SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra integra o conjunto
das “Revoluções Burguesas” do século XVIII, responsáveis pela
crise do Antigo Regime, na passagem do capitalismo comercial
para o industrial. Os outros dois movimentos que a acompanham
são a independência dos EUA e a Revolução Francesa, que sob
influência dos principais iluministas, assinalam a transição da
Idade Moderna para a Contemporânea.
Revolução Industrial

 2 – O processo da produção


Nessa evolução, a produção manual que antecede a industrial conheceu duas etapas bem
definidas dentro do processo de desenvolvimento do capitalismo:


– Artesanato
Foi a forma de produção característica
da Baixa Idade Média, durante o
renascimento urbano e comercial, sendo
representado por uma produção de
caráter familiar, na qual o produtor
(artesão), possuía os meios de produção
(era o proprietário da oficina e das
ferramentas) e trabalhava com a família
em sua própria casa, realizando todas as
etapas da produção, desde o preparo da
matéria-prima, até o acabamento final;
ou seja, não havia divisão do trabalho ou
especialização.
História . Aula 01                                       Revolução Industrial




     Manufatura
  Foi a forma de produção que predominou ao longo da Idade Moderna, resultando
   da ampliação do mercado consumidor com o desenvolvimento do comércio
   marítimo. Nesse momento, já ocorre um aumento na produtividade do trabalho,
   devido à divisão social da produção, onde cada trabalhador realizava uma etapa na
   confecção de um produto. Outra característica desse período foi a interferência do
   capitalista no processo produtivo, passando a comprar a matéria-prima e a
   determinar o ritmo de produção, uma vez que controlava os principais mercados
   consumidores.
3 – A maquinofatura


Na maquinofatura, o trabalhador estava submetido ao regime de funcionamento da
   máquina e à gerência direta do empresário. Foi nesta etapa que se consolidou a
   Revolução Industrial. A partir da máquina, fala-se numa primeira, numa segunda e até
   numa terceira Revolução industrial.

 Primeira Fase (1760 a 1860): A Revolução Industrial ficou limitada, basicamente, à
  Inglaterra, o primeiro país europeu a conhecer um rápido processo de industrialização,
  baseado na utilização do carvão e do ferro e na fabricação de tecidos com a utilização
  do tear mecânico.




                                 Máquina a vapor usada em mina de
                                 carvão, no século XVIII
História . Aula 01                            Revolução Industrial




 Segunda Fase (1860 a 1900): A industrialização espalhou-se por diversas regiões da
  Europa, atingindo países como França, Alemanha, Itália, Bélgica e Holanda. Em
  outros continentes, o processo de industrialização alcançou os Estados Unidos e o
  Japão. Nesse período, as principais inovações técnicas foram a utilização da energia
  elétrica e o desenvolvimento dos produtos químicos.




                                    As primeiras experiências com a então recém-descoberta
                                    eletricidade demonstraram que o corpo humano é um bom
                                    condutor elétrico. O menino suspenso por cordas isolantes
                                    recebe estímulos elétricos nos pés, os quais são transmitidos a
                                    outra criança (à esquerda) a quem está dando a mão.
•   Terceira Fase: 1900 até hoje – Surgem conglomerados industriais e multinacionais.
    A produção se automatiza; começa a produção em série e explode a sociedade de
    consumo de massas, com a expansão dos meios de comunicação. A indústria
    química e eletrônica, a engenharia genética e a robótica avançam.
4 – O pioneirismo da Inglaterra


  O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial em
   meados do século XVIII, pode ser explicado por diversos
   fatores:
 POLÍTICA ECONÔMICA LIBERAL
   Antes da liberalização econômica, as atividades industriais e
   comerciais estavam cartelizadas pelo rígido sistemas de
   guildas, e por causa disso a entrada de novos competidores e a
   inovação tecnológica eram muito limitadas. Com a liberalização
   da indústria e do comércio, ocorreu um enorme progresso
   tecnológico e um grande aumento da produtividade em um
   curto espaço de tempo
 RESERVAS DE CARVÃO MINERAL
  A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu
  subsolo, sendo essa a principal fonte de energia para
  movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO
A Inglaterra possuía grandes reservas de minério de ferro, sendo essa a principal
matéria-prima utilizada na indústria.
 MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL
A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra (enclousures) na Inglaterra foi responsável
por um grande êxodo no campo, e consequentemente pela disponibilidade de mão-de-
obra abundante e barata nas cidades.
ACUMULAÇÃO DE CAPITAL
A grande quantidade de capital acumulado durante a fase do mercantilismo, permitiu
que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros suficientes para financiar as fábricas,
comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
5 – O liberalismo de Adam Smith




                     As novidades da Revolução Industrial trouxeram muitas
                     dúvidas. O pensador escocês Adam Smith procurou
                     responder racionalmente às perguntas da época. Seu
                     livro “ A Riqueza das Nações” (1776) é considerada
                     uma das obras fundadoras da ciência econômica.


 “O egoísmo é útil para a sociedade”
Segundo Smith, quando uma pessoa busca o melhor para si, toda a sociedade é
beneficiada. Portanto, é correto afirmar que os capitalistas só pensam em seus lucros.
Mas, para lucrar têm de contratar empregados e vender produtos bons e baratos. O que,
no fim, é ótimo para os consumidores e para toda a sociedade.

 “ O Estado deveria intervir o mínimo possível sobre a economia”
Se as forças do mercado agissem livremente, a economia poderia crescer com vigor.
Desse modo, cada empresário faria o que bem entendesse com seu capital, sem ter de
obedecer a nenhum regulamento criado pelo governo.
6 - OS PRINCIPAIS AVANÇOS DA MAQUINOFATURA



A industrialização da segunda metade do século XVIII iniciou-se com a mecanização do
setor têxtil, cuja produção tinha amplos mercados nas colônias, inglesas ou não, da
América, África e Ásia.
Entre as principais invenções mecânicas do período destacam-se:
 1767 – Máquina de fiar (spinning jenny) de James Hargreaves
    Essa máquina era capaz de fiar 80 quilos de fios de um só vez sob os cuidados de
    um só operário.
 1768 – Máquina a vapor
 Todas as invenções mecânicas ganharam maior capacidade quando passaram a ser
  acoplados à máquina a vapor, inventada por Thomas Newcomen (1712) e
  aperfeiçoada por James Watt. Com a gradativa sofisticação das máquinas, houve
  aumento da produção e geração de capitais, que eram reaplicados em novas
  máquinas. Após o setor têxtil, a mecanização alcançou o setor metalúrgico,
  impulsionou a produção em série e levou à modernização e expansão dos
  transportes.

 1769 - Tear hidráulico ( water frame), de Richard Arkwright

 1779 – Samuel Crompton inventa a “mule” uma combinação da “water frame”
  com a “spinning jenny” com os fios finos e resistentes.
História . Aula 01                   Revolução Industrial




 1785 - Tear mecânico de Edmond Cartwright
 1814 – George Stephenson idealizou a LOCOMOTIVA A VAPOR

 1805 – O norte-americano Robert Fulton revoluciou a navegação marítima criando
  o BARCO A VAPOR.
CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA INGLESA
História . Aula 01                           Revolução Industrial


8-        O CONTROLE DA PRODUÇÃO


O uso da energia elétrica e do petróleo graças à maior potência e eficiência das fontes
   de energia, permitiu a intensificação e diversificação do desenvolvimento
   tecnológico. A busca dos maiores lucros em relação aos investimentos feitos levou
   à especialização do trabalho ao extremo.

      FORDISMO – Esse método foi testado e implantado na indústria
       automobilística Ford; as esteiras levavam o chassi do carro a percorrer toda a
       fábrica. Do lado delas ficavam os operários operando com as suas mãos. Além
       disso, o fordismo defendia o princípio de que a empresa deveria dedicar-se a
       apenas um produto, além de dominar as fontes de matérias-primas.

      TAYLORISMO – O engenheiro norte-americano Frederick Wilson Taylor visava
       buscar o aumento da produtividade, controlando os movimentos das
       máquinas e dos homens no processo de produção.
O fordismo e o taylorismo propiciaram o surgimento de grandes indústrias e a geração de
 uma grande concentração de capital, dando origem aos holdings, trustes e cartéis.


HOLDINGS – correspondem a grandes empresas financeiras
   que controlam vastos complexos industriais a partir da
   posse da maior parte de suas ações.
TRUSTES – são grandes companhias que absorvem seus
   concorrentes ou estabelecem acordos entre si,
   monopolizando a produção de certas mercadorias,
   determinando seus preços e dominando o mercado;
   consiste, portanto, num domínio vertical da produção.
CARTÉIS – são grandes empresas independentes produtoras
   de mercadorias de um mesmo ramo que se associam
   para evitar a concorrência, estabelecendo divisão de
   mercados e definindo preços; faz-se, assim, o domínio
   horizontal da produção.
9 – OS DESDOBRAMENTOS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL PARA A
    SOCIEDADE

A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do
trabalhador braçal.

 Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para as cidades,
  com enormes concentrações urbanas.
História . Aula 01                    Revolução Industrial




 A produção em larga escala e dividida em
  etapas distanciou cada vez mais o
  trabalhador do produto final, já que cada
  grupo de trabalhadores domina apenas
  uma etapa da produção.


 O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida às
 péssimas condições de moradia (cortiços), salários irrisórios e com uma extensa
 jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas:
         1780 – em torno de 80 horas por semana;
         1820 – 67 horas por semana;
         1860 – 53 horas por semana
 O agravamento dos problemas sócio-econômicos com o desemprego e a fome,
  foram acompanhados de outros problemas, como a prostituição e o alcoolismo.
 O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores dos
  centros urbanos.
 O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra
  masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de mulheres e
  crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas.
10 – AS REAÇÕES DOS TRABALHADORES

Os trabalhadores reagiram das mais diferentes formas.
Podemos destacar alguns dos movimentos:
    LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan),
    caracterizado pela destruição das máquinas.
    CARTISMO : organizado pela “Associação dos
    Operários”, que exigiam melhores condições de
    trabalho e o fim do voto censitário.
    TRADE–UNIONS: associações de operários que
    evoluíram lentamente em suas reivindicações ,
    originando os primeiros sindicatos modernos.
11 – CONCLUSÃO
       A Revolução Industrial estabeleceu a definitiva supremacia burguesa na ordem
       econômica, ao mesmo tempo que acelerou o êxodo rural, o crescimento urbano e
       a formação da classe operária. Inaugurava-se uma nova época, na qual a política, a
       ideologia e a cultura gravitariam entre dois pólos: a burguesia industrial e o
       proletariado. Estavam fixadas as bases do progresso tecnológico e científico,
       visando a invenção de novos produtos e técnicas para o maior e melhor
       desempenho industrial. Abriram-se também as condições para o imperialismo
       colonialista e a luta de classes, formando o conjunto das bases do mundo
       contemporâneo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Portal do Vestibulando
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Educador Lamarão
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
cattonia
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
Jornal Ovale
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
JPedroSR
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
Maria Gomes
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
IiIlukinhaIiI
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Douglas Barraqui
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
Herminio Banze
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Rodrigo Pavesi
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Ivan Martins
 
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
O imperialismo na àfrica e na ásia
O imperialismo na àfrica e na ásiaO imperialismo na àfrica e na ásia
O imperialismo na àfrica e na ásia
Josemiqueias Jesus Freitas
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
Fatima Freitas
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Isabel Aguiar
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 

Mais procurados (20)

Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
Primeira Revolução Industrial - Prof.Altair Aguilar.
 
O imperialismo na àfrica e na ásia
O imperialismo na àfrica e na ásiaO imperialismo na àfrica e na ásia
O imperialismo na àfrica e na ásia
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 

Destaque

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas TecnologiasRevolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
lucasdtmj
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
louisalvessouza100
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
Solon
SolonSolon
At recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª riAt recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª ri
Péricles Penuel
 
Adam smith e a Revolução Industrial
Adam smith e a Revolução IndustrialAdam smith e a Revolução Industrial
Adam smith e a Revolução Industrial
Pedro Tomé
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Jeferson Nascimento
 
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 404. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
Darlan Campos
 
América Précolombiana
América PrécolombianaAmérica Précolombiana
América Précolombiana
Claudenilson da Silva
 
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 101. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
Darlan Campos
 
Encontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CREEncontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CRE
José Augusto Fiorin
 
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
Jairo Bonfim
 
Aula 02 brasil colonia
Aula 02  brasil coloniaAula 02  brasil colonia
Aula 02 brasil colonia
Fabiana Tonsis
 
1 brasil colônia i
1 brasil colônia i1 brasil colônia i
1 brasil colônia i
José Augusto Fiorin
 
Resumo reforma protestante
Resumo   reforma protestanteResumo   reforma protestante
Resumo reforma protestante
Claudenilson da Silva
 
Continente Africano
Continente AfricanoContinente Africano
Continente Africano
juhmarangonii
 

Destaque (20)

Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas TecnologiasRevolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Solon
SolonSolon
Solon
 
At recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª riAt recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª ri
 
Adam smith e a Revolução Industrial
Adam smith e a Revolução IndustrialAdam smith e a Revolução Industrial
Adam smith e a Revolução Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 404. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
 
América Précolombiana
América PrécolombianaAmérica Précolombiana
América Précolombiana
 
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 101. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
01. brasil aula sobre brasil colônia parte 1
 
Encontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CREEncontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CRE
 
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
Atividade de filmografia – NARRADORES DE JAVÉ
 
Aula 02 brasil colonia
Aula 02  brasil coloniaAula 02  brasil colonia
Aula 02 brasil colonia
 
1 brasil colônia i
1 brasil colônia i1 brasil colônia i
1 brasil colônia i
 
Resumo reforma protestante
Resumo   reforma protestanteResumo   reforma protestante
Resumo reforma protestante
 
Continente Africano
Continente AfricanoContinente Africano
Continente Africano
 

Semelhante a Revolução Industrial

Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Rose Vital
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Naldo Stithi
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Marcos Venicios
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
Revolução..,
Revolução..,Revolução..,
Revolução..,
Isabella Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Isabella Silva
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
beatriz_saltao
 
Revolução industrial 2012
Revolução industrial 2012Revolução industrial 2012
Revolução industrial 2012
MariaAuxiliadora40
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Patrícia Costa Grigório
 
Revolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas EnemRevolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas Enem
Joemille Leal
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
leonardocollyer
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
emillyalmeida
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
Pitágoras
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
mundica broda
 

Semelhante a Revolução Industrial (20)

Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
Revolução..,
Revolução..,Revolução..,
Revolução..,
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial 2012
Revolução industrial 2012Revolução industrial 2012
Revolução industrial 2012
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas EnemRevolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas Enem
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
 

Mais de Claudenilson da Silva

Resumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesasResumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesas
Claudenilson da Silva
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
Claudenilson da Silva
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE IBRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
Claudenilson da Silva
 
Resumo processo de independência do brasil
Resumo   processo de independência do brasilResumo   processo de independência do brasil
Resumo processo de independência do brasil
Claudenilson da Silva
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Claudenilson da Silva
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
Resumo era napoleonica
Resumo   era napoleonicaResumo   era napoleonica
Resumo era napoleonica
Claudenilson da Silva
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Claudenilson da Silva
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
Claudenilson da Silva
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
Claudenilson da Silva
 
Resumo revoluçoes inglesas
Resumo   revoluçoes inglesasResumo   revoluçoes inglesas
Resumo revoluçoes inglesas
Claudenilson da Silva
 
Resumo o iluminismo
Resumo   o iluminismoResumo   o iluminismo
Resumo o iluminismo
Claudenilson da Silva
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
Claudenilson da Silva
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
Claudenilson da Silva
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
Claudenilson da Silva
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
Claudenilson da Silva
 
Resumo oiluminismo
Resumo oiluminismoResumo oiluminismo
Resumo oiluminismo
Claudenilson da Silva
 
Resumo O Iluminismo
Resumo O IluminismoResumo O Iluminismo
Resumo O Iluminismo
Claudenilson da Silva
 

Mais de Claudenilson da Silva (20)

Resumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesasResumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesas
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE IBRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
 
Resumo processo de independência do brasil
Resumo   processo de independência do brasilResumo   processo de independência do brasil
Resumo processo de independência do brasil
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Resumo era napoleonica
Resumo   era napoleonicaResumo   era napoleonica
Resumo era napoleonica
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
 
Resumo revoluçoes inglesas
Resumo   revoluçoes inglesasResumo   revoluçoes inglesas
Resumo revoluçoes inglesas
 
Resumo o iluminismo
Resumo   o iluminismoResumo   o iluminismo
Resumo o iluminismo
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
Resumo oiluminismo
Resumo oiluminismoResumo oiluminismo
Resumo oiluminismo
 
Resumo O Iluminismo
Resumo O IluminismoResumo O Iluminismo
Resumo O Iluminismo
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Revolução Industrial

  • 2. A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra integra o conjunto das “Revoluções Burguesas” do século XVIII, responsáveis pela crise do Antigo Regime, na passagem do capitalismo comercial para o industrial. Os outros dois movimentos que a acompanham são a independência dos EUA e a Revolução Francesa, que sob influência dos principais iluministas, assinalam a transição da Idade Moderna para a Contemporânea.
  • 3. Revolução Industrial 2 – O processo da produção Nessa evolução, a produção manual que antecede a industrial conheceu duas etapas bem definidas dentro do processo de desenvolvimento do capitalismo: – Artesanato Foi a forma de produção característica da Baixa Idade Média, durante o renascimento urbano e comercial, sendo representado por uma produção de caráter familiar, na qual o produtor (artesão), possuía os meios de produção (era o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalhava com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento final; ou seja, não havia divisão do trabalho ou especialização.
  • 4. História . Aula 01 Revolução Industrial  Manufatura Foi a forma de produção que predominou ao longo da Idade Moderna, resultando da ampliação do mercado consumidor com o desenvolvimento do comércio marítimo. Nesse momento, já ocorre um aumento na produtividade do trabalho, devido à divisão social da produção, onde cada trabalhador realizava uma etapa na confecção de um produto. Outra característica desse período foi a interferência do capitalista no processo produtivo, passando a comprar a matéria-prima e a determinar o ritmo de produção, uma vez que controlava os principais mercados consumidores.
  • 5. 3 – A maquinofatura Na maquinofatura, o trabalhador estava submetido ao regime de funcionamento da máquina e à gerência direta do empresário. Foi nesta etapa que se consolidou a Revolução Industrial. A partir da máquina, fala-se numa primeira, numa segunda e até numa terceira Revolução industrial.  Primeira Fase (1760 a 1860): A Revolução Industrial ficou limitada, basicamente, à Inglaterra, o primeiro país europeu a conhecer um rápido processo de industrialização, baseado na utilização do carvão e do ferro e na fabricação de tecidos com a utilização do tear mecânico. Máquina a vapor usada em mina de carvão, no século XVIII
  • 6. História . Aula 01 Revolução Industrial  Segunda Fase (1860 a 1900): A industrialização espalhou-se por diversas regiões da Europa, atingindo países como França, Alemanha, Itália, Bélgica e Holanda. Em outros continentes, o processo de industrialização alcançou os Estados Unidos e o Japão. Nesse período, as principais inovações técnicas foram a utilização da energia elétrica e o desenvolvimento dos produtos químicos. As primeiras experiências com a então recém-descoberta eletricidade demonstraram que o corpo humano é um bom condutor elétrico. O menino suspenso por cordas isolantes recebe estímulos elétricos nos pés, os quais são transmitidos a outra criança (à esquerda) a quem está dando a mão.
  • 7. Terceira Fase: 1900 até hoje – Surgem conglomerados industriais e multinacionais. A produção se automatiza; começa a produção em série e explode a sociedade de consumo de massas, com a expansão dos meios de comunicação. A indústria química e eletrônica, a engenharia genética e a robótica avançam.
  • 8. 4 – O pioneirismo da Inglaterra O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial em meados do século XVIII, pode ser explicado por diversos fatores:  POLÍTICA ECONÔMICA LIBERAL Antes da liberalização econômica, as atividades industriais e comerciais estavam cartelizadas pelo rígido sistemas de guildas, e por causa disso a entrada de novos competidores e a inovação tecnológica eram muito limitadas. Com a liberalização da indústria e do comércio, ocorreu um enorme progresso tecnológico e um grande aumento da produtividade em um curto espaço de tempo  RESERVAS DE CARVÃO MINERAL A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, sendo essa a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
  • 9. RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO A Inglaterra possuía grandes reservas de minério de ferro, sendo essa a principal matéria-prima utilizada na indústria.  MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra (enclousures) na Inglaterra foi responsável por um grande êxodo no campo, e consequentemente pela disponibilidade de mão-de- obra abundante e barata nas cidades. ACUMULAÇÃO DE CAPITAL A grande quantidade de capital acumulado durante a fase do mercantilismo, permitiu que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros suficientes para financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
  • 10. 5 – O liberalismo de Adam Smith As novidades da Revolução Industrial trouxeram muitas dúvidas. O pensador escocês Adam Smith procurou responder racionalmente às perguntas da época. Seu livro “ A Riqueza das Nações” (1776) é considerada uma das obras fundadoras da ciência econômica.  “O egoísmo é útil para a sociedade” Segundo Smith, quando uma pessoa busca o melhor para si, toda a sociedade é beneficiada. Portanto, é correto afirmar que os capitalistas só pensam em seus lucros. Mas, para lucrar têm de contratar empregados e vender produtos bons e baratos. O que, no fim, é ótimo para os consumidores e para toda a sociedade.  “ O Estado deveria intervir o mínimo possível sobre a economia” Se as forças do mercado agissem livremente, a economia poderia crescer com vigor. Desse modo, cada empresário faria o que bem entendesse com seu capital, sem ter de obedecer a nenhum regulamento criado pelo governo.
  • 11. 6 - OS PRINCIPAIS AVANÇOS DA MAQUINOFATURA A industrialização da segunda metade do século XVIII iniciou-se com a mecanização do setor têxtil, cuja produção tinha amplos mercados nas colônias, inglesas ou não, da América, África e Ásia. Entre as principais invenções mecânicas do período destacam-se:  1767 – Máquina de fiar (spinning jenny) de James Hargreaves Essa máquina era capaz de fiar 80 quilos de fios de um só vez sob os cuidados de um só operário.
  • 12.  1768 – Máquina a vapor Todas as invenções mecânicas ganharam maior capacidade quando passaram a ser acoplados à máquina a vapor, inventada por Thomas Newcomen (1712) e aperfeiçoada por James Watt. Com a gradativa sofisticação das máquinas, houve aumento da produção e geração de capitais, que eram reaplicados em novas máquinas. Após o setor têxtil, a mecanização alcançou o setor metalúrgico, impulsionou a produção em série e levou à modernização e expansão dos transportes.  1769 - Tear hidráulico ( water frame), de Richard Arkwright  1779 – Samuel Crompton inventa a “mule” uma combinação da “water frame” com a “spinning jenny” com os fios finos e resistentes.
  • 13. História . Aula 01 Revolução Industrial  1785 - Tear mecânico de Edmond Cartwright
  • 14.  1814 – George Stephenson idealizou a LOCOMOTIVA A VAPOR  1805 – O norte-americano Robert Fulton revoluciou a navegação marítima criando o BARCO A VAPOR.
  • 16. História . Aula 01 Revolução Industrial 8- O CONTROLE DA PRODUÇÃO O uso da energia elétrica e do petróleo graças à maior potência e eficiência das fontes de energia, permitiu a intensificação e diversificação do desenvolvimento tecnológico. A busca dos maiores lucros em relação aos investimentos feitos levou à especialização do trabalho ao extremo.  FORDISMO – Esse método foi testado e implantado na indústria automobilística Ford; as esteiras levavam o chassi do carro a percorrer toda a fábrica. Do lado delas ficavam os operários operando com as suas mãos. Além disso, o fordismo defendia o princípio de que a empresa deveria dedicar-se a apenas um produto, além de dominar as fontes de matérias-primas.  TAYLORISMO – O engenheiro norte-americano Frederick Wilson Taylor visava buscar o aumento da produtividade, controlando os movimentos das máquinas e dos homens no processo de produção.
  • 17. O fordismo e o taylorismo propiciaram o surgimento de grandes indústrias e a geração de uma grande concentração de capital, dando origem aos holdings, trustes e cartéis. HOLDINGS – correspondem a grandes empresas financeiras que controlam vastos complexos industriais a partir da posse da maior parte de suas ações. TRUSTES – são grandes companhias que absorvem seus concorrentes ou estabelecem acordos entre si, monopolizando a produção de certas mercadorias, determinando seus preços e dominando o mercado; consiste, portanto, num domínio vertical da produção. CARTÉIS – são grandes empresas independentes produtoras de mercadorias de um mesmo ramo que se associam para evitar a concorrência, estabelecendo divisão de mercados e definindo preços; faz-se, assim, o domínio horizontal da produção.
  • 18. 9 – OS DESDOBRAMENTOS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL PARA A SOCIEDADE A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do trabalhador braçal.  Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para as cidades, com enormes concentrações urbanas.
  • 19. História . Aula 01 Revolução Industrial  A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada vez mais o trabalhador do produto final, já que cada grupo de trabalhadores domina apenas uma etapa da produção. O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida às péssimas condições de moradia (cortiços), salários irrisórios e com uma extensa jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas: 1780 – em torno de 80 horas por semana; 1820 – 67 horas por semana; 1860 – 53 horas por semana
  • 20.  O agravamento dos problemas sócio-econômicos com o desemprego e a fome, foram acompanhados de outros problemas, como a prostituição e o alcoolismo.  O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores dos centros urbanos.  O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de mulheres e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas.
  • 21. 10 – AS REAÇÕES DOS TRABALHADORES Os trabalhadores reagiram das mais diferentes formas. Podemos destacar alguns dos movimentos: LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan), caracterizado pela destruição das máquinas. CARTISMO : organizado pela “Associação dos Operários”, que exigiam melhores condições de trabalho e o fim do voto censitário. TRADE–UNIONS: associações de operários que evoluíram lentamente em suas reivindicações , originando os primeiros sindicatos modernos. 11 – CONCLUSÃO A Revolução Industrial estabeleceu a definitiva supremacia burguesa na ordem econômica, ao mesmo tempo que acelerou o êxodo rural, o crescimento urbano e a formação da classe operária. Inaugurava-se uma nova época, na qual a política, a ideologia e a cultura gravitariam entre dois pólos: a burguesia industrial e o proletariado. Estavam fixadas as bases do progresso tecnológico e científico, visando a invenção de novos produtos e técnicas para o maior e melhor desempenho industrial. Abriram-se também as condições para o imperialismo colonialista e a luta de classes, formando o conjunto das bases do mundo contemporâneo.