SlideShare uma empresa Scribd logo
O Progresso e o Meio Ambiente.   Pesquisa, Criação e Montagem:   Simone Tavares da Silva. E-mail:simonetavs1502@yahoo.com.br É expressamente proibida a utilização do presente trabalho sem a prévia autorização de sua realizadora: Simone Tavares da Silva.
              O presente trabalho analisa o  passado  e o  presente  da baixada fluminense. Uma região do Estado do Rio de Janeiro que nos últimos anos vem alcançando um notável crescimento.
Seu objetivo é realizar uma síntese do processo de   formação, produção e   reprodução   desta área, focando nos aspectos das mudanças no meio ambiente.
Século XVI
Caracterizada por uma paisagem natural composta por planícies, colinas, morros, manguezais, serra do Mar ao fundo, matas, rica rede hidrográfica desaguando na Baía de Guanabara tendo a mesma como porta de entrada, essa era a visão daqueles que se destinavam a Baixada Fluminense nos primeiros séculos da colonização e ocupação.
Século XVII No final dos anos do século XVII sob o ciclo da cana tem-se o registro da abertura de novos caminhos. Esses surgem impulsionados pelo descobrimento e exploração de minas de ouro nas Minas Gerais (Ciclo do Ouro).
Não tardou que o Ciclo do Ouro aliado ao Tropeirismo viesse a acarretar  mudanças   na paisagem  da Baixada e interferisse na vida política e econômica do Rio de Janeiro.
Século XVIII Logo em seguida,veio a monocultura cafeeira, que resultou para Baixada Fluminense no surgimento e  aglomerações populacionais fixadas no ponto de encontro entre as vias de circulação aquática e terrestre.
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object]
[object Object]
Alberto Ribeiro Lamego, menciona o caso de Itaguaí, que nesta época,elevou-se de aldeia à vila. Caminho das calçadas,em Itaguaí, por onde o Príncipe Regente, Dom Pedro I, passava constantemente a caminho de São Paulo e Minas Gerais.
O grande tráfego de mercadorias e principalmente do café que transitava pela Baixada através de seus caminhos e rios, ficavam à mercê das inconveniências naturais dos rios.
SéculoXIX Essas dificuldades encontradas para o escoamento das mercadorias e produtos agrícolas levavam a procura de soluções achando-as nos trilhos, ou seja, na   instalação de vias férreas.
No dia 30  de abril de 1854 Mauá inaugura a primeira estrada de ferro do Brasil.
Já na segunda metade do mesmo século  tem-se a implantação de indústrias.
Século XX No final da década de 20 do século XX, começaram a serem abertas rodovias como as: Rodovia Washington Luiz, a antiga Rio - São Paulo, a Avenida Automóvel Club; expansão da rede elétrica, possibilitando desenvolvimento dos transportes e ocupação de terras  .
Um processo de industrialização atinge o país durante os anos da 2ª Guerra Mundial. Esse processo culminou na mudança da imagem de um país predominantemente agrícola e rural, para um país urbano-industrial.
No estado do Rio de Janeiro, caracterizou-se a presença de estabelecimentos industriais ligados a vários gêneros e segmentos.
Século XXI O crescimento econômico das sociedades modernas vem sendo acompanhado por um processo de  degradação ambiental  e de  destruição de ecossistemas .
Poluição Hídrica
A GUANABARA PEDE  SOCORRO
Mas, apesar de tudo, é crescente o número de empresas que vêm se preocupando com o desenvolvimento sustentável e preservação ambiental.
Empregando técnicas de reflorestamento e reintegração de espécies tanto da flora, quanto da fauna local onde suas indústrias são implantadas.
Petrobras e Cedae participam do Encontro Águas de Março 2007                                                                                         Ações para recuperar o rio Taquari
Um dos bem sucedidos projetos da Green Cross do Brasil, trata da recuperação e conservação de remanescentes de manguezais ao longo da Costa Brasileira. Defesa Civil e Secretaria de Meio Ambiente de Angra dos Reis lançam projeto de reflorestamento.
Petrobras patrocina projeto que conserva a Floresta da Tijuca. Embrapa e Petrobras vão recuperar solos degradados no Nordeste .
Projeto Tamar Projeto Chico Mendes
Projeto Arara-Azul Projeto Ararajuba
Projeto Peixe-Boi-Marinho   “ É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve.”  Victor Hugo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doc 816
Doc 816Doc 816
Doc 816
thales braneo
 
Enchente em quebrangulo zona rural
Enchente em quebrangulo   zona ruralEnchente em quebrangulo   zona rural
Enchente em quebrangulo zona rural
Quebrangulo
 
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
Rogerio Catanese
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Nicolas Cohen
 
A questão da Água
A questão da ÁguaA questão da Água
A questão da Água
neusaazevedo
 
Regiões brasileiras 2013
Regiões brasileiras 2013Regiões brasileiras 2013
Regiões brasileiras 2013
João José Ferreira Tojal
 
Velho Chico
Velho ChicoVelho Chico
Velho Chico
SempreViva Eliana
 
Aulã£o upe 14 novembro.
Aulã£o upe 14 novembro.Aulã£o upe 14 novembro.
Aulã£o upe 14 novembro.
Ajudar Pessoas
 
Hidrografia geral
Hidrografia geralHidrografia geral
Hidrografia geral
Gabriel Lecoque Francisco
 
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 CTemporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
Ana T.
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
Conceição Fontolan
 
Região Hidrográfica do Paraguai
 Região Hidrográfica do Paraguai  Região Hidrográfica do Paraguai
Região Hidrográfica do Paraguai
Luiz Carlos
 
RAMadeira_agricultura
RAMadeira_agriculturaRAMadeira_agricultura
RAMadeira_agricultura
Idalina Leite
 
Velho Chico
Velho ChicoVelho Chico
Velho Chico
SempreViva Eliana
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São FranciscoTransposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
GUILHERME FRANÇA
 
CLIMA DO MUNICÍPIO
CLIMA DO MUNICÍPIOCLIMA DO MUNICÍPIO
CLIMA DO MUNICÍPIO
Letras Mágicas
 
Subsídio 4 por uma geopolítica da água
Subsídio 4 por uma geopolítica da águaSubsídio 4 por uma geopolítica da água
Subsídio 4 por uma geopolítica da água
paulistaluna
 
Cuta
CutaCuta
Aquífero Guarani 1 A
Aquífero Guarani 1 AAquífero Guarani 1 A
Aquífero Guarani 1 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Privest - Cap. 07 - Hidrografia
Privest - Cap.   07 - HidrografiaPrivest - Cap.   07 - Hidrografia
Privest - Cap. 07 - Hidrografia
profrodrigoribeiro
 

Mais procurados (20)

Doc 816
Doc 816Doc 816
Doc 816
 
Enchente em quebrangulo zona rural
Enchente em quebrangulo   zona ruralEnchente em quebrangulo   zona rural
Enchente em quebrangulo zona rural
 
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
Jornal do Meio Ambiente - Amparo 2012
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
A questão da Água
A questão da ÁguaA questão da Água
A questão da Água
 
Regiões brasileiras 2013
Regiões brasileiras 2013Regiões brasileiras 2013
Regiões brasileiras 2013
 
Velho Chico
Velho ChicoVelho Chico
Velho Chico
 
Aulã£o upe 14 novembro.
Aulã£o upe 14 novembro.Aulã£o upe 14 novembro.
Aulã£o upe 14 novembro.
 
Hidrografia geral
Hidrografia geralHidrografia geral
Hidrografia geral
 
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 CTemporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
Temporal Na Ilha Da Madeira Em 2010 9 C
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
 
Região Hidrográfica do Paraguai
 Região Hidrográfica do Paraguai  Região Hidrográfica do Paraguai
Região Hidrográfica do Paraguai
 
RAMadeira_agricultura
RAMadeira_agriculturaRAMadeira_agricultura
RAMadeira_agricultura
 
Velho Chico
Velho ChicoVelho Chico
Velho Chico
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São FranciscoTransposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
 
CLIMA DO MUNICÍPIO
CLIMA DO MUNICÍPIOCLIMA DO MUNICÍPIO
CLIMA DO MUNICÍPIO
 
Subsídio 4 por uma geopolítica da água
Subsídio 4 por uma geopolítica da águaSubsídio 4 por uma geopolítica da água
Subsídio 4 por uma geopolítica da água
 
Cuta
CutaCuta
Cuta
 
Aquífero Guarani 1 A
Aquífero Guarani 1 AAquífero Guarani 1 A
Aquífero Guarani 1 A
 
Privest - Cap. 07 - Hidrografia
Privest - Cap.   07 - HidrografiaPrivest - Cap.   07 - Hidrografia
Privest - Cap. 07 - Hidrografia
 

Destaque

Revolução industrial vinicius e tita5
Revolução industrial vinicius e tita5Revolução industrial vinicius e tita5
Revolução industrial vinicius e tita5
ANDRADELIMA
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Valeria Kosicki
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Economia e Meio Ambiente
Economia e Meio AmbienteEconomia e Meio Ambiente
Economia e Meio Ambiente
lizsantana
 
Introdução à economia ambiental
Introdução à economia ambientalIntrodução à economia ambiental
Introdução à economia ambiental
dalgoberto
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
Universidade Federal Fluminense
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
NAPNE
 

Destaque (7)

Revolução industrial vinicius e tita5
Revolução industrial vinicius e tita5Revolução industrial vinicius e tita5
Revolução industrial vinicius e tita5
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Economia e Meio Ambiente
Economia e Meio AmbienteEconomia e Meio Ambiente
Economia e Meio Ambiente
 
Introdução à economia ambiental
Introdução à economia ambientalIntrodução à economia ambiental
Introdução à economia ambiental
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
 

Semelhante a Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares

Historia urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiroHistoria urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiro
Salageo Cristina
 
História e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de CaxiasHistória e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de Caxias
Antonio Futuro
 
Manual de educação ambiental vol 3
Manual de educação ambiental vol 3Manual de educação ambiental vol 3
Manual de educação ambiental vol 3
Ananda Helena
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
ufmt
 
Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro   Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro
Paloma Santos
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
Pré Master
 
A cidade do rio de janeiro
A cidade do rio de janeiroA cidade do rio de janeiro
A cidade do rio de janeiro
Gla Santos
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Valdir Lamim-Guedes
 
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
Agência Peixe Vivo
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
ecsette
 
Rio Guadiana
Rio GuadianaRio Guadiana
Rio Guadiana
Patricia Martins
 
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docxA AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
marciasilva376
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Idalina Leite
 
Rio grande
Rio grande Rio grande
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
Escola Municipal Vila Monte Cristo
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
ANDRADELIMA
 
Turismo e populacoes_afrodescendentes
Turismo e populacoes_afrodescendentesTurismo e populacoes_afrodescendentes
Turismo e populacoes_afrodescendentes
RoneiAndrade
 
Portfolio digital
Portfolio   digitalPortfolio   digital
Portfolio digital
007 queiroz
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
maria luiza de paula mazzucatto
 
Rio Grande (2)
Rio Grande (2)Rio Grande (2)
Rio Grande (2)
Home
 

Semelhante a Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares (20)

Historia urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiroHistoria urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiro
 
História e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de CaxiasHistória e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de Caxias
 
Manual de educação ambiental vol 3
Manual de educação ambiental vol 3Manual de educação ambiental vol 3
Manual de educação ambiental vol 3
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro   Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro
 
Regiões Geoeconômicas
Regiões GeoeconômicasRegiões Geoeconômicas
Regiões Geoeconômicas
 
A cidade do rio de janeiro
A cidade do rio de janeiroA cidade do rio de janeiro
A cidade do rio de janeiro
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
 
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
Parecer ictiofauna no Rio das Velhas: revitalização, barragens e conexões com...
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
 
Rio Guadiana
Rio GuadianaRio Guadiana
Rio Guadiana
 
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docxA AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
A AMAZÔNIA NA DÉCADA DE 60.docx
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 
Rio grande
Rio grande Rio grande
Rio grande
 
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
GUAÍBA: UM FALSO RIO CONTA A HISTÓRIA DA CIDADE
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
 
Turismo e populacoes_afrodescendentes
Turismo e populacoes_afrodescendentesTurismo e populacoes_afrodescendentes
Turismo e populacoes_afrodescendentes
 
Portfolio digital
Portfolio   digitalPortfolio   digital
Portfolio digital
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
 
Rio Grande (2)
Rio Grande (2)Rio Grande (2)
Rio Grande (2)
 

Mais de Simone

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
Simone
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
Simone
 
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Simone
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
Simone
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Simone
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Simone
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Simone
 

Mais de Simone (7)

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
 
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 

Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares

  • 1. O Progresso e o Meio Ambiente. Pesquisa, Criação e Montagem: Simone Tavares da Silva. E-mail:simonetavs1502@yahoo.com.br É expressamente proibida a utilização do presente trabalho sem a prévia autorização de sua realizadora: Simone Tavares da Silva.
  • 2.              O presente trabalho analisa o passado e o presente da baixada fluminense. Uma região do Estado do Rio de Janeiro que nos últimos anos vem alcançando um notável crescimento.
  • 3. Seu objetivo é realizar uma síntese do processo de formação, produção e reprodução desta área, focando nos aspectos das mudanças no meio ambiente.
  • 5. Caracterizada por uma paisagem natural composta por planícies, colinas, morros, manguezais, serra do Mar ao fundo, matas, rica rede hidrográfica desaguando na Baía de Guanabara tendo a mesma como porta de entrada, essa era a visão daqueles que se destinavam a Baixada Fluminense nos primeiros séculos da colonização e ocupação.
  • 6. Século XVII No final dos anos do século XVII sob o ciclo da cana tem-se o registro da abertura de novos caminhos. Esses surgem impulsionados pelo descobrimento e exploração de minas de ouro nas Minas Gerais (Ciclo do Ouro).
  • 7. Não tardou que o Ciclo do Ouro aliado ao Tropeirismo viesse a acarretar mudanças na paisagem da Baixada e interferisse na vida política e econômica do Rio de Janeiro.
  • 8. Século XVIII Logo em seguida,veio a monocultura cafeeira, que resultou para Baixada Fluminense no surgimento e aglomerações populacionais fixadas no ponto de encontro entre as vias de circulação aquática e terrestre.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Alberto Ribeiro Lamego, menciona o caso de Itaguaí, que nesta época,elevou-se de aldeia à vila. Caminho das calçadas,em Itaguaí, por onde o Príncipe Regente, Dom Pedro I, passava constantemente a caminho de São Paulo e Minas Gerais.
  • 14. O grande tráfego de mercadorias e principalmente do café que transitava pela Baixada através de seus caminhos e rios, ficavam à mercê das inconveniências naturais dos rios.
  • 15. SéculoXIX Essas dificuldades encontradas para o escoamento das mercadorias e produtos agrícolas levavam a procura de soluções achando-as nos trilhos, ou seja, na instalação de vias férreas.
  • 16. No dia 30  de abril de 1854 Mauá inaugura a primeira estrada de ferro do Brasil.
  • 17. Já na segunda metade do mesmo século tem-se a implantação de indústrias.
  • 18. Século XX No final da década de 20 do século XX, começaram a serem abertas rodovias como as: Rodovia Washington Luiz, a antiga Rio - São Paulo, a Avenida Automóvel Club; expansão da rede elétrica, possibilitando desenvolvimento dos transportes e ocupação de terras .
  • 19. Um processo de industrialização atinge o país durante os anos da 2ª Guerra Mundial. Esse processo culminou na mudança da imagem de um país predominantemente agrícola e rural, para um país urbano-industrial.
  • 20. No estado do Rio de Janeiro, caracterizou-se a presença de estabelecimentos industriais ligados a vários gêneros e segmentos.
  • 21. Século XXI O crescimento econômico das sociedades modernas vem sendo acompanhado por um processo de degradação ambiental e de destruição de ecossistemas .
  • 23. A GUANABARA PEDE SOCORRO
  • 24. Mas, apesar de tudo, é crescente o número de empresas que vêm se preocupando com o desenvolvimento sustentável e preservação ambiental.
  • 25. Empregando técnicas de reflorestamento e reintegração de espécies tanto da flora, quanto da fauna local onde suas indústrias são implantadas.
  • 26. Petrobras e Cedae participam do Encontro Águas de Março 2007                                                                                       Ações para recuperar o rio Taquari
  • 27. Um dos bem sucedidos projetos da Green Cross do Brasil, trata da recuperação e conservação de remanescentes de manguezais ao longo da Costa Brasileira. Defesa Civil e Secretaria de Meio Ambiente de Angra dos Reis lançam projeto de reflorestamento.
  • 28. Petrobras patrocina projeto que conserva a Floresta da Tijuca. Embrapa e Petrobras vão recuperar solos degradados no Nordeste .
  • 29. Projeto Tamar Projeto Chico Mendes
  • 31. Projeto Peixe-Boi-Marinho “ É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve.” Victor Hugo