SlideShare uma empresa Scribd logo
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Interessados: Comissão Especial (Portaria SMT 129/2013) – Audrey Gabriel – DJ/SJU
Assunto: Solicita simulação e análise da circulação de táxis em corredores de ônibus

INTRODUÇÃO
Atendendo solicitação da Comissão de Estudos, constituída pela Portaria SMT 129/2013
para avaliar os impactos da utilização dos corredores de ônibus exclusivos por táxis,
foram realizadas microssimulações da circulação de automóveis, ônibus e táxis em
trechos específicos dos corredores Santo Amaro e Rebouças.
As simulações consideraram a hora-pico da manhã e levaram em conta os dados de
contagem de táxis que atualmente utilizam o corredor exclusivo de ônibus e táxis que
circulam compartilhadamente ao tráfego geral. Os dados de contagem foram
pesquisados, levantados e fornecidos pela referida Comissão. Os demais dados
necessários para a avaliação dos cenários estudados foram obtidos a partir de
informações fornecidas por SPTrans e CET.
O software de simulação utilizado foi o AIMSUN (versão 6.01), disponível na
Superintendência de Planejamento de Transporte – DT/SPT, ferramenta imprescindível
para a análise de projetos e estudos operacionais com foco na circulação de veículos de
transporte coletivo e tráfego.
Algumas limitações decorrem do fato de a SPTrans não ter a última versão do programa
(versão 8), com recursos mais avançados, bem como da necessidade de atualização dos
técnicos com os recursos mais recentes de programação e utilização desta ferramenta.
Outra necessidade é com relação à quantidade de licenças necessárias, no mínimo
quatro, uma vez que a demanda de trabalhos solicitados não consegue ser atendida com
a única licença disponível na empresa.
Não só a Superintendência de Planejamento, como a Superintendência de
Especificações de Serviços, precisam deste tipo de ferramenta para fundamentar seus
estudos e projetos, bem como de técnicos capacitados, constantemente treinados e
atualizados com as mais modernas técnicas de programação e análise.
Mesmo considerando todas estas questões, a avaliação realizada pela DT/SPT com
relação à utilização dos corredores exclusivos de ônibus por táxis apontou resultados
coerentes com a realidade e deve ser considerada na tomada de decisão por parte da
Comissão de Estudos e da Secretaria Municipal de Transporte – SMT.
METODOLOGIA E ANÁLISE
Tanto para o Corredor Santo Amaro, quanto para o Corredor Rebouças, a metodologia
utilizada seguiu as mesmas premissas, utilizando-se da mesma ferramenta (AIMSUN)
para avaliar os trechos considerados.

1
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Em cada caso foi construído um cenário sem os táxis no corredor de ônibus e cenários
com os táxis utilizando o corredor exclusivo de ônibus, conforme dados da pesquisa,
para avaliar as interferências e os impactos dos táxis nas velocidades comerciais médias
das linhas de ônibus.
Os dados de entrada para a calibração das simulações estão apresentados no anexo
deste relatório. Basicamente, são informações de contagem volumétrica de veículos,
volumes de ônibus, tempos e ciclos semafóricos.
Corredor Santo Amaro
O trecho analisado do Corredor Santo Amaro é o mesmo escolhido pela Comissão de
Estudos para quantificar os volumes de táxis que atualmente utilizam o corredor
exclusivo de ônibus, levantados por pesquisa de campo próximo ao cruzamento da Av.
Santo Amaro com a R. Guilherme Bannitz.
Este trecho caracteriza-se pelo fato de não haver pontos de parada próximos, apenas
três interseções semaforizadas nos cruzamentos da Av. Santo Amaro com as ruas Dr.
Alceu de Campos Rodrigues, Guilherme Bannitz e Eduardo de Souza Aranha.
O trecho de rede estudado para o Corredor Santo Amaro é apresentado na figura 1.

Figura 1 – Trecho analisado do Corredor Santo Amaro.

Para este caso, foram considerados dois cenários com táxis utilizando o corredor
exclusivo de ônibus com os dados de contagem retirados da pesquisa de campo. Um
dos cenários considerou as informações com a menor quantidade de táxis no corredor e
o segundo cenário levou em conta a hora em que a quantidade de táxis foi a maior do
período pesquisado no pico da manhã.
Cenários do Corredor Santo Amaro:
•
•
•

Cenário 0: cenário sem táxis circulando no corredor de ônibus;
Cenário 1: cenário com cerca de 100 táxis por hora no corredor;
Cenário 2: cenário com cerca de 200 táxis por hora no corredor.

Os dados relativos aos cenários estão apresentados na tabela 1, a seguir.

2
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Tabela 1 – Volumes horários por modo e tipo de veículo na Av. Santo Amaro.

Durante as simulações foi possível observar as interferências dos táxis sobre a
circulação dos ônibus, notadamente do Cenário 2 em relação aos demais pelo fato deste
ter uma volume excessivo de táxis utilizando a faixa exclusiva das linhas de ônibus junto
ao canteiro central.
Mesmo sem a existência de paradas e pontos de ônibus neste trecho do corredor, uma
vez que a largura da via impossibilitou à época de sua implantação a acomodação de
plataformas centrais (o que pode ser observado na figura 2), nota-se pelas simulações
congeladas em um mesmo instante que quanto maior o volume de táxis dentro do
corredor, maior sua interferência no espaçamento entre os ônibus e, consequentemente,
em suas velocidades comerciais médias.
O simples movimento de troca de faixas realizado pelos táxis (entrando e saindo do
corredor exclusivo de ônibus) afeta a velocidade o desempenho do transporte coletivo,
comprometendo-o sensivelmente (e não apenas visualmente).
Uma vez que, para mudar de faixa, os táxis necessitam de brecha entre os demais
automóveis que trafegam nas 2 outras faixas da via para sair do corredor, sua velocidade
reduzida causa retardamento no tempo de viagem das linhas de ônibus. Estes
movimentos tendem a ocorrer junto aos cruzamentos, quando os ônibus e demais
veículos param nos semáforos e os táxis, por sua vez, encontram condições de
velocidades reduzidas e brechas entre os veículos para realizarem a manobra.
Nas figuras a seguir, retiradas das simulações dos cenários, os ônibus estão
representados na cor vermelha, os táxis que utilizam o corredor exclusivo de ônibus na
cor amarela, os táxis que andam fora do corredor na cor branca e os demais automóveis
na cor azul.
Vale lembrar que a única variável modificada nos cenários foi o volume de táxis e que as
demais variáveis, como volumes de ônibus, volumes do tráfego geral, tempos de
semáforos, foram mantidas sem alteração.

3
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Figura 2 – Os mesmos instantes das simulações para os cenários 0, 1 e 2, respectivamente.

Como as simulações são dinâmicas, ou seja, representam a cada instante a correta
localização dos veículos, é possível verificar visualmente a formação e dissipação de
filas, aceleração e desaceleração para cada veículo, conflitos ocasionados por manobras
de mudanças de faixas, conversões e outras interferências.
Neste caso, especificamente, é importante notar que mesmo quando não há pontos de
parada no corredor, a perda de velocidade dos ônibus devido à utilização do corredor
exclusivo por táxis impacta diretamente no tempo de viagem de milhares de pessoas em
uma hora. No exemplo estudado, se considerarmos um carregamento médio dos ônibus
por volta de 100 passageiros e o volume, sentido centro, de 180 ônibus por hora,
teríamos 18 mil passageiros sendo prejudicados por cerca de 100 a 200 usuários de
táxis.
Os resultados desta simulação em termos de velocidades e atrasos para o trecho
analisado estão representados nas tabelas 2 e 3.

Tabela 2 – Velocidades para cada cenário na Av. Santo Amaro.

No Cenário 1, com 100 táxis por hora no corredor de ônibus, há uma redução na
velocidade comercial dos ônibus de 5% com relação ao cenário 0, sem os táxis. No
Cenário 2, com 200 táxis no corredor, a velocidade cai cerca de 9%.

4
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Tabela 3 – Atrasos devido a perdas (retardamento) na Av. Santo Amaro.

O que a tabela 3 mostra é um acréscimo no atraso dos veículos em função do
retardamento causado pela condição do tráfego, existência de semáforos e interferência
dos táxis circulando junto com os ônibus no corredor da ordem de 11% a 21%,
respectivamente para os Cenários 1 e 2.
Corredor Rebouças
O trecho escolhido para as análises do Corredor Rebouças localiza-se entre as avenidas
Pedroso de Morais e Brasil.
Ao longo deste trecho de corredor cruzam as ruas Capitão Prudente, Capitão Antônio
Rosa e Joaquim Antunes, com semáforos em todas as interseções. Há ainda pontos de
parada de ônibus no canteiro central na aproximação do cruzamento da Av. Rebouças
com a R. Capitão Antônio Rosa, sem faixa de ultrapassagem para ônibus.
O volume de ônibus no corredor durante a hora-pico da manhã é de 140 on/h no sentido
centro e de 110 on/h no sentido bairro.
Os volumes de táxis foram retirados da pesquisa para a simulação de um dos cenários
com táxis utilizando o corredor exclusivo de ônibus para avaliar a interferência destes
nas velocidades dos coletivos.
Como o local em que o levantamento da quantidade de táxis trafegando dentro e fora do
corredor situa-se próximo da R. Oscar Freire, optou-se por simular dois outros cenários
complementares com um volume de táxis maior, considerando que parte dos táxis que
utilizam o corredor no trecho estudado podem sair da Av. Rebouças, seguindo outro
destino através da Av. Brasil.
Os pontos de parada são impactados diretamente pela presença dos táxis no corredor,
uma vez que os ônibus não conseguem se posicionar adequadamente para fazer o
atendimento de embarque e desembarque de passageiros quando um ou mais táxis
enfileiram-se entre os ônibus no corredor exclusivo.
Em uma situação em que apenas os ônibus são permitidos no corredor, as paradas têm
condição de atender dois ônibus por vez, considerando os comprimentos das
plataformas, o que agiliza os tempos de embarque/desembarque de passageiros,
diminuindo as filas e, consequentemente, os tempos de atendimento aos pontos.
O trecho da Av. Rebouças considerado nesta análise está representado pela figura 3, a
seguir.

5
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Figura 3 – Trecho analisado do Corredor Rebouças.

Os dados da pesquisa, bem como demais dados obtidos para as simulações dos
cenários, estão apresentados no anexo deste relatório.
Cenários simulados para a Av. Rebouças:
•
•
•
•

Cenário 0: cenário sem táxis circulando no corredor de ônibus;
Cenário 3: cenário com 280 táxis por hora no corredor (pesquisa);
Cenário 4: cenário com 360 táxis por hora no corredor;
Cenário 5: cenário com 450 táxis por hora no corredor.

Os cenários, com seus respectivos volumes por modo e tipo de veículo são
apresentados na tabela 4.

Tabela 4 – Volumes horários por modo e tipo de veículo na Av. Santo Amaro.

O comportamento dos táxis e a interferência no corredor de ônibus podem ser
visualizados na comparação dos cenários (figura 4).

6
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Figura 4 – Comparação dos cenários 0, 3, 4 e 5, respectivamente.

Com os táxis circulando dentro do corredor, em alguns momentos, apenas um ônibus por
vez consegue realizar o embarque e desembarque de passageiros, fazendo com que um
segundo ônibus que vem logo atrás tenha que parar novamente (no ponto) para realizar
esta operação, uma vez que entre os dois ônibus há táxis formando fila e impedindo a
aproximação deste ônibus e seu acesso ao ponto.
É evidente que perde-se o aproveitamento do semáforo pelos ônibus que ficam atrás dos
táxis nas paradas, uma vez que eles precisam parar novamente para atender os
embarque e desembarques. Quando não há táxis no corredor exclusivo, em algumas
situações dois ônibus fazem este atendimento por vez e muitas vezes aproveitam o
vermelho semafórico, o que otimiza a operação do corredor. Aliás, este também é um
dos motivos para se aproximar os pontos de parada dos semáforos em cruzamentos,
além de facilitar o caminhamento e a travessia de pedestres (conforto e segurança).
Os resultados desta simulação em termos de velocidades e atrasos para o trecho
analisado estão representados nas tabelas 5 e 6.

Tabela 5 – Velocidades para cada cenário na Av. Rebouças.

7
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

No Cenário 3, com os dados da pesquisa de campo e 286 táxis por hora no corredor
exclusivo, as velocidades dos ônibus caíram 12%, contra 24% e30% de perda nos
Cenários 4 e 5, respectivamente com 360 e 450 táxis por hora no corredor de ônibus.

Tabela 6 – Atrasos devido a perdas (retardamento) na Av. Rebouças.

Os atrasos, mostrados na tabela 4, são de 27%, 63% e 83% respectivamente para os
Cenários 3, 4 e 5, com relação ao Cenário 0 (sem táxis no corredor).
Em suma, também nesta simulação houve degradação das velocidades comerciais dos
ônibus no corredor devido à interferência dos táxis.
CONSIDERAÇÕES E CONCLUSÕES
Com base nestas análises e, a partir dos resultados obtidos pelas simulações, a
utilização dos corredores exclusivos de ônibus por táxis degradam o desempenho
operacional dos coletivos, uma vez que dificultam o atendimento dos pontos de parada.
Mesmo em uma situação em que não há pontos de parada ao longo do corredor, como
no caso avaliado do trecho da Av. Santo Amaro, a presença dos táxis aumentam as filas
de veículos dentro do corredor exclusivo e contribui para a perda de eficiência do
mesmo.
Como, via de regra, os corredores de ônibus localizam-se em vias estruturais,
constantemente saturadas e congestionadas, qualquer volume adicional de táxis (ou
outro tipo de veículo que não os ônibus) causa atrasos e diminui as velocidades
comerciais médias das linhas de ônibus, prejudicando milhares de usuários diariamente.
As simulações e seus resultados mostraram-se coerentes com as filmagens feitas e com
os dados coletados por meio de pesquisas de campo.
Os percentuais apontados para as perdas de velocidades variam de caso a caso, mas de
maneira geral não há como negar que quanto mais veículos adentrarem o corredor, mais
prejudicará a circulação dos ônibus, dado que estes corredores também operam com
volumes expressivos de linhas de ônibus e são responsáveis por uma grande parcela da
demanda do transporte coletivo de passageiros no Município de São Paulo.
Por fim, a mobilidade deve ser equacionada pela mobilidade das pessoas, não devendo
ser medida simplesmente por fluxos veiculares. Como toda infraestrutura e modo de
transporte os corredores de ônibus têm uma capacidade finita, a qual deve ser
respeitada para manter um nível aceitável de desempenho e padrão de qualidade.

8
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Em, 18 de novembro de 2013

Sílvio Rogério Torres
Analista Máster

9
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

ANEXO I – Pesquisas de Campo (contagem de táxis)

Fonte: Comissão Especial – Portaria SMT 129/2013.

10
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

ANEXO II – Volumes de ônibus

Volumes de ônibus na Av. Santo Amaro no pico da manhã (on/h). Fonte: Infotrans – SPTrans.

Volumes de ônibus na Av. Rebouças no pico da manhã (on/h). Fonte: Infotrans – SPTrans.

11
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

ANEXO III – Volumes de automóveis

Volumes de automóveis na Av. Santo Amaro(Sentido Centro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET.

Volumes de automóveis na Av. Santo Amaro (Sentido Bairro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET.

Volumes de automóveis na Av. Rebouças (Sentido Centro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET.

Volumes de automóveis na Av. Rebouças (Sentido Bairro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET.

12
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

ANEXO IV – Programação semafórica (Av. Santo Amaro)

13
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

14
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

15
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

16
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

17
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

18
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

ANEXO V – Programação semafórica (Av. Rebouças)

REBOUÇAS X JOAQUIM ANTUNES
Plan 1 J83141 REBOU X J ANTUN CY075 B 31, A 49
Plan 2 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 8, A 30
Plan 3 J83141 REBOU X J ANTUN CY144 B 106, A 136
Plan 4 J83141 REBOU X J ANTUN CY144 B 106, A 136
Plan 5 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 5, A 29
Plan 6 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 5, A 29
Plan 7 J83141 REBOU X J ANTUN CY100 B 27, A 47
Plan 8 J83141 REBOU X J ANTUN CY135 B 30, A 50
Plan 9 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 27, A 47
Plan 10 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 11, A 34
Plan 11 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 9, A 29
Plan 12 J83141 REBOU X J ANTUN CY135 B 22, A 47
Plan 13 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 23, A 45
Plan 14 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 25, A 45

19
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

REBOUÇAS X CAP. ANTONIO ROSA/ REBOUÇAS X CAP. PRUDENTE
Plan 1 J83151 REB/CAP AN ROSA CY075 A 2, B 42, AB 43, C 59
Plan 1 J83152 REB/CAP PRUDENT CY075 A 13, B 69
Plan 2 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 19, AB 20, C 36, A 54
Plan 2 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 46, A 66
Plan 3 J83151 REB/CAP AN ROSA CY144 C 5, A 25, B 132, AB 133
Plan 3 J83152 REB/CAP PRUDENT CY144 A 15, B 139
Plan 4 J83151 REB/CAP AN ROSA CY144 C 0, A 20, B 127, AB 128
Plan 4 J83152 REB/CAP PRUDENT CY144 A 20, B 140
Plan 5 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 C 1, A 19, B 104, AB 105
Plan 5 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 10, A 30
Plan 6 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 14, AB 15, C 31, A 49
Plan 6 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 41, A 61
Plan 7 J83151 REB/CAP AN ROSA CY100 B 32, AB 33, C 49, A 67
Plan 7 J83152 REB/CAP PRUDENT CY100 B 52, A 72
Plan 8 J83151 REB/CAP AN ROSA CY135 B 35, AB 36, C 52, A 70

20
RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13

Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan
Plan

8 J83152 REB/CAP PRUDENT CY135 B 55, A 75
9 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 32, AB 33, C 49, A 67
9 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 56, A 76
10 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 34, AB 35, C 51, A 69
10 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 53, A 73
11 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 29, AB 30, C 46, A 64
11 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 48, A 68
12 J83151 REB/CAP AN ROSA CY135 B 32, AB 33, C 49, A 67
12 J83152 REB/CAP PRUDENT CY135 B 52, A 72
13 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 30, AB 31, C 47, A 65
13 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 50, A 70
14 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 30, AB 31, C 47, A 65
14 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 50, A 70

21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
Rodrigo Alves de Paula
 
BRT
BRTBRT
Linha amarela S.A. Lamsa
Linha amarela S.A.   LamsaLinha amarela S.A.   Lamsa
Linha amarela S.A. Lamsa
Regina Karla de Azevedo
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Rafael José Rorato
 
Tua
TuaTua
Tua
y002049
 
Desleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
Desleixo E IncúRia Na Linha Do TuaDesleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
Desleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
luis363
 
Desleixo na Linha do Tua
Desleixo na Linha do TuaDesleixo na Linha do Tua
Desleixo na Linha do Tua
alex
 
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Guitts Isel
 
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibusCadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
Adeildo Caboclo
 
Cadernos tecnicos transporteativo
Cadernos tecnicos transporteativoCadernos tecnicos transporteativo
Cadernos tecnicos transporteativo
Adeildo Caboclo
 
Da03 avenida
Da03 avenidaDa03 avenida
Da03 avenida
Amigos d'Avenida
 
Resolução nº012 2017 cstm
Resolução nº012 2017 cstmResolução nº012 2017 cstm
Resolução nº012 2017 cstm
Jornal do Commercio
 
Plano Expansão Metrô
Plano Expansão  MetrôPlano Expansão  Metrô
Plano Expansão Metrô
Chico Macena
 
Tram Train
Tram TrainTram Train
Tram Train
Ivan Simão
 
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São PauloProjeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
Nathal1aGh1lard1
 
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de TransportesPMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
Pedro Geaquinto
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Rafael José Rorato
 
Plano diretor/Emdec 9/3/17
Plano diretor/Emdec 9/3/17Plano diretor/Emdec 9/3/17
Plano diretor/Emdec 9/3/17
resgate cambui ong
 
Sindiprat08 contribuição nt - tempos de manobra
Sindiprat08   contribuição nt - tempos de manobraSindiprat08   contribuição nt - tempos de manobra
Sindiprat08 contribuição nt - tempos de manobra
Federação Nacional de Práticos
 
53
5353

Mais procurados (20)

Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
Apresentação - Sistema de transporte rápido Hayai - Sorocaba (SP)
 
BRT
BRTBRT
BRT
 
Linha amarela S.A. Lamsa
Linha amarela S.A.   LamsaLinha amarela S.A.   Lamsa
Linha amarela S.A. Lamsa
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
 
Tua
TuaTua
Tua
 
Desleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
Desleixo E IncúRia Na Linha Do TuaDesleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
Desleixo E IncúRia Na Linha Do Tua
 
Desleixo na Linha do Tua
Desleixo na Linha do TuaDesleixo na Linha do Tua
Desleixo na Linha do Tua
 
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
 
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibusCadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
Cadernos tecnicos sistemasprioridadeonibus
 
Cadernos tecnicos transporteativo
Cadernos tecnicos transporteativoCadernos tecnicos transporteativo
Cadernos tecnicos transporteativo
 
Da03 avenida
Da03 avenidaDa03 avenida
Da03 avenida
 
Resolução nº012 2017 cstm
Resolução nº012 2017 cstmResolução nº012 2017 cstm
Resolução nº012 2017 cstm
 
Plano Expansão Metrô
Plano Expansão  MetrôPlano Expansão  Metrô
Plano Expansão Metrô
 
Tram Train
Tram TrainTram Train
Tram Train
 
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São PauloProjeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
Projeto Integrador 2011 - Metropolitano de São Paulo
 
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de TransportesPMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
PMUS - Documento 3 - Proposta da Rede de Transportes
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
 
Plano diretor/Emdec 9/3/17
Plano diretor/Emdec 9/3/17Plano diretor/Emdec 9/3/17
Plano diretor/Emdec 9/3/17
 
Sindiprat08 contribuição nt - tempos de manobra
Sindiprat08   contribuição nt - tempos de manobraSindiprat08   contribuição nt - tempos de manobra
Sindiprat08 contribuição nt - tempos de manobra
 
53
5353
53
 

Semelhante a ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS

Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
Luis Neto
 
Apresentacao faixa reverivel v04
Apresentacao faixa reverivel   v04Apresentacao faixa reverivel   v04
Apresentacao faixa reverivel v04
trans_smt
 
Capítulo 03 - Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
Capítulo 03 -  Estudo de caso uso de microssimulação de tráfegoCapítulo 03 -  Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
Capítulo 03 - Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
Brasil Não Motorizado
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila MedeirosPlano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Chico Macena
 
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
Câmara Municipal de Coimbra
 
Relatorio trabalho final
Relatorio trabalho finalRelatorio trabalho final
Relatorio trabalho final
Karine D'Assunção
 
Relatorio trabalho final
Relatorio trabalho finalRelatorio trabalho final
Relatorio trabalho final
Karine D'Assunção
 
T5 Corredor Viário
T5 Corredor ViárioT5 Corredor Viário
T5 Corredor Viário
crealty
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
gelcine Angela
 
Rafael nascimento
Rafael nascimentoRafael nascimento
Rafael nascimento
Carlos Elson Cunha
 
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_RelatórioAfetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
Luis Neto
 
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de InovaçãoRede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
Incubadora de Negócios Unifacs
 
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviáriaPortagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
André Ramos
 
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filasMetodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
Luiz Fernando Castilho
 
apresentação da Rede Metro Chico macena
apresentação da Rede Metro Chico  macenaapresentação da Rede Metro Chico  macena
apresentação da Rede Metro Chico macena
Chico Macena
 
Rede Metro Chico
Rede Metro ChicoRede Metro Chico
Rede Metro Chico
Chico Macena
 
Análise à Rede do Metropolitano de Lisboa
Análise à Rede do Metropolitano de LisboaAnálise à Rede do Metropolitano de Lisboa
Análise à Rede do Metropolitano de Lisboa
Ricardo Brasil
 
AULA- ENEM.pptx
AULA- ENEM.pptxAULA- ENEM.pptx
AULA- ENEM.pptx
Carlos Fernando Oliveira
 
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São PauloPrograma investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Rodrigo De Vincenzo Monteiro
 
Nova nbr7188
Nova nbr7188Nova nbr7188
Nova nbr7188
Marcel Fernandes
 

Semelhante a ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS (20)

Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
Organização do movimento de comboios num corredor ferroviário (diagrama de ma...
 
Apresentacao faixa reverivel v04
Apresentacao faixa reverivel   v04Apresentacao faixa reverivel   v04
Apresentacao faixa reverivel v04
 
Capítulo 03 - Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
Capítulo 03 -  Estudo de caso uso de microssimulação de tráfegoCapítulo 03 -  Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
Capítulo 03 - Estudo de caso uso de microssimulação de tráfego
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila MedeirosPlano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
 
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
Reunião do executivo da Câmara Municipal de Coimbra - 22.08.2016
 
Relatorio trabalho final
Relatorio trabalho finalRelatorio trabalho final
Relatorio trabalho final
 
Relatorio trabalho final
Relatorio trabalho finalRelatorio trabalho final
Relatorio trabalho final
 
T5 Corredor Viário
T5 Corredor ViárioT5 Corredor Viário
T5 Corredor Viário
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
 
Rafael nascimento
Rafael nascimentoRafael nascimento
Rafael nascimento
 
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_RelatórioAfetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
Afetação e Calibração de um Modelo de Tráfego_Relatório
 
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de InovaçãoRede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
Rede Integrada de Transporte - O projeto BRT. 3° Rodadas de Inovação
 
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviáriaPortagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
Portagens dinâmicas, no caminho da gestão eficiente da infraestrutura rodoviária
 
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filasMetodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
Metodologia para dimencionamento de uma praça de pedágio usando teoria das filas
 
apresentação da Rede Metro Chico macena
apresentação da Rede Metro Chico  macenaapresentação da Rede Metro Chico  macena
apresentação da Rede Metro Chico macena
 
Rede Metro Chico
Rede Metro ChicoRede Metro Chico
Rede Metro Chico
 
Análise à Rede do Metropolitano de Lisboa
Análise à Rede do Metropolitano de LisboaAnálise à Rede do Metropolitano de Lisboa
Análise à Rede do Metropolitano de Lisboa
 
AULA- ENEM.pptx
AULA- ENEM.pptxAULA- ENEM.pptx
AULA- ENEM.pptx
 
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São PauloPrograma investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
 
Nova nbr7188
Nova nbr7188Nova nbr7188
Nova nbr7188
 

Mais de trans_smt

ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTEANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
trans_smt
 
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTESANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
trans_smt
 
Plano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTTPlano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTT
trans_smt
 
Anexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integradoAnexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integrado
trans_smt
 
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
trans_smt
 
Livro Ecofrota
Livro EcofrotaLivro Ecofrota
Livro Ecofrota
trans_smt
 
Manual de Identidade Visual
Manual de Identidade VisualManual de Identidade Visual
Manual de Identidade Visual
trans_smt
 
Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011
trans_smt
 
Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011
trans_smt
 
Planos de transporte
Planos de transportePlanos de transporte
Planos de transporte
trans_smt
 
Caracterizacao urbana m_boi
Caracterizacao  urbana m_boiCaracterizacao  urbana m_boi
Caracterizacao urbana m_boi
trans_smt
 
Conquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacaoConquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacao
trans_smt
 
Antp vuc
Antp vucAntp vuc
Antp vuc
trans_smt
 
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito  instrumento para ed ambientalEducacao para o transito  instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
trans_smt
 
Educacao a distacia
Educacao a distaciaEducacao a distacia
Educacao a distacia
trans_smt
 
Pólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de TráfegoPólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de Tráfego
trans_smt
 
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
trans_smt
 
Educação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes SociaisEducação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes Sociais
trans_smt
 
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsitoSistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
trans_smt
 
Segurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no TrânsitoSegurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no Trânsito
trans_smt
 

Mais de trans_smt (20)

ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTEANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
 
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTESANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
 
Plano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTTPlano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTT
 
Anexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integradoAnexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integrado
 
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
 
Livro Ecofrota
Livro EcofrotaLivro Ecofrota
Livro Ecofrota
 
Manual de Identidade Visual
Manual de Identidade VisualManual de Identidade Visual
Manual de Identidade Visual
 
Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011
 
Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011
 
Planos de transporte
Planos de transportePlanos de transporte
Planos de transporte
 
Caracterizacao urbana m_boi
Caracterizacao  urbana m_boiCaracterizacao  urbana m_boi
Caracterizacao urbana m_boi
 
Conquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacaoConquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacao
 
Antp vuc
Antp vucAntp vuc
Antp vuc
 
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito  instrumento para ed ambientalEducacao para o transito  instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
 
Educacao a distacia
Educacao a distaciaEducacao a distacia
Educacao a distacia
 
Pólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de TráfegoPólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de Tráfego
 
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
 
Educação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes SociaisEducação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes Sociais
 
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsitoSistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
 
Segurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no TrânsitoSegurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no Trânsito
 

ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS

  • 1. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Interessados: Comissão Especial (Portaria SMT 129/2013) – Audrey Gabriel – DJ/SJU Assunto: Solicita simulação e análise da circulação de táxis em corredores de ônibus INTRODUÇÃO Atendendo solicitação da Comissão de Estudos, constituída pela Portaria SMT 129/2013 para avaliar os impactos da utilização dos corredores de ônibus exclusivos por táxis, foram realizadas microssimulações da circulação de automóveis, ônibus e táxis em trechos específicos dos corredores Santo Amaro e Rebouças. As simulações consideraram a hora-pico da manhã e levaram em conta os dados de contagem de táxis que atualmente utilizam o corredor exclusivo de ônibus e táxis que circulam compartilhadamente ao tráfego geral. Os dados de contagem foram pesquisados, levantados e fornecidos pela referida Comissão. Os demais dados necessários para a avaliação dos cenários estudados foram obtidos a partir de informações fornecidas por SPTrans e CET. O software de simulação utilizado foi o AIMSUN (versão 6.01), disponível na Superintendência de Planejamento de Transporte – DT/SPT, ferramenta imprescindível para a análise de projetos e estudos operacionais com foco na circulação de veículos de transporte coletivo e tráfego. Algumas limitações decorrem do fato de a SPTrans não ter a última versão do programa (versão 8), com recursos mais avançados, bem como da necessidade de atualização dos técnicos com os recursos mais recentes de programação e utilização desta ferramenta. Outra necessidade é com relação à quantidade de licenças necessárias, no mínimo quatro, uma vez que a demanda de trabalhos solicitados não consegue ser atendida com a única licença disponível na empresa. Não só a Superintendência de Planejamento, como a Superintendência de Especificações de Serviços, precisam deste tipo de ferramenta para fundamentar seus estudos e projetos, bem como de técnicos capacitados, constantemente treinados e atualizados com as mais modernas técnicas de programação e análise. Mesmo considerando todas estas questões, a avaliação realizada pela DT/SPT com relação à utilização dos corredores exclusivos de ônibus por táxis apontou resultados coerentes com a realidade e deve ser considerada na tomada de decisão por parte da Comissão de Estudos e da Secretaria Municipal de Transporte – SMT. METODOLOGIA E ANÁLISE Tanto para o Corredor Santo Amaro, quanto para o Corredor Rebouças, a metodologia utilizada seguiu as mesmas premissas, utilizando-se da mesma ferramenta (AIMSUN) para avaliar os trechos considerados. 1
  • 2. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Em cada caso foi construído um cenário sem os táxis no corredor de ônibus e cenários com os táxis utilizando o corredor exclusivo de ônibus, conforme dados da pesquisa, para avaliar as interferências e os impactos dos táxis nas velocidades comerciais médias das linhas de ônibus. Os dados de entrada para a calibração das simulações estão apresentados no anexo deste relatório. Basicamente, são informações de contagem volumétrica de veículos, volumes de ônibus, tempos e ciclos semafóricos. Corredor Santo Amaro O trecho analisado do Corredor Santo Amaro é o mesmo escolhido pela Comissão de Estudos para quantificar os volumes de táxis que atualmente utilizam o corredor exclusivo de ônibus, levantados por pesquisa de campo próximo ao cruzamento da Av. Santo Amaro com a R. Guilherme Bannitz. Este trecho caracteriza-se pelo fato de não haver pontos de parada próximos, apenas três interseções semaforizadas nos cruzamentos da Av. Santo Amaro com as ruas Dr. Alceu de Campos Rodrigues, Guilherme Bannitz e Eduardo de Souza Aranha. O trecho de rede estudado para o Corredor Santo Amaro é apresentado na figura 1. Figura 1 – Trecho analisado do Corredor Santo Amaro. Para este caso, foram considerados dois cenários com táxis utilizando o corredor exclusivo de ônibus com os dados de contagem retirados da pesquisa de campo. Um dos cenários considerou as informações com a menor quantidade de táxis no corredor e o segundo cenário levou em conta a hora em que a quantidade de táxis foi a maior do período pesquisado no pico da manhã. Cenários do Corredor Santo Amaro: • • • Cenário 0: cenário sem táxis circulando no corredor de ônibus; Cenário 1: cenário com cerca de 100 táxis por hora no corredor; Cenário 2: cenário com cerca de 200 táxis por hora no corredor. Os dados relativos aos cenários estão apresentados na tabela 1, a seguir. 2
  • 3. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Tabela 1 – Volumes horários por modo e tipo de veículo na Av. Santo Amaro. Durante as simulações foi possível observar as interferências dos táxis sobre a circulação dos ônibus, notadamente do Cenário 2 em relação aos demais pelo fato deste ter uma volume excessivo de táxis utilizando a faixa exclusiva das linhas de ônibus junto ao canteiro central. Mesmo sem a existência de paradas e pontos de ônibus neste trecho do corredor, uma vez que a largura da via impossibilitou à época de sua implantação a acomodação de plataformas centrais (o que pode ser observado na figura 2), nota-se pelas simulações congeladas em um mesmo instante que quanto maior o volume de táxis dentro do corredor, maior sua interferência no espaçamento entre os ônibus e, consequentemente, em suas velocidades comerciais médias. O simples movimento de troca de faixas realizado pelos táxis (entrando e saindo do corredor exclusivo de ônibus) afeta a velocidade o desempenho do transporte coletivo, comprometendo-o sensivelmente (e não apenas visualmente). Uma vez que, para mudar de faixa, os táxis necessitam de brecha entre os demais automóveis que trafegam nas 2 outras faixas da via para sair do corredor, sua velocidade reduzida causa retardamento no tempo de viagem das linhas de ônibus. Estes movimentos tendem a ocorrer junto aos cruzamentos, quando os ônibus e demais veículos param nos semáforos e os táxis, por sua vez, encontram condições de velocidades reduzidas e brechas entre os veículos para realizarem a manobra. Nas figuras a seguir, retiradas das simulações dos cenários, os ônibus estão representados na cor vermelha, os táxis que utilizam o corredor exclusivo de ônibus na cor amarela, os táxis que andam fora do corredor na cor branca e os demais automóveis na cor azul. Vale lembrar que a única variável modificada nos cenários foi o volume de táxis e que as demais variáveis, como volumes de ônibus, volumes do tráfego geral, tempos de semáforos, foram mantidas sem alteração. 3
  • 4. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Figura 2 – Os mesmos instantes das simulações para os cenários 0, 1 e 2, respectivamente. Como as simulações são dinâmicas, ou seja, representam a cada instante a correta localização dos veículos, é possível verificar visualmente a formação e dissipação de filas, aceleração e desaceleração para cada veículo, conflitos ocasionados por manobras de mudanças de faixas, conversões e outras interferências. Neste caso, especificamente, é importante notar que mesmo quando não há pontos de parada no corredor, a perda de velocidade dos ônibus devido à utilização do corredor exclusivo por táxis impacta diretamente no tempo de viagem de milhares de pessoas em uma hora. No exemplo estudado, se considerarmos um carregamento médio dos ônibus por volta de 100 passageiros e o volume, sentido centro, de 180 ônibus por hora, teríamos 18 mil passageiros sendo prejudicados por cerca de 100 a 200 usuários de táxis. Os resultados desta simulação em termos de velocidades e atrasos para o trecho analisado estão representados nas tabelas 2 e 3. Tabela 2 – Velocidades para cada cenário na Av. Santo Amaro. No Cenário 1, com 100 táxis por hora no corredor de ônibus, há uma redução na velocidade comercial dos ônibus de 5% com relação ao cenário 0, sem os táxis. No Cenário 2, com 200 táxis no corredor, a velocidade cai cerca de 9%. 4
  • 5. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Tabela 3 – Atrasos devido a perdas (retardamento) na Av. Santo Amaro. O que a tabela 3 mostra é um acréscimo no atraso dos veículos em função do retardamento causado pela condição do tráfego, existência de semáforos e interferência dos táxis circulando junto com os ônibus no corredor da ordem de 11% a 21%, respectivamente para os Cenários 1 e 2. Corredor Rebouças O trecho escolhido para as análises do Corredor Rebouças localiza-se entre as avenidas Pedroso de Morais e Brasil. Ao longo deste trecho de corredor cruzam as ruas Capitão Prudente, Capitão Antônio Rosa e Joaquim Antunes, com semáforos em todas as interseções. Há ainda pontos de parada de ônibus no canteiro central na aproximação do cruzamento da Av. Rebouças com a R. Capitão Antônio Rosa, sem faixa de ultrapassagem para ônibus. O volume de ônibus no corredor durante a hora-pico da manhã é de 140 on/h no sentido centro e de 110 on/h no sentido bairro. Os volumes de táxis foram retirados da pesquisa para a simulação de um dos cenários com táxis utilizando o corredor exclusivo de ônibus para avaliar a interferência destes nas velocidades dos coletivos. Como o local em que o levantamento da quantidade de táxis trafegando dentro e fora do corredor situa-se próximo da R. Oscar Freire, optou-se por simular dois outros cenários complementares com um volume de táxis maior, considerando que parte dos táxis que utilizam o corredor no trecho estudado podem sair da Av. Rebouças, seguindo outro destino através da Av. Brasil. Os pontos de parada são impactados diretamente pela presença dos táxis no corredor, uma vez que os ônibus não conseguem se posicionar adequadamente para fazer o atendimento de embarque e desembarque de passageiros quando um ou mais táxis enfileiram-se entre os ônibus no corredor exclusivo. Em uma situação em que apenas os ônibus são permitidos no corredor, as paradas têm condição de atender dois ônibus por vez, considerando os comprimentos das plataformas, o que agiliza os tempos de embarque/desembarque de passageiros, diminuindo as filas e, consequentemente, os tempos de atendimento aos pontos. O trecho da Av. Rebouças considerado nesta análise está representado pela figura 3, a seguir. 5
  • 6. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Figura 3 – Trecho analisado do Corredor Rebouças. Os dados da pesquisa, bem como demais dados obtidos para as simulações dos cenários, estão apresentados no anexo deste relatório. Cenários simulados para a Av. Rebouças: • • • • Cenário 0: cenário sem táxis circulando no corredor de ônibus; Cenário 3: cenário com 280 táxis por hora no corredor (pesquisa); Cenário 4: cenário com 360 táxis por hora no corredor; Cenário 5: cenário com 450 táxis por hora no corredor. Os cenários, com seus respectivos volumes por modo e tipo de veículo são apresentados na tabela 4. Tabela 4 – Volumes horários por modo e tipo de veículo na Av. Santo Amaro. O comportamento dos táxis e a interferência no corredor de ônibus podem ser visualizados na comparação dos cenários (figura 4). 6
  • 7. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Figura 4 – Comparação dos cenários 0, 3, 4 e 5, respectivamente. Com os táxis circulando dentro do corredor, em alguns momentos, apenas um ônibus por vez consegue realizar o embarque e desembarque de passageiros, fazendo com que um segundo ônibus que vem logo atrás tenha que parar novamente (no ponto) para realizar esta operação, uma vez que entre os dois ônibus há táxis formando fila e impedindo a aproximação deste ônibus e seu acesso ao ponto. É evidente que perde-se o aproveitamento do semáforo pelos ônibus que ficam atrás dos táxis nas paradas, uma vez que eles precisam parar novamente para atender os embarque e desembarques. Quando não há táxis no corredor exclusivo, em algumas situações dois ônibus fazem este atendimento por vez e muitas vezes aproveitam o vermelho semafórico, o que otimiza a operação do corredor. Aliás, este também é um dos motivos para se aproximar os pontos de parada dos semáforos em cruzamentos, além de facilitar o caminhamento e a travessia de pedestres (conforto e segurança). Os resultados desta simulação em termos de velocidades e atrasos para o trecho analisado estão representados nas tabelas 5 e 6. Tabela 5 – Velocidades para cada cenário na Av. Rebouças. 7
  • 8. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 No Cenário 3, com os dados da pesquisa de campo e 286 táxis por hora no corredor exclusivo, as velocidades dos ônibus caíram 12%, contra 24% e30% de perda nos Cenários 4 e 5, respectivamente com 360 e 450 táxis por hora no corredor de ônibus. Tabela 6 – Atrasos devido a perdas (retardamento) na Av. Rebouças. Os atrasos, mostrados na tabela 4, são de 27%, 63% e 83% respectivamente para os Cenários 3, 4 e 5, com relação ao Cenário 0 (sem táxis no corredor). Em suma, também nesta simulação houve degradação das velocidades comerciais dos ônibus no corredor devido à interferência dos táxis. CONSIDERAÇÕES E CONCLUSÕES Com base nestas análises e, a partir dos resultados obtidos pelas simulações, a utilização dos corredores exclusivos de ônibus por táxis degradam o desempenho operacional dos coletivos, uma vez que dificultam o atendimento dos pontos de parada. Mesmo em uma situação em que não há pontos de parada ao longo do corredor, como no caso avaliado do trecho da Av. Santo Amaro, a presença dos táxis aumentam as filas de veículos dentro do corredor exclusivo e contribui para a perda de eficiência do mesmo. Como, via de regra, os corredores de ônibus localizam-se em vias estruturais, constantemente saturadas e congestionadas, qualquer volume adicional de táxis (ou outro tipo de veículo que não os ônibus) causa atrasos e diminui as velocidades comerciais médias das linhas de ônibus, prejudicando milhares de usuários diariamente. As simulações e seus resultados mostraram-se coerentes com as filmagens feitas e com os dados coletados por meio de pesquisas de campo. Os percentuais apontados para as perdas de velocidades variam de caso a caso, mas de maneira geral não há como negar que quanto mais veículos adentrarem o corredor, mais prejudicará a circulação dos ônibus, dado que estes corredores também operam com volumes expressivos de linhas de ônibus e são responsáveis por uma grande parcela da demanda do transporte coletivo de passageiros no Município de São Paulo. Por fim, a mobilidade deve ser equacionada pela mobilidade das pessoas, não devendo ser medida simplesmente por fluxos veiculares. Como toda infraestrutura e modo de transporte os corredores de ônibus têm uma capacidade finita, a qual deve ser respeitada para manter um nível aceitável de desempenho e padrão de qualidade. 8
  • 9. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Em, 18 de novembro de 2013 Sílvio Rogério Torres Analista Máster 9
  • 10. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 ANEXO I – Pesquisas de Campo (contagem de táxis) Fonte: Comissão Especial – Portaria SMT 129/2013. 10
  • 11. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 ANEXO II – Volumes de ônibus Volumes de ônibus na Av. Santo Amaro no pico da manhã (on/h). Fonte: Infotrans – SPTrans. Volumes de ônibus na Av. Rebouças no pico da manhã (on/h). Fonte: Infotrans – SPTrans. 11
  • 12. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 ANEXO III – Volumes de automóveis Volumes de automóveis na Av. Santo Amaro(Sentido Centro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET. Volumes de automóveis na Av. Santo Amaro (Sentido Bairro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET. Volumes de automóveis na Av. Rebouças (Sentido Centro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET. Volumes de automóveis na Av. Rebouças (Sentido Bairro). Fonte: Companhia de Engenharia de Tráfego – CET. 12
  • 13. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 ANEXO IV – Programação semafórica (Av. Santo Amaro) 13
  • 14. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 14
  • 15. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 15
  • 16. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 16
  • 17. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 17
  • 18. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 18
  • 19. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 ANEXO V – Programação semafórica (Av. Rebouças) REBOUÇAS X JOAQUIM ANTUNES Plan 1 J83141 REBOU X J ANTUN CY075 B 31, A 49 Plan 2 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 8, A 30 Plan 3 J83141 REBOU X J ANTUN CY144 B 106, A 136 Plan 4 J83141 REBOU X J ANTUN CY144 B 106, A 136 Plan 5 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 5, A 29 Plan 6 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 5, A 29 Plan 7 J83141 REBOU X J ANTUN CY100 B 27, A 47 Plan 8 J83141 REBOU X J ANTUN CY135 B 30, A 50 Plan 9 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 27, A 47 Plan 10 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 11, A 34 Plan 11 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 9, A 29 Plan 12 J83141 REBOU X J ANTUN CY135 B 22, A 47 Plan 13 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 23, A 45 Plan 14 J83141 REBOU X J ANTUN CY120 B 25, A 45 19
  • 20. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 REBOUÇAS X CAP. ANTONIO ROSA/ REBOUÇAS X CAP. PRUDENTE Plan 1 J83151 REB/CAP AN ROSA CY075 A 2, B 42, AB 43, C 59 Plan 1 J83152 REB/CAP PRUDENT CY075 A 13, B 69 Plan 2 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 19, AB 20, C 36, A 54 Plan 2 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 46, A 66 Plan 3 J83151 REB/CAP AN ROSA CY144 C 5, A 25, B 132, AB 133 Plan 3 J83152 REB/CAP PRUDENT CY144 A 15, B 139 Plan 4 J83151 REB/CAP AN ROSA CY144 C 0, A 20, B 127, AB 128 Plan 4 J83152 REB/CAP PRUDENT CY144 A 20, B 140 Plan 5 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 C 1, A 19, B 104, AB 105 Plan 5 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 10, A 30 Plan 6 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 14, AB 15, C 31, A 49 Plan 6 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 41, A 61 Plan 7 J83151 REB/CAP AN ROSA CY100 B 32, AB 33, C 49, A 67 Plan 7 J83152 REB/CAP PRUDENT CY100 B 52, A 72 Plan 8 J83151 REB/CAP AN ROSA CY135 B 35, AB 36, C 52, A 70 20
  • 21. RELATÓRIO TÉCNICO – DT/SPT 087/13 Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan Plan 8 J83152 REB/CAP PRUDENT CY135 B 55, A 75 9 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 32, AB 33, C 49, A 67 9 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 56, A 76 10 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 34, AB 35, C 51, A 69 10 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 53, A 73 11 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 29, AB 30, C 46, A 64 11 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 48, A 68 12 J83151 REB/CAP AN ROSA CY135 B 32, AB 33, C 49, A 67 12 J83152 REB/CAP PRUDENT CY135 B 52, A 72 13 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 30, AB 31, C 47, A 65 13 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 50, A 70 14 J83151 REB/CAP AN ROSA CY120 B 30, AB 31, C 47, A 65 14 J83152 REB/CAP PRUDENT CY120 B 50, A 70 21