SlideShare uma empresa Scribd logo
Questões Estilo CESPE - Lei de Drogas – Lei nº11.343/06
875 - (CESPE / Analista Processual – MPU / 2010) Em relação ao crime
detráfico de drogas, considera-se, tráfico privilegiado o praticado por
agente primário, com bons antecedentes criminais, que não se dedica a
atividades criminosas nem integra organização criminosa, sendo-lhe
aplicada a redução de pena de um sexto a dois terços,
independentemente de o tráfico ser nacional ou internacional e da
quantidade ou espécie de droga apreendida, ainda que a pena mínima
fique aquém do mínimo legal.
876 -(CESPE / Promotor - MPE-SE / 2010) A legislação em vigor admite
afixação de regime inicial diverso do fechado aos condenados pela
prática de crime de tráfico de drogas, desde que as circunstâncias
judiciais e o quantum da pena assim autorizem, conforme entendimento
consolidado no STJ.
877 -(CESPE/ Promotor - MPE-SE / 2010) Para o STJ, os preceitos
legais em vigor impedem a conversão da pena corporal em restritiva de
direitos no caso de condenado por tráfico ilícito de substância
entorpecente.
878 -(CESPE/ Promotor – MPE-RR / 2010) Segundo a Lei Antidrogas,
para determinar se a droga apreendida sob a posse de um indivíduo
destina-se a consumo pessoal, o juiz deve-se ater à natureza e à
quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se
desenvolveu a ação, desconsiderando as circunstâncias sociais e pessoais
e também a conduta e os antecedentes do agente, sob pena de violação
do princípio da presunção de inocência.
879 -(CESPE / Promotor – MPE-RR / 2010) Como a Lei Antidrogas não prevêa
aplicação de medida educativa o agente apenado por portar drogas para
consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com
determinação legal ou regulamentar, devem ser aplicadas as regras
pertinentes do CP.
880 -(CESPE/ Promotor - MPE-ES / 2010) Segundo a Lei Antidrogas,
para determinar se a droga apreendida sob a posse de um indivíduo
destina-se a consumo pessoal, o juiz deve-se ater à natureza e à
quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se
desenvolveu a ação, desconsiderando as circunstâncias sociais e pessoais
e também a conduta e os antecedentes do agente, sob pena de violação
do princípio da presunção de inocência.
881 -(CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2010) O atual procedimento adotado
nos crimes de tráfico de drogas estabelece a necessidade de notificação
do acusado, antes do recebimento da denúncia, para que o mesmo
apresente indispensável defesa prévia, bem como estabelece a realização
do interrogatório ao final da instrução e veda, de forma expressa, a
absolvição sumária.
882 -(CESPE/ Defensor Público - DPU / 2010) No que concerne ao
processo e ao procedimento dos crimes de tráfico de entorpecentes, é
correto afirmar que circunstâncias inerentes à conduta criminosa não
podem, sob pena de bis in idem, justificar o aumento da reprimenda.
883- (CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que
uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de
drogas, a autoridade de polícia judiciária deve fazer, imediatamente,
comunicação ao juiz competente, remetendo-lhe cópia do auto lavrado, do
qual será dada vista ao órgão do MP, em 24 horas.
884- (CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que
uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de
drogas, para efeito da lavratura do auto de prisão em flagrante e
estabelecimento da materialidade do delito, é prescindível o laudo de
constatação da natureza e quantidade da droga.
885 -(CESPE / Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando
que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de
drogas, o inquérito policial será concluído no prazo de 30 dias, se o
indiciado estiver preso, e de 45 dias, se estiver solto.
886- (CESPE / Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando
que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de
drogas, a ausência do relatório circunstanciado torna nulo o inquérito
policial.
887 -(CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que
uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de
drogas, a autoridade policial, após relatar o inquérito, deverá remeter os autos
à justiça, que os encaminhará ao MP. Depoisdisso, a autoridade policial
não poderá, de ofício, continuar a investigação, colhendo outras provas.
888 -(CESPE/ Agente da Polícia Federal - DPF / 2009) Nos crimes de
tráfico de substâncias entorpecentes, é isento de pena o agente que, em
razão da dependência ou sob o efeito, proveniente de caso fortuito ou
força maior, de droga, era, ao tempo da ação ou da omissão, qualquer
que tenha sido a infração penal praticada, inteiramente incapaz de
entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse
entendimento.
889 -(CESPE / Agente da Polícia Federal - DPF / 2009) É atípica, por
falta de previsão na legislação pertinente ao assunto, a conduta do
agente que simplesmente colabora, como informante, com grupo ou
associação destinada ao tráfico ilícito de entorpecentes.
890 -(CESPE / Agente - PC-PB / 2009) Findo o prazo para conclusão do
inquéritona apuração de crime de tráfico ilícito, a autoridade policial
remete os autos ao juízo competente, relatando sumariamente as
circunstâncias do fato, sendo-lhe vedado justificar as razões que a
levaram à classificação do delito.
891 -(CESPE/ Agente PC-PB / 2009) É legalmente vedada a nãoatuação
policial aos portadores de drogas, a seus precursores químicos ou a
outros produtos utilizados em sua produção, que se encontrem no
território brasileiro.
892- (CESPE / Delegado PC-PB / 2009) No caso de porte de substância
entorpecentepara uso próprio, não se impõe prisão em flagrante, devendo
o autor de fato ser imediatamente encaminhado ao juízo competente ou,
na falta deste, assumir o compromisso de a ele comparecer.
893 - (CESPE/ Agente PC-PB / 2009) No crime de tráfico de drogas,
para a lavratura do auto de prisão em flagrante, é suficiente o laudo de
constatação da natureza e quantidade da droga, o qual será
necessariamente firmado por perito oficial.
894- (CESPE / Delegado - PC-PB / 2009) O IP relativo a indiciado preso por
tráfico de drogas deve ser concluído no prazo de 30 dias, não havendo
possibilidade de prorrogação do prazo. Aautoridade policial pode, todavia,
realizar diligências complementares e remetê-las posteriormente ao juízo
competente.
895 -(CESPE/ Defensor Público - DPE-AL / 2009) As medidas alternativas
impostas em razão de uma transação penal e aquelas previstas no art. 28
da Lei n.º 11.343/2006 (usuário de droga) não geram os efeitos penais gerais
próprios de uma sanção penal.
896 -(CESPE / Defensor Público - DPE-ES / 2009) Na hipótese de posse
dedrogas para consumo pessoal, não se impõe prisão em flagrante.
Nessa situação, o autor do fato deve ser imediatamente encaminhado ao
juízocompetente ou, na falta desse, assumir o compromisso de a ele
comparecer, lavrando-se termo circunstanciado e providenciando-se as
requisições dos exames e das perícias necessários.
897 -(CESPE / Policial Rodoviário Federal - PRF - Curso de formação /
2008) Considere que Joaquim, penalmente imputável, foi abordado em
uma barreira policial e, após vistoria em seu veículo, foi encontrada
pequena quantidade de maconha. Indagadoa respeito, Joaquim alegou
que a droga se destinava a consumo pessoal. Nessasituação, uma vez
demonstrada a alegação de Joaquim, o policial responsável pela diligência
deverá apreender a substância e liberar o usuário mediante admoestação
verbal.
898 -(CESPE/ Policial Rodoviário Federal - PRF - Curso de formação /
2008) A legislação em vigor acerca do tráfico ilícito de entorpecente
possibilita ao condenado por tráfico ilícito de entorpecente, desde que
seja réu primário, com bons antecedentes e que não se dedique às
atividades criminosas nem integre organização criminosa, a redução de
um sexto a dois terços de sua pena, bem como a conversão desta em
penas restritivas de direitos, desde que cumpridos os mesmos requisitos
exigidos para a redução da pena.
899 - (CESPE / Promotor - MPE-RO / 2008) Ainda que o fato tenha sido
cometidoantes da vigência da Lei n.º 11.343/2006 e que o condenado
preencha os requisitos dispostos no art. 44 do CP, não é possível a
substituição da pena privativa de liberdade por penas restritivas de 900.
900 -(CESPE/Promotor- MPE-RO / 2008) Dispõe a Lei n.º 11.343/2006,
quanto ao crime de tráfico ilícito de entorpecente, que "as penas poderão ser
reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a conversão em penas
restritivas de direitos, desde que o agente seja primário, de bons
antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre
organização criminosa.". Considerando que a lei anterior não possuíaredação
similar, o Juízo das Execuções Criminais poderá facultar ao condenado por
crime de tráfico de entorpecentes, sob a égide da Lei n.º 6.368/1976, que
preencha tais condições, a opção entre o regramento antigo e o atual,
tendo em vista que a pena de multa sofreu significativo aumento, não
havendo como afirmar, nesse aspecto, qual das leis é mais severa.
901 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) A competência para processar
e julgar crimes de tráfico ilícito de entorpecentes é, em regra, da justiça
estadual, exceto se caracterizado ilícito transnacional, quando a competência
será da justiça federal. Nesse contexto, a probabilidade de adroga ser de
origem estrangeira é suficiente para deslocar a competência da justiça
estadual para a justiça federal.
902 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) É nula a sentença penal
condenatória por crime de tráfico ilícito de entorpecentes cuja pena-base tenha
sido exacerbada com base na quantidade da droga apreendida,
entendendo-se, assim, haver maior censurabilidade da conduta
(culpabilidade), tendo em vista que tal critério é expressamente previsto
na legislação respectiva como definidor na conduta do agente, isto é, se
uso ou tráfico.
903 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) A inobservância do rito
procedimental estabelecido pela Lei n.º 11.343/2006 quanto à intimação e
conseqüente apresentação de defesa preliminar constitui causa de
nulidade relativa, sendo, pois, necessário que se comprove o prejuízo,
restando preclusa a alegação, se não for feita no momento oportuno.
904 - (CESPE/ Agente – PC-TO / 2008) Considere que determinado
cidadão guardasse, em sua residência, cerca de 21 kg de cocaína, em
depósito, para fins de mercancia e que, durante uma busca realizada por
ordem judicial em sua casa, a droga tenha sido encontrada e os fatos
tenham sido imediatamente apresentados à autoridade policial competente.
Nessasituação, esse cidadão não pode ser preso em flagrante, pois, no
momento da abordagem, ele não praticava nenhum ato típico da
traficância.
905 - (CESPE / Agente – PC-PB / 2007) Um indivíduo que seja preso em
flagrantepelo delito de tráfico ilícito de substância entorpecente poderá ser
beneficiado com a liberdade provisória, mediante o pagamento de fiança.
906 - (CESPE / Juiz – TRF 5ª Região / 2007) No que concerne ao crime
detráfico de entorpecentes, NÂO constitui causa de aumento de pena,
prevista expressamente na Lei no11.343/2006, praticar o delito visando pessoa
maior de 60 anos de idade.
907 - (CESPE/ Juiz – TJ-AC / 2007) A nova Lei de Drogas (Lei n.º
11.343/2006) estabelece um rol de penas possíveis para a pessoa que
adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo, para uso
pessoal, drogas ilícitas. Paradeterminar se a droga se destinava ao
consumo pessoal, o juiz observará apenas a natureza e a quantidade da droga.
908 - (CESPE / Juiz – TJ-TO / 2007) A respeito do crime de tráfico ilícito
deentorpecentes, o inquérito policial deve ser concluído no prazo de 30
dias, caso o indiciado esteja preso, e no de 60 dias, caso este esteja solto.
909 - (CESPE / Juiz – TJ-TO / 2007) A Lei n.º 11.343/2006 possibilita o
livramentocondicional ao condenado por tráfico ilícito de entorpecente após
o cumprimento de três quintos da pena de condenação, em caso de réu
primário, e dois terços, em caso de réu reincidente, ainda que específico.
910 - (CESPE / OAB-CE / 2007) A conduta daquele que, para consumo
pessoal, cultiva plantas destinadas à preparação de substância capaz de
causar dependência física ou psíquica permanece sem tipificação.
911 - (CESPE/ OAB-CE / 2007) É possível, além das penas de
advertência, prestação de serviços à comunidade ou medida educativa, a
imposição de pena privativa de liberdade ao usuário de drogas.
912 - (CESPE / OAB-CE / 2007) O porte de drogas tornou-se infração de
menorpotencial ofensivo, estando sujeito ao procedimento da Lei n.º
9.099/1995, que dispõe sobre os juizados especiais criminais.
913 - (CESPE/ OAB-CE / 2007) Poderá ser imposta ao usuário de drogas
prisão em flagrante, devendo o autuado ser encaminhado ao juízo competente
para que este se manifeste sobre a manutenção da prisão, após a
lavratura do termo circunstanciado.
914 - (CESPE/ Perito Médico Legista - PC-AC / 2006) A lei repressiva
pune o consumo de substância entorpecente ou que determine
dependência física ou psíquica.
915 - (CESPE/ Perito Médico Legista - PC-AC / 2006) A lei prevê a
modalidade de crime culposo para os profissionais que prescrevem ou
ministram, aleatória e (ou) indevidamente, as referidas substâncias a
pacientes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões processo penal-inquérito, ação
Questões processo penal-inquérito, açãoQuestões processo penal-inquérito, ação
Questões processo penal-inquérito, ação
luciana_salgueiro
 
Questões aplicação lei processual penal, princípios
Questões aplicação lei processual penal, princípiosQuestões aplicação lei processual penal, princípios
Questões aplicação lei processual penal, princípios
luciana_salgueiro
 
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
José Sabe-Tudo
 
A fase pré processual
A fase pré processualA fase pré processual
A fase pré processual
Bianca Nathalia
 
Lei 11.343.2006
Lei 11.343.2006Lei 11.343.2006
Lei 11343
Lei 11343Lei 11343
Lei 11343
Marcos Girão
 
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
Marcos Girão
 
As Recentes Reformas Legislativas Criminais
As Recentes Reformas Legislativas CriminaisAs Recentes Reformas Legislativas Criminais
As Recentes Reformas Legislativas Criminais
Marcelo Gomes Freire
 
Apostila resumo - pm-pa (direito processual penal)
Apostila   resumo - pm-pa (direito processual penal)Apostila   resumo - pm-pa (direito processual penal)
Apostila resumo - pm-pa (direito processual penal)
profrenanaraujo
 
Resumo Lei 9099/95
Resumo Lei 9099/95Resumo Lei 9099/95
Resumo Lei 9099/95
Felipe Emanuel
 
Tópicos aulas 03 e 04 - lei de drogas
Tópicos   aulas 03 e 04 - lei de drogasTópicos   aulas 03 e 04 - lei de drogas
Tópicos aulas 03 e 04 - lei de drogas
crisdupret
 
Lei de drogas
Lei de drogasLei de drogas
Lei de drogas
Flavio_Laudares
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
Prof. Rogerio Cunha
 
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
Franco Nassaro
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Prisão em flagrante
Prisão em flagrantePrisão em flagrante
Prisão em flagrante
Fabricio Cunha
 
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
deputadamarina
 
Aula sobre Inquérito Policial
Aula sobre Inquérito PolicialAula sobre Inquérito Policial
Aula sobre Inquérito Policial
Johnny Batista Guimaraes
 
Juizados especiais criminais – lei 9099
Juizados especiais criminais – lei 9099Juizados especiais criminais – lei 9099
Juizados especiais criminais – lei 9099
thiago sturmer
 

Mais procurados (19)

Questões processo penal-inquérito, ação
Questões processo penal-inquérito, açãoQuestões processo penal-inquérito, ação
Questões processo penal-inquérito, ação
 
Questões aplicação lei processual penal, princípios
Questões aplicação lei processual penal, princípiosQuestões aplicação lei processual penal, princípios
Questões aplicação lei processual penal, princípios
 
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
S. Gurgel - Processual Penal e Legislação Especial 19/07
 
A fase pré processual
A fase pré processualA fase pré processual
A fase pré processual
 
Lei 11.343.2006
Lei 11.343.2006Lei 11.343.2006
Lei 11.343.2006
 
Lei 11343
Lei 11343Lei 11343
Lei 11343
 
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
10 Anos de Lei Seca e o crime do art. 306 do CTB
 
As Recentes Reformas Legislativas Criminais
As Recentes Reformas Legislativas CriminaisAs Recentes Reformas Legislativas Criminais
As Recentes Reformas Legislativas Criminais
 
Apostila resumo - pm-pa (direito processual penal)
Apostila   resumo - pm-pa (direito processual penal)Apostila   resumo - pm-pa (direito processual penal)
Apostila resumo - pm-pa (direito processual penal)
 
Resumo Lei 9099/95
Resumo Lei 9099/95Resumo Lei 9099/95
Resumo Lei 9099/95
 
Tópicos aulas 03 e 04 - lei de drogas
Tópicos   aulas 03 e 04 - lei de drogasTópicos   aulas 03 e 04 - lei de drogas
Tópicos aulas 03 e 04 - lei de drogas
 
Lei de drogas
Lei de drogasLei de drogas
Lei de drogas
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
 
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
Considerações sobre juizado de instrução criminal, força policial 41, 2004
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
 
Prisão em flagrante
Prisão em flagrantePrisão em flagrante
Prisão em flagrante
 
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
 
Aula sobre Inquérito Policial
Aula sobre Inquérito PolicialAula sobre Inquérito Policial
Aula sobre Inquérito Policial
 
Juizados especiais criminais – lei 9099
Juizados especiais criminais – lei 9099Juizados especiais criminais – lei 9099
Juizados especiais criminais – lei 9099
 

Semelhante a Questões estilo cespe-drogas

Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPEQuestões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Gabriel Revoredo
 
Foca no-resumo-lei-de-drogas2
Foca no-resumo-lei-de-drogas2Foca no-resumo-lei-de-drogas2
Foca no-resumo-lei-de-drogas2
Eduardo Moreira
 
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO CIRCULAR 6 DE 2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO   CIRCULAR 6 DE 2012SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO   CIRCULAR 6 DE 2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO CIRCULAR 6 DE 2012
António Neto
 
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO - circular 6-2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO -   circular 6-2012SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO -   circular 6-2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO - circular 6-2012
António Neto
 
2009 11-12-veiculoapreendido
2009 11-12-veiculoapreendido2009 11-12-veiculoapreendido
2009 11-12-veiculoapreendido
Wolfgang Saffran
 
simulada-pf-final
simulada-pf-finalsimulada-pf-final
simulada-pf-final
Neon Online
 
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.pptAPRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
CiroAdams1
 
01. simulado direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
01. simulado   direitos e garantias - cespe (20 questões).docx01. simulado   direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
01. simulado direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
Antonio Augusto Gomes Paiva
 
Questões-Processo-Penal.pdf
Questões-Processo-Penal.pdfQuestões-Processo-Penal.pdf
Questões-Processo-Penal.pdf
Lidiane Dias
 
Proporcionalidade
ProporcionalidadeProporcionalidade
Proporcionalidade
asppernambuco
 
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizadaLei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Marcos Girão
 
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizado
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizadoDefesa previa lei antidrogas modelo atualizado
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizado
Helio da Silva
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
geouerjvictor
 
Processo penal jhony - 27 - 05 - 2017
Processo penal   jhony - 27 - 05 - 2017Processo penal   jhony - 27 - 05 - 2017
Processo penal jhony - 27 - 05 - 2017
Neon Online
 
Anna carolina de oliveira nacle
Anna carolina de oliveira nacleAnna carolina de oliveira nacle
Anna carolina de oliveira nacle
ana karla vieira
 

Semelhante a Questões estilo cespe-drogas (15)

Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPEQuestões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
Questões de Direito Penal comentadas FCC e CESPE
 
Foca no-resumo-lei-de-drogas2
Foca no-resumo-lei-de-drogas2Foca no-resumo-lei-de-drogas2
Foca no-resumo-lei-de-drogas2
 
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO CIRCULAR 6 DE 2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO   CIRCULAR 6 DE 2012SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO   CIRCULAR 6 DE 2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO CIRCULAR 6 DE 2012
 
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO - circular 6-2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO -   circular 6-2012SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO -   circular 6-2012
SUSPENSÃO PROVISÓRIA DO PROCESSO - circular 6-2012
 
2009 11-12-veiculoapreendido
2009 11-12-veiculoapreendido2009 11-12-veiculoapreendido
2009 11-12-veiculoapreendido
 
simulada-pf-final
simulada-pf-finalsimulada-pf-final
simulada-pf-final
 
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.pptAPRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
APRESENTAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO TCO.ppt
 
01. simulado direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
01. simulado   direitos e garantias - cespe (20 questões).docx01. simulado   direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
01. simulado direitos e garantias - cespe (20 questões).docx
 
Questões-Processo-Penal.pdf
Questões-Processo-Penal.pdfQuestões-Processo-Penal.pdf
Questões-Processo-Penal.pdf
 
Proporcionalidade
ProporcionalidadeProporcionalidade
Proporcionalidade
 
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizadaLei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
 
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizado
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizadoDefesa previa lei antidrogas modelo atualizado
Defesa previa lei antidrogas modelo atualizado
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Processo penal jhony - 27 - 05 - 2017
Processo penal   jhony - 27 - 05 - 2017Processo penal   jhony - 27 - 05 - 2017
Processo penal jhony - 27 - 05 - 2017
 
Anna carolina de oliveira nacle
Anna carolina de oliveira nacleAnna carolina de oliveira nacle
Anna carolina de oliveira nacle
 

Mais de portustfs

Roteiro de seguridade social
Roteiro de seguridade socialRoteiro de seguridade social
Roteiro de seguridade social
portustfs
 
Gabarito questões-estilo cespe-drogas
Gabarito   questões-estilo cespe-drogasGabarito   questões-estilo cespe-drogas
Gabarito questões-estilo cespe-drogasportustfs
 
Preço público-taxa
Preço público-taxaPreço público-taxa
Preço público-taxa
portustfs
 
Direito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicasDireito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicas
portustfs
 
Cfrb contribuições-stf
Cfrb contribuições-stfCfrb contribuições-stf
Cfrb contribuições-stf
portustfs
 
Aula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-iAula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-i
portustfs
 
Disciplina bioética topicos da aula 20.02.14
Disciplina bioética  topicos da aula 20.02.14Disciplina bioética  topicos da aula 20.02.14
Disciplina bioética topicos da aula 20.02.14
portustfs
 
3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv
portustfs
 
1ª aula.ppv
1ª aula.ppv1ª aula.ppv
1ª aula.ppv
portustfs
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
portustfs
 
1ª aula.ppv
1ª aula.ppv1ª aula.ppv
1ª aula.ppv
portustfs
 
Cronograma de atividades
Cronograma de atividades Cronograma de atividades
Cronograma de atividades
portustfs
 
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
portustfs
 
Parceria publico privada
Parceria publico privadaParceria publico privada
Parceria publico privada
portustfs
 
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
portustfs
 
Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3
portustfs
 

Mais de portustfs (16)

Roteiro de seguridade social
Roteiro de seguridade socialRoteiro de seguridade social
Roteiro de seguridade social
 
Gabarito questões-estilo cespe-drogas
Gabarito   questões-estilo cespe-drogasGabarito   questões-estilo cespe-drogas
Gabarito questões-estilo cespe-drogas
 
Preço público-taxa
Preço público-taxaPreço público-taxa
Preço público-taxa
 
Direito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicasDireito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicas
 
Cfrb contribuições-stf
Cfrb contribuições-stfCfrb contribuições-stf
Cfrb contribuições-stf
 
Aula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-iAula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-i
 
Disciplina bioética topicos da aula 20.02.14
Disciplina bioética  topicos da aula 20.02.14Disciplina bioética  topicos da aula 20.02.14
Disciplina bioética topicos da aula 20.02.14
 
3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv
 
1ª aula.ppv
1ª aula.ppv1ª aula.ppv
1ª aula.ppv
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
 
1ª aula.ppv
1ª aula.ppv1ª aula.ppv
1ª aula.ppv
 
Cronograma de atividades
Cronograma de atividades Cronograma de atividades
Cronograma de atividades
 
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
Erros+gramaticais+e+ortograficos+mais+comuns+em+redacao+ +anterior+a+reforma (1)
 
Parceria publico privada
Parceria publico privadaParceria publico privada
Parceria publico privada
 
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
2ª, 3ª, 4, 5ª, 6ªaula.ppii
 
Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3Apostila empresarial 3
Apostila empresarial 3
 

Questões estilo cespe-drogas

  • 1. Questões Estilo CESPE - Lei de Drogas – Lei nº11.343/06 875 - (CESPE / Analista Processual – MPU / 2010) Em relação ao crime detráfico de drogas, considera-se, tráfico privilegiado o praticado por agente primário, com bons antecedentes criminais, que não se dedica a atividades criminosas nem integra organização criminosa, sendo-lhe aplicada a redução de pena de um sexto a dois terços, independentemente de o tráfico ser nacional ou internacional e da quantidade ou espécie de droga apreendida, ainda que a pena mínima fique aquém do mínimo legal. 876 -(CESPE / Promotor - MPE-SE / 2010) A legislação em vigor admite afixação de regime inicial diverso do fechado aos condenados pela prática de crime de tráfico de drogas, desde que as circunstâncias judiciais e o quantum da pena assim autorizem, conforme entendimento consolidado no STJ. 877 -(CESPE/ Promotor - MPE-SE / 2010) Para o STJ, os preceitos legais em vigor impedem a conversão da pena corporal em restritiva de direitos no caso de condenado por tráfico ilícito de substância entorpecente. 878 -(CESPE/ Promotor – MPE-RR / 2010) Segundo a Lei Antidrogas, para determinar se a droga apreendida sob a posse de um indivíduo destina-se a consumo pessoal, o juiz deve-se ater à natureza e à quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se desenvolveu a ação, desconsiderando as circunstâncias sociais e pessoais e também a conduta e os antecedentes do agente, sob pena de violação do princípio da presunção de inocência. 879 -(CESPE / Promotor – MPE-RR / 2010) Como a Lei Antidrogas não prevêa aplicação de medida educativa o agente apenado por portar drogas para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, devem ser aplicadas as regras pertinentes do CP. 880 -(CESPE/ Promotor - MPE-ES / 2010) Segundo a Lei Antidrogas, para determinar se a droga apreendida sob a posse de um indivíduo destina-se a consumo pessoal, o juiz deve-se ater à natureza e à quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se desenvolveu a ação, desconsiderando as circunstâncias sociais e pessoais e também a conduta e os antecedentes do agente, sob pena de violação do princípio da presunção de inocência. 881 -(CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2010) O atual procedimento adotado nos crimes de tráfico de drogas estabelece a necessidade de notificação
  • 2. do acusado, antes do recebimento da denúncia, para que o mesmo apresente indispensável defesa prévia, bem como estabelece a realização do interrogatório ao final da instrução e veda, de forma expressa, a absolvição sumária. 882 -(CESPE/ Defensor Público - DPU / 2010) No que concerne ao processo e ao procedimento dos crimes de tráfico de entorpecentes, é correto afirmar que circunstâncias inerentes à conduta criminosa não podem, sob pena de bis in idem, justificar o aumento da reprimenda. 883- (CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, a autoridade de polícia judiciária deve fazer, imediatamente, comunicação ao juiz competente, remetendo-lhe cópia do auto lavrado, do qual será dada vista ao órgão do MP, em 24 horas. 884- (CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, para efeito da lavratura do auto de prisão em flagrante e estabelecimento da materialidade do delito, é prescindível o laudo de constatação da natureza e quantidade da droga. 885 -(CESPE / Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, o inquérito policial será concluído no prazo de 30 dias, se o indiciado estiver preso, e de 45 dias, se estiver solto. 886- (CESPE / Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, a ausência do relatório circunstanciado torna nulo o inquérito policial. 887 -(CESPE/ Agente de Investigação - PC-PB / 2009) Considerando que uma pessoa tenha sido presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, a autoridade policial, após relatar o inquérito, deverá remeter os autos à justiça, que os encaminhará ao MP. Depoisdisso, a autoridade policial não poderá, de ofício, continuar a investigação, colhendo outras provas. 888 -(CESPE/ Agente da Polícia Federal - DPF / 2009) Nos crimes de tráfico de substâncias entorpecentes, é isento de pena o agente que, em razão da dependência ou sob o efeito, proveniente de caso fortuito ou força maior, de droga, era, ao tempo da ação ou da omissão, qualquer que tenha sido a infração penal praticada, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.
  • 3. 889 -(CESPE / Agente da Polícia Federal - DPF / 2009) É atípica, por falta de previsão na legislação pertinente ao assunto, a conduta do agente que simplesmente colabora, como informante, com grupo ou associação destinada ao tráfico ilícito de entorpecentes. 890 -(CESPE / Agente - PC-PB / 2009) Findo o prazo para conclusão do inquéritona apuração de crime de tráfico ilícito, a autoridade policial remete os autos ao juízo competente, relatando sumariamente as circunstâncias do fato, sendo-lhe vedado justificar as razões que a levaram à classificação do delito. 891 -(CESPE/ Agente PC-PB / 2009) É legalmente vedada a nãoatuação policial aos portadores de drogas, a seus precursores químicos ou a outros produtos utilizados em sua produção, que se encontrem no território brasileiro. 892- (CESPE / Delegado PC-PB / 2009) No caso de porte de substância entorpecentepara uso próprio, não se impõe prisão em flagrante, devendo o autor de fato ser imediatamente encaminhado ao juízo competente ou, na falta deste, assumir o compromisso de a ele comparecer. 893 - (CESPE/ Agente PC-PB / 2009) No crime de tráfico de drogas, para a lavratura do auto de prisão em flagrante, é suficiente o laudo de constatação da natureza e quantidade da droga, o qual será necessariamente firmado por perito oficial. 894- (CESPE / Delegado - PC-PB / 2009) O IP relativo a indiciado preso por tráfico de drogas deve ser concluído no prazo de 30 dias, não havendo possibilidade de prorrogação do prazo. Aautoridade policial pode, todavia, realizar diligências complementares e remetê-las posteriormente ao juízo competente. 895 -(CESPE/ Defensor Público - DPE-AL / 2009) As medidas alternativas impostas em razão de uma transação penal e aquelas previstas no art. 28 da Lei n.º 11.343/2006 (usuário de droga) não geram os efeitos penais gerais próprios de uma sanção penal. 896 -(CESPE / Defensor Público - DPE-ES / 2009) Na hipótese de posse dedrogas para consumo pessoal, não se impõe prisão em flagrante. Nessa situação, o autor do fato deve ser imediatamente encaminhado ao juízocompetente ou, na falta desse, assumir o compromisso de a ele comparecer, lavrando-se termo circunstanciado e providenciando-se as requisições dos exames e das perícias necessários. 897 -(CESPE / Policial Rodoviário Federal - PRF - Curso de formação / 2008) Considere que Joaquim, penalmente imputável, foi abordado em uma barreira policial e, após vistoria em seu veículo, foi encontrada
  • 4. pequena quantidade de maconha. Indagadoa respeito, Joaquim alegou que a droga se destinava a consumo pessoal. Nessasituação, uma vez demonstrada a alegação de Joaquim, o policial responsável pela diligência deverá apreender a substância e liberar o usuário mediante admoestação verbal. 898 -(CESPE/ Policial Rodoviário Federal - PRF - Curso de formação / 2008) A legislação em vigor acerca do tráfico ilícito de entorpecente possibilita ao condenado por tráfico ilícito de entorpecente, desde que seja réu primário, com bons antecedentes e que não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa, a redução de um sexto a dois terços de sua pena, bem como a conversão desta em penas restritivas de direitos, desde que cumpridos os mesmos requisitos exigidos para a redução da pena. 899 - (CESPE / Promotor - MPE-RO / 2008) Ainda que o fato tenha sido cometidoantes da vigência da Lei n.º 11.343/2006 e que o condenado preencha os requisitos dispostos no art. 44 do CP, não é possível a substituição da pena privativa de liberdade por penas restritivas de 900. 900 -(CESPE/Promotor- MPE-RO / 2008) Dispõe a Lei n.º 11.343/2006, quanto ao crime de tráfico ilícito de entorpecente, que "as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa.". Considerando que a lei anterior não possuíaredação similar, o Juízo das Execuções Criminais poderá facultar ao condenado por crime de tráfico de entorpecentes, sob a égide da Lei n.º 6.368/1976, que preencha tais condições, a opção entre o regramento antigo e o atual, tendo em vista que a pena de multa sofreu significativo aumento, não havendo como afirmar, nesse aspecto, qual das leis é mais severa. 901 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) A competência para processar e julgar crimes de tráfico ilícito de entorpecentes é, em regra, da justiça estadual, exceto se caracterizado ilícito transnacional, quando a competência será da justiça federal. Nesse contexto, a probabilidade de adroga ser de origem estrangeira é suficiente para deslocar a competência da justiça estadual para a justiça federal. 902 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) É nula a sentença penal condenatória por crime de tráfico ilícito de entorpecentes cuja pena-base tenha sido exacerbada com base na quantidade da droga apreendida, entendendo-se, assim, haver maior censurabilidade da conduta (culpabilidade), tendo em vista que tal critério é expressamente previsto na legislação respectiva como definidor na conduta do agente, isto é, se uso ou tráfico.
  • 5. 903 - (CESPE/ Promotor - MPE-RO / 2008) A inobservância do rito procedimental estabelecido pela Lei n.º 11.343/2006 quanto à intimação e conseqüente apresentação de defesa preliminar constitui causa de nulidade relativa, sendo, pois, necessário que se comprove o prejuízo, restando preclusa a alegação, se não for feita no momento oportuno. 904 - (CESPE/ Agente – PC-TO / 2008) Considere que determinado cidadão guardasse, em sua residência, cerca de 21 kg de cocaína, em depósito, para fins de mercancia e que, durante uma busca realizada por ordem judicial em sua casa, a droga tenha sido encontrada e os fatos tenham sido imediatamente apresentados à autoridade policial competente. Nessasituação, esse cidadão não pode ser preso em flagrante, pois, no momento da abordagem, ele não praticava nenhum ato típico da traficância. 905 - (CESPE / Agente – PC-PB / 2007) Um indivíduo que seja preso em flagrantepelo delito de tráfico ilícito de substância entorpecente poderá ser beneficiado com a liberdade provisória, mediante o pagamento de fiança. 906 - (CESPE / Juiz – TRF 5ª Região / 2007) No que concerne ao crime detráfico de entorpecentes, NÂO constitui causa de aumento de pena, prevista expressamente na Lei no11.343/2006, praticar o delito visando pessoa maior de 60 anos de idade. 907 - (CESPE/ Juiz – TJ-AC / 2007) A nova Lei de Drogas (Lei n.º 11.343/2006) estabelece um rol de penas possíveis para a pessoa que adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo, para uso pessoal, drogas ilícitas. Paradeterminar se a droga se destinava ao consumo pessoal, o juiz observará apenas a natureza e a quantidade da droga. 908 - (CESPE / Juiz – TJ-TO / 2007) A respeito do crime de tráfico ilícito deentorpecentes, o inquérito policial deve ser concluído no prazo de 30 dias, caso o indiciado esteja preso, e no de 60 dias, caso este esteja solto. 909 - (CESPE / Juiz – TJ-TO / 2007) A Lei n.º 11.343/2006 possibilita o livramentocondicional ao condenado por tráfico ilícito de entorpecente após o cumprimento de três quintos da pena de condenação, em caso de réu primário, e dois terços, em caso de réu reincidente, ainda que específico. 910 - (CESPE / OAB-CE / 2007) A conduta daquele que, para consumo pessoal, cultiva plantas destinadas à preparação de substância capaz de causar dependência física ou psíquica permanece sem tipificação. 911 - (CESPE/ OAB-CE / 2007) É possível, além das penas de advertência, prestação de serviços à comunidade ou medida educativa, a imposição de pena privativa de liberdade ao usuário de drogas.
  • 6. 912 - (CESPE / OAB-CE / 2007) O porte de drogas tornou-se infração de menorpotencial ofensivo, estando sujeito ao procedimento da Lei n.º 9.099/1995, que dispõe sobre os juizados especiais criminais. 913 - (CESPE/ OAB-CE / 2007) Poderá ser imposta ao usuário de drogas prisão em flagrante, devendo o autuado ser encaminhado ao juízo competente para que este se manifeste sobre a manutenção da prisão, após a lavratura do termo circunstanciado. 914 - (CESPE/ Perito Médico Legista - PC-AC / 2006) A lei repressiva pune o consumo de substância entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica. 915 - (CESPE/ Perito Médico Legista - PC-AC / 2006) A lei prevê a modalidade de crime culposo para os profissionais que prescrevem ou ministram, aleatória e (ou) indevidamente, as referidas substâncias a pacientes.