLOGIA EDUCACIONAL
liarosamoura
 

Mais procurados (19)

Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
Comunicao Na Contemporaneidade Para O Blog 1228416156374992 9
 
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADECOMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE
 
Estudante digital grupovermelho
Estudante digital grupovermelhoEstudante digital grupovermelho
Estudante digital grupovermelho
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
 
Workshop jogos eletrônicos e educação luciana carniello e barbara gratão
Workshop jogos eletrônicos e educação   luciana carniello e barbara gratãoWorkshop jogos eletrônicos e educação   luciana carniello e barbara gratão
Workshop jogos eletrônicos e educação luciana carniello e barbara gratão
 
Prensky Nativo e imigrante digital
Prensky Nativo e imigrante digital Prensky Nativo e imigrante digital
Prensky Nativo e imigrante digital
 
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
 
REDHIS Tecnologias na educação - Aula 1
REDHIS  Tecnologias na educação - Aula 1REDHIS  Tecnologias na educação - Aula 1
REDHIS Tecnologias na educação - Aula 1
 
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem DigitalProposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
Proposições Curriculares da PBH - Linguagem Digital
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
 
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologia
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologiaDocencia no ensino superior com suporte da tecnologia
Docencia no ensino superior com suporte da tecnologia
 
Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Trabalho informática
Trabalho informáticaTrabalho informática
Trabalho informática
 
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto EducacionalAs Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
As Tecnologias de Informação e Comunicação no Contexto Educacional
 
Trabalho informática
 Trabalho informática Trabalho informática
Trabalho informática
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
 
Tecnologia educacional
Tecnologia educacionalTecnologia educacional
Tecnologia educacional
 
TECNOLOGIA EDUCACIONAL
TECNOLOGIA EDUCACIONALTECNOLOGIA EDUCACIONAL
TECNOLOGIA EDUCACIONAL
 

Semelhante a Saep educa digital

Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
Patty Santana
 
Posso ensinar sem tic
Posso ensinar sem ticPosso ensinar sem tic
Posso ensinar sem tic
Universidade Católica Portuguesa
 
Tic educação com audio
Tic educação com audioTic educação com audio
Tic educação com audio
Marta Lyrio
 
Mini curso tec_educ
Mini curso tec_educMini curso tec_educ
Mini curso tec_educ
Alice Lage
 
Unirio as mídias digitais na e além da sala de aula
Unirio   as mídias digitais na e além da sala de aulaUnirio   as mídias digitais na e além da sala de aula
Unirio as mídias digitais na e além da sala de aula
Tatiane Martins
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
anamarialeles2014
 
Aula pos edu_1_meios
Aula pos edu_1_meiosAula pos edu_1_meios
Aula pos edu_1_meios
rauzis
 
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
João Luís de Almeida Machado
 
Tecnologias existentes na escola
Tecnologias existentes na escolaTecnologias existentes na escola
Tecnologias existentes na escola
alencarla
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologias
Robério Barreto
 
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGEAprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
José Bidarra
 
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
FAMETRO/SEDUC
 
Unisal piracicaba - 20070523
Unisal   piracicaba - 20070523Unisal   piracicaba - 20070523
Unisal piracicaba - 20070523
Eduardo Chaves
 
Unisal piracicaba - 20070523
Unisal   piracicaba - 20070523Unisal   piracicaba - 20070523
Unisal piracicaba - 20070523
Eduardo Chaves
 
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professoresAs mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
Tatiane Martins
 
Tarefa2_Escola_Digital
Tarefa2_Escola_DigitalTarefa2_Escola_Digital
Tarefa2_Escola_Digital
Cátia Nunes
 
Redes sociais e Educação
Redes sociais e EducaçãoRedes sociais e Educação
Redes sociais e Educação
Sergio Crespo
 
Informaticana Educacao
Informaticana EducacaoInformaticana Educacao
Informaticana Educacao
bflavio21
 
Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0Web Móvel 2.0
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
Letícia Cristina
 

Semelhante a Saep educa digital (20)

Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 
Posso ensinar sem tic
Posso ensinar sem ticPosso ensinar sem tic
Posso ensinar sem tic
 
Tic educação com audio
Tic educação com audioTic educação com audio
Tic educação com audio
 
Mini curso tec_educ
Mini curso tec_educMini curso tec_educ
Mini curso tec_educ
 
Unirio as mídias digitais na e além da sala de aula
Unirio   as mídias digitais na e além da sala de aulaUnirio   as mídias digitais na e além da sala de aula
Unirio as mídias digitais na e além da sala de aula
 
Proposições educação infantil
Proposições educação infantilProposições educação infantil
Proposições educação infantil
 
Aula pos edu_1_meios
Aula pos edu_1_meiosAula pos edu_1_meios
Aula pos edu_1_meios
 
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
Education on the 21st century/A educação no século XXI (171109)
 
Tecnologias existentes na escola
Tecnologias existentes na escolaTecnologias existentes na escola
Tecnologias existentes na escola
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologias
 
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGEAprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
Aprendizagem ativa e novas pedagogias no âmbito do projeto MILAGE
 
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
Fórum 1 – multimídia educacional modulo 3
 
Unisal piracicaba - 20070523
Unisal   piracicaba - 20070523Unisal   piracicaba - 20070523
Unisal piracicaba - 20070523
 
Unisal piracicaba - 20070523
Unisal   piracicaba - 20070523Unisal   piracicaba - 20070523
Unisal piracicaba - 20070523
 
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professoresAs mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
 
Tarefa2_Escola_Digital
Tarefa2_Escola_DigitalTarefa2_Escola_Digital
Tarefa2_Escola_Digital
 
Redes sociais e Educação
Redes sociais e EducaçãoRedes sociais e Educação
Redes sociais e Educação
 
Informaticana Educacao
Informaticana EducacaoInformaticana Educacao
Informaticana Educacao
 
Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0Web Móvel 2.0
Web Móvel 2.0
 
Linguagem Digital
Linguagem DigitalLinguagem Digital
Linguagem Digital
 

Saep educa digital

  • 1. A educação na era digital VEEN,Wim e VRAKKING, Ben . Homo Zappiens - educando na Era Digital. Porto Alegre: ArtMed, 2009.  MATTAR, João. Games na educação – como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. PAULOVERÍSSIMO AGUIAR JUN/2013
  • 2. Da 0bservação à intervenção  Sala dos professores (todos, aqui, são privilegiados)  De Professor a Educador  Espanto, desespero, indignação  Rotulação/ conflito... pais “Quem sabe ensina, quem não sabe ensina a ensinar...” (Velha piada acadêmica de origem inglesa)... Atitude preconceito!  Intervenção. A estrutura escolar é do século XIX, os professores são do século XX e os estudantes são do século XXI. O que vamos fazer?
  • 3.
  • 4. Wim Veen • Coordena a área de educação e tecnologia da Universidade de Tecnológica de Delf, na Holanda. • Pesquisa e estuda os novos conceitos de aprendizagem e mudanças pedagógicas que vêm ocorrendo com a utilização das tecnologias da informação e da comunicação na educação. • É consultor de instituições de ensino e também presta serviços para empresas privadas e autoridades governamentais.
  • 5. A Sociedade da Informação  A sociedade está em permanente transformação  Força motriz: novasTecnologias de Informação e Comunicação (TICs)  Desafio: Educadores (pais e professores)  Qual é o papel da escola e da educação em uma sociedade tecnológica e da informação?
  • 6. Tentativa: 136 pp.; Seis Capítulos  1- “Tempos de Mudança”;  2- “Conhecendo o Homo Zappiens” ;  3- “Entendendo o caos”;  4- “Aprendendo de maneira divertida”;  5- “Parando a montanha russa”  6- “O que as escolas poderiam fazer”. e-book
  • 7. Começa o livro...  O bug do milênio atingiria todos os sistemas informatizados Chips programados data de seis dígitos (Fortran/Cobol)  Desastre, caos, Idade da Pedra.  Ficamos tão acostumados com a tecnologia que não mais podemos imaginar o que faríamos sem ela.  Narrativa ficcional: Jack numa situação corriqueira.  Jack, cansado , se aposentará... Nova geração.
  • 8. Click: Blog De Mattar
  • 9. Buscam entender a nova geração...  ... da década de 90 em diante:  “Geração da rede” “geração digital”  “geração instantânea”  “geração ciber”.
  • 11. Seu Habitat: Mundo globalizado (Pangeia)  Sociedade da informação, com predomínio da linguagem digital  Cresceu familiarizada com Controle remoto, Mouse eTelefone Celular.
  • 12. Controle remoto e mouse Touch screen
  • 13. Evolução tel. móvel  1G:Tecnologia de rádio (80 US) - AMPS (Advanced Mobile phone service)  FDMA: Divisão de frequência com multiplicação de aceso  Analógica
  • 14. 2G: Digital  Tecnologia de sinal digital para voz (1990) pop.: 2000. - Brasil: GSM (Global System for mobile communications)  Oi/Tim/ Claro e BrasilTelecom) - ÁSIA/ USA: CDMA (Code Division Multiple Acces) VIVO (BR) Múltiplo Aceso por Divisão de Código
  • 15. 3G (1999)  UIT (União Internacional de Telecomunicações – sede em Genebra): 2000 3GPP (GSM) 3G 3GPP2(CDMA)
  • 16. 3GPP (“2,5 G”) - GPRS  144 kbps (2000) -*EDGE  384 kbps (2003) 3GPP: - UMTS Wideband CDMA (WCDMA)  1,92 M - *HSPDA  14 Mbps (em implantação) - LTE  100 Mbps (4ª geração) Formato multimídia * Indicador de conexão: “HE”
  • 17. 3GPP2 - 1xRTT  144 kbps (2000) - EV-DO  2,9 Mbps 3GPP2: - EV-DO Rer.A  3,1 Mbps - EV-DOVer.B  4,9 Mbps - UMB  288 Mbps (4ª geração) Prefer: LTE Padrão UIT (4G): > 100Mbps; Brasil: abr/2013
  • 18. As diversas linguagens  Corporal  Digital  Escrita  Matemática  Musical  Oral  Plástica visual
  • 19. Linguagem digital  Na história do registro do conhecimento surgiu a necessidade de criar um ambiente que permitisse:  Armazenar  Organizar  Processar  Controlar e recuperar as informações.
  • 20. Os algoritmos • As informações passam a ser armazenadas de forma digital, por uma série de códigos informáticos, os quais exigem sempre um artefato como suporte. Sua tradução, então, depende de um objeto, como, por exemplo, o computador, que opera por meio de sinais alfabéticos.
  • 21. “0” e “1”/ “sim” e “não”  Toda a moderna engenharia de softwares traduz uma determinada linguagem por meio de linguagens interpostas até chegar a zeros e uns.  Os programas são uma série de instruções destinadas a fazer a máquina compreender e executar o que se espera dela através da combinação de zeros e uns.
  • 22. Interação homem-máquina Programador (linguagem próxima à humana) Compilador [linguagem de máquina (01101100)] Artefato (executa)
  • 23. Depois de tudo, podemos falar de uma nova concepção de homem? 1- “Animal político” (Aristóteles). 2- “Pessoa” (Cristianismo) 3- “Animal racional” (Descartes) 4- “Não-sujeito” (Ciências sociais) “Especialista sem inteligência/ Hedonista sem coração” (Max Weber). 5- “Um animal entre os outros, não mais que isso” (C. naturais)
  • 24. Homo zappiens (Nativo digital)  Uma geração que não demonstra deslumbre com os novos artefatos tecnológicos. Já nasceu no meio deles! Mas não se interessa por tecnologia em si.  Tem uma visão positiva sobre as possibilidades de obter a informação certa no momento certo, de qualquer pessoa ou de qualquer lugar com apenas um click.  O Homo zappiens aprende muito cedo que há muitas fontes de informação e que essas fontes podem defender verdades diferentes.  Filtra as informações e aprende a fazer seus conceitos em redes de amigos/parceiros com que se comunica com frequência.  A escola não parece ter muita influência em suas atitudes e valores.
  • 25. Origem das expressões  Nativo digital: foi criada por Marc Presky em 2001, no artigo “Digital natives, digital imigrants” [On the Horizon (NCB University Press, Vol. 9 No. 5, Outubro 2001)].  O autor escreve retratando o perfil tecnológico de crianças e jovens do mundo todo, em uma tentativa de compreender essa “nova” geração que é a realidade em nossas vidas e em especial em nossas escolas.  Homo zappiens: Veen e Vrakking usa esta expressão se referindo ao que foi chamdo de nativo digital por Presky.
  • 26.
  • 27. Como aprendem os nativos digitais  Aprender se trata de um processo de mudança de comportamento obtido através da experiência construída por fatores emocionais, neurológicos, relacionais e ambientais. Resulta da interação entre as estruturas mentais e o meio ambiente. Tendo o professor como coautor do processo de aprendizagem, o conhecimento é construído e reconstruído continuamente.
  • 28.
  • 29. Professor: Imigrante Digital  Estamos lidando com uma geração que possui uma estrutura diferente.  Se alguém entrasse falando em Mandarim...  Sala de aula:  o Imigrante Digital (aprendeu internalizando conteúdos) dita um ritmo discordante do que é vivenciado pelos estudantes, Nativos Digitais, os quais aprendem compartilhando conhecimentos.  Professor e escola deixam de ser os únicos provedores e detentores de conhecimento e informação. Se a escola continuar do mesmo jeito, nós vamos perder nosso público.  A comunicação entre os pré-digitais e os multitarefas se tornou um emaranhado, uma confusão.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Quem está aprendendo?  Quem está desenvolvendo as atividades de aprendizado:  Hierarquizando  Categorizando  Aplicando  Abstraindo  Estruturando  Integrando Resposta: O professor. Nós inibimos o processo de aprendizagem.
  • 33. Aprender de forma digital  Aprendizado consiste em conectar fatos, manipular dados e dar significado a esses dados junto aos outros.  Aprender de forma digital consiste em usar informações de modo a agregar, distribuir e descontinuar a informação. Necessidade de estar atualizado com os colegas nas redes para contribuir.  Compartilhar conhecimentos num aprendizado produtivo
  • 34. Estilos de aprendizagem  QuestionárioVark: 1. Visual 2. Aural 3. Ler e escrever 4. Cinestésico  Ainda... Teoria das inteligências múltiplas
  • 36. Desafio 1. Diante da necessidade de desenvolver a capacidade de comunicação e outros meios de aprendizagem, e não mais transmitir conteúdos.  Deep web  Surface web 2. Numa geração que cultiva os valores Capitalistas, individualistas e dogmáticos. 3. Sem fronteiras: aprendizado/prazer, trabalho/jogo o que fazer?
  • 37. Dicas: Não fazer o velho com o novo Saber usar tecnicamente Saber usar metodologicamente Cuidado: Inovação não tem a ver, necessariamente, com tecnologia Políticas de informática educativa no Brasil.  Conseguir conversar.
  • 38. Professor: carro chefe Tem o poder de decisão, a experiência e a possibilidade de adotar a tecnologia, Coreógrafo educacional, Criador e inovador, uma pessoa que agrega recursos, Transformador da teoria na prática Mais do que tudo: um observador de talentos.
  • 39. Sistema de desconfiança  Diz-se para o estudante aquilo que ele não sabe e o que ele fez de errado.  Raramente se diz o que ele fez certo e quais os seus talentos  É preciso mudar isso.
  • 40. O mais importante  Que os jovens se inspirem e não apenas produzam fatos e números.  Eles vão enfrentar um outro mercado  (área de tecnologia: egressos com informações obsoletas).  As escolas não deveriam utilizar uma mesma medida para todos.  Os professores devem encontrar meios para introduzir reflexão e senso crítico no processo de aprendizagem.
  • 41. Transformar o ambiente  Estabelecer a confiança e a comunicação  Provocações! O que fazer, metodologicamente... Necessita de um outro momento.