SlideShare uma empresa Scribd logo
SENAC ITAGUAÍ. TURMA: 2008.1. SIMONE TAVARES DA SILVA. PROJETO FINAL PROJETO FINAL.
CONTEÚDO DO TRABALHO. ,[object Object],[object Object]
INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL   Visão Geral: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
NR  18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Construção . ,[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],CONJUNTO RESIDENCIAL. MARÇO/ 09 RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÀO DO PCMAT: CREA (Conselho Regional de Arquitetura e Agronomia). RESPONSÁVEL PELA OBRA: CREA OBS .:  O procedimento realizado no primeiro bloco é o mesmo a ser realizado nos blocos restantes.
1 –  IDENTIFICAÇÃO: 1.1 - ITACONSTRUL - INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. Endereço: Rua Prefeito Ismael Cavalcante,Quadra 02 / Lote 28. Itaguaí -  RJ. CNPJ: 03988011 / 1199 – 43. Responsável Técnico: Engenheiro José da Silva. Atividade: Construção de Edifícios. CNAE:  41.20-4 Grau de Risco: 4 1 Médico do Trabalho 1 Auxiliar de Enfermagem do Trabalho   1 Engenheiro de Segurança do Trabalho 7 Suplentes   5 Técnico em Segurança do Trabalho 9 Efetivos 2.000 SESMT CIPA Nº de funcionários
2 -  DESCRIÇÃO DA OBRA: A empresa acima citada tem por finalidade construir prédios em condomínio fechado denominado Conjunto Residencial Pôr do Sol, sito à Rua: Bidu Saião nº314 – Bairro: Parque Independência – Itaguaí – RJ.  A obra consiste na construção de 24 (vinte e quatro) prédios residenciais de quatro pavimentos e 32 (trinta e dois) apartamentos cada,  envolvendo  todo o processo de infra-estrutura e urbanização para o conjunto residencial, totalizando uma área de 128.272,96 metros quadrados destinados à área já construída e para a realização de todo o processo restante da obra. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
As etapas previstas da obra consistem em: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
3 -  LOCALIZAÇÃO E CROQUIS:
 
4 -  CRONOGRAMA PREVISTO DAS ETAPAS DA OBRA:
5 -  ÁREAS DE VIVÊNCIA: O número de operários que trabalham para a construtora (item 1) é de 2.000 pessoas.   Para garantir qualidade de vida, condições de higiene e integração do empregado na sociedade, com reflexos na produtividade da empresa, os canteiros de obra devem conter:  Vestiário e Armário:  Os trabalhadores que não moram no canteiro de obras têm direito a vestiário com chuveiro e a 1 armário individual. Instalações Sanitárias:  Devem ser adequadas e em perfeitas condições de higiene e limpeza, com lavatório, mictório e vaso sanitário, na proporção de um conjunto para cada grupo de trabalhadores e chuveiro na proporção de um para cada grupo de 10 trabalhadores. Refeitório:  O local para as refeições deve possuir piso de material lavável e mesas com tampos lisos e laváveis. O refeitório não pode estar localizado em subsolos ou porões das edificações. Alojamentos:  Se os empregados morarem no canteiro de obras, a empresa deve proporcionar-lhes dormitórios confortáveis e arejados e também lavanderia e área de lazer. Bebedouros:  Toda obra deve ter bebedouros com água filtrada e potável na proporção de 1 bebedouro para cada grupo de 25 trabalhadores.
RECOMENDAÇÕES PARA AS ÁREAS DE VIVÊNCIA: 5.1 - Instalações Sanitárias: Recomendamos que para manter em condições de higiene e a limpeza das instalações sanitárias, seja necessário lavar os vasos, mictórios e lavatórios duas vezes por dia. 5.2 - Vestiário: Instalar junto as paredes do vestiário bancos de madeira para atender os usuários, e manter a porta fechada com chave só abrindo antes do início e término da jornada de trabalho. AMBULATÓRIO MÉDICO:  O Ambulatório  instalado no canteiro administrativo tem as seguintes dependências: sala de atendimento, sala do médico, sala de curativos, sala de repouso, sala de emergência, chuveiro com lava olhos e sanitários.  No Canteiro de obras caso seja necessário a presença do Técnico de Enfermagem do Trabalho e/ou Médico do Trabalho, o encarregado aciona através do rádio.
6 -   PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA: 6.1 -   ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE ARMAÇÃO DE AÇO. 1 - A dobragem e o corte de vergalhões de aço em obras devem ser feitos sobre bancadas ou plataformas apropriadas e estáveis; 2 - Nas operações de manuseio e dobramento de vergalhões do aço é obrigatório o uso de luvas de raspa de couro e óculos de segurança; 4 - Durante a descarga de vergalhões de aço, a área deve ser isolada; 6.2 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE ALVENARIA E FECHAMENTOS. 1 - Após o término da jornada de trabalho, deve ser feito o asseio corporal com água em abundância e posterior troca de roupa, devido o contato com cimento; 2 - É necessário precaver-se quanto a queda de materiais, durante o levantamento de paredes, ou da execução de acabamentos; 3 - Não é permitida a improvisação de andaimes (caixotes de madeira) para a execução de arremates de paredes de alvenaria, os andaimes de madeira devem ser confeccionados somente por carpinteiros;
6.3 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. 1 - A operação com máquinas e equipamentos que exponham o operador ou terceiros a risco só pode ser feito por trabalhador qualificado e treinado, como: policorte, serra circular, solda e demais máquinas e equipamentos que exponham o operador a riscos de acidentes; 2 - Devem ser protegidas todas as partes móveis dos motores, transmissões e partes perigosas; 3 - Junto a bancada da máquina ou equipamento devem ser mantidos os equipamentos de proteção individual indispensáveis a sua operação; 4 - Toda máquina e equipamento deve estar localizada em ambiente com iluminação natural e/ou artificial adequada à atividade. 5 - As torres de elevadores de obras devem ser instaladas o mais próximo possível da edificação, em condições técnicas de suportar as cargas a que estarão sujeitas. Os elevadores para transporte de materiais devem ser revestidos de tela.
6.4 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM FERRAMENTAS. 1 - As ferramentas devem ser apropriadas ao uso a que se destinam, proibindo-se o emprego das defeituosas, danificadas ou improvisadas; 2 - As ferramentas devem ser portadas em caixas, sacolas, bolsas ou cintos apropriados, sendo proibido seu porte em bolsos ou locais inapropriados; 3 - As ferramentas elétricas devem estar devidamente aterradas. 6.5 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM ANDAIMES. 1 - O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado; 2 - Os andaimes devem ser, diariamente, inspecionados quanto às exigências de segurança pertinentes; 3 - Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem, movimentação e execução de trabalhos, em andaimes próximos às redes elétricas; 4 - Na confecção de andaime é proibido o uso de madeira que não seja de boa qualidade e que apresente emendas, rachaduras ou, defeitos que comprometam a sua resistência;
5 - Não será permitido trabalho em andaime com estabilidade e/ou rigidez comprometidas que coloquem em risco a segurança dos operários; 6 - É proibido o deslocamento de andaimes com trabalhadores sobre o mesmo devido o risco de tombamento; 7 - O ponto de instalação de qualquer aparelho de içar materiais, deve ser escolhido de modo a não comprometer a estabilidade e segurança do andaime. 8 - Bandeja: Os prédios devem ser equipados com uma plataforma de proteção na altura da primeira laje e acima desta, de 3 em 3 lajes, com tela de proteção nas suas extremidades. Se houver pavimentos inferiores, essas bandejas devem ser instaladas de 2 em 2 lajes, em direção ao subsolo. 9 - Guarda Corpo: É fundamental a instalação de proteção contra quedas de altura. O sistema de guarda-corpo com rodapé é uma delas. Essa proteção é constituída de travessas cujos vãos devem ser preenchidos por tela ou outro dispositivo que garanta o fechamento seguro da abertura.
6.6 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 - Todas as instalações elétricas nos canteiros devem ser executadas e montadas por pessoal habilitado e treinado; 2 - Somente podem ser realizados serviços nas instalações quando o circuito elétrico não estiver energizado; 3 - É proibido a existência de partes vivas expostas dos circuitos e equipamentos elétricos; 4 - É proibido a instalação de chaves ou disjuntores em banheiros; 5 - As extensões de máquinas e equipamentos portáteis, iluminação de emergência, só poderão ser feitos com cabo de dupla isolação e sem emendas; 6- Em todos os ramais destinados à ligação de equipamentos elétricos devem ser instalados disjuntores ou chaves magnéticas independente que possam ser acionados com facilidade e segurança; 7 - Só pode ser ligadas máquinas ou equipamentos elétricos por intermédio de conjunto plugue  e tomada.
6.7 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS EM TELHADOS. 1- Todo o serviço em telhado deve ser planejado com antecedência, verificando-se prioritariamente os seguintes itens: - situação de resistência do telhado; - local para fixação dos suportes e moitões (trava-quedas); - local de sinalização da área para içamento de e descida de materiais; - trajeto, visando reduzir o máximo caminhadas sobre o telhado; - instalações de cabo guia de aço para fixação do cinto de segurança; - dispositivos que permitam a movimentação segura dos trabalhadores. 2 - As tábuas utilizadas para locomoção sobre telhados, devem ser de boa qualidade, planas, isentas de nós, rachaduras ou defeitos que diminuam sua resistência, ser sobrepostas em 0,20 cm. no mínimo, devendo a sobreposição coincidir com as terças; 3 - Os cabos guias devem ter suas extremidades fixadas à estrutura definitiva da edificação por meio de suporte de aço inoxidável ou outro material de resistência e durabilidade equivalente; 4 - É proibido o trabalho em telhado com chuva ou vento, bem como concentrar  cargas num mesmo local.
6.8 - ESTABELECER A SISTEMÁTICA PARA ORGANIZAÇÃO DA CIPA - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. 1 - Após ser organizada a CIPA deve ser registrada na Delegacia Regional do Trabalho, até dez dias após a eleição; 2 - Deve ser realizado, para todos os membros da CIPA, curso de cipeiro com carga mínima de 18 horas, e em um prazo máximo de trinta dias após a eleição; 3 - A CIPA deverá se reunir semanalmente e, em caráter extraordinário se ocorrer algum acidente grave. 6.9 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA COM IMPLANTAÇÃO DE ORDENS DE SERVIÇO. 1 - Implantar a todos os trabalhadores, inclusive de empreiteiras, as fichas de Ordens de Serviço, conforme determina a NR-1 da Portaria 3214/78; 2 - Treinar e conscientizar todos os trabalhadores, inclusive de empreiteiras, dos riscos de acidentes e doenças profissionais inerentes  as suas atividades; 3 - Implantar reuniões “relâmpagos”, os chamados DDS (Diálogo Diário de Segurança), que serão realizadas diariamente dez minutos antes do início dos trabalhos, sobre segurança do trabalho.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
6.11 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA: Todas as frentes de trabalho e caminhos de serviços serão sinalizadas de acordo com os riscos de acidentes existentes e obedecendo aos padrões estabelecidos pelas Normas Internas, e Normas Regulamentadoras. CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS X X X X X X X X X X X Treinamento X X X X X X X X X X X Escoramentos de valas X X X X X X X X X X X Proteções em valas abertas X X X X X X X X X X X Acessos X X X X X X X X X X X Manuseio de máquinas e ferramentas X X X X X X X X X X X Sinalização de segurança na rodovia, ruas e frente de trabalho X X X X X X X X X X Incêndio X X X X X X X Trabalho noturno -iluminação X X X X X X X X X X Eletricidade X X X X X X X X X X Manutenção máquinas, equipamentos e ferramentas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículo / equipamento sobre rodas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículos / equipamentos na carreta X X X X X X X X X X X Transporte de equipamento pesado X X X X X X X X X X X Movimentação e transporte de materiais e pessoas FEV JAN DEZ NOV OUT SET AGO JUL JUN MAI ABR MAR PERÍODO DA AÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO 2009 MEDIDAS PREVENTIVAS
7 -  RISCOS DE ACIDENTES E DE DOENÇAS DO TRABALHO: Eletricista que trabalha com circuitos energizados Queimaduras parada cardio respiratória Aterramento etiquetas , cadeados , bloqueador Luvas para eletricista , botina sem componentes metálicos Circuitos elétricos energizados Choque elétrico Trabalhadores que transitam pela obra Contusões e fraturas Placas de segurança , isolamento Botina de segurança Geral Queda em mesmo nível Trabalhadores que ficam na área de risco Fraturas e traumatismo Isolamento , tela, rodapé Capacete, botina de segurança Içamento de peças Queda de material Ajudante Marteleteiros Pulmonares Silicose Umedecer o local Máscara de pó Limpeza  Demolição Poeira Ajudante Pintor Pulmonares Sistema de exaustão Luvas, aventais de PVC, mascara para produtos químicos Manuseio com produtos químicos Intoxicação Marteleteiro Carpinteiro Ajudante Rompimento do tímpano Surdez profissional Isolamento, biombos e barreiras Protetor auricular tipo plug e conchas Lixamento, serra circular, marreta, martelo pneumático Ruído Marteleteiro Problemas nas articulações e aparelho digestivo Úlcera Treinamento Luvas de Raspa Martelete, Lixadeira Vibração Soldador e Maçariqueiro Queimaduras Catarata Biombos avental, blusão, Luva de Raspa, mascara soldador, óculos maçariqueiro Soldagem Radiação não ionizante FUNÇÃO LESÕES DOENÇAS  TRABALHO EPC EPI ATIVIDADE RISCO
Operadores de microcomputador Mão / Ombros LER Treinamento Pausa no Trabalho Digitação Monotonia e Receptividade Armadores Ajudantes Coluna Lombalgia Talhas, Guindastes com trava de segurança Luva de Raspa Levantamento manual de peso e transporte manual de peças Esforço Maçariqueiros e trabalhadores que manuseiam cilindros Queimaduras e morte Extintor de incêndio , gaiolas , placas e válvulas de retenção Cilindros de oxigênio e acetileno (termolene) Incêndio / explosão Trabalhadores que ficam na área de risco Irritação e cegueira Isolamento , biombos e barreiras Óculos de segurança e protetor facial Lixamento , esmerilha mento fragmentação respingo Corpo estranho Ajudante  Maçariqueiro Armador Cortante Treinamento Luva de raspa Lançamento de cabos, transporte de chapas / tubos e material cortante Corte Funcionários que trabalham em altura Fraturas e traumatismo Guarda corpo ,rede de proteção , bandejas isolamento Cinto de segurança tipo pára-quedista com dois talabartes Trabalhos acima de 2 metros de altura e/ou com risco de queda Queda em diferença de nível FUNÇÃO LESÕES DOENÇAS  TRABALHO EPC EPI ATIVIDADE RISCO
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS  DAS PROTEÇÕES INDIVIDUAIS Bota de borracha, cano curto e cano longo, uso : em locais úmidos e lançamento de concreto. BOTINA DE BORRACHA Botina de couro com biqueira de aço ou similar em PU compacto cor preta, uso : em locais onde há queda de material e topadas. BOTINA COM BIQUEIRA Respirador de segurança facial de silicone ou plástico com cartuchos (filtros) químicos, uso : Pintura e manuseio de produtos químicos. MÁSCARA RESPIRATÓRIA Respirador de segurança descartável, peça facial de fibra prensada, uso : Poeira tóxicas. MÁSCARA DE SEGURANÇA Pano liso sem forro, tamanho grande espessura média fundo curto, uso : manuseio com produtos químicos. LUVA DE PVC Abafador de ruídos tipo concha de plástico, almofadado de espuma, recobertas de vinil, haste de plástico flexível , uso : Ruídos acima de 85 dB. PROTETOR AURICULAR  Tipo auricular de inserção tipo plug, moldável com cordão de plástico ou silicone, uso : Ruídos acima de 85 dB. PROTETOR AURICULAR  Viseira plástica incolor transparente, com suspensão de plástico regulável, uso : Lixamento e Pipe Shop. PROTETOR FACIAL Cinto de segurança tipo pára-quedista confeccionado em tiras, tipo suspensório, mosquetão com trava e talabarte de nylon ou corrente, uso : montagem CINTO DE SEGURANÇA Capacete de segurança, casco plástico com aba, suspensão ajustável e jugular, uso : Todos os trabalhadores no perímetro da obra. CAPACETE Em celeron ou similar, tipo articulada, contra radiações infravermelha e ultravioleta, visor com lente protetora, coroa de suspensão regulável, uso :Soldagem e elétrica. MÁSCARA PARA SOLDAGEM ELÉTRICA Perneira de raspa de couro com fecho de velcro ou fivela, uso : Maçariqueiro e Soldador. PERNEIRA DE RASPA Luva de raspa de couro, cano curto e/ou cano longo uso :  lançamento de cabos, montagem, transporte de material cortante, soldagem oxi-acetilenica e elétrica.  LUVA DE RASPA Avental de raspa de couro com suspensórios para uso de soldadores e maçariqueiros. AVENTAL DE RASPA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
TABELA DE DURABILIDADE DOS EPI : 01 dia eventual 01 um Respiradores descartáveis 01 mês eventual 01 um Protetor auricular plug 06 meses função do serviço 01  un Protetor auricular (concha) 02 meses função do serviço 01  un Óculos de proteção 01 día eventual 01 un Máscara contra poeira 01 ano eventual 01 um Máscara contra gases 01 ano obrigatório 01 par Luvas para eletricista 10 dias obrigatório 01 par Luvas de raspa de couro 06 meses obrigatório 01 cj Conjunto para soldador 06 meses função do serviço 01 cj Conjunto de PVC 01 ano função do serviço 01  un Cinto de Segurança 03 anos obrigatório 01  un Capacete 01 ano eventual 01 un Capa de chuva 05 meses obrigatório 02 conjuntos Calça e camisa 06 meses obrigatório 01 par Bota de couro 06 meses função do serviço 01 par Bota de borracha DURABILIDADE TIPO DE ENTREGA QUANTIDADE E P I D U R A B I L I D A D E (média)
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DAS PROTEÇÕES COLETIVAS Deverão ser utilizados para comunicação  quando as frentes estiverem distanciadas ou para operações especiais junto a rodovia. Rádio comunicador Em material, madeira, plástica ou metálica. Utilizado nas diversas frentes de serviço. Placas de Sinalização As frentes de trabalho deverão estar iluminadas com lâmpadas distribuídas adequadamente.  Iluminação Em material plástico, nas cores amarela e preta. Utilizadas para sinalização e isolamento de áreas de risco. Fita de Isolamento Extintor de água, pó químico e CO 2 . Extintor de Incêndio Poderão ser de madeira ou tubulares e servem para garantir o acesso dos trabalhadores de maneira segura. Escada Em duas cores, usado para sinalização de trânsito. Cone De madeira ou alambrado. Cerca Utilizadas para sinalização de veículo e para paralisação de trânsito. Bandeirola Para Sinalização Conforme Norma Técnica específica. Aterramento Elétrico Anteparo para proteção em áreas com risco de projeção de partículas e nas atividades com solda elétrica. Podem ser de madeira ou metálicos. Anteparo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EPC
CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS: X X X X X X X X X X X Treinamento X X X X X X X X X X X Escoramentos de valas X X X X X X X X X X X Proteções em valas abertas X X X X X X X X X X X Acessos X X X X X X X X X X X Manuseio de máquinas e ferramentas X X X X X X X X X X X Sinalização de segurança na rodovia, ruas e frente de trabalho X X X X X X X X X X Incêndio X X X X X X X Trabalho noturno -iluminação X X X X X X X X X X Eletricidade X X X X X X X X X X Manutenção máquinas, equipamentos e ferramentas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículo / equipamento sobre rodas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículos / equipamentos na carreta X X X X X X X X X X X Transporte de equipamento pesado X X X X X X X X X X X Movimentação e transporte de materiais e pessoas MAR FEV JAN DEZ NOV OUT SET AGO JUL JUN MAI ABR PERÍODO DA AÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO 2009. MEDIDAS PREVENTIVAS
PROGRAMAS EDUCATIVOS E PREVENTIVOS DE ACIDENTES Com o objetivo de criar uma participação ativa dos integrantes no programa de prevenção de acidentes, será promovida ao longo dos diversos estágios da obra, a prática constante de campanhas educativas, na busca de motivação e conscientização da segurança dos mesmos. Terão por finalidade principal a divulgação de conhecimento e o auxilio na educação da segurança, e como resultado a eliminação dos acidentes, criando uma atitude vigilante que permita reconhecer as condições e práticas que possam provocá-los. Todas as oportunidades de contato pessoal serão utilizadas para o cumprimento rigoroso das Normas de Segurança. Esses contatos serão praticados diariamente pelos Engenheiros responsáveis pelas Frentes de Serviço, pelos Encarregados e pelos Técnicos de Segurança com todos os níveis de funcionários,
CURSOS, PALESTRAS DE INTEGRAÇÃO E TREINAMENTOS: Serão realizados cursos de prevenção de acidentes, práticas corretas de trabalho, primeiros socorros, brigada de incêndio e outros assuntos co-relacionados com a segurança e com a obra. Estes cursos serão ministrados e/ou coordenados pela Área de Segurança da obra, com a colaboração de entidades envolvidas com o assunto. Todos os novos integrantes receberão palestras de integração, na qual será transmitida a macrovisão da obra; seus pontos críticos, regulamentos e normas diversas sobre administração, qualidade, meio ambiente, segurança e saúde no trabalho, utilização dos Equipamentos de Proteção Individual, etc. Os encarregados terão a responsabilidade de acompanhar o comportamento de novos empregados na percepção de suas reações e instruí-los, sempre que necessário, até que os mesmos estejam inteiramente integrados em suas funções e ambientados com as condições de trabalho.
Devem ser realizados treinamentos específicos de funções e atividades de acordo com a atividade e o cronograma de obras. Ficha de avaliação de treinamento Formação da COERGO Nov 2009 Comissão Ergonomia Ficha de avaliação de treinamento Anual Ago 2009 Encarregados Análise Preliminar de Níveis de Risco - APNR Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jul 2009 Topografia,  desmatamento Animais Peçonhentos Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Out 2009 Operadores de equipamento Prevenção de acidentes  para Operador de equipamento Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Set 2009 Eletricistas Segurança do Trabalho para Eletricista Ficha de avaliação de treinamento A cada mandato Mai 2009 Cipeiros Segurança do Trabalho para Componentes da CIPA Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jun 2009 Segurança, Eletricista, Brigadistas Prevenção e combate a incêndio Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jun 2009 Segurança, Eletricista, Brigadistas Primeiros Socorros Inspeção e Registro de Não Conformidade Semestral Jul 2009 Operacional Uso de EPI e EPC Inspeção e Registro de Não Conformidade Diário Abr 2009 Operacional TDT – Treinamento Diário de Trabalho Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jul 2009 Operacional Procedimento Trabalho Seguro Inspeção e Registro de Não Conformidade Quando houver contratação Abr 2009 Todos Treinamento de Integração AVALIAÇÃO PERIODICIDADE INICIO PREVISTO PÚBLICO ALVO TREINAMENTOS
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONTRUÇÃO Este programa tem validade de 01(Um) ano, a partir da data abaixo, para as atividades do ITACONSTRUL - INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA–– nas obras do Conjunto Residencial Pôr do Sol à Rua: Bidu Saião nº314 ,Bairro: Parque Independência , Itaguaí ,RJ – Conjunto Habitacional. Antonio Rodrigues. Gerente Operacional João dos Santos Silva. Gerente Produção Terraplenagem Carlos Gonçalves. Gerente de Produção José da Silva. Responsável Técnico Segurança Trabalho APROVAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA  ELABORAÇÃO
DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR, O SETOR DE SEGURANÇA E SAÚDE  DO TRABALHO DESTE CONTRATO, ELABOROU O  PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - PCMAT , EM CONFORMIDADE COM A NR-18 DA PORTARIA N.º 3214/78  DO  MINISTÉRIO DO TRABALHO. “A GARANTIA DA IMPLEMENTAÇÃO DESTE PROGRAMA, É DE RESPONSABILIDADE DOS GERENTES DESTE CONTRATO, QUE TERÃO COMO ORGÃO GERENCIADOR E ASSESSOR DESTE  PCMAT  E  O  SESMT DA OBRA, CONTANDO COM O TOTAL APOIO DE TODAS AS ÁREAS ENVOLVIDAS”. ASSINATURAS: Itaguaí, 22 de março de 2.009. Engº.Seg. Trabalho Gerente Administrativo Financeiro Gerente Produção Terraplenagem Gerente Produção Gerente Operacional Engº.  José da Silva   Adm. Antonio A. Pereira Eng. João dos Santos Silva Eng. Carlos Gonçalves Engº. Antonio Rodrigues _________________________ _________________________ _________________________ _________________________ _________________________
“ A vida sem segurança pode parecer mais excitante, porém, uma vida longa e saudável, é sem dúvida: mais proveitosa, inteligente e menos egoísta! Aprenda a cuidar do único bem que lhe é de fato seu, que lhe foi dado sem nada ser cobrado e que sempre te oferta momentos de intensa alegria, embora nem sempre consigas enxergar!” Simone. MUITO OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nr 11 comentada
Nr 11 comentadaNr 11 comentada
Nr 11 comentada
stoc3214
 
Nr 19 comentada
Nr 19 comentadaNr 19 comentada
Nr 19 comentada
stoc3214
 
Aulas --resumos
Aulas --resumosAulas --resumos
Modelo de LTCAT
Modelo de LTCATModelo de LTCAT
Modelo de LTCAT
Eliane Damião Alves
 
67826937 apostila-construcao-civil
67826937 apostila-construcao-civil67826937 apostila-construcao-civil
67826937 apostila-construcao-civil
Michellesst
 
Nr 08 atualizada_2011
Nr 08 atualizada_2011Nr 08 atualizada_2011
Nr 08 atualizada_2011
cristina resende
 
Nr 22 comentada
Nr 22 comentadaNr 22 comentada
Nr 22 comentada
stoc3214
 
Aula unidade 3
Aula unidade 3Aula unidade 3
Aula unidade 3
UNAERP
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Rafael_Carlos
 
6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil
ciomara miranda
 
Caderno de obras deop parte c
Caderno de obras deop parte cCaderno de obras deop parte c
Caderno de obras deop parte c
Gilvam Silva DA Rocha
 
modelo de caderno de encargos
modelo de caderno de encargosmodelo de caderno de encargos
modelo de caderno de encargos
juliaeosias
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Sheila Moreira Bezerra
 
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturaisNbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
ejfelix
 
Ltcat modelo
Ltcat   modeloLtcat   modelo
Ltcat modelo
Daniel Morais
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Alan Santos
 
Nr 23 comentada
Nr 23 comentadaNr 23 comentada
Nr 23 comentada
stoc3214
 
Nr 20 comentada
Nr 20 comentadaNr 20 comentada
Nr 20 comentada
stoc3214
 
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisosNbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
ejfelix
 
Check list do bate-estacas
Check list do bate-estacasCheck list do bate-estacas
Check list do bate-estacas
Universidade Federal Fluminense
 

Mais procurados (20)

Nr 11 comentada
Nr 11 comentadaNr 11 comentada
Nr 11 comentada
 
Nr 19 comentada
Nr 19 comentadaNr 19 comentada
Nr 19 comentada
 
Aulas --resumos
Aulas --resumosAulas --resumos
Aulas --resumos
 
Modelo de LTCAT
Modelo de LTCATModelo de LTCAT
Modelo de LTCAT
 
67826937 apostila-construcao-civil
67826937 apostila-construcao-civil67826937 apostila-construcao-civil
67826937 apostila-construcao-civil
 
Nr 08 atualizada_2011
Nr 08 atualizada_2011Nr 08 atualizada_2011
Nr 08 atualizada_2011
 
Nr 22 comentada
Nr 22 comentadaNr 22 comentada
Nr 22 comentada
 
Aula unidade 3
Aula unidade 3Aula unidade 3
Aula unidade 3
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil6 seguranca do-trabalho_construção civil
6 seguranca do-trabalho_construção civil
 
Caderno de obras deop parte c
Caderno de obras deop parte cCaderno de obras deop parte c
Caderno de obras deop parte c
 
modelo de caderno de encargos
modelo de caderno de encargosmodelo de caderno de encargos
modelo de caderno de encargos
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturaisNbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
Nbr 15575 2-2013_final sistemas estruturais
 
Ltcat modelo
Ltcat   modeloLtcat   modelo
Ltcat modelo
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Nr 23 comentada
Nr 23 comentadaNr 23 comentada
Nr 23 comentada
 
Nr 20 comentada
Nr 20 comentadaNr 20 comentada
Nr 20 comentada
 
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisosNbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
 
Check list do bate-estacas
Check list do bate-estacasCheck list do bate-estacas
Check list do bate-estacas
 

Destaque

Cronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 PassosCronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 Passos
Engenheiro No Canteiro
 
Cronograma PPRA
Cronograma PPRACronograma PPRA
Cronograma PPRA
Camille Araujo
 
Planejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de smsPlanejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de sms
Universidade Federal Fluminense
 
Slides ppra
Slides ppraSlides ppra
Slides ppra
Carol Rodrigues
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Cel luiz-oliveira
Cel luiz-oliveiraCel luiz-oliveira
Cel luiz-oliveira
Tadeu Correia, PhD
 
Cronograma Treinamento 2017
Cronograma Treinamento 2017Cronograma Treinamento 2017
Cronograma Treinamento 2017
faqrelion
 
Modelo cronograma - TCM
Modelo cronograma - TCM Modelo cronograma - TCM
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - brCronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
faqrelion
 
Modelo projeto
Modelo projetoModelo projeto
Modelo projeto
Íris Barbosa
 
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linuxModelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
Video Aulas Linux e Mikrotik
 
╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra ╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra
José Santos
 
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
Jucilei Moura
 
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e SubvençãoComo Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
Rafael Buck
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
Ângela Barro
 
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
Ministério da Saúde
 
Tecnicas de analise_de_riscos
Tecnicas de analise_de_riscosTecnicas de analise_de_riscos
Tecnicas de analise_de_riscos
denivanesouza
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 6
Zacarias Junior
 
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e TreinamentoWCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
EXCELLENCE CONSULTING
 
Construcción edificio epm
Construcción edificio epmConstrucción edificio epm
Construcción edificio epm
carodriguez21
 

Destaque (20)

Cronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 PassosCronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 Passos
 
Cronograma PPRA
Cronograma PPRACronograma PPRA
Cronograma PPRA
 
Planejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de smsPlanejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de sms
 
Slides ppra
Slides ppraSlides ppra
Slides ppra
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
Cel luiz-oliveira
Cel luiz-oliveiraCel luiz-oliveira
Cel luiz-oliveira
 
Cronograma Treinamento 2017
Cronograma Treinamento 2017Cronograma Treinamento 2017
Cronograma Treinamento 2017
 
Modelo cronograma - TCM
Modelo cronograma - TCM Modelo cronograma - TCM
Modelo cronograma - TCM
 
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - brCronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
Cronograma treinamento 2015-abb_relion 670-650_rtu560_softwares_rev0 - br
 
Modelo projeto
Modelo projetoModelo projeto
Modelo projeto
 
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linuxModelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
Modelo de cronograma_de_suporte_e_manutencao_de_redes_e_servidores_linux
 
╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra ╝÷┴ñ Apt calandra
╝÷┴ñ Apt calandra
 
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e SubvençãoComo Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
Como Elaborar Propostas para Programas de Financiamento e Subvenção
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
 
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
Plano de saúde terá de garantir medicamento para tratamento domiciliar contra...
 
Tecnicas de analise_de_riscos
Tecnicas de analise_de_riscosTecnicas de analise_de_riscos
Tecnicas de analise_de_riscos
 
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 6
6    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   66    identificação e interpretação dos riscos ocupacionais   6
6 identificação e interpretação dos riscos ocupacionais 6
 
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e TreinamentoWCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
WCM 2009-TT15 SABESP-Matriz de Habilidades Pilar Educação e Treinamento
 
Construcción edificio epm
Construcción edificio epmConstrucción edificio epm
Construcción edificio epm
 

Semelhante a Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.

PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.docPCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
BrunnoSantana4
 
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçaoNr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
Natália Lima
 
NRS 02 18 24
NRS 02 18 24NRS 02 18 24
NRS 02 18 24
Suzana Nagel
 
Curso NR 18.ppt
Curso NR 18.pptCurso NR 18.ppt
Curso NR 18.ppt
AndrdaCruz4
 
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
Luciano Dos Santos Baracho
 
12-Curso-Integração-NR-18.pdf
12-Curso-Integração-NR-18.pdf12-Curso-Integração-NR-18.pdf
12-Curso-Integração-NR-18.pdf
Leomir Borghardt
 
18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf
ResidencialCaetanos
 
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.docRevisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
BrunnoSantana4
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
CC14 - Organização do estaleiro.pdf
CC14 - Organização do estaleiro.pdfCC14 - Organização do estaleiro.pdf
CC14 - Organização do estaleiro.pdf
Catarina Jesus
 
NR 18.pptx
NR 18.pptxNR 18.pptx
NR 18.pptx
FbioGodoi4
 
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdftreinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
Roberto Luna Jr
 
Treinamento NR18.pptx
Treinamento NR18.pptxTreinamento NR18.pptx
Treinamento NR18.pptx
RafaeldaCosta24
 
Nr – 18
Nr – 18Nr – 18
Tanque se silos
Tanque se silosTanque se silos
Tanque se silos
Suelen Miranda
 
Aula 10 NR 18
Aula 10   NR 18Aula 10   NR 18
Aula 10 NR 18
Daniela Kunz
 
nr 18 canteiro de obras.ppt
nr 18 canteiro de obras.pptnr 18 canteiro de obras.ppt
nr 18 canteiro de obras.ppt
andrecavalcanti14
 
Modelo de pcmat completo
Modelo de  pcmat completoModelo de  pcmat completo
Modelo de pcmat completo
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Erick Luiz Coutinho dos Santos
 

Semelhante a Projeto Final De Simone Tavares Da Silva. (20)

PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.docPCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
PCMAT MGQ Construtora e Incorporadora de Imóveis Ltda. 2015 2019.doc
 
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçaoNr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
Nr 18 segurança do trabalho na industria da contruçao
 
NRS 02 18 24
NRS 02 18 24NRS 02 18 24
NRS 02 18 24
 
Curso NR 18.ppt
Curso NR 18.pptCurso NR 18.ppt
Curso NR 18.ppt
 
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
Ebook regras gerais_da_seguranca (1)
 
12-Curso-Integração-NR-18.pdf
12-Curso-Integração-NR-18.pdf12-Curso-Integração-NR-18.pdf
12-Curso-Integração-NR-18.pdf
 
18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf18-Treinamento-NR-18.pdf
18-Treinamento-NR-18.pdf
 
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.docRevisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
Revisado PCMAT ALMEIDA PASSAGEM SANTA RITA.doc
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
CC14 - Organização do estaleiro.pdf
CC14 - Organização do estaleiro.pdfCC14 - Organização do estaleiro.pdf
CC14 - Organização do estaleiro.pdf
 
NR 18.pptx
NR 18.pptxNR 18.pptx
NR 18.pptx
 
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdftreinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
treinamentonr18-230216180546-cd25240c.pdf
 
Treinamento NR18.pptx
Treinamento NR18.pptxTreinamento NR18.pptx
Treinamento NR18.pptx
 
Nr – 18
Nr – 18Nr – 18
Nr – 18
 
Tanque se silos
Tanque se silosTanque se silos
Tanque se silos
 
Aula 10 NR 18
Aula 10   NR 18Aula 10   NR 18
Aula 10 NR 18
 
nr 18 canteiro de obras.ppt
nr 18 canteiro de obras.pptnr 18 canteiro de obras.ppt
nr 18 canteiro de obras.ppt
 
Modelo de pcmat completo
Modelo de  pcmat completoModelo de  pcmat completo
Modelo de pcmat completo
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
 

Mais de Simone

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
Simone
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
Simone
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
Simone
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Simone
 
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone TavaresProgresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Simone
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Simone
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Simone
 

Mais de Simone (7)

Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.Ao Meu Filho.
Ao Meu Filho.
 
Aids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone TavaresAids ,por Simone Tavares
Aids ,por Simone Tavares
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
 
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone TavaresOs primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
Os primórdios da Segurança do Trabalho, por Simone Tavares
 
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone TavaresProgresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
Progresso E Meio Ambiente, Por Simone Tavares
 
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone TavaresTabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
Tabagismo,Alcoolismo E Drogas Como Atos Inseguros.Ppt; Por Simone Tavares
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
 

Último

QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Projeto Final De Simone Tavares Da Silva.

  • 1. SENAC ITAGUAÍ. TURMA: 2008.1. SIMONE TAVARES DA SILVA. PROJETO FINAL PROJETO FINAL.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. 1 – IDENTIFICAÇÃO: 1.1 - ITACONSTRUL - INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. Endereço: Rua Prefeito Ismael Cavalcante,Quadra 02 / Lote 28. Itaguaí - RJ. CNPJ: 03988011 / 1199 – 43. Responsável Técnico: Engenheiro José da Silva. Atividade: Construção de Edifícios. CNAE: 41.20-4 Grau de Risco: 4 1 Médico do Trabalho 1 Auxiliar de Enfermagem do Trabalho   1 Engenheiro de Segurança do Trabalho 7 Suplentes   5 Técnico em Segurança do Trabalho 9 Efetivos 2.000 SESMT CIPA Nº de funcionários
  • 10.
  • 11.
  • 12. 3 - LOCALIZAÇÃO E CROQUIS:
  • 13.  
  • 14. 4 - CRONOGRAMA PREVISTO DAS ETAPAS DA OBRA:
  • 15. 5 - ÁREAS DE VIVÊNCIA: O número de operários que trabalham para a construtora (item 1) é de 2.000 pessoas. Para garantir qualidade de vida, condições de higiene e integração do empregado na sociedade, com reflexos na produtividade da empresa, os canteiros de obra devem conter: Vestiário e Armário: Os trabalhadores que não moram no canteiro de obras têm direito a vestiário com chuveiro e a 1 armário individual. Instalações Sanitárias: Devem ser adequadas e em perfeitas condições de higiene e limpeza, com lavatório, mictório e vaso sanitário, na proporção de um conjunto para cada grupo de trabalhadores e chuveiro na proporção de um para cada grupo de 10 trabalhadores. Refeitório: O local para as refeições deve possuir piso de material lavável e mesas com tampos lisos e laváveis. O refeitório não pode estar localizado em subsolos ou porões das edificações. Alojamentos: Se os empregados morarem no canteiro de obras, a empresa deve proporcionar-lhes dormitórios confortáveis e arejados e também lavanderia e área de lazer. Bebedouros: Toda obra deve ter bebedouros com água filtrada e potável na proporção de 1 bebedouro para cada grupo de 25 trabalhadores.
  • 16. RECOMENDAÇÕES PARA AS ÁREAS DE VIVÊNCIA: 5.1 - Instalações Sanitárias: Recomendamos que para manter em condições de higiene e a limpeza das instalações sanitárias, seja necessário lavar os vasos, mictórios e lavatórios duas vezes por dia. 5.2 - Vestiário: Instalar junto as paredes do vestiário bancos de madeira para atender os usuários, e manter a porta fechada com chave só abrindo antes do início e término da jornada de trabalho. AMBULATÓRIO MÉDICO: O Ambulatório instalado no canteiro administrativo tem as seguintes dependências: sala de atendimento, sala do médico, sala de curativos, sala de repouso, sala de emergência, chuveiro com lava olhos e sanitários. No Canteiro de obras caso seja necessário a presença do Técnico de Enfermagem do Trabalho e/ou Médico do Trabalho, o encarregado aciona através do rádio.
  • 17. 6 - PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA: 6.1 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE ARMAÇÃO DE AÇO. 1 - A dobragem e o corte de vergalhões de aço em obras devem ser feitos sobre bancadas ou plataformas apropriadas e estáveis; 2 - Nas operações de manuseio e dobramento de vergalhões do aço é obrigatório o uso de luvas de raspa de couro e óculos de segurança; 4 - Durante a descarga de vergalhões de aço, a área deve ser isolada; 6.2 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE ALVENARIA E FECHAMENTOS. 1 - Após o término da jornada de trabalho, deve ser feito o asseio corporal com água em abundância e posterior troca de roupa, devido o contato com cimento; 2 - É necessário precaver-se quanto a queda de materiais, durante o levantamento de paredes, ou da execução de acabamentos; 3 - Não é permitida a improvisação de andaimes (caixotes de madeira) para a execução de arremates de paredes de alvenaria, os andaimes de madeira devem ser confeccionados somente por carpinteiros;
  • 18. 6.3 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. 1 - A operação com máquinas e equipamentos que exponham o operador ou terceiros a risco só pode ser feito por trabalhador qualificado e treinado, como: policorte, serra circular, solda e demais máquinas e equipamentos que exponham o operador a riscos de acidentes; 2 - Devem ser protegidas todas as partes móveis dos motores, transmissões e partes perigosas; 3 - Junto a bancada da máquina ou equipamento devem ser mantidos os equipamentos de proteção individual indispensáveis a sua operação; 4 - Toda máquina e equipamento deve estar localizada em ambiente com iluminação natural e/ou artificial adequada à atividade. 5 - As torres de elevadores de obras devem ser instaladas o mais próximo possível da edificação, em condições técnicas de suportar as cargas a que estarão sujeitas. Os elevadores para transporte de materiais devem ser revestidos de tela.
  • 19. 6.4 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM FERRAMENTAS. 1 - As ferramentas devem ser apropriadas ao uso a que se destinam, proibindo-se o emprego das defeituosas, danificadas ou improvisadas; 2 - As ferramentas devem ser portadas em caixas, sacolas, bolsas ou cintos apropriados, sendo proibido seu porte em bolsos ou locais inapropriados; 3 - As ferramentas elétricas devem estar devidamente aterradas. 6.5 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS COM ANDAIMES. 1 - O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado; 2 - Os andaimes devem ser, diariamente, inspecionados quanto às exigências de segurança pertinentes; 3 - Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem, movimentação e execução de trabalhos, em andaimes próximos às redes elétricas; 4 - Na confecção de andaime é proibido o uso de madeira que não seja de boa qualidade e que apresente emendas, rachaduras ou, defeitos que comprometam a sua resistência;
  • 20. 5 - Não será permitido trabalho em andaime com estabilidade e/ou rigidez comprometidas que coloquem em risco a segurança dos operários; 6 - É proibido o deslocamento de andaimes com trabalhadores sobre o mesmo devido o risco de tombamento; 7 - O ponto de instalação de qualquer aparelho de içar materiais, deve ser escolhido de modo a não comprometer a estabilidade e segurança do andaime. 8 - Bandeja: Os prédios devem ser equipados com uma plataforma de proteção na altura da primeira laje e acima desta, de 3 em 3 lajes, com tela de proteção nas suas extremidades. Se houver pavimentos inferiores, essas bandejas devem ser instaladas de 2 em 2 lajes, em direção ao subsolo. 9 - Guarda Corpo: É fundamental a instalação de proteção contra quedas de altura. O sistema de guarda-corpo com rodapé é uma delas. Essa proteção é constituída de travessas cujos vãos devem ser preenchidos por tela ou outro dispositivo que garanta o fechamento seguro da abertura.
  • 21. 6.6 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 - Todas as instalações elétricas nos canteiros devem ser executadas e montadas por pessoal habilitado e treinado; 2 - Somente podem ser realizados serviços nas instalações quando o circuito elétrico não estiver energizado; 3 - É proibido a existência de partes vivas expostas dos circuitos e equipamentos elétricos; 4 - É proibido a instalação de chaves ou disjuntores em banheiros; 5 - As extensões de máquinas e equipamentos portáteis, iluminação de emergência, só poderão ser feitos com cabo de dupla isolação e sem emendas; 6- Em todos os ramais destinados à ligação de equipamentos elétricos devem ser instalados disjuntores ou chaves magnéticas independente que possam ser acionados com facilidade e segurança; 7 - Só pode ser ligadas máquinas ou equipamentos elétricos por intermédio de conjunto plugue e tomada.
  • 22. 6.7 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS SERVIÇOS EM TELHADOS. 1- Todo o serviço em telhado deve ser planejado com antecedência, verificando-se prioritariamente os seguintes itens: - situação de resistência do telhado; - local para fixação dos suportes e moitões (trava-quedas); - local de sinalização da área para içamento de e descida de materiais; - trajeto, visando reduzir o máximo caminhadas sobre o telhado; - instalações de cabo guia de aço para fixação do cinto de segurança; - dispositivos que permitam a movimentação segura dos trabalhadores. 2 - As tábuas utilizadas para locomoção sobre telhados, devem ser de boa qualidade, planas, isentas de nós, rachaduras ou defeitos que diminuam sua resistência, ser sobrepostas em 0,20 cm. no mínimo, devendo a sobreposição coincidir com as terças; 3 - Os cabos guias devem ter suas extremidades fixadas à estrutura definitiva da edificação por meio de suporte de aço inoxidável ou outro material de resistência e durabilidade equivalente; 4 - É proibido o trabalho em telhado com chuva ou vento, bem como concentrar cargas num mesmo local.
  • 23. 6.8 - ESTABELECER A SISTEMÁTICA PARA ORGANIZAÇÃO DA CIPA - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. 1 - Após ser organizada a CIPA deve ser registrada na Delegacia Regional do Trabalho, até dez dias após a eleição; 2 - Deve ser realizado, para todos os membros da CIPA, curso de cipeiro com carga mínima de 18 horas, e em um prazo máximo de trinta dias após a eleição; 3 - A CIPA deverá se reunir semanalmente e, em caráter extraordinário se ocorrer algum acidente grave. 6.9 - ESTABELECER MEDIDAS DE SEGURANÇA COM IMPLANTAÇÃO DE ORDENS DE SERVIÇO. 1 - Implantar a todos os trabalhadores, inclusive de empreiteiras, as fichas de Ordens de Serviço, conforme determina a NR-1 da Portaria 3214/78; 2 - Treinar e conscientizar todos os trabalhadores, inclusive de empreiteiras, dos riscos de acidentes e doenças profissionais inerentes as suas atividades; 3 - Implantar reuniões “relâmpagos”, os chamados DDS (Diálogo Diário de Segurança), que serão realizadas diariamente dez minutos antes do início dos trabalhos, sobre segurança do trabalho.
  • 24.
  • 25. 6.11 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA: Todas as frentes de trabalho e caminhos de serviços serão sinalizadas de acordo com os riscos de acidentes existentes e obedecendo aos padrões estabelecidos pelas Normas Internas, e Normas Regulamentadoras. CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS X X X X X X X X X X X Treinamento X X X X X X X X X X X Escoramentos de valas X X X X X X X X X X X Proteções em valas abertas X X X X X X X X X X X Acessos X X X X X X X X X X X Manuseio de máquinas e ferramentas X X X X X X X X X X X Sinalização de segurança na rodovia, ruas e frente de trabalho X X X X X X X X X X Incêndio X X X X X X X Trabalho noturno -iluminação X X X X X X X X X X Eletricidade X X X X X X X X X X Manutenção máquinas, equipamentos e ferramentas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículo / equipamento sobre rodas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículos / equipamentos na carreta X X X X X X X X X X X Transporte de equipamento pesado X X X X X X X X X X X Movimentação e transporte de materiais e pessoas FEV JAN DEZ NOV OUT SET AGO JUL JUN MAI ABR MAR PERÍODO DA AÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO 2009 MEDIDAS PREVENTIVAS
  • 26. 7 - RISCOS DE ACIDENTES E DE DOENÇAS DO TRABALHO: Eletricista que trabalha com circuitos energizados Queimaduras parada cardio respiratória Aterramento etiquetas , cadeados , bloqueador Luvas para eletricista , botina sem componentes metálicos Circuitos elétricos energizados Choque elétrico Trabalhadores que transitam pela obra Contusões e fraturas Placas de segurança , isolamento Botina de segurança Geral Queda em mesmo nível Trabalhadores que ficam na área de risco Fraturas e traumatismo Isolamento , tela, rodapé Capacete, botina de segurança Içamento de peças Queda de material Ajudante Marteleteiros Pulmonares Silicose Umedecer o local Máscara de pó Limpeza Demolição Poeira Ajudante Pintor Pulmonares Sistema de exaustão Luvas, aventais de PVC, mascara para produtos químicos Manuseio com produtos químicos Intoxicação Marteleteiro Carpinteiro Ajudante Rompimento do tímpano Surdez profissional Isolamento, biombos e barreiras Protetor auricular tipo plug e conchas Lixamento, serra circular, marreta, martelo pneumático Ruído Marteleteiro Problemas nas articulações e aparelho digestivo Úlcera Treinamento Luvas de Raspa Martelete, Lixadeira Vibração Soldador e Maçariqueiro Queimaduras Catarata Biombos avental, blusão, Luva de Raspa, mascara soldador, óculos maçariqueiro Soldagem Radiação não ionizante FUNÇÃO LESÕES DOENÇAS TRABALHO EPC EPI ATIVIDADE RISCO
  • 27. Operadores de microcomputador Mão / Ombros LER Treinamento Pausa no Trabalho Digitação Monotonia e Receptividade Armadores Ajudantes Coluna Lombalgia Talhas, Guindastes com trava de segurança Luva de Raspa Levantamento manual de peso e transporte manual de peças Esforço Maçariqueiros e trabalhadores que manuseiam cilindros Queimaduras e morte Extintor de incêndio , gaiolas , placas e válvulas de retenção Cilindros de oxigênio e acetileno (termolene) Incêndio / explosão Trabalhadores que ficam na área de risco Irritação e cegueira Isolamento , biombos e barreiras Óculos de segurança e protetor facial Lixamento , esmerilha mento fragmentação respingo Corpo estranho Ajudante Maçariqueiro Armador Cortante Treinamento Luva de raspa Lançamento de cabos, transporte de chapas / tubos e material cortante Corte Funcionários que trabalham em altura Fraturas e traumatismo Guarda corpo ,rede de proteção , bandejas isolamento Cinto de segurança tipo pára-quedista com dois talabartes Trabalhos acima de 2 metros de altura e/ou com risco de queda Queda em diferença de nível FUNÇÃO LESÕES DOENÇAS TRABALHO EPC EPI ATIVIDADE RISCO
  • 28.
  • 29. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS PROTEÇÕES INDIVIDUAIS Bota de borracha, cano curto e cano longo, uso : em locais úmidos e lançamento de concreto. BOTINA DE BORRACHA Botina de couro com biqueira de aço ou similar em PU compacto cor preta, uso : em locais onde há queda de material e topadas. BOTINA COM BIQUEIRA Respirador de segurança facial de silicone ou plástico com cartuchos (filtros) químicos, uso : Pintura e manuseio de produtos químicos. MÁSCARA RESPIRATÓRIA Respirador de segurança descartável, peça facial de fibra prensada, uso : Poeira tóxicas. MÁSCARA DE SEGURANÇA Pano liso sem forro, tamanho grande espessura média fundo curto, uso : manuseio com produtos químicos. LUVA DE PVC Abafador de ruídos tipo concha de plástico, almofadado de espuma, recobertas de vinil, haste de plástico flexível , uso : Ruídos acima de 85 dB. PROTETOR AURICULAR Tipo auricular de inserção tipo plug, moldável com cordão de plástico ou silicone, uso : Ruídos acima de 85 dB. PROTETOR AURICULAR Viseira plástica incolor transparente, com suspensão de plástico regulável, uso : Lixamento e Pipe Shop. PROTETOR FACIAL Cinto de segurança tipo pára-quedista confeccionado em tiras, tipo suspensório, mosquetão com trava e talabarte de nylon ou corrente, uso : montagem CINTO DE SEGURANÇA Capacete de segurança, casco plástico com aba, suspensão ajustável e jugular, uso : Todos os trabalhadores no perímetro da obra. CAPACETE Em celeron ou similar, tipo articulada, contra radiações infravermelha e ultravioleta, visor com lente protetora, coroa de suspensão regulável, uso :Soldagem e elétrica. MÁSCARA PARA SOLDAGEM ELÉTRICA Perneira de raspa de couro com fecho de velcro ou fivela, uso : Maçariqueiro e Soldador. PERNEIRA DE RASPA Luva de raspa de couro, cano curto e/ou cano longo uso : lançamento de cabos, montagem, transporte de material cortante, soldagem oxi-acetilenica e elétrica. LUVA DE RASPA Avental de raspa de couro com suspensórios para uso de soldadores e maçariqueiros. AVENTAL DE RASPA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 30. TABELA DE DURABILIDADE DOS EPI : 01 dia eventual 01 um Respiradores descartáveis 01 mês eventual 01 um Protetor auricular plug 06 meses função do serviço 01 un Protetor auricular (concha) 02 meses função do serviço 01 un Óculos de proteção 01 día eventual 01 un Máscara contra poeira 01 ano eventual 01 um Máscara contra gases 01 ano obrigatório 01 par Luvas para eletricista 10 dias obrigatório 01 par Luvas de raspa de couro 06 meses obrigatório 01 cj Conjunto para soldador 06 meses função do serviço 01 cj Conjunto de PVC 01 ano função do serviço 01 un Cinto de Segurança 03 anos obrigatório 01 un Capacete 01 ano eventual 01 un Capa de chuva 05 meses obrigatório 02 conjuntos Calça e camisa 06 meses obrigatório 01 par Bota de couro 06 meses função do serviço 01 par Bota de borracha DURABILIDADE TIPO DE ENTREGA QUANTIDADE E P I D U R A B I L I D A D E (média)
  • 31. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DAS PROTEÇÕES COLETIVAS Deverão ser utilizados para comunicação quando as frentes estiverem distanciadas ou para operações especiais junto a rodovia. Rádio comunicador Em material, madeira, plástica ou metálica. Utilizado nas diversas frentes de serviço. Placas de Sinalização As frentes de trabalho deverão estar iluminadas com lâmpadas distribuídas adequadamente. Iluminação Em material plástico, nas cores amarela e preta. Utilizadas para sinalização e isolamento de áreas de risco. Fita de Isolamento Extintor de água, pó químico e CO 2 . Extintor de Incêndio Poderão ser de madeira ou tubulares e servem para garantir o acesso dos trabalhadores de maneira segura. Escada Em duas cores, usado para sinalização de trânsito. Cone De madeira ou alambrado. Cerca Utilizadas para sinalização de veículo e para paralisação de trânsito. Bandeirola Para Sinalização Conforme Norma Técnica específica. Aterramento Elétrico Anteparo para proteção em áreas com risco de projeção de partículas e nas atividades com solda elétrica. Podem ser de madeira ou metálicos. Anteparo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EPC
  • 32. CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS: X X X X X X X X X X X Treinamento X X X X X X X X X X X Escoramentos de valas X X X X X X X X X X X Proteções em valas abertas X X X X X X X X X X X Acessos X X X X X X X X X X X Manuseio de máquinas e ferramentas X X X X X X X X X X X Sinalização de segurança na rodovia, ruas e frente de trabalho X X X X X X X X X X Incêndio X X X X X X X Trabalho noturno -iluminação X X X X X X X X X X Eletricidade X X X X X X X X X X Manutenção máquinas, equipamentos e ferramentas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículo / equipamento sobre rodas X X X X X X X X X X X Deslocamento de veículos / equipamentos na carreta X X X X X X X X X X X Transporte de equipamento pesado X X X X X X X X X X X Movimentação e transporte de materiais e pessoas MAR FEV JAN DEZ NOV OUT SET AGO JUL JUN MAI ABR PERÍODO DA AÇÃO / IMPLEMENTAÇÃO 2009. MEDIDAS PREVENTIVAS
  • 33. PROGRAMAS EDUCATIVOS E PREVENTIVOS DE ACIDENTES Com o objetivo de criar uma participação ativa dos integrantes no programa de prevenção de acidentes, será promovida ao longo dos diversos estágios da obra, a prática constante de campanhas educativas, na busca de motivação e conscientização da segurança dos mesmos. Terão por finalidade principal a divulgação de conhecimento e o auxilio na educação da segurança, e como resultado a eliminação dos acidentes, criando uma atitude vigilante que permita reconhecer as condições e práticas que possam provocá-los. Todas as oportunidades de contato pessoal serão utilizadas para o cumprimento rigoroso das Normas de Segurança. Esses contatos serão praticados diariamente pelos Engenheiros responsáveis pelas Frentes de Serviço, pelos Encarregados e pelos Técnicos de Segurança com todos os níveis de funcionários,
  • 34. CURSOS, PALESTRAS DE INTEGRAÇÃO E TREINAMENTOS: Serão realizados cursos de prevenção de acidentes, práticas corretas de trabalho, primeiros socorros, brigada de incêndio e outros assuntos co-relacionados com a segurança e com a obra. Estes cursos serão ministrados e/ou coordenados pela Área de Segurança da obra, com a colaboração de entidades envolvidas com o assunto. Todos os novos integrantes receberão palestras de integração, na qual será transmitida a macrovisão da obra; seus pontos críticos, regulamentos e normas diversas sobre administração, qualidade, meio ambiente, segurança e saúde no trabalho, utilização dos Equipamentos de Proteção Individual, etc. Os encarregados terão a responsabilidade de acompanhar o comportamento de novos empregados na percepção de suas reações e instruí-los, sempre que necessário, até que os mesmos estejam inteiramente integrados em suas funções e ambientados com as condições de trabalho.
  • 35. Devem ser realizados treinamentos específicos de funções e atividades de acordo com a atividade e o cronograma de obras. Ficha de avaliação de treinamento Formação da COERGO Nov 2009 Comissão Ergonomia Ficha de avaliação de treinamento Anual Ago 2009 Encarregados Análise Preliminar de Níveis de Risco - APNR Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jul 2009 Topografia, desmatamento Animais Peçonhentos Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Out 2009 Operadores de equipamento Prevenção de acidentes para Operador de equipamento Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Set 2009 Eletricistas Segurança do Trabalho para Eletricista Ficha de avaliação de treinamento A cada mandato Mai 2009 Cipeiros Segurança do Trabalho para Componentes da CIPA Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jun 2009 Segurança, Eletricista, Brigadistas Prevenção e combate a incêndio Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jun 2009 Segurança, Eletricista, Brigadistas Primeiros Socorros Inspeção e Registro de Não Conformidade Semestral Jul 2009 Operacional Uso de EPI e EPC Inspeção e Registro de Não Conformidade Diário Abr 2009 Operacional TDT – Treinamento Diário de Trabalho Ficha de avaliação de treinamento Reciclável anualmente Jul 2009 Operacional Procedimento Trabalho Seguro Inspeção e Registro de Não Conformidade Quando houver contratação Abr 2009 Todos Treinamento de Integração AVALIAÇÃO PERIODICIDADE INICIO PREVISTO PÚBLICO ALVO TREINAMENTOS
  • 36.
  • 37. P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONTRUÇÃO Este programa tem validade de 01(Um) ano, a partir da data abaixo, para as atividades do ITACONSTRUL - INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA–– nas obras do Conjunto Residencial Pôr do Sol à Rua: Bidu Saião nº314 ,Bairro: Parque Independência , Itaguaí ,RJ – Conjunto Habitacional. Antonio Rodrigues. Gerente Operacional João dos Santos Silva. Gerente Produção Terraplenagem Carlos Gonçalves. Gerente de Produção José da Silva. Responsável Técnico Segurança Trabalho APROVAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA ELABORAÇÃO
  • 38. DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR, O SETOR DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DESTE CONTRATO, ELABOROU O PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - PCMAT , EM CONFORMIDADE COM A NR-18 DA PORTARIA N.º 3214/78 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO. “A GARANTIA DA IMPLEMENTAÇÃO DESTE PROGRAMA, É DE RESPONSABILIDADE DOS GERENTES DESTE CONTRATO, QUE TERÃO COMO ORGÃO GERENCIADOR E ASSESSOR DESTE PCMAT E O SESMT DA OBRA, CONTANDO COM O TOTAL APOIO DE TODAS AS ÁREAS ENVOLVIDAS”. ASSINATURAS: Itaguaí, 22 de março de 2.009. Engº.Seg. Trabalho Gerente Administrativo Financeiro Gerente Produção Terraplenagem Gerente Produção Gerente Operacional Engº. José da Silva Adm. Antonio A. Pereira Eng. João dos Santos Silva Eng. Carlos Gonçalves Engº. Antonio Rodrigues _________________________ _________________________ _________________________ _________________________ _________________________
  • 39. “ A vida sem segurança pode parecer mais excitante, porém, uma vida longa e saudável, é sem dúvida: mais proveitosa, inteligente e menos egoísta! Aprenda a cuidar do único bem que lhe é de fato seu, que lhe foi dado sem nada ser cobrado e que sempre te oferta momentos de intensa alegria, embora nem sempre consigas enxergar!” Simone. MUITO OBRIGADA!