SlideShare uma empresa Scribd logo
RESÍDUO INDUSTRIAL.                                                                                                                    Altas chaminés de usinas termelétricas lançam dióxido de enxofre,  que pode pairar no ar acima das plantações. O lixo doméstico é apenas uma pequena parte de todo o lixo produzido. A indústria é responsável por grande quantidade de lixo – sobras de carvão mineral, refugos da indústria metalúrgica, lixo químico e gás e fumaça lançados pelas chaminés das fábricas. As sociedades desenvolvidas precisam da indústria para produzir energia e bens que mantenham seu estilo de vida. As atividades industriais abrangem processamento de alimentos, mineração, produção petroquímica e de plástico, metais e produtos químicos, papel e celulose, e a manufatura de bens de consumo, como a televisão. Por sua vez, a indústria necessita de matéria-prima, como o ferro, a água e a madeira, para a produção desses bens. Esses processos de manufatura produzem lixo, que pode ser inofensivo ou tóxico.
Foto tirada por militantes do Greenpeace. Mostra lixo tóxico,  chamado "lama amarela", sendo jogada fora, nas costas do norte da França. Todos os dias, uma companhia francesa joga 2000 toneladas dessa lama no Canal. O lixo tóxico pode causar grandes danos à natureza e aos homens, principalmente se for produzido em grandes quantidades.
Lixo perigoso  Cerca de 10 a 20% do lixo industrial pode ser perigoso ao homem e aos ecossistemas. Inclui produtos químicos, como o cianureto; pesticidas, como o DDT; solventes; asbestos e metais, como o mercúrio e o cádmio. A indústria elimina lixo por vários processos. Alguns produtos, principalmente os sólidos, são amontoados em depósitos, enquanto que o lixo líquido é, geralmente, despejado nos rios e mares, de uma ou de outra forma.        Alguns lixos químicos são tão tóxicos que são necessárias roupas protetoras e equipamento especial para lidar com eles. Certos lixos perigosos são jogados no meio ambiente, precisamente por serem tão danosos. Não se sabe como lidar com eles com segurança e espera-se que o ambiente absorva as substâncias tóxicas. Porém, essa não é uma solução segura para o problema. Muitos metais e produtos químicos não são naturais, nem biodegradáveis. Em conseqüência, quanto mais se enterra lixo, mais os ciclos naturais são ameaçados, e o ambiente se torna poluído. Desde os anos 50, o lixo químico e tóxico tem causado desastres cada vez mais freqüentes e sérios.
                                                        Em 1976, ocorreu um vazamento de dioxina de uma fábrica em Seveso, Itália.  Plantações e criações foram envenenadas, enquanto que em vários lugares o povo sofreu,  a longo prazo, problemas de saúde. Atualmente, há mais de 7 milhões de produtos químicos conhecidos, e a cada ano outros milhares são descobertos. Isso dificulta, cada vez mais, o tratamento efetivo do lixo. Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br
TIPOS MAIS COMUNS DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS:
CICLO DOS ELEMENTOS AFETADOS POR RESÍDUOS:
POSSÍVEL SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA DOS RESÍDUOS INDUSTRIAIS: Sistema de Gestão de Resíduos Industriais – SGR. Passo 1 :  Iniciar um processo de mudança gerencial e comportamental na indústria, voltada para a gestão de resíduos, sensibilizando a todos para a importância da adoção de práticas e procedimentos que observem a qualidade ambiental e integrem a atividade produtiva ao meio ambiente. Com o conhecimento das bases de um  SGR , a atividade deverá concentrar-se nas ações prioritárias, assegurando o comprometimento para sua implantação. Passo 2 :  Formular um plano de ação para coleta, manuseio e armazenamento dos resíduos gerados, para atender sua política ambiental, identificando aspectos relevantes para a gestão dos resíduos à luz dos requisitos legais aplicáveis. Na implementação do plano é fundamental que se considere o inventário dos resíduos gerados, segregação, acondicionamento, transporte, armazenamento, procedimentos de emergência e treinamento. Passo 3 :  Medir, avaliar e monitorar o desempenho do  SGR , promovendo sua revisão e identificando oportunidades de aprimoramento. Com o adequado uso da auditoria ambiental, instrumento de análise e aprimoramento de ações desenvolvidas, assegurase o fechamento do ciclo que une o planejamento ao desempenho ambiental e promove-se a assunção de responsabilidades em todos os níveis, a credibilidade e o cumprimento da legislação ambiental.
O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominarem a si mesmos. Albert Schweitzer  PORÉM,EMBORA RECONSTRUIR SEJA UMA  TAREFA DIFÍCIL...QUE EXIGE CORAGEM...PACIÊNCIA...PERSEVERANÇA E MUITO AMOR, O HOMEM MOSTRA TODOS OS  DIAS, QUE POSSUI DE FORMA INTRÍNSECA TODOS ESTES ELEMENTOS DENTRO DE SI.  Simone Tavares.
SENAC RIO/UNIDADE ITAGUAÍ. TURMA:2008.1. DOCENTE: DULCINÉIA. DISCENTES: CELINA,ELENIZE,ISABELLE E SIMONE.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
Denise Marinho
 
Resíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos UrbanosResíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos Urbanos
JMCDINIS
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
Raúl Freitas
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
joanadesousaesilva
 
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Helena Marques
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Acilesio Baptista
 
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
bonitoribeiro
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em PortugalEvolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
Sofia_Afonso
 
Nr 25
Nr 25Nr 25
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu SmResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
guest3c1e728
 
Resíduos Sólidos
 Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos
Resíduos Sólidos
Thamyris Carvalho
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
antoniosantos
 
Resíduos Sólidos
Resíduos SólidosResíduos Sólidos
Resíduos Sólidos
Adminefa
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Maria Teixiera
 
Resíduos 8º ano
Resíduos   8º anoResíduos   8º ano
Resíduos 8º ano
FloripeAbreu
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
Giulio Altoé
 
Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos
Diego Righi
 
Resíduos
ResíduosResíduos

Mais procurados (20)

Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
 
Resíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos UrbanosResíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos Urbanos
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
 
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
Resíduos - um mal necessário.O que fazer?
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em PortugalEvolução histórica dos resíduos em Portugal
Evolução histórica dos resíduos em Portugal
 
Nr 25
Nr 25Nr 25
Nr 25
 
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu SmResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
 
Resíduos Sólidos
 Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos
Resíduos Sólidos
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Resíduos Sólidos
Resíduos SólidosResíduos Sólidos
Resíduos Sólidos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Resíduos 8º ano
Resíduos   8º anoResíduos   8º ano
Resíduos 8º ano
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
 
Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 

Semelhante a ResíDuos Industriais.

Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de VidaPromocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
CarmenElica
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Maira Teixeira
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
Alex Santiago Nina
 
Lixo industrial e lixo doméstico
Lixo industrial e lixo domésticoLixo industrial e lixo doméstico
Lixo industrial e lixo doméstico
Renan Gonçalves Donha
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Controle poluição usinas
Controle poluição usinasControle poluição usinas
Controle poluição usinas
Alana Santos
 
Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014
Eduardo De Souza Ferreira
 
Lixo- Gincana ecológica
Lixo- Gincana ecológicaLixo- Gincana ecológica
Lixo- Gincana ecológica
nielimaia
 
Lixo5
Lixo5Lixo5
Lixo5
Lixo5Lixo5
Lixo
LixoLixo
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
KaikPinheiros
 
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
gomezzeduardo88
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Tânnia Grigorieff
 
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.pptColeta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
carlossilva333486
 
Lixo
LixoLixo
Lixo5
Lixo5Lixo5

Semelhante a ResíDuos Industriais. (20)

Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de VidaPromocao Saúde e Qualidade de Vida
Promocao Saúde e Qualidade de Vida
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Lixo industrial e lixo doméstico
Lixo industrial e lixo domésticoLixo industrial e lixo doméstico
Lixo industrial e lixo doméstico
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Controle poluição usinas
Controle poluição usinasControle poluição usinas
Controle poluição usinas
 
Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014
 
Lixo- Gincana ecológica
Lixo- Gincana ecológicaLixo- Gincana ecológica
Lixo- Gincana ecológica
 
Lixo5
Lixo5Lixo5
Lixo5
 
Lixo5
Lixo5Lixo5
Lixo5
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
Aula 01- A evolucao da questao ambiental e suas repercussoes no ambiente empr...
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
 
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.pptColeta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Lixo5
Lixo5Lixo5
Lixo5
 

Mais de Simone

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
Simone
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
Simone
 
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Simone
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Simone
 
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone TavaresProgresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Simone
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Simone
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Simone
 

Mais de Simone (7)

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
 
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
 
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone TavaresProgresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
 

Último

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

ResíDuos Industriais.

  • 1. RESÍDUO INDUSTRIAL.                                                                                                                    Altas chaminés de usinas termelétricas lançam dióxido de enxofre, que pode pairar no ar acima das plantações. O lixo doméstico é apenas uma pequena parte de todo o lixo produzido. A indústria é responsável por grande quantidade de lixo – sobras de carvão mineral, refugos da indústria metalúrgica, lixo químico e gás e fumaça lançados pelas chaminés das fábricas. As sociedades desenvolvidas precisam da indústria para produzir energia e bens que mantenham seu estilo de vida. As atividades industriais abrangem processamento de alimentos, mineração, produção petroquímica e de plástico, metais e produtos químicos, papel e celulose, e a manufatura de bens de consumo, como a televisão. Por sua vez, a indústria necessita de matéria-prima, como o ferro, a água e a madeira, para a produção desses bens. Esses processos de manufatura produzem lixo, que pode ser inofensivo ou tóxico.
  • 2. Foto tirada por militantes do Greenpeace. Mostra lixo tóxico, chamado "lama amarela", sendo jogada fora, nas costas do norte da França. Todos os dias, uma companhia francesa joga 2000 toneladas dessa lama no Canal. O lixo tóxico pode causar grandes danos à natureza e aos homens, principalmente se for produzido em grandes quantidades.
  • 3. Lixo perigoso Cerca de 10 a 20% do lixo industrial pode ser perigoso ao homem e aos ecossistemas. Inclui produtos químicos, como o cianureto; pesticidas, como o DDT; solventes; asbestos e metais, como o mercúrio e o cádmio. A indústria elimina lixo por vários processos. Alguns produtos, principalmente os sólidos, são amontoados em depósitos, enquanto que o lixo líquido é, geralmente, despejado nos rios e mares, de uma ou de outra forma.        Alguns lixos químicos são tão tóxicos que são necessárias roupas protetoras e equipamento especial para lidar com eles. Certos lixos perigosos são jogados no meio ambiente, precisamente por serem tão danosos. Não se sabe como lidar com eles com segurança e espera-se que o ambiente absorva as substâncias tóxicas. Porém, essa não é uma solução segura para o problema. Muitos metais e produtos químicos não são naturais, nem biodegradáveis. Em conseqüência, quanto mais se enterra lixo, mais os ciclos naturais são ameaçados, e o ambiente se torna poluído. Desde os anos 50, o lixo químico e tóxico tem causado desastres cada vez mais freqüentes e sérios.
  • 4.                                                         Em 1976, ocorreu um vazamento de dioxina de uma fábrica em Seveso, Itália. Plantações e criações foram envenenadas, enquanto que em vários lugares o povo sofreu, a longo prazo, problemas de saúde. Atualmente, há mais de 7 milhões de produtos químicos conhecidos, e a cada ano outros milhares são descobertos. Isso dificulta, cada vez mais, o tratamento efetivo do lixo. Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br
  • 5. TIPOS MAIS COMUNS DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS:
  • 6. CICLO DOS ELEMENTOS AFETADOS POR RESÍDUOS:
  • 7. POSSÍVEL SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA DOS RESÍDUOS INDUSTRIAIS: Sistema de Gestão de Resíduos Industriais – SGR. Passo 1 : Iniciar um processo de mudança gerencial e comportamental na indústria, voltada para a gestão de resíduos, sensibilizando a todos para a importância da adoção de práticas e procedimentos que observem a qualidade ambiental e integrem a atividade produtiva ao meio ambiente. Com o conhecimento das bases de um SGR , a atividade deverá concentrar-se nas ações prioritárias, assegurando o comprometimento para sua implantação. Passo 2 : Formular um plano de ação para coleta, manuseio e armazenamento dos resíduos gerados, para atender sua política ambiental, identificando aspectos relevantes para a gestão dos resíduos à luz dos requisitos legais aplicáveis. Na implementação do plano é fundamental que se considere o inventário dos resíduos gerados, segregação, acondicionamento, transporte, armazenamento, procedimentos de emergência e treinamento. Passo 3 : Medir, avaliar e monitorar o desempenho do SGR , promovendo sua revisão e identificando oportunidades de aprimoramento. Com o adequado uso da auditoria ambiental, instrumento de análise e aprimoramento de ações desenvolvidas, assegurase o fechamento do ciclo que une o planejamento ao desempenho ambiental e promove-se a assunção de responsabilidades em todos os níveis, a credibilidade e o cumprimento da legislação ambiental.
  • 8. O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominarem a si mesmos. Albert Schweitzer PORÉM,EMBORA RECONSTRUIR SEJA UMA TAREFA DIFÍCIL...QUE EXIGE CORAGEM...PACIÊNCIA...PERSEVERANÇA E MUITO AMOR, O HOMEM MOSTRA TODOS OS DIAS, QUE POSSUI DE FORMA INTRÍNSECA TODOS ESTES ELEMENTOS DENTRO DE SI. Simone Tavares.
  • 9. SENAC RIO/UNIDADE ITAGUAÍ. TURMA:2008.1. DOCENTE: DULCINÉIA. DISCENTES: CELINA,ELENIZE,ISABELLE E SIMONE.