SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO EMPRESA SIMULADA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EDUCAÇÃO
EMPREENDEDORA DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM
INFORMÁTICA DO IFMG - UNIDADE JOÃO MONLEVADE
NOVAIS JUNIOR, Osvaldo 1
RODRIGUES DIAS, Daniela 2
INTRODUÇÃO
João Monlevade, cidade com aproximadamente 80.000 habitantes, localizada 110 km a leste de
Belo Horizonte, é a porta de entrada do Vale do Aço, uma região altamente industrializada. Importantes
indústrias encontram-se na região, tais como a ArcelorMittal, a Cenibra, a Vale, a Usiminas e a
Acesita, entre outras.
A cidade tem um comércio ativo e diversificado e a economia local tem como destaque as
atividades da ArcelorMittal, porém a cidade também se projeta como importante pólo regional,
comercial e prestador de serviços. A qualidade da infra-estrutura urbana e a localização geográfica
estratégica (às margens de rodovia federal de fluxo intenso e relativa proximidade da capital mineira)
potencializam a sua capacidade de crescimento.
O elevado padrão econômico da região determina uma crescente demanda das empresas e da
população por novos produtos e serviços. Há particularmente uma demanda pelo oferecimento de vagas
no ensino técnico e superior, como se verificou, na última década, pela implantação de escolas técnicas,
faculdades e universidades.
O Curso Técnico em Manutenção e Suporte em Informática foi oferecido, na modalidade
subsequente, através um convênio de cooperação técnica, educacional, científica e cultural firmado
entre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG e a Prefeitura
Municipal de João Monlevade, com início em Março de 2010 e conclusão em Agosto de 2011.
O curso foi planejado com uma ênfase na Educação Empreendedora. Além das disciplinas
técnicas oferecidas, como por exemplo: Informática Básica, Manutenção, Programação, Redes de
Computadores, Sistemas Operacionais, Estudos Complementares Integrados, o curso teve como
inovação as disciplinas de Gestão em Informática I, II e III, com foco no empreendedorismo,
articulando conhecimentos teóricos com a prática.
Empreendedorismo é o envolvimento desde pessoas e processos que, em conjunto, levam à
transformação de ideias em oportunidades. E a perfeita implementação destas oportunidades leva à
criação de negócios de sucesso. (DORNELAS, 2008).
O conceito de empreendedorismo tem sido muito difundido no Brasil, nos últimos anos,
intensificando-se no final da década de 1990. Existem vários fatores que talvez expliquem esse
repentino interesse pelo assunto, já que, principalmente nos Estados Unidos, país onde o capitalismo
tem sua principal caracterização, o termo entrepreneurship é conhecido e referenciado há muitos anos,
não sendo, portanto, algo novo ou desconhecido. No caso brasileiro, a preocupação com a criação de
1
Coordenador do Curso Técnico Subsequente de Manutenção e Suporte em Informática, IFMG - Unidade João Monlevade.
Professor do Curso Técnico Integrado de Automação e Controle, IFMG - Campus Ouro Preto. Pós-graduado em
Administração de Redes Linux e Mestrando em Administração - MINTER IFMG/FUMEC.
2
Professora das disciplinas de Informática básica, Sistemas de Informação I, II e III, Gestão em Informática I, II e III e
Estudos Complementares Integrados I, II e III do Curso Técnico Subsequente de Manutenção e Suporte em Informática,
IFMG - Unidade João Monlevade. Pós-graduada em Informática Educacional e MBA em Gestão Empresarial.
pequenas empresas duradouras e a necessidade da diminuiۥo das altas taxas de mortalidade desses
empreendimentos s•o, sem d‚vida, motivos para a popularidade do termo empreendedorismo, que tem
recebido especial atenۥo por parte do governo e entidades de classe. (DORNELAS, 2008).
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatƒstica - IBGE, as Micros e Pequenas
Empresas - MPEs correspondem a 98% das empresas formais, sendo que existem mais 9,5 milh„es de
empresas informais gerando juntas cerca de 21% do produto interno bruto - PIB e empregam mais de
60% da m•o de obra do paƒs. A entrada em vigor da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em 2007,
e da Lei do Empreendedor Individual, em 2008, confirmam o papel de destaque das MPEs na polƒtica
econ…mica e o desejo do governo de impulsionar o empreendedorismo no Brasil (GEM, 2010).
As micro e pequenas empresas (MPEs) representam 98,9 % do total de empresas no paƒs, sendo
que, destas, 22% decretam fal†ncia antes dos dois primeiros anos de exist†ncia (SEBRAE, 2007).
Apesar de todo o apoio governamental para a cria€•o e manuten€•o de MPEs no Brasil, ainda ‡
preocupante a chamada “mortalidade infantil” dessas empresas. A pesquisa SEBRAE (2007) mostra
uma melhora nas taxas de sobreviv†ncia e mortalidade de empresas no Brasil nos anos 2000. Por‡m,
essa pesquisa ainda aponta a falta de habilidades gerenciais, baixa capacidade empreendedora e
problemas de logƒstica operacional como as principais causas do insucesso do empreendedor.
Nessa perspectiva, vŠrios estudos destacam a import‹ncia dos programas de educa€•o
empreendedora para o desenvolvimento de habilidades, atitudes e comportamentos necessŠrios para
criar empregos, promover o crescimento econ…mico, melhorar as condi€„es de vida e estimular a
inova€•o para enfrentar os desafios que as mudan€as globais nos imp„em (DOLABELA, 1999; CRUZ
JR et al, 2006; LOPES, 2010; GEI, 2009).
O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) desde 1999 monitora o nƒvel de empreendedorismo
no Brasil e em 59 paƒses. Na Šrea de educa€•o e capacita€•o para o empreendedorismo este grupo de
pesquisa prop„e que para o fortalecimento do empreendedorismo no Brasil ‡ necessŠrio que as escolas
revejam seus currƒculos e insiram neles projetos pedagŒgicos que mesclem forma€•o t‡cnica com
desenvolvimento de habilidades empreendedoras.
Dentro deste cenŠrio procuramos realizar atividades que possibilitassem uma melhor
visualiza€•o da Educa€•o Empreendedora. Portanto, no ‚ltimo mŒdulo do curso, como trabalho final
da Disciplina Gest•o em InformŠtica III, foi desenvolvido o Projeto Empresa Simulada.
O Projeto Empresa Simulada foi elaborado com o objetivo precƒpuo de incentivar e despertar
habilidades empreendedoras nos alunos do Curso T‡cnico em Manuten€•o e Suporte em InformŠtica
do IFMG - Unidade Jo•o Monlevade.
MATERIAIS E MÉTODOS
O percurso do projeto Empresa Simulada consistiu desde a concep€•o de um Plano de NegŒcios
at‡ a exposi€•o das empresas criadas pelos alunos. Como trabalho final da disciplina Gest•o em
InformŠtica III, os alunos organizaram-se em equipes para elabora€•o de um plano de negŒcios para a
cria€•o de uma empresa. A empresa deveria ter um produto definido, com viabilidade t‡cnica e de
mercado, ser inovadora e apoiada na Gest•o da InformŠtica.
Foi ent•o, disponibilizado para os alunos um modelo padr•o de Plano de NegŒcios e a partir
deste criou-se um cronograma de tutoria de como montar e utilizar este plano. A elaboraۥo de um
Plano de negŒcio ‡ fundamental para o empreendedor, n•o somente para a busca de recursos, mas,
principalmente, como forma de sistematizar suas ideias e planejar de forma mais eficiente e eficaz.
Após a confecção dos planos de negócios pelos alunos, foram montados os stands, onde seriam
expostas as ideias consequentes dos Planos de Negócios. Cada equipe que compunha a empresa deveria
ficar responsável pela decoração de seu stand, ou seja, a gestão visual das empresas trouxe ao projeto
um ambiente criativo e confortável àqueles que por lá passaram. Salientamos que toda a criatividade,
também na produção e confecção dos produtos, foi de autoria dos alunos.
A exposição dos trabalhos do Projeto Empresa Simulada aconteceu no dia 17 de Junho de 2011
na unidade conveniada do IFMG em João Monlevade. Foram apresentados planos de negócios nos
segmentos de serviço e comércio, não só na área de informática, como também em áreas como turismo,
arte, lazer, gastronomia e segurança do trabalho.
Todos os professores, o coordenador de curso e coordenação pedagógica foram convidados para
visitar e avaliar as empresas. Foram avaliadas as estratégias Mercadológicas, Competitivas,
Financeiras, Tecnológicas e estratégias de Marketing das empresas.
O nível dos trabalhos foi elevadíssimo e houve um grande destaque na importância da
tecnologia da informação nas empresas, sendo que a sua utilização é fator chave para que as empresas
mantenham a competitividade no mercado atual, onde a transformação tecnológica e globalização dos
negócios é uma realidade. Muitos alunos desenvolveram sites para divulgar as empresas na Internet e
manifestaram o interesse de colocar em prática seu plano de negócio e levar adiante os conhecimentos
adquiridos nas aulas.
Ressalta-se que o Projeto Empresa Simulada do Curso Técnico de Manutenção e Suporte em
Informática do IFMG - Unidade João Monlevade não está vinculado à Empresa Simulada que é uma
metodologia de capacitação adquirida em 1994 pelo SEBRAE Minas. O objetivo desta metodologia do
SEBRAE é através de empresas virtuais, que estão inseridas num mercado também virtual, simular
situações empresariais como existem na vida real. Essas empresas são coordenadas pelo CESBRASIL -
Centro Brasileiro de Empresas Simuladas, cuja missão é proporcionar apoio operacional, representando
o papel de Banco Central. Todas as transações comerciais internacionais das Empresas Simuladas são
respaldadas pelo CESBRASIL junto ao EUROPEN, órgão que coordena as empresas simuladas em
âmbito mundial, com sede na Alemanha. As Empresas Simuladas possuem linhas de produtos, serviços
definidos, tabelas de preços e gestão própria, tudo pesquisado e analisado de acordo com a oferta e
demanda por esses produtos no mercado real. (CESBRASIL, 2011).
RESULTADOS
O Projeto Empresa Simulada do IFMG Unidade João Monlevade, consistiu em integrar, de
forma prática, não só os conteúdos das disciplinas Gestão em Informática I, II e III, aplicadas durante o
curso, como também as disciplinas voltadas para Programação, Manutenção e Suporte em Informática.
Através do Projeto Empresa Simulada observamos alguns aspectos comportamentais dos
alunos: Desenvolvimento de atitudes empreendedoras: iniciativa, persistência e busca de informações;
Perspectivas positivas em relação ao futuro profissional; Identificação de oportunidades de negócios na
região; Melhoria da capacidade de expressão: perda da inibição e do medo de se expor em público,
acompanhadas de mudanças na apresentação pessoal; Melhoria da auto-estima; Perspectiva de abertura
de empreendimentos; Motivação para o trabalho em equipe e Conscientização da importância da
cidadania.
O Projeto Empresa Simulada foi uma oportunidade valiosa para que os alunos não só
praticassem os conhecimentos gerenciais aprendidos em sala de aula, como também para que
consolidassem a proposta de Educação Empreendedora do Curso.
DISCUSSÃO
A experiência de implantação da disciplina de Educação Empreendedora no curso técnico em
Manutenção e Suporte em Informática mostrou-se desafiante e enriquecedora, onde buscamos o
desenvolvimento das seguintes competências profissionais:
 Conhecimentos  informação, atualização profissional, reciclagem constante;
 Habilidades  maneira prática de aplicar o conhecimento na solução de problemas e situações;
 Atitudes  capacidade de trabalhar em equipe, de comunicação oral e escrita, de apresentar
novas ideias, de administrar o tempo e de atuar com autonomia para aprender.
Integrar a teoria à prática na sala de aula é sempre um desafio. O conhecimento pode ser
reproduzido e, para ser absorvido, necessita levar em conta o compromisso mútuo - do professor e do
aluno.
Através das estratégias didáticas adotadas como histórias de empreendedores de sucesso, a
disciplina potencializou as oportunidades para aproximar os alunos da gestão dos pequenos negócios e
dos riscos e oportunidades inerentes à atividade empresarial. Também a elaboração do projeto de
negócios mostrou-se um importante instrumento como referência para que os potenciais
empreendedores possam avaliar a viabilidade do negócio, seus entraves e barreiras, suas
potencialidades de sucesso e expansão.
CONCLUSÃO
As práticas empreendedoras caracterizam como soluções técnicas com possibilidade de se
transformar em empreendimentos executáveis que comprovadamente contribuam com o processo de
desenvolvimento da comunidade.
Para ser empreendedor, há que perseverar. O início do negócio próprio é sempre difícil, e os
obstáculos põem à prova a capacidade de o empreendedor seguir em frente. Desistir é a saída mais
fácil, mas a mais distante para a auto-realização. Não abrir mão de um sonho, de um desafio pessoal e
de um comprometimento com todos os envolvidos faz parte do perfil do empreendedor que não se
assusta com os percalços do caminho e supera o próprio limite. O empreendedor de sucesso é aquele
que jamais desiste e está sempre aprimorando seus conhecimentos para conseguir melhores resultados.
Em empreendedorismo um dos principais ensinamentos que podemos ter é o fato de que nada se
constrói sozinho, sempre há a necessidade de trabalho em equipe. Qualquer projeto empreendedor
sempre terá maiores chances de sucesso se a equipe envolvida for comprometida e agregar valor,
trazendo o complemento necessário para a conclusão do trabalho.
Concluindo, consideramos que o Projeto Empresa Simulada foi um sucesso e teve sua
importância e relevância reconhecida pelos alunos. A pesquisa de avaliação realizada com os alunos no
final do curso apontou que 62,2% dos alunos consideraram ótima a proposta de realização do Projeto
de Empresa Simulada e o restante 37,8 %, também avaliaram positivamente considerando muito boa a
iniciativa.
Espera-se que, ao investir em desenvolvimento de conhecimento técnico e informações
empreendedoras que possam auxiliar gestão dos pequenos negócios e na redução do índice de
mortalidade das empresas, o Curso Técnico em Manutenção e Suporte em Informática esteja, também,
contribuindo para o desenvolvimento econômico e social.
BIBLIOGRAFIA
CESBRASIL. Centro Brasileiro de Empresas Simuladas. Disponƒvel em
<http://www.cesbrasil.com.br>. Acesso em: 09 Maio 2011.
CRUZ JR, Jo•o Benjamim; ARA•JO, Pedro da Costa; WOLF, S‡rgio Machado; RIBEIRO, Tatiana V.
A. Empreendedorismo e Educação Empreendedora: Confronta€•o entre a teoria e prŠtica. Revista
de Ci†ncias da Administra€•o - v. 8, n. 15, jan/jun 2006.
DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor. 6. ed. S•o Paulo: Editora de Cultura, 1999.
p. 280.
DORNELAS, Jos‡ Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 3. Ed. Rio
de Janeiro: Editora Campus, 2008. p. 01-36.
GEI. Global Education Initiative. Educating the Next Wave of Entrepreneurs: Unlocking
entrepreneurial capabilities to meet the global challenges of the 21st Century. World Economic Forum.
Switzerland, abr. 2009. Disponƒvel em: <http://members.weforum.org/pdf/GEI/2009/Entrepreneurship
_Education_Report.pdf>. Acesso em: 09 Maio 2011.
GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil 2010. Joana Paula Machado
et al. Curitiba: 2011. Disponƒvel em: < http://www.sebrae.com.br/>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
LOPES, Rose Mary Almeida (Org.). Educação Empreendedora: conceitos, modelos e prŠticas. Rio
de Janeiro: Elsevier; S•o Paulo: Sebrae, 2010.
ROESE, Andr‡; BINOTTO, Erlaine; BŽLLAU, H‡lio. Empreendedorismo e a Cultura
Empreendedora: um estudo de caso no Rio Grande do Sul. II SeminŠrio de Gest•o de NegŒcios. FAE
Centro UniversitŠrio. Blumenau, 2005. Disponƒvel em:
<http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/IIseminario/gestao/gestao_08.pdf>. Acesso em: 25 Fev. 2010.
SEBRAE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Fatores Condicionantes e Taxas de
Sobrevivência e Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas no Brasil | 2003-2005. Brasƒlia,
2007. p. 60. Disponƒvel em: <http://www.sebrae.com.br/>. Acesso em: 12 Mar. 2011.
SOUZA, Edna Castro Lucas de. Empreendedorismo: da gênesis à contemporaneidade. In: EGEPE
– Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gest•o de Pequenas Empresas. 2005, Curitiba,
Anais... Curitiba, 2005, p. 134-146.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercio impressionismo
Exercio impressionismoExercio impressionismo
Exercio impressionismo
Pedro Henrique
 
Enquadramento - teorias da comunicação
Enquadramento - teorias da comunicaçãoEnquadramento - teorias da comunicação
Enquadramento - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
Silvia Escobar
 
Introdução ao Briefing
Introdução ao BriefingIntrodução ao Briefing
Introdução ao Briefing
Maria Izabel Dias
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
Kenneth Corrêa
 
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades onlineNetnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
PaperCliQ Comunicação
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Aula perfil do público-alvo
Aula perfil do público-alvoAula perfil do público-alvo
Aula perfil do público-alvo
Renato Delmanto
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
Bárbara Fonseca
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
Casiris Crescencio
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Telejornalismo Guia Rápido
Telejornalismo  Guia RápidoTelejornalismo  Guia Rápido
Telejornalismo Guia Rápido
Fausto Coimbra
 
Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )
graduartes
 
Multiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual KressMultiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual Kress
Reinildes
 
Planejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2ºPlanejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2º
Rednei Pinto
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario Executivo
Dionísio Carmo-Neto
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
SimoneHelenDrumond
 
Publicidade e propaganda
Publicidade e propagandaPublicidade e propaganda
Publicidade e propaganda
Rosane Domingues
 
Planejamento anual artes 8 ano 1
Planejamento anual artes 8 ano 1Planejamento anual artes 8 ano 1
Planejamento anual artes 8 ano 1
Rosa Micarla Souza
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
Marcioveras
 

Mais procurados (20)

Exercio impressionismo
Exercio impressionismoExercio impressionismo
Exercio impressionismo
 
Enquadramento - teorias da comunicação
Enquadramento - teorias da comunicaçãoEnquadramento - teorias da comunicação
Enquadramento - teorias da comunicação
 
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
Avaliaçao vanguardas (recuperaçao)
 
Introdução ao Briefing
Introdução ao BriefingIntrodução ao Briefing
Introdução ao Briefing
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades onlineNetnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
 
Aula perfil do público-alvo
Aula perfil do público-alvoAula perfil do público-alvo
Aula perfil do público-alvo
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Avaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafiteAvaliação 9 ano grafite
Avaliação 9 ano grafite
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientifico
 
Telejornalismo Guia Rápido
Telejornalismo  Guia RápidoTelejornalismo  Guia Rápido
Telejornalismo Guia Rápido
 
Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )Linguagens da artes (atividades )
Linguagens da artes (atividades )
 
Multiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual KressMultiletramentos Letramento Visual Kress
Multiletramentos Letramento Visual Kress
 
Planejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2ºPlanejamento ensino médio 1º 2º
Planejamento ensino médio 1º 2º
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario Executivo
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Publicidade e propaganda
Publicidade e propagandaPublicidade e propaganda
Publicidade e propaganda
 
Planejamento anual artes 8 ano 1
Planejamento anual artes 8 ano 1Planejamento anual artes 8 ano 1
Planejamento anual artes 8 ano 1
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
 

Destaque

Apresentação de Empresa Simulada
Apresentação de Empresa SimuladaApresentação de Empresa Simulada
Apresentação de Empresa Simulada
Pâmela Nogueira da Silva
 
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
Alex Custódio
 
Aprendendo empresa simulada
Aprendendo empresa simuladaAprendendo empresa simulada
Aprendendo empresa simulada
Dionatan Peixoto Pereira
 
Resumo Expandido Osvaldo Novais Jr
Resumo Expandido Osvaldo Novais JrResumo Expandido Osvaldo Novais Jr
Resumo Expandido Osvaldo Novais Jr
Osvaldo Novais Junior
 
Resumo Expandido Projeto CRC
Resumo Expandido Projeto CRCResumo Expandido Projeto CRC
Resumo Expandido Projeto CRC
Osvaldo Novais Junior
 
Resumo expandido percepção ambiental
Resumo expandido percepção ambientalResumo expandido percepção ambiental
Resumo expandido percepção ambiental
Raullyan Borja Lima e Silva
 
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souza
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souzaResumo estendido bruno_barbosa_de_souza
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souza
coisasblog
 
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
Rafael Rallo
 
Resumo expandido conpesca ro
Resumo expandido conpesca roResumo expandido conpesca ro
Resumo expandido conpesca ro
Fernanda
 
Resumo expandido 2 thiago
Resumo expandido 2 thiagoResumo expandido 2 thiago
Resumo expandido 2 thiago
Thiago Araújo
 
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
Paulo Jose
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
Universidade Pedagogica
 
Empresas Simuladas
Empresas SimuladasEmpresas Simuladas
Empresas Simuladas
comercial27aa
 
Empresa Simulada
Empresa SimuladaEmpresa Simulada
Empresa Simulada
Carlos Portela
 
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoasApresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Jeesiel Temóteo
 
Sistema de gestao ambiental para uma casa de shows
Sistema de gestao ambiental para uma casa de showsSistema de gestao ambiental para uma casa de shows
Sistema de gestao ambiental para uma casa de shows
monica silva
 
Modelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III EncontroModelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III Encontro
Monique Carvalho
 
Resumo acadêmico
Resumo acadêmicoResumo acadêmico
Resumo acadêmico
Lorena Vanesa Duthil
 
Exemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom ResumoExemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom Resumo
Profmaria
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
CRIS TORRES
 

Destaque (20)

Apresentação de Empresa Simulada
Apresentação de Empresa SimuladaApresentação de Empresa Simulada
Apresentação de Empresa Simulada
 
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
Resumo expandido do projeto utilizaçao de residuos solidos para o circuito ci...
 
Aprendendo empresa simulada
Aprendendo empresa simuladaAprendendo empresa simulada
Aprendendo empresa simulada
 
Resumo Expandido Osvaldo Novais Jr
Resumo Expandido Osvaldo Novais JrResumo Expandido Osvaldo Novais Jr
Resumo Expandido Osvaldo Novais Jr
 
Resumo Expandido Projeto CRC
Resumo Expandido Projeto CRCResumo Expandido Projeto CRC
Resumo Expandido Projeto CRC
 
Resumo expandido percepção ambiental
Resumo expandido percepção ambientalResumo expandido percepção ambiental
Resumo expandido percepção ambiental
 
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souza
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souzaResumo estendido bruno_barbosa_de_souza
Resumo estendido bruno_barbosa_de_souza
 
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
Seminário Design de Imagem (UEMG/2014 - Anais)
 
Resumo expandido conpesca ro
Resumo expandido conpesca roResumo expandido conpesca ro
Resumo expandido conpesca ro
 
Resumo expandido 2 thiago
Resumo expandido 2 thiagoResumo expandido 2 thiago
Resumo expandido 2 thiago
 
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
A ANÁLISE DINÂMICA SEGUNDO O MODELO DE MICHEL FLEURIET: O CASO DA EMPRESA CEM...
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
Empresas Simuladas
Empresas SimuladasEmpresas Simuladas
Empresas Simuladas
 
Empresa Simulada
Empresa SimuladaEmpresa Simulada
Empresa Simulada
 
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoasApresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
 
Sistema de gestao ambiental para uma casa de shows
Sistema de gestao ambiental para uma casa de showsSistema de gestao ambiental para uma casa de shows
Sistema de gestao ambiental para uma casa de shows
 
Modelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III EncontroModelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III Encontro
 
Resumo acadêmico
Resumo acadêmicoResumo acadêmico
Resumo acadêmico
 
Exemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom ResumoExemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom Resumo
 
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalhoDicas importantes para escrever resumo de trabalho
Dicas importantes para escrever resumo de trabalho
 

Semelhante a Resumo Expandido Projeto Empresa Simulada

Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014 ifma
Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014   ifmaEspecialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014   ifma
Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014 ifma
Marcelo Pimenta (menta90)
 
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
Leandro de Castro
 
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
Adriano Alves de Aquino
 
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
Osvaldo Novais Junior
 
Painel Projeto Empresa Simulada
Painel Projeto Empresa SimuladaPainel Projeto Empresa Simulada
Painel Projeto Empresa Simulada
Osvaldo Novais Junior
 
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de géneroManual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
Bruno Pereira
 
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
Jose Ribeiro
 
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouroCAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
Lucas Vasconcelos
 
Noticia 10421140
Noticia 10421140Noticia 10421140
Noticia 10421140
kleber.torres
 
Apostila de Gstão de Pessoas
Apostila de Gstão de PessoasApostila de Gstão de Pessoas
Apostila de Gstão de Pessoas
Cássio Morelli
 
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção CivilSegunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
midiaria.com | branding e comportamento digital
 
Sumario Executivo Proposta Sectes
Sumario Executivo Proposta SectesSumario Executivo Proposta Sectes
Sumario Executivo Proposta Sectes
minasinvest
 
Carreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
Carreiras em Transformação - Estudo Page & InovaCarreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
Carreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
Luis Rasquilha
 
Apostila incubadoras 201401
Apostila   incubadoras 201401Apostila   incubadoras 201401
Apostila incubadoras 201401
Glaucia Gonçalves
 
Modelo da apresentacao (definitivo)
Modelo da apresentacao (definitivo)Modelo da apresentacao (definitivo)
Modelo da apresentacao (definitivo)
Vinícius Dias
 
Apresentação do IFED
Apresentação do IFEDApresentação do IFED
Apresentação do IFED
Roberto Oliveira
 
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSAEMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
CURSO DE PP NA ZUMBI DOS PALMARES
 
Assistente Administrativo - Apostila 2
Assistente Administrativo - Apostila 2 Assistente Administrativo - Apostila 2
Assistente Administrativo - Apostila 2
eadrede
 
Auxiliar administrativo
Auxiliar administrativoAuxiliar administrativo
Auxiliar administrativo
QualiMoura Cursos Sorocaba e Região
 
Assistadministrativo2 sitev110.06.15
Assistadministrativo2 sitev110.06.15Assistadministrativo2 sitev110.06.15
Assistadministrativo2 sitev110.06.15
Walter Nascimento
 

Semelhante a Resumo Expandido Projeto Empresa Simulada (20)

Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014 ifma
Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014   ifmaEspecialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014   ifma
Especialistas em empreendedorismo lançam manual no connepi 2014 ifma
 
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
2010: Plano de Negócios e Incubação de Empresas de Base Tecnológica
 
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSOS DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMÉRC...
 
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA DE TECNOLOGIA 2011
 
Painel Projeto Empresa Simulada
Painel Projeto Empresa SimuladaPainel Projeto Empresa Simulada
Painel Projeto Empresa Simulada
 
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de géneroManual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
Manual das boas práticas organizacionais de igualdade de género
 
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
A UTILIZAÇÃO DO SOCIAL COMMERCE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUEN...
 
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouroCAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
CAMINHOS DA INOVAÇÃO - O novo ciclo do ouro
 
Noticia 10421140
Noticia 10421140Noticia 10421140
Noticia 10421140
 
Apostila de Gstão de Pessoas
Apostila de Gstão de PessoasApostila de Gstão de Pessoas
Apostila de Gstão de Pessoas
 
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção CivilSegunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
Segunda edição do curso Planejamento de Marketing Digital na Construção Civil
 
Sumario Executivo Proposta Sectes
Sumario Executivo Proposta SectesSumario Executivo Proposta Sectes
Sumario Executivo Proposta Sectes
 
Carreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
Carreiras em Transformação - Estudo Page & InovaCarreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
Carreiras em Transformação - Estudo Page & Inova
 
Apostila incubadoras 201401
Apostila   incubadoras 201401Apostila   incubadoras 201401
Apostila incubadoras 201401
 
Modelo da apresentacao (definitivo)
Modelo da apresentacao (definitivo)Modelo da apresentacao (definitivo)
Modelo da apresentacao (definitivo)
 
Apresentação do IFED
Apresentação do IFEDApresentação do IFED
Apresentação do IFED
 
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSAEMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
EMPREENDEDORISMO - AGÊNCIA COMUNICAÇÃO INCLUSA
 
Assistente Administrativo - Apostila 2
Assistente Administrativo - Apostila 2 Assistente Administrativo - Apostila 2
Assistente Administrativo - Apostila 2
 
Auxiliar administrativo
Auxiliar administrativoAuxiliar administrativo
Auxiliar administrativo
 
Assistadministrativo2 sitev110.06.15
Assistadministrativo2 sitev110.06.15Assistadministrativo2 sitev110.06.15
Assistadministrativo2 sitev110.06.15
 

Mais de Osvaldo Novais Junior

Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Osvaldo Novais Junior
 
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Osvaldo Novais Junior
 
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDG
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDGApresentação Projeto CRC I Encontro LDG
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDG
Osvaldo Novais Junior
 
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso TécnicoEnsino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
Osvaldo Novais Junior
 
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de ComputadoresPainel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
Osvaldo Novais Junior
 
Apresentação do Projeto CRC
Apresentação do Projeto CRCApresentação do Projeto CRC
Apresentação do Projeto CRC
Osvaldo Novais Junior
 
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
Osvaldo Novais Junior
 
Painel Ava Prof Osvaldo Novais Jr
Painel Ava  Prof Osvaldo Novais JrPainel Ava  Prof Osvaldo Novais Jr
Painel Ava Prof Osvaldo Novais Jr
Osvaldo Novais Junior
 

Mais de Osvaldo Novais Junior (8)

Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
 
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
Possibilidades de utilização de uma sala de aula virtual para apoio à educaçã...
 
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDG
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDGApresentação Projeto CRC I Encontro LDG
Apresentação Projeto CRC I Encontro LDG
 
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso TécnicoEnsino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
Ensino, Pesquisa e Extensão: Experiências em Curso Técnico
 
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de ComputadoresPainel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
Painel Projeto CRC - Centro de Recondicionamento de Computadores
 
Apresentação do Projeto CRC
Apresentação do Projeto CRCApresentação do Projeto CRC
Apresentação do Projeto CRC
 
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
Ações do Projeto CRC IFMG Setembro2010-Julho2011
 
Painel Ava Prof Osvaldo Novais Jr
Painel Ava  Prof Osvaldo Novais JrPainel Ava  Prof Osvaldo Novais Jr
Painel Ava Prof Osvaldo Novais Jr
 

Último

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 

Último (7)

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 

Resumo Expandido Projeto Empresa Simulada

  • 1. PROJETO EMPRESA SIMULADA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA DO IFMG - UNIDADE JOÃO MONLEVADE NOVAIS JUNIOR, Osvaldo 1 RODRIGUES DIAS, Daniela 2 INTRODUÇÃO João Monlevade, cidade com aproximadamente 80.000 habitantes, localizada 110 km a leste de Belo Horizonte, é a porta de entrada do Vale do Aço, uma região altamente industrializada. Importantes indústrias encontram-se na região, tais como a ArcelorMittal, a Cenibra, a Vale, a Usiminas e a Acesita, entre outras. A cidade tem um comércio ativo e diversificado e a economia local tem como destaque as atividades da ArcelorMittal, porém a cidade também se projeta como importante pólo regional, comercial e prestador de serviços. A qualidade da infra-estrutura urbana e a localização geográfica estratégica (às margens de rodovia federal de fluxo intenso e relativa proximidade da capital mineira) potencializam a sua capacidade de crescimento. O elevado padrão econômico da região determina uma crescente demanda das empresas e da população por novos produtos e serviços. Há particularmente uma demanda pelo oferecimento de vagas no ensino técnico e superior, como se verificou, na última década, pela implantação de escolas técnicas, faculdades e universidades. O Curso Técnico em Manutenção e Suporte em Informática foi oferecido, na modalidade subsequente, através um convênio de cooperação técnica, educacional, científica e cultural firmado entre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG e a Prefeitura Municipal de João Monlevade, com início em Março de 2010 e conclusão em Agosto de 2011. O curso foi planejado com uma ênfase na Educação Empreendedora. Além das disciplinas técnicas oferecidas, como por exemplo: Informática Básica, Manutenção, Programação, Redes de Computadores, Sistemas Operacionais, Estudos Complementares Integrados, o curso teve como inovação as disciplinas de Gestão em Informática I, II e III, com foco no empreendedorismo, articulando conhecimentos teóricos com a prática. Empreendedorismo é o envolvimento desde pessoas e processos que, em conjunto, levam à transformação de ideias em oportunidades. E a perfeita implementação destas oportunidades leva à criação de negócios de sucesso. (DORNELAS, 2008). O conceito de empreendedorismo tem sido muito difundido no Brasil, nos últimos anos, intensificando-se no final da década de 1990. Existem vários fatores que talvez expliquem esse repentino interesse pelo assunto, já que, principalmente nos Estados Unidos, país onde o capitalismo tem sua principal caracterização, o termo entrepreneurship é conhecido e referenciado há muitos anos, não sendo, portanto, algo novo ou desconhecido. No caso brasileiro, a preocupação com a criação de 1 Coordenador do Curso Técnico Subsequente de Manutenção e Suporte em Informática, IFMG - Unidade João Monlevade. Professor do Curso Técnico Integrado de Automação e Controle, IFMG - Campus Ouro Preto. Pós-graduado em Administração de Redes Linux e Mestrando em Administração - MINTER IFMG/FUMEC. 2 Professora das disciplinas de Informática básica, Sistemas de Informação I, II e III, Gestão em Informática I, II e III e Estudos Complementares Integrados I, II e III do Curso Técnico Subsequente de Manutenção e Suporte em Informática, IFMG - Unidade João Monlevade. Pós-graduada em Informática Educacional e MBA em Gestão Empresarial.
  • 2. pequenas empresas duradouras e a necessidade da diminui€•o das altas taxas de mortalidade desses empreendimentos s•o, sem d‚vida, motivos para a popularidade do termo empreendedorismo, que tem recebido especial aten€•o por parte do governo e entidades de classe. (DORNELAS, 2008). Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatƒstica - IBGE, as Micros e Pequenas Empresas - MPEs correspondem a 98% das empresas formais, sendo que existem mais 9,5 milh„es de empresas informais gerando juntas cerca de 21% do produto interno bruto - PIB e empregam mais de 60% da m•o de obra do paƒs. A entrada em vigor da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em 2007, e da Lei do Empreendedor Individual, em 2008, confirmam o papel de destaque das MPEs na polƒtica econ…mica e o desejo do governo de impulsionar o empreendedorismo no Brasil (GEM, 2010). As micro e pequenas empresas (MPEs) representam 98,9 % do total de empresas no paƒs, sendo que, destas, 22% decretam fal†ncia antes dos dois primeiros anos de exist†ncia (SEBRAE, 2007). Apesar de todo o apoio governamental para a cria€•o e manuten€•o de MPEs no Brasil, ainda ‡ preocupante a chamada “mortalidade infantil” dessas empresas. A pesquisa SEBRAE (2007) mostra uma melhora nas taxas de sobreviv†ncia e mortalidade de empresas no Brasil nos anos 2000. Por‡m, essa pesquisa ainda aponta a falta de habilidades gerenciais, baixa capacidade empreendedora e problemas de logƒstica operacional como as principais causas do insucesso do empreendedor. Nessa perspectiva, vŠrios estudos destacam a import‹ncia dos programas de educa€•o empreendedora para o desenvolvimento de habilidades, atitudes e comportamentos necessŠrios para criar empregos, promover o crescimento econ…mico, melhorar as condi€„es de vida e estimular a inova€•o para enfrentar os desafios que as mudan€as globais nos imp„em (DOLABELA, 1999; CRUZ JR et al, 2006; LOPES, 2010; GEI, 2009). O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) desde 1999 monitora o nƒvel de empreendedorismo no Brasil e em 59 paƒses. Na Šrea de educa€•o e capacita€•o para o empreendedorismo este grupo de pesquisa prop„e que para o fortalecimento do empreendedorismo no Brasil ‡ necessŠrio que as escolas revejam seus currƒculos e insiram neles projetos pedagŒgicos que mesclem forma€•o t‡cnica com desenvolvimento de habilidades empreendedoras. Dentro deste cenŠrio procuramos realizar atividades que possibilitassem uma melhor visualiza€•o da Educa€•o Empreendedora. Portanto, no ‚ltimo mŒdulo do curso, como trabalho final da Disciplina Gest•o em InformŠtica III, foi desenvolvido o Projeto Empresa Simulada. O Projeto Empresa Simulada foi elaborado com o objetivo precƒpuo de incentivar e despertar habilidades empreendedoras nos alunos do Curso T‡cnico em Manuten€•o e Suporte em InformŠtica do IFMG - Unidade Jo•o Monlevade. MATERIAIS E MÉTODOS O percurso do projeto Empresa Simulada consistiu desde a concep€•o de um Plano de NegŒcios at‡ a exposi€•o das empresas criadas pelos alunos. Como trabalho final da disciplina Gest•o em InformŠtica III, os alunos organizaram-se em equipes para elabora€•o de um plano de negŒcios para a cria€•o de uma empresa. A empresa deveria ter um produto definido, com viabilidade t‡cnica e de mercado, ser inovadora e apoiada na Gest•o da InformŠtica. Foi ent•o, disponibilizado para os alunos um modelo padr•o de Plano de NegŒcios e a partir deste criou-se um cronograma de tutoria de como montar e utilizar este plano. A elabora€•o de um Plano de negŒcio ‡ fundamental para o empreendedor, n•o somente para a busca de recursos, mas, principalmente, como forma de sistematizar suas ideias e planejar de forma mais eficiente e eficaz.
  • 3. Após a confecção dos planos de negócios pelos alunos, foram montados os stands, onde seriam expostas as ideias consequentes dos Planos de Negócios. Cada equipe que compunha a empresa deveria ficar responsável pela decoração de seu stand, ou seja, a gestão visual das empresas trouxe ao projeto um ambiente criativo e confortável àqueles que por lá passaram. Salientamos que toda a criatividade, também na produção e confecção dos produtos, foi de autoria dos alunos. A exposição dos trabalhos do Projeto Empresa Simulada aconteceu no dia 17 de Junho de 2011 na unidade conveniada do IFMG em João Monlevade. Foram apresentados planos de negócios nos segmentos de serviço e comércio, não só na área de informática, como também em áreas como turismo, arte, lazer, gastronomia e segurança do trabalho. Todos os professores, o coordenador de curso e coordenação pedagógica foram convidados para visitar e avaliar as empresas. Foram avaliadas as estratégias Mercadológicas, Competitivas, Financeiras, Tecnológicas e estratégias de Marketing das empresas. O nível dos trabalhos foi elevadíssimo e houve um grande destaque na importância da tecnologia da informação nas empresas, sendo que a sua utilização é fator chave para que as empresas mantenham a competitividade no mercado atual, onde a transformação tecnológica e globalização dos negócios é uma realidade. Muitos alunos desenvolveram sites para divulgar as empresas na Internet e manifestaram o interesse de colocar em prática seu plano de negócio e levar adiante os conhecimentos adquiridos nas aulas. Ressalta-se que o Projeto Empresa Simulada do Curso Técnico de Manutenção e Suporte em Informática do IFMG - Unidade João Monlevade não está vinculado à Empresa Simulada que é uma metodologia de capacitação adquirida em 1994 pelo SEBRAE Minas. O objetivo desta metodologia do SEBRAE é através de empresas virtuais, que estão inseridas num mercado também virtual, simular situações empresariais como existem na vida real. Essas empresas são coordenadas pelo CESBRASIL - Centro Brasileiro de Empresas Simuladas, cuja missão é proporcionar apoio operacional, representando o papel de Banco Central. Todas as transações comerciais internacionais das Empresas Simuladas são respaldadas pelo CESBRASIL junto ao EUROPEN, órgão que coordena as empresas simuladas em âmbito mundial, com sede na Alemanha. As Empresas Simuladas possuem linhas de produtos, serviços definidos, tabelas de preços e gestão própria, tudo pesquisado e analisado de acordo com a oferta e demanda por esses produtos no mercado real. (CESBRASIL, 2011). RESULTADOS O Projeto Empresa Simulada do IFMG Unidade João Monlevade, consistiu em integrar, de forma prática, não só os conteúdos das disciplinas Gestão em Informática I, II e III, aplicadas durante o curso, como também as disciplinas voltadas para Programação, Manutenção e Suporte em Informática. Através do Projeto Empresa Simulada observamos alguns aspectos comportamentais dos alunos: Desenvolvimento de atitudes empreendedoras: iniciativa, persistência e busca de informações; Perspectivas positivas em relação ao futuro profissional; Identificação de oportunidades de negócios na região; Melhoria da capacidade de expressão: perda da inibição e do medo de se expor em público, acompanhadas de mudanças na apresentação pessoal; Melhoria da auto-estima; Perspectiva de abertura de empreendimentos; Motivação para o trabalho em equipe e Conscientização da importância da cidadania. O Projeto Empresa Simulada foi uma oportunidade valiosa para que os alunos não só praticassem os conhecimentos gerenciais aprendidos em sala de aula, como também para que consolidassem a proposta de Educação Empreendedora do Curso.
  • 4. DISCUSSÃO A experiência de implantação da disciplina de Educação Empreendedora no curso técnico em Manutenção e Suporte em Informática mostrou-se desafiante e enriquecedora, onde buscamos o desenvolvimento das seguintes competências profissionais:  Conhecimentos  informação, atualização profissional, reciclagem constante;  Habilidades  maneira prática de aplicar o conhecimento na solução de problemas e situações;  Atitudes  capacidade de trabalhar em equipe, de comunicação oral e escrita, de apresentar novas ideias, de administrar o tempo e de atuar com autonomia para aprender. Integrar a teoria à prática na sala de aula é sempre um desafio. O conhecimento pode ser reproduzido e, para ser absorvido, necessita levar em conta o compromisso mútuo - do professor e do aluno. Através das estratégias didáticas adotadas como histórias de empreendedores de sucesso, a disciplina potencializou as oportunidades para aproximar os alunos da gestão dos pequenos negócios e dos riscos e oportunidades inerentes à atividade empresarial. Também a elaboração do projeto de negócios mostrou-se um importante instrumento como referência para que os potenciais empreendedores possam avaliar a viabilidade do negócio, seus entraves e barreiras, suas potencialidades de sucesso e expansão. CONCLUSÃO As práticas empreendedoras caracterizam como soluções técnicas com possibilidade de se transformar em empreendimentos executáveis que comprovadamente contribuam com o processo de desenvolvimento da comunidade. Para ser empreendedor, há que perseverar. O início do negócio próprio é sempre difícil, e os obstáculos põem à prova a capacidade de o empreendedor seguir em frente. Desistir é a saída mais fácil, mas a mais distante para a auto-realização. Não abrir mão de um sonho, de um desafio pessoal e de um comprometimento com todos os envolvidos faz parte do perfil do empreendedor que não se assusta com os percalços do caminho e supera o próprio limite. O empreendedor de sucesso é aquele que jamais desiste e está sempre aprimorando seus conhecimentos para conseguir melhores resultados. Em empreendedorismo um dos principais ensinamentos que podemos ter é o fato de que nada se constrói sozinho, sempre há a necessidade de trabalho em equipe. Qualquer projeto empreendedor sempre terá maiores chances de sucesso se a equipe envolvida for comprometida e agregar valor, trazendo o complemento necessário para a conclusão do trabalho. Concluindo, consideramos que o Projeto Empresa Simulada foi um sucesso e teve sua importância e relevância reconhecida pelos alunos. A pesquisa de avaliação realizada com os alunos no final do curso apontou que 62,2% dos alunos consideraram ótima a proposta de realização do Projeto de Empresa Simulada e o restante 37,8 %, também avaliaram positivamente considerando muito boa a iniciativa. Espera-se que, ao investir em desenvolvimento de conhecimento técnico e informações empreendedoras que possam auxiliar gestão dos pequenos negócios e na redução do índice de mortalidade das empresas, o Curso Técnico em Manutenção e Suporte em Informática esteja, também, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social.
  • 5. BIBLIOGRAFIA CESBRASIL. Centro Brasileiro de Empresas Simuladas. Disponƒvel em <http://www.cesbrasil.com.br>. Acesso em: 09 Maio 2011. CRUZ JR, Jo•o Benjamim; ARA•JO, Pedro da Costa; WOLF, S‡rgio Machado; RIBEIRO, Tatiana V. A. Empreendedorismo e Educação Empreendedora: Confronta€•o entre a teoria e prŠtica. Revista de Ci†ncias da Administra€•o - v. 8, n. 15, jan/jun 2006. DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor. 6. ed. S•o Paulo: Editora de Cultura, 1999. p. 280. DORNELAS, Jos‡ Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 3. Ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2008. p. 01-36. GEI. Global Education Initiative. Educating the Next Wave of Entrepreneurs: Unlocking entrepreneurial capabilities to meet the global challenges of the 21st Century. World Economic Forum. Switzerland, abr. 2009. Disponƒvel em: <http://members.weforum.org/pdf/GEI/2009/Entrepreneurship _Education_Report.pdf>. Acesso em: 09 Maio 2011. GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil 2010. Joana Paula Machado et al. Curitiba: 2011. Disponƒvel em: < http://www.sebrae.com.br/>. Acesso em: 29 Abr. 2011. LOPES, Rose Mary Almeida (Org.). Educação Empreendedora: conceitos, modelos e prŠticas. Rio de Janeiro: Elsevier; S•o Paulo: Sebrae, 2010. ROESE, Andr‡; BINOTTO, Erlaine; BŽLLAU, H‡lio. Empreendedorismo e a Cultura Empreendedora: um estudo de caso no Rio Grande do Sul. II SeminŠrio de Gest•o de NegŒcios. FAE Centro UniversitŠrio. Blumenau, 2005. Disponƒvel em: <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/IIseminario/gestao/gestao_08.pdf>. Acesso em: 25 Fev. 2010. SEBRAE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Fatores Condicionantes e Taxas de Sobrevivência e Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas no Brasil | 2003-2005. Brasƒlia, 2007. p. 60. Disponƒvel em: <http://www.sebrae.com.br/>. Acesso em: 12 Mar. 2011. SOUZA, Edna Castro Lucas de. Empreendedorismo: da gênesis à contemporaneidade. In: EGEPE – Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gest•o de Pequenas Empresas. 2005, Curitiba, Anais... Curitiba, 2005, p. 134-146.