SlideShare uma empresa Scribd logo
1820 e o triunfo dos Liberais
1
Relacionar a primeira invasão francesa com o não cumprimento de
Portugal ao Bloqueio Continental
 Relacionar a saída da Corte para o Brasil com as Invasões
Napoleónicas.
 Referir a resistência dos Portugueses aos invasores
franceses, realçando:
- as batalhas;
- a participação da população na resistência;
- a destruição e violência da guerra.
 Referir a acção do exército anglo português na luta contra
os Franceses.
Relacionar a revolução de 1820 com a permanência das
tropas inglesas em Portugal e a ausência da Família Real.
No fim deves ser capaz de:
2
As “novas ideias” Francesas
 Igualdade
 Liberdade
Estas ideias revolucionárias assustaram alguns reis
absolutistas da Europa que se uniram e declararam
guerra à França.
 Fraternidade
General francês, que
conseguiu dominar
grande parte da Europa,
excepto a Inglaterra.
A liberdade ou a morte
Napoleão Bonaparte
Europa no tempo de Napoleão
3
Portugal não adere ao bloqueio Continental
Inglaterra resiste
Fecho
dos
portos
aos
navios
ingleses
França invade Portugal
4
Ler doc. 1 p. 41 do manual e responder, em trabalho de pares, às questões
colocadas.
1ª invasão
5
Novembro de 1807- As primeiras tropas
francesas sob o comando de Junot entram em
Portugal, pela Beira Baixa, seguem para Castelo
Branco, marcham até Lisboa onde chegam a 30
de Novembro.
Os portugueses pedem
ajuda a Inglaterra:
•Batalha da Roliça
•Batalha do Vimeiro
1ª
invasão
Saída da Corte para o Brasil
6
Fuga para o Brasil do Príncipe Regente de Portugal, D. João VI, e
de toda a família real, para não serem presos pelos franceses.
Porto de Belém, às 11 horas da manhã de 27 de Novembro de
1807. (Ler Doc. 1 p. 43 manual)
7
 Roubaram as riquezas dos palácios e das igrejas
 Mataram muitas pessoas que se lhes opunham
 Destruíram campos e culturas
A resistência aos invasores franceses
A população portuguesa
começou a resistir,
juntando-se para
proteger as suas aldeias
e lutando com as “armas”
que tinha.
A intervenção inglesa
8
Março de 1809 - sob o comando de Soult, as tropas
francesas entram em Portugal, em direcção ao Porto.
2ª
invasão
9
Durante a segunda invasão
francesa, comandada por
Soult, a ponte ruiu devido ao
peso excessivo do povo que,
em pânico, a atravessava;
viraram-se no rio botes
carregados de gente... e
cerca de quatro mil pessoas
morreram.
Desastre da Ponte das Barcas, ligação de Gaia ao Porto
10
A 3ª invasão
3º invasão
Julho de 1810 - Chefiados
pelo marechal Massena, as
tropas francesas entram em
Portugal, pela Guarda e
marcham em direcção a
Lisboa.
Batalha do Buçaco
11
Massena é derrotado na Batalha do Buçaco
Massena segue em direcção à capital
12
Os franceses não
conseguiram passar as
linhas de defesa da cidade
de Lisboa.
As linhas de
Torres Vedras
Derrotados e cansados os franceses retiraram-se
definitivamente de Portugal, em 1811
13
Os franceses invadiram
Portugal por três vezes…
1807
1809
1810-1811
Os princípios da igualdade, da liberdade
e da divisão de poderes agradaram a
muitos portugueses. As pessoas que
defendiam estas ideias  os Liberais 
queriam vê-las aplicadas no nosso país.
Foram vencidos…
… mas, enquanto por aqui
andaram…
… divulgaram as ideias que
marcaram a Revolução Francesa.
14
Consequências das invasões
 Enorme perda de vidas humanas
 Paralisação do comércio e indústria
 Pontes cortadas
 Casas e monumentos destruídos e saqueados
 Os ingleses continuavam em Portugal, controlavam quase todo o comércio com o Brasil,
sendo o marechal Beresford a principal autoridade do reino, quer militar, quer civil.
 D. João VI e a corte continuavam no Brasil
 O descontentamento da população, a ausência do rei e as ideias liberais da Revolução
Francesa levaram a que um grupo de portugueses preparasse uma REVOLUÇÃO
 Ver p. 28 manual (Corte no Brasil)
1820 e a Revolução Liberal
Objectivos
15
 Destacar os principais episódios e figuras marcantes da revolução de 1820.
 Destacar a acção das Cortes Constituintes na elaboração da Constituição de 1822
 Compreender os princípios fundamentais da monarquia liberal, evidenciando-se a
ruptura em relação à monarquia absoluta.
 Relacionar a independência do Brasil com a acção das Cortes Constituintes,
evidenciando-se a acção de D. Pedro.
 Compreender a guerra civil - a luta pelo poder entre liberais e absolutistas.
16
A Revolução Liberal
Preparação da revolução
O primeiro chefe dos liberais portugueses foi o general Gomes Freire de
Andrade. Em 1817, em Lisboa, quando preparava uma revolução para impor
as ideias liberais e expulsar os ingleses de Portugal, foi descoberto e
enforcado, com os seus companheiros.
As ideias revolucionárias não morreram. Em 1818 um grupo de liberais do
Porto, (maioria burgueses e alguns militares) chefiados por Manuel Fernandes
Tomás, formou uma sociedade secreta que tinha como objectivo preparar uma
revolução.
A Revolução Liberal
17
No dia 24 de Agosto de 1820, os membros do Sinédrio aproveitaram a
ausência de Beresford no Brasil e deram início à revolução na cidade
do Porto.
Doc. Proclamação lida pelo general Sepúlveda
A Revolução Liberal
18
A população do Porto aderiu à revolução e organizou nas ruas
grandes manifestações de apoio. O mesmo aconteceu noutras zonas
do país.
A Revolução Liberal
19
Os ingleses foram afastados do país e os revolucionários criaram um
governo provisório  Junta Provisional do Reino  que mandou o rei
D. João VI regressar do Brasil e que organizou as primeiras eleições.
Do Porto a revolução estendeu-se a Lisboa e a todo o país.
20
A preparação da Revolução - 1820
O Sinédrio Sociedade secreta, criada no Porto, em 1818
Formado por um conjunto de burgueses portuenses e alguns militares, dirigidos pelo juiz
Manuel Fernandes Tomás.
No dia 24 de Agosto de 1820, os
conspiradores fizeram rebentar a
REVOLUÇÃO…
…que começou no PORTO…
…espalhando-se por todo o País
Lisboa em festa, recebe os
revolucionários nortenhos que
se manifestam contra a
monarquia absoluta e contra a
presença dos ingleses
Era o triunfo
da
Revolução
Liberal
Os ingleses foram afastados.
Criou-se um Governo Provisório
Fim do Absolutismo
21
A Constituição de 1822
O Governo Provisório
começou imediatamente a
preparar eleições…
Após a REVOLUÇÃO
Formaram-se as
Cortes
Constituintes…
Saiu a primeira
Constituição Portuguesa…
…baseada nos princípios da igualdade
e liberdade!
D.JoãoVI chega do Brasil,
em 1824, e jurou a 1ª
Constituição Portuguesa
Manuel Fernandes Tomás, fundador
do Sinédrio e autor das bases da
Constituição de 1822.
Documento com as principais leis
do país
22
Monarquia Absoluta Monarquia Constitucional
comparação ou liberal
O rei tinha
todos os poderes:
Os poderes estão
divididos :
• fazia as leis
• mandava-as cumprir
• era o juiz supremo
Legislativo Executivo Judicial
Pertencia
às.
Cortes.
Os
deputados
eleitos
faziam as
leis.
Pertencia
ao
Governo.
O rei e os
seus
ministros
faziam
cumprir as
leis.
Pertencia
aos
Tribunais.
Os juízes
julgavam
quem não
cumpria as
leis.
23
Entretanto no Brasil… D. Pedro (filho de D.
João IV) tinha ficado
como regente.
9 de janeiro de 1822,
D. Pedro recebe uma carta das cortes de Lisboa, exigindo o seu retorno
para Portugal.
D. Pedro respondeu: Diga ao povo
que fico!
Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram à metrópole.
As Cortes Constituintes anularam todos os
poderes de D.Pedro, no Brasil.
Nas margens do rio Ipiranga D. Pedro revoltado
gritou:
Independência
ou morte!
Dia 7 de Setembro de 1822
Cerimónia da coroação de
D.Pedro I do Brasil
Outubro de 1822
24
Seu nome
completo é:
Curiosidade
PEDRO DE
ALCÂNTARA
FRANCISCO
ANTÔNIO
JOÃO CARLOS
XAVIER DE
PAULA MIGUEL
RAFAEL
JOAQUIM
JOSÉ
GONZAGA
PASCOAL
CIPRIANO
SERAFIM DE
BRAGANÇA E
BOURBON
Pedro I aclamado pela
população após a proclamação
da independência
De novo em Portugal…
A Luta entre Liberais e Absolutistas
25
D.Miguel,O Absolutista
Pedro I do Brasil
Pedro IV de Portugal ,
O Libertador, O Liberal
A Guerra dos dois Irmãos
A caminho das primeiras
conspirações…
26
1826
Morre D.JoãoVI Sucede-lhe seu filho D.Pedro
IV, Imperador do Brasil.
Desejou não sair do Brasil.
D.Miguel governa como
regente, aceitando as
condições impostas por D.Pedro
1828
D.Miguel
Dissolveu
as Cortes Liberais
Aclamou-se
rei absoluto
Por esta altura…
… já existiam em Portugal dois grupos rivais que se
confrontavam
27
Os Liberais Os Absolutistas
Comerciantes, proprietários,
juízes, médicos, advogados
Nobres e clérigos
Defendiam a
monarquia
Constitucional
Defendiam a
monarquia
absoluta
28
Guerra
Civil
1828
1834
Início
Fim
Perseguiram-se os liberais - fugiram para
o estrangeiro ou para os Açores – os que
não fugiram foram mortos ou presos.
Espalhou-se o terror pelo país…
D. Pedro IV
Duque da
Terceira
Angra do Heroísmo
D. Miguel
Guerra que põe em confronto
cidadãos do mesmo país
29
Na baía de Sines, D. Miguel embarcou numa fragata inglesa com destino ao Brasil.
D.Miguel foi expulso de Portugal1834
É o triunfo
da Monarquia Constitucional
que irá manter-se
em Portugal
até
1910
D. Maria II

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesasRevolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesas
pereiraepereira1
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
BarbaraSilveira9
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
pereiraepereira1
 
Friso cronológico
Friso cronológicoFriso cronológico
Friso cronológico
anaritamor
 
1820
18201820
A Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal PortuguesaA Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal Portuguesa
kikatitic
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
Eduardo Sousa
 
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E AbsolutistasGuerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
carloa1970
 
1820 E O Liberalismo
1820 E O Liberalismo1820 E O Liberalismo
1820 E O Liberalismo
Projecto Alunos Inovadores
 
Resumos para o 1.º Teste
Resumos para o 1.º TesteResumos para o 1.º Teste
Resumos para o 1.º Teste
jdlimaaear
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
cattonia
 
Teste hgp 2 correção
Teste hgp 2   correçãoTeste hgp 2   correção
Teste hgp 2 correção
Ana Pereira
 
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em PortugalAs Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
martamariafonseca
 
O LIBERALISMO
O LIBERALISMOO LIBERALISMO
O LIBERALISMO
guestbfbc7a
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
Maria Cerqueira
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
cruchinho
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugal
Eduardo Sousa
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
JennyIII
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
13_ines_silva
 

Mais procurados (20)

Revolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesasRevolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesas
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Friso cronológico
Friso cronológicoFriso cronológico
Friso cronológico
 
1820
18201820
1820
 
A Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal PortuguesaA Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal Portuguesa
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
 
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E AbsolutistasGuerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
 
1820 E O Liberalismo
1820 E O Liberalismo1820 E O Liberalismo
1820 E O Liberalismo
 
Resumos para o 1.º Teste
Resumos para o 1.º TesteResumos para o 1.º Teste
Resumos para o 1.º Teste
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Teste hgp 2 correção
Teste hgp 2   correçãoTeste hgp 2   correção
Teste hgp 2 correção
 
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em PortugalAs Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
 
O LIBERALISMO
O LIBERALISMOO LIBERALISMO
O LIBERALISMO
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
 

Semelhante a 1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01

As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
Carla Teixeira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
MC123456789
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Joana12so
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Carolina Tavares
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
QI- Centro de Estudos
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
José Palma
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
joanacunha9406
 
Revliberal1820
Revliberal1820Revliberal1820
Revliberal1820
José Lopes
 
Revolução Liberal
Revolução LiberalRevolução Liberal
Revolução Liberal
luiscontente
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo 1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Ana Beatriz Gonçalves
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
Ana Souza
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
DanielaFilipaSilvaNa
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 

Semelhante a 1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01 (20)

As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
Revliberal1820
Revliberal1820Revliberal1820
Revliberal1820
 
Revolução Liberal
Revolução LiberalRevolução Liberal
Revolução Liberal
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo 1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 

Último

Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01

  • 1. 1820 e o triunfo dos Liberais 1 Relacionar a primeira invasão francesa com o não cumprimento de Portugal ao Bloqueio Continental  Relacionar a saída da Corte para o Brasil com as Invasões Napoleónicas.  Referir a resistência dos Portugueses aos invasores franceses, realçando: - as batalhas; - a participação da população na resistência; - a destruição e violência da guerra.  Referir a acção do exército anglo português na luta contra os Franceses. Relacionar a revolução de 1820 com a permanência das tropas inglesas em Portugal e a ausência da Família Real. No fim deves ser capaz de:
  • 2. 2 As “novas ideias” Francesas  Igualdade  Liberdade Estas ideias revolucionárias assustaram alguns reis absolutistas da Europa que se uniram e declararam guerra à França.  Fraternidade General francês, que conseguiu dominar grande parte da Europa, excepto a Inglaterra. A liberdade ou a morte Napoleão Bonaparte
  • 3. Europa no tempo de Napoleão 3 Portugal não adere ao bloqueio Continental Inglaterra resiste Fecho dos portos aos navios ingleses
  • 4. França invade Portugal 4 Ler doc. 1 p. 41 do manual e responder, em trabalho de pares, às questões colocadas.
  • 5. 1ª invasão 5 Novembro de 1807- As primeiras tropas francesas sob o comando de Junot entram em Portugal, pela Beira Baixa, seguem para Castelo Branco, marcham até Lisboa onde chegam a 30 de Novembro. Os portugueses pedem ajuda a Inglaterra: •Batalha da Roliça •Batalha do Vimeiro 1ª invasão
  • 6. Saída da Corte para o Brasil 6 Fuga para o Brasil do Príncipe Regente de Portugal, D. João VI, e de toda a família real, para não serem presos pelos franceses. Porto de Belém, às 11 horas da manhã de 27 de Novembro de 1807. (Ler Doc. 1 p. 43 manual)
  • 7. 7  Roubaram as riquezas dos palácios e das igrejas  Mataram muitas pessoas que se lhes opunham  Destruíram campos e culturas A resistência aos invasores franceses A população portuguesa começou a resistir, juntando-se para proteger as suas aldeias e lutando com as “armas” que tinha.
  • 8. A intervenção inglesa 8 Março de 1809 - sob o comando de Soult, as tropas francesas entram em Portugal, em direcção ao Porto. 2ª invasão
  • 9. 9 Durante a segunda invasão francesa, comandada por Soult, a ponte ruiu devido ao peso excessivo do povo que, em pânico, a atravessava; viraram-se no rio botes carregados de gente... e cerca de quatro mil pessoas morreram. Desastre da Ponte das Barcas, ligação de Gaia ao Porto
  • 10. 10 A 3ª invasão 3º invasão Julho de 1810 - Chefiados pelo marechal Massena, as tropas francesas entram em Portugal, pela Guarda e marcham em direcção a Lisboa.
  • 11. Batalha do Buçaco 11 Massena é derrotado na Batalha do Buçaco
  • 12. Massena segue em direcção à capital 12 Os franceses não conseguiram passar as linhas de defesa da cidade de Lisboa. As linhas de Torres Vedras Derrotados e cansados os franceses retiraram-se definitivamente de Portugal, em 1811
  • 13. 13 Os franceses invadiram Portugal por três vezes… 1807 1809 1810-1811 Os princípios da igualdade, da liberdade e da divisão de poderes agradaram a muitos portugueses. As pessoas que defendiam estas ideias  os Liberais  queriam vê-las aplicadas no nosso país. Foram vencidos… … mas, enquanto por aqui andaram… … divulgaram as ideias que marcaram a Revolução Francesa.
  • 14. 14 Consequências das invasões  Enorme perda de vidas humanas  Paralisação do comércio e indústria  Pontes cortadas  Casas e monumentos destruídos e saqueados  Os ingleses continuavam em Portugal, controlavam quase todo o comércio com o Brasil, sendo o marechal Beresford a principal autoridade do reino, quer militar, quer civil.  D. João VI e a corte continuavam no Brasil  O descontentamento da população, a ausência do rei e as ideias liberais da Revolução Francesa levaram a que um grupo de portugueses preparasse uma REVOLUÇÃO  Ver p. 28 manual (Corte no Brasil)
  • 15. 1820 e a Revolução Liberal Objectivos 15  Destacar os principais episódios e figuras marcantes da revolução de 1820.  Destacar a acção das Cortes Constituintes na elaboração da Constituição de 1822  Compreender os princípios fundamentais da monarquia liberal, evidenciando-se a ruptura em relação à monarquia absoluta.  Relacionar a independência do Brasil com a acção das Cortes Constituintes, evidenciando-se a acção de D. Pedro.  Compreender a guerra civil - a luta pelo poder entre liberais e absolutistas.
  • 16. 16 A Revolução Liberal Preparação da revolução O primeiro chefe dos liberais portugueses foi o general Gomes Freire de Andrade. Em 1817, em Lisboa, quando preparava uma revolução para impor as ideias liberais e expulsar os ingleses de Portugal, foi descoberto e enforcado, com os seus companheiros. As ideias revolucionárias não morreram. Em 1818 um grupo de liberais do Porto, (maioria burgueses e alguns militares) chefiados por Manuel Fernandes Tomás, formou uma sociedade secreta que tinha como objectivo preparar uma revolução.
  • 17. A Revolução Liberal 17 No dia 24 de Agosto de 1820, os membros do Sinédrio aproveitaram a ausência de Beresford no Brasil e deram início à revolução na cidade do Porto. Doc. Proclamação lida pelo general Sepúlveda
  • 18. A Revolução Liberal 18 A população do Porto aderiu à revolução e organizou nas ruas grandes manifestações de apoio. O mesmo aconteceu noutras zonas do país.
  • 19. A Revolução Liberal 19 Os ingleses foram afastados do país e os revolucionários criaram um governo provisório  Junta Provisional do Reino  que mandou o rei D. João VI regressar do Brasil e que organizou as primeiras eleições. Do Porto a revolução estendeu-se a Lisboa e a todo o país.
  • 20. 20 A preparação da Revolução - 1820 O Sinédrio Sociedade secreta, criada no Porto, em 1818 Formado por um conjunto de burgueses portuenses e alguns militares, dirigidos pelo juiz Manuel Fernandes Tomás. No dia 24 de Agosto de 1820, os conspiradores fizeram rebentar a REVOLUÇÃO… …que começou no PORTO… …espalhando-se por todo o País Lisboa em festa, recebe os revolucionários nortenhos que se manifestam contra a monarquia absoluta e contra a presença dos ingleses Era o triunfo da Revolução Liberal Os ingleses foram afastados. Criou-se um Governo Provisório Fim do Absolutismo
  • 21. 21 A Constituição de 1822 O Governo Provisório começou imediatamente a preparar eleições… Após a REVOLUÇÃO Formaram-se as Cortes Constituintes… Saiu a primeira Constituição Portuguesa… …baseada nos princípios da igualdade e liberdade! D.JoãoVI chega do Brasil, em 1824, e jurou a 1ª Constituição Portuguesa Manuel Fernandes Tomás, fundador do Sinédrio e autor das bases da Constituição de 1822. Documento com as principais leis do país
  • 22. 22 Monarquia Absoluta Monarquia Constitucional comparação ou liberal O rei tinha todos os poderes: Os poderes estão divididos : • fazia as leis • mandava-as cumprir • era o juiz supremo Legislativo Executivo Judicial Pertencia às. Cortes. Os deputados eleitos faziam as leis. Pertencia ao Governo. O rei e os seus ministros faziam cumprir as leis. Pertencia aos Tribunais. Os juízes julgavam quem não cumpria as leis.
  • 23. 23 Entretanto no Brasil… D. Pedro (filho de D. João IV) tinha ficado como regente. 9 de janeiro de 1822, D. Pedro recebe uma carta das cortes de Lisboa, exigindo o seu retorno para Portugal. D. Pedro respondeu: Diga ao povo que fico! Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram à metrópole. As Cortes Constituintes anularam todos os poderes de D.Pedro, no Brasil. Nas margens do rio Ipiranga D. Pedro revoltado gritou: Independência ou morte! Dia 7 de Setembro de 1822
  • 24. Cerimónia da coroação de D.Pedro I do Brasil Outubro de 1822 24 Seu nome completo é: Curiosidade PEDRO DE ALCÂNTARA FRANCISCO ANTÔNIO JOÃO CARLOS XAVIER DE PAULA MIGUEL RAFAEL JOAQUIM JOSÉ GONZAGA PASCOAL CIPRIANO SERAFIM DE BRAGANÇA E BOURBON Pedro I aclamado pela população após a proclamação da independência
  • 25. De novo em Portugal… A Luta entre Liberais e Absolutistas 25 D.Miguel,O Absolutista Pedro I do Brasil Pedro IV de Portugal , O Libertador, O Liberal A Guerra dos dois Irmãos
  • 26. A caminho das primeiras conspirações… 26 1826 Morre D.JoãoVI Sucede-lhe seu filho D.Pedro IV, Imperador do Brasil. Desejou não sair do Brasil. D.Miguel governa como regente, aceitando as condições impostas por D.Pedro 1828 D.Miguel Dissolveu as Cortes Liberais Aclamou-se rei absoluto
  • 27. Por esta altura… … já existiam em Portugal dois grupos rivais que se confrontavam 27 Os Liberais Os Absolutistas Comerciantes, proprietários, juízes, médicos, advogados Nobres e clérigos Defendiam a monarquia Constitucional Defendiam a monarquia absoluta
  • 28. 28 Guerra Civil 1828 1834 Início Fim Perseguiram-se os liberais - fugiram para o estrangeiro ou para os Açores – os que não fugiram foram mortos ou presos. Espalhou-se o terror pelo país… D. Pedro IV Duque da Terceira Angra do Heroísmo D. Miguel Guerra que põe em confronto cidadãos do mesmo país
  • 29. 29 Na baía de Sines, D. Miguel embarcou numa fragata inglesa com destino ao Brasil. D.Miguel foi expulso de Portugal1834 É o triunfo da Monarquia Constitucional que irá manter-se em Portugal até 1910 D. Maria II

Notas do Editor

  1. 1
  2. 8