SlideShare uma empresa Scribd logo
Reprodução - Prof. Albano Novaes.   1
Em Biologia - reprodução -
refere-se à função através
  da qual os seres vivos
 produzem descendentes,
dando continuidade à sua
          espécie.


           Reprodução - Prof. Albano Novaes.   2
Tipos de reprodução

SEXUADA OU GÂMICA
                    com presença de gametas
                    com recombinação gênica
                 aumenta variabilidade genética



ASSEXUADA OU AGÂMICA
                    sem presença de gametas
                    sem recombinação gênica
                  diminui variabilidade genética
Reprodução - Prof. Albano Novaes.   4
DIVISÃO BINÁRIA OU BIPARTIÇÃO

Ocorre em organismos unicelulares, onde
 uma divisão simples pode dar origem a
 dois novos indivíduos com composição
    genética idênticas à célula mãe.




        Eucarionte unicelular em processo de bipartição ou
                         divisão binária


                               Reprodução - Prof. Albano Novaes.   5
Eucarionte unicelular em
processo de bipartição ou
     divisão binária
                            Reprodução - Prof. Albano Novaes.   6
BROTAMENTO OU
     GEMIPARIDADE
Nesta forma de reprodução
um indivíduo adulto emite
de seu corpo um "broto" que
  cresce e forma um novo
   organismo. Este novo
indivíduo formado pode ou
   não desprender-se do
   indivíduo que lhe deu
    origem. Este tipo de
   reprodução ocorre em
  organismos que formam
     colônias, como em
 espongiários e cnidários
          (corais).
                        Reprodução - Prof. Albano Novaes.   7
ESPORULAÇÃO
Corresponde a formação de células para
 reprodução, as quais não necessitam
   realizar fecundação. Ex. Fungos,
       bactérias e protozoários.




                  Reprodução - Prof. Albano Novaes.   8
REGENERAÇÃO ou LACERAÇÃO
Alguns animais possuem um extraordinário poder
 de regeneração. A planária, verme platelminto,
 pode ter sua cabeça cortada e mesmo assim não
 morrerá, pois a cabeça pode regenerar um corpo
                novo e vice versa.




                     Reprodução - Prof. Albano Novaes.   9
ESQUIZOGONIA
     Tipo de reprodução típica dos protozoários
esporozoários; a célula sofre sucessivas divisões
   do seu núcleo, acompanhadas, depois, de
  idêntico número de divisões no citoplasma.
 Exemplo: Plasmódio (protozoário causador da
                  malária)




                      Reprodução - Prof. Albano Novaes.   10
Reprodução - Prof. Albano Novaes.   11
Na reprodução sexuada há três
    características básicas:

a) Produção de células haplóides por
          meiose (gametas).
b) União de 2 células haplóides para
  formar um novo indivíduo diplóide.
c) Formação de seres geneticamente
       diferente dos genitores.

                 Reprodução - Prof. Albano Novaes.   12
Do ponto de vista evolutivo, este
 tipo de reprodução pode aumentar a
     probabilidade de uma espécie
  sobreviver as modificações do meio
  ambiente (capacidade adaptativa).
     A união dos gametas (cariogamia)
    provoca novas combinações de
cromossomos, no descendente, levando
  variações nas suas características
    aumentando a possibilidade de
         evolução de espécie.

                  Reprodução - Prof. Albano Novaes.   13
Exemplos: Seres vivos que se reproduzem
         por meio de gametas.

SERES VIVOS     SEXO        GÔNADAS                             GAMETAS

  Animais     Masculino      Testículo                        Espermatozóide
              Feminino         Ovário                             Óvulo



  Vegetais    Masculino     Anterídeo                           Anterozóide

              feminino     Arquegônio                            Oosfera




                          Reprodução - Prof. Albano Novaes.                    14
É a situação em que
 encontramos mais de
    uma cria em cada        Poliovulação
  ninhada, cada uma
originada por múltiplos
 óvulos fecundados por
       diferentes
   espermatozóides. A
maioria dos mamíferos
que gestam mais de um
 filhote apresentam-se
    com esse quadro,
  inclusive na espécie
    humana, quando
    nascem os gêmeos
      fraternos ou
      bivitelínicos.
                          Reprodução - Prof. Albano Novaes.   15
Poliovulação

  Gêmeos: dizigóticos,
bivitelinos ou fraternos

   • Sexos iguais ou
       diferentes
   • Geneticamente
      diferentes
Poliembrionia
      A fecundação ocorre em um
        único óvulo que parte-se
        posteriormente após as
            clivagens iniciais
        originando dois ou mais
            novos indivíduos.
                Ocorre sempre com o
              tatu e muito mais
            raramente na espécie
           humana, originando os
          gêmeos univitelínicos ou
                  idênticos.
      Estes apresentarão sempre
       o mesmo sexo e o mesmo
       material genético (DNA).
      Reprodução - Prof. Albano Novaes.   17
Poliembrionia
 Gêmeos: idênticos,
  univitelinos ou
   monozigóticos

       •Sexos
  obrigatoriamente
       iguais
• Geneticamente iguais
  • Clones naturais
Reprodução Gámica e Agâmica




            Reprodução - Prof. Albano Novaes.   19
Gônadas: Femininas e Masculinas




                                                      Ovários
     Testículos




                  Reprodução - Prof. Albano Novaes.             20
Gametogênese
Processo de formação dos gametas e
 ocorre nas gônadas masculinas e
             femininas.
 No macho: a formação dos gametas
   (os espermatozóides) ocorre nos
      testículos, e é chamada de
           espermatogênese.

Na fêmea: a formação dos gametas (os
   ovócitos) ocorre nos ovários, e é
     denominada de ovulogênese.
                 Reprodução - Prof. Albano Novaes.   21
Espermatogênese
 É uma sequência de eventos pelos quais as
      células germinativas primitivas se
transformam em espermatozóides, tem início
na puberdade (quando o organismo começa a
  secretar altos níveis de testosterona) e vai
                 até a velhice.
 Na infância - Os testículos do menino estão
 inativos com grande quantidade de células
       germinativas primordiais (2n).
    Aos sete anos de idade - as células
    germinativas primordiais iniciam a
             espermatogênese.
                      Reprodução - Prof. Albano Novaes.   22
Espermatogênese
     Portanto, cada espermatócito
 primário diplóide (2N) que participa
 da espermatogênese origina, ao final
 do processo, quatro espermatozóides
               haplóides.
  Isso justifica o grande número de
   espermatozóides encontrados no
esperma, em cada ejaculação, com um
  número oscilante entre 100 a 400
                milhões.
                 Reprodução - Prof. Albano Novaes.   23
Células germinativas (2n)

                          Mitoses

    Período                    2n
                                                            Espermatogênese
  germinativo
                 Mitose

                      2n                 2n               Espermatogônia

  Período de    Crescimento
                 sem divisão        2n                Espermatócito I (2n)
 crescimento         celular


                           Meiose                           Espermatócitos
                                                                 II (n
                      n                   n                  cromossomos
  Período de
                                                              duplicados)
  maturação

                  n        n         n            n       Espermátides (n)


   Período de
                                                           Espermatozóides
diferenciação         n         n             n       n
Espermatogênese
Transformação de Espermátides
      em Espermatozóides.
Espermiogênese
Espermatozóide
              Espermatozóide é a célula
                reprodutora masculina
              formada por uma cabeça e
               uma cauda ou flagelo. A
                 fecundação, principal
             objetivo do espermatozóide,
             ocorre no momento que esse
             entra no óvulo, formando o
                        embrião.
                A cabeça forma o maior
             volume do espermatozóide,
                essa constitui o núcleo,
             onde se encontra o material
             genético. Esse material faz
              com que as características
             do filho sejam semelhantes
                  as do pai.A cauda ou
                flagelo proporciona ao
                    espermatozóide a
              capacidade de locomoção.

            Reprodução - Prof. Albano Novaes.   27
Ovulogênese ou Ovogênese
      Sequência de eventos através dos quais as células
     germinativas primitivas, denominadas ovogônias se
            transformam em ovócitos maduros.
Tem início antes do nascimento e termina após a maturação
                          sexual.
   Após o nascimento as ovogônias já se diferenciaram em
ovócitos primários (cuja meiose está interrompida em prófase
   I), que são envolvidos por uma camada única de células
   epiteliais achatadas constituindo o folículo primordial.
   Na puberdade, o ovócito cresce e as células foliculares
 tornam-se cubóides e depois colunares formando o folículo
                         primário.
     O ovócito passa a ser envolvido por uma camada de
           glicoproteínas chamado zona pelúcida.
  Quando adquire mais uma camada de células foliculares
  passa a se chamar folículo Reprodução - Prof. Albano Novaes.em maturação.
                             secundário ou                                    28
Células germinativas (2n)

      Período
  germinativo                   2n Ovogônias (2n)

                                                                       Ovulogênese
                  Crescimento
 Período de       sem divisão celular       2n       Ovócito I (2n) células que aumentam de tamanho
crescimento

                                                       Meiose I
                       Ovócito II            n         n
              (n cromossomos duplicados)                     Primeiro glóbulo polar (n cromossomos duplicados)
Período de                                                        Meiose II (só se completa se ocorre fecundação)
maturação
                   Óvulo (n)            n        n      n   n    glóbulos polares (n)
                                                                 São formados
                                                                eventualmente
É o amadurecimento do óvulo dentro
                    do ovário. A mulher possui dois
                    ovários e, a ovulação acontece
                 normalmente em um dos ovários. Em
                  condições especiais pode ocorrer a
                 ovulação nos dois ovários ao mesmo
                tempo. Estima-se que a ovulação se dá
                           no meio do ciclo

A ovulação começa no início da puberdade, geralmente
com a maturação de um folículo por mês retomando o
processo que ocorreu antes do nascimento da menina.

Na fase de maturação, cada ovócito I (diplóide) dá, por
meiose I (reducional) duas células haplóides: o ovócito
 II (secundário), relativamente grande, e o 1º glóbulo
             polar, de tamanho reduzido.
Logo a seguir, o
ovócito II se divide por
 meiose, dando duas
    células também
     diferentes em
tamanho: ovótide, bem         Portanto, cada
  desenvolvida, e o 2º     ovócito I dará origem
 glóbulo polar, muito       a um óvulo e a três
        menor.               glóbulos polares,
                           geralmente estéreis.
Maturação do òvulo (ovócito)
                       Os ovários
                      alternam-se
                     na maturação
                        dos seus
                      folículos, ou
                      seja, a cada
                          ciclo
                      menstrual, a
                      liberação de
                      um óvulo, ou
                        ovulação,
                      acontece em
                      um dos dois
                         ovários
Folículo
portador do
   ovócito
secundário,
precedente à
ovulação do                               O corpo lúteo
  mesmo.                                aparece após a
                                            ovulação,
                                         permanecendo
                                           nos ovários
                                        durante 14 dias
                                         (fase luteínica)
                                          até degenerar
                 .




Folículo (anatomia) - um pequeno grupo esférico de
        células que delimita uma cavidade.
Menstruação
    É a descamação do útero.

  Mens - vem do grego e significa lua.
Assim, a cada volta completa da lua, de
 mês em mês, temos o ciclo menstrual.
Em geral a menstruação ocorre de 28 em
               28 dias.
A primeira menstruação
Fecundação




                É a união do
                  gameta
                 masculino
             (espermatozóide)
               com o gameta
             feminino (óvulo).
Fecundação
Ocorre dentro do corpo da
          fêmea.
  A maioria dos animais
       terrestres.
Exemplos: mamíferos, aves,
répteis, insetos, aracnídeos,
         vermes, etc.
Maioria dos animais
       aquáticos.
  Exemplos: crustáceos,
poliquetos, moluscos, peixes,
      anfíbios, outros...
Ovíparos
Ovíparos são animais de
  fecundação interna ou
   externa, cujas fêmeas
    liberam ovos de seus
 corpos. Dessa forma, os
 embriões se desenvolvem
 no meio externo, dentro
dos ovos, e se alimentam
  de reservas nutritivas      Ovíparos
 presentes nesse sistema.
Na maioria dos casos, os
     ovos possuem casca
   rígida. Alguns peixes
condrictes, aves, répteis e
      invertebrados são
  exemplos de ovíparos.
- Fecundação interna
Desenvolvimento interno
  Com ligação trófica
Vivíparos
 Nos animais vivíparos, o embrião se desenvolve
 completamente dentro do organismo da mãe, se
alimentando e recebendo oxigênio diretamente de
    fontes fisiológicas provenientes do sangue
materno. Esse tipo dá origem, geralmente, a uma
 prole única ou pequena, a cada gestação, sendo
    predominantemente típica em mamíferos.
Ovulíparos
Nas espécies
                   Ovulíparos
 ovulíparas, fêmeas e
  machos lançam um
  número grande de
  gametas na água,
      ocorrendo a
   fecundação nesse
       ambiente
(fecundação externa).
     Alguns peixes,
     invertebrados
 aquáticos e anfíbios
desenvolvem-se dessa
        forma.
Ovovivíparos




- Existe espécies de tubarões ovovivíparos
Ovovivíparos
Ovovivíparos os animais cujo
embrião se desenvolve dentro
de um ovo alojado dentro do
 corpo da mãe. O ovo recebe
     assim proteção, mas
  desenvolve-se a partir do
 material nutritivo existente
    dentro do ovo. Os ovos
eclodem no oviduto materno
   sem que exista ligação
alguma entre a progenitora e
          o embrião.
   Alguns peixes, répteis e
      invertebrados são
         ovovivíparos.
Os sistemas
  Genitais
 Masculino
      e
 Feminino.
    Reprodução - Prof. Albano Novaes.   48
Sistema
                        Genital
                       Masculino
Reprodução - Prof. Albano Novaes.   49
Constituição:

Órgãos externos:
• Pênis
• Escroto
Órgãos Internos:
• Ductos (Canais)
  deferentes
• Glândulas seminais
• Próstata
• Ductos eferentes
• Vesícula seminal
Órgão
  copulador
  masculino

região interna:
 • 3 cilindros de
 tecido esponjoso,
• Corpo cavernoso,
Pênis
Corpos Cavernosos.

• Pequenos espaços
  separados por mm e
  tecido fibroso.
• Tecido erétil.
• Intumescido durante
  excitação sexual.
  • Acúmulo de sangue.
• Promove a ereção do
  pênis.
  • Possibilita o ato
    sexual.
Percorre o pênis
longitudinalmente


Canal comum aos
sistemas urinário
     e genital.

      Função:
 • Eliminação de
 urina e esperma
Bolsa de
             Abaixo do   Alojam os
pele entre
               pênis     testículos
 as coxas
Gônadas masculinas.


Túbulos Seminíferos
 Milhares de tubos finos e
       enovelados.




Envoltórios de tecido
    conjuntivo.
Eliminação dos espermatozóides

Espermatozóides
• Atingem o canal do
   túbulo seminífero
   Epidídimo:
• Túbulo enovelado
   sobre o testículo
    • Armazena o
Espermatozóide para
  o amadurecimento
 • Até a eliminação
Sistema
                      Genital
                     Feminino
Reprodução - Prof. Albano Novaes.   57
Constituição:


• Externos:
  • Pudendo
    feminino
• Internos:
  • Vagina
  • Útero
  • Tubas Uterinas
  • Ovários
Pudendo      Nome antigo:
feminino        Vulva


             Constituição:

             Lábios maiores
            (grandes lábios),
             Lábios menores
           (pequenos lábios),
                Clitóris,
           Vestíbulo vaginal,
Lábios maiores (grandes lábios)


 2 dobras grossas
     da pele.


Extensão paralela
  do inferior do
     púbis às
 proximidades do
      ânus.
Lábios menores (pequenos lábios)

                     Interna aos
                   lábios maiores.

                   Pregas de pele
                   menores e mais
                     delicadas.

                    Delimitam a
                    entrada da
                      vagina.
Localização:

• Região anterior,
   • Próxima a
     junção dos
  lábios menores,
Vestíbulo vaginal

           Par de glândulas

           • Ao lado da abertura
                   vaginal

               Secreção:
               Lubrificante,
           Facilita a penetração,
Cobertura parcial do             Rompimento em geral
 orifício vaginal em                no primeiro ato
  mulheres virgens.                     sexual.

                       Reprodução - Prof. Albano Novaes.   64
Biologia.
Ensino Médio.
Sinópse sobre Reprodução.
Prof.: Albano Novaes




           Reprodução - Prof. Albano Novaes.   65

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
Roberto Bagatini
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Werner Mendoza Blanco
 
Reprodução assexuada
Reprodução assexuadaReprodução assexuada
Reprodução assexuada
DiasPereira2001
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
guest47023a
 
Reprodução aula 05 de luzia
Reprodução aula 05 de luziaReprodução aula 05 de luzia
Reprodução aula 05 de luzia
luziabiologa2010
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
URCA
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
Catir
 
Reprodução assexuada nos seres vivos
Reprodução assexuada nos seres vivos   Reprodução assexuada nos seres vivos
Reprodução assexuada nos seres vivos
Isabel Lopes
 
Estratégias reprodutoras
Estratégias reprodutorasEstratégias reprodutoras
Estratégias reprodutoras
margaridabt
 
Sexo
SexoSexo
Sexo
unesp
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
Ricardo Dias
 
Aula 01 introdução à embriologia
Aula 01   introdução à embriologiaAula 01   introdução à embriologia
Aula 01 introdução à embriologia
mikerondon
 
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
João Leitão
 
O que é reprodução assexuada
O que é reprodução assexuadaO que é reprodução assexuada
O que é reprodução assexuada
Mágico Julian
 
Reprodução
Reprodução Reprodução

Mais procurados (18)

Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Reprodução assexuada
Reprodução assexuadaReprodução assexuada
Reprodução assexuada
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Reprodução aula 05 de luzia
Reprodução aula 05 de luziaReprodução aula 05 de luzia
Reprodução aula 05 de luzia
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Reprodução assexuada nos seres vivos
Reprodução assexuada nos seres vivos   Reprodução assexuada nos seres vivos
Reprodução assexuada nos seres vivos
 
Estratégias reprodutoras
Estratégias reprodutorasEstratégias reprodutoras
Estratégias reprodutoras
 
Sexo
SexoSexo
Sexo
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Aula 01 introdução à embriologia
Aula 01   introdução à embriologiaAula 01   introdução à embriologia
Aula 01 introdução à embriologia
 
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
O que é reprodução assexuada
O que é reprodução assexuadaO que é reprodução assexuada
O que é reprodução assexuada
 
Reprodução
Reprodução Reprodução
Reprodução
 

Destaque

Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Pedro
 
Ficha Tecnica _ Animais aquáticos
Ficha Tecnica _ Animais aquáticosFicha Tecnica _ Animais aquáticos
Ficha Tecnica _ Animais aquáticos
vanessadantas.tec
 
Agnatos
 Agnatos Agnatos
Agnatos
mtt22
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixes
letyap
 
04 como se reproduzem os animais
04 como se reproduzem os animais04 como se reproduzem os animais
04 como se reproduzem os animais
Carla Gomes
 
Cães
CãesCães
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do EsqueletoSistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Beatriz Aparecida Gonçalves Alves Vieira
 
Reprodução -- 5ºano
Reprodução -- 5ºanoReprodução -- 5ºano
Reprodução -- 5ºano
Rosa Pereira
 
Reprodução dos Animais
Reprodução dos AnimaisReprodução dos Animais
Reprodução dos Animais
00367p
 
Presentacion de la sexologia
Presentacion de la sexologiaPresentacion de la sexologia
Presentacion de la sexologia
lili_222014
 
Peixes
PeixesPeixes
Reprodução nos-animais
Reprodução nos-animaisReprodução nos-animais
Reprodução nos-animais
Carla Gomes
 
Animais DoméSticos E Selvagens
Animais DoméSticos E SelvagensAnimais DoméSticos E Selvagens
Animais DoméSticos E Selvagens
guest95dd02
 
La violencia física y psicológica en la mujer
La violencia física y psicológica en la mujerLa violencia física y psicológica en la mujer
La violencia física y psicológica en la mujer
Raúl Santiváñez del Aguila
 
Exposicion sexologia forense cinthia y astrid
Exposicion sexologia forense cinthia y astridExposicion sexologia forense cinthia y astrid
Exposicion sexologia forense cinthia y astrid
cinthiacruzado
 
Classes dos animais
Classes dos animaisClasses dos animais
Classes dos animais
JosBatista
 
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
NILDA Leite Leite
 

Destaque (17)

Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
 
Ficha Tecnica _ Animais aquáticos
Ficha Tecnica _ Animais aquáticosFicha Tecnica _ Animais aquáticos
Ficha Tecnica _ Animais aquáticos
 
Agnatos
 Agnatos Agnatos
Agnatos
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixes
 
04 como se reproduzem os animais
04 como se reproduzem os animais04 como se reproduzem os animais
04 como se reproduzem os animais
 
Cães
CãesCães
Cães
 
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do EsqueletoSistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
 
Reprodução -- 5ºano
Reprodução -- 5ºanoReprodução -- 5ºano
Reprodução -- 5ºano
 
Reprodução dos Animais
Reprodução dos AnimaisReprodução dos Animais
Reprodução dos Animais
 
Presentacion de la sexologia
Presentacion de la sexologiaPresentacion de la sexologia
Presentacion de la sexologia
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Reprodução nos-animais
Reprodução nos-animaisReprodução nos-animais
Reprodução nos-animais
 
Animais DoméSticos E Selvagens
Animais DoméSticos E SelvagensAnimais DoméSticos E Selvagens
Animais DoméSticos E Selvagens
 
La violencia física y psicológica en la mujer
La violencia física y psicológica en la mujerLa violencia física y psicológica en la mujer
La violencia física y psicológica en la mujer
 
Exposicion sexologia forense cinthia y astrid
Exposicion sexologia forense cinthia y astridExposicion sexologia forense cinthia y astrid
Exposicion sexologia forense cinthia y astrid
 
Classes dos animais
Classes dos animaisClasses dos animais
Classes dos animais
 
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
110636565 prova-pb-ciencias-5ano-tarde-1bim
 

Semelhante a Ppoint.bio.reprodução

Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução e desenvolvimento dos animais
Reprodução e desenvolvimento dos animaisReprodução e desenvolvimento dos animais
Reprodução e desenvolvimento dos animais
Ivaristo Americo
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
Claudia Leite
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
Maria Jaqueline Mesquita
 
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
agrapacanatejuga
 
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptxAULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Desenen. embri
Desenen. embriDesenen. embri
Desenen. embri
Alisson pereira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Werner Mendoza Blanco
 
Aula sexo
Aula sexoAula sexo
Aula sexo
unesp
 
Reprodução2
Reprodução2Reprodução2
Reprodução2
Laila Fieto
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
Maria Jaqueline Mesquita
 
Mapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologiaMapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologia
Alisson pereira
 
Animal Reproducao
Animal ReproducaoAnimal Reproducao
Animal Reproducao
MariaJoão Agualuza
 
segundo W Inglesh trablho Sifa.docx
segundo  W Inglesh trablho Sifa.docxsegundo  W Inglesh trablho Sifa.docx
segundo W Inglesh trablho Sifa.docx
abondio
 
Apostila de Genética do EJA.pdf
Apostila de Genética do EJA.pdfApostila de Genética do EJA.pdf
Apostila de Genética do EJA.pdf
VvianNascimento2
 
Apostila de genética
Apostila de genéticaApostila de genética
Apostila de genética
raphael sanzio
 
MECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
MECANISMOS REPRODUTIVOS.pptMECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
MECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
VniaGomes29
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
Carlos Priante
 

Semelhante a Ppoint.bio.reprodução (20)

Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução e desenvolvimento dos animais
Reprodução e desenvolvimento dos animaisReprodução e desenvolvimento dos animais
Reprodução e desenvolvimento dos animais
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
 
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
Aula 3- ZG.pptx55555555555555675&6&&&&'-
 
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptxAULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
 
Desenen. embri
Desenen. embriDesenen. embri
Desenen. embri
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula sexo
Aula sexoAula sexo
Aula sexo
 
Reprodução2
Reprodução2Reprodução2
Reprodução2
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
 
Mapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologiaMapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologia
 
Animal Reproducao
Animal ReproducaoAnimal Reproducao
Animal Reproducao
 
segundo W Inglesh trablho Sifa.docx
segundo  W Inglesh trablho Sifa.docxsegundo  W Inglesh trablho Sifa.docx
segundo W Inglesh trablho Sifa.docx
 
Apostila de Genética do EJA.pdf
Apostila de Genética do EJA.pdfApostila de Genética do EJA.pdf
Apostila de Genética do EJA.pdf
 
Apostila de genética
Apostila de genéticaApostila de genética
Apostila de genética
 
MECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
MECANISMOS REPRODUTIVOS.pptMECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
MECANISMOS REPRODUTIVOS.ppt
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 

Mais de Albano Novaes

Modelo.para.elaboração.atidade.biologia
Modelo.para.elaboração.atidade.biologiaModelo.para.elaboração.atidade.biologia
Modelo.para.elaboração.atidade.biologia
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.animais.poríferos
Apres.ppoint.animais.poríferosApres.ppoint.animais.poríferos
Apres.ppoint.animais.poríferos
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.cnidarios.celenterados
Apres.ppoint.cnidarios.celenteradosApres.ppoint.cnidarios.celenterados
Apres.ppoint.cnidarios.celenterados
Albano Novaes
 
Teste.bio.1000
Teste.bio.1000Teste.bio.1000
Teste.bio.1000
Albano Novaes
 
Ppoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiaçãoPpoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiação
Albano Novaes
 
Argumentos.evolucionistas
Argumentos.evolucionistasArgumentos.evolucionistas
Argumentos.evolucionistas
Albano Novaes
 
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
Albano Novaes
 
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosPpoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.biotecnologia
Apres.ppoint.biotecnologiaApres.ppoint.biotecnologia
Apres.ppoint.biotecnologia
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.reino.vegetal.ii
Apres.ppoint.reino.vegetal.iiApres.ppoint.reino.vegetal.ii
Apres.ppoint.reino.vegetal.ii
Albano Novaes
 
Apres.conferencias.ambientais
Apres.conferencias.ambientaisApres.conferencias.ambientais
Apres.conferencias.ambientais
Albano Novaes
 
Bio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicasBio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicas
Albano Novaes
 
Apres.sexualidade.escola
Apres.sexualidade.escolaApres.sexualidade.escola
Apres.sexualidade.escola
Albano Novaes
 
Trab.física.raios x
Trab.física.raios xTrab.física.raios x
Trab.física.raios x
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofia
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofiaApres.ppoint.adrenoleucodistrofia
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofia
Albano Novaes
 
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.ambApres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Albano Novaes
 
Apres.dst.ppoint
Apres.dst.ppointApres.dst.ppoint
Apres.dst.ppoint
Albano Novaes
 
Apres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meioseApres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meiose
Albano Novaes
 
Apres Embriol Sexualidade
Apres Embriol SexualidadeApres Embriol Sexualidade
Apres Embriol Sexualidade
Albano Novaes
 
Apres Compos Sexualidade
Apres Compos SexualidadeApres Compos Sexualidade
Apres Compos Sexualidade
Albano Novaes
 

Mais de Albano Novaes (20)

Modelo.para.elaboração.atidade.biologia
Modelo.para.elaboração.atidade.biologiaModelo.para.elaboração.atidade.biologia
Modelo.para.elaboração.atidade.biologia
 
Apres.ppoint.animais.poríferos
Apres.ppoint.animais.poríferosApres.ppoint.animais.poríferos
Apres.ppoint.animais.poríferos
 
Apres.ppoint.cnidarios.celenterados
Apres.ppoint.cnidarios.celenteradosApres.ppoint.cnidarios.celenterados
Apres.ppoint.cnidarios.celenterados
 
Teste.bio.1000
Teste.bio.1000Teste.bio.1000
Teste.bio.1000
 
Ppoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiaçãoPpoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiação
 
Argumentos.evolucionistas
Argumentos.evolucionistasArgumentos.evolucionistas
Argumentos.evolucionistas
 
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
Ppoint.anatomia.vegetal.raiz.1
 
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosPpoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
 
Apres.ppoint.biotecnologia
Apres.ppoint.biotecnologiaApres.ppoint.biotecnologia
Apres.ppoint.biotecnologia
 
Apres.ppoint.reino.vegetal.ii
Apres.ppoint.reino.vegetal.iiApres.ppoint.reino.vegetal.ii
Apres.ppoint.reino.vegetal.ii
 
Apres.conferencias.ambientais
Apres.conferencias.ambientaisApres.conferencias.ambientais
Apres.conferencias.ambientais
 
Bio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicasBio.eco.relações.ecológicas
Bio.eco.relações.ecológicas
 
Apres.sexualidade.escola
Apres.sexualidade.escolaApres.sexualidade.escola
Apres.sexualidade.escola
 
Trab.física.raios x
Trab.física.raios xTrab.física.raios x
Trab.física.raios x
 
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofia
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofiaApres.ppoint.adrenoleucodistrofia
Apres.ppoint.adrenoleucodistrofia
 
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.ambApres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.amb
 
Apres.dst.ppoint
Apres.dst.ppointApres.dst.ppoint
Apres.dst.ppoint
 
Apres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meioseApres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meiose
 
Apres Embriol Sexualidade
Apres Embriol SexualidadeApres Embriol Sexualidade
Apres Embriol Sexualidade
 
Apres Compos Sexualidade
Apres Compos SexualidadeApres Compos Sexualidade
Apres Compos Sexualidade
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 

Ppoint.bio.reprodução

  • 1. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 1
  • 2. Em Biologia - reprodução - refere-se à função através da qual os seres vivos produzem descendentes, dando continuidade à sua espécie. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 2
  • 3. Tipos de reprodução SEXUADA OU GÂMICA  com presença de gametas  com recombinação gênica  aumenta variabilidade genética ASSEXUADA OU AGÂMICA  sem presença de gametas  sem recombinação gênica  diminui variabilidade genética
  • 4. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 4
  • 5. DIVISÃO BINÁRIA OU BIPARTIÇÃO Ocorre em organismos unicelulares, onde uma divisão simples pode dar origem a dois novos indivíduos com composição genética idênticas à célula mãe. Eucarionte unicelular em processo de bipartição ou divisão binária Reprodução - Prof. Albano Novaes. 5
  • 6. Eucarionte unicelular em processo de bipartição ou divisão binária Reprodução - Prof. Albano Novaes. 6
  • 7. BROTAMENTO OU GEMIPARIDADE Nesta forma de reprodução um indivíduo adulto emite de seu corpo um "broto" que cresce e forma um novo organismo. Este novo indivíduo formado pode ou não desprender-se do indivíduo que lhe deu origem. Este tipo de reprodução ocorre em organismos que formam colônias, como em espongiários e cnidários (corais). Reprodução - Prof. Albano Novaes. 7
  • 8. ESPORULAÇÃO Corresponde a formação de células para reprodução, as quais não necessitam realizar fecundação. Ex. Fungos, bactérias e protozoários. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 8
  • 9. REGENERAÇÃO ou LACERAÇÃO Alguns animais possuem um extraordinário poder de regeneração. A planária, verme platelminto, pode ter sua cabeça cortada e mesmo assim não morrerá, pois a cabeça pode regenerar um corpo novo e vice versa. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 9
  • 10. ESQUIZOGONIA Tipo de reprodução típica dos protozoários esporozoários; a célula sofre sucessivas divisões do seu núcleo, acompanhadas, depois, de idêntico número de divisões no citoplasma. Exemplo: Plasmódio (protozoário causador da malária) Reprodução - Prof. Albano Novaes. 10
  • 11. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 11
  • 12. Na reprodução sexuada há três características básicas: a) Produção de células haplóides por meiose (gametas). b) União de 2 células haplóides para formar um novo indivíduo diplóide. c) Formação de seres geneticamente diferente dos genitores. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 12
  • 13. Do ponto de vista evolutivo, este tipo de reprodução pode aumentar a probabilidade de uma espécie sobreviver as modificações do meio ambiente (capacidade adaptativa). A união dos gametas (cariogamia) provoca novas combinações de cromossomos, no descendente, levando variações nas suas características aumentando a possibilidade de evolução de espécie. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 13
  • 14. Exemplos: Seres vivos que se reproduzem por meio de gametas. SERES VIVOS SEXO GÔNADAS GAMETAS Animais Masculino Testículo Espermatozóide Feminino Ovário Óvulo Vegetais Masculino Anterídeo Anterozóide feminino Arquegônio Oosfera Reprodução - Prof. Albano Novaes. 14
  • 15. É a situação em que encontramos mais de uma cria em cada Poliovulação ninhada, cada uma originada por múltiplos óvulos fecundados por diferentes espermatozóides. A maioria dos mamíferos que gestam mais de um filhote apresentam-se com esse quadro, inclusive na espécie humana, quando nascem os gêmeos fraternos ou bivitelínicos. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 15
  • 16. Poliovulação Gêmeos: dizigóticos, bivitelinos ou fraternos • Sexos iguais ou diferentes • Geneticamente diferentes
  • 17. Poliembrionia A fecundação ocorre em um único óvulo que parte-se posteriormente após as clivagens iniciais originando dois ou mais novos indivíduos. Ocorre sempre com o tatu e muito mais raramente na espécie humana, originando os gêmeos univitelínicos ou idênticos. Estes apresentarão sempre o mesmo sexo e o mesmo material genético (DNA). Reprodução - Prof. Albano Novaes. 17
  • 18. Poliembrionia Gêmeos: idênticos, univitelinos ou monozigóticos •Sexos obrigatoriamente iguais • Geneticamente iguais • Clones naturais
  • 19. Reprodução Gámica e Agâmica Reprodução - Prof. Albano Novaes. 19
  • 20. Gônadas: Femininas e Masculinas Ovários Testículos Reprodução - Prof. Albano Novaes. 20
  • 21. Gametogênese Processo de formação dos gametas e ocorre nas gônadas masculinas e femininas. No macho: a formação dos gametas (os espermatozóides) ocorre nos testículos, e é chamada de espermatogênese. Na fêmea: a formação dos gametas (os ovócitos) ocorre nos ovários, e é denominada de ovulogênese. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 21
  • 22. Espermatogênese É uma sequência de eventos pelos quais as células germinativas primitivas se transformam em espermatozóides, tem início na puberdade (quando o organismo começa a secretar altos níveis de testosterona) e vai até a velhice. Na infância - Os testículos do menino estão inativos com grande quantidade de células germinativas primordiais (2n). Aos sete anos de idade - as células germinativas primordiais iniciam a espermatogênese. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 22
  • 23. Espermatogênese Portanto, cada espermatócito primário diplóide (2N) que participa da espermatogênese origina, ao final do processo, quatro espermatozóides haplóides. Isso justifica o grande número de espermatozóides encontrados no esperma, em cada ejaculação, com um número oscilante entre 100 a 400 milhões. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 23
  • 24. Células germinativas (2n) Mitoses Período 2n Espermatogênese germinativo Mitose 2n 2n Espermatogônia Período de Crescimento sem divisão 2n Espermatócito I (2n) crescimento celular Meiose Espermatócitos II (n n n cromossomos Período de duplicados) maturação n n n n Espermátides (n) Período de Espermatozóides diferenciação n n n n
  • 26. Transformação de Espermátides em Espermatozóides. Espermiogênese
  • 27. Espermatozóide Espermatozóide é a célula reprodutora masculina formada por uma cabeça e uma cauda ou flagelo. A fecundação, principal objetivo do espermatozóide, ocorre no momento que esse entra no óvulo, formando o embrião. A cabeça forma o maior volume do espermatozóide, essa constitui o núcleo, onde se encontra o material genético. Esse material faz com que as características do filho sejam semelhantes as do pai.A cauda ou flagelo proporciona ao espermatozóide a capacidade de locomoção. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 27
  • 28. Ovulogênese ou Ovogênese Sequência de eventos através dos quais as células germinativas primitivas, denominadas ovogônias se transformam em ovócitos maduros. Tem início antes do nascimento e termina após a maturação sexual. Após o nascimento as ovogônias já se diferenciaram em ovócitos primários (cuja meiose está interrompida em prófase I), que são envolvidos por uma camada única de células epiteliais achatadas constituindo o folículo primordial. Na puberdade, o ovócito cresce e as células foliculares tornam-se cubóides e depois colunares formando o folículo primário. O ovócito passa a ser envolvido por uma camada de glicoproteínas chamado zona pelúcida. Quando adquire mais uma camada de células foliculares passa a se chamar folículo Reprodução - Prof. Albano Novaes.em maturação. secundário ou 28
  • 29. Células germinativas (2n) Período germinativo 2n Ovogônias (2n) Ovulogênese Crescimento Período de sem divisão celular 2n Ovócito I (2n) células que aumentam de tamanho crescimento Meiose I Ovócito II n n (n cromossomos duplicados) Primeiro glóbulo polar (n cromossomos duplicados) Período de Meiose II (só se completa se ocorre fecundação) maturação Óvulo (n) n n n n glóbulos polares (n) São formados eventualmente
  • 30. É o amadurecimento do óvulo dentro do ovário. A mulher possui dois ovários e, a ovulação acontece normalmente em um dos ovários. Em condições especiais pode ocorrer a ovulação nos dois ovários ao mesmo tempo. Estima-se que a ovulação se dá no meio do ciclo A ovulação começa no início da puberdade, geralmente com a maturação de um folículo por mês retomando o processo que ocorreu antes do nascimento da menina. Na fase de maturação, cada ovócito I (diplóide) dá, por meiose I (reducional) duas células haplóides: o ovócito II (secundário), relativamente grande, e o 1º glóbulo polar, de tamanho reduzido.
  • 31. Logo a seguir, o ovócito II se divide por meiose, dando duas células também diferentes em tamanho: ovótide, bem Portanto, cada desenvolvida, e o 2º ovócito I dará origem glóbulo polar, muito a um óvulo e a três menor. glóbulos polares, geralmente estéreis.
  • 32. Maturação do òvulo (ovócito) Os ovários alternam-se na maturação dos seus folículos, ou seja, a cada ciclo menstrual, a liberação de um óvulo, ou ovulação, acontece em um dos dois ovários
  • 33. Folículo portador do ovócito secundário, precedente à ovulação do O corpo lúteo mesmo. aparece após a ovulação, permanecendo nos ovários durante 14 dias (fase luteínica) até degenerar . Folículo (anatomia) - um pequeno grupo esférico de células que delimita uma cavidade.
  • 34. Menstruação É a descamação do útero. Mens - vem do grego e significa lua. Assim, a cada volta completa da lua, de mês em mês, temos o ciclo menstrual. Em geral a menstruação ocorre de 28 em 28 dias.
  • 36. Fecundação É a união do gameta masculino (espermatozóide) com o gameta feminino (óvulo).
  • 38. Ocorre dentro do corpo da fêmea. A maioria dos animais terrestres. Exemplos: mamíferos, aves, répteis, insetos, aracnídeos, vermes, etc.
  • 39. Maioria dos animais aquáticos. Exemplos: crustáceos, poliquetos, moluscos, peixes, anfíbios, outros...
  • 41. Ovíparos são animais de fecundação interna ou externa, cujas fêmeas liberam ovos de seus corpos. Dessa forma, os embriões se desenvolvem no meio externo, dentro dos ovos, e se alimentam de reservas nutritivas Ovíparos presentes nesse sistema. Na maioria dos casos, os ovos possuem casca rígida. Alguns peixes condrictes, aves, répteis e invertebrados são exemplos de ovíparos.
  • 42. - Fecundação interna Desenvolvimento interno Com ligação trófica
  • 43. Vivíparos Nos animais vivíparos, o embrião se desenvolve completamente dentro do organismo da mãe, se alimentando e recebendo oxigênio diretamente de fontes fisiológicas provenientes do sangue materno. Esse tipo dá origem, geralmente, a uma prole única ou pequena, a cada gestação, sendo predominantemente típica em mamíferos.
  • 45. Nas espécies Ovulíparos ovulíparas, fêmeas e machos lançam um número grande de gametas na água, ocorrendo a fecundação nesse ambiente (fecundação externa). Alguns peixes, invertebrados aquáticos e anfíbios desenvolvem-se dessa forma.
  • 46. Ovovivíparos - Existe espécies de tubarões ovovivíparos
  • 47. Ovovivíparos Ovovivíparos os animais cujo embrião se desenvolve dentro de um ovo alojado dentro do corpo da mãe. O ovo recebe assim proteção, mas desenvolve-se a partir do material nutritivo existente dentro do ovo. Os ovos eclodem no oviduto materno sem que exista ligação alguma entre a progenitora e o embrião. Alguns peixes, répteis e invertebrados são ovovivíparos.
  • 48. Os sistemas Genitais Masculino e Feminino. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 48
  • 49. Sistema Genital Masculino Reprodução - Prof. Albano Novaes. 49
  • 50. Constituição: Órgãos externos: • Pênis • Escroto Órgãos Internos: • Ductos (Canais) deferentes • Glândulas seminais • Próstata • Ductos eferentes • Vesícula seminal
  • 51. Órgão copulador masculino região interna: • 3 cilindros de tecido esponjoso, • Corpo cavernoso,
  • 52. Pênis Corpos Cavernosos. • Pequenos espaços separados por mm e tecido fibroso. • Tecido erétil. • Intumescido durante excitação sexual. • Acúmulo de sangue. • Promove a ereção do pênis. • Possibilita o ato sexual.
  • 53. Percorre o pênis longitudinalmente Canal comum aos sistemas urinário e genital. Função: • Eliminação de urina e esperma
  • 54. Bolsa de Abaixo do Alojam os pele entre pênis testículos as coxas
  • 55. Gônadas masculinas. Túbulos Seminíferos Milhares de tubos finos e enovelados. Envoltórios de tecido conjuntivo.
  • 56. Eliminação dos espermatozóides Espermatozóides • Atingem o canal do túbulo seminífero Epidídimo: • Túbulo enovelado sobre o testículo • Armazena o Espermatozóide para o amadurecimento • Até a eliminação
  • 57. Sistema Genital Feminino Reprodução - Prof. Albano Novaes. 57
  • 58. Constituição: • Externos: • Pudendo feminino • Internos: • Vagina • Útero • Tubas Uterinas • Ovários
  • 59. Pudendo Nome antigo: feminino Vulva Constituição: Lábios maiores (grandes lábios), Lábios menores (pequenos lábios), Clitóris, Vestíbulo vaginal,
  • 60. Lábios maiores (grandes lábios) 2 dobras grossas da pele. Extensão paralela do inferior do púbis às proximidades do ânus.
  • 61. Lábios menores (pequenos lábios) Interna aos lábios maiores. Pregas de pele menores e mais delicadas. Delimitam a entrada da vagina.
  • 62. Localização: • Região anterior, • Próxima a junção dos lábios menores,
  • 63. Vestíbulo vaginal Par de glândulas • Ao lado da abertura vaginal Secreção: Lubrificante, Facilita a penetração,
  • 64. Cobertura parcial do Rompimento em geral orifício vaginal em no primeiro ato mulheres virgens. sexual. Reprodução - Prof. Albano Novaes. 64
  • 65. Biologia. Ensino Médio. Sinópse sobre Reprodução. Prof.: Albano Novaes Reprodução - Prof. Albano Novaes. 65