SlideShare uma empresa Scribd logo
Por Maria José Guimarães
REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• O mundo em que vivemos hoje é o
resultado de grandes transformações
ocorridas há muito tempo.
• Iremos tratar,
nessas aulas, as mu-
danças provocadas
pela Revolução
Industrial ocorrida
na Europa no século
XVIII.
Então como se produzia antes?
• A forma de se produzir mudou de acordo
com o tempo, novas tecnologias, aumento da
população...
• Mulheres, homens e crianças trabalhavam
como agricultores, criadores de animais e
artesão.
• Fonte de energia: água, vento e tração
animal.
• Nas cidades as principais atividades era o
comércio ou administração pública.
Revolução industrial
Fases do sistema produtivo
• ARTESANATO
• Os artesãos eram os responsáveis por
todas as etapas da transformação da
matéria-prima em mercadoria. Sendo o
dono da matéria-prima e dos instrumentos
de produção.
• O jovem artesão era o aprendiz.
• Corporações de ofício: onde os grupos de
artesãos e aprendizes se reunião.
Revolução industrial
MANUFATURA
• No século XVIII surgiu a manufatura, quando
grandes oficinas tinham trabalhadores
executando as tarefas manuais usando
ferramentas que não lhes pertenciam. Com a
manufatura, ele não tinha nenhuma
ferramenta e vendia a sua força de trabalho
para executar uma tarefa previamente
determinada.
• A diferença social começava a aparecer
entre os trabalhadores e os donos das
manufaturas.
• Surge a divisão do trabalho.
Revolução industrial
Revolução industrial
Revolução industrial
MAQUINOFATURA
• Sistema de produção em que a máquina desempenha o papel principal na
produção. A maquinofatura substituiu, a partir de finais do século XVIII, a
produção baseada no trabalho manual, ou seja, a manufatura.
• A Maquinofatura provocou profundas alterações na forma de produzir: A
fábrica substitui a oficina doméstica.
• A produção em série substitui a produção artesanal.(A utilização das
máquinas permitiu aumentar a produção e obrigou a uma modernização
constante do equipamento).
• A maquinização tomou o lugar do trabalho manual.(A máquina substituía o
operário, que tinha sobretudo um papel de vigilância, controle e verificação
do maquinismo).
• Acentuou-se a divisão do trabalho (a maioria do operariado era formada por
aqueles que tinham funções mais simples e menos remuneradas e uma
minoria tinha as funções mais complexas e mais bem pagas)
• As diferenças sociais se tornam cada vez maiores
Revolução industrial
Revolução industrial
Revolução industrial
Revolução industrial
Fases da Revolução Industrial
. Primeira Fase (1760 a 1860): A Revolução
Industrial ficou limitada, basicamente, à
Inglaterra, o primeiro país europeu a
conhecer um rápido processo de
industrialização, baseado na utilização do
carvão e do ferro e na fabricação de tecidos
com a utilização do tear mecânico. Máquina
a vapor usada em mina de carvão, no
século XVIII
Revolução industrial
• Segunda Fase (1860 a 1900): A
industrialização espalhou-se por diversas
regiões da Europa, atingindo países como
França, Alemanha, Itália, Bélgica e
Holanda. Em outros continentes, o
processo de industrialização alcançou os
Estados Unidos e o Japão. Nesse
período, as principais inovações técnicas
foram a utilização da energia elétrica e o
desenvolvimento dos produtos químicos.
Revolução industrial
• Terceira Fase (1860 a 1900): 1900 até
hoje – Surgem conglomerados industriais
e multinacionais. A produção se
automatiza; começa a produção em série
e explode a sociedade de consumo de
massas, com a expansão dos meios de
comunicação. A indústria química e
eletrônica, a engenharia genética e a
robótica avançam.
Revolução industrial
Revolução industrial
O Pioneirismo Inglês
• O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial em meados do século
XVIII, pode ser explicado por diversos fatores:
• POLÍTICA ECONÔMICA LIBERAL Antes da liberalização econômica, as atividades
industriais e comerciais estavam cartelizadas pelo rígido sistemas de guildas, e por
causa disso a entrada de novos competidores e a inovação tecnológica eram muito
limitadas. Com a liberalização da indústria e do comércio, ocorreu um enorme
progresso tecnológico e um grande aumento da produtividade em um curto espaço
de tempo
• RESERVAS DE CARVÃO MINERAL A Inglaterra possuía grandes reservas de
carvão mineral em seu subsolo, sendo essa a principal fonte de energia para
movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
• RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO A Inglaterra possuía grandes reservas de
minério de ferro, sendo essa a principal matéria-prima utilizada na indústria.
• MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra
(enclousures) na Inglaterra foi responsável por um grande êxodo no campo, e
consequentemente pela disponibilidade de mão-de-obra abundante e barata nas
cidades.
• ACUMULAÇÃO DE CAPITAL A grande quantidade de capital acumulado durante a
fase do mercantilismo, permitiu que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros
suficientes para financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar
empregados.
• O liberalismo de Adam Smith Revolução Industrial As novidades da
Revolução Industrial trouxeram muitas dúvidas. O pensador escocês
Adam Smith procurou responder racionalmente às perguntas da
época. Seu livro “ A Riqueza das Nações” (1776) é considerada uma
das obras fundadoras da ciência econômica. “O egoísmo é útil para
a sociedade” Segundo Smith, quando uma pessoa busca o melhor
para si, toda a sociedade é beneficiada. Portanto, é correto afirmar
que os capitalistas só pensam em seus lucros. Mas, para lucrar têm
de contratar empregados e vender produtos bons e baratos. O que,
no fim, é ótimo para os consumidores e para toda a sociedade. “ O
Estado deveria intervir o mínimo possível sobre a economia” Se as
forças do mercado agissem livremente, a economia poderia crescer
com vigor. Desse modo, cada empresário faria o que bem
entendesse com seu capital, sem ter de obedecer a nenhum
regulamento criado pelo governo.
As fábricas e os trabalhadores
• As condições de trabalho eram péssimas e insalubres. As
fábricas eram mal iluminadas e ventiladas.
• Não existiam medidas nem equipamentos de segurança.
Muitos se acidentavam, outros contraíam graves doenças.
• A jornada de trabalho era de 16 horas por dia, sem direito a
descansos e férias. Os salários eram baixos e a disciplina era
rigorosa, para manter o ritmo da produção. Os trabalhadores
não tinham direitos e nem o amparo social.
• Mulheres e crianças trabalhavam da mesma maneira que os
homens, nas mesmas condições, mas o salário era bem menor.
E pelos baixos salários oferecidos, era fundamental que todos
os integrantes de uma família trabalhassem para garantir a
sobrevivência de todos.
AS REAÇÕES DOS TRABALHADORES
• Os trabalhadores reagiram das mais diferentes
formas. Podemos destacar alguns dos
movimentos:
• LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan,
caracterizado pela destruição das máquinas.
• CARTISMO: organizado pela “Associação dos
Operários”, que exigiam melhores condições de
trabalho e o fim do voto censitário.
• TRADE–UNIONS: associações de operários que
evoluíram lentamente em suas reivindicações,
originando os primeiros sindicatos modernos.
Consequências
• A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do
trabalhador braçal.
• Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para
as cidades, com enormes concentrações urbanas.
• O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores
dos centros urbanos.
• O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra
masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de
mulheres e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas
• A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada vez mais
o trabalhador do produto final, já que cada grupo de trabalhadores domina
apenas uma etapa da produção.
• O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida
às péssimas condições de moradia (cortiços), salários baixos e com uma
extensa jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas:
• 1780 – em torno de 80 horas por semana;
• 1820 – 67 horas por semana;
• 1860 – 53 horas por semana
Revolução industrial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Douglas Barraqui
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Janny Vitoriano
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
Isaquel Silva
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isaquel Silva
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
Jornal Ovale
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Bruce Portes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Guilherme Drumond
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Movimento operário do século XIX
Movimento operário do século XIXMovimento operário do século XIX
Movimento operário do século XIX
Edvaldo S. Júnior
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 

Mais procurados (20)

Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Movimento operário do século XIX
Movimento operário do século XIXMovimento operário do século XIX
Movimento operário do século XIX
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Destaque

O processo de industrialização
O processo de industrializaçãoO processo de industrialização
O processo de industrialização
Rodrigo Baglini
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
Zeze Silva
 
2º fase da revolução industrial
2º fase da revolução    industrial2º fase da revolução    industrial
2º fase da revolução industrial
Alcymar Lopes
 
Aula de acacia e hellen imperialismo
Aula de acacia e hellen   imperialismoAula de acacia e hellen   imperialismo
Aula de acacia e hellen imperialismo
Zeze Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
TrabalhosdeEscola
 
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
Renata Telha
 
Republica de 1889 a 1930
Republica de 1889 a 1930Republica de 1889 a 1930
Republica de 1889 a 1930
Zeze Silva
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
Katielly Melo
 
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Joemille Leal
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
Zeze Silva
 
Guiao
GuiaoGuiao
Imperialismos - 2015
Imperialismos - 2015Imperialismos - 2015
Imperialismos - 2015
Zeze Silva
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
Zeze Silva
 
Primeira g mundial 1
Primeira g mundial 1Primeira g mundial 1
Primeira g mundial 1
Zeze Silva
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
Zeze Silva
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
Zeze Silva
 
Diretrizes econômicas do governo vargas
Diretrizes econômicas do governo vargasDiretrizes econômicas do governo vargas
Diretrizes econômicas do governo vargas
Zeze Silva
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
Zeze Silva
 

Destaque (20)

O processo de industrialização
O processo de industrializaçãoO processo de industrialização
O processo de industrialização
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
 
2º fase da revolução industrial
2º fase da revolução    industrial2º fase da revolução    industrial
2º fase da revolução industrial
 
Aula de acacia e hellen imperialismo
Aula de acacia e hellen   imperialismoAula de acacia e hellen   imperialismo
Aula de acacia e hellen imperialismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
 
Republica de 1889 a 1930
Republica de 1889 a 1930Republica de 1889 a 1930
Republica de 1889 a 1930
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
 
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
 
Guiao
GuiaoGuiao
Guiao
 
Imperialismos - 2015
Imperialismos - 2015Imperialismos - 2015
Imperialismos - 2015
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
 
Primeira g mundial 1
Primeira g mundial 1Primeira g mundial 1
Primeira g mundial 1
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
 
Diretrizes econômicas do governo vargas
Diretrizes econômicas do governo vargasDiretrizes econômicas do governo vargas
Diretrizes econômicas do governo vargas
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
 

Semelhante a Revolução industrial

As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Claudenilson da Silva
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Naldo Stithi
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
João Paulo Radd
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
Maria Joao Feio
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
Ricardo Diniz campos
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
artbio
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
paulohenriquefilosofiaph
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
Pitágoras
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017
Nelia Salles Nantes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Mari Anny Souza
 

Semelhante a Revolução industrial (20)

As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus IRevolução industrial PIBID História UEPB Campus I
Revolução industrial PIBID História UEPB Campus I
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 

Mais de Zeze Silva

Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
Zeze Silva
 
republica brasileira - 2019
republica brasileira - 2019republica brasileira - 2019
republica brasileira - 2019
Zeze Silva
 
Segundaguerramundial vou usar
Segundaguerramundial  vou usarSegundaguerramundial  vou usar
Segundaguerramundial vou usar
Zeze Silva
 
Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
Zeze Silva
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
Zeze Silva
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
Zeze Silva
 
Primeira guerra 2018
Primeira guerra   2018Primeira guerra   2018
Primeira guerra 2018
Zeze Silva
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
Zeze Silva
 
Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
Zeze Silva
 
Perodo entre guerras
Perodo entre guerrasPerodo entre guerras
Perodo entre guerras
Zeze Silva
 
A repblicavelha18891930 novo slide aula de 15 e 16 de fev
A repblicavelha18891930  novo slide aula de 15 e 16 de fevA repblicavelha18891930  novo slide aula de 15 e 16 de fev
A repblicavelha18891930 novo slide aula de 15 e 16 de fev
Zeze Silva
 
Absolutismo 2015
Absolutismo   2015Absolutismo   2015
Absolutismo 2015
Zeze Silva
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
Zeze Silva
 
Aula do estagiario Eduardo
Aula do estagiario EduardoAula do estagiario Eduardo
Aula do estagiario Eduardo
Zeze Silva
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Zeze Silva
 
Brasil Republica
Brasil RepublicaBrasil Republica
Brasil Republica
Zeze Silva
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Zeze Silva
 
Regimes totalitários power point
Regimes totalitários   power pointRegimes totalitários   power point
Regimes totalitários power point
Zeze Silva
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Zeze Silva
 

Mais de Zeze Silva (19)

Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
 
republica brasileira - 2019
republica brasileira - 2019republica brasileira - 2019
republica brasileira - 2019
 
Segundaguerramundial vou usar
Segundaguerramundial  vou usarSegundaguerramundial  vou usar
Segundaguerramundial vou usar
 
Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
Primeira guerra 2018
Primeira guerra   2018Primeira guerra   2018
Primeira guerra 2018
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
Era vargas meu slide
Era vargas   meu slideEra vargas   meu slide
Era vargas meu slide
 
Perodo entre guerras
Perodo entre guerrasPerodo entre guerras
Perodo entre guerras
 
A repblicavelha18891930 novo slide aula de 15 e 16 de fev
A repblicavelha18891930  novo slide aula de 15 e 16 de fevA repblicavelha18891930  novo slide aula de 15 e 16 de fev
A repblicavelha18891930 novo slide aula de 15 e 16 de fev
 
Absolutismo 2015
Absolutismo   2015Absolutismo   2015
Absolutismo 2015
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
 
Aula do estagiario Eduardo
Aula do estagiario EduardoAula do estagiario Eduardo
Aula do estagiario Eduardo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Brasil Republica
Brasil RepublicaBrasil Republica
Brasil Republica
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
Regimes totalitários power point
Regimes totalitários   power pointRegimes totalitários   power point
Regimes totalitários power point
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
 

Último

CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Revolução industrial

  • 1. Por Maria José Guimarães REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  • 2. • O mundo em que vivemos hoje é o resultado de grandes transformações ocorridas há muito tempo. • Iremos tratar, nessas aulas, as mu- danças provocadas pela Revolução Industrial ocorrida na Europa no século XVIII.
  • 3. Então como se produzia antes? • A forma de se produzir mudou de acordo com o tempo, novas tecnologias, aumento da população... • Mulheres, homens e crianças trabalhavam como agricultores, criadores de animais e artesão. • Fonte de energia: água, vento e tração animal. • Nas cidades as principais atividades era o comércio ou administração pública.
  • 5. Fases do sistema produtivo • ARTESANATO • Os artesãos eram os responsáveis por todas as etapas da transformação da matéria-prima em mercadoria. Sendo o dono da matéria-prima e dos instrumentos de produção. • O jovem artesão era o aprendiz. • Corporações de ofício: onde os grupos de artesãos e aprendizes se reunião.
  • 7. MANUFATURA • No século XVIII surgiu a manufatura, quando grandes oficinas tinham trabalhadores executando as tarefas manuais usando ferramentas que não lhes pertenciam. Com a manufatura, ele não tinha nenhuma ferramenta e vendia a sua força de trabalho para executar uma tarefa previamente determinada. • A diferença social começava a aparecer entre os trabalhadores e os donos das manufaturas. • Surge a divisão do trabalho.
  • 11. MAQUINOFATURA • Sistema de produção em que a máquina desempenha o papel principal na produção. A maquinofatura substituiu, a partir de finais do século XVIII, a produção baseada no trabalho manual, ou seja, a manufatura. • A Maquinofatura provocou profundas alterações na forma de produzir: A fábrica substitui a oficina doméstica. • A produção em série substitui a produção artesanal.(A utilização das máquinas permitiu aumentar a produção e obrigou a uma modernização constante do equipamento). • A maquinização tomou o lugar do trabalho manual.(A máquina substituía o operário, que tinha sobretudo um papel de vigilância, controle e verificação do maquinismo). • Acentuou-se a divisão do trabalho (a maioria do operariado era formada por aqueles que tinham funções mais simples e menos remuneradas e uma minoria tinha as funções mais complexas e mais bem pagas) • As diferenças sociais se tornam cada vez maiores
  • 16. Fases da Revolução Industrial . Primeira Fase (1760 a 1860): A Revolução Industrial ficou limitada, basicamente, à Inglaterra, o primeiro país europeu a conhecer um rápido processo de industrialização, baseado na utilização do carvão e do ferro e na fabricação de tecidos com a utilização do tear mecânico. Máquina a vapor usada em mina de carvão, no século XVIII
  • 18. • Segunda Fase (1860 a 1900): A industrialização espalhou-se por diversas regiões da Europa, atingindo países como França, Alemanha, Itália, Bélgica e Holanda. Em outros continentes, o processo de industrialização alcançou os Estados Unidos e o Japão. Nesse período, as principais inovações técnicas foram a utilização da energia elétrica e o desenvolvimento dos produtos químicos.
  • 20. • Terceira Fase (1860 a 1900): 1900 até hoje – Surgem conglomerados industriais e multinacionais. A produção se automatiza; começa a produção em série e explode a sociedade de consumo de massas, com a expansão dos meios de comunicação. A indústria química e eletrônica, a engenharia genética e a robótica avançam.
  • 23. O Pioneirismo Inglês • O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial em meados do século XVIII, pode ser explicado por diversos fatores: • POLÍTICA ECONÔMICA LIBERAL Antes da liberalização econômica, as atividades industriais e comerciais estavam cartelizadas pelo rígido sistemas de guildas, e por causa disso a entrada de novos competidores e a inovação tecnológica eram muito limitadas. Com a liberalização da indústria e do comércio, ocorreu um enorme progresso tecnológico e um grande aumento da produtividade em um curto espaço de tempo • RESERVAS DE CARVÃO MINERAL A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, sendo essa a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor. • RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO A Inglaterra possuía grandes reservas de minério de ferro, sendo essa a principal matéria-prima utilizada na indústria. • MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra (enclousures) na Inglaterra foi responsável por um grande êxodo no campo, e consequentemente pela disponibilidade de mão-de-obra abundante e barata nas cidades. • ACUMULAÇÃO DE CAPITAL A grande quantidade de capital acumulado durante a fase do mercantilismo, permitiu que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros suficientes para financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
  • 24. • O liberalismo de Adam Smith Revolução Industrial As novidades da Revolução Industrial trouxeram muitas dúvidas. O pensador escocês Adam Smith procurou responder racionalmente às perguntas da época. Seu livro “ A Riqueza das Nações” (1776) é considerada uma das obras fundadoras da ciência econômica. “O egoísmo é útil para a sociedade” Segundo Smith, quando uma pessoa busca o melhor para si, toda a sociedade é beneficiada. Portanto, é correto afirmar que os capitalistas só pensam em seus lucros. Mas, para lucrar têm de contratar empregados e vender produtos bons e baratos. O que, no fim, é ótimo para os consumidores e para toda a sociedade. “ O Estado deveria intervir o mínimo possível sobre a economia” Se as forças do mercado agissem livremente, a economia poderia crescer com vigor. Desse modo, cada empresário faria o que bem entendesse com seu capital, sem ter de obedecer a nenhum regulamento criado pelo governo.
  • 25. As fábricas e os trabalhadores • As condições de trabalho eram péssimas e insalubres. As fábricas eram mal iluminadas e ventiladas. • Não existiam medidas nem equipamentos de segurança. Muitos se acidentavam, outros contraíam graves doenças. • A jornada de trabalho era de 16 horas por dia, sem direito a descansos e férias. Os salários eram baixos e a disciplina era rigorosa, para manter o ritmo da produção. Os trabalhadores não tinham direitos e nem o amparo social. • Mulheres e crianças trabalhavam da mesma maneira que os homens, nas mesmas condições, mas o salário era bem menor. E pelos baixos salários oferecidos, era fundamental que todos os integrantes de uma família trabalhassem para garantir a sobrevivência de todos.
  • 26. AS REAÇÕES DOS TRABALHADORES • Os trabalhadores reagiram das mais diferentes formas. Podemos destacar alguns dos movimentos: • LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan, caracterizado pela destruição das máquinas. • CARTISMO: organizado pela “Associação dos Operários”, que exigiam melhores condições de trabalho e o fim do voto censitário. • TRADE–UNIONS: associações de operários que evoluíram lentamente em suas reivindicações, originando os primeiros sindicatos modernos.
  • 27. Consequências • A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do trabalhador braçal. • Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para as cidades, com enormes concentrações urbanas. • O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores dos centros urbanos. • O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de mulheres e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas • A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada vez mais o trabalhador do produto final, já que cada grupo de trabalhadores domina apenas uma etapa da produção. • O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida às péssimas condições de moradia (cortiços), salários baixos e com uma extensa jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas: • 1780 – em torno de 80 horas por semana; • 1820 – 67 horas por semana; • 1860 – 53 horas por semana