SlideShare uma empresa Scribd logo
DAS REVOLUÇÕES INGLESAS ÀDAS REVOLUÇÕES INGLESAS À
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
v Consolidou anglicanismo como única
religião possível de culto na Inglaterra;
v Perseguiu puritanos;
v Derrotou a invencível armada espanhola;
v Promoveu o desenvolvimento do
mercantilismo inglês;
v Morreu sem deixar herdeiros;
Dinastia TudorDinastia Tudor
Elizabeth I “Elizabeth I “A Rainha Virgem”A Rainha Virgem”
v Foi rei da Escócia, Inglaterra e Irlanda
pela União das Coroas;
v Promoveu perseguição religiosa;
v Iniciou a colonização inglesa da
América;
Dinastia StuartDinastia Stuart
Jaime IJaime I
vEnfrentou a Conspiração da Pólvora de 1605 -
tentativa de assassinato por um grupo provinciano de
católicos ingleses liderados por Robert Catesby, O
plano era explodir a Câmara dos Lordes. Em março de
1605, a terra abaixo da casa dos lordes foi preenchida
com 36 barris de pólvora. Como o ato poderia levar a
morte de diversos inocentes os conspiradores
enviaram avisos para que alguns deles mantivessem
distância do parlamento no dia do ataque.
v Casou-se com uma católica, o que gerou
desconfiança por parte de puritanos e
calvinistas;
v Acreditava no direito divino dos reis e achou
que podia governar de acordo com sua
consciência.
Ø Fechou parlamento;
Ø Institui o imposto Chip Money – imposto
contra a pirataria;
Ø Restabeleceu tributos feudais;
v Protagonista da revolução Puritana de 1644
Dinastia StuartDinastia Stuart
Carlos ICarlos I

Recomendado para você

Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais

O documento resume diversas revoltas ocorridas no Brasil colonial entre os séculos XVII e XIX, divididas em quatro categorias: 1) Revoltas nativistas contra aspectos pontuais do Pacto Colonial; 2) Revoltas emancipacionistas com objetivo de separação de Portugal; 3) Revoltas de índios contra a escravidão e perda de territórios; 4) Revoltas de negros contra a escravidão, principalmente o Quilombo de Palmares.

guerra dos mascatesguerra dos emboabashistria do brasil
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica

Napoleão assumiu o poder na França em 1799 através de um golpe de Estado e estabeleceu o Consulado, centralizando a administração e promovendo reformas. Em 1804, foi coroado imperador da França após um plebiscito. Expandiu o império através de guerras, mas sua invasão da Rússia em 1812 terminou em desastre. Foi derrotado em 1815 na Batalha de Waterloo, encerrando seu governo dos Cem Dias, sendo depois exilado na Ilha de Santa Helena,

8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado

O documento descreve o período do II Reinado do Império Brasileiro de 1840 a 1889. Durante este período: 1) A economia brasileira se baseou principalmente na exportação e cultivo do café, com o desenvolvimento do transporte e comunicações; 2) Houve conflitos com países vizinhos pela influência na Bacia do Prata e questões territoriais; 3) A escravidão entrou em crise devido à oposição internacional e ao movimento abolicionista interno, sendo abolida em 1888.

Oliver Cromwell
Líder da
Revolução
Puritana
Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644
Batalha de Marston Moor (1644)
Oliver Cromwell
Exercito do Parlamento
– Puritanos (Partidários
da Burguesia)
Carlos I
Cavaleiros
(partidários do
Rei)
Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644
A República de CromwellA República de Cromwell
v Carlos é decapitado;
v A República é instalada;
v Cromwell recebe o título de “Lord
Protector”;
Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644
A Ditadura de CromwellA Ditadura de Cromwell
vv Fechou parlamento;Fechou parlamento;
vv Institui os Atos de Navegação;Institui os Atos de Navegação;
vv FormouFormou aa ComunidadeComunidade dada
Inglaterra, Escócia e Irlanda;Inglaterra, Escócia e Irlanda;
Restauração da MonarquiaRestauração da Monarquia
Richard Cromwell
vSucedeu o pai, como “lorde
protector” da Inglaterra;
vNão se consegue manter no poder
por mais de oito meses;

Recomendado para você

A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa

O documento descreve a montagem do sistema colonial no Brasil entre 1500-1822. Inicialmente, o Brasil foi explorado de forma predatória para extração de pau-brasil. Posteriormente, Portugal estabeleceu as capitanias hereditárias para colonização, que fracassaram. Isso levou à criação dos governos gerais para maior centralização administrativa.

história do brasilamérica portuguesacolonização
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa

A conquista espanhola da América resultou na destruição de grandes impérios indígenas como o dos Astecas e Incas e na redução da população nativa de 80 milhões para 10 milhões em apenas 30 anos, principalmente devido a doenças e trabalho forçado. Os espanhóis estabeleceram colônias divididas em vice-reinados e capitanias com uma sociedade hierárquica dominada por espanhóis europeus no topo e indígenas como principal mão de obra nas minas e plantations.

Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo

O documento discute o imperialismo europeu entre os séculos XIX e XX, quando potências como Inglaterra, França e Bélgica dominaram vastas áreas da África e Ásia. O imperialismo é definido como a dominação econômica, política e cultural de um país sobre outro. Isso causou grande sofrimento aos povos colonizados e levou a movimentos nacionalistas de libertação.

Restauração da MonarquiaRestauração da Monarquia
Carlos IICarlos II
Jaime IIJaime II
Carlos II
A restauração ocorre por medo
de revoltas no meio popular;
Rei tem que garantir anistia e
posse das terras confiscadas
Atritos com o,parlamento
2 partidos políticos: Tory (à favos
do Rei) Whig (contrários ao Rei).
Jaime II
Irmão de Carlos II;
Política pró-católica;
Tendências absolutistas
Revolução Gloriosa - 1688Revolução Gloriosa - 1688
• Parlamento “convida” Guilherme
de Orange (casado com a filha
mais velha de Jaime II) a tomar o
poder.
• JAIME II renuncia, entregando o
trono para Guilherme, que
assume o poder com a Revolução
Gloriosa; sem derramamento de
sangue.
• Poderes limitados ao máximo pelo
parlamento
O que é a revolução industrial?
• É o conjunto de
transformações técnicas,
económicas e sociais
caracterizadas pela
substituição da energia
física pela mecânica,
da ferramenta pela
máquina e da
manufactura pela fábrica.
Localização temporal e espacial
• Inglaterra, no inicio do séc. XVIII alargando-se
gradualmente a vários países da Europa e da
América do Norte na
segunda metade do
séc. XIX.

Recomendado para você

O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil

O documento discute o processo de abolição da escravidão no Brasil em 6 pontos principais: 1) A pressão inglesa pelo fim do tráfico de escravos, 2) A extinção do tráfico de escravos em 1850, 3) O surgimento do movimento abolicionista brasileiro na década de 1860, 4) Leis como a Lei do Ventre Livre de 1871 e a Lei dos Sexagenários de 1885 que aboliram a escravidão gradualmente, 5) Os efeitos socioeconômicos da abolição para ex-escravos

Império Bizantino
Império BizantinoImpério Bizantino
Império Bizantino

O documento descreve a história do Império Bizantino desde sua criação após a divisão do Império Romano em 395 até sua queda com a tomada de Constantinopla pelos turcos em 1453. Destaca os governos de Justiniano, que codificou as leis romanas e expandiu o império, e a divisão entre a Igreja do Oriente e Ocidente em 1054. Também aborda as artes, arquitetura e a controvérsia iconoclasta no império.

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola

Entre 1810 e 1830, as colônias espanholas na América Latina conquistaram sua independência, lideradas por figuras como Simón Bolívar e San Martín. Fatores como o Iluminismo, a Revolução Industrial e as guerras napoleônicas enfraqueceram o domínio espanhol, ao mesmo tempo que cresciam as desigualdades sociais. Após anos de luta, novas nações como México, Peru e Argentina emergiram, porém mantiveram estruturas econômicas e sociais hierárquicas.

histriaamrica espanholaamrica latina
Conjunto de transformações técnico-científicas ocorridas a
partir do séc. XVIII, na Inglaterra, caracterizada pela
mudança nos meios produtivos.
Conceito:Conceito:
MANUFATURA MAQUINOFATURA
MANUFATURAS:
Ø Trabalho manual;
Ø Artesão;
Ø O trabalhador participa
de toda etapa do
trabalho;
Ø Não é disciplinado pelo
tempo
MAQUINOFATURAS
Ø Utilização de
máquinas;
Ø Divisão do
trabalho;
Ø Produção em série;
Ø Dinâmica de tempo
de produção;
Por que a Inglaterra foi a primeira?
• Capitais acumulados (colônias, pirataria e acordos comerciais na Europa).
• Disponibilidade de mão-de-obra (cercamento dos campos – ).
• Matéria prima disponível (reservas de ferro, carvão e produção de lã – indústria
têxtil).
• Mercado consumidor (colônias, países europeus e assalariados).
• Marinha mercante poderosa (Atos de Navegação – Oliver Cromwell,
• Burguesia no poder (parlamento – Revolução Gloriosa 1688).
• Ética protestante da religião (estímulo ao lucro
Construção de fábricas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com

Recomendado para você

Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas

As três principais civilizações pré-colombianas foram: 1) os Maias, notáveis por sua astronomia e arquitetura de pirâmides; 2) os Astecas, que criaram um grande império no México central; 3) os Incas, que desenvolveram sofisticadas técnicas agrícolas nos Andes. Todas foram conquistadas pelos espanhóis entre os séculos 15 e 16.

Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República

Este documento descreve o período da Primeira República Brasileira (1889-1930), marcado por: 1) a consolidação do regime republicano e disputas sobre o modelo de república; 2) o domínio inicial dos militares e das oligarquias regionais sobre o sistema político; e 3) os desafios sociais decorrentes do crescimento econômico baseado no café e na borracha.

Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil

- A chegada da família real portuguesa no Brasil em 1808 trouxe grandes mudanças na colônia, incluindo a abertura dos portos, o início da industrialização e maior planejamento das províncias. - Sob o domínio de D. João VI, o Brasil passou de colônia a Reino Unido a Portugal e Algarves, com o Rio de Janeiro como nova capital do império luso-brasileiro. - A vinda de artistas, cientistas e outros profissionais europeus influenciou a cultura bras

historia do brasilvinda da família real para o brasilcorte portuguesa no brasil
Principais avanços tecnológicos:
Motor a Vapor (Thomas Newcomen)
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Thomas Newcomen
Principais avanços tecnológicos:
Motor a Vapor (Thomas Newcomen)
Motor a Vapor (James Watt)
James Watt (1736 - 1819)
Principais avanços tecnológicos:
Principais avanços tecnológicos:
ØTear a Vapor (Edmund)
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com

Recomendado para você

América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil

O documento descreve a divisão do Novo Mundo entre Portugal e Espanha pelo Papa Alexandre VI em 1493, a fundação da colonização portuguesa no Brasil a partir de 1530 sob o comando de Martim Afonso de Souza, e o estabelecimento do Governo Geral centralizado por Tomé de Souza em 1549.

história do brasilperíodo colonialcolonização do brasil
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês

O documento descreve a invasão holandesa no Brasil no século XVII. Em três frases: 1) Os holandeses atacaram Salvador em 1624 e ocuparam Pernambuco em 1630, estabelecendo um governo colonial. 2) Sob o governo de Maurício de Nassau (1637-1644), os holandeses organizaram a produção açucareira e construíram a cidade de Maurícia, promovendo também as artes e ciências. 3) Uma insurreição luso-brasileira entre 1645-1654

República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte

Primeira parte da aula sobre República Velha. Cobre da proclamação (1889) até o final da 1 ª Guerra Mundial. A aula destina-se aos alunos e alunas do Terceiro Ano do Colégio Militar de Brasília, mas qualquer pessoa pode utilizar o material, basta entrar em contato e citar a fonte.

república velhacafé com leitebrasil
ØTear a Vapor (Edmund)
Principais avanços tecnológicos:
Principais avanços tecnológicos:
ØEmbarcação a Vapor (Robert Fulton)
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Principais avanços tecnológicos:
vEmbarcação a Vapor (Robert Fulton)
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
ØLocomotiva a vapor: (Richard Trevisthick)
Principais avanços tecnológicos:

Recomendado para você

Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV

O documento descreve a crise do feudalismo na Europa no século XIV. Fatores como a fome, a Peste Negra e a Guerra dos Cem Anos causaram enorme sofrimento e mortalidade. Isso levou a revoltas camponesas e a necessidade de mudanças que marcaram a transição para os Tempos Modernos.

Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial

Brasil - Expansão territorial: drogas do sertão, pecuária, missões jesuíticas, bandeirismo, tratados de limites.

tratados de limites.missões jesuíticasbandeirismo
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...

O documento discute a evolução do conceito de degradação forçada como ferramenta para o desenvolvimento de formulações farmacêuticas estáveis. A degradação forçada permite identificar produtos de degradação, estabelecer mecanismos de degradação e validar métodos analíticos. Diretrizes regulatórias têm exigido a realização sistemática de estudos de degradação forçada para caracterizar o perfil de degradação e qualificar produtos de degradação. O documento enfatiza a importância

A produção em grande escala, mediante a utilização de meios
mecânicos, exigiu a concentração de trabalhadores nas fábricas, onde
eles realizavam um trabalho dirigido e em conjunto. Na fábrica,
consagrou-se e aperfeiçoou-se o principio da divisão do trabalho: cada
trabalhador realizava apenas uma parte do processo:
Os efeitos econômicos foram:
• Aumento da produção, que passou a se dar pela produtividade.
• A padronização da produção;
• A diminuição do custo unitário do produto. de produção, na qual se
especializava.
O trabalho era repetitivo e as jornadas, muito longas.
Homens, mulheres e crianças trabalhavam de 14 a 18 horas por dia.
Não existiam leis trabalhistas. Os trabalhadores sofriam ameaças e até
castigos físicos.
Os salários eram miseráveis e ainda tinham os descontos: multas por
atraso, por se estar sujo, ou por ter cochilado ou assobiado em serviço.
Quando sofriam mutilações, perdiam dedos ou mãos, braços ou pernas,
não recebiam nenhum auxílio. Apenas demissão
A hegemonia inglesa
• Até meados do séc. XIX a
Inglaterra liderou o processo
de industrialização.
• Era o país que mais produzia
( têxteis, maquinas locomotivas,
etc.) e exportava .
• Os lucros eram reinvestidos
em novos negócios
Novas potencias industriais
A partir de 1870 a Revolução Industrial alastrou-se
a outros países da Europa - aos Estados Unidos e ao
Japão.

Recomendado para você

Revolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrialRevolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrial

O documento descreve as revoluções burguesas dos séculos XVII e XIX na Inglaterra, começando com a Reforma Anglicana e a Guerra Civil Inglesa que levou à execução de Carlos I. A revolução culminou na Revolução Gloriosa de 1688, que limitou o poder real e estabeleceu o domínio do Parlamento. Isso abriu caminho para o avanço do capitalismo na Inglaterra e deu início à Revolução Industrial.

Senai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutençãoSenai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutenção

Este documento fornece informações sobre gestão da manutenção. Discute brevemente a história da manutenção, conceitos, objetivos, tipos de manutenção como preventiva, preditiva e TPM. Também aborda tópicos como planejamento, programação e controle da manutenção, serviços de rotina e periódicos.

Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos

O documento discute sobre manutenção de máquinas e equipamentos, abordando: 1) Os diferentes tipos de manutenção como preventiva, preditiva, corretiva e TPM; 2) Os objetivos da manutenção em garantir a produção, evitar falhas e reduzir custos; 3) A importância do planejamento, programação e controle das atividades de manutenção.

Revolução dos transportes
Iniciou-se com:
• a aplicação da maquina a vapor ao barco (invenção
de Fulton em 1803) e a locomotiva ( invenção de
Stephenson em 1816).
• A navegação a vapor com
a construção de grandes
paquetes em metal.
• Nos transportes terrestres destacou-se o comboio.
Sua importância
• A formação de companhias de navegação de longo
curso – Great western;
• Deslocação de milhões de pessoas da Europa para a
América – emigração europeia;
• Deslocação de
pessoas e bens mais
rápida e mais segura
Novas fontes de energia novos
inventos técnicos novas
industrias
Avanços na ciência e técnica:
• invenção da turbina e do dínamo
• descoberta de poços de petróleo
• invenção do motor de combustão
Permitiram a utilização de novas
fontes de energia:
• a electricidade e o petróleo.
Surgiram novas industrias como:
• A industria química ( medicamentos, fertilizantes,
explosivos, etc.)
• A industria de materiais eléctricos que produzia
aparelhos eléctricos.
•A industria do aço devido
a construção de maquinas,
pontes e caminhos de ferro.
Continuação

Recomendado para você

Tipos de Manutenção
Tipos de ManutençãoTipos de Manutenção
Tipos de Manutenção

O documento descreve os tipos de manutenção, incluindo manutenção planejada (preventiva, preditiva e TPM) e não planejada (inesperada e ocasional). Detalha os objetivos da manutenção preventiva e preditiva, como redução de custos e aumento da vida útil dos equipamentos. Também explica os pilares da TPM, que visa maior eficiência da manutenção através da participação de todos os funcionários.

Manual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalhoManual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalho

Este documento apresenta conceitos e objetivos relacionados com higiene e prevenção no trabalho. Aborda tópicos como acidentes de trabalho, riscos profissionais, equipamentos de proteção e princípios gerais de prevenção. O documento destina-se a estudantes de Mecatrónica Automóvel e tem como objetivo ensinar sobre segurança e saúde no trabalho.

Capitulo 04 revolucoes na inglaterra
Capitulo 04  revolucoes na inglaterraCapitulo 04  revolucoes na inglaterra
Capitulo 04 revolucoes na inglaterra

O documento resume as revoluções políticas e sociais na Inglaterra entre os séculos XVI e XVIII, incluindo a ascensão do parlamentarismo, a Guerra Civil Inglesa e o governo de Cromwell, a Revolução Gloriosa de 1688, e o início da Revolução Industrial no século XVIII.

Uma sociedade em mudança
A revolução agrícola e
industrialização levaram
ao crescimento das
cidades.
O êxodo rural em busca de
melhores condições de
vida e melhores salários foi
facilitado pelo desenvolvimento
dos transportes.
Continuação
Todavia, o crescimento urbano trouxe problemas
como:
- desenraizamento e insegurança
das populações,
- aumento da delinquência, do
alcoolismo e da mendicidade,
- emigração pois nas cidades não
havia emprego para todos.
Sociedade e mentalidade
burguesas
E uma sociedade de classes onde a importância de
cada um dependia da sua profissão do que fazia e do
que possuía.
A burguesia ocupava lugar de destaque e
dividia-se em:
• Alta burguesia ( industrial e financeira)
- liderava a economia
- influenciava o poder politico
- ditava as modas
- impunha um modelo de vida
- formas de diversão
Continuação
• Media e baixa burguesia ( classe media)
composta por:
- pequenos e médios empresários e
profissionais liberais como médicos, engenheiros,
advogados, etc.
• No estrato mais baixo estava
o proletariado composto pela
grande massa de operários que
enchia as cidades

Recomendado para você

A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial

O que seria do mundo moderno sem a Revolução Industrial? É difícil de responder. Neste slide, apresento os principais acontecimentos históricos que sucederam a maior revolução criada pelo ser humano.

história contemporâneahistória geralrevolução industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução IndustrialRevolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial

A Revolução Inglesa iniciou no século XVII e levou à queda da monarquia absoluta dos Stuarts e ao estabelecimento de uma república puritana liderada por Oliver Cromwell. A Revolução Industrial começou na Inglaterra no século XVIII através da mecanização dos sistemas de produção, consolidando o capitalismo. As condições de trabalho nas fábricas eram precárias, levando os trabalhadores a se organizarem em sindicatos para lutar por melhores direitos.

historiainglaterraindustrial
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado

Este documento é uma apostila de história do 2o ano do ensino médio sobre a crise do antigo regime até a república no Brasil. Ele contém 12 seções que abordam tópicos como as revoluções inglesas, o iluminismo, a revolução industrial, as independências da América Latina e a abolição e a república no Brasil.

O operariado industrial
• A industrialização e o crescimento
das cidades foram acompanhadas
pelo aumento do operariado.
• A vida dos operários era difícil,
os salários eram baixos trabalhavam
em mas condições durante 15 ou
mais horas por dia.
• A mão de obra infantil e feminina
era mais barata.
Continuação
• O proletariado trabalhava em fabricas com mas
condições de higiene e segurança, e vivia em casas
insalubres e mal iluminadas.
• Eram pequenos espaços onde viviam famílias
numerosas.
Continuação
• Estas condições de vida favoreceram:
- o aparecimento e a propagação
de graves doenças;
- a degradação de vida e a
miséria moral;
- descontentamento;
- revoltas e agitação social.
• Foi neste ambiente que nasceu e se desenvolveu o
movimento operário e sindical e se desenvolveram as
ideias do socialismo.
CARTISMO
ü O movimento nasceu em Londres, em 1837,
quando uma associação de trabalhadores
enviou ao Parlamento a Carta ao Povo.
ü O documento, com mais de um milhão de
assinaturas, requeria:
Ø Voto Secreto,
Ø Sufrágio Universal Masculino
Ø Renovação Anual dos Membros do
Parlamento.
ü A recusa do Parlamento em aprovar a carta
desencadeou uma onda de greves,
manifestações e prisões.
A organização da classe operáriaA organização da classe operária

Recomendado para você

Revolucao inglesa
Revolucao inglesaRevolucao inglesa
Revolucao inglesa

A Revolução Inglesa ocorreu devido ao conflito entre o absolutismo monárquico e os interesses da burguesia emergente. A revolução foi dividida em duas etapas: primeiro a Revolução Puritana no século XVII que derrubou o rei Carlos I, e depois a Revolução Gloriosa de 1688 que transformou a Inglaterra em uma monarquia parlamentar.

Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...

Material de apoio. Temas: Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismo, Revolução Francesa, Independência dos Estados Unidos.

independência dos estados unidos.revoluçao inglesarevolucao francesa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e  gloriosaRevoluções na inglaterra. puritana e  gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa

A revolução política e econômica na Inglaterra entre os séculos XVI e XVIII foi marcada por fatores como o pioneirismo industrial, o aumento da produção de carvão mineral e as transformações políticas como a Revolução Puritana e a Revolução Gloriosa, que limitaram o poder absoluto da monarquia e fortaleceram o parlamentarismo e a burguesia.

puritana gloriosa
A organização da classe operáriaA organização da classe operária
LUDISMO:
ü Movimento de quebradores de máquinas:
"Possuímos informações de que você é um dos proprietários
que têm um desses detestáveis teares mecânicos e meus
homens me encarregaram de escrever-lhe, fazendo um
advertência para que você se desfaça deles... atente
para que se eles não forem despachados até o final da
próxima semana enviarei um dos meus lugar-tenentes
com uns 300 homens para destruí-los, e, além disso,
tome nota de que se você nos causar problemas,
aumentaremos o seu infortúnio queimando o seu edifício,
reduzindo-o a cinzas; se você tiver o atrevimento de
disparar contra os meus homens, eles têm ordem de
assassiná-lo e de queimar a sua casa. Assim você terá a
bondade de informar aos seus vizinhos de que esperem o
mesmo destino se os seus tricotadores não sejam
rapidamente desativados.."
Ass.: General Ludd, março de 1812
Movimento sindical
Surgiram em Inglaterra no inicio do
sec. XIX as primeiras associações
de operários algumas das quais
deram origem a sindicatos.
Em 1825 os primeiros sindicatos
uniram-se formando as
“Trade Unions”
Em 1864 foi fundada a associação internacional dos
trabalhadores pelos sindicatos ingleses e franceses
sobre a orientação de Karl Marx
Continuação
• Funções das associações:
- chamar a atenção dos governos e da população
para as difíceis condições em que viviam os
operários;
- lutar para conseguir que os patrões melhorassem
as condições de trabalho;
- lutar para que o governo apoiasse mais a
população dando melhores condições de vida.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
Slides de Tudo
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
profrogerio1
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
harlissoncarvalho
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
Nome Sobrenome
 
Império Bizantino
Império BizantinoImpério Bizantino
Império Bizantino
dmflores21
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Edenilson Morais
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
Paulo Alexandre
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial

Mais procurados (20)

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Império Bizantino
Império BizantinoImpério Bizantino
Império Bizantino
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 

Destaque

A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
Giordano Trazzi
 
Revolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrialRevolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrial
Simone Borges
 
Senai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutençãoSenai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutenção
Vladimir Silva
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Anderson Pontes
 
Tipos de Manutenção
Tipos de ManutençãoTipos de Manutenção
Tipos de Manutenção
Lucas Costa
 
Manual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalhoManual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalho
Filipa Andrade
 

Destaque (6)

A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
A degradação forçada além da legislação uma ferramenta para o desenvolvimento...
 
Revolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrialRevolução inglesa industrial
Revolução inglesa industrial
 
Senai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutençãoSenai mg - gestão de manutenção
Senai mg - gestão de manutenção
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Tipos de Manutenção
Tipos de ManutençãoTipos de Manutenção
Tipos de Manutenção
 
Manual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalhoManual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalho
 

Semelhante a Revolução inglesa e industrial

Capitulo 04 revolucoes na inglaterra
Capitulo 04  revolucoes na inglaterraCapitulo 04  revolucoes na inglaterra
Capitulo 04 revolucoes na inglaterra
Educandário Imaculada Conceição
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução IndustrialRevolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Aldo Dos Anjos Gonçalves Costa
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
jorgeccpeixoto
 
Revolucao inglesa
Revolucao inglesaRevolucao inglesa
Revolucao inglesa
MargarethFranklim
 
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
daviprofessor
 
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e  gloriosaRevoluções na inglaterra. puritana e  gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Ricardo Diniz campos
 
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na EuropaREVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
Ricardo Diniz campos
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Julia Selistre
 
Revoluçao inglesa
Revoluçao inglesaRevoluçao inglesa
Revoluçao inglesa
Vinicius Pereira
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptxHSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
BENILDEDENAZARELAMEI
 
Revoluções s inglesas
Revoluções s inglesasRevoluções s inglesas
Revoluções s inglesas
Loredana Ruffo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
joana71
 
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrialDas revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Maiquel Laux
 
História Geral: revolução inglesa
História Geral: revolução inglesaHistória Geral: revolução inglesa
História Geral: revolução inglesa
Rafael Lucas da Silva
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
Valkuiria Andrade
 

Semelhante a Revolução inglesa e industrial (20)

Capitulo 04 revolucoes na inglaterra
Capitulo 04  revolucoes na inglaterraCapitulo 04  revolucoes na inglaterra
Capitulo 04 revolucoes na inglaterra
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução IndustrialRevolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
 
Revolucao inglesa
Revolucao inglesaRevolucao inglesa
Revolucao inglesa
 
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
 
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e  gloriosaRevoluções na inglaterra. puritana e  gloriosa
Revoluções na inglaterra. puritana e gloriosa
 
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na EuropaREVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA  na Europa
REVOLUÇÕES, INGLESA,PURITANA, GLORIOSA na Europa
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
 
Revoluçao inglesa
Revoluçao inglesaRevoluçao inglesa
Revoluçao inglesa
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptxHSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
HSC-ILUMINISMO-REVOLUCOES-INDUST-E-BURGUESAS.pptx
 
Revoluções s inglesas
Revoluções s inglesasRevoluções s inglesas
Revoluções s inglesas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrialDas revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrial
 
História Geral: revolução inglesa
História Geral: revolução inglesaHistória Geral: revolução inglesa
História Geral: revolução inglesa
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 

Mais de Jefferson Barroso

Inconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasilInconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasil
Jefferson Barroso
 
Paraolímpiadas
ParaolímpiadasParaolímpiadas
Paraolímpiadas
Jefferson Barroso
 
Administração colonial brasil
Administração colonial  brasilAdministração colonial  brasil
Administração colonial brasil
Jefferson Barroso
 
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
Jefferson Barroso
 
Biologia 4 Bimestre - CEV
Biologia 4 Bimestre - CEVBiologia 4 Bimestre - CEV
Biologia 4 Bimestre - CEV
Jefferson Barroso
 
Trabalho de história 4BIMESTRE
Trabalho de história 4BIMESTRETrabalho de história 4BIMESTRE
Trabalho de história 4BIMESTRE
Jefferson Barroso
 
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°CTirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
Jefferson Barroso
 
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
Jefferson Barroso
 

Mais de Jefferson Barroso (8)

Inconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasilInconfidência mineira e independência do brasil
Inconfidência mineira e independência do brasil
 
Paraolímpiadas
ParaolímpiadasParaolímpiadas
Paraolímpiadas
 
Administração colonial brasil
Administração colonial  brasilAdministração colonial  brasil
Administração colonial brasil
 
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
Trabalho de Arte 2°C - CEV 2016
 
Biologia 4 Bimestre - CEV
Biologia 4 Bimestre - CEVBiologia 4 Bimestre - CEV
Biologia 4 Bimestre - CEV
 
Trabalho de história 4BIMESTRE
Trabalho de história 4BIMESTRETrabalho de história 4BIMESTRE
Trabalho de história 4BIMESTRE
 
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°CTirinha, gêneros e tipologia textual -  Alunos CEV 2015 1°C
Tirinha, gêneros e tipologia textual - Alunos CEV 2015 1°C
 
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
A origem de Roma (Alunos CEV 2015-Jefferson)
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

Revolução inglesa e industrial

  • 1. DAS REVOLUÇÕES INGLESAS ÀDAS REVOLUÇÕES INGLESAS À REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  • 2. v Consolidou anglicanismo como única religião possível de culto na Inglaterra; v Perseguiu puritanos; v Derrotou a invencível armada espanhola; v Promoveu o desenvolvimento do mercantilismo inglês; v Morreu sem deixar herdeiros; Dinastia TudorDinastia Tudor Elizabeth I “Elizabeth I “A Rainha Virgem”A Rainha Virgem”
  • 3. v Foi rei da Escócia, Inglaterra e Irlanda pela União das Coroas; v Promoveu perseguição religiosa; v Iniciou a colonização inglesa da América; Dinastia StuartDinastia Stuart Jaime IJaime I vEnfrentou a Conspiração da Pólvora de 1605 - tentativa de assassinato por um grupo provinciano de católicos ingleses liderados por Robert Catesby, O plano era explodir a Câmara dos Lordes. Em março de 1605, a terra abaixo da casa dos lordes foi preenchida com 36 barris de pólvora. Como o ato poderia levar a morte de diversos inocentes os conspiradores enviaram avisos para que alguns deles mantivessem distância do parlamento no dia do ataque.
  • 4. v Casou-se com uma católica, o que gerou desconfiança por parte de puritanos e calvinistas; v Acreditava no direito divino dos reis e achou que podia governar de acordo com sua consciência. Ø Fechou parlamento; Ø Institui o imposto Chip Money – imposto contra a pirataria; Ø Restabeleceu tributos feudais; v Protagonista da revolução Puritana de 1644 Dinastia StuartDinastia Stuart Carlos ICarlos I
  • 5. Oliver Cromwell Líder da Revolução Puritana Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644 Batalha de Marston Moor (1644)
  • 6. Oliver Cromwell Exercito do Parlamento – Puritanos (Partidários da Burguesia) Carlos I Cavaleiros (partidários do Rei) Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644
  • 7. A República de CromwellA República de Cromwell v Carlos é decapitado; v A República é instalada; v Cromwell recebe o título de “Lord Protector”; Revolução Puritana - 1644Revolução Puritana - 1644 A Ditadura de CromwellA Ditadura de Cromwell vv Fechou parlamento;Fechou parlamento; vv Institui os Atos de Navegação;Institui os Atos de Navegação; vv FormouFormou aa ComunidadeComunidade dada Inglaterra, Escócia e Irlanda;Inglaterra, Escócia e Irlanda;
  • 8. Restauração da MonarquiaRestauração da Monarquia Richard Cromwell vSucedeu o pai, como “lorde protector” da Inglaterra; vNão se consegue manter no poder por mais de oito meses;
  • 9. Restauração da MonarquiaRestauração da Monarquia Carlos IICarlos II Jaime IIJaime II Carlos II A restauração ocorre por medo de revoltas no meio popular; Rei tem que garantir anistia e posse das terras confiscadas Atritos com o,parlamento 2 partidos políticos: Tory (à favos do Rei) Whig (contrários ao Rei). Jaime II Irmão de Carlos II; Política pró-católica; Tendências absolutistas
  • 10. Revolução Gloriosa - 1688Revolução Gloriosa - 1688 • Parlamento “convida” Guilherme de Orange (casado com a filha mais velha de Jaime II) a tomar o poder. • JAIME II renuncia, entregando o trono para Guilherme, que assume o poder com a Revolução Gloriosa; sem derramamento de sangue. • Poderes limitados ao máximo pelo parlamento
  • 11. O que é a revolução industrial? • É o conjunto de transformações técnicas, económicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufactura pela fábrica.
  • 12. Localização temporal e espacial • Inglaterra, no inicio do séc. XVIII alargando-se gradualmente a vários países da Europa e da América do Norte na segunda metade do séc. XIX.
  • 13. Conjunto de transformações técnico-científicas ocorridas a partir do séc. XVIII, na Inglaterra, caracterizada pela mudança nos meios produtivos. Conceito:Conceito: MANUFATURA MAQUINOFATURA
  • 14. MANUFATURAS: Ø Trabalho manual; Ø Artesão; Ø O trabalhador participa de toda etapa do trabalho; Ø Não é disciplinado pelo tempo
  • 15. MAQUINOFATURAS Ø Utilização de máquinas; Ø Divisão do trabalho; Ø Produção em série; Ø Dinâmica de tempo de produção;
  • 16. Por que a Inglaterra foi a primeira? • Capitais acumulados (colônias, pirataria e acordos comerciais na Europa). • Disponibilidade de mão-de-obra (cercamento dos campos – ). • Matéria prima disponível (reservas de ferro, carvão e produção de lã – indústria têxtil). • Mercado consumidor (colônias, países europeus e assalariados). • Marinha mercante poderosa (Atos de Navegação – Oliver Cromwell, • Burguesia no poder (parlamento – Revolução Gloriosa 1688). • Ética protestante da religião (estímulo ao lucro Construção de fábricas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 17. Principais avanços tecnológicos: Motor a Vapor (Thomas Newcomen) Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com Thomas Newcomen
  • 18. Principais avanços tecnológicos: Motor a Vapor (Thomas Newcomen)
  • 19. Motor a Vapor (James Watt) James Watt (1736 - 1819) Principais avanços tecnológicos:
  • 20. Principais avanços tecnológicos: ØTear a Vapor (Edmund) Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 21. ØTear a Vapor (Edmund) Principais avanços tecnológicos:
  • 22. Principais avanços tecnológicos: ØEmbarcação a Vapor (Robert Fulton) Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 23. Principais avanços tecnológicos: vEmbarcação a Vapor (Robert Fulton) Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 24. ØLocomotiva a vapor: (Richard Trevisthick) Principais avanços tecnológicos:
  • 25. A produção em grande escala, mediante a utilização de meios mecânicos, exigiu a concentração de trabalhadores nas fábricas, onde eles realizavam um trabalho dirigido e em conjunto. Na fábrica, consagrou-se e aperfeiçoou-se o principio da divisão do trabalho: cada trabalhador realizava apenas uma parte do processo: Os efeitos econômicos foram: • Aumento da produção, que passou a se dar pela produtividade. • A padronização da produção; • A diminuição do custo unitário do produto. de produção, na qual se especializava.
  • 26. O trabalho era repetitivo e as jornadas, muito longas. Homens, mulheres e crianças trabalhavam de 14 a 18 horas por dia. Não existiam leis trabalhistas. Os trabalhadores sofriam ameaças e até castigos físicos. Os salários eram miseráveis e ainda tinham os descontos: multas por atraso, por se estar sujo, ou por ter cochilado ou assobiado em serviço. Quando sofriam mutilações, perdiam dedos ou mãos, braços ou pernas, não recebiam nenhum auxílio. Apenas demissão
  • 27. A hegemonia inglesa • Até meados do séc. XIX a Inglaterra liderou o processo de industrialização. • Era o país que mais produzia ( têxteis, maquinas locomotivas, etc.) e exportava . • Os lucros eram reinvestidos em novos negócios
  • 28. Novas potencias industriais A partir de 1870 a Revolução Industrial alastrou-se a outros países da Europa - aos Estados Unidos e ao Japão.
  • 29. Revolução dos transportes Iniciou-se com: • a aplicação da maquina a vapor ao barco (invenção de Fulton em 1803) e a locomotiva ( invenção de Stephenson em 1816). • A navegação a vapor com a construção de grandes paquetes em metal. • Nos transportes terrestres destacou-se o comboio.
  • 30. Sua importância • A formação de companhias de navegação de longo curso – Great western; • Deslocação de milhões de pessoas da Europa para a América – emigração europeia; • Deslocação de pessoas e bens mais rápida e mais segura
  • 31. Novas fontes de energia novos inventos técnicos novas industrias Avanços na ciência e técnica: • invenção da turbina e do dínamo • descoberta de poços de petróleo • invenção do motor de combustão Permitiram a utilização de novas fontes de energia: • a electricidade e o petróleo.
  • 32. Surgiram novas industrias como: • A industria química ( medicamentos, fertilizantes, explosivos, etc.) • A industria de materiais eléctricos que produzia aparelhos eléctricos. •A industria do aço devido a construção de maquinas, pontes e caminhos de ferro. Continuação
  • 33. Uma sociedade em mudança A revolução agrícola e industrialização levaram ao crescimento das cidades. O êxodo rural em busca de melhores condições de vida e melhores salários foi facilitado pelo desenvolvimento dos transportes.
  • 34. Continuação Todavia, o crescimento urbano trouxe problemas como: - desenraizamento e insegurança das populações, - aumento da delinquência, do alcoolismo e da mendicidade, - emigração pois nas cidades não havia emprego para todos.
  • 35. Sociedade e mentalidade burguesas E uma sociedade de classes onde a importância de cada um dependia da sua profissão do que fazia e do que possuía. A burguesia ocupava lugar de destaque e dividia-se em: • Alta burguesia ( industrial e financeira) - liderava a economia - influenciava o poder politico - ditava as modas - impunha um modelo de vida - formas de diversão
  • 36. Continuação • Media e baixa burguesia ( classe media) composta por: - pequenos e médios empresários e profissionais liberais como médicos, engenheiros, advogados, etc. • No estrato mais baixo estava o proletariado composto pela grande massa de operários que enchia as cidades
  • 37. O operariado industrial • A industrialização e o crescimento das cidades foram acompanhadas pelo aumento do operariado. • A vida dos operários era difícil, os salários eram baixos trabalhavam em mas condições durante 15 ou mais horas por dia. • A mão de obra infantil e feminina era mais barata.
  • 38. Continuação • O proletariado trabalhava em fabricas com mas condições de higiene e segurança, e vivia em casas insalubres e mal iluminadas. • Eram pequenos espaços onde viviam famílias numerosas.
  • 39. Continuação • Estas condições de vida favoreceram: - o aparecimento e a propagação de graves doenças; - a degradação de vida e a miséria moral; - descontentamento; - revoltas e agitação social. • Foi neste ambiente que nasceu e se desenvolveu o movimento operário e sindical e se desenvolveram as ideias do socialismo.
  • 40. CARTISMO ü O movimento nasceu em Londres, em 1837, quando uma associação de trabalhadores enviou ao Parlamento a Carta ao Povo. ü O documento, com mais de um milhão de assinaturas, requeria: Ø Voto Secreto, Ø Sufrágio Universal Masculino Ø Renovação Anual dos Membros do Parlamento. ü A recusa do Parlamento em aprovar a carta desencadeou uma onda de greves, manifestações e prisões. A organização da classe operáriaA organização da classe operária
  • 41. A organização da classe operáriaA organização da classe operária LUDISMO: ü Movimento de quebradores de máquinas: "Possuímos informações de que você é um dos proprietários que têm um desses detestáveis teares mecânicos e meus homens me encarregaram de escrever-lhe, fazendo um advertência para que você se desfaça deles... atente para que se eles não forem despachados até o final da próxima semana enviarei um dos meus lugar-tenentes com uns 300 homens para destruí-los, e, além disso, tome nota de que se você nos causar problemas, aumentaremos o seu infortúnio queimando o seu edifício, reduzindo-o a cinzas; se você tiver o atrevimento de disparar contra os meus homens, eles têm ordem de assassiná-lo e de queimar a sua casa. Assim você terá a bondade de informar aos seus vizinhos de que esperem o mesmo destino se os seus tricotadores não sejam rapidamente desativados.." Ass.: General Ludd, março de 1812
  • 42. Movimento sindical Surgiram em Inglaterra no inicio do sec. XIX as primeiras associações de operários algumas das quais deram origem a sindicatos. Em 1825 os primeiros sindicatos uniram-se formando as “Trade Unions” Em 1864 foi fundada a associação internacional dos trabalhadores pelos sindicatos ingleses e franceses sobre a orientação de Karl Marx
  • 43. Continuação • Funções das associações: - chamar a atenção dos governos e da população para as difíceis condições em que viviam os operários; - lutar para conseguir que os patrões melhorassem as condições de trabalho; - lutar para que o governo apoiasse mais a população dando melhores condições de vida.