SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO
    INDUSTRIAL
O maior movimento da história da
         humanidade


                Professora: Simone Nalin
                       Geografia
Histórico
 O artesanato, surgiu no fim da Idade Média com o
  renascimento comercial e urbano e definia-se
  pela produção independente; o produtor possuía
  os meios de produção: instalações, ferramentas
  e matéria-prima.O artesão realizava todas as
  etapas da produção.

 A manufatura resultou da ampliação do consumo,
  que levou o artesão a aumentar a produção e o
  comerciante a dedicar-se à produção industrial.
  O manufatureiro distribuía a matéria-prima e o
  artesão trabalhava em casa, recebendo
  pagamento combinado.
 Esse comerciante passou a produzir.
 Primeiro, contratou artesãos para dar
 acabamento aos tecidos; depois, tingir; e
 tecer; e finalmente fiar.

 Surgiram fábricas, com assalariados, sem
 controle sobre o produto de seu trabalho.
 A produtividade aumentou por causa da
 divisão social, isto é, cada trabalhador
 realizava uma etapa da produção.
A mais valia

 Foi Karl Marx, um dos mais influentes pensadores
  alemães do século passado, quem desvendou o
  mecanismo da exploração capitalista, que é a
  essência do lucro, chamando-o de mais-valia.

 A toda jornada de trabalho corresponde a uma
  remuneração, que permitirá a subsistência do
  trabalhador.

 No entanto, o trabalhador produz um valor maior do
  que aquele que recebe na forma de salário, e essa
  fatia de trabalho não-pago é apropriada pelos donos
  das fábricas, das fazendas, das minas, etc.
O que foi a revolução industrial
 Processo de transformação global que
  marcou, em medos do séc.XVIII, o
  estabelecimento do sistema capitalista como
  modo de produção predominante.

 Essa transformações, atingindo todos os
  níveis da sociedade, teve no nível econômico
  sua concretização na Revolução Industrial.
As transformações:

 Na agricultura:adoção de uma série de novos
  métodos e técnicas de cultivo criação;
 Envolvendo o uso de máquinas, novos
  cultivos, alterações no regime de exploração
  da terra, promovendo uma verdadeira
  revolução agrícola.
 Nos transportes, bancos, comércio,
  comunicações, em toda a sociedade
  capitalista.
TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS
 Divisão social em duas classes básicas:
          a burguesia-proprietária dos meios
  de produção.
          o proletariado-classe assalariada e
  que, para subsistir, vende o único bem que
  possui, a sua força de trabalho.
EUROPA:BERÇO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL.
Pioneirismo Inglês


    Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo
    de Revolução Industrial do século XVIII.

 Fatores:possuía grandes reservas de carvão mineral
    no subsolo, ou seja, a principal fonte de energia para
    movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.

 Possuíam grandes reservas de minério de ferro, a
    principal matéria-prima utilizada neste período.
Pioneirismo ingles.
 A mão-de-obra disponível em abundância
  (desde a Lei dos Cercamentos de Terras ).

 A burguesia inglesa tinha capital suficiente
  para financiar as fábricas, comprar matéria-
  prima e máquinas e contratar empregados.

 O mercado consumidor inglês também pode
  ser destacado como importante fator que
  contribuiu para o pioneirismo inglês.
Classificação das indústrias
Quanto a matéria prima empregada:
1) Leve: alimentos, calçados, jornais, tecidos...

2) Pesada:siderurgia, metalurgia, naval,
 imóveis, petroquímica...
Classificação mais atual
► Bens de consumo:duráveis e não duráveis


► Bens de Produção ou bens de capital:
        Base
        Máquinas e ferramentas
        Energia
        Tecnologia
 Aumento da produção=lucro=aumento da
 exploração do trabalhador

 TAYLORISMO:trabalhadores deveriam    ser
 organizados de forma hierarquizada e
 sistematizada, ou seja, cada trabalhador
 desenvolveria uma atividade específica no
 sistema produtivo da indústria (especialização
 do trabalho). O trabalhador é monitorado
 segundo o tempo de produção, cada indivíduo
 deve cumprir sua tarefa no menor tempo
 possível, sendo premiados aqueles que se
 sobressaem .
E continua a exploração...
   Fordismo
   A essência do fordismo é baseada na produção em
    massa, mas para isso é preciso que haja consumo em
    massa, outra ideologia particular é quanto aos
    trabalhadores que deveriam ganhar melhor para
    consumir mais.
   Henry Ford: inspirado no Taylorismo.
    Na década de 1920, pôs em prática os princípios de
   racionalização do trabalho emanados do taylorismo
   e lhes associou o trabalho em seqüência contínua
   ou trabalho em cadeia.
E na era da globalização...
   TOYOTISMO:flexibilização da produção.
    Ao contrário do modelo fordista, que produzia
    muito e estocava essa produção, no toyotismo
    só se produzia o necessário, reduzindo ao
    máximo os estoques.
    Essa flexibilização tinha como objetivo a
    produção de um bem exatamente no momento
    em que ele fosse demandado, no chamado Just
    in Time.
   Dessa forma, ao trabalhar com pequenos lotes,
    pretende-se que a qualidade dos produtos seja
    a máxima possível. Essa é outra característica
    do modelo japonês: a Qualidade Total.
Distribuição espacial das indústrias
         durante o fordismo
  FATORES DE CONCENTRAÇÃO ESPACIAL :
MATÉRIAS PRIMAS;
TRANSPORTE;
ENERGIA;
MÃO DE OBRA;
MERCADO CONSUMIDOR.
REDE DE TELECOMUNICAÇÕES.
INCENTIVOS FISCAIS.
DISPONIBILIDADE DE ÁGUA
A TERCEIRA REVOLUÇÃO
  INDUSTRIAL-pós 2ªguerra
Novas tecnologias para fabricação de
armamentos, redirecionadas para
uso pacífico.
Investimentos em pesquisas
tecnológicas e modelos de
administração mais flexíveis.
Nova distribuição espacial:a fábrica
global.
A fábrica global
 Ex:
A produção de celulares-linha de
 montagem no México, baterias
 produzidas na Índia,teclados nos
 Tigres Asiáticos e funcionarão graças
 às antenas produzidas na Europa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
Isaquel Silva
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
André Luiz Marques
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Professor de História
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Creusa Lima
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
Nome Sobrenome
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
José Gomes
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
Rafael Noronha
 
Primeira revolução industrial
Primeira revolução industrialPrimeira revolução industrial
Primeira revolução industrial
Nilton Silva Jardim Junior
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
Andre Lucas
 

Mais procurados (20)

Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
 
Primeira revolução industrial
Primeira revolução industrialPrimeira revolução industrial
Primeira revolução industrial
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
 

Semelhante a Revolucaoindustrial 091220091726

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Pérysson Nogueira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Claudenilson da Silva
 
Revolução industrial ricardo carvalho
Revolução industrial   ricardo carvalhoRevolução industrial   ricardo carvalho
Revolução industrial ricardo carvalho
Cristiane81
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
Carlos Zaranza
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Marcelo Lillyan Montes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013
Fabio Salvari
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
Igor da Silva
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
Italo Alan
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
Fabio Salvari
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Elisângela Martins Rodrigues
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Italo Alan
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Italo Alan
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
mundica broda
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
AlfredoFilho18
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrial
Gean Bonatto
 
Slide nanda
Slide nandaSlide nanda
Slide nanda
FernandaAlmeida243
 

Semelhante a Revolucaoindustrial 091220091726 (20)

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial ricardo carvalho
Revolução industrial   ricardo carvalhoRevolução industrial   ricardo carvalho
Revolução industrial ricardo carvalho
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrial
 
Slide nanda
Slide nandaSlide nanda
Slide nanda
 

Mais de Moacir E Nalin

Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
Moacir E Nalin
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarina
Moacir E Nalin
 
Espaço geográfico urbano o que é urbanização
Espaço geográfico urbano o que é urbanizaçãoEspaço geográfico urbano o que é urbanização
Espaço geográfico urbano o que é urbanização
Moacir E Nalin
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
Moacir E Nalin
 
Geografia guerra fria
Geografia   guerra friaGeografia   guerra fria
Geografia guerra fria
Moacir E Nalin
 
Universo
UniversoUniverso
Universo
Moacir E Nalin
 
Geo populaçao
Geo populaçaoGeo populaçao
Geo populaçao
Moacir E Nalin
 

Mais de Moacir E Nalin (7)

Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarina
 
Espaço geográfico urbano o que é urbanização
Espaço geográfico urbano o que é urbanizaçãoEspaço geográfico urbano o que é urbanização
Espaço geográfico urbano o que é urbanização
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
 
Geografia guerra fria
Geografia   guerra friaGeografia   guerra fria
Geografia guerra fria
 
Universo
UniversoUniverso
Universo
 
Geo populaçao
Geo populaçaoGeo populaçao
Geo populaçao
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Revolucaoindustrial 091220091726

  • 1. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL O maior movimento da história da humanidade Professora: Simone Nalin Geografia
  • 2. Histórico  O artesanato, surgiu no fim da Idade Média com o renascimento comercial e urbano e definia-se pela produção independente; o produtor possuía os meios de produção: instalações, ferramentas e matéria-prima.O artesão realizava todas as etapas da produção.  A manufatura resultou da ampliação do consumo, que levou o artesão a aumentar a produção e o comerciante a dedicar-se à produção industrial. O manufatureiro distribuía a matéria-prima e o artesão trabalhava em casa, recebendo pagamento combinado.
  • 3.  Esse comerciante passou a produzir. Primeiro, contratou artesãos para dar acabamento aos tecidos; depois, tingir; e tecer; e finalmente fiar.  Surgiram fábricas, com assalariados, sem controle sobre o produto de seu trabalho. A produtividade aumentou por causa da divisão social, isto é, cada trabalhador realizava uma etapa da produção.
  • 4.
  • 5. A mais valia  Foi Karl Marx, um dos mais influentes pensadores alemães do século passado, quem desvendou o mecanismo da exploração capitalista, que é a essência do lucro, chamando-o de mais-valia.  A toda jornada de trabalho corresponde a uma remuneração, que permitirá a subsistência do trabalhador.  No entanto, o trabalhador produz um valor maior do que aquele que recebe na forma de salário, e essa fatia de trabalho não-pago é apropriada pelos donos das fábricas, das fazendas, das minas, etc.
  • 6. O que foi a revolução industrial  Processo de transformação global que marcou, em medos do séc.XVIII, o estabelecimento do sistema capitalista como modo de produção predominante.  Essa transformações, atingindo todos os níveis da sociedade, teve no nível econômico sua concretização na Revolução Industrial.
  • 7. As transformações:  Na agricultura:adoção de uma série de novos métodos e técnicas de cultivo criação;  Envolvendo o uso de máquinas, novos cultivos, alterações no regime de exploração da terra, promovendo uma verdadeira revolução agrícola.  Nos transportes, bancos, comércio, comunicações, em toda a sociedade capitalista.
  • 8. TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS  Divisão social em duas classes básicas: a burguesia-proprietária dos meios de produção. o proletariado-classe assalariada e que, para subsistir, vende o único bem que possui, a sua força de trabalho.
  • 10. Pioneirismo Inglês  Foi a Inglaterra o país que saiu na frente no processo de Revolução Industrial do século XVIII.  Fatores:possuía grandes reservas de carvão mineral no subsolo, ou seja, a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.  Possuíam grandes reservas de minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada neste período.
  • 11. Pioneirismo ingles.  A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamentos de Terras ).  A burguesia inglesa tinha capital suficiente para financiar as fábricas, comprar matéria- prima e máquinas e contratar empregados.  O mercado consumidor inglês também pode ser destacado como importante fator que contribuiu para o pioneirismo inglês.
  • 12. Classificação das indústrias Quanto a matéria prima empregada: 1) Leve: alimentos, calçados, jornais, tecidos... 2) Pesada:siderurgia, metalurgia, naval, imóveis, petroquímica...
  • 13. Classificação mais atual ► Bens de consumo:duráveis e não duráveis ► Bens de Produção ou bens de capital: Base Máquinas e ferramentas Energia Tecnologia
  • 14.  Aumento da produção=lucro=aumento da exploração do trabalhador  TAYLORISMO:trabalhadores deveriam ser organizados de forma hierarquizada e sistematizada, ou seja, cada trabalhador desenvolveria uma atividade específica no sistema produtivo da indústria (especialização do trabalho). O trabalhador é monitorado segundo o tempo de produção, cada indivíduo deve cumprir sua tarefa no menor tempo possível, sendo premiados aqueles que se sobressaem .
  • 15. E continua a exploração...  Fordismo  A essência do fordismo é baseada na produção em massa, mas para isso é preciso que haja consumo em massa, outra ideologia particular é quanto aos trabalhadores que deveriam ganhar melhor para consumir mais.  Henry Ford: inspirado no Taylorismo.  Na década de 1920, pôs em prática os princípios de  racionalização do trabalho emanados do taylorismo  e lhes associou o trabalho em seqüência contínua  ou trabalho em cadeia.
  • 16. E na era da globalização...  TOYOTISMO:flexibilização da produção.  Ao contrário do modelo fordista, que produzia muito e estocava essa produção, no toyotismo só se produzia o necessário, reduzindo ao máximo os estoques.  Essa flexibilização tinha como objetivo a produção de um bem exatamente no momento em que ele fosse demandado, no chamado Just in Time.  Dessa forma, ao trabalhar com pequenos lotes, pretende-se que a qualidade dos produtos seja a máxima possível. Essa é outra característica do modelo japonês: a Qualidade Total.
  • 17. Distribuição espacial das indústrias durante o fordismo FATORES DE CONCENTRAÇÃO ESPACIAL : MATÉRIAS PRIMAS; TRANSPORTE; ENERGIA; MÃO DE OBRA; MERCADO CONSUMIDOR. REDE DE TELECOMUNICAÇÕES. INCENTIVOS FISCAIS. DISPONIBILIDADE DE ÁGUA
  • 18. A TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL-pós 2ªguerra Novas tecnologias para fabricação de armamentos, redirecionadas para uso pacífico. Investimentos em pesquisas tecnológicas e modelos de administração mais flexíveis. Nova distribuição espacial:a fábrica global.
  • 19. A fábrica global Ex: A produção de celulares-linha de montagem no México, baterias produzidas na Índia,teclados nos Tigres Asiáticos e funcionarão graças às antenas produzidas na Europa.