SlideShare uma empresa Scribd logo
Projetos Experimentais I 
www.ricardoalmeida.adm.br 
ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br 
Tema: Metodologia Científica
Visão Geral 
O que é pesquisa? 
Demo (1996, p.34) insere a pesquisa como atividade cotidiana 
considerando-a como uma atitude, um “questionamento sistemático 
crítico e criativo, mais a intervenção competente na realidade, ou o 
diálogo crítico permanente com a realidade em sentido teórico e prático”.
Visão Geral 
O que é método? 
A palavra método vem do grego (méthodos, caminho para 
chegar a um fim). O método científico é um conjunto 
de regras básicas para desenvolver uma experiência a fim de 
produzir novo conhecimento, bem como corrigir e integrar 
conhecimentos pré-existentes. Na maioria das disciplinas 
científicas consiste em juntar evidências 
observáveis, empíricas (ou seja, baseadas apenas na 
experiência) e mensuráveis e as analisar com o uso da lógica. 
O que é metodologia? 
1. Lógica ou parte da lógica que estuda os métodos. 2. Lógica 
transcendental aplicada. 3. conjunto de procedimentos 
metódicos de uma ou mais ciências. 4 a análise filosófica de 
tais procedimentos. Aqui será usada como as definições de 
onde e como será realizada a pesquisa. Definirá o tipo de 
pesquisa, a população (universo da pesquisa), a amostragem, 
os instrumentos de coleta de dados e a forma como pretende 
tabular e analisar seus dados.
Visão Geral
Natureza da Pesquisa 
Pesquisa Básica 
objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da 
ciência sem aplicação prática prevista. Envolve verdades e 
interesses universais. 
Pesquisa Aplicada 
objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e 
dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve 
verdades e interesses locais.
Abordagem do problema 
Pesquisa Quantitativa 
considera que tudo pode ser quantificável, o que significa 
traduzir em números opiniões e informações para classificá-las 
e analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas 
estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, 
coeficiente de correlação, análise de regressão, etc.). 
Pesquisa Qualitativa 
considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o 
sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo 
e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em 
números. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de 
significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. 
Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O 
ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o 
pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os 
pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O 
processo e seu significado são os focos principais de 
abordagem.
Objetivos 
Pesquisa Exploratória: 
visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito 
ou a construir hipóteses. Envolve levantamento bibliográfico; entrevistas com pessoas 
que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; análise de exemplos 
que estimulem a compreensão. Assume, em geral, as formas de Pesquisas 
Bibliográficas e Estudos de Caso. 
Pesquisa Descritiva: 
visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o 
estabelecimento de relações entre variáveis. Envolve o uso de técnicas padronizadas 
de coleta de dados: questionário e observação sistemática. Assume, em geral, a forma 
de Levantamento. 
Pesquisa Explicativa: 
visa identificar os fatores que determinam ou contribuem para a ocorrência dos 
fenômenos. aprofunda o conhecimento da realidade porque explica a razão, o “porquê” 
das coisas. Quando realizada nas ciências naturais, requer o uso do método 
experimental, e nas ciências sociais requer o uso do método observacional. Assume, em 
geral, a formas de Pesquisa Experimental e Pesquisa Expost-facto.
Procedimentos técnicos 
Pesquisa Bibliográfica 
quando elaborada a partir de material já publicado, constituído 
principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente 
com material disponibilizado na Internet. 
Pesquisa Documental 
quando elaborada a partir de materiais que não receberam 
tratamento analítico. 
Pesquisa Experimental 
quando se determina um objeto de estudo, selecionam-se as 
variáveis que seriam capazes de influenciá-lo, definem-se as 
formas de controle e de observação dos efeitos que a variável 
produz no objeto.
Procedimentos técnicos 
Levantamento 
quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas 
cujo comportamento se deseja conhecer. 
Estudo de Caso 
quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos 
objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado 
conhecimento. 
Pesquisa Expost-Facto 
quando o “experimento” se realiza depois dos fatos.
Procedimentos técnicos 
Pesquisa-Ação 
quando concebida e realizada em estreita associação com uma 
ação ou com a resolução de um problema coletivo. Os 
pesquisadores e participantes representativos da situação ou do 
problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. 
Pesquisa Participante 
quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e 
membros das situações investigadas.
Métodos Científicos 
Método Dedutivo 
Método proposto pelos racionalistas Descartes, Spinoza e 
Leibniz que pressupõe que só a razão é capaz de levar ao 
conhecimento verdadeiro. O raciocínio dedutivo tem o 
objetivo de explicar o conteúdo das premissas. Por 
intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem 
descendente, de análise do geral para o particular, chega a 
uma conclusão.
Métodos Científicos 
Método indutivo 
Método proposto pelos empiristas Bacon, Hobbes, Locke e 
Hume. Considera que o conhecimento é fundamentado na 
experiência, não levando em conta princípios 
preestabelecidos. No raciocínio indutivo a generalização 
deriva de observações de casos da realidade concreta. As 
constatações particulares levam à elaboração de 
generalizações (GIL, 1999; LAKATOS; MARCONI, 1993).
Métodos Científicos 
Método Hipotético-Dedutivo 
Proposto por Popper, consiste na adoção da seguinte linha de 
raciocínio: “quando os conhecimentos disponíveis sobre 
determinado assunto são insuficientes para a explicação de 
um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar a 
dificuldades expressas no problema, são formuladas 
conjecturas ou hipóteses. Das hipóteses formuladas, 
deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas ou 
falseadas. Falsear significa tornar falsas as conseqüências 
deduzidas das hipóteses. Enquanto no método dedutivo se 
procura a todo custo confirmar a hipótese, no método 
hipotético-dedutivo, ao contrário, procuram-se evidências 
empíricas para derrubá-la” (GIL, 1999, p.30). 
Ex. Amanhã vai chover – não é científico. 
Científico com possibilidade de falsear: Amanhã vai chover as 
10 hs. em Gurupi.
Métodos Científicos 
Método Dialético 
Deriva do diálogo. Platão, Aristóteles, Sócrates já descreviam 
“a arte do diálogo” onde o que deve prevalecer é a força da 
argumentação para demonstrar, definir e esclarecer os 
conceitos envolvido. Hegel, propõem as contradições que se 
transcendem dando origem a novas contradições que passam 
a requerer solução. Kant e Marx são outros expoentes desse 
método, no qual se estabelecem relações de causa e efeito 
entre os fatos (ex: a radiação solar provoca a evaporação da 
água, esta contribui para a formação de nuvens, que, por sua 
vez, causa as chuvas), o modo dialético busca elementos 
conflitantes entre dois ou mais fatos para explicar uma nova 
situação decorrente desse conflito.
Métodos Científicos 
Método Dialético 
A tese é uma afirmação ou situação inicialmente dada. A 
antítese é uma oposição à tese. Do conflito entre tese e 
antítese surge a síntese, que é uma situação nova que 
carrega dentro de si elementos resultantes desse embate. A 
síntese, então, torna-se uma nova tese, que contrasta com 
uma nova antítese gerando uma nova síntese, em um 
processo em cadeia infinito. 
A filosofia descreve a realidade e a reflete, portanto a 
dialética busca, não interpretar, mas refletir acerca da 
realidade. Por isso, seus três momentos (tese, antítese e 
síntese) não são um método, mas derivam da dialética 
mesma, da natureza das coisas.
Métodos Científicos 
Método Dialético 
As leis da dialética Marxista 
Por causa das diferentes interpretações quanto ao número de 
leis fundamentais do método dialético pelos autores, para 
facilitar, podemos dizer que são quatro leis: 
 ação recíproca, unidade polar ou "tudo se relaciona"; 
 mudança dialética, negação da negação ou "tudo se 
transforma"; 
 passagem da quantidade à qualidade ou mudança 
qualitativa; 
 interpenetração dos contrários, contradição ou luta dos 
contrários.
Métodos Científicos 
Método Dialético 
Outras considerações 
Para Abbagnano (1998, p.557) a indução “não constitui 
ciência porque a ciência é necessariamente demonstrativa”. 
Para o autor a indução “pode ser usada para fins de exercício, 
em dialética, ou com objetivos persuasivos em retórica” 
Retórica: arte de persuadir com o uso de instrumentos 
linguísticos. Sofismo ou falácia.
Métodos Científicos 
Método Fenomenológico 
Preconizado por Husserl, o método fenomenológico não é 
dedutivo nem indutivo. Preocupa-se com a descrição direta 
da experiência tal como ela é. A realidade é construída 
socialmente e entendida como o compreendido, o 
interpretado, o comunicado. Então, a realidade não é única: 
existem tantas quantas forem as suas interpretações e 
comunicações. O sujeito/ator é reconhecidamente 
importante no processo de construção do conhecimento (GIL, 
1999; TRIVIÑOS, 1992).
Métodos Científicos 
Método Hermenêutico 
A hermenêutica surgiu como “reflexão teórica-metodológica 
acerca da prática de interpretação dos textos sagrados, 
clássicos (literários) e jurídicos (leis)” (Domingues, 2004, p. 
345). Compreende atualmente um vasto campo com 
diferentes objetivos e posições filosóficas, assim como 
diferentes métodos de interpretação de textos inspirados em 
teóricos como Schleiermacher (1768-1834), Dilthey (1833- 
1911), Weber (1864-1920), Mannheim (1893-1947), 
Heidegger (1889-1976), Gadamer (1900-2002), Habermas 
(1929-) e Ricoeur (1913-).
Métodos Científicos 
Método Fenomenológico-Hermenêutico 
O método fenomenológico trata de desenhar o fenômeno, 
pô-lo a descoberto para além da aparência, apegando-se 
somente aos fatos vividos da experiência. E até mesmo mais 
do que isto. 
A reflexão hermenêutica consiste na dialética da 
interpretação do significado dos dados de pesquisa como um 
movimento dinâmico para compreensões mais profundas.
Métodos Científicos 
Considerações finais 
Na era do caos, do indeterminismo e da incerteza, os 
métodos científicos andam com seu prestígio abalado. Apesar 
da sua reconhecida importância, hoje, mais do que nunca, se 
percebe que a ciência não é fruto de um roteiro de criação 
totalmente previsível. Portanto, não há apenas uma maneira 
de raciocínio capaz de dar conta do complexo mundo das 
investigações científicas. O ideal seria você empregar 
métodos, e não um método em particular, que ampliem as 
possibilidades de análise e obtenção de respostas para o 
problema proposto na pesquisa.
Etapas da pesquisa 
A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para 
problemas ainda não solucionados. O planejamento e a execução de uma pesquisa 
fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem 
ser detalhadas da seguinte forma: 
1) escolha do tema; 
2) revisão de literatura; 
3) justificativa; 
4) formulação do problema; 
5) determinação de objetivos; 
6) metodologia; 
7) coleta de dados; 
8) tabulação de dados; 
9) análise e discussão dos resultados; 
10) conclusão da análise dos resultados; 
11) redação e apresentação do trabalho científico (artigo, tcc, monografia, 
dissertação ou tese).
Metodologia 
Amostras não-probabilísticas 
Amostras acidentais 
compostas por acaso, com pessoas que vão aparecendo; 
Amostras por cotas 
diversos elementos constantes da população/universo, 
na mesma proporção; 
Amostras intencionais 
escolhidos casos para a amostra que representem o “bom 
julgamento” da população/universo.
Metodologia 
Amostras probabilísticas 
Amostras causais simples 
cada elemento da população tem oportunidade igual de ser 
incluído na amostra; 
Amostras causais estratificadas 
cada estrato, definido previamente, estará representado 
na amostra; 
Amostras por agrupamento 
reunião de amostras representativas de uma população. 
Para definição das amostras recomenda-se a aplicação de técnicas estatísticas. Barbetta 
(1999) fornece uma abordagem muito didática referente à delimitação de amostras e ao 
emprego da estatística em pesquisas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos Científicos
Métodos CientíficosMétodos Científicos
Métodos Científicos
Unimed Planalto Médio
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Daniela Cartoni
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Jonathas Carvalho
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
Paulo Silva
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISAMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
Jadde Caroline
 
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia CientíficaApontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Carla Ferreira
 
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Sintese  -metodologia_de_pesquisaSintese  -metodologia_de_pesquisa
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Alexandre Pereira
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
André de Oliveira
 
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho CientíficoCap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
Gabriel Ribeiro
 
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
Instituto Superior de Ciencias e Educacao a Distancia
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
Letícia Oliveira
 
Seminário O POLO TEÓRICO De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
Seminário O POLO TEÓRICO  De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...Seminário O POLO TEÓRICO  De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
Seminário O POLO TEÓRICO De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
Thomaz Lessa
 
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
ElidmarDuarte
 
Trabalho de metodologia
Trabalho de metodologiaTrabalho de metodologia
Trabalho de metodologia
Cíntia Soraggi
 
Fenomenologia & Grounded Theory
Fenomenologia & Grounded TheoryFenomenologia & Grounded Theory
Fenomenologia & Grounded Theory
sullamyteja
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Teoria e prática científica – antônio joaquim severino
Teoria e prática científica – antônio joaquim severinoTeoria e prática científica – antônio joaquim severino
Teoria e prática científica – antônio joaquim severino
Ana Faracini
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa
Métodos e Técnicas de PesquisaMétodos e Técnicas de Pesquisa
Métodos e Técnicas de Pesquisa
Mateus Ítor Charão
 

Mais procurados (18)

Métodos Científicos
Métodos CientíficosMétodos Científicos
Métodos Científicos
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 06 - métodos de pesquisa
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri Pesquisa
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISAMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
 
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia CientíficaApontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia Científica
 
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Sintese  -metodologia_de_pesquisaSintese  -metodologia_de_pesquisa
Sintese -metodologia_de_pesquisa
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
 
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho CientíficoCap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
Cap. 3 do Livro: Metodologia do Trabalho Científico
 
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
Metodo de investigacao_cientifica (SMAM)
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
 
Seminário O POLO TEÓRICO De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
Seminário O POLO TEÓRICO  De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...Seminário O POLO TEÓRICO  De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
Seminário O POLO TEÓRICO De Bruyne, Herman e Schoutheete (continuando conteú...
 
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
 
Trabalho de metodologia
Trabalho de metodologiaTrabalho de metodologia
Trabalho de metodologia
 
Fenomenologia & Grounded Theory
Fenomenologia & Grounded TheoryFenomenologia & Grounded Theory
Fenomenologia & Grounded Theory
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Teoria e prática científica – antônio joaquim severino
Teoria e prática científica – antônio joaquim severinoTeoria e prática científica – antônio joaquim severino
Teoria e prática científica – antônio joaquim severino
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa
Métodos e Técnicas de PesquisaMétodos e Técnicas de Pesquisa
Métodos e Técnicas de Pesquisa
 

Destaque

U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
ussilver
 
Mapa conceptual de web 2.0
Mapa conceptual de web 2.0Mapa conceptual de web 2.0
Mapa conceptual de web 2.0
Yesenia Romo Marquez
 
Video informe mafia de cuba
Video informe mafia de cubaVideo informe mafia de cuba
Video informe mafia de cuba
danielandres96
 
La empresa y su clasificación
La empresa y su clasificaciónLa empresa y su clasificación
La empresa y su clasificación
Zulay Arenales
 
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New CareerLA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
Joyce Schwarz
 
Triste mesmo
Triste mesmoTriste mesmo
Triste mesmo
figueiredo5
 
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
figueiredo5
 
Programacion del tema_5_cv (2)
Programacion del tema_5_cv (2)Programacion del tema_5_cv (2)
Programacion del tema_5_cv (2)
sheilatendencias
 
町内会通信23年11月2日
町内会通信23年11月2日町内会通信23年11月2日
町内会通信23年11月2日
hongochonaikai
 
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
conexaogarantido
 
Proyecto
ProyectoProyecto
Proyecto
fernandasmiles
 
Sesión 2 4444
Sesión 2 4444Sesión 2 4444
Sesión 2 4444
sindykellyta
 
Mulher madura quando gosta é muito bom
Mulher madura quando gosta é muito bomMulher madura quando gosta é muito bom
Mulher madura quando gosta é muito bom
figueiredo5
 
CVNataliaDrozdova
CVNataliaDrozdovaCVNataliaDrozdova
CVNataliaDrozdova
Natalia Drozdova
 
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
Ira Kristina Lumban Tobing
 
Modifty This... Lesson 3 p2
Modifty This... Lesson 3 p2Modifty This... Lesson 3 p2
Modifty This... Lesson 3 p2
wildman099
 
Eltutor.introducción
Eltutor.introducciónEltutor.introducción
Eltutor.introducción
ghontalvilla
 
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSALAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
Iglesia Cristiana Fuente de Gracia
 

Destaque (19)

U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
U.S. Silver & Gold Corporate Presentation - September 10, 2014
 
Gat1
Gat1Gat1
Gat1
 
Mapa conceptual de web 2.0
Mapa conceptual de web 2.0Mapa conceptual de web 2.0
Mapa conceptual de web 2.0
 
Video informe mafia de cuba
Video informe mafia de cubaVideo informe mafia de cuba
Video informe mafia de cuba
 
La empresa y su clasificación
La empresa y su clasificaciónLa empresa y su clasificación
La empresa y su clasificación
 
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New CareerLA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
LA TIMES Quiz by Joyce Schwarz Job Or New Career
 
Triste mesmo
Triste mesmoTriste mesmo
Triste mesmo
 
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
Não existe pessoa que chame mais atenção e seja mais alvo de perguntas do que...
 
Programacion del tema_5_cv (2)
Programacion del tema_5_cv (2)Programacion del tema_5_cv (2)
Programacion del tema_5_cv (2)
 
町内会通信23年11月2日
町内会通信23年11月2日町内会通信23年11月2日
町内会通信23年11月2日
 
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
387733 134478253323689 100002845447807_143089_907654467_n
 
Proyecto
ProyectoProyecto
Proyecto
 
Sesión 2 4444
Sesión 2 4444Sesión 2 4444
Sesión 2 4444
 
Mulher madura quando gosta é muito bom
Mulher madura quando gosta é muito bomMulher madura quando gosta é muito bom
Mulher madura quando gosta é muito bom
 
CVNataliaDrozdova
CVNataliaDrozdovaCVNataliaDrozdova
CVNataliaDrozdova
 
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
DATA PROTECTION REGULATIONS AND INTERNATIONAL DATA FLOWS: IMPLICATIONS FOR TR...
 
Modifty This... Lesson 3 p2
Modifty This... Lesson 3 p2Modifty This... Lesson 3 p2
Modifty This... Lesson 3 p2
 
Eltutor.introducción
Eltutor.introducciónEltutor.introducción
Eltutor.introducción
 
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSALAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
LAS PRUEBAS POR CRISTO PRODUCEN GOZO Y RECOMPENSA
 

Semelhante a Projetos Experimentais I - aula 03

Pesquisa
PesquisaPesquisa
Slide projeto
Slide projetoSlide projeto
Slide projeto
luciamaral
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
Marcelle Rodrigues
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Fábio Miguel
 
Metologia científica tcc pós
Metologia científica   tcc pósMetologia científica   tcc pós
Metologia científica tcc pós
Antonio Lobosco
 
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Jonathas Carvalho
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
dayenimelo
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
Hudson Junior
 
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemasAula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
MariaJosLima20
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
Mauricio Serafim
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
willian pereira
 
Método Científico.ppt
Método Científico.pptMétodo Científico.ppt
Método Científico.ppt
JosLucasSouzaRamos1
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionais
Ana Rodrigues
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
jaddy xavier
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Nayara Gaban
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
Leonardo Poth
 
Revisão
RevisãoRevisão
113631 41331
113631 41331113631 41331
113631 41331
Alisson Bezerra
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
RaulSilveiraSantos
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
adriano09
 

Semelhante a Projetos Experimentais I - aula 03 (20)

Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Slide projeto
Slide projetoSlide projeto
Slide projeto
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
Metologia científica tcc pós
Metologia científica   tcc pósMetologia científica   tcc pós
Metologia científica tcc pós
 
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
 
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemasAula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
Aula 3 Pesquisa tecnológica:solucionando problemas
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
Resenhacrtica modelo-111108071011-phpapp02
 
Método Científico.ppt
Método Científico.pptMétodo Científico.ppt
Método Científico.ppt
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionais
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
113631 41331
113631 41331113631 41331
113631 41331
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 

Mais de Ricardo Americo

001 Ética em Jornalismo
001 Ética em Jornalismo001 Ética em Jornalismo
001 Ética em Jornalismo
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - aula 02/03
Publicidade & Propaganda - aula 02/03Publicidade & Propaganda - aula 02/03
Publicidade & Propaganda - aula 02/03
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - aula 01
Publicidade & Propaganda - aula 01Publicidade & Propaganda - aula 01
Publicidade & Propaganda - aula 01
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - aula 08
Publicidade & Propaganda - aula 08Publicidade & Propaganda - aula 08
Publicidade & Propaganda - aula 08
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07
Ricardo Americo
 
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
Ricardo Americo
 
Marketing Público - PGPM - Aula 02
Marketing Público - PGPM - Aula 02Marketing Público - PGPM - Aula 02
Marketing Público - PGPM - Aula 02
Ricardo Americo
 
Marketing Público - PGPM - Aula 01
Marketing Público - PGPM - Aula 01Marketing Público - PGPM - Aula 01
Marketing Público - PGPM - Aula 01
Ricardo Americo
 
Mktpublico01
Mktpublico01Mktpublico01
Mktpublico01
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - Aula 4
Projetos Experimentais I - Aula 4Projetos Experimentais I - Aula 4
Projetos Experimentais I - Aula 4
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - Aula 06
Publicidade & Propaganda - Aula 06Publicidade & Propaganda - Aula 06
Publicidade & Propaganda - Aula 06
Ricardo Americo
 
Marketing Avançado - aula 06
Marketing Avançado - aula 06Marketing Avançado - aula 06
Marketing Avançado - aula 06
Ricardo Americo
 
Publicidade & Propaganda - Aula 05
Publicidade & Propaganda - Aula 05Publicidade & Propaganda - Aula 05
Publicidade & Propaganda - Aula 05
Ricardo Americo
 
Marketing Avançado - Aula 05
Marketing Avançado - Aula 05Marketing Avançado - Aula 05
Marketing Avançado - Aula 05
Ricardo Americo
 
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - Aula 01
Projetos Experimentais I - Aula 01Projetos Experimentais I - Aula 01
Projetos Experimentais I - Aula 01
Ricardo Americo
 

Mais de Ricardo Americo (20)

001 Ética em Jornalismo
001 Ética em Jornalismo001 Ética em Jornalismo
001 Ética em Jornalismo
 
Publicidade & Propaganda - aula 02/03
Publicidade & Propaganda - aula 02/03Publicidade & Propaganda - aula 02/03
Publicidade & Propaganda - aula 02/03
 
Publicidade & Propaganda - aula 01
Publicidade & Propaganda - aula 01Publicidade & Propaganda - aula 01
Publicidade & Propaganda - aula 01
 
Publicidade & Propaganda - aula 08
Publicidade & Propaganda - aula 08Publicidade & Propaganda - aula 08
Publicidade & Propaganda - aula 08
 
Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07Publicidade & Propaganda - aula 07
Publicidade & Propaganda - aula 07
 
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
Gestão de Empreendimentos de comunicação aula 5
 
Marketing Público - PGPM - Aula 02
Marketing Público - PGPM - Aula 02Marketing Público - PGPM - Aula 02
Marketing Público - PGPM - Aula 02
 
Marketing Público - PGPM - Aula 01
Marketing Público - PGPM - Aula 01Marketing Público - PGPM - Aula 01
Marketing Público - PGPM - Aula 01
 
Mktpublico01
Mktpublico01Mktpublico01
Mktpublico01
 
Projetos Experimentais I - Aula 4
Projetos Experimentais I - Aula 4Projetos Experimentais I - Aula 4
Projetos Experimentais I - Aula 4
 
Publicidade & Propaganda - Aula 06
Publicidade & Propaganda - Aula 06Publicidade & Propaganda - Aula 06
Publicidade & Propaganda - Aula 06
 
Marketing Avançado - aula 06
Marketing Avançado - aula 06Marketing Avançado - aula 06
Marketing Avançado - aula 06
 
Publicidade & Propaganda - Aula 05
Publicidade & Propaganda - Aula 05Publicidade & Propaganda - Aula 05
Publicidade & Propaganda - Aula 05
 
Marketing Avançado - Aula 05
Marketing Avançado - Aula 05Marketing Avançado - Aula 05
Marketing Avançado - Aula 05
 
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
Gestão de Empreendimentos de comunicação - 04
 
Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
 
Projetos Experimentais I - Aula 01
Projetos Experimentais I - Aula 01Projetos Experimentais I - Aula 01
Projetos Experimentais I - Aula 01
 

Último

Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

Projetos Experimentais I - aula 03

  • 1. Projetos Experimentais I www.ricardoalmeida.adm.br ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br Tema: Metodologia Científica
  • 2. Visão Geral O que é pesquisa? Demo (1996, p.34) insere a pesquisa como atividade cotidiana considerando-a como uma atitude, um “questionamento sistemático crítico e criativo, mais a intervenção competente na realidade, ou o diálogo crítico permanente com a realidade em sentido teórico e prático”.
  • 3. Visão Geral O que é método? A palavra método vem do grego (méthodos, caminho para chegar a um fim). O método científico é um conjunto de regras básicas para desenvolver uma experiência a fim de produzir novo conhecimento, bem como corrigir e integrar conhecimentos pré-existentes. Na maioria das disciplinas científicas consiste em juntar evidências observáveis, empíricas (ou seja, baseadas apenas na experiência) e mensuráveis e as analisar com o uso da lógica. O que é metodologia? 1. Lógica ou parte da lógica que estuda os métodos. 2. Lógica transcendental aplicada. 3. conjunto de procedimentos metódicos de uma ou mais ciências. 4 a análise filosófica de tais procedimentos. Aqui será usada como as definições de onde e como será realizada a pesquisa. Definirá o tipo de pesquisa, a população (universo da pesquisa), a amostragem, os instrumentos de coleta de dados e a forma como pretende tabular e analisar seus dados.
  • 5. Natureza da Pesquisa Pesquisa Básica objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da ciência sem aplicação prática prevista. Envolve verdades e interesses universais. Pesquisa Aplicada objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais.
  • 6. Abordagem do problema Pesquisa Quantitativa considera que tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, etc.). Pesquisa Qualitativa considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O processo e seu significado são os focos principais de abordagem.
  • 7. Objetivos Pesquisa Exploratória: visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Envolve levantamento bibliográfico; entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; análise de exemplos que estimulem a compreensão. Assume, em geral, as formas de Pesquisas Bibliográficas e Estudos de Caso. Pesquisa Descritiva: visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. Envolve o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática. Assume, em geral, a forma de Levantamento. Pesquisa Explicativa: visa identificar os fatores que determinam ou contribuem para a ocorrência dos fenômenos. aprofunda o conhecimento da realidade porque explica a razão, o “porquê” das coisas. Quando realizada nas ciências naturais, requer o uso do método experimental, e nas ciências sociais requer o uso do método observacional. Assume, em geral, a formas de Pesquisa Experimental e Pesquisa Expost-facto.
  • 8. Procedimentos técnicos Pesquisa Bibliográfica quando elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet. Pesquisa Documental quando elaborada a partir de materiais que não receberam tratamento analítico. Pesquisa Experimental quando se determina um objeto de estudo, selecionam-se as variáveis que seriam capazes de influenciá-lo, definem-se as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto.
  • 9. Procedimentos técnicos Levantamento quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer. Estudo de Caso quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento. Pesquisa Expost-Facto quando o “experimento” se realiza depois dos fatos.
  • 10. Procedimentos técnicos Pesquisa-Ação quando concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo. Os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. Pesquisa Participante quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e membros das situações investigadas.
  • 11. Métodos Científicos Método Dedutivo Método proposto pelos racionalistas Descartes, Spinoza e Leibniz que pressupõe que só a razão é capaz de levar ao conhecimento verdadeiro. O raciocínio dedutivo tem o objetivo de explicar o conteúdo das premissas. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de análise do geral para o particular, chega a uma conclusão.
  • 12. Métodos Científicos Método indutivo Método proposto pelos empiristas Bacon, Hobbes, Locke e Hume. Considera que o conhecimento é fundamentado na experiência, não levando em conta princípios preestabelecidos. No raciocínio indutivo a generalização deriva de observações de casos da realidade concreta. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações (GIL, 1999; LAKATOS; MARCONI, 1993).
  • 13. Métodos Científicos Método Hipotético-Dedutivo Proposto por Popper, consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: “quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou hipóteses. Das hipóteses formuladas, deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas ou falseadas. Falsear significa tornar falsas as conseqüências deduzidas das hipóteses. Enquanto no método dedutivo se procura a todo custo confirmar a hipótese, no método hipotético-dedutivo, ao contrário, procuram-se evidências empíricas para derrubá-la” (GIL, 1999, p.30). Ex. Amanhã vai chover – não é científico. Científico com possibilidade de falsear: Amanhã vai chover as 10 hs. em Gurupi.
  • 14. Métodos Científicos Método Dialético Deriva do diálogo. Platão, Aristóteles, Sócrates já descreviam “a arte do diálogo” onde o que deve prevalecer é a força da argumentação para demonstrar, definir e esclarecer os conceitos envolvido. Hegel, propõem as contradições que se transcendem dando origem a novas contradições que passam a requerer solução. Kant e Marx são outros expoentes desse método, no qual se estabelecem relações de causa e efeito entre os fatos (ex: a radiação solar provoca a evaporação da água, esta contribui para a formação de nuvens, que, por sua vez, causa as chuvas), o modo dialético busca elementos conflitantes entre dois ou mais fatos para explicar uma nova situação decorrente desse conflito.
  • 15. Métodos Científicos Método Dialético A tese é uma afirmação ou situação inicialmente dada. A antítese é uma oposição à tese. Do conflito entre tese e antítese surge a síntese, que é uma situação nova que carrega dentro de si elementos resultantes desse embate. A síntese, então, torna-se uma nova tese, que contrasta com uma nova antítese gerando uma nova síntese, em um processo em cadeia infinito. A filosofia descreve a realidade e a reflete, portanto a dialética busca, não interpretar, mas refletir acerca da realidade. Por isso, seus três momentos (tese, antítese e síntese) não são um método, mas derivam da dialética mesma, da natureza das coisas.
  • 16. Métodos Científicos Método Dialético As leis da dialética Marxista Por causa das diferentes interpretações quanto ao número de leis fundamentais do método dialético pelos autores, para facilitar, podemos dizer que são quatro leis:  ação recíproca, unidade polar ou "tudo se relaciona";  mudança dialética, negação da negação ou "tudo se transforma";  passagem da quantidade à qualidade ou mudança qualitativa;  interpenetração dos contrários, contradição ou luta dos contrários.
  • 17. Métodos Científicos Método Dialético Outras considerações Para Abbagnano (1998, p.557) a indução “não constitui ciência porque a ciência é necessariamente demonstrativa”. Para o autor a indução “pode ser usada para fins de exercício, em dialética, ou com objetivos persuasivos em retórica” Retórica: arte de persuadir com o uso de instrumentos linguísticos. Sofismo ou falácia.
  • 18. Métodos Científicos Método Fenomenológico Preconizado por Husserl, o método fenomenológico não é dedutivo nem indutivo. Preocupa-se com a descrição direta da experiência tal como ela é. A realidade é construída socialmente e entendida como o compreendido, o interpretado, o comunicado. Então, a realidade não é única: existem tantas quantas forem as suas interpretações e comunicações. O sujeito/ator é reconhecidamente importante no processo de construção do conhecimento (GIL, 1999; TRIVIÑOS, 1992).
  • 19. Métodos Científicos Método Hermenêutico A hermenêutica surgiu como “reflexão teórica-metodológica acerca da prática de interpretação dos textos sagrados, clássicos (literários) e jurídicos (leis)” (Domingues, 2004, p. 345). Compreende atualmente um vasto campo com diferentes objetivos e posições filosóficas, assim como diferentes métodos de interpretação de textos inspirados em teóricos como Schleiermacher (1768-1834), Dilthey (1833- 1911), Weber (1864-1920), Mannheim (1893-1947), Heidegger (1889-1976), Gadamer (1900-2002), Habermas (1929-) e Ricoeur (1913-).
  • 20. Métodos Científicos Método Fenomenológico-Hermenêutico O método fenomenológico trata de desenhar o fenômeno, pô-lo a descoberto para além da aparência, apegando-se somente aos fatos vividos da experiência. E até mesmo mais do que isto. A reflexão hermenêutica consiste na dialética da interpretação do significado dos dados de pesquisa como um movimento dinâmico para compreensões mais profundas.
  • 21. Métodos Científicos Considerações finais Na era do caos, do indeterminismo e da incerteza, os métodos científicos andam com seu prestígio abalado. Apesar da sua reconhecida importância, hoje, mais do que nunca, se percebe que a ciência não é fruto de um roteiro de criação totalmente previsível. Portanto, não há apenas uma maneira de raciocínio capaz de dar conta do complexo mundo das investigações científicas. O ideal seria você empregar métodos, e não um método em particular, que ampliem as possibilidades de análise e obtenção de respostas para o problema proposto na pesquisa.
  • 22. Etapas da pesquisa A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma: 1) escolha do tema; 2) revisão de literatura; 3) justificativa; 4) formulação do problema; 5) determinação de objetivos; 6) metodologia; 7) coleta de dados; 8) tabulação de dados; 9) análise e discussão dos resultados; 10) conclusão da análise dos resultados; 11) redação e apresentação do trabalho científico (artigo, tcc, monografia, dissertação ou tese).
  • 23. Metodologia Amostras não-probabilísticas Amostras acidentais compostas por acaso, com pessoas que vão aparecendo; Amostras por cotas diversos elementos constantes da população/universo, na mesma proporção; Amostras intencionais escolhidos casos para a amostra que representem o “bom julgamento” da população/universo.
  • 24. Metodologia Amostras probabilísticas Amostras causais simples cada elemento da população tem oportunidade igual de ser incluído na amostra; Amostras causais estratificadas cada estrato, definido previamente, estará representado na amostra; Amostras por agrupamento reunião de amostras representativas de uma população. Para definição das amostras recomenda-se a aplicação de técnicas estatísticas. Barbetta (1999) fornece uma abordagem muito didática referente à delimitação de amostras e ao emprego da estatística em pesquisas.