SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO)
      CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE                      PRIMEIRA VERSÃO
                                                               ISSN 1517-5421    lathé biosa   5
          PRIMEIRA VERSÃO
        ANO I, Nº05 JUNHO - PORTO VELHO, 2001
                         VOLUME I

                       ISSN 1517-5421


                         EDITOR
                   NILSON SANTOS


                 CONSELHO EDITORIAL
            ALBERTO LINS CALDAS - História
             ARNEIDE CEMIN - Antropologia
            FABÍOLA LINS CALDAS - História
         JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia
                MIGUEL NENEVÉ - Letras
            VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia

Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times
New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows”
           deverão ser encaminhados para e-mail:
                                                                 POESIA PARA INÍCIO DE CONVERSA
                     nilson@unir.br

                     CAIXA POSTAL 775
                     CEP: 78.900-970
                      PORTO VELHO-RO
                                                                                 MILENA MAGALHÃES


                TIRAGEM 150 EXEMPLARES

      EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA                                  αΩ
Milena Magalhães                                                                                               POESIA PARA INÍCIO
       Professora de Literatura Brasileira                                                                                DE CONVERSA
       milena@ronet.com.br




       Leitora desde sempre de prosa, ando às voltas com a poesia. Isso quer dizer que eu não tinha lido poemas antes? Quase isso. Na construção do gosto da
leitura, acabamos fazendo escolhas e as minhas não se detiveram sobre a tal, provavelmente seguindo a trilha dos que fazem dela a arte menos consumida. Porém,
os gêneros estão longe de terem suas fronteiras (tão) delimitadas e, lendo prosa, sem saber, eu já era leitora de poesia: Clarice e sua narrativa poética, Calvino
com seus fragmentos, o fluxo de palavras/imagens do Saramago. Poesia. E estando às voltas, interajo estes mundos, numa relação que vem a partir das
descobertas que tenho feito nas visitas a essa casa de imagens:
                                                                              A poesia
                                                                      É uma menina levada
                                                                   Que bagunça a vida do poeta
                                                                              E depois
                                                                       Diz que não fez nada
                                                                  (Binho, in, na ponta da língua)

       Num jogo auto-reflexivo, o poeta já nos dá a dica. E outro completa: Poesia/ é brincar com palavras/ como se brinca/ com bola, papagaio/ pião. (José Paulo
Paes). Daí reside a mágica que nos pode aproximar dessa “menina levada”. Não existem, portanto, receitas. Cada qual escolhe a melhor forma de brincar. Porém se
existe uma dica, talvez essa outra voz nos possa ajudar: “A maior parte das pessoas lê poesia como se fosse prosa. A maior parte quer ‘conteúdos’ – mas não
percebe formas. Em arte, forma e conteúdo não podem ser separados.” (Décio Pignatari).
       Primeiro estranhamento causado em mim - leitora inicial de poesia. A busca pelo significado aparentemente é o motor diretriz de qualquer leitura e nenhum
leitor em “sã consciência “imagina que a busca não deve ser apenas esta. O poeta e teórico Ezra Pound, porém, já nos alerta que a palavra significado é camaleã,
exige diversas trilhas: “... mas o significado não é algo tão definido e predeterminado como o movimento do cavalo ou do peão num tabuleiro de xadrez. Ele surge
com raízes, com associações, e depende de como e quando a palavra é comumente usada ou de quando ela tenha sido usada brilhante e memoravelmente”.
Caminhando ainda mais, outro teórico, Jacques Derrida, afirma que a busca pelo significado é uma grande perda de tempo, que o trabalho com a linguagem é um
jogo, significante produzindo outros significantes. Nem tanto ao mar nem tanto à terra. O significado pode e deve ser visto não como mera explicação,
compreensão do conteúdo, mas como elaboração do pensamento do leitor a partir do dito e do não-dito que constitui qualquer texto, especialmente o poético. Já




                                                                                                                                          ISSN 1517 - 5421       2
foi dito: “Forma e conteúdo não podem ser dissociados”, a poesia é um trabalho com a linguagem e, nós, enquanto leitores, devemos deter-nos sobre esse
trabalho:
                                                                            oseu
                                                                     olhar melhor a
                                                                          o meu
                                                                      (arnaldo antunes)

        Indo além do significado que surge na superfície e nos remete, por exemplo, a um ideal romântico, podendo ser vista como simples frase de amor que,
imaginamos nós, pode sair da nossa boca a qualquer hora, é impossível não se questionar quais as razões de o poema estar disposto dessa forma, a escolha das
palavras e o ritmo que elas provocam (as rimas, os sons). A disposição das letras insinua outras formas de leitura por meio do desdobramento, brincadeiras que
podem surgir, como quando crianças: o olhar olha o meu/ o seu olhar me olha. A desautomatização (singularidade, estranhamento) a partir da forma. A fuga da
simplicidade prosaica: o seu olhar melhora o meu.
        O formalista russo Chklowski percorreu a idéia de um tipo especial de imagem relacionada à arte que tinha como objetivo não “tornar mais próxima de
nossa compreensão a significação que ela traz, mas criar uma percepção particular do objeto, criar uma visão e não o seu reconhecimento”. A imagem que produz
não um significado único, mas percepções várias. Chklowski estaria antevendo a relação mágica que se desenvolve entre cada leitor e cada texto, transformando o
texto em vários. A singularização da palavra, Antunes parece nos querer dizer, é a busca constante da poesia: labirintos atrás de uma forma nova de dizer velho,
que inova e ressurge.
        Daí o leitor não poder querer ver apenas o imediato, o aparente. A poesia não se presta a isso. A literatura em geral deve ser vista como constante
perguntar, um buraco de Alice (Caldas) onde o leitor não deve ter medo de cair. Um poeta contemporâneo, Péricles Cavalcante, nos diz em forma de poesia: se eu
não disser nada/ como é que eu vou saber/ onde fica a entrada/ do castelo do querer/ qual é a resposta/ me diga, então/ qual é a pergunta? A resposta é uma
pergunta, é ela que nos dá a chave da poesia, que são sempre várias chaves. Já nos disse Drummond: “a linguagem na superfície estrelada de letras. Sabe lá o que
ela quer dizer?” Por não ter medo de questionar, Rimbaud construiu um tipo de poesia jamais vista antes e que continua a nos assombrar. Como se recusar a
assombrar-se diante desta “menina”, já que ela própria nos faz esse convite a partir do momento que está sempre atrás do novo?
                                                              Eu faço versos como os saltimbancos
                                                               Desconjuntam os ossos doloridos.
                                                             A entrada é livre para os conhecidos...
                                                             Sentai, Amadas, nos primeiros bancos!

                                                             Vão começar as convulsões e arrancos
                                                              Sobre os velhos tapetes estendidos...                 (Mário Quintana)



                                                                                                                                         ISSN 1517 - 5421      3
O poeta nos faz o convite usando exclamações, reticências e – mais na frente – interrogações, num gesto de quem pensa a poesia como imaginação
disposta a sair do natural para percorrer – com convulsões e arrancos – os caminhos do verso.
       Tenho aprendido que se ficamos diante da poesia como que detetives atrás de sentidos, não nos podemos esquecer do tipo de matéria que estamos
tratando: “Cada palavra poética é assim um objeto inesperado, uma caixa de Pandora de onde saem voando todas as virtualidades da linguagem, é portanto
produzida e consumida com uma curiosidade particular, uma espécie de gulodice sagrada. Essa Fome da Palavra, comum a toda a poesia moderna, faz da palavra
poética uma palavra terrível e desumana. Institui um discurso cheio de buracos e cheio de luzes, cheio de ausências e de signos supernutritivos ...” (Roland
Barthes).
       É com essa mesma fome que devemos sentir, percorrer, perscrutar, problematizar a poesia. Verbos-ação - que darão sentidos aos signos supernutritivos. Se
estamos condenados, como críticos e leitores, a produzir sempre uma metapalavra que esta seja produzida ao menos com gulodice. Para concordar ou discordar -
ser paradoxal.
       Certamente, assumindo-se como leitora-aprendiz de poesia, alguns dirão que não tenho autoridade para falar sobre o assunto. Por isso, essa escolha para
início de conversa. É sempre como aprendiz que quero estar no mundo. Penso que a poesia – que ocupa um espaço de deslocamento do sujeito à medida que exige
uma reflexão apurada – também nos pode servir para refletir sobre o nosso lugar no mundo e nos diz involuntariamente que não nos devemos contentar em ocupar
lugares previamente determinados. Embora pareça ingênuo falar em paixão quando nos referimos ao saber, ainda ouso pensar que devemos cultivar a paixão e a
ousadia. Sem elas, seremos apenas reprodutores de conhecimentos já existentes. Não devemos ser apenas diluidores, mas também inventores e mestres – ainda
pensando na poesia com Ezra Pound.




                                                                                                                                        ISSN 1517 - 5421      4
VITRINE
                    SUGESTÃO DE LEITURA                                                                        LINKS
                                                                               Sebos Virtuais
                                                                               www.livronet.com.br
    PRONOMES DE TRATAMENTO DO PORTUGUÊS DO
         SÉCULO XVI: Uma Gramática de Uso                                      www.livbrandaosebo.com.br

                                                                               www.livrariavcalil.com.Br
                   TÂNIA REGINA EDUARDO DOMINGOS
                              Annablume                                        www.tabernalivraria.com.br

                                                                               www.sebopapirus.com.br

RESUMO: O livro trata do uso dos pronomes de tratamento pelos                  www.abebooks.com/home/calabrez
portugueses contemporâneos do descobrimento e colonização do Brasil,
através da análise das falas das personagens do teatro de cordel português     www.bibliofind.com
do século XVI. A autora elegeu 13 autos do teatro de Gil Vicente para
                                                                               www.abebooks.com
detectar as diferentes modalidades do uso dos pronomes nas relações de
inferioridade, superioridade, igualdade, intimidade, afetividade de diversos
tipos humanos.                                                                 Revista Bravo
                                                                               www.rebravo.com.br

                                                                               National Geografic
SUMÁRIO: Os Pronomes nas Gramáticas do Século XVI; Os Pronomes de              www.nationalgeografic.com
Tratamento e o Uso nos Personagens dos Cordéis e Autos Populares do
Teatro Medieval Português do Século XVI; Regras de Uso.                        MASP
                                                                               ww2.uol.com.br/masp

                                                                               Le Monde
Áreas de interesse: História, Letras, Linguística.                             www.lemonde.fr

                                                                               Louvre
Palavras-chave: Letras, Literatura Portuguesa, Língua Portuguesa.              www.mistral.culture.fr/louvre
                                                                               www.sunsite.unc-edu/wm




                                                                                                                       ISSN 1517 - 5421   5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante   Qorpo-santoParadoxos de um comediante   Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
CarmemGadelha
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
Diogo Tavares
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
Vinicius Lutz
 
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de CamposExp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Rebeca Melo
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa - O Poeta Enigma
Fernando Pessoa - O Poeta EnigmaFernando Pessoa - O Poeta Enigma
Fernando Pessoa - O Poeta Enigma
Fabio Lemes
 
Fernando pessoa poema
Fernando pessoa   poemaFernando pessoa   poema
Fernando pessoa poema
Elvis Alexandrino
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
Brendda Neves
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
Iga Almeida
 
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoaFarrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
archibald29
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
guest53f8bc
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
guesta742e2e
 
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Maria de Jesus Câmara
 
O Modo LíRico
O Modo LíRicoO Modo LíRico
O Modo LíRico
António Mateus
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Maria da Paz
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Samuel Neves
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante   Qorpo-santoParadoxos de um comediante   Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de CamposExp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Fernando Pessoa - O Poeta Enigma
Fernando Pessoa - O Poeta EnigmaFernando Pessoa - O Poeta Enigma
Fernando Pessoa - O Poeta Enigma
 
Fernando pessoa poema
Fernando pessoa   poemaFernando pessoa   poema
Fernando pessoa poema
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
 
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoaFarrapos de poesia e som com f.pessoa
Farrapos de poesia e som com f.pessoa
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
 
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)Olimpíada categoria  poesias (5º e 6º ano)
Olimpíada categoria poesias (5º e 6º ano)
 
O Modo LíRico
O Modo LíRicoO Modo LíRico
O Modo LíRico
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 

Semelhante a 05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.

21 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 221 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 2
auroraoliveira
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
Angeli Nascimento
 
Poesia. O que é poesia?
Poesia. O que é poesia?Poesia. O que é poesia?
Poesia. O que é poesia?
Sérgio Pitaki
 
Poesia 12 aulas
Poesia 12 aulasPoesia 12 aulas
Poesia 12 aulas
Ana Isabel Acciaioli
 
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis TrindadePoesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Escola de Biodanza Rio de Janeiro
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
cursinhoembu
 
Considerações sobre rabiscos poéticos
Considerações sobre rabiscos poéticosConsiderações sobre rabiscos poéticos
Considerações sobre rabiscos poéticos
Ellen Oliveira
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
klauddia
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Cláudia Heloísa
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura e sociedade
Literatura e sociedadeLiteratura e sociedade
Literatura e sociedade
Juçara Keylla
 
Eu, poetificando
Eu, poetificandoEu, poetificando
Eu, poetificando
elvandroburity
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Madga Silva
 
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDioTeoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
VeraGarcia17
 
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
mafia888
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
LUCELIOFERREIRADASIL
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Jhonatan Holanda
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
Greice Gomes
 
Asas do Intento
Asas do IntentoAsas do Intento
Asas do Intento
Marco Llobus
 

Semelhante a 05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001. (20)

21 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 221 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 2
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
 
Poesia. O que é poesia?
Poesia. O que é poesia?Poesia. O que é poesia?
Poesia. O que é poesia?
 
Poesia 12 aulas
Poesia 12 aulasPoesia 12 aulas
Poesia 12 aulas
 
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis TrindadePoesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
Considerações sobre rabiscos poéticos
Considerações sobre rabiscos poéticosConsiderações sobre rabiscos poéticos
Considerações sobre rabiscos poéticos
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
 
Literatura e sociedade
Literatura e sociedadeLiteratura e sociedade
Literatura e sociedade
 
Eu, poetificando
Eu, poetificandoEu, poetificando
Eu, poetificando
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDioTeoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
 
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
 
Asas do Intento
Asas do IntentoAsas do Intento
Asas do Intento
 

Mais de estevaofernandes

12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
estevaofernandes
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
estevaofernandes
 
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
estevaofernandes
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
estevaofernandes
 
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
estevaofernandes
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
estevaofernandes
 
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
estevaofernandes
 
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
estevaofernandes
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
estevaofernandes
 
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
estevaofernandes
 
Volume xx 2007
Volume xx 2007Volume xx 2007
Volume xx 2007
estevaofernandes
 
Volume xviii 2007
Volume xviii 2007Volume xviii 2007
Volume xviii 2007
estevaofernandes
 
Volume xvii 2006
Volume xvii 2006Volume xvii 2006
Volume xvii 2006
estevaofernandes
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
estevaofernandes
 
Volume xv 2006
Volume xv 2006Volume xv 2006
Volume xv 2006
estevaofernandes
 
Volume xix 2007
Volume xix 2007Volume xix 2007
Volume xix 2007
estevaofernandes
 
Volume xiv 2005
Volume xiv 2005Volume xiv 2005
Volume xiv 2005
estevaofernandes
 
Volume xiii 2005
Volume xiii 2005Volume xiii 2005
Volume xiii 2005
estevaofernandes
 
Volume xi 2004
Volume xi 2004Volume xi 2004
Volume xi 2004
estevaofernandes
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
estevaofernandes
 

Mais de estevaofernandes (20)

12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
 
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
 
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
 
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
 
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
 
Volume xx 2007
Volume xx 2007Volume xx 2007
Volume xx 2007
 
Volume xviii 2007
Volume xviii 2007Volume xviii 2007
Volume xviii 2007
 
Volume xvii 2006
Volume xvii 2006Volume xvii 2006
Volume xvii 2006
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
 
Volume xv 2006
Volume xv 2006Volume xv 2006
Volume xv 2006
 
Volume xix 2007
Volume xix 2007Volume xix 2007
Volume xix 2007
 
Volume xiv 2005
Volume xiv 2005Volume xiv 2005
Volume xiv 2005
 
Volume xiii 2005
Volume xiii 2005Volume xiii 2005
Volume xiii 2005
 
Volume xi 2004
Volume xi 2004Volume xi 2004
Volume xi 2004
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 

05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 5 PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº05 JUNHO - PORTO VELHO, 2001 VOLUME I ISSN 1517-5421 EDITOR NILSON SANTOS CONSELHO EDITORIAL ALBERTO LINS CALDAS - História ARNEIDE CEMIN - Antropologia FABÍOLA LINS CALDAS - História JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia MIGUEL NENEVÉ - Letras VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows” deverão ser encaminhados para e-mail: POESIA PARA INÍCIO DE CONVERSA nilson@unir.br CAIXA POSTAL 775 CEP: 78.900-970 PORTO VELHO-RO MILENA MAGALHÃES TIRAGEM 150 EXEMPLARES EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA αΩ
  • 2. Milena Magalhães POESIA PARA INÍCIO Professora de Literatura Brasileira DE CONVERSA milena@ronet.com.br Leitora desde sempre de prosa, ando às voltas com a poesia. Isso quer dizer que eu não tinha lido poemas antes? Quase isso. Na construção do gosto da leitura, acabamos fazendo escolhas e as minhas não se detiveram sobre a tal, provavelmente seguindo a trilha dos que fazem dela a arte menos consumida. Porém, os gêneros estão longe de terem suas fronteiras (tão) delimitadas e, lendo prosa, sem saber, eu já era leitora de poesia: Clarice e sua narrativa poética, Calvino com seus fragmentos, o fluxo de palavras/imagens do Saramago. Poesia. E estando às voltas, interajo estes mundos, numa relação que vem a partir das descobertas que tenho feito nas visitas a essa casa de imagens: A poesia É uma menina levada Que bagunça a vida do poeta E depois Diz que não fez nada (Binho, in, na ponta da língua) Num jogo auto-reflexivo, o poeta já nos dá a dica. E outro completa: Poesia/ é brincar com palavras/ como se brinca/ com bola, papagaio/ pião. (José Paulo Paes). Daí reside a mágica que nos pode aproximar dessa “menina levada”. Não existem, portanto, receitas. Cada qual escolhe a melhor forma de brincar. Porém se existe uma dica, talvez essa outra voz nos possa ajudar: “A maior parte das pessoas lê poesia como se fosse prosa. A maior parte quer ‘conteúdos’ – mas não percebe formas. Em arte, forma e conteúdo não podem ser separados.” (Décio Pignatari). Primeiro estranhamento causado em mim - leitora inicial de poesia. A busca pelo significado aparentemente é o motor diretriz de qualquer leitura e nenhum leitor em “sã consciência “imagina que a busca não deve ser apenas esta. O poeta e teórico Ezra Pound, porém, já nos alerta que a palavra significado é camaleã, exige diversas trilhas: “... mas o significado não é algo tão definido e predeterminado como o movimento do cavalo ou do peão num tabuleiro de xadrez. Ele surge com raízes, com associações, e depende de como e quando a palavra é comumente usada ou de quando ela tenha sido usada brilhante e memoravelmente”. Caminhando ainda mais, outro teórico, Jacques Derrida, afirma que a busca pelo significado é uma grande perda de tempo, que o trabalho com a linguagem é um jogo, significante produzindo outros significantes. Nem tanto ao mar nem tanto à terra. O significado pode e deve ser visto não como mera explicação, compreensão do conteúdo, mas como elaboração do pensamento do leitor a partir do dito e do não-dito que constitui qualquer texto, especialmente o poético. Já ISSN 1517 - 5421 2
  • 3. foi dito: “Forma e conteúdo não podem ser dissociados”, a poesia é um trabalho com a linguagem e, nós, enquanto leitores, devemos deter-nos sobre esse trabalho: oseu olhar melhor a o meu (arnaldo antunes) Indo além do significado que surge na superfície e nos remete, por exemplo, a um ideal romântico, podendo ser vista como simples frase de amor que, imaginamos nós, pode sair da nossa boca a qualquer hora, é impossível não se questionar quais as razões de o poema estar disposto dessa forma, a escolha das palavras e o ritmo que elas provocam (as rimas, os sons). A disposição das letras insinua outras formas de leitura por meio do desdobramento, brincadeiras que podem surgir, como quando crianças: o olhar olha o meu/ o seu olhar me olha. A desautomatização (singularidade, estranhamento) a partir da forma. A fuga da simplicidade prosaica: o seu olhar melhora o meu. O formalista russo Chklowski percorreu a idéia de um tipo especial de imagem relacionada à arte que tinha como objetivo não “tornar mais próxima de nossa compreensão a significação que ela traz, mas criar uma percepção particular do objeto, criar uma visão e não o seu reconhecimento”. A imagem que produz não um significado único, mas percepções várias. Chklowski estaria antevendo a relação mágica que se desenvolve entre cada leitor e cada texto, transformando o texto em vários. A singularização da palavra, Antunes parece nos querer dizer, é a busca constante da poesia: labirintos atrás de uma forma nova de dizer velho, que inova e ressurge. Daí o leitor não poder querer ver apenas o imediato, o aparente. A poesia não se presta a isso. A literatura em geral deve ser vista como constante perguntar, um buraco de Alice (Caldas) onde o leitor não deve ter medo de cair. Um poeta contemporâneo, Péricles Cavalcante, nos diz em forma de poesia: se eu não disser nada/ como é que eu vou saber/ onde fica a entrada/ do castelo do querer/ qual é a resposta/ me diga, então/ qual é a pergunta? A resposta é uma pergunta, é ela que nos dá a chave da poesia, que são sempre várias chaves. Já nos disse Drummond: “a linguagem na superfície estrelada de letras. Sabe lá o que ela quer dizer?” Por não ter medo de questionar, Rimbaud construiu um tipo de poesia jamais vista antes e que continua a nos assombrar. Como se recusar a assombrar-se diante desta “menina”, já que ela própria nos faz esse convite a partir do momento que está sempre atrás do novo? Eu faço versos como os saltimbancos Desconjuntam os ossos doloridos. A entrada é livre para os conhecidos... Sentai, Amadas, nos primeiros bancos! Vão começar as convulsões e arrancos Sobre os velhos tapetes estendidos... (Mário Quintana) ISSN 1517 - 5421 3
  • 4. O poeta nos faz o convite usando exclamações, reticências e – mais na frente – interrogações, num gesto de quem pensa a poesia como imaginação disposta a sair do natural para percorrer – com convulsões e arrancos – os caminhos do verso. Tenho aprendido que se ficamos diante da poesia como que detetives atrás de sentidos, não nos podemos esquecer do tipo de matéria que estamos tratando: “Cada palavra poética é assim um objeto inesperado, uma caixa de Pandora de onde saem voando todas as virtualidades da linguagem, é portanto produzida e consumida com uma curiosidade particular, uma espécie de gulodice sagrada. Essa Fome da Palavra, comum a toda a poesia moderna, faz da palavra poética uma palavra terrível e desumana. Institui um discurso cheio de buracos e cheio de luzes, cheio de ausências e de signos supernutritivos ...” (Roland Barthes). É com essa mesma fome que devemos sentir, percorrer, perscrutar, problematizar a poesia. Verbos-ação - que darão sentidos aos signos supernutritivos. Se estamos condenados, como críticos e leitores, a produzir sempre uma metapalavra que esta seja produzida ao menos com gulodice. Para concordar ou discordar - ser paradoxal. Certamente, assumindo-se como leitora-aprendiz de poesia, alguns dirão que não tenho autoridade para falar sobre o assunto. Por isso, essa escolha para início de conversa. É sempre como aprendiz que quero estar no mundo. Penso que a poesia – que ocupa um espaço de deslocamento do sujeito à medida que exige uma reflexão apurada – também nos pode servir para refletir sobre o nosso lugar no mundo e nos diz involuntariamente que não nos devemos contentar em ocupar lugares previamente determinados. Embora pareça ingênuo falar em paixão quando nos referimos ao saber, ainda ouso pensar que devemos cultivar a paixão e a ousadia. Sem elas, seremos apenas reprodutores de conhecimentos já existentes. Não devemos ser apenas diluidores, mas também inventores e mestres – ainda pensando na poesia com Ezra Pound. ISSN 1517 - 5421 4
  • 5. VITRINE SUGESTÃO DE LEITURA LINKS Sebos Virtuais www.livronet.com.br PRONOMES DE TRATAMENTO DO PORTUGUÊS DO SÉCULO XVI: Uma Gramática de Uso www.livbrandaosebo.com.br www.livrariavcalil.com.Br TÂNIA REGINA EDUARDO DOMINGOS Annablume www.tabernalivraria.com.br www.sebopapirus.com.br RESUMO: O livro trata do uso dos pronomes de tratamento pelos www.abebooks.com/home/calabrez portugueses contemporâneos do descobrimento e colonização do Brasil, através da análise das falas das personagens do teatro de cordel português www.bibliofind.com do século XVI. A autora elegeu 13 autos do teatro de Gil Vicente para www.abebooks.com detectar as diferentes modalidades do uso dos pronomes nas relações de inferioridade, superioridade, igualdade, intimidade, afetividade de diversos tipos humanos. Revista Bravo www.rebravo.com.br National Geografic SUMÁRIO: Os Pronomes nas Gramáticas do Século XVI; Os Pronomes de www.nationalgeografic.com Tratamento e o Uso nos Personagens dos Cordéis e Autos Populares do Teatro Medieval Português do Século XVI; Regras de Uso. MASP ww2.uol.com.br/masp Le Monde Áreas de interesse: História, Letras, Linguística. www.lemonde.fr Louvre Palavras-chave: Letras, Literatura Portuguesa, Língua Portuguesa. www.mistral.culture.fr/louvre www.sunsite.unc-edu/wm ISSN 1517 - 5421 5