SlideShare uma empresa Scribd logo
Negros e Indígenas
No Brasil
Racismo no Brasil: triste herança
Relacionar o contexto histórico da
colonização com os impactos na
história atual, como o preconceito,
formas de racismo e intolerância
cultural bem como o descaso para com
os indígenas.
Influência que do passado, impacta no
presente e reflexão sobre o racismo
presente no cotidiano
Objetivos
• https://www.youtube.com/watch?
v=SmXYCMfh-so
Vamos ouvir
e refletir
Quantas raças?
Uma: a raça humana, porém a sociedade
cria todos os dias diferenças= raça social
(fenótipos, As diferenças de cor, traços
faciais e textura do cabelo , etc)
Quais são os tipos de raças no Brasil?
Segundo a Classificação do IBGE: Brancos,
Pardos, Negros, Indígenas, Amarelos.
Origem do racismo
• Entre 1501 e 1870, mais de 12,5 milhões de africanos foram raptados, vendidos como escravos e
transportados para o continente americano. Desses, 1 em cada 4 eram enviados para o Brasil, cerca de 4,8
milhões.
• Na segunda metade do século XIX, o Brasil contava com uma grande população negra, uma intensificação das
fugas e da formação de quilombos, pressão internacional – especialmente da Inglaterra – pelo fim da escravidão e
a necessidade de se adequar ao capitalismo, que estava em processo de expansão no país. O Brasil foi o maior
território escravista do hemisfério ocidental, foi o último a extinguir o tráfico negreiro e a escravidão.
• A abolição, sem a criação de mecanismos para um recomeço de vida e que integrassem a população negra à
sociedade livre e baseada no trabalho assalariado, levou essa população a continuar na pobreza, sem trabalho
ou com empregos precários, vivendo nas periferias das cidades, afastada dos bairros centrais, sem escolaridade
e, por consequência, sem direito a participar da política.
• O projeto conservador de modernização do Brasil não teve o interesse em integrar a população negra, mesmo porque era
orientado por ideários racialistas que associavam a mestiçagem ao atraso, portanto modernizar significava branquear a
sociedade brasileira,
O racismo estrutural
• Está presente em todos os lugares e em diversos momentos, inclusive em comentários desrespeitosos, que na
maioria das vezes passam despercebidos sob esse olhar crítico, pois estão tão arraigados em nossa sociedade, que
não são vistos como racistas.
• Alguns comentários racistas ocorrem em nosso cotidiano e por vezes não são notados.
• Trata-se de um conjunto de práticas, hábitos, situações e falas embutido em nossos costumes e que promove, direta
ou indiretamente, a segregação ou o preconceito racial. Podemos tomar como exemplos duas situações:
1. O acesso de negros e indígenas a locais que foram, por muito tempo, espaços exclusivos da elite, como
universidades. O número de negros que tinham acesso aos cursos superiores de Medicina no Brasil antes das leis de
cotas era ínfimo, ao passo que a população negra estava relacionada, em sua maioria, à falta de acesso à escolaridade,
à pobreza e à exclusão social.
2. Falas e hábitos pejorativos incorporados ao nosso cotidiano tendem a reforçar essa forma de racismo, visto que
promovem a exclusão e o preconceito mesmo que indiretamente.
Will Smith e o
racismo estrutural
Racismo para debate e reflexão
Racismo para debate e reflexão
Racismo no Esporte
Durante um jogo da
Libertadores de 2014, o volante
Tinga, ex-Cruzeiro, foi vítima de
racismo durante uma partida
contra o Real Garcilaso-PER,
pela Copa Libertadores da
América. A torcida peruana
hostilizou o jogador ao imitar
sons de macaco quando ele
tocava na bola (foto: Washington
Alves/Cruzeiro)
• O lateral Daniel Alves foi alvo de
racismo numa partida entre
Barcelona e Villarreal. Um
torcedor lançou uma banana no
gramado para ofendê-lo, mas o
jogador respondeu comendo a
fruta. “Estou na Espanha há 11
anos e há 11 anos é dessa
maneira. Temos de rir dessa gente
atrasada”, disse (foto: AFP)
• Assim como Daniel Alves, Roberto
Carlos também foi insultado com
uma banana jogada das
arquibancadas. Em ação pelo
Campeonato Russo, porém, o ex-
lateral esquerdo reagiu de
maneira diferente e abandonou a
partida entre Anzhi e Krylia
Sovetov (foto: Sergio
Barzaghi/Gazeta Press)
Exemplos de racismo estrutural
• Falta de representatividade em programas de televisão
• Palavras da língua portuguesa: Alguns exemplos de palavras que se
utilizam do termo “negro” para referir-se a algo negativo são: Denegrir,
Lista negra, Mercado negro
• Falta de representatividade política: apesar de mais de 50% da
população brasileira se autodeclarar negra, apenas 17,8% dos
parlamentares que compõe o Congresso Federal é negra.
Democracia racial
• Democracia racial é o estado de plena igualdade entre as pessoas independentemente de
raça, cor ou etnia.
• No mundo atual, apesar do fim da escravização e da condenação de práticas e de
ideologias racistas, ainda não existe democracia racial, visto que há um abismo imenso
que segrega populações negras, indígenas e aborígenes da população branca.
• Quando falamos em democracia em sentido amplo, não estamos falando apenas de
possibilidade de participação política mas também de igualdade de direitos, igualdade
social, igualdade racial e liberdade garantida a todas as pessoas.
• Pensar em democracia racial requer, portanto, pensar em uma sociedade em que todas
as pessoas, independentemente de sua origem étnico-racial e da cor de suas peles,
sejam livres e tenham direitos iguais.
Expressões racistas
• “Cor de pele”: Aprende-se desde criança que “cor de pele” é aquele lápis meio rosado, meio bege. Mas é evidente que o tom não
representa a pele de todas as pessoas, principalmente em um país como o Brasil.
• “Doméstica”: Negros eram tratados como animais rebeldes e que precisavam de “corretivos”, para serem “domesticados”.
• “Mulata”: Na língua espanhola, referia-se ao filhote macho do cruzamento de cavalo com jumenta ou de jumento com égua. A
enorme carga pejorativa é ainda maior quando se diz “mulata tipo exportação”, reiterando a visão do corpo da mulher negra como
mercadoria.
• “Cor do pecado”: Utilizada como elogio, se associa ao imaginário da mulher negra sensualizada. A ideia de pecado também é ainda
mais negativa em uma sociedade pautada na religião, como a brasileira.
• Ter um pé na cozinha”: Forma racista de falar de uma pessoa com origem negra. Infeliz recordação do período da escravidão em que
o único lugar permitido às mulheres negras era a cozinha da casa grande.
• “Cabelo ruim”: Fios “rebeldes”, “cabelo duro”, “carapinha”, “mafuá”, “piaçava” e outros tantos derivados depreciam o cabelo afro. Por
vários séculos, causaram a negação do próprio corpo e a baixa autoestima entre as mulheres negras sem o “desejado” cabelo liso.
• “Denegrir”: Sinônimo de difamar, possui na raiz o significado de “tornar negro”, como algo maldoso e ofensivo, “manchando” uma
reputação antes “limpa”.
• “A coisa tá preta”: A fala racista se reflete na associação entre “preto” e uma situação desconfortável, desagradável, difícil, perigosa.
• Serviço de preto”: Mais uma vez a palavra preto aparece como algo ruim. Desta vez, representa uma tarefa malfeita, realizada de
forma errada, em uma associação racista ao trabalho que seria realizado pelo negro.
• Inveja branca: Mais uma expressão que associa o negro ao comportamento negativo. Inveja é algo ruim, mas se ela for branca é
suavizada.
Negros que marcaram a história
Autores colecionam um importante
legado de conhecimento, talento e
resistência em um país ainda
racista, são eles:
• Machado de Assis: Autodidata e
de origem humilde, Joaquim Maria
Machado de Assis (1839-1808)
nasceu no Morro do Livramento, no
Rio de Janeiro (RJ), e começou sua
carreira publicando sonetos e
folhetins em jornais cariocas.
Carolina Maria de
Jesus
• Moradora da Favela do Canindé, em São Paulo (SP), Carolina
Maria de Jesus (1914 – 1977
• Cursou apenas as primeiras séries do Ensino Básico, mas
costumava utilizar diários para registrar diversos detalhes sobre o
seu cotidiano difícil, marcado pela miséria, entre outras
dificuldades enfrentadas por uma mulher negra, pobre e mãe
daquela época. Em 1958 o jornalista Audálio Dantas foi à favela
do Canindé escrever uma matéria sobre o local, que se expandia
próximo ao Rio Tietê. O jornalista se encantou com a história de
Carolina e publicou parte do material em 1958 em um jornal do
grupo Folha de S. Paulo e em 1959 na revista .
• Essas publicações projetaram Carolina como escritora, e em
1960, a autora lançou sua obra mais conhecida, Quarto de
despejo, que contém parte dos relatos registrados em mais de 20
cadernos que possuía em casa. Atualmente, a obra já foi
traduzida para 14 idiomas e vendida em mais de 40 países.
• Em maio de 2017, a Universidade Federal do Rio Grande do
Sul (UFRGS) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
incluíram o livro Quarto de despejo como leitura obrigatória para
os seus vestibulares.
Alice Ball (1892 -
1916)
• Além de ser a primeira mulher a se
formar na Universidade do Havaí,
Alice criou, aos 23 anos, o método
Ball, um tratamento químico que
ajudou a curar a lepra e aliviou a vida
de centenas de pessoas, que não
foram mais obrigadas a se exilar de
suas famílias.
• Ball morreu aos 24 anos,
provavelmente por ter inalado gás
clorídrico no laboratório. Em todo ano
bissexto, no dia 29 de fevereiro,
comemora-se o Alice Ball Day no
Havaí.
Milton Santos
(1926 - 2001)
• Nascido em 3 de maio de 1926, em Brocas de
Macaíba (BA), Santos formou-se em Direito pela
Universidade Federal da Bahia (UFBA) e fez
doutorado em Geografia pela Universidade de
Estrasburgo. Ele trabalhou como jornalista, redator e
professor.
• Por causa do golpe militar em 1964, ele passou a
ser professor itirenante em diversos países e
faculdades, como a Paris-Sorbonne, na França e o
MIT (Massachusetts Institute of Technology). O
geógrafo retornou ao Brasil em 1977 e publicou o
livro "Por uma Geografia Nova" em 1978. Recebeu
20 títulos de Doutor Honoris Causa e fundou
laboratórios de geografia em países da Europa,
África e América. Santos foi o primeiro brasileiro a
ganhar o Prêmio Vautrin Lud (considerado o Nobel
da Geografia)
Patricia Bath (1942
- )
• Bath é a oftalmologista responsável
por criar o tratamento a laser para a
catarata, procedimento
revolucionário e bem menos
doloroso aos pacientes. Além disso,
ela também é fundadora do Instituto
Americano pela Prevenção da
Cegueira e sua attuação profissional
foi fundamental para ampliar o
oferecimento de serviços
oftalmológicos para comunidades
pobres.
Luiz Gama (1830 -
1882)
• Nascido na capital da Bahia, Salvador, Luiz Gonzaga
Pinto da Gama é considerado o Patrono da Abolição da
Escravidão do Brasil, pelo serviços prestados aos negros
escravizados na época em que viveu.
• Nasceu livre, filho de pai branco, de família portuguesa,
e mãe negra, mas foi escravizado aos 10 anos de idade e
assim permaneceu até o final da adolescência, quando
advogou pela sua própria liberdade, conseguindo-a.
• É considerado um dos raros intelectuais negros do Brasil
do século XIX, quando a escravidão ainda era legal e o
país vivia sob uma monarquia. Mesmo sem formação,
exercia advocacia, principalmente para libertação de
pessoas negras escravizadas ou acusadas de algum
crime. Também foi jornalista, e escritor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Preconceito racial
Preconceito racialPreconceito racial
Preconceito racial
estudosacademicospedag
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
Cristina de Souza
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
emrcja
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
Isaquel Silva
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Classes sociais
Classes sociaisClasses sociais
Classes sociais
Helder Padilha
 
Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racial
Maira Conde
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Consciência Negra
Consciência Negra Consciência Negra
Consciência Negra
NNDA1234
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Beatriz cerqueira frança
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
roberto mosca junior
 
Aculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacaoAculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacao
Suelly Francisco
 
Culturas jovens
Culturas jovensCulturas jovens
Culturas jovens
Edenilson Morais
 
O preconceito
O preconceitoO preconceito
O preconceito
jessica14121
 
Sociologia: Raça e Etnicidade
Sociologia: Raça e EtnicidadeSociologia: Raça e Etnicidade
Sociologia: Raça e Etnicidade
Uziram Silva
 

Mais procurados (20)

Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Preconceito racial
Preconceito racialPreconceito racial
Preconceito racial
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Classes sociais
Classes sociaisClasses sociais
Classes sociais
 
Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racial
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Consciência Negra
Consciência Negra Consciência Negra
Consciência Negra
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
 
Aculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacaoAculturacao assimilacao
Aculturacao assimilacao
 
Culturas jovens
Culturas jovensCulturas jovens
Culturas jovens
 
O preconceito
O preconceitoO preconceito
O preconceito
 
Sociologia: Raça e Etnicidade
Sociologia: Raça e EtnicidadeSociologia: Raça e Etnicidade
Sociologia: Raça e Etnicidade
 

Semelhante a Racismo para debate e reflexão

Orientação técnica temas transversais set.2012
Orientação técnica temas transversais set.2012Orientação técnica temas transversais set.2012
Orientação técnica temas transversais set.2012
Erica Frau
 
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptxSEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
AletciaRochadaSilva
 
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
culturaafro
 
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptx
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptxLetramento Racial e Educação Antirracista.pptx
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptx
MarceloSpitzner1
 
História-semana7-questão africana
História-semana7-questão africanaHistória-semana7-questão africana
História-semana7-questão africana
gisele75
 
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciaisCiência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
Dudu1980
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
Dudu1980
 
Oficina sobre Racismo e Cotas Raciais
Oficina sobre Racismo e Cotas RaciaisOficina sobre Racismo e Cotas Raciais
Oficina sobre Racismo e Cotas Raciais
Curisnho Popular Comunitário
 
Grupo 1 yasmin
Grupo 1   yasminGrupo 1   yasmin
Grupo 1 yasmin
Elisangela Prismit
 
Projeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e PreconceitoProjeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e Preconceito
WilsonRibeirodaSilva1
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
Osmar Cristian
 
Discriminacao racial no_brasil
Discriminacao racial no_brasilDiscriminacao racial no_brasil
Discriminacao racial no_brasil
Ana Carolina Martins
 
Análise da obra preleção antes do embarque
Análise da obra   preleção antes do embarqueAnálise da obra   preleção antes do embarque
Análise da obra preleção antes do embarque
LIVROS PSI
 
Atividade2 planodeaula marlis
Atividade2 planodeaula marlisAtividade2 planodeaula marlis
Atividade2 planodeaula marlis
Marlireis
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
VivianyLocatelli
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
Fabio Cruz
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
jasminebensinger
 
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
Tetsuo Matsunaga
 
Desigualdade como legado da escravidão no brasil
Desigualdade como legado da escravidão no brasilDesigualdade como legado da escravidão no brasil
Desigualdade como legado da escravidão no brasil
ProfessorRogerioSant
 

Semelhante a Racismo para debate e reflexão (20)

Orientação técnica temas transversais set.2012
Orientação técnica temas transversais set.2012Orientação técnica temas transversais set.2012
Orientação técnica temas transversais set.2012
 
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptxSEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 2019.pptx
 
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
 
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptx
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptxLetramento Racial e Educação Antirracista.pptx
Letramento Racial e Educação Antirracista.pptx
 
História-semana7-questão africana
História-semana7-questão africanaHistória-semana7-questão africana
História-semana7-questão africana
 
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciaisCiência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
 
Oficina sobre Racismo e Cotas Raciais
Oficina sobre Racismo e Cotas RaciaisOficina sobre Racismo e Cotas Raciais
Oficina sobre Racismo e Cotas Raciais
 
Grupo 1 yasmin
Grupo 1   yasminGrupo 1   yasmin
Grupo 1 yasmin
 
Projeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e PreconceitoProjeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e Preconceito
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Discriminacao racial no_brasil
Discriminacao racial no_brasilDiscriminacao racial no_brasil
Discriminacao racial no_brasil
 
Análise da obra preleção antes do embarque
Análise da obra   preleção antes do embarqueAnálise da obra   preleção antes do embarque
Análise da obra preleção antes do embarque
 
Atividade2 planodeaula marlis
Atividade2 planodeaula marlisAtividade2 planodeaula marlis
Atividade2 planodeaula marlis
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
 
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
Roteiro de Seminário sobre Lei 10639
 
Desigualdade como legado da escravidão no brasil
Desigualdade como legado da escravidão no brasilDesigualdade como legado da escravidão no brasil
Desigualdade como legado da escravidão no brasil
 

Mais de Adriana Gomes Messias

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
Adriana Gomes Messias
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
Adriana Gomes Messias
 
Fascismo
FascismoFascismo
Absolutismo na França e Inglaterra
Absolutismo na França e InglaterraAbsolutismo na França e Inglaterra
Absolutismo na França e Inglaterra
Adriana Gomes Messias
 
Agropecuaria
AgropecuariaAgropecuaria
Agropecuaria
Adriana Gomes Messias
 
Problemas ambientais
Problemas  ambientais Problemas  ambientais
Problemas ambientais
Adriana Gomes Messias
 
Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos
Adriana Gomes Messias
 
Terra planeta agua
Terra planeta aguaTerra planeta agua
Terra planeta agua
Adriana Gomes Messias
 
Diversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidadeDiversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidade
Adriana Gomes Messias
 
Ecotecnologia
EcotecnologiaEcotecnologia
Ecotecnologia
Adriana Gomes Messias
 
Cartografia
Cartografia Cartografia
Cartografia
Adriana Gomes Messias
 
As grandes navegacoes-portugal
As grandes navegacoes-portugalAs grandes navegacoes-portugal
As grandes navegacoes-portugal
Adriana Gomes Messias
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Adriana Gomes Messias
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Adriana Gomes Messias
 
Império Árabe
Império ÁrabeImpério Árabe
Império Árabe
Adriana Gomes Messias
 
Imperio bizantino 3_ano
Imperio bizantino 3_anoImperio bizantino 3_ano
Imperio bizantino 3_ano
Adriana Gomes Messias
 
Biomas do mundo_e_brasil
Biomas do mundo_e_brasilBiomas do mundo_e_brasil
Biomas do mundo_e_brasil
Adriana Gomes Messias
 
Fontes de energia.i_ipptx
Fontes de energia.i_ipptxFontes de energia.i_ipptx
Fontes de energia.i_ipptx
Adriana Gomes Messias
 
Indochina e guerra_do_vietna
Indochina e guerra_do_vietnaIndochina e guerra_do_vietna
Indochina e guerra_do_vietna
Adriana Gomes Messias
 

Mais de Adriana Gomes Messias (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
Fascismo
FascismoFascismo
Fascismo
 
Absolutismo na França e Inglaterra
Absolutismo na França e InglaterraAbsolutismo na França e Inglaterra
Absolutismo na França e Inglaterra
 
Agropecuaria
AgropecuariaAgropecuaria
Agropecuaria
 
Problemas ambientais
Problemas  ambientais Problemas  ambientais
Problemas ambientais
 
Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos
 
Terra planeta agua
Terra planeta aguaTerra planeta agua
Terra planeta agua
 
Diversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidadeDiversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidade
 
Ecotecnologia
EcotecnologiaEcotecnologia
Ecotecnologia
 
Cartografia
Cartografia Cartografia
Cartografia
 
As grandes navegacoes-portugal
As grandes navegacoes-portugalAs grandes navegacoes-portugal
As grandes navegacoes-portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Império Árabe
Império ÁrabeImpério Árabe
Império Árabe
 
Imperio bizantino 3_ano
Imperio bizantino 3_anoImperio bizantino 3_ano
Imperio bizantino 3_ano
 
Biomas do mundo_e_brasil
Biomas do mundo_e_brasilBiomas do mundo_e_brasil
Biomas do mundo_e_brasil
 
Fontes de energia.i_ipptx
Fontes de energia.i_ipptxFontes de energia.i_ipptx
Fontes de energia.i_ipptx
 
Indochina e guerra_do_vietna
Indochina e guerra_do_vietnaIndochina e guerra_do_vietna
Indochina e guerra_do_vietna
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Racismo para debate e reflexão

  • 1. Negros e Indígenas No Brasil Racismo no Brasil: triste herança
  • 2. Relacionar o contexto histórico da colonização com os impactos na história atual, como o preconceito, formas de racismo e intolerância cultural bem como o descaso para com os indígenas. Influência que do passado, impacta no presente e reflexão sobre o racismo presente no cotidiano Objetivos
  • 4. Quantas raças? Uma: a raça humana, porém a sociedade cria todos os dias diferenças= raça social (fenótipos, As diferenças de cor, traços faciais e textura do cabelo , etc) Quais são os tipos de raças no Brasil? Segundo a Classificação do IBGE: Brancos, Pardos, Negros, Indígenas, Amarelos.
  • 5. Origem do racismo • Entre 1501 e 1870, mais de 12,5 milhões de africanos foram raptados, vendidos como escravos e transportados para o continente americano. Desses, 1 em cada 4 eram enviados para o Brasil, cerca de 4,8 milhões. • Na segunda metade do século XIX, o Brasil contava com uma grande população negra, uma intensificação das fugas e da formação de quilombos, pressão internacional – especialmente da Inglaterra – pelo fim da escravidão e a necessidade de se adequar ao capitalismo, que estava em processo de expansão no país. O Brasil foi o maior território escravista do hemisfério ocidental, foi o último a extinguir o tráfico negreiro e a escravidão. • A abolição, sem a criação de mecanismos para um recomeço de vida e que integrassem a população negra à sociedade livre e baseada no trabalho assalariado, levou essa população a continuar na pobreza, sem trabalho ou com empregos precários, vivendo nas periferias das cidades, afastada dos bairros centrais, sem escolaridade e, por consequência, sem direito a participar da política. • O projeto conservador de modernização do Brasil não teve o interesse em integrar a população negra, mesmo porque era orientado por ideários racialistas que associavam a mestiçagem ao atraso, portanto modernizar significava branquear a sociedade brasileira,
  • 6. O racismo estrutural • Está presente em todos os lugares e em diversos momentos, inclusive em comentários desrespeitosos, que na maioria das vezes passam despercebidos sob esse olhar crítico, pois estão tão arraigados em nossa sociedade, que não são vistos como racistas. • Alguns comentários racistas ocorrem em nosso cotidiano e por vezes não são notados. • Trata-se de um conjunto de práticas, hábitos, situações e falas embutido em nossos costumes e que promove, direta ou indiretamente, a segregação ou o preconceito racial. Podemos tomar como exemplos duas situações: 1. O acesso de negros e indígenas a locais que foram, por muito tempo, espaços exclusivos da elite, como universidades. O número de negros que tinham acesso aos cursos superiores de Medicina no Brasil antes das leis de cotas era ínfimo, ao passo que a população negra estava relacionada, em sua maioria, à falta de acesso à escolaridade, à pobreza e à exclusão social. 2. Falas e hábitos pejorativos incorporados ao nosso cotidiano tendem a reforçar essa forma de racismo, visto que promovem a exclusão e o preconceito mesmo que indiretamente.
  • 7. Will Smith e o racismo estrutural
  • 11. Durante um jogo da Libertadores de 2014, o volante Tinga, ex-Cruzeiro, foi vítima de racismo durante uma partida contra o Real Garcilaso-PER, pela Copa Libertadores da América. A torcida peruana hostilizou o jogador ao imitar sons de macaco quando ele tocava na bola (foto: Washington Alves/Cruzeiro)
  • 12. • O lateral Daniel Alves foi alvo de racismo numa partida entre Barcelona e Villarreal. Um torcedor lançou uma banana no gramado para ofendê-lo, mas o jogador respondeu comendo a fruta. “Estou na Espanha há 11 anos e há 11 anos é dessa maneira. Temos de rir dessa gente atrasada”, disse (foto: AFP)
  • 13. • Assim como Daniel Alves, Roberto Carlos também foi insultado com uma banana jogada das arquibancadas. Em ação pelo Campeonato Russo, porém, o ex- lateral esquerdo reagiu de maneira diferente e abandonou a partida entre Anzhi e Krylia Sovetov (foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
  • 14. Exemplos de racismo estrutural • Falta de representatividade em programas de televisão • Palavras da língua portuguesa: Alguns exemplos de palavras que se utilizam do termo “negro” para referir-se a algo negativo são: Denegrir, Lista negra, Mercado negro • Falta de representatividade política: apesar de mais de 50% da população brasileira se autodeclarar negra, apenas 17,8% dos parlamentares que compõe o Congresso Federal é negra.
  • 15. Democracia racial • Democracia racial é o estado de plena igualdade entre as pessoas independentemente de raça, cor ou etnia. • No mundo atual, apesar do fim da escravização e da condenação de práticas e de ideologias racistas, ainda não existe democracia racial, visto que há um abismo imenso que segrega populações negras, indígenas e aborígenes da população branca. • Quando falamos em democracia em sentido amplo, não estamos falando apenas de possibilidade de participação política mas também de igualdade de direitos, igualdade social, igualdade racial e liberdade garantida a todas as pessoas. • Pensar em democracia racial requer, portanto, pensar em uma sociedade em que todas as pessoas, independentemente de sua origem étnico-racial e da cor de suas peles, sejam livres e tenham direitos iguais.
  • 16. Expressões racistas • “Cor de pele”: Aprende-se desde criança que “cor de pele” é aquele lápis meio rosado, meio bege. Mas é evidente que o tom não representa a pele de todas as pessoas, principalmente em um país como o Brasil. • “Doméstica”: Negros eram tratados como animais rebeldes e que precisavam de “corretivos”, para serem “domesticados”. • “Mulata”: Na língua espanhola, referia-se ao filhote macho do cruzamento de cavalo com jumenta ou de jumento com égua. A enorme carga pejorativa é ainda maior quando se diz “mulata tipo exportação”, reiterando a visão do corpo da mulher negra como mercadoria. • “Cor do pecado”: Utilizada como elogio, se associa ao imaginário da mulher negra sensualizada. A ideia de pecado também é ainda mais negativa em uma sociedade pautada na religião, como a brasileira. • Ter um pé na cozinha”: Forma racista de falar de uma pessoa com origem negra. Infeliz recordação do período da escravidão em que o único lugar permitido às mulheres negras era a cozinha da casa grande. • “Cabelo ruim”: Fios “rebeldes”, “cabelo duro”, “carapinha”, “mafuá”, “piaçava” e outros tantos derivados depreciam o cabelo afro. Por vários séculos, causaram a negação do próprio corpo e a baixa autoestima entre as mulheres negras sem o “desejado” cabelo liso. • “Denegrir”: Sinônimo de difamar, possui na raiz o significado de “tornar negro”, como algo maldoso e ofensivo, “manchando” uma reputação antes “limpa”. • “A coisa tá preta”: A fala racista se reflete na associação entre “preto” e uma situação desconfortável, desagradável, difícil, perigosa. • Serviço de preto”: Mais uma vez a palavra preto aparece como algo ruim. Desta vez, representa uma tarefa malfeita, realizada de forma errada, em uma associação racista ao trabalho que seria realizado pelo negro. • Inveja branca: Mais uma expressão que associa o negro ao comportamento negativo. Inveja é algo ruim, mas se ela for branca é suavizada.
  • 17. Negros que marcaram a história Autores colecionam um importante legado de conhecimento, talento e resistência em um país ainda racista, são eles: • Machado de Assis: Autodidata e de origem humilde, Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1808) nasceu no Morro do Livramento, no Rio de Janeiro (RJ), e começou sua carreira publicando sonetos e folhetins em jornais cariocas.
  • 18. Carolina Maria de Jesus • Moradora da Favela do Canindé, em São Paulo (SP), Carolina Maria de Jesus (1914 – 1977 • Cursou apenas as primeiras séries do Ensino Básico, mas costumava utilizar diários para registrar diversos detalhes sobre o seu cotidiano difícil, marcado pela miséria, entre outras dificuldades enfrentadas por uma mulher negra, pobre e mãe daquela época. Em 1958 o jornalista Audálio Dantas foi à favela do Canindé escrever uma matéria sobre o local, que se expandia próximo ao Rio Tietê. O jornalista se encantou com a história de Carolina e publicou parte do material em 1958 em um jornal do grupo Folha de S. Paulo e em 1959 na revista . • Essas publicações projetaram Carolina como escritora, e em 1960, a autora lançou sua obra mais conhecida, Quarto de despejo, que contém parte dos relatos registrados em mais de 20 cadernos que possuía em casa. Atualmente, a obra já foi traduzida para 14 idiomas e vendida em mais de 40 países. • Em maio de 2017, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) incluíram o livro Quarto de despejo como leitura obrigatória para os seus vestibulares.
  • 19. Alice Ball (1892 - 1916) • Além de ser a primeira mulher a se formar na Universidade do Havaí, Alice criou, aos 23 anos, o método Ball, um tratamento químico que ajudou a curar a lepra e aliviou a vida de centenas de pessoas, que não foram mais obrigadas a se exilar de suas famílias. • Ball morreu aos 24 anos, provavelmente por ter inalado gás clorídrico no laboratório. Em todo ano bissexto, no dia 29 de fevereiro, comemora-se o Alice Ball Day no Havaí.
  • 20. Milton Santos (1926 - 2001) • Nascido em 3 de maio de 1926, em Brocas de Macaíba (BA), Santos formou-se em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e fez doutorado em Geografia pela Universidade de Estrasburgo. Ele trabalhou como jornalista, redator e professor. • Por causa do golpe militar em 1964, ele passou a ser professor itirenante em diversos países e faculdades, como a Paris-Sorbonne, na França e o MIT (Massachusetts Institute of Technology). O geógrafo retornou ao Brasil em 1977 e publicou o livro "Por uma Geografia Nova" em 1978. Recebeu 20 títulos de Doutor Honoris Causa e fundou laboratórios de geografia em países da Europa, África e América. Santos foi o primeiro brasileiro a ganhar o Prêmio Vautrin Lud (considerado o Nobel da Geografia)
  • 21. Patricia Bath (1942 - ) • Bath é a oftalmologista responsável por criar o tratamento a laser para a catarata, procedimento revolucionário e bem menos doloroso aos pacientes. Além disso, ela também é fundadora do Instituto Americano pela Prevenção da Cegueira e sua attuação profissional foi fundamental para ampliar o oferecimento de serviços oftalmológicos para comunidades pobres.
  • 22. Luiz Gama (1830 - 1882) • Nascido na capital da Bahia, Salvador, Luiz Gonzaga Pinto da Gama é considerado o Patrono da Abolição da Escravidão do Brasil, pelo serviços prestados aos negros escravizados na época em que viveu. • Nasceu livre, filho de pai branco, de família portuguesa, e mãe negra, mas foi escravizado aos 10 anos de idade e assim permaneceu até o final da adolescência, quando advogou pela sua própria liberdade, conseguindo-a. • É considerado um dos raros intelectuais negros do Brasil do século XIX, quando a escravidão ainda era legal e o país vivia sob uma monarquia. Mesmo sem formação, exercia advocacia, principalmente para libertação de pessoas negras escravizadas ou acusadas de algum crime. Também foi jornalista, e escritor